quinta-feira, 14 de outubro de 2021

LIVRO: Nunca Neva em Setembro


Resenha do livro It Never Snows in September : The German View of Market-Garden and the Battle of Arnhem (Nunca Neva em Setembro: a visão alemã da Market-Garden e a Batalha de Arnhem, 1994), de Robert Kershaw, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um excelente relato do campo de batalha [5 estrelas]

Embora existam muitos livros sobre a famosa Operação Market-Garden [em alemão leva o traço] em setembro de 1944, It Never Snows in September é o melhor relato em inglês que cobre a perspectiva alemã sobre a batalha. O autor, um oficial do exército britânico em serviço, oferece um excelente relato que oferece informações valiosas do ponto de vista do inimigo, bem como uma análise militar sólida. Além disso, a narrativa bem escrita é enriquecida por excelentes fotografias (muitas de coleções alemãs) e mapas táticos detalhados. Este livro é uma festa para historiadores militares e merece um lugar em qualquer biblioteca militar.

Chuva de velame dos paraquedistas do 1º Exército Aerotransportado.

O livro é dividido em 27 capítulos curtos que cobrem o período de 2 de setembro a 4 de outubro de 1944. Três apêndices interessantes cobrem as ordens alemãs para o 2º Corpo Blindado SS (II. SS-Panzerkorps) em 17 de setembro de 1944, uma ordem de batalha alemã detalhada para toda a campanha e uma estimativa de baixas subdividida por subunidades. A pesquisa de Kershaw em fontes alemãs é extensa e, embora tenha lacunas, fornece muito mais detalhes do que fontes padrão sobre a batalha do que relatos jornalísticos como A Bridge Too Far (Uma Ponte Longe Demais). Por exemplo, Kampfgruppe Spindler, a força de bloqueio vital que impediu a 1ª Divisão Aerotransportada britânica de alcançar seus objetivos em força no primeiro dia, nem sequer é mencionado no clássico relato de Ryan.

SS-Obersturmbannführer (Tenente-Coronel) Ludwig Spindler.

A visão de Kershaw da batalha difere da maioria dos relatos dos Aliados sobre a operação. Em sua opinião, "os historiadores aliados tendem a culpar os erros em vez de contramedidas eficazes para explicar o fracasso." Foi, "improvisação e rápida acumulação de força [alemã] [que] embotou os ataques... Os tempos de reação alemães foram surpreendentes." Certamente, a capacidade dos comandantes alemães de reunir rapidamente grupos de batalha eficazes (kampfgruppen) de várias probabilidades e extremos - incluindo tropas terrestres da Luftwaffe, marinheiros e trabalhadores ferroviários - e lançá-los na batalha era incrível, mas teve o preço de muitas baixas. Os kampfgruppen alemães não-treinados freqüentemente sofriam perdas de 50% no combate inicial e essas unidades tinham pouca capacidade de ganhar terreno. No entanto, o rápido desdobramento dessas formações miscelâneas frustrou o supercomplicado plano dos Aliados, que não aceitava nenhuma ação inimiga significativa. Assim, Kershaw conclui que as alterações no plano da Market-Garden, como deixar a 1ª Divisão Aerotransportada britânica mais perto da Ponte de Arnhem, provavelmente não teriam mudado muito o resultado.

Paras britânicos em Oosterbeek, 23 de setembro de 1944.

Soldados alemães em combate de rua em Oosterbeek.

Outro aspecto único que Kershaw traz à tona são os enormes problemas de comando e controle afetando a resposta alemã a um grande e inesperado ataque aerotransportado. A cadeia de comando alemã na Holanda era vaga quando o ataque começou e os alemães cometeram o erro amador de fazer da estrada principal norte-sul a fronteira de comando; o ataque britânico do 30º Corpo de Exército por esta rodovia dividiu fisicamente as forças alemãs. A falta de rádios na maioria das unidades obrigou os alemães a confiarem em telefones e corredores, o que tornava os tempos de resposta muito lentos e inibia o estilo tático flexível que os líderes alemães preferiam. Os oficiais receberam unidades ad hoc (improvisadas) e tiveram que inspirar tropas destreinadas e freqüentemente desmotivadas para atacarem os paraquedistas Aliados de elite que estavam entrincheirados. Coordenar os ataques para cortar o elo vital dos Aliados na "Hell's Highway" ("Rodovia Infernal") foi muito difícil para os alemães e suas deficiências de comando e controle eram uma restrição crítica em sua capacidade de contra-ataque eficaz.

Embora o livro em geral seja excelente, existem algumas omissões e erros perceptíveis. Em termos de omissões, as ações críticas em torno de Elst em 21-23 de setembro de 1944 não são detalhadas. Como exatamente os alemães pararam a investida final dos Aliados em direção à ponte de Arnhem e o que exatamente os britânicos fizeram para tentar ultrapassá-la? Curiosamente, parte do contato inicial entre a 43ª Divisão Wessex britânica e o Kampfgruppe Knaust perto de Elst na noite de 22 de setembro de 1944 é mencionado, mas apenas em relação às baixas britânicas. Não há menção de que os britânicos emboscaram e destruíram cinco tanques Tiger nessa ação. Com a artilharia, poder de fogo aéreo e blindado disponíveis para o 30º Corpo, a incapacidade de romper as defesas alemãs em Elst merece mais atenção neste relato, especialmente porque o autor cita as ações ao norte de Nijmegen como decisivas para determinar o resultado.

Soldados alemães abrindo trincheiras em Arnhem.

Em termos de erros, há alguns erros perceptíveis na ordem de batalha alemã, principalmente em relação aos tanques Tiger usados na batalha. Apenas duas companhias do 506º Batalhão de Tanques Pesados, com 30 tanques Tiger II, serviram nas fases posteriores da batalha - a outra companhia foi para Aachen. Kershaw identifica incorretamente a companhia "Hummel" como parte do 506º, mas na verdade era uma companhia independente com 14 tanques Tiger I. A 224ª Companhia Blindada (Panzer-Kompanie 224, PzKp 224) tinha 16 tanques franceses Char B, e não 8 tanques Renault.

A composição da 10ª SS Panzer também é excessivamente vaga. A questão é que a pesquisa do autor tem mais de doze anos e novas pesquisas em arquivos alemães revelaram informações que esclarecem e refinam alguns dos dados apresentados neste livro.

No geral, este livro fornece um relato muito necessário em inglês da visão alemã da Operação Market-Garden. Muitos pequenos detalhes que ajudam a esclarecer os elementos críticos da batalha são apresentados aqui. Algumas das conclusões do autor, como aquelas que tentam desenvolver lições que possam ajudar uma defesa da OTAN contra um ataque aerotransportado soviético, não são mais relevantes, mas os detalhes desta batalha brutal, exaustiva, estressante e de decisão muito emparelhada fornecem suas próprias lições. Este livro pertence a qualquer lista de leitura militar profissional.

Túmulo alemão para um paraquedista britânico morto em Arnhem.
A inscrição em alemão diz:
"Soldado inglês desconhecido".

Sobre o autor:

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Vídeo recomendado:

Antony Beevor: Segunda Guerra Mundial e Lições do Passado - "Arnhem: A Batalha das Pontes"

Nenhum comentário:

Postar um comentário