sexta-feira, 15 de outubro de 2021

A Política Soviética em relação à Alemanha da Pós-Guerra


Por Dima Vorobiev, Quora, 4 de agosto de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de outubro de 2021.

A União Soviética queria manter a Alemanha dividida? Pelo contrário, a União Soviética queria uma Alemanha unida.

Muitas tentativas:
  • O Bloqueio de Berlim de 1948-1949 foi iniciado por Stalin em uma tentativa de forçar as potências ocidentais a revogarem sua decisão de unir unilateralmente suas três zonas de ocupação e introduzir o marco alemão. A URSS insistiu em um acordo que incluía toda a Alemanha, incluindo a zona soviética.
  • Em 3 de novembro de 1950, a URSS convocou as potências ocidentais para convocar uma conferência para a futura unificação da Alemanha. A Alemanha Ocidental veio com um pré-requisito de eleições livres na Alemanha Oriental - e, portanto, acabou com a ideia.
  • Em 10 de março de 1952, Stalin emitiu sua “Nota de Março” com uma proposta de reunificação da Alemanha, sem condições sobre política econômica. O chanceler Adenauer se opôs à medida por considerá-la uma tentativa de última hora de impedir a formação da Comunidade Européia de Defesa.
  • Nas semanas seguintes à morte de Stalin em março-abril de 1953, o novo governante soviético Beria testou a reação ocidental à sua sugestão de unificação alemã em termos ocidentais, em troca de uma reparação de guerra adicional de 10 bilhões de dólares. A prisão de Beria em junho de 1953 pôs fim a esse desenvolvimento.
  • O apoio de Gorbachev à reunificação alemã ajudou a persuadir o Ocidente contra a resistência da Grã-Bretanha e da França em 1990.
Por quê?

Zonas de ocupação de 1948 a 1949.

A razão para as iniciativas soviéticas foi a estratégia de “frente popular” testada por Stalin na Espanha antes da 2ª Guerra Mundial e implementada com sucesso na parte ocupada da Europa Oriental após a guerra. Consistia em inserir comunistas e agentes secretos de influência soviética nos órgãos conjuntos do governo em todos os níveis. A partir dessa posição, usando uma ampla gama de medidas ativas e apoio direto da URSS, os comunistas então expulsariam seus aliados e imporiam a “democracia do povo”.

Em nossos dias, um modelo semelhante também está por trás da ideia de Putin de "federalização" da Ucrânia. Putin se recusa a reconhecer a vontade da população das áreas insurgentes no Leste da Ucrânia, que querem se tornar parte da Rússia da mesma forma que a Crimeia foi anexada. Ele quer forçar o território de volta à Ucrânia em seus termos. O Leste da Ucrânia deve obter poder de veto nas decisões do país, como a admissão à OTAN e à UE, e funcionar como um agente institucionalizado da influência da Rússia na Ucrânia.

Abaixo, residentes de Berlim Oriental atiram pedras nos tanques soviéticos enviados para reprimir um levante contra o regime comunista em junho de 1953. A agitação foi usada por Khrushchev e seus aliados para acusar Beria de preparar uma "rendição" da Alemanha Oriental às potências ocidentais. Alguns stalinistas até acusaram o próprio Beria de provocar o levante por meio de seus agentes na liderança comunista em Berlim.

Revolta alemã-oriental de 1953.

Sobre o autor:

Dima Vorobiev é um ex-executivo de propaganda soviético.

Bibliografia recomendada:

The Berlin Wall:
A world divided, 1961-1989.
Frederick Taylor.

Leitura recomendada:

VÍDEO: Alemanha Ano Zero19 de maio de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário