domingo, 3 de outubro de 2021

FOTO: Reenactors do Exército Russo de Vlasov


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de outubro de 2021.

Reenactors (reencenadores) vestidos como soldados do ROA pró-alemão, o Exército de Libertação Russo (em alemão Russische Befreiungsarmee; em russo Русская освободительная армия/ Russkaya osvoboditel'naya armiya, POA/ROA). Dois usam a cobertura cossaca Papakha (em vermelho, identificando cossacos de Kuban), o terceiro tem a papajha na tenda enquanto usa um casquete alemão Feldmütze com o cocar do ROA. A mulher provavelmente uma enfermeira. O cossaco na esquerda tem uma Shashka, o sabre cossaco tradicional.

Conhecido como "O Exército de Vlasov", o ROA era um exército colaboracionista da Wehrmacht composto por russos e minorias étnicas recrutados principalmente nos lotados campos de prisioneiros e de um certo número de Ostarbeiter (literalmente "trabalhadores orientais", mão-de-obra escrava); além de alguns russos brancos emigrados. Estes homens eram conhecidos como Vlasovtsy.

Osttruppen no jogo Company of Heroes 2.

Um exército basicamente esquecido, o ROA permaneceu fora da mídia e da cultura popular por muitas décadas.  Apesar de ser um ponto central do enredo do filme e jogo "007 contra Goldeneye" (GoldenEye, 1995), e mesmo com tanto o filme quanto o jogo sendo extremamente populares na mundo todo na época, a maioria dos telespectadores não percebeu a referência.

Foi apenas com o jogo Company of Heroes 2 (2013) que o ROA finalmente entrou na cultura popular moderna, quando virou uma unidade jogável. Esse jogo atraiu a atenção pela inclusão de massacres e crimes de guerra enquanto o protagonista narra a sua experiência na Frente Leste de dentro de uma cela na Sibéria. 

"Certos eventos inspirados em 'Um Escritor em Guerra' de Vasily Grossman, editado e traduzido por Antony Beevor e Luba Vinogradova."
Cena dos créditos do jogo Company of Heroes 2.

O jogo menciona a execução de prisioneiros, a famosa Ordem nº 227, a traição contra resistentes poloneses e os expurgos da NKVD no pós-guerra. Um dos outros pontos de contenda foi a menção ao programa de Empréstimo e Arrendamento, com tanques Sherman americanos enviados para os soviéticos. Muitos dos cenários foram tirados do livro "Um Escritor em Guerra", de Vasily Grossman.

Os soldados Vlasovtsy do ROA são uma unidade de infantaria designada simplesmente como Osttruppen e usada como "bucha de canhão" pelo Ostheer (literalmente "Exército do Leste"), a facção alemã da Frente Russa.

Lâmina de Johnny Shumate para o livro Hitler's Russian & Cossack Allies 1941-45.
(Osprey Publishing)

Assunto controverso, é até proibido na Rússia e sua mera menção pode acarretar anos de prisão por divergir da "história oficial" do país sobre o papel heróico do povo russo/soviético n'A Grande Guerra Patriótica. Um exemplo disso é a distorção histórica dos cossacos "lobos" na Ucrânia puxando linhagem dos cossacos que serviram Brigada Kaminski da SS que serviram à Alemanha Nazista.

Mas esse tipo de redescoberta, assim como o crime soviético do Massacre da Floresta de Katyn e a participação de Moscou na invasão da Polônia, vêm recebendo atenção crescente dos historiadores e entusiastas; gerando assim novas e mais amplas interpretações do quadro multifacetado da Segunda Guerra Mundial - o maior conflito da Humanidade.

Arte militar dos Vlasovtsy.

Nenhum comentário:

Postar um comentário