sábado, 16 de outubro de 2021

Discurso do Chefe da Defesa francês sobre a parceria da França com a Suécia


Este é um artigo de opinião escrito pelo Chefe do Estado-Maior da Defesa, General Thierry Burkhard, para o Folk och Försvar. Nele, o General descreve a política de segurança da França e suas opiniões sobre o ambiente de ameaças atual e futuro. Ele também se concentra na defesa estratégica e na relação de segurança entre a França e a Suécia e como ela está se aprofundando em áreas que vão desde a gestão de conflitos na região do Sahel até a cooperação no domínio espacial.

15 de outubro de 2021.

“A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral“

Soldados francês e maliano no Sahel.

O contexto de segurança internacional deteriorou-se consideravelmente em apenas alguns anos. Vivemos agora em um mundo mais difícil e incerto, marcado pelo questionamento do multilateralismo e do direito internacional. Nossos principais concorrentes, Rússia e China, bem como potências regionais emergentes, pretendem desempenhar um papel crescente e não hesitam em usar suas capacidades militares para fazer valer suas reivindicações de forma agressiva e livre de complexos. Esse endurecimento induz atritos óbvios e, em alguns casos, cria um risco real de incidentes e escalada. A liberdade de ação de nossos países é questionada.

Considero o continuum “paz-crise-guerra” que havíamos utilizado como marco estratégico para interpretar a conflitualidade desde o fim da Guerra Fria, já não é suficiente para levar em conta toda a complexidade desta nova gramática estratégica. O tríptico “competição-disputa-confronto” agora me parece mais adequado.

A competição é o modo padrão em nosso mundo hoje. Diz respeito à economia, às forças armadas, à cultura, à diplomacia e à sociedade. Quando envolvidas na competição, as forças armadas devem ser capazes de responder de forma proporcional às ações que permanecem sob o limiar do conflito armado. Elas também devem produzir efeitos nos ambientes não-físicos cada vez mais significativos. É o caso, por exemplo, do combate à desinformação e aos ciberataques. A competição é “a guerra antes da guerra”: não é a guerra, mas já é uma forma de guerra, na qual precisamos ser capazes de prevenir riscos de escalada e desestimular nossos competidores. A disputa surge quando um concorrente pensa que pode agarrar uma oportunidade e impor um fato consumado, em violação do direito internacional e com impunidade. A Crimeia é o exemplo perfeito disso. A ausência de uma reação forte e imediata permitiu à Rússia alcançar seu objetivo. Devemos, portanto, ser capazes de detectar sinais fracos para sermos confiáveis ​​e reativos para combater o fato consumado.

E, finalmente, o confronto, corresponde à guerra.

Como Chefe da Defesa francês, os dois primeiros eixos de minha ação visam fortalecer e apoiar a comunidade humana das forças armadas - militares e civis - e desenvolver as capacidades das forças armadas para capacitá-las a conquistar um multi-domínio e superioridade em vários ambientes. Para isso, as Forças Armadas precisarão de métodos de organização e funcionamento mais ágeis, para pensar diferente e reagir rapidamente em caso de crise.

O terceiro eixo, “fazer do treino uma nova dimensão de combate a dominar com os nossos parceiros”, traduz a dimensão coletiva da nossa ação. A razão de ser das forças armadas francesas é se engajar em uma coalizão, ao lado de seus aliados e parceiros, sendo os Estados Unidos o primeiro deles. Nossa prioridade é enfrentar a ameaça mais provável, ou seja, aquela representada pelas reivindicações, ações e política de fato consumado de nossos principais concorrentes, nas fronteiras da Europa e em outras partes do mundo.

No que diz respeito aos interesses estratégicos dos Estados europeus, induz um compromisso que vai da África Subsaariana ao Círculo Polar Ártico, incluindo a região Indo-Pacífica.

Soldado sueca da MINUSMA ao lado de uma pilha de marfim em Timbuctu, no Mali, outubro de 2018.

Em resposta ao seu pedido, a França atua para ajudar a estabilizar os Estados da Faixa Sahel-Saariana que sofrem com a ameaça terrorista. Este é o objetivo da força Barkhane, na qual a Takuba está integrada, ao lado da MINUSMA e EUTM Mali. A França conta com seus aliados e parceiros. A Suécia está fortemente empenhada, desde que se envolveu nessas três missões. Todos concordam em dizer que o Tenente-General Gyllensporre, que acaba de entregar o comando do componente militar da MINUSMA, teve um desempenho notável. Durante seu tempo no comando, ele se esforçou, sem nenhuma unidade adicional, para aumentar as capacidades operacionais da Força da ONU. O destacamento sueco fornece à Takuba capacidades operacionais notáveis e competências raras, que se provaram extremamente preciosas. Além disso, a Suécia assumirá o comando da operação no próximo mês e quero saudar esse compromisso.

Para focar em nossas missões de treinamento e orientação para o benefício das forças locais, e porque nosso envolvimento é duradouro, estamos atualmente adaptando a Barkhane. A nova configuração militar contará com fortes capacidades e vários milhares de soldados. A França continuará sendo a espinha dorsal dessa nova estrutura - especialmente dentro da Força-Tarefa Takuba - que integrará totalmente nossos aliados e parceiros europeus.

Na África, a crescente ação híbrida da Rússia torna a situação mais complexa. Faz parte da competição acirrada contra a qual nós, europeus, teremos de nos mobilizar em conjunto para defender os nossos interesses e os nossos valores. A suposição de que a junta do Mali está planejando usar mercenários Wagner é um testemunho do jogo entre concorrentes estratégicos, no qual temos que impor nossa posição. O Grupo Wagner infelizmente mostrou do que era capaz na República Centro-Africana. A França está presente no flanco sul da Europa, mas também no Oriente Médio onde, com seus aliados americanos e europeus, apóia o Estado iraquiano em sua luta contra o terrorismo e a estabilidade do Golfo Pérsico. A França também atua na região do Indo-Pacífico, por onde transitam 40% dos fluxos comerciais europeus e onde detém participações significativas.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

A França também está envolvida na defesa dos interesses estratégicos da Europa em seus flancos norte e leste. Assim, participa em muitas missões da OTAN: posicionamos os tanques de batalha principais alternadamente na Estônia com os britânicos e na Letônia com os alemães. Também realizamos missões de policiamento aéreo nos Estados Bálticos. No domínio naval, a Marinha francesa ajuda a proteger o Atlântico norte com uma presença regular em portos suecos, como o caçador de minas “Pégase” que fez escala em Karlskrona em setembro. Também operamos juntos nos Balcãs, na Bósnia e no Mar Negro.

Esses compromissos forjam nossa capacidade operacional comum, por meio da troca de procedimentos e know-how, bem como nossa coesão. Esses elementos progridem mais rápido quando estamos lado a lado nas operações. Além disso, reforçamos a nossa cultura estratégica comum devido ao trabalho de antecipação realizado no âmbito da European Intervention Initiative (Iniciativa de Intervenção Européia).

A Suécia e a França têm muitas áreas de cooperação no domínio militar. Atuamos regularmente juntos em exercícios multinacionais, sendo os últimos a Costa Norte (exercício de guerra contra-minas e luta contra ameaças assimétricas) e a Golden Crown (exercício de resgate de submarino). A Força Aérea e Espacial Francesa participou em 2019 do Exercício Arctic Challenge (Desafio Ártico), co-organizado pela Suécia, Finlândia e Noruega. As forças armadas suecas também nos fornecem sua experiência no ambiente operacional de frio profundo. As unidades francesas participam todos os anos no Exercício Arvidsjaur (treino de combate ao frio profundo e sobrevivência), em cursos de treinamento em frio profundo organizados, entre outros, pelo Subarctic Warfare Centre (Centro de Guerra Subártica) e em cursos de mergulho sob o gelo.

Helicópteros da 4e Brigade d’Aérocombat (4e BA) do exército atuando com a marinha na Operação Cormoran 21, no Mediterrâneo, em outubro de 2021.

Finalmente, desenvolvemos nossos links no domínio da capacidade. A Suécia, portanto, pediu o status de observador no projeto MGCS, e estamos discutindo sobre as capacidades do míssil antitanque de médio alcance. Nossos dois países estão associados no domínio espacial com o programa CSO (capacidade de observação espacial). De facto, foi construída uma estação de recepção na Suécia e o país terá acesso aos bancos de imagens a partir do próximo ano. Também foi convidado a observar o Exercício Espacial AsterX 2022. A França e a Suécia estão, finalmente, cada vez mais envolvidas nos projetos europeus (PESCO e EDF). A cooperação militar bilateral acaba de ganhar impulso com a assinatura da Carta de Intenções pelos dois Ministros da Defesa em 24 de setembro.

A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral. Quer prová-lo através de um envolvimento permanente nas operações de resseguro no flanco oriental da Europa e através de um investimento constante no desenvolvimento de uma consciência militar coletiva. Este último item exige que criemos vínculos operacionais, que tenhamos conhecimento mútuo e aprofundemos a interoperabilidade, para enfrentarmos, juntos, as ameaças que se aproximam.

General Thierry Burkhard
Chefe do Estado-Maior de Defesa das Forças Armadas Francesas

Nenhum comentário:

Postar um comentário