Mostrando postagens com marcador Robert Forczyk. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Robert Forczyk. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

LIVRO: Nunca Neva em Setembro


Resenha do livro It Never Snows in September : The German View of Market-Garden and the Battle of Arnhem (Nunca Neva em Setembro: a visão alemã da Market-Garden e a Batalha de Arnhem, 1994), de Robert Kershaw, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um excelente relato do campo de batalha [5 estrelas]

Embora existam muitos livros sobre a famosa Operação Market-Garden [em alemão leva o traço] em setembro de 1944, It Never Snows in September é o melhor relato em inglês que cobre a perspectiva alemã sobre a batalha. O autor, um oficial do exército britânico em serviço, oferece um excelente relato que oferece informações valiosas do ponto de vista do inimigo, bem como uma análise militar sólida. Além disso, a narrativa bem escrita é enriquecida por excelentes fotografias (muitas de coleções alemãs) e mapas táticos detalhados. Este livro é uma festa para historiadores militares e merece um lugar em qualquer biblioteca militar.

Chuva de velame dos paraquedistas do 1º Exército Aerotransportado.

O livro é dividido em 27 capítulos curtos que cobrem o período de 2 de setembro a 4 de outubro de 1944. Três apêndices interessantes cobrem as ordens alemãs para o 2º Corpo Blindado SS (II. SS-Panzerkorps) em 17 de setembro de 1944, uma ordem de batalha alemã detalhada para toda a campanha e uma estimativa de baixas subdividida por subunidades. A pesquisa de Kershaw em fontes alemãs é extensa e, embora tenha lacunas, fornece muito mais detalhes do que fontes padrão sobre a batalha do que relatos jornalísticos como A Bridge Too Far (Uma Ponte Longe Demais). Por exemplo, Kampfgruppe Spindler, a força de bloqueio vital que impediu a 1ª Divisão Aerotransportada britânica de alcançar seus objetivos em força no primeiro dia, nem sequer é mencionado no clássico relato de Ryan.

SS-Obersturmbannführer (Tenente-Coronel) Ludwig Spindler.

A visão de Kershaw da batalha difere da maioria dos relatos dos Aliados sobre a operação. Em sua opinião, "os historiadores aliados tendem a culpar os erros em vez de contramedidas eficazes para explicar o fracasso." Foi, "improvisação e rápida acumulação de força [alemã] [que] embotou os ataques... Os tempos de reação alemães foram surpreendentes." Certamente, a capacidade dos comandantes alemães de reunir rapidamente grupos de batalha eficazes (kampfgruppen) de várias probabilidades e extremos - incluindo tropas terrestres da Luftwaffe, marinheiros e trabalhadores ferroviários - e lançá-los na batalha era incrível, mas teve o preço de muitas baixas. Os kampfgruppen alemães não-treinados freqüentemente sofriam perdas de 50% no combate inicial e essas unidades tinham pouca capacidade de ganhar terreno. No entanto, o rápido desdobramento dessas formações miscelâneas frustrou o supercomplicado plano dos Aliados, que não aceitava nenhuma ação inimiga significativa. Assim, Kershaw conclui que as alterações no plano da Market-Garden, como deixar a 1ª Divisão Aerotransportada britânica mais perto da Ponte de Arnhem, provavelmente não teriam mudado muito o resultado.

Paras britânicos em Oosterbeek, 23 de setembro de 1944.

Soldados alemães em combate de rua em Oosterbeek.

Outro aspecto único que Kershaw traz à tona são os enormes problemas de comando e controle afetando a resposta alemã a um grande e inesperado ataque aerotransportado. A cadeia de comando alemã na Holanda era vaga quando o ataque começou e os alemães cometeram o erro amador de fazer da estrada principal norte-sul a fronteira de comando; o ataque britânico do 30º Corpo de Exército por esta rodovia dividiu fisicamente as forças alemãs. A falta de rádios na maioria das unidades obrigou os alemães a confiarem em telefones e corredores, o que tornava os tempos de resposta muito lentos e inibia o estilo tático flexível que os líderes alemães preferiam. Os oficiais receberam unidades ad hoc (improvisadas) e tiveram que inspirar tropas destreinadas e freqüentemente desmotivadas para atacarem os paraquedistas Aliados de elite que estavam entrincheirados. Coordenar os ataques para cortar o elo vital dos Aliados na "Hell's Highway" ("Rodovia Infernal") foi muito difícil para os alemães e suas deficiências de comando e controle eram uma restrição crítica em sua capacidade de contra-ataque eficaz.

Embora o livro em geral seja excelente, existem algumas omissões e erros perceptíveis. Em termos de omissões, as ações críticas em torno de Elst em 21-23 de setembro de 1944 não são detalhadas. Como exatamente os alemães pararam a investida final dos Aliados em direção à ponte de Arnhem e o que exatamente os britânicos fizeram para tentar ultrapassá-la? Curiosamente, parte do contato inicial entre a 43ª Divisão Wessex britânica e o Kampfgruppe Knaust perto de Elst na noite de 22 de setembro de 1944 é mencionado, mas apenas em relação às baixas britânicas. Não há menção de que os britânicos emboscaram e destruíram cinco tanques Tiger nessa ação. Com a artilharia, poder de fogo aéreo e blindado disponíveis para o 30º Corpo, a incapacidade de romper as defesas alemãs em Elst merece mais atenção neste relato, especialmente porque o autor cita as ações ao norte de Nijmegen como decisivas para determinar o resultado.

Soldados alemães abrindo trincheiras em Arnhem.

Em termos de erros, há alguns erros perceptíveis na ordem de batalha alemã, principalmente em relação aos tanques Tiger usados na batalha. Apenas duas companhias do 506º Batalhão de Tanques Pesados, com 30 tanques Tiger II, serviram nas fases posteriores da batalha - a outra companhia foi para Aachen. Kershaw identifica incorretamente a companhia "Hummel" como parte do 506º, mas na verdade era uma companhia independente com 14 tanques Tiger I. A 224ª Companhia Blindada (Panzer-Kompanie 224, PzKp 224) tinha 16 tanques franceses Char B, e não 8 tanques Renault.

A composição da 10ª SS Panzer também é excessivamente vaga. A questão é que a pesquisa do autor tem mais de doze anos e novas pesquisas em arquivos alemães revelaram informações que esclarecem e refinam alguns dos dados apresentados neste livro.

No geral, este livro fornece um relato muito necessário em inglês da visão alemã da Operação Market-Garden. Muitos pequenos detalhes que ajudam a esclarecer os elementos críticos da batalha são apresentados aqui. Algumas das conclusões do autor, como aquelas que tentam desenvolver lições que possam ajudar uma defesa da OTAN contra um ataque aerotransportado soviético, não são mais relevantes, mas os detalhes desta batalha brutal, exaustiva, estressante e de decisão muito emparelhada fornecem suas próprias lições. Este livro pertence a qualquer lista de leitura militar profissional.

Túmulo alemão para um paraquedista britânico morto em Arnhem.
A inscrição em alemão diz:
"Soldado inglês desconhecido".

Sobre o autor:

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Vídeo recomendado:

Antony Beevor: Segunda Guerra Mundial e Lições do Passado - "Arnhem: A Batalha das Pontes"

terça-feira, 5 de outubro de 2021

LIVRO: Panzer IV versus Char B1 bis - França 1940


Resenha do livro Panzer IV vs Char B1 bis: France 1940 (Panzer IV versus Char B1 bis: França 1940, 2011), de Steven J. Zaloga para a série Duel da editora Osprey Publishing, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um ótimo complemento para a série Duel [5 estrelas]

16 de fevereiro de 2011

Embora a história da guerra blindada na Segunda Guerra Mundial atraia muita atenção, variando de trabalhos técnicos sérios a relatos mais populares, a história do primeiro grande confronto de blindados raramente é discutida em detalhes. Em Panzer IV vs. Char B1 bis, o veterano historiador de blindados Steven J. Zaloga examina o confronto entre o tanque Pz IV alemão e o Char B1 bis francês em maio de 1940. Grande parte da narrativa gira em torno da Batalha de Stonne em 15-17 de maio de 1940, onde ocorreram alguns dos combates mais intensos da Campanha de 1940. Este volume é soberbamente bem equilibrado, com um bom histórico de desenvolvimento de cada tanque, treinamento da tripulação e como eles foram usados ​​em combate. Como de costume, Zaloga agrupa muitos fatos em gráficos e tabelas neste volume, mas também dedica tempo para analisar esses fatos e dizer ao leitor o que significam. Claramente, este volume foi escrito para entusiastas de blindados para quem o Char B1 bis é um assunto interessante, mas negligenciado. No geral, este é um dos meus volumes favoritos da série Duel.

O "Char B1 bis Eure" do Capitão Billotte destruindo sozinho uma coluna de 13 Panzers III e IV na Batalha de Stonne, maio de 1940.
(Lâmina de Johnny Shumate)

Na introdução, Zaloga explica apropriadamente porque esse duelo foi importante tanto no contexto da Campanha Ocidental quanto no desenvolvimento de tanques. Ele inclui uma cronologia conveniente de uma página. A seção sobre projeto e desenvolvimento é particularmente bem escrita. Depois de mais de uma década de desenvolvimento, o Exército Francês começou a equipar o Char B1 em 1937, mas no início da guerra em 1939, o exército tinha apenas quatro batalhões de tanques com 119 disponíveis. O desenvolvimento alemão do Pz IV começou mais tarde, mas avançou muito mais rápido e eles tinham 211 disponíveis no início da guerra. Quando a Campanha Ocidental começou em maio de 1940, os franceses tinham 258 Char B1 bis contra 290 Pz IV. Como Zaloga observa cuidadosamente, ambos os tanques foram projetados principalmente para o apoio da infantaria, não para a luta de tanques contra tanques. Na seção de especificações técnicas, Zaloga compara os dois tanques em termos de proteção, poder de fogo e mobilidade. O tanque francês era claramente superior nas duas primeiras categorias, mas o Pz IV tinha vantagens significativas na mobilidade, bem como no desenho interno (torre de 3 homens vs. torre de 1 homem). Além disso, o consumo excessivo de combustível do Char B1 bis e a falha francesa em agilizar os procedimentos de reabastecimento tático antes da campanha teriam um impacto significativo no resultado do duelo entre esses dois sistemas de armas.

A seção de 21 páginas sobre Combatentes oferece uma visão interessante do treinamento da tripulação para cada lado. Os franceses tinham problemas particulares, já que a maioria de suas tripulações eram reservistas e muitos batalhões só receberam seus tanques Char B1 bis alguns meses antes do início da Campanha de Maio. Em contraste, a maioria das tripulações do Pz IV estava junta há mais de um ano e a maioria teve um gostinho da experiência de combate na Campanha Polonesa de 1939. Esta seção também inclui desenhos do interior da torre de cada tanque, bem como um desenho transparente da tripulação. Digno de nota, Zaloga fornece um perfil de página inteira do tanquista francês Capitaine Pierre Billotte, mas não fornece um perfil de nenhum oponente alemão. No entanto, esta seção também dá uma olhada na DCR francesa e na Divisão Panzer, bem como tabelas muito informativas sobre a força dos tanques franceses e alemães em maio de 1940 (divididos por unidade e tipo). Minha única preocupação aqui era que não havia muita informação sobre o nível de organização ou tática do pelotão-companhia-batalhão, o que teria melhor estabelecido a narrativa de combate subsequente.


Depois de uma curta seção sobre a situação estratégica (com mapa), Zaloga move-se rapidamente para a seção de combate de 14 páginas, intitulada Duel at Stonne (Duelo em Stonne). Ele entra em detalhes táticos consideráveis discutindo o confronto de 2 dias entre a 3e DCR francesa e a 10. Panzer-Division alemã em Stonne. Os franceses tentaram atingir a travessia alemã em Sedan, mas acabaram em uma batalha de atrito perto do rio em Stonne. Esta seção inclui uma cena de batalha incrível de um Char B1 bis no ataque, um mapa tático e algumas fotos P/B magníficas. No final, o contra-ataque francês fracassou e os alemães resistiram, depois que cerca de 33 tanques franceses e 25 panzers foram perdidos. Em seguida, Zaloga discute brevemente as operações das outras unidades Char B1 bis.

No geral, Zaloga conclui que "muitos tanques Char B1 bis individuais tiveram um desempenho excepcionalmente bom em pequenas ações devido à sua blindagem impressionante...", mas "o problema central enfrentado pelo Char B1 bis foi sua incorporação em divisões blindadas que foram preparadas inadequadamente e mal utilizadas por comandos superiores." Zaloga observa que os tanques franceses sofreram perdas de cerca de 43% contra 35% dos alemães, mas que pelo menos 60 Char B1 bis foram destruídos por suas próprias tripulações. Ele observa que os alemães ficaram suficientemente impressionados com o Char B1 bis para incorporar 125 desses veículos capturados em seu próprio estoque de tanques. Quanto ao Pz IV, Zaloga observa que "não teve um desempenho estelar na França" e foi muito pressionado quando forçado a servir no papel antitanque em Stonne. Em suma, Panzer IV vs. Char B1 Bis é uma leitura incisiva e totalmente agradável, com um bom pacote gráfico de apoio.

Sobre o autor:

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Os dois livros de Zaloga sobre os duelos principais na Campanha da França em 1940:
Panzer IV versus Char B1 bis e Panzer III versus Somua S 35.

Leitura recomendada:


sábado, 25 de setembro de 2021

LIVRO: Enfrentando Patton - George S. Patton Jr. Através dos Olhos de Seus Inimigos


Resenha do livro Fighting Patton: George S. Patton Jr. Through the Eyes of His Enemies (Enfrentando Patton: George S. Patton Jr. Através dos Olhos de Seus Inimigos, 2011), de Harry Yeide, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um olhar original sobre Patton [5 estrelas]


Embora tenha havido muitos livros escritos sobre o general George S. Patton desde meados da década de 1970, com A Genius for War (Um Gênio para a Guerra) de Carlo D'Este entre os melhores, grande parte de sua vida e carreira no campo de batalha foram envoltas por uma certa mitologia popular sobre ele. Grande parte da história de Patton foi moldada desfavoravelmente por detratores como Omar Bradley ou favoravelmente por subordinados bajuladores. No entanto, apesar de uma literatura robusta disponível sobre Patton, o verdadeiro Patton permanece indescritível e há aspectos de sua carreira que não foram aprofundados em grandes detalhes, particularmente como ele era considerado por seus inimigos.

Harry Yeide, o autor.

Em Fighting Patton, o historiador militar Harry Yeide investiga profundamente o material de fontes primárias americanas, francesas e alemãs para expor um Patton que poucos de nós vimos antes - Patton visto por seus inimigos. Há uma riqueza de detalhes novos neste livro graças à pesquisa diligente do autor nos Arquivos Nacionais (National Archives, NARA), como a identidade do oficial alemão [Leutnant Dewald] que estava atirando em Patton durante a ofensiva do Meuse-Argonne de 1918. Enquanto a história de Patton normalmente se concentra em perspectivas americanas, Fighting Patton se esforça para mostrar as operações de Patton do ponto de vista dos homens que lutam contra ele. Este é um livro muito bem pesquisado e argumentado que é aprimorado pela capacidade do autor de peneirar uma infinidade de fatos a fim de obter conclusões sóbrias. Os julgamentos do autor sobre como Patton foi visto por seus oponentes irão surpreender alguns leitores e revisar alguns aspectos da mitologia de Patton, mas também servirão como uma adição valiosa à literatura sobre um dos generais mais famosos dos Estados Unidos da América do século XX.



Fighting Patton consiste em 14 capítulos sequenciais com cerca de 420 páginas de narrativa e um glossário. O autor também incluiu 34 mapas de esboço e 52 fotos P/B. O livro é baseado no uso extensivo de pesquisas de fontes primárias, muitas das quais não apareceram em biografias anteriores de Patton; isso não é uma repetição nem uma biografia, mas um esforço para avaliar Patton por meio de um conjunto de lentes completamente diferente. Fighting Patton pode parecer revisionista para alguns leitores, particularmente aqueles que acreditam que ele teve grande importância na consciência de todos em 1943-45.

No entanto, na verdade, como aponta Harry Yeide, os registros alemães indicam que nem Hitler nem os principais comandantes alemães gastaram muito tempo se preocupando com Patton do que as histórias dos Estados Unidos do pós-guerra poderiam sugerir. As avaliações de ameaças alemãs foram baseadas nas capacidades inimigas, não nas personalidades de comandantes inimigos específicos e poucos registros alemães mencionam Patton pelo nome. Os registros alemães sobre Patton que existem indicam que ele era considerado um líder blindado e estrategista capaz, mas não um estrategista como Montgomery. Vários oficiais alemães de nível médio observaram que a campanha desastrada de Patton na Lorena reduziu sua impressão de suas habilidades e ele foi considerado por alguns como hesitante e sem vontade de aproveitar oportunidades táticas. Como o autor também observa, embora as habilidades de Patton como líder blindado pareçam quase únicas no lado americano, os alemães tinham muitos líderes panzer com significativamente mais experiência do que ele e, portanto, ficaram menos impressionados.

Infantaria alemã pegando carona em um Panzer V Panther na Lorena, no norte da França, em 21 de junho de 1944.

No final, o autor fornece uma avaliação mais equilibrada das realizações de Patton no campo de batalha, sem os óculos cor-de-rosa. Seus inimigos o respeitavam - quando pensavam nele - mas não tinham fixação nele e o viam principalmente como um comandante tático geralmente competente. Ainda assim, para os padrões alemães, Patton foi muito menos ousado do que alguns dos líderes panzer da fama de 1940-41 e até mesmo sua corrida pela França em agosto de 1944 empalidece em comparação com alguns dos avanços feitos na Rússia em 1941. Em suma, Fighting Patton é escrito e pesquisado de forma impressionante e uma adição importante à literatura sobre Patton.

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Leitura recomendada:


Patton na lama de Argonne27 de março de 2020.

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

LIVRO: Yamamoto Isoroku (série Command)


Resenha do livro Yamamoto Isoroku, série Command da Osprey Publishing pelo autor Dr. Robert A. Forczyk.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de janeiro de 2020.

Excelente introdução ao almirante mais importante do Japão na Segunda Guerra Mundial (5 estrelas)

Por R. A. Forczyk, 24 de setembro de 2012.

Embora a maioria dos americanos esteja familiarizada com o ataque japonês a Pearl Harbor em dezembro de 1941, relativamente poucos sabem algo sobre o homem que ordenou e dirigiu o ataque - o almirante Yamamoto Isoroku. Nos últimos cinquenta anos, houve apenas um punhado de livros em inglês sobre Yamamoto e os trabalhos anteriores não incorporaram as percepções japonesas. O famoso historiador naval Mark Stille fornece uma excelente introdução à carreira de Yamamoto e seu impacto na Guerra do Pacífico em uma das últimas adições à série Command (Comando) da Osprey. Enquanto representações popularizadas de Yamamoto tendiam a classificá-lo como um grande almirante e um homem que buscava relações pacíficas com os Estados Unidos, o autor apresenta um excelente caso de que, "embora talentoso em muitos aspectos, Yamamoto não era um gênio militar". Este é um dos melhores volumes da série Command e pertence à estante de qualquer pessoa com um interesse sério na Guerra do Pacífico.

O volume começa com uma discussão sobre as origens de Yamamoto, o que pode ser confuso (já que ele nasceu com o sobrenome Takano). O autor discute a rápida ascensão de Yamamoto na hierarquia da Marinha Imperial Japonesa (IJN), seus ferimentos na Guerra Russo-Japonesa, viagens à América, experiência diplomática e funções de estado-maior. Em particular, o autor observa a oposição de Yamamoto à construção dos navios de guerra da classe Yamato e favoreceu um maior investimento na aviação naval. Em vez de navios de guerra, Yamamoto pressionou por bombardeiros de longo alcance como os "Nell" e "Betty", que provariam seu valor contra os navios de guerra britânicos Repulse e Prince of Wales em 1941. Ainda assim, o autor argumenta com sucesso que, embora Yamamoto tenha influenciado positivamente como a IJN foi configurada e treinada para a guerra, ele não foi uma escolha ideal para liderar a frota na guerra, já que era essencialmente um "almirante político" com "pouca experiência de comando". Yamamoto era o tipo de oficial, talvez como Alfred Thayer Mahan, cujo melhor papel era uma capacidade intelectual, em vez de comando de batalha.

Yamamoto em sua capitânia, o encouraçado Nagato, antes da guerra.

Quando Yamamoto foi escolhido para comandar a IJN em 1939, ele se envolveu na política que levou ao envolvimento do Japão na Segunda Guerra Mundial. Yamamoto se envolveu em discussões com o Estado-Maior Geral e desenvolveu uma teoria favorita de que atacar Pearl Harbor poderia prejudicar a determinação americana, embora outros líderes japoneses acreditassem que os Estados Unidos da América poderiam não intervir para impedir um ataque japonês às Índias Orientais Holandesas (provavelmente correto) e mesmo que o fizessem, um ataque a Pearl Harbor era muito arriscado. O autor observa que Yamamoto começou a empregar sua tática de ameaçar renunciar a menos que conseguisse o que queria - não exatamente um estilo de comando eficaz, atuando mais como um político. Em todo o processo, o autor mostra inconsistências no comportamento de Yamamoto que levaram a desastres posteriores, como a falha em ouvir pontos de vista alternativos ou em incorporar qualquer grau de flexibilidade em seu planejamento. Na verdade, Yamamoto parece excessivamente rígido, inflexível e disposto a permitir que ideias preconcebidas, em vez de realidades do campo de batalha, guiem suas decisões.

Depois de Pearl Harbor, Yamamoto estava procurando uma rampa para o Japão sair de sua situação difícil de estar em uma guerra com os Estados Unidos que não poderia vencer. O autor observa que Yamamoto considerou o período após a queda de Cingapura como o momento ideal para negociar, mas ficou desapontado com o fato dos líderes do Japão não terem feito aberturas diplomáticas com os Estados Unidos. Na verdade, este era um ponto discutível por dois motivos: primeiro, a liderança política do Japão era relutante em atingir um acordo de qualquer natureza sobre suas conquistas e, em segundo lugar, os americanos não considerariam nenhum acordo político com o Japão após os enganos diplomáticos empregados antes de Pearl Harbor. Aparentemente, Yamamoto não recebeu o memorando: depois de Pearl Harbor, foi uma luta até a morte. Hoje em dia, a decisão do Japão de atacar os Estados Unidos é geralmente considerada um ato de suicídio nacional e Yamamoto era o homem que segurava a faca, mas sem muita autoconsciência.

O almirante Isoroku Yamamoto, poucas horas antes da sua morte, saudando os pilotos navais japoneses em Rabaul, em 18 de abril de 1943.

Yamamoto "teve sucesso em sequestrar a formulação da estratégia naval japonesa", o que levou aos desastres em Midway e Guadalcanal. Seus planos operacionais eram muito complexos e seu estilo de comando de batalha muito solto e remoto, contentando-se em permanecer isolado no "Hotel Yamato" (seu navio-chefe, o encouraçado Yamato). Mesmo quando suas forças obtiveram sucesso, como na Batalha das Ilhas Salomão Orientais em outubro de 1942, Yamamoto não conseguiu capitalizar sobre ela. Na verdade, seu comportamento se tornou cada vez mais fatalista e passivo após Midway, permitindo que a Marinha dos EUA tomasse a iniciativa estratégica. Na última parte do volume, o autor compara Yamamoto com seu principal oponente - o almirante Chester Nimitz, e Yamamoto não sai muito favoravelmente. O autor ressalta que Yamamoto não era realmente um almirante moderno, por uma série de razões, e permaneceu atolado no pensamento à moda antiga (como em relação aos encouraçados). Na seção final, o autor cobre a morte de Yamamoto com alguns detalhes e sua reputação no pós-guerra. O volume possui cinco mapas e três cenas de batalha de Adam Hook, além de uma breve bibliografia. No geral, uma avaliação muito convincente do principal comandante naval do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Aposentou-se como tenente-coronel das Reservas do Exército americano, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA, e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC., e já publicou dezenas de livros, incluindo os dois volumes sobre a guerra blindada germano-soviética de 1941-45, sobre as operações Caso Vermelho (invasão da França), Caso Branco (invasão da Polônia), biografias de Walther Model, Erich von Manstein e Georgy Zhukov, e um dos seus best-sellers Where the Iron Crosses Grow: The Crimea 1941-44 (Onde as Cruzes de Ferro Nascem: A Criméia 1941-44).

Bibliografia recomendada:

A Guerra Aeronaval no Pacífico 1941-1945.
Contra-Almirante R. de Belot.

Guerra no Mar.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 2 de julho de 2020

LIVRO: Um Exército no Alvorecer

An Army at Dawn: The War in North Africa 1942-43.
Rick Atkinson.

Por R. A Forczyk, 26 de dezembro de 2002.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 8 de agosto de 2019.

Resenha do livro “An Army at Dawn: The War in North Africa 1942-43”.

O exército que não conseguia atirar direito (4 de 5 estrelas)

Artilharia americana em ação na Tunísia.

Em An Army at Dawn, o autor premiado com o Pulitzer, Rick Atkinson, cobre a campanha norte-africana desde os desembarques da Operação Torch (Tocha) em novembro de 1942 até o colapso final do Eixo na Tunísia em maio de 1943. Atkinson combina pesquisa meticulosa com um bom estilo de escrita para produzir facilmente o relato mais legível sobre esta campanha muitas vezes negligenciada. A principal conclusão do autor é que essa campanha marcou "... uma mudança sutil no equilíbrio de poder dentro da aliança anglo-americana; os Estados Unidos era dominante agora, em virtude do poder e do peso..." No entanto, esta conclusão não é apoiada pela narrativa do autor. Os aliados sofreram mais de 75.000 baixas na campanha da Tunísia, das quais 50% eram da Commonwealth (Comunidade Britânica), 26% eram franceses e 24% eram americanos. Além disso, o desempenho inicial de combate do Exército dos EUA não foi impressionante, e Truscott, um dos melhores comandantes americanos da guerra, classificou a campanha norte-africana de "um desempenho medíocre".

Prisioneiros-de-guerra americanos capturados pelo Afrikakorps na Tunísia, depois do desastre do Passo de Kasserine, 1943.

Atkinson mostra como a campanha do Norte da África emergiu como uma exigência ad hoc, baseada principalmente em considerações políticas e atirada apressadamente em sete semanas. O plano da TORCH previa uma ocupação conjunta anglo-americana da Argélia e do Marrocos da França de Vichy e, esperançosamente, sem resistência. De imediato, a TORCH demonstrou a falta de preparo deste Exército Americano e de seus líderes para a guerra. Os franceses de Vichy resistiram por três dias e mataram 526 americanos. Tentativas de tomar os portos de Oran e de Argel terminaram como desastres; os franceses abriram fogo e praticamente aniquilaram os dois batalhões americanos nessas operações. Felizmente, a vontade de lutar dos franceses de Vichy desmoronou após três dias e o resto da TORCH se tornou uma ocupação sem oposição. Atkinson escreve: "A verdade é que um Exército inexperiente e desajeitado havia chegado ao Norte da África com pouca noção de como agir como uma potência mundial. O equilíbrio da campanha - na verdade, o equilíbrio da guerra - exigiria aprender não apenas como lutar, mas como governar."

Desembarque aliado no Norte da África sob controle da França de Vichy, Operação Torch, 8 de novembro de 1942.

Antes que o exército americano tivesse muita chance de avaliar seu desempenho na Argélia e no Marrocos, Eisenhower ordenou que as forças aliadas ocupassem a Tunísia. No entanto, a resposta alemã à TORCH foi surpreendente; eles apressaram paraquedistas e tanques rapidamente para a Tunísia. Os aliados demoraram para ser mover para a Tunísia e as forças que eles movimentaram foram prejudicadas pelo fato de que "poucas ações foram tomadas após os desembarques iniciais, e apenas trabalho superficial de estado-maio estava disponível no terreno, logística e apoio aéreo na Tunísia." O resultado foi um rastejo tépido na Tunísia, em vez de uma investida ousada e - não pela última vez na guerra - a improvisação brilhante permitiu que os alemães frustrassem o plano dos Aliados. Atkinson coloca grande parte da culpa pelo fracasso em Eisenhower; "Na verdade, ele passou pelo menos três quartos do seu tempo se preocupando com questões políticas, e essa pré-ocupação serviu mal à causa aliada. Se ele tivesse deixado de lado todas as distrações para se concentrar em tomar Túnis com o propósito fixo de um capitão de combate, os próximos meses poderiam ter sido diferentes."

Tropas americanas a bordo de uma embarcação de desembarque em direção às praias de Oran, na Argélia, durante a Operação Torch, novembro de 1942.

Em vez de terminar a campanha cedo, os Aliados tiveram que se contentar com uma batalha de atrito de seis meses. De fato, os alemães foram capazes de ganhar temporariamente a iniciativa e infligiram uma série de surras nas forças anglo-americanas em lugares como Tebourba, Medjez, Longstop Hill, Passo de Faid e Sidi Bou Zid. Os resultados foram chocantes. Os tanques norte-americanos atacaram continuamente em plena luz do dia em campo aberto e foram massacrados por eficientes artilheiros antitanques alemães. Em Sidi Bou Zid, a 2-1 Armor Battalion (2ª Companhia do 1º Batalhão Blindado) atacou com música tocando nos alto-falantes e perdeu todos os 52 tanques. O Exército dos EUA na Tunísia lutou com uma série de desvantagens: sob comando britânico, com unidades engajadas por partes, empregando doutrina defeituosa com armas inadequadas. O Exército dos EUA lutou 13 grandes engajamentos no norte da África e teve apenas uma vitória clara: a Batalha de El Guettar.

O relato de Atkinson não agradará aos leitores que preferem a hagiografia do tipo "Band of Brothers"; havia vilões e heróis na chamada "Greatest Generation" (Mais Grandiosa Geração). Atkinson observa que "atirar em árabes tornou-se um esporte em algumas unidades..." e houve "casos contínuos de estupro nas áreas avançadas contra mulheres árabes". Tropas americanas bêbadas aterrorizaram algumas aldeias e as taxas de DST na Tunísia foram extremamente altas. A liderança americana na Tunísia também estava gravemente em falta, particularmente Fredendall, o primeiro comandante do II Corpo. Embora avaliado por George C. Marshall como "um treinador capaz", Fredendall revelou-se um incompetente e covarde moral. Após o desastre de Kasserine, Patton substituiu Fredendall, que Atkinson vê como uma benção mista. Os fãs de Patton podem ficar desanimados com a avaliação de Atkinson de que "por todo o melodrama de Patton, sua influência no espírito e na disciplina do II Corpo foi marginal". Além disso, o plano tático de Patton no segundo engajamento de El Guettar, no final de abril de 1943, foi "muito falho" e resultou em mais de 3.000 baixas em menos de uma semana.


Houve alguns pontos positivos no estado deplorável do Exército dos EUA na campanha norte-africana. Atkinson observa que a Artilharia de Campanha teve um bom desempenho, assim como os Rangers. Atkinson observa que a incursão dos blindados americanos no aeródromo de Djedeïda, em novembro de 1942, destruiu 37 aviões alemães - provavelmente o único grande sucesso de combate para o diminuto tanque Stuart na Segunda Guerra Mundial. Os americanos também desfrutaram de uma vantagem na inteligência de comunicações.

Atkinson falha em argumentar que a participação dos EUA na campanha tunisiana afetou o equilíbrio relativo de poder na aliança anglo-americana. De fato, sua narrativa demonstra que os americanos eram os parceiros menores na Tunísia, com a maior parte das tropas vindas dos exércitos da Commonwealth e da França. Outros fatores, como o Lend-Lease (Empréstimo e Arrendamento) e a participação americana na Batalha do Atlântico, tiveram muito mais impacto sobre a natureza da aliança do que um desdobramento terrestre simbólico. Será que Atkinson realmente acredita que, se nenhuma tropa americana tivesse lutado na Tunísia, isso teria alterado muito a posição dos EUA no mundo? No entanto, o relato de Atkinson é certamente a narrativa mais completa e interessante disponível sobre a campanha norte-africana de 1942-1943.

O Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Bibliografia recomendada:

Operation Torch 1942: The invasion of French North Africa.

US Soldier versus Afrikakorps Soldier.

Leitura recomendada:



LIVRO: Forças Terrestres Chinesas29 de março de 2020.

domingo, 29 de março de 2020

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas

O Exército de Libertação Popular Chinês desde 1949: Forças Terrestres, Benjamin Lai, Osprey Publishing, 2013.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de março de 2020.

O exército chinês (oficialmente Forças Terrestres do Exército de Libertação Popular, doravante PLA) nunca foi conhecido por sua proficiência militar, como já tratado no blog, eles carecem de experiência de combate e operam blindados muito velhos. O autor chinês Benjamin Lai tentou pintar um quadro mais favorável ao PLA, mas terminou com uma obra de valor misto: enquanto as fotos são muito bonitas, a maior parte a cores, o texto é apenas a repetição da propaganda oficial do Partido Comunista Chinês, que unificou a China continental sob o comunismo maoísta em 1949.

O PLA é a definição das forças armadas chinesas seguindo o padrão soviético de usar Exército Vermelho ou Exército Soviético para a totalidade das suas forças armadas. O PLA chinês é constituído de: 

- Força Terrestre do Exército de Libertação do Povo, 
- Marinha do Exército de Libertação do Povo, 
- Força Aérea do Exército de Libertação do Povo, 
- Força de Foguetes do Exército de Libertação do Povo,
- Força de Apoio Estratégico do Exército de Libertação do Povo. 

O livro trata das forças terrestres, incluindo unidades não necessariamente ligadas ao exército (Força Terrestre do PLA), como a Polícia Armada Popular (PAP) e os fuzileiros navais que pertencem à marinha (oficialmente Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Exército de Libertação do Povo, encurtado para Corpo de Fuzileiros Navais do Exército de Libertação do Povo).

Distintivo do Corpo de Fuzileiros Navais do Exército de Libertação do Povo Chinês (中国人民解放军海军陆战队).

A China vem, há muito anos e escaldada da humilhação de 1979, tentando erguer uma força militar moderna, com certa ênfase na diminuição da dependência do número e movendo-se para uma ocidentalização baseada na absorção de equipamentos modernos, especialmente na informatização, e no aumento de unidades de elite: o seu Corpo de Fuzileiros Navais foi reativado em 1979 (trazendo linhagem de 1953), tendo 16 mil homens atualmente, divididos em 2 brigadas de 6 mil homens cada e guarnições com as típicas funções de fuzileiros navais, com previsão de aumento para 20 mil homens em breve; com uma terceira brigada sendo organizada a partir da transferência da 77ª Brigada de Infantaria Motorizada da Força Terrestre do PLA.

Os fuzileiros navais chineses são conhecidos por seus camuflados azuis.


Dado que as próximas guerras da China serão eminentemente navais com ênfase anfíbia contra ilhas no Pacífico, essa decisão faz completo sentido. Mesmo os americanos já estão se adaptando para combater essa nova capacidade anfíbia chinesa. A forma como essa modernização ocorre já é uma história completamente diferente, marcada mais pelos tropeços do que pelos acertos.

A China também se expande para a África e para a América Latina, mas de volta ao livro. 

A avaliação mais precisa do livro The Chinese People's Liberation Army since 1949: Ground Forces foi feita pelo Coronel Dr. R. A. Forczyk. O título dá a entender que as forças navais e aéreas serão tratadas em algum momento, mas sem anúncios até hoje, e talvez pela reação da resenha do coronel na época.

Natal Vermelho: A Incursão ao Aeródromo de Tatsinskaya em 1942.

Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar europeia e asiática. Aposentou-se como tenente-coronel das Reservas do Exército americano, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA, e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC., e já publicou dezenas de livros, incluindo os dois volumes sobre a guerra blindada germano-soviética de 1941-45, sobre as operações Caso Vermelho (invasão da França), Caso Branco (invasão da Polônia), biografias de Walther Model e Georgy Zhukov, e um dos seus best-sellers Where the Iron Crosses Grow: The Crimea 1941-44 (Onde as Cruzes de Ferro Nascem: A Criméia 1941-44). Nota-se que suas palavras têm peso.

O título é baseado na famosa frase final do filme Cruz de Ferro.

À seguir a tradução da resenha de três estrelas.

Uma Exposição de Cães e Pôneis do PLA 

Por Robert A. Forczyk, 8 de abril de 2013.


Folheando o Exército de Libertação do Povo Chinês desde 1949: Forças Terrestres de Benjamin Lai, uma adição recente à série Elite da Osprey, fica claro que a China tem alguns uniformes e equipamentos muito atraentes. Obviamente, o autor não menciona que a única grande ação de combate bem-sucedida conduzida pelo PLA nos últimos trinta anos foi assassinar cerca de 3.000 dos seus compatriotas na Praça da Paz Celestial em junho de 1989 (referido aqui como um "episódio"). Essa é o problema básico deste volume: excelentes fotos, resumo completo da organização e do equipamento do PLA, mas acompanhado por uma sutil higienização da história. O autor menciona que o PLA esmagou a revolta tibetana, mas a atribui a uma trama da CIA - a idéia de que os tibetanos não querem fazer parte da China não é mencionada. Esse volume serve para destacar o progresso que o PLA fez na modernização de suas forças terrestres e não quer olhar para nada que o prejudique essa visão - como o fato do PLA ter muito menos experiência em combate do que qualquer outro grande exército do mundo. Muitos brinquedos, nenhuma experiência. Todo o problema da missão também é convenientemente ignorado (se é estritamente defensiva, por que todos esses paraquedistas, fuzileiros navais, tanques, mísseis, etc?). O autor também não discute a doutrina do PLA, embora isso fosse mais relevante do que todo o espaço que ele dedicou à Polícia Armada Popular (PAP). No geral, este é um volume interessante, mas deixa um leve sabor de propaganda.

"1º de outubro de 1949: Soldados do PLA marcham durante a primeira parada do Dia Nacional na Praça da Paz Celestial, em Pequim. Eles usam capacetes de aço japoneses capturados, e estão armados com fuzis-metralhadores tchecos ZB vz 26; nessa época o PLA tinha um arsenal heterogêneo de armas japonesas e daquelas tomadas do KMT chinês, incluindo armas portáteis tchecas, americanos e mesmo algumas britânicas. Note que estão estão marchando em uma cadência convencional - o 'passo do ganso' de estilo soviético ainda não havia sido adotado. (China Magazine)"

O volume começa com uma discussão sobre a origem do PLA - como a "ala armada do Partido Comunista Chinês" - e passa dez páginas resumindo suas principais atividades desde 1949. Ele fornece apenas dois parágrafos curtos sobre a Guerra da Coréia, o que não é muito considerando que esta foi a maior operação do PLA desde que foi criada, a Guerra de Fronteira Indo-Chinesa de 1962 recebe duas sentenças, embora essa tenha sido a única vitória clara alcançada pelo PLA sobre um adversário estrangeiro e demonstrou a adaptabilidade tática da China. Em contraste, o autor dá mais cobertura às curtas escaramuças sino-soviéticas em 1969 do que à Guerra da Coréia. Ele gasta cerca de 1 ½ páginas na Guerra Sino-Vietnamita de 1979, mas tenta colocá-la sob uma luz positiva (sem mencionar que a China atacou o Vietnã em apoio ao seu aliado genocida, Pol Pot). A maioria dos relatos sugere que uma força vietnamita muito menor surrou os invasores do PLA e que foi a China que "aprendeu uma lição". Quando ele chega a 1989, o autor se refere à Praça da Paz Celestial como uma "controversa operação de segurança interna" - ah, é verdade, é censurada na China, onde o autor reside. Também não há menção de que boa parte do PLA é desdobrado para invadir Taiwan, caso necessário.

Uniforme, distintivos e divisas do exército chinês.

Toda publicação da Osprey vem acompanhada de ilustrações de alta qualidade.


Na próxima seção, o autor discute a organização de nível superior do PLA e, em seguida, mergulha nas estruturas táticas até o batalhão, a companhia e o grupo de combate. Fiquei realmente surpreso com quantos cozinheiros existem um batalhão de infantaria do PLA - pelo menos 25. Ele então discute as principais armas de combate, incluindo blindados, aviação, tropas de forças especiais, paraquedistas e de mísseis. A maioria das fotos no volume é colorida e muito agradável, mas muitas das tropas parecem posadas. As legendas do autor indicam que muitas foram capturadas durante eventos militares em casas abertas e até as cenas "táticas" parecem encenadas. Olhando para os uniformes, o olho de um soldado pode notar que todos os uniformes e equipamentos parecem novos em folha - sem desgaste. Um grupo de combate de infantaria que se move ao lado de um IFV está terrivelmente amontoado - parece um 'ataque de onda humana' - e, apesar de seus novos capacetes e uniformes camuflados, eles estão usando sapatos de borracha e meias brancas dos anos 50. Uma patrulha de infantaria é mostrada com todos os membros da patrulha com os cadarços das botas desamarrados - eles tiveram que pedir as botas emprestadas para a foto? Adoro os tanques ZTZ-99 com jantes brancas nas rodas - que com certeza os tornam mais fáceis de detectar! No exército dos EUA, quando você vê todos os equipamentos polidos como aqui, é reconhecível como uma "Dog and Pony Show" (Exposição de Cães e Pôneis, "pra inglês ver") de para impressionar os visitantes e os ignorantes militares. As discussões das tropas das forças especiais e paraquedistas beira ao cômico, dando a impressão de que essas unidades são todas altamente capazes e equivalentes às melhores unidades ocidentais quando, na verdade, o PLA não tem saltos paraquedistas em combate a seu crédito e os saltos de tempos de paz são poucos e preciosos.



Contra-capa.

Nas seções finais, o autor discute recrutamento e uniformes. Ele sugere que o PLA esteja se movendo para uma força profissional, mas adicionar de 600 a 1.000 graduados por ano para um exército desse tamanho é uma gota num balde. Ele afirma que os sargentos podem se casar, mas que suas esposas só podem visitá-lo uma vez por ano - isso parece mais uma prisão do que um exército profissional. Apesar de suas afetações ocidentais modernas, o PLA ainda é majoritariamente uma força conscrita dominada pelo partido e pode ter armas do século XXI, mas ainda está usando uma abordagem dos anos 50 para seus soldados. Espero que o autor faça volumes nas forças naval e aérea, mas os leitores devem estar cientes de que essa é uma cobertura muito lustrosa, sem qualquer tentativa de uma avaliação equilibrada.


Yak:
A anexação do Tibete não foi muito diferente da invasão de um país como a Polônia. Este livro implica que a resistência à anexação tibetana era apenas uma trama americana, que se encaixa na narrativa de propaganda do governo da China de que o Tibete "sempre foi parte da China"; portanto, caso ela invadisse o Tibete, de alguma forma já o possuía. Dado o fato de que a liderança da China se opõe à noção de governo representativo, parece improvável que tudo isso seja apenas uma pequena nota de rodapé na orgulhosa marcha para a democratização.

R. A Forczyk:
Também é importante observar que tipicamente regimes que usaram força brutal em larga escala contra seu próprio povo, ou pessoas que consideram seu próprio povo, também não têm problemas em usar o mesmo tipo de força letal contra forasteiros. A história do Partido Comunista Chinês (PCC) - que administra o PLA - é de uso irrestrito da violência, conforme necessário. 

Ao contrário dos soviéticos, os chineses não têm ambições globais de espalhar sua forma de tirania, mas a defenderão contra todas as ameaças - incluindo qualquer cheiro de mudança democrática.

Yak:
Concordo plenamente. Fingir que a moralidade pode ser higienizada das atrocidades da história humana moderna não é um caminho que devemos seguir. Infelizmente, muitas pessoas que estudam a China geralmente ficam um pouco insensíveis aos problemas do seu regime autoritário, e convenientemente obscurecem ou ignoram problemas em nome de apontar para outro alguém que era supostamente pior. Os pecados das forças armadas americanas não são necessariamente melhores ou piores, mas pelo menos esse assunto está aberto à discussão. Na China, as forças armadas nunca fizeram nada errado e isso não pode ser questionado.

Chimonsho (Benjamin Lai?):
Suponho que esta resenha avalie o livro do PLA com precisão. Dito isto, definitivamente há espaço para uma gama mais ampla de pontos de vista entre os autores do Osprey, que Lai fornece (e observa em seu próprio comentário). Muitos livros da Osprey omitem grande parte do contexto político mais amplo, portanto este é bastante representativo a esse respeito, embora por razões diferentes.

Quanto à comparação do Holocausto oferecida pelo Sr. Forzyck, é um assassino de discussões confiáveis; como comparar significativamente o mal absoluto com outros fenômenos? A Praça da Paz Celestial foi um ultraje, mas muito menos destrutiva do que o Holocausto e, de fato, em grande parte um assunto interno. Acredito que isso será visto como um obstáculo na longa e rochosa estrada da China para um governo totalmente representativo. O Holocausto, no entanto, foi um divisor de águas na história judaica, européia e mundial. Maçãs e laranjas, além do recurso compartilhado à brutalidade.

R. A Forczyk:
Sr. Lai, 

Os problemas com este volume não são de espaço, mas de viés analítico. Não estou tentando atacar a China, que tem interesses legítimos de segurança, mas você precisa aprender a chamar as coisas pelo seu próprio nome se quiser escrever uma história militar equilibrada.

Quando você se refere ao massacre da Praça da Paz Celestial como uma "operação controversa de segurança interna", dá um tiro no pé, pelo menos no que diz respeito ao público ocidental. Seria semelhante a um autor alemão moderno que referindo-se ao Holocausto como uma "operação controversa de segurança interna".

Nota do Autor: Com tudo isto dito e representado, é recomendada a leitura do livro. As fotos são excelentes e a explicação da estrutura militar do PLA são muito boas e "valem o ingresso"; porém, o leitor deve estar atento e ler a narrativa de Benjamin Lai com um grão de sal, atento à repetição da propaganda do Partido Comunista Chinês.

Leituras recomendadas: