quarta-feira, 25 de agosto de 2021

O Afeganistão e a grande falha na doutrina de contra-insurgência dos EUA


Por Michael Shurkin, The Hill, 25 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de agosto de 2021.

Enquanto lutamos para entender o fracasso americano no Afeganistão, um elemento importante que deve ser incluído na discussão é uma falha fundamental no cerne da doutrina da contra-insurgência (counterinsurgencyCOIN) americana. Essa doutrina tem raízes históricas que remontam às Guerras Indígenas e às Filipinas. Mas em sua versão contemporânea, a doutrina COIN americana é quase sinônimo do Manual de Campanha 3-24 (Field Manual 3-24, FM 3-24) do Exército dos EUA, publicado originalmente em 2006 sob o imprimatur do General David Petraeus. Petraeus, por sua vez, inspirou-se fortemente na doutrina COIN francesa, que por sua vez tem raízes nas aventuras coloniais do fin-de-siècle da França, mas alcançou sua expressão máxima na Guerra da Argélia (1954-1962). E é precisamente aí que reside o problema.

A inspiração direta de Petraeus foi o tenente-coronel francês David Galula (1919-1967), que não foi o único oficial francês a desenvolver a doutrina COIN na década de 1950 e nem mesmo necessariamente o melhor, mas foi o único que escreveu em inglês. Galula escreveu de forma convincente sobre a necessidade de fornecer segurança às populações locais e minimizar as operações de combate em favor dos esforços de corações e mentes.

Contre-Insurrection: Théorie et pratique.
David Galula.

Galula fez com que seus homens se integrassem nas comunidades locais; ele conquistou a confiança dos aldeões e conseguiu mobilizar os moradores locais para fornecer segurança e isolar os insurgentes. Ele não lutou muito e criticou o que os americanos mais tarde chamariam de operações "cinéticas" como improváveis de alcançarem resultados significativos. Há uma linha direta de suas ideias com as de Petraeus e, mais tarde, com a direção que o General Stanley McChrystal deu enquanto estava no comando no Afeganistão.

As ideias de Galula não são sem mérito, e há muito que os franceses fizeram na Argélia que podem ser aplicáveis em outros lugares. Mas Petraeus e outros entusiastas americanos nos anos 2000 parecem ter esquecido inteiramente o contexto histórico em que Galula escreveu e a diferença fundamental entre então e agora: Galula escreveu em um contexto colonial. Estamos operando em um contexto pós-colonial. O objetivo de Galula era perpetuar o domínio colonial. Ele, como oficial francês, estava lutando em nome da França para fortalecer a legitimidade da França. Em contraste, nós lutamos em nome de outra pessoa para fortalecer a legitimidade de outra pessoa.

Na sua forma mais concreta, a diferença entre as configurações coloniais e pós-coloniais resume-se ao que se pode oferecer à população, que, de acordo com o FM 3-24, é o verdadeiro “centro de gravidade” em uma insurgência. Galula enfatiza em seus escritos que uma parte fundamental do argumento do regime colonial para a população é que o poder colonial não vai a lugar nenhum. Portanto, alinhar-se com o poder colonial e apoiá-lo tácita ou ativamente é uma escolha razoável. Pode-se confiar no que sempre estará lá.


Esse argumento sem dúvida ajudou a França a recrutar um grande número de locais para lutar sob as cores francesas. Em contraste, a potência estrangeira pós-colonial que divulga sua intenção de partir no momento em que chega pela primeira vez enfrenta uma situação muito mais difícil para reunir e manter apoio.

Ninguém realmente descobriu como uma intervenção militar de terceiros reforça a legitimidade de um estado cliente em um contexto pós-colonial. O FM 3-24 não tem respostas. Curiosamente, a doutrina francesa atual, atualizada em 2013, pelo menos reconhece explicitamente que tudo mudou e destaca os limites do que uma força interventora pós-colonial pode fazer. Em essência: a liderança política existente no estado cliente tem que reescrever o contrato social, cujo fracasso é o que fez a insurgência prosperar. Mas não é o lugar da força interveniente escrevê-lo, nem é o seu lugar impor uma ordem estranha.

Tudo o que a força interveniente pode fazer é apoiar a estrutura política indígena existente, enquanto a estrutura política indígena existente orienta “e até mesmo restringe” a força de intervenção. Esta abordagem exige necessariamente grande modéstia por parte do país interveniente, uma vez que atribui a responsabilidade pelo sucesso em grande parte à nação anfitriã. Isso também significa que há uma tensão quase inevitável entre a agenda da força interveniente e seu cliente, e entre sua linha do tempo e o próprio ritmo do anfitrião.

A distinção entre colonial e pós-colonial e a modéstia exigida no último contexto lança luz considerável sobre o que deu errado para os EUA no Afeganistão. Sem a distinção em mente, nosso governo e militares foram vítimas de níveis inadequados de ambição e prestaram atenção insuficiente aos pontos fortes e fracos de seus parceiros afegãos, que estavam no assento do motorista.

Significava também que tudo o que acontecesse estaria de acordo com suas prioridades, e em seu ritmo, no qual não tínhamos motivos para esperar que corresponderia à nossa necessidade incessante de alcançar o sucesso antes do final de cada período de atuação, desdobramento ou mandato presidencial.

Michael Shurkin é um ex-oficial da CIA e cientista político sênior da RAND. Ele é diretor de programas globais da 14 North Strategies e fundador da Shurbros Global Strategies.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:





Nenhum comentário:

Postar um comentário