segunda-feira, 23 de agosto de 2021

GALERIA: Crânio de um sniper japonês decorado pela 1ª Divisão de Fuzileiros Navais

Crânio de um sniper japonês tomado na Batalha de Guadalcanal, 1942.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de agosto de 2021.

Durante a Segunda Guerra Mundial, foi comum que militares dos Estados Unidos mutilassem militares japoneses mortos na campanha do Pacífico. A mutilação de soldados japoneses incluiu a retirada de partes do corpo como troféus e lembranças de guerra. Dentes e crânios eram os "troféus" mais comuns, embora outras partes do corpo também fossem coletadas.

O fenômeno da "obtenção de troféus" foi bastante difundido para que a discussão a seu respeito aparecesse com destaque em revistas e jornais. O próprio Franklin Roosevelt teria recebido um abridor de cartas feito do braço de um soldado japonês pelo representante dos EUA Francis E. Walter em 1944, o qual Roosevelt mais tarde ordenou que fosse devolvido, pedindo seu enterro adequado. A notícia também foi amplamente divulgada ao público japonês, onde os americanos foram retratados como "desajustados, primitivos, racistas e desumanos". Isso, agravado por uma foto anterior da revista LIFE de uma jovem com um crânio presenteado como troféu, que foi reimpresso na mídia japonesa e apresentado como um símbolo da barbárie americana, causando choque e indignação nacionais. 

"Lembra da caveira?"
Caveira com a foto do sargento fuzileiro naval John Shough.

O recorte da história e alguns dentes coletados com coroas metálicas.

Snipers sempre foram alvo de retaliações quando capturados, geralmente mortos a tiros na hora, ou torturados e mortos. Isso aconteceu em todas as frentes. Os snipers japoneses eram particularmente odiados por questões raciais e pela selvageria da guerra no Pacífico - por vezes descrita como "barbarismo medieval" - o que explica todo o trabalho em fazer desse sniper japonês em particular um troféu tão requintado. A coleta de pedaços humanos de forma generalizada, especialmente crânios e dentes, foi específica do Pacífico visando japoneses.

O recorte acompanhando o crânio japonês descreve a história:

O sargento de recrutamento fuzileiro naval John Shough, de Springfield, segura o crânio de um sniper japonês que foi morto em Guadalcanal 20 anos atrás durante a Segunda Guerra Mundial.

Antes que o sniper japonês fosse plotado amarrado no alto de uma árvore, ele matou um jovem fuzileiro naval que ganhara um nome e tanto durante a luta. Para vingar sua morte, outros fuzileiros navais de seu grupo decapitaram o sniper e em seu crânio pintaram o emblema da Primeira Divisão de Fuzileiros Navais e a bandeira americana.

Hoje, o Corpo de Fuzileiros Navais está tentando encontrar alguém que se lembre do fuzileiro naval não-identificado. Ele deseja conferir postumamente várias medalhas ao jovem fuzileiro naval.

O crânio japonês, devolvido a este país por um oficial fuzileiro naval após a batalha de Guadalcanal, passou por estações de recrutamento dos Fuzileiros Navais da Costa Oeste, para o Sudoeste, Montanhas Rochosas e agora para o Centro-Oeste. Até hoje, ninguém se lembra do nome do fuzileiro naval.

Foto da semana na revista LIFE em 22 de maio de 1944. A legenda original diz:
"A operária do Arizona escreve ao namorado da Marinha um bilhete de agradecimento pela caveira japa que ele lhe enviou".

Em 22 de maio de 1944, a revista LIFE publicou a foto de uma garota americana com uma caveira japonesa enviada a ela por seu namorado oficial da marinha. A legenda da imagem dizia: "Quando ele se despediu de Natalie Nickerson, 20, uma operária de guerra de Phoenix, Arizona, dois anos atrás, um grande e bonito tenente da Marinha prometeu a ela um japa. Na semana passada, Natalie recebeu um crânio humano autografado por seu tenente e 13 amigos, e escreveu: "Este é um bom japa - um morto apanhado na praia da Nova Guiné." Natalie, surpresa com o presente, chamou-o de Tojo; o apelido depreciativo do soldado japonês pelos americanos, por conta do general japonês Hideki Tojo. As cartas que a LIFE recebeu de seus leitores em resposta a esta foto foram "esmagadoramente condenatórias" e o Exército instruiu seu Bureau de Relações Públicas a informar aos editores americanos que "a publicação de tais histórias provavelmente encorajaria o inimigo a fazer represálias contra americanos mortos e prisioneiros-de-guerra". O oficial subalterno que enviou o crânio também foi encontrado e oficialmente repreendido, mas isso foi feito com relutância e a punição não foi severa. A imagem foi amplamente reproduzida no Japão como propaganda anti-americana.

A foto da LIFE também levou as forças armadas americanas a tomarem novas medidas contra a mutilação de cadáveres japoneses. Em um memorando datado de 13 de junho de 1944, o JAG do Exército afirmou que "tais políticas atrozes e brutais" além de serem repugnantes também eram violações das leis da guerra, e recomendou a distribuição a todos os comandantes de uma diretriz indicando que "os maus-tratos a inimigos mortos de guerra eram uma violação flagrante da Convenção de Genebra de 1929 sobre Doentes e Feridos, que estabelecia que: Após cada confronto, o ocupante do campo de batalha deve tomar medidas para procurar os feridos e mortos e protegê-los contra a pilhagem e os maus-tratos." Além disso, tais práticas violavam as regras não escritas dos costumes da guerra terrestre e podiam levar à pena de morte. O JAG da Marinha refletiu essa opinião uma semana depois, e também acrescentou que "a conduta atroz da qual alguns militares americanos eram culpados poderia levar a retaliação por parte dos japoneses, o que seria justificado pelo direito internacional".

Para a religião xintoísta, que atribui um valor emocional muito maior ao tratamento de restos mortais humanos, o choque e indignação contribuiu para uma preferência pela morte em vez da rendição e da ocupação.

"A ideia do crânio de um soldado japonês se transformar em um cinzeiro americano era tão horrível em Tóquio quanto a ideia de um prisioneiro americano usado para a prática de baioneta em Nova York."

Edwin P. Hoyt, Japan's War: The Great Pacific Conflict, 1987, pg. 358.

Cozimento de crânio:

Crânios valiam em torno de 35 dólares em dinheiro, uma soma considerável na época, ou eram trocados por outros itens com marinheiros e outros não-combatentes. Eles também eram enviados para civis nos Estados Unidos.

Em 1944, o poeta americano Winfield Townley Scott estava trabalhando como repórter em Rhode Island quando um marinheiro exibiu seu troféu de caveira na redação do jornal. Isso levou ao poema The U.S. sailor with the Japanese skull (O marinheiro americano com a caveira japonesa), que descreveu um método de preparação de crânios para a retirada de troféus, no qual a cabeça é esfolada, rebocada por uma rede atrás de um navio para limpá-la e poli-la, e no final esfregado com soda cáustica.

Vários relatos em primeira mão, incluindo os de soldados americanos, atestam a tomada de partes de corpos como "troféus" dos cadáveres de tropas imperiais japonesas no Teatro do Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial. Os historiadores atribuíram o fenômeno a uma campanha de desumanização dos japoneses na mídia dos Estados Unidos, a vários clichés racistas latentes na sociedade americana, à depravação da guerra em circunstâncias desesperadoras, à crueldade desumana das forças imperiais japonesas, desejo de vingança ou qualquer combinação desses fatores.

A prática era tão difundida que "ação disciplinar severa" contra a retirada de lembranças de restos humanos foi ordenada pelo Comandante-em-Chefe da Frota do Pacífico já em setembro de 1942. Em outubro de 1943, o Alto Comando americano expressou preocupação com os recentes artigos de jornal cobrindo a mutilação de mortos por americanos. Os exemplos citados incluem um em que um soldado fez um colar de contas usando dentes japoneses e outro sobre um soldado com fotos mostrando os passos na preparação de um crânio, envolvendo cozinhar e raspar as cabeças japonesas. 

De acordo com o fuzileiro naval Donald Fall, o primeiro relato de soldados americanos usando orelhas de cadáveres japoneses ocorreu no segundo dia da Campanha de Guadalcanal em agosto de 1942 e ocorreu depois que fotos dos corpos mutilados de fuzileiros navais na Ilha Wake foram encontrados em pertences pessoais de engenheiros japoneses:

"No segundo dia de Guadalcanal, capturamos um grande bivaque japonês com todos os tipos de cerveja e suprimentos... Mas eles também encontraram muitas fotos de fuzileiros navais que foram cortados e mutilados na Ilha Wake. E logo em seguida estão fuzileiros navais andando por aí com orelhas japonesas presas em seus cintos com pinos de segurança. Eles emitiram uma ordem lembrando os fuzileiros navais de que a mutilação era uma ofensa de corte marcial... Você entra em um estado de espírito sórdido em combate. Você vê o que foi feito com você. Você encontraria um fuzileiro naval morto que os japoneses prenderam em uma booby-trap [armadilha explosiva]. Encontramos japoneses mortos com armadilhas explosivas. E eles mutilaram os mortos. Começamos a descer ao nível deles."

Ódio e desejo de vingança costumavam ser citados; no entanto, alguns dos fuzileiros navais americanos que estavam prestes a participar da Campanha de Guadalcanal já estavam, enquanto ainda a caminho, ansiosos para coletar dentes de ouro japoneses para colares e preservar as orelhas japonesas como souvenires.

Crânio decorado com a inscrição:
"Sniper japa morto, que peninha!"

O bilhete do museu diz:

Troféu de crânio japonês da Segunda Guerra Mundial decorado por um fuzileiro naval americano.
Não julgamos soldados de combate americanos. Eles tinham suas próprias razões para fazerem isto. Nós estamos exibindo estes artefatos únicos de modo que a História não se perca.
Este museu não censura a História!

Nos Estados Unidos, havia uma visão amplamente propagada de que os japoneses eram subumanos. Também houve raiva popular nos EUA com o ataque surpresa japonês a Pearl Harbor, ampliando os preconceitos raciais pré-guerra. A mídia americana ajudou a propagar essa visão dos japoneses, por exemplo, descrevendo-os como "pragas amarelas". Em um filme oficial da Marinha dos EUA, as tropas japonesas foram descritas como "ratos vivos que rosnam". A mistura de racismo americano subjacente, que foi adicionado à propaganda de guerra, ódio causado pela guerra de agressão japonesa e atrocidades japonesas (tantos as reais quanto as imaginárias), levou a um ódio geral pelos japoneses.

Segundo Niall Ferguson:

"Para o historiador que se especializou em história alemã, este é um dos aspectos mais preocupantes da Segunda Guerra Mundial: o fato de que as tropas aliadas frequentemente consideravam os japoneses da mesma forma que os alemães consideravam os russos - como Untermenschen."

Uma vez que os japoneses eram considerados animais, não é surpreendente que os restos mortais japoneses fossem tratados da mesma forma que os restos mortais de animais. Em 1984, os restos mortais de soldados japoneses foram repatriados das Ilhas Marianas. Aproximadamente 60% não tinham o crânio. Da mesma forma, foi relatado que muitos dos restos japoneses em Iwo Jima não têm seus crânios. É possível que a coleção de lembranças de restos mortais japoneses tenha continuado até o período do pós-guerra imediato.

Eugene Sledge, em seu livro With the Old Breed: At Peleliu and Okinawa (Com a Velha Raça: em Peleliu e Okinawa, 1981) relata alguns exemplos de companheiros fuzileiros navais extraindo dentes de ouro dos japoneses, incluindo um de um soldado inimigo que ainda estava vivo:

"Mas o japonês não estava morto. Ele estava gravemente ferido nas costas e não conseguia mover os braços; do contrário, ele teria resistido até o último suspiro. A boca do japonês brilhava com enormes dentes em forma de coroa de ouro, e seu captor os queria. Ele colocou a ponta de sua [faca] Ka-Bar na base de um dente e bateu no cabo com a palma da mão. Como o japonês estava chutando e se debatendo, a ponta da faca raspou no dente e afundou profundamente na boca da vítima. O fuzileiro naval o xingou e com um talho cortou suas bochechas de orelha a orelha. Ele colocou o pé no maxilar inferior do sofredor e tentou novamente. O sangue jorrou da boca do soldado. Ele fez um barulho gorgolejante e se debateu violentamente. Gritei: "Acabe com o sofrimento dele". Tudo que recebi como resposta foi um xingamento. Outro fuzileiro naval correu, colocou uma bala no cérebro do soldado inimigo e acabou com sua agonia. O caçador de tesouro resmungou e continuou retirando seus prêmios sem ser perturbado." (pg. 120)

Esta cena foi reproduzida, com mudanças de tom, na minissérie The Pacific:


Bibliografia recomendada:

Tower of Skulls:
A History of the Asia-Pacific War.
July 1937 - May 1942.
Richard B. Frank.

Leitura recomendada:



LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.





Nenhum comentário:

Postar um comentário