terça-feira, 17 de agosto de 2021

A retirada atrapalhada de Joe Biden mergulha o Afeganistão no caos


Por W.J. Hennigan e Kimberley Dozier, TIME Magazine, 15 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de agosto de 2021.

No início de julho, o presidente Joe Biden informou ao povo americano sobre a retirada das forças americanas do Afeganistão após uma ocupação de 20 anos. A evacuação seria "segura e ordeira", disse ele, com poucas chances de uma tomada pelo Talibã. “A probabilidade do Talibã tomar tudo de assalto e conquistar todo o país é altamente improvável”, disse ele.

Pouco mais de um mês depois, Biden provou estar errado em todos os aspectos.

Combatentes talibãs chegam a Cabul em 15 de agosto.
(Jim Huylebroek — The New York Times / Redux)

O Talibã assumiu o controle do Afeganistão no domingo, entrando na capital, Cabul, sem resistência, após uma blitz de duas semanas na qual várias capitais de província caíram nas mãos dos insurgentes. O presidente Ashraf Ghani fugiu do país no domingo, abandonando seu palácio semelhante a uma fortaleza para os militantes de turbante preto que vagavam livremente em seus escritórios até o final do dia. Diplomatas americanos, enquanto isso, correram para destruir documentos e equipamentos confidenciais na extensa embaixada dos EUA. A bandeira americana do prédio foi arriada e levada a bordo de um helicóptero para o aeroporto de Cabul, onde o pessoal americano se reuniu para garantir a sua segurança.

Como uma morte há muito esperada, os americanos sabiam que esse dia chegaria, mas o colapso foi tão repentino e completo que foi impressionante quando finalmente aconteceu. É uma realidade difícil de entender depois de quase duas décadas de envolvimento dos EUA no Afeganistão, mais de 2.300 de suas tropas mortas, mais de 20.000 feridos, centenas de milhares de afegãos mutilados ou mortos e US$ 2 trilhões gastos. No 20º aniversário dos ataques de 11 de setembro em setembro, uma bandeira talibã estará hasteada sobre o Afeganistão.


O erro de cálculo de Biden pode alterar sua presidência e enfraquecer a posição dos EUA no exterior. Ele apoiou a invasão há duas décadas, mas há muito concluiu que era hora de partir e foi eleito para a presidência com uma plataforma de retirada de tropas. Então, como a Casa Branca poderia ter sido pega tão de surpresa? Funcionários do governo Biden argumentaram rotineiramente que os mais de 300.000 soldados e policiais do Afeganistão, que os EUA gastaram pelo menos US$ 84 bilhões para treinar e equipar, superavam em muito os estimados 75.000 combatentes do Talibã. Eles apontaram para aviões e helicópteros de ataque da força aérea do Afeganistão, que também foram pagos pelos EUA, bem como o poder de fogo e armamento pesado.

No final, porém, nem uma única peça desse arsenal multibilionário, que agora pertence ao Talibã, poderia substituir a vontade de lutar ou o instinto de sobrevivência, já que as tropas afegãs viram que seus companheiros soldados que se renderam aos militantes foram poupados e aqueles que lutaram foram freqüentemente executados brutalmente.

As avaliações da inteligência americanas estimaram inicialmente que as forças de segurança afegãs poderiam evitar ofensivas talibãs contra grandes centros populacionais, como Cabul, por um ano ou possivelmente mais. Apenas neste mês, o cronograma foi significativamente rebaixado para 30 dias ou menos, de acordo com dois funcionários americanos em exercício. Em vez disso, as defesas afegãs duraram 10 dias, enquanto as tropas repetidamente entraram em acordo com os insurgentes, permitindo-lhes atravessar os portões da cidade de Cabul intocados.

Os EUA agora estão lidando com o pesadelo logístico de evacuar milhares de funcionários americanos e afegãos junto com suas famílias. O aeroporto representa o único meio de fuga, já que o Talibã cercou metodicamente a capital e cortou as rotas essenciais de abastecimento dentro e fora da cidade. Porta-vozes do Talibã repetiram que qualquer um que queira partir pode, sem ser molestado, mas poucos afegãos querem testar essa promessa pública com suas vidas, já que disparos esporádicos e saques estouraram em Cabul durante a noite.

A fumaça sobe próximo à Embaixada dos Estados Unidos em Cabul no final de 15 de agosto. (Rahmat Gul-AP)

Biden ordenou que milhares de forças americanas fossem ao aeroporto de Cabul para ajudar na evacuação de americanos e afegãos que colaboraram intimamente com os EUA por décadas. Os legisladores do Congresso foram informados no domingo durante uma teleconferência de 45 minutos com o secretário de Estado Antony Blinken, o secretário de Defesa Lloyd Austin e o general Mark Milley, presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior, que os primeiros de 6.000 soldados americanos começaram a chegar ao aeroporto de Cabul no final de semana. Os legisladores foram informados de que havia dezenas de milhares de afegãos que poderiam se qualificar para vistos especiais de imigrante, de acordo com uma pessoa familiarizada com a chamada.

O general Kenneth McKenzie, comandante das operações militares dos EUA no Oriente Médio, agora está supervisionando a evolução da situação a partir de uma base na região. Um oficial militar americano disse à TIME que eles estão trabalhando para evacuar com segurança os americanos e o maior número possível de afegãos que possam estar em risco de represálias do Talibã.


Enquanto isso, as autoridades afegãs fora do país estão trabalhando para tirar seus colegas que podem sofrer retaliação se forem deixados para trás. Um no Golfo está trabalhando para trazer um avião do Qatar para buscar funcionários do alto escalão do governo afegão e algumas de suas famílias. Mas no final de domingo, os vôos comerciais no aeroporto da cidade foram suspensos em meio a tiros intermitentes - e apenas aeronaves militares foram autorizadas a operar. “Muitos dignitários estão presos no aeroporto como alvos fáceis”, disse o funcionário. “Não há oficial de imigração para carimbar passaportes. É um caos total.”

O oficial compartilhou com a TIME um vídeo de telefone celular que obteve de um amigo tentando sair do aeroporto, de afegãos em pânico correndo para embarcar em um avião vazio, sem esperar permissão, parados nos corredores e se recusando a ceder seus lugares para os passageiros com passagem. Com relatos de tiros e militantes no lado civil do aeroporto, as autoridades afegãs estão divididas. “Não sabemos se é uma decisão acertada sentar no aeroporto, mas eles temem por suas vidas se voltarem para a cidade”, disse o oficial.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que as forças dos EUA agora assumiram responsabilidades pelo controle de tráfego aéreo no aeroporto. “O tráfego comercial continua, embora tenha experimentado algumas paralisações esporádicas e atrasos”, disse ele em um comunicado. “Várias centenas de civis, incluindo funcionários e cidadãos americanos particulares, foram evacuados até agora. Continuamos a construir capacidade para agilizar o processamento para civis afegãos em risco.”

Outros altos funcionários afegãos optaram por ficar. Um assessor do Dr. Abdullah Abdullah, presidente do Alto Conselho para Reconciliação Nacional do país, disse à TIME que ele voará para Doha, no Qatar, como parte de uma equipe que inclui o ex-presidente afegão Hamid Karzai para negociar a forma do novo governo. Autoridades dos EUA e do Talibã não responderam aos pedidos de comentários.

Inimigos jurados do Talibã como o vice-presidente afegão Amrullah Saleh e Ahmad Masoud, filho do líder assassinado da Aliança do Norte Ahmad Shah Masoud, permaneceram no país, retornando à sua província natal de Panjshir, disseram várias autoridades afegãs e atuais. Saleh enviou uma mensagem à TIME informando que está em uma de suas "bases nas montanhas".

Ghani, por sua vez, postou um comunicado no Facebook detalhando seus motivos para fugir. “Se eu tivesse ficado, inúmeros conterrâneos teriam sido martirizados e a cidade de Cabul teria sido arruinada, caso em que um desastre teria ocorrido nesta cidade de cinco milhões de habitantes”, disse ele.

Homens se amontoam em um cibercafé enquanto buscam ajuda com as inscrições para o programa de Visto Especial de Imigrante em Cabul em 8 de agosto.
(Paula Bronstein — Getty Images)

Enquanto isso, a situação é perigosa para os afegãos comuns que não têm meios ou conexões para partir. Autoridades americanas que trabalharam no Afeganistão estão recebendo mensagens em pânico de tradutores e outros funcionários afegãos que não receberam os vistos americanos a tempo ou não puderam chegar ao aeroporto onde as autoridades americanas estão tentando apressar milhares de pedidos antes de enviá-los para o Qatar para mais verificações de segurança e processamento.

“Ainda estou aqui e esperando que os EUA me salvem”, disse um afegão a uma autoridade norte-americana de longa data. “Como você responde a mensagens como esta?” a autoridade pergunta. "Eu as recebo o dia todo."

A guerra mais longa dos Estados Unidos pode estar chegando ao fim, mas o derramamento de sangue está longe de terminar. O foco do mundo estará na segurança dos aliados afegãos e das mulheres afegãs, que foram sistematicamente vítimas do Talibã. Biden, no entanto, percebeu isso em seus cálculos há muito tempo. “Eu assumo a responsabilidade? Responsabilidade zero”, disse ele à CBS em fevereiro de 2020 sobre a possibilidade das mulheres perderem direitos sob um novo regime talibã. “A responsabilidade que tenho é proteger o interesse nacional da América e não colocar nossas mulheres e homens em perigo para tentar resolver todos os problemas do mundo pelo uso da força.”

Com reportagem de Alana Abramson/Washington.

Bibliografia recomendada:

The Hidden War:
A Russian journalist's account of the Soviet War in Afghanistan.
Artyom Borovik.

Leitura recomendada:



Granada: Uma guerra que vencemos, 18 de julho de 2021.


Nenhum comentário:

Postar um comentário