sábado, 7 de agosto de 2021

O congressista Mark Green exige que o professor da USAF de Teoria Crítica da Raça seja demitido


Da Soldier of Fortune, 9 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de julho de 2021.

O congressista republicano Mark Green, graduado de West Point e veterano, exige que o professor da USAF de Teoria Crítica da Raça seja demitido.

O congressista republicano Mark Green enviou uma carta ao secretário interino da Força Aérea, John P. Roth, pedindo a remoção da professora Lynne Chandler García de seu cargo de professora. Green disse:

“Os comentários da Professora García sobre a Teoria Crítica da Raça são totalmente inaceitáveis e incompatíveis com a missão de nossas Academias das Forças Militares dos Estados Unidos. Desprezar os Estados Unidos como um país racista deveria desqualificar qualquer pessoa para lecionar em uma das instituições mais prestigiosas de nosso país. Nossas academias militares preparam rapazes e moças para lutar por nosso país. Como podemos esperar que alguém lute por um país que lhes é ensinado que é racista?

“Como graduado em West Point e veterano do Exército por duas décadas, sei em primeira mão que o que é ensinado nessas academias militares deixa um impacto duradouro. Foi em West Point onde levantei minha mão direita pela primeira vez e fiz o juramento de defender nossa Constituição. Se queremos militares que se orgulham de defender este país, não devemos denegrir os próprios princípios em que foi fundado. Envergonhá-los de seu país só diminui o moral, a retenção e a coesão da unidade. A Teoria Crítica da Raça é uma ideologia marxista que ensina que a única maneira de corrigir a discriminação racial anterior é implementar a discriminação racial hoje. Isso vai contra nossos princípios Fundamentais - para não mencionar ilegal. Se permitirmos que essa ideologia destrutiva seja ensinada em nossas Academias Militares, seremos responsáveis pela morte desta nação. A professora García deve ser destituída de seu cargo de educadora.”

Dra. Lynne Chandler García, professora assistente de Ciência Política.
(Foto da USAF Academy)

Prezado Secretário Roth: Professor
7 de julho de 2021

O ataque total de Lynne Chandler García ao nosso país e seu apoio à Teoria Crítica da Raça a tornam desqualificada para lecionar em uma de nossas prestigiosas academias militares. Como nossos futuros líderes da Força Aérea devem fazer um juramento de defender a Constituição se eles estão sendo ensinados que ela é racista e promove a desigualdade?

Como graduado em West Point e veterano do Exército, sei em primeira mão que o que é ensinado nessas academias de serviço deixa um impacto duradouro. Foi em West Point onde levantei minha mão direita pela primeira vez e fiz o juramento de defender nossa Constituição. Meus professores me ensinaram a importância de servir a nossa nação tanto de uniforme quanto em cargos públicos. E foi em West Point que fui inspirado pela primeira vez a concorrer a um cargo público.

Ensinar à nossa próxima geração que nosso país é fundamentalmente racista não é apenas propagandear mentiras sobre nossa grande nação, mas também, sem dúvida, deixará um impacto nas Forças Armadas e na segurança nacional de nosso país. Se queremos militares que se orgulham de defender este país, não devemos denegrir os próprios princípios em que foi fundado. Envergonhá-los de seu país só diminuirá o moral, a retenção e a coesão da unidade.

A Teoria Crítica da Raça ensina que a única maneira de superar a discriminação racial passada é com a discriminação racial presente. Este ensino é totalmente incompatível com os princípios da Declaração da Independência e do Movimento dos Direitos Civis - para não mencionar ilegal. Nosso país já viveu uma época horrível em que as pessoas eram julgadas pela cor de sua pele e não pelo conteúdo de seu caráter - nunca devemos voltar a essa forma de pensar.

Por último, a Constituição trouxe liberdade e autogoverno, não apenas para os Estados Unidos da América, mas para nações ao redor do globo. Nossos homens e mulheres uniformizados têm lutado pelos ideais de democracia, liberdade e igualdade em todo o mundo desde então. Sugerir que essas causas e guerras nasceram do racismo desrespeita aqueles que morreram lutando contra os nazistas na Europa, comunistas na Ásia ou terroristas no Oriente Médio.

Se permitirmos que essa ideologia destrutiva seja ensinada em nossas Academias do Serviço Militar, seremos responsáveis pela morte desta nação. A Professora García deve ser removida de seu cargo de educadora, e para o bem de nossa segurança nacional: Impeça que a Teoria Crítica da Raça seja ensinada em nossas academias militares.

Atenciosamente, Mark E. Green, MD Membro do Congresso.


O congressista Mark Green cresceu em uma estrada de terra no Mississippi. Ele veio para o Tennessee em sua última missão no Exército como cirurgião de vôo do principal regimento de operações especiais de aviação. Como um Night Stalker, Green foi desdobrado no Iraque e no Afeganistão na Guerra ao Terror. Sua missão mais memorável foi a captura de Saddam Hussein. Durante a missão, ele interrogou Hussein por seis horas. O encontro é detalhado no livro de autoria de Green, A Night With Saddam (Uma noite com Saddam, 2010). O congressista Green foi premiado com a Estrela de Bronze, a Medalha Aérea com Dispositivo V para Valor, entre muitos outros.

Depois de servir no Exército, Green fundou uma empresa de recrutamento de pessoal para departamentos de emergência que cresceu para mais de US$ 200 milhões em receita anual. A empresa forneceu pessoal para 52 hospitais em 11 estados. Ele também fundou duas clínicas médicas que fornecem assistência médica gratuita para populações carentes em Memphis e Clarksville, bem como várias viagens de missão médica em todo o mundo.

Mark E. Green, congressista.

Seus 24 anos de serviço - entre a Academia, o Exército da ativa e as Reservas do Exército - deixaram claro para ele a necessidade de uma família militar bem cuidada. Green fez das famílias de veteranos uma prioridade durante sua passagem pelo Senado do Estado do Tennessee e continuou a fazê-lo durante sua passagem pelo Congresso. Seu primeiro projeto de lei apresentado na Câmara foi a Lei de Proteção aos Cônjuges da Estrela de Ouro, que permite que os cônjuges continuem recebendo benefícios durante as paralisações do governo. Ele apresentou outro projeto de lei para as famílias da Gold Star, a Lei de Proteção às Crianças da Gold Star, que coloca as crianças que recebem benefícios na faixa de impostos apropriada.

Green também trabalhou para melhorar os recursos para a saúde mental e física dos veteranos. Ele introduziu a emenda de Prontidão Espiritual ao NDAA para lidar com o aumento do número de suicídios de veteranos. Além disso, ele liderou a luta bipartidária para incluir provisões para veteranos submetidos à exposição tóxica enquanto serviam na Base Aérea K2 no Uzbequistão durante a Guerra ao Terror. Em janeiro de 2021, o presidente assinou uma Ordem Executiva inspirada no Ato de Responsabilidade pela Exposição Tóxica dos Veteranos K2, bipartidário do deputado Green, que solicita que o Secretário de Defesa reconheça o Uzbequistão como uma zona de combate para fins de cuidados médicos. Esta ação representa um passo crucial para o reconhecimento das doenças graves e mortais relacionadas aos serviços dos veteranos do K2.

Seu tempo servindo nas Forças Armadas também o tornou ciente da necessidade de uma liderança americana forte internacionalmente e da ameaça que a China representa para esta geração. Green apresentou 5 projetos de lei para responsabilizar a China:
  • Lei de Transparência do nosso dinheiro na China (The Our Money in China Transparency Act),
  • Lei traga Empresas Americanas de volta para Casa (Bring American Companies Home Act),
  • Lei de Proteção de Redes Federais (Protecting Federal Networks Act),
  • Lei de Proteção dos nossos Sistemas contra as Táticas da China (Secure Our Systems Against China’s Tactics Act),
  • Lei de Controle de Transferência de Tecnologia da China (China Technology Transfer Control Act).
Ele também apresentou uma resolução exigindo o reembolso da dívida soberana por parte da China mantido por famílias americanas.

O congressista Green apresentou anteriormente um projeto de lei que proíbe o treinamento em Teoria Crítica da Raça nas Academias Militares dos Estados Unidos da América.

O congressista Green apresenta projeto de lei para bloquear o treinamento crítico em teoria da raça nas academias do serviço militar dos EUA

WASHINGTON - Rep. Mark Green está apresentando um projeto de lei para lutar contra o treinamento da Teoria Crítica da Raça (Critical Race Theory, CRT) nas Academias Militares americanas.

A Teoria Crítica da Raça é uma escola de pensamento que ensina que os Estados Unidos - e todas as instituições americanas - são baseados no racismo, em vez dos princípios de igualdade, justiça e liberdade. Sob pressão do Pentágono, as Academias Militares implementaram iniciativas de Teoria Crítica da Raça, que vão desde o treinamento obrigatório de diversidade até listas de leitura que incluem o livro How to be an Antiracist (Como ser um Anti-racista, 2019) de Ibram X. Kendi. Algumas Academias Militares chegaram ao ponto de adicionar uma disciplina menor de Diversidade e Inclusão.


O congressista Green, um graduado de West Point disse,

"A Teoria Crítica da Raça é baseada em um mal-entendido maciço e proposital da fundação americana, da história americana e da América como ela existe hoje. Trata-se de uma ideologia marxista criada para destruir as instituições americanas. Ensina os americanos e os membros das Forças Armadas a julgar uns aos outros pela cor de sua pele, em vez de pelo 'conteúdo de seu caráter'. A América nunca deveria voltar a esse tipo de pensamento. Um currículo baseado na Teoria Crítica da Raça busca dividir os americanos em vez de uni-los."

“As academias militares dos Estados Unidos são projetadas para treinar líderes e guerreiros para o combate - homens e mulheres de todas as raças, credos e religiões. A divisão da Teoria Crítica da Raça irá destruir a coesão de unidade necessária para vencer no combate e defender esta nação.”

Vídeo recomendado: Yuri Bezmenov

Bibliografia recomendada:


KGB e a Desinformação soviética:
A visão de um agente interno.
Ladislav Bittman.

A Obsessão Antiamericana:
Causas e Inconseqüências.
Jean-Français Revel.

Leitura recomendada:




Os amantes cruéis da humanidade, 5 de agosto de 2020.


Nenhum comentário:

Postar um comentário