Mostrando postagens com marcador Cuba. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cuba. Mostrar todas as postagens

sábado, 2 de outubro de 2021

A crise sem fim da Venezuela


Por Moisés Naím, Foreign Affairs, 28 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de outubro de 2021.

Para um vislumbre do futuro da Venezuela, olhe para Arauquita, uma cidade remota na fronteira da Colômbia com cerca de 5.000 habitantes. Em maio, milhares de enlameados refugiados venezuelanos do vizinho estado de Apure começaram a chegar a Arauquita com histórias terríveis de bombardeios aéreos e buscas de casa em casa feitas por soldados venezuelanos. Uma pequena guerra estourou na região, colocando o exército leal ao presidente venezuelano Nicolás Maduro contra a Décima Frente - uma facção dissidente das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), grupo rebelde marxista da Colômbia que virou cartel do narcotráfico, que anos antes cruzou a fronteira e efetivamente conquistou uma seção do estado de Apure.

Os motivos da luta permanecem envoltos em incertezas - pode ter se originado de uma disputa sobre os lucros das rotas de contrabando de drogas da Décima Frente. Mas o desfecho dos confrontos foi mais revelador, até chocante: a capacidade do Estado venezuelano é tão limitada que não consegue desalojar os combatentes das FARC. A Décima Frente continua sendo a autoridade de fato na área, apesar da exibição de poder de fogo do governo Maduro.

Líderes da Décima Frente durante uma transmissão televisiva lançada em 4 de setembro de 2019.

As batalhas no estado de Apure podem ser um sinal do que está por vir. O regime venezuelano não é apenas uma ditadura militar, mas também um empreendimento criminoso. Em vez de um Estado burocrático-racional weberiano, o que Maduro lidera é uma confederação frouxa de chefias criminosas, onde ele desempenha o papel de capo di tutti capi - o chefe dos chefes. Normalmente, Maduro é capaz de arbitrar disputas entre seus capitães. Mas às vezes, como em Apure, o sistema quebra e a violência explode.

Os generais do exército dirigem a maioria das rede de extorsão hoje. Os generais controlam tudo, desde os bem abastecidos bodegones de Caracas - varejistas sofisticados onde todo tipo de mercadoria importada está prontamente disponível por dólares americanos - até setores muito mais sombrios, como o comércio encharcado de sangue de coltan, um elemento de terra rara, das selvas do sul. Os sindicatos criminosos colombianos, como a Décima Frente das FARC e o grupo guerrilheiro rival ELN, conhecido por sua brutalidade, atuam em conluio com funcionários venezuelanos e, em outras ocasiões, desafiam as autoridades. Outros negócios lucrativos acabaram nas mãos de civis próximos ao regime - tais números presidiram sobre o boom da construção de alto padrão em áreas afluentes de Caracas - ou com gangues, as quais, por exemplo, administram o dia-a-dia da operação de prisões e extraem lucros gordos por meio da extorsão impiedosa de presidiários.

Um estado mafioso como a Venezuela pode parecer estável dia após dia, mas é inerentemente volátil - como os refugiados de Apure sabem muito bem. Think tanks e diplomatas em Washington continuam a se perguntar como o regime pode ser empurrado para a democracia, mas a verdadeira questão que a Venezuela enfrenta agora é muito mais sombria: a confederação de criminosos liderada por Maduro permanecerá coesa o suficiente para evitar conflitos internos, ou o futuro da Venezuela se parece muito com o presente de Apure, com gangues armadas travando guerras territoriais que mergulham o país em uma violência anárquica?

O ministro da Defesa da Venezuela, General Vladimir Padrino Lopez, fala durante uma transmissão no Palácio de Miraflores em Caracas, Venezuela, em 8 de março de 2019.

A Miragem de Caracas


Os relatos da situação difícil da Venezuela normalmente começam não no estado de Apure, mas entre os arranha-céus de Caracas, onde uma ilusão de normalidade agora é oferecida. Os protestos de rua massivos (e reprimidos de forma assassina) dos últimos anos acabaram. Assim também são os dias de confronto político de alto risco entre o regime Maduro e a oposição política venezuelana.

Os venezuelanos estão exaustos e sem esperança. Anos de protestos de rua, que ocorreram de 2002 a 2017, não produziram mudanças políticas tangíveis. Com as esperanças frustradas, muitos venezuelanos olham para a liderança da oposição com profundo ceticismo e raiva. Seu desespero impulsionou um êxodo para fora do país. O ACNUR, a Agência da ONU para os Refugiados, estimou que cerca de 5,4 milhões de venezuelanos deixaram o país nos últimos anos - quase um quinto da população. Um estudo recente descobriu que a idade média dos migrantes venezuelanos é 32: pessoas no auge de sua vida profissional, incluindo muitos jovens que já estiveram no centro do movimento de protesto.

Juan Guaidó, chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, na cerimônia de posse de seu mandato como presidente interino em janeiro de 2019.

A oposição lançou outra tentativa de tomar o poder em janeiro de 2019, quando Juan Guaidó, então presidente da Assembleia Nacional, reivindicou a presidência para si mesmo depois que o governo de Maduro realizou uma votação presidencial grosseiramente fraudada. O desafio de Guaidó eletrizou os venezuelanos - e o mundo. Os Estados Unidos lideraram a acusação, com o Departamento de Estado rapidamente estendendo o reconhecimento oficial a Guaidó como presidente interino. Ao todo, 60 países acabaram por reconhecer a reivindicação de Guaidó, incluindo a maioria das democracias ricas e quase toda a América Latina.

Quase um quinto da população da Venezuela deixou o país.

O rápido abraço de Guaidó pelos EUA se encaixa em um padrão mais amplo de fanfarronice contra o regime Maduro. Por mais de um ano, o presidente Donald Trump, o vice-presidente Mike Pence, o secretário de Estado Mike Pompeo e o Conselheiro de Segurança Nacional John Bolton assumiram uma postura diplomática dura que enfatizou que "todas as opções estão sobre a mesa" em relação à Venezuela, mesmo intervenção militar. Sob a rubrica de "pressão máxima", os Estados Unidos lançaram sanções não apenas contra figuras do regime, mas também contra setores-chave da economia venezuelana, limitando a capacidade de Caracas de vender petróleo no exterior em uma tentativa de restringir o acesso do regime ao câmbio de que precisava desesperadamente. As sanções não destruíram a economia venezuelana - as próprias políticas econômicas do regime fizeram isso, com impressionante eficiência, nas duas décadas anteriores à introdução das sanções - mas aprofundaram a crise econômica do país e impossibilitaram uma recuperação econômica significativa.

Notavelmente, a principal prioridade das autoridades venezuelanas quando se sentam para conversar com representantes da comunidade internacional sempre foi o alívio das sanções individuais contra eles. Os chefes do regime parecem se preocupar mais com sua liberdade de viajar e possuir propriedades ao redor do mundo do que com as dificuldades dos venezuelanos comuns. Eles ficaram abalados com o anúncio dos Estados Unidos no ano passado de uma recompensa de US$ 15 milhões pela ajuda na apreensão de Maduro, junto com outras recompensas multimilionárias anexadas a outras figuras do regime e seus comparsas.

A retórica belicosa de Trump contra Maduro e as principais figuras do regime foi, no entanto, inútil na Venezuela. Alimentou a propensão da oposição venezuelana para o pensamento mágico. Algumas figuras da oposição radical optaram por agitar ruidosamente pela ação militar dos EUA. Esses demagogos reconheceram, em particular, que as chances de uma intervenção dos EUA realmente ocorrer eram muito pequenas, mas isso não os impediu de se alimentar do desespero de seus seguidores.

Refugiados venezuelanos assistem a um funeral em Arauquita, Colômbia, em março de 2021. (Luisa Gonzalez / Reuters)

O regime de Maduro, por sua vez, estimou corretamente que a fanfarronice americana equivalia a ameaças vazias. O foco era transformar a postura dos EUA em propaganda valiosa. A TV estatal venezuelana veiculou avidamente a agitação de sabre de Washington contra o regime. Isso permitiu que o governo de Maduro se esquivasse da responsabilidade pelos problemas econômicos do país, culpando-os pela suposta sabotagem dos EUA.

A pressão de Trump fez pouco para mudar os fatos na prática. A esperada cascata de deserções militares do regime nunca se materializou. Em vez disso, o regime esperou Guaidó sair de cena e continuou a reprimir e prender seus apoiadores. O vapor do seu desafio foi gradualmente drenado.

Com o tempo, as táticas de repressão de inspiração cubana usadas contra Guaidó e seus aliados mostraram-se brutalmente eficazes. Gradualmente, a confiança e o apoio do povo ao governo provisório de Guaidó diminuíram. O índice de aprovação de Guaidó caiu de 70% no início de seu desafio em 2019 para apenas 11% em janeiro. O regime, por sua vez, não trata mais a oposição como uma ameaça existencial. Em vez disso, vê a oposição, na pior das hipóteses, como uma doença crônica a ser contida e, mais frequentemente, como um adversário que pode ser facilmente manipulado.

A maior contração econômica em tempo de paz de todos os tempos em qualquer lugar


Para os venezuelanos comuns, a perseverança do regime é nada menos que uma catástrofe. Uma classe média outrora grande e crescente virtualmente desapareceu, deixando até 96% dos venezuelanos abaixo da linha da pobreza. A economia entrou em colapso dramático, com o PIB per capita caindo para cerca de um quarto do que era antes do início da crise em 2013. Segundo algumas estimativas, a economia venezuelana se contraiu mais desde 2012 do que qualquer outra economia em tempos de paz.

A implosão econômica da Venezuela remonta à destruição de sua indústria de petróleo, que por mais de um século esteve no centro da estratégia econômica do país. A produção de petróleo caiu de um pico de 3,7 milhões de barris por dia em 1998 para 2,2 milhões de barris por dia em 2017. Mas a combinação de sub-investimento crônico em exploração e manutenção, a perda de acesso aos mercados de crédito internacionais após a moratória em 2017 , e a imposição de sanções dos EUA à indústria do petróleo naquele mesmo ano levou à queda do setor. A Venezuela agora produz meros 700.000 barris por dia - nada perto do nível necessário para financiar as importações de que o país precisa para sobreviver.

Por um tempo, em 2017 e 2018, o regime imaginou que poderia enfrentar as sanções do petróleo apoiando-se em potências estrangeiras amigáveis. As autoridades venezuelanas esperavam que as petrolíferas chinesas e russas fossem convidadas para apoiarem a indústria em colapso. Mas depois de um longo e tortuoso conjunto de negociações, as empresas chinesas e russas rejeitaram as ofertas para adquirir a gigantesca refinaria Amuay-Cardón (que possui capacidade para produzir um milhão de barris por dia). Hoje, Amuay-Cardón está ociosa. A escassez de gasolina se tornou um fato cotidiano para milhões de venezuelanos, que devem passar até quatro dias na fila esperando que suprimentos raros de combustível encham seus tanques. O governo concedeu a empresas estrangeiras licenças lucrativas para explorar campos de petróleo abandonados e mal administrados. Por fim, uma a uma, essas petroleiras deixaram o país, pois a tarefa de restaurar a produção se mostrou impossível. A Venezuela continua, tragicamente, o país com as maiores reservas de petróleo do planeta.

Para os venezuelanos, a perseverança do regime é nada menos que uma catástrofe.

A escala do colapso econômico é mais clara em termos de degradação monetária. Após o segundo maior surto de hiperinflação já registrado (com 45 meses em condições hiperinflacionárias entre 2017 e 2021), o governo está se preparando para rebaixar ainda mais o bolívar, a moeda debilitada do país. É a terceira "redenominação" desde 2008. Ao todo, 14 casas decimais terão sido cortadas do bolívar, o que significa que uma nota de um bolívar em 2022 valerá 100 trilhões de bolívares da safra de 2008.

Um soldado em Caracas, Venezuela, maio de 2013. (Jorge Silva / Reuters)

À medida que o bolívar se torna cada vez menos útil, os venezuelanos o abandonam aos montes, optando cada vez mais por fazerem transações em dólares americanos ou em pesos colombianos ou reais brasileiros nas regiões fronteiriças adjacentes a esses países. Cerca de dois terços das transações são agora realizadas em moeda estrangeira. A mudança para o dólar americano ajudou a criar uma ilusão de normalidade em áreas anteriormente ricas de Caracas. Mas é uma miragem: uma pesquisa recente mostrou que apenas 40% das famílias recebem remessas em moeda forte de parentes no exterior. Os outros 60% têm que se contentar com bolívares. Eles enfrentam uma crise alimentar contínua, com taxas de desnutrição infantil chegando a 36% de acordo com a Organização Mundial de Saúde e pouca perspectiva de alívio em breve.

Essa estrutura econômica particular - um país dividido em dois entre aqueles com e sem acesso a moedas estrangeiras - é uma reminiscência de Cuba, que há muito mantém duas moedas paralelas: uma conversível em moeda estrangeira e uma segunda quase inútil. Dinâmica semelhante surgiu na Venezuela, com aqueles que têm acesso a dólares vivendo algo que lembra vagamente a vida em outros países e aqueles sem acesso condenados a privações insondáveis. Mas a estrutura do regime da Venezuela também se assemelha ao governo de Cuba, onde uma elite predatória militarizada pilha implacavelmente qualquer fonte de moeda estrangeira disponível e reprime violentamente aqueles que ousam se opor a ela.

Pessoas fazendo fila para comida e gás em San Cristóbal, Venezuela, novembro de 2018. (Carlos Eduardo Ramirez / Reuters)

Cuba continua sendo o aliado mais forte e essencial de Maduro. A recusa da China e da Rússia em ajudar Maduro deve ter sido um rude despertar para ele. Ambos os países vêem uma Venezuela hostil aos Estados Unidos como uma ficha geopolítica útil e, no passado, forneceram cobertura diplomática e assistência de segurança ao regime. Mas nenhum dos dois está interessado em despejar recursos escassos no que eles (com razão) consideram um saco quebrado no Caribe. Outros aliados venezuelanos, como Irã e Turquia, provaram ser mais úteis, despachando carregamentos de gasolina e alguns produtos acabados ou "reciclando e lavando" o ouro da Venezuela. Mas qualquer aliança mais ampla com esses dois governos distantes é invariavelmente limitada. Teerã e Ancara não têm capacidade e vontade para salvar Caracas de sua catástrofe econômica.

Isso deixa Maduro um último, verdadeiro e inabalável aliado: Cuba. A ditadura esquerdista latina original teve uma relação tão próxima com o regime venezuelano que a palavra "aliança" não lhe faz justiça. Na verdade, a Venezuela está sob uma espécie de ocupação cubana furtiva. Maduro parece confiar mais nas autoridades cubanas do que nas suas: espiões cubanos - não venezuelanos - trabalham em sua própria pasta de inteligência dentro do palácio presidencial, o que significa que Havana sabe mais sobre o que acontece na Venezuela do que a maioria das autoridades venezuelanas. E Maduro parece priorizar as necessidades de Cuba acima daquelas da Venezuela, como demonstrado pelo fato de que a Venezuela continuou a fornecer energia a Cuba durante esta crise, mesmo que seus próprios motoristas tenham visto os postos de gasolina secarem.

A Venezuela como um problema insolúvel


O que o mundo - e os Estados Unidos, em particular - deve fazer diante desse estado deplorável de coisas? Como se resolve um problema como o da Venezuela?

O primeiro passo é compreender totalmente que a lógica política normal tem pouca relevância quando se trata de um estado mafioso. A insistência da comunidade internacional em negociar em direção a eleições livres e justas, em particular, parece bem intencionada, mas equivocada. A alternativa a permanecer no poder para muitos partidários do regime - incluindo Maduro, que está sob indiciamento nos Estados Unidos por tráfico de drogas - é uma cela de prisão. O regime não pode e não vai oferecer à oposição a chance de lhe depor nas urnas.

Mas isso não significa que esteja imune a pressões externas. Washington deve, em primeiro lugar, aceitar a fraqueza da oposição, que não é, nesta fase, capaz de lançar um desafio realista ao controle do poder pelo regime. Em vez disso, os Estados Unidos deveriam insistir na libertação de presos políticos e no restabelecimento das liberdades básicas de imprensa e associação, oferecendo em troca o alívio de sanções individuais. Para aumentar sua influência nessa estratégia, Washington deve fazer um trabalho muito melhor de mobilizar democracias como a Itália e a Espanha para impor sanções contra figuras do regime; as pessoas associadas ao regime encontraram um porto seguro não apenas nas agradáveis vilas e palácios italianos e espanhóis que agora possuem, mas também em bancos e instituições financeiras italianas e espanholas.

Desfile militar cubano de comemoração aos 58 anos da Revolução, na Praça da Revolução em Havana, 2017.

A posição única de Cuba na Venezuela o torna um jogador essencial em qualquer resolução futura. Nenhum negócio de qualquer tipo é imaginável sem a adesão do regime cubano. A chave que abre a fechadura para a crise venezuelana é muito mais provável de ser encontrada em Havana do que em Caracas. Enquanto Cuba permanecer uma ditadura, a Venezuela provavelmente também permanecerá.

A lógica política normal tem pouca relevância quando se trata de um estado mafioso.

Em última análise, as democracias em todo o mundo - mas especialmente na América Latina - têm interesse em manter a Venezuela inteira, pacífica e pelo menos estável o suficiente para não exportar seus problemas. A guerra de fronteira no estado de Apure nesta primavera deve servir como outro aviso de que nada pode ser dado como certo. O esvaziamento do Estado venezuelano e sua substituição por uma estrutura de estilo mafioso alimenta uma instabilidade crônica que pode levar a uma violência generalizada.

Um possível futuro para o país seria ver os chefes um degrau abaixo de Maduro cada vez mais na garganta uns dos outros, com guerras territoriais se transformando em derramamento de sangue real. Maduro e seus conselheiros cubanos farão, é claro, o que puderem para conter o caos, mas está longe de ser certo que eles terão sucesso. Este futuro se parece muito com o conflito do século XIX na Venezuela, quando um presidente nominal em Caracas controlava pouco além da capital e das alfândegas do país, enquanto uma proliferação selvagem de caudilhos regionais governava praticamente incontestável sobre as outras cidades e vilas. Esse arranjo nunca foi estável: ao longo do século XIX, os caudilhos rotineiramente tentaram invadir a capital e tomar o poder para si próprios. Às vezes eles tinham sucesso, outras vezes não, mas os resultados eram sempre sangrentos.

Um segundo cenário veria Maduro manter sua autoridade sobre seus subordinados pelo menos o suficiente para evitar uma luta aberta entre eles. Sem democracia, sem liberdade política, sem acesso ao capital global e sem capacidade de gerar divisas, este é o caminho para a verdadeira cubanização da Venezuela: um regime petrificado no poder, construído sobre um substrato do sofrimento de seu próprio povo. É uma perspectiva miserável.

Esses são cenários sombrios e desagradáveis, mas, infelizmente, há alguns motivos para esperar coisa melhor. A esperança desejosa de que os criminosos responsáveis pelo regime venezuelano possam de alguma forma serem persuadidos a cederem à sua própria ruína é apenas isso - uma esperança - e certamente não uma base adequada para uma ação diplomática. Essas esperanças distorceram a formulação de políticas nos Estados Unidos e em outros lugares por muito tempo. A realidade que a Venezuela enfrenta é sombria, mas deve ser tratada como realidade.

Bibliografia recomendada:

Latin America's Wars:
The Age of the Caudillo, 1791-1899.
Robert L. Scheina.

Latin America's Wars:
The Age of the Professional Soldier, 1900-2001.
Robert L. Scheina.

Leitura recomendada:

terça-feira, 8 de junho de 2021

FOTO: Batedores cubanos em Angola

Militares cubanos de uma unidade de reconhecimento perto de Menongue, no sul de Angola, em dezembro de 1987.
O fuzil do homem-ponto tem um silenciador.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de junho de 2021.

As Forças Armadas Revolucionárias cubanas (Fuerzas Armadas Revolucionarias, FAR) foram moldadas seguindo o sistema soviético, com a criação de formações em estilo soviético. Estes batedores cubanos são moldados no razvedka soviético, dado o foco russo soviético na informação, dissimulação e paranóia, e com o objetivo de manter seus adversários em situação de desequilíbrio.

Os cubanos revolucionários tornaram-se um dos mais prolíficos "exportadores da revolução" na Guerra Fria, com desdobramentos da América do Sul ao Vietnã. Esta função expedicionária era chamada de "internacionalização", ou seja, a internacionalização da revolução socialista global. Nos anos 1980, o desdobramento cubano em Angola atingiu um pico de 50 mil militares e 8 mil civis auxiliando o governo comunista angolano do MPLA (ao lado dos conselheiros soviéticos); intervenção chamada Operação Carlota.

Na década de 80, os cubanos mantiveram missões militares na Argélia, Gana, Guiné-Bissau (ex-Guiné Portuguesa), Somália, Líbia, Tanzânia, Zâmbia, Síria e Afeganistão; além de contingentes militares consideráveis em Angola, conforme já citado, Congo (500 soldados), Etiópia (4 mil soldados, 1978-1984), Moçambique (600 soldados), Iêmen do Sul (500 soldados) e Nicarágua (500 soldados e 3 mil funcionários civis). Os cubanos também enviaram militares para a Síria em 1973, durante a Guerra do Yom Kippur, e uma equipe de 30 oficiais e engenheiros, munidos de 10 escavadeiras para fortificar a linha Ho Chi Minh no Vietnã e Camboja nos anos 1970. Conselheiros cubanos também ordenaram a tomada de Kolwezi pelos guerrilheiros Tigres em 1978.

Carlos Eugênio da Paz "Clemente" mencionando a oferta do General Ochoa


Segundo o líder guerrilheiro brasileiro da ALN, Carlos Eugênio da Paz (codinome Clemente), o próprio General Arnaldo Ochoa, futuro comandante do "Exército Ocidental" em Havana, ofereceu em 1973 o contingente de 100 soldados cubanos que entrariam no país pela Amazônia e criariam um foco inicial de guerrilha na selva, internacionalizando o conflito que na época já existia sendo feito por brasileiros - a Guerrilha do Araguaia - mas nesse momento já em fase de aniquilamento. Essa oferta foi rejeitada por serem hispânicos e não brasileiros, o que colocaria em dúvida a real liderança da campanha.

O General Ochoa

O General Arnaldo Ochoa (centro) em Angola.

O General Ochoa foi um veterano da guerrilha Movimento 26 de Julho e da Batalha da Baía dos Porcos em 1961. Em 1965, Ochoa entrou no Partido Comunista Cubano, depois estudou na escola militar de Matanzas, em Cuba, e em seguida na Academia Militar de Frunze, na União Soviética. Em 1966, Ochoa desembarcou em Falcón, na Venezuela, com 15 guerrilheiros cubanos apoiando comunistas venezuelanos; a campanha sendo esmagada de forma sangrenta pelo governo de Caracas. Em 1967-68, Ochoa treinou rebeldes congoleses.

Em 1975, Ochoa foi enviado para Angola para lutar contra o FNLA em Luanda, onde recebeu o reconhecimento dos comandantes soviéticos e cubanos. Em 1977 foi nomeado comandante das Forças Expedicionárias Cubanas na Etiópia no Ogaden, sob o general soviético Vasiliy Ivanovich Petrov. Seus sucessos durante a Guerra do Ogaden impressionaram os comandantes soviéticos em campanha.

Em 1980, Ochoa era amplamente considerado um grande internacionalista e recebeu o título de "Herói da Revolução" de Fidel Castro em 1984.

Operación Carlota: Pasajes de una epopeya.

Sendo o comandante das forças cubanas em Angola, e depois de ser derrotado na Batalha de Cuito Cuanavale, Ochoa foi acusado de corrupção e traição junto de outros oficiais. As acusações, condenações e sentenças de morte foram extremamente desagradáveis para grande parte da população cubana, especialmente no caso de Arnaldo Ochoa que era considerado pela maioria da população como um dos mais respeitados generais das forças armadas cubanas. Na madrugada de 13 de julho de 1989, Ochoa foi executado por um pelotão de fuzilamento na base militar "Tropas Especiales" em Baracoa, no oeste de Havana. Ele foi enterrado em uma sepultura sem marcação no Cemitério de Havana.

Uma das razões da execução foi a popularidade de Ochoa, que era o mais alto general cubano logo abaixo de Raúl Castro, então ministro da Defesa, e do próprio Fidel Castro.

Organização das FAR

As FAR também eram consideráveis, sendo a maior força latino-americana depois do Brasil. Isso se deveu à doutrina soviética de forças militares em massa divididas em funções de defesa, expedicionária e de controle interno; essa militarização maciça era alienígena à cultura cubana pré-revolução, e específica do novo sistema. Em 1990, o Exército cubano era assim composto:
  • 3 divisões blindadas,
  • 3 divisões mecanizadas,
  • 13 divisões de infantaria.
Exército Ocidental formava um corpo nas províncias de Pinar del Rio e Havana, o Exército Central formava um outro corpo em Matanzas e Las Villas e o Exército Oriental formava dois corpos em Camagüey e Oriente; a Isla de la Juventud (ex-Isla de Pinos) contava com uma divisão de infantaria.

Cada corpo continha 3 divisões, cada uma com três regimentos (2x batalhões), regimento de artilharia, batalhão de reconhecimento e unidades de serviço. Cada quartel-general do exército possuía uma divisão blindada e uma divisão mecanizada.

Divisão Blindada
  • 3 regimentos de tanques,
  • 1 regimento mecanizado,
  • 1 regimento de artilharia.
Divisão Mecanizada
  • 3 regimentos mecanizados (2x batalhões),
  • 1 regimento de tanques (3x batalhões),
  • 1 regimento de artilharia,
  • 1 regimento de reconhecimento mecanizado.
O exército ainda possuía robusta defesa anti-aérea com 26 regimentos AAe e brigadas de mísseis terra-ar, 8 regimentos de infantaria independentes, uma Brigada de Forças Especiais (2x batalhões) e uma Brigada Paraquedista. A Marinha tinha 12 mil homens, com um batalhão de fuzileiros navais com uniformes pretos copiados dos soviéticos; uma Força Aérea de 18.500 homens; tropas de segurança interna (estilo KGB) com 17 mil homens; 3.500 guardas de fronteira; e, em reserva, 1.200.000 homens e mulheres na Milícia Revolucionária, 100 mil na Juventude Trabalhista e 50 mil na Defesa Civil.

"O longo período de serviço militar (3 anos); forças armadas bem treinadas e eficientes; extensa experiência de combate na África e na Ásia; e uma força de reserva vigorosa, fazem de Cuba a maior potência militar do Caribe depois dos Estados Unidos."
- Caballero Jurado & Nigel Thomas, Central American Wars 1959-89, 1990, pg. 7.

Bibliografia recomendada:

Bush Wars: Africa 1960-2010.

Batalha Histórica de Quifangondo.

Leitura recomendada: