Mostrando postagens com marcador Mercenário. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mercenário. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 9 de março de 2022

Fúria Americana: A verdade sobre as mortes russas na Síria

Sírios em combate em Deir ez-Zor.
(Foto de arquivo)

Por Christoph Reuter, Der Spiegel, 2 de março de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de março de 2022.

Centenas de soldados russos supostamente morreram em ataques aéreos dos EUA no início de fevereiro. Relatórios do Der Spiegel mostram que os eventos provavelmente foram muito diferentes.

Quando se trata de xingar, o homem não se conteve. "Filho da puta" é o palavrão mais suave que sai da boca do membro da milícia enquanto ele reclama furiosamente sobre o inferno criado pelo ataque aéreo americano de horas de duração a sudeste da cidade de Deir ez-Zor. Mesmo enquanto a fumaça continua subindo de SUV queimados ao redor deles, ele e cinco outros homens vieram para remover o corpo estilhaçado de um de seus companheiros combatentes das brasas incandescentes de um prédio bombardeado.

A cena vem de um vídeo de dois minutos do campo de batalha que um dos combatentes fez na tarde de 8 de fevereiro, horas após a tempestade de fogo, e fornecido ao DER SPIEGEL e ao Eufrates Post, um site de notícias que faz cobertura da região. É a primeira documentação fotográfica de uma das batalhas mais misteriosas ainda nesta guerra cada vez mais complexa.

Inicialmente, os militares dos Estados Unidos anunciaram em 8 de fevereiro que haviam atacado "forças pró-regime" de Bashar al-Assad a sudeste da cidade de Deir ez-Zor, para evitar um ataque a uma base pertencente às Forças Democráticas Sírias (FDS) lideradas pelos curdos, que são aliados dos americanos. Os EUA disseram que as forças pró-Assad atacaram a base das FDS com tanques e morteiros. Os EUA revidaram em resposta, alegando ter matado "mais de 100" dos combatentes no que foi descrito como um ato de legítima defesa.

As seguintes cenas de vídeo do local após o ataque aéreo americano em Deir ez-Zor:


Mas quem eram exatamente esses atacantes? E o que realmente aconteceu naquela noite nas pequenas aldeias meio desertas na margem leste do rio Eufrates? As bombas americanas dizimaram as tropas russas? Poderia o ataque ser um presságio de escaramuças entre americanos e russos?

Abaixo: A primeira tentativa de cruzamento da ponte.
Acima: A segunda tentativa de cruzamento da ponte. 

Uma equipe de jornalistas do DER SPIEGEL passou duas semanas entrevistando testemunhas e participantes da batalha. A equipe também conversou com um membro da equipe do único hospital em Deir ez-Zor, bem como com um funcionário do aeroporto militar local, na tentativa de obter uma imagem clara do que aconteceu durante a batalha de três dias.

Os relatos se corroboram amplamente entre si e a imagem dos eventos que surge é uma contradição com o que foi noticiado na mídia russa e internacional.

Às 5 da manhã de 7 de fevereiro, cerca de 250 combatentes ao sul de Deir ez-Zor tentaram cruzar a margem oeste do Eufrates para o leste usando uma ponte de pontão militar. Eles incluíam membros das milícias de duas tribos, os Bekara e os Albo Hamad, que lutam pelo regime de Assad com apoio iraniano, soldados da 4ª Divisão, bem como combatentes afegãos e iraquianos das brigadas Fatimyoun e Zainabiyoun, que estão sob o comando iraniano. Um soldado da 4ª Divisão contou que as unidades passaram uma semana reunidas na propriedade do aeroporto militar. Testemunhas dizem que nenhum mercenário russo participou da tentativa de travessia.

Os americanos e os russos concordaram no ano passado em fazer do rio Eufrates uma linha de "desconflito". As tropas de Assad e seus aliados estão a oeste do rio, enquanto o lado leste é controlado pelas FDS sob a proteção dos americanos. O lado leste abriga uma cadeia de campos produtivos de gás natural geralmente conhecidos como o campo Conoco.

Como tal, os americanos nas margens orientais viram o avanço como um ataque e dispararam uma série de tiros de advertência em direção à ponte. Ninguém ficou ferido e os atacantes se retiraram.

Mas eles não desistiram. Muito depois do anoitecer, cerca de duas vezes mais homens dos mesmos grupos cruzaram outra ponte improvisada alguns quilômetros ao norte, perto do aeroporto militar de Deir ez-Zor. Eles dirigiram sem as luzes acesas para evitar que os drones americanos os detectassem. Desta vez, sem serem detectados, eles chegaram à vila de Marrat, no lado leste. Quando avançaram mais ao sul por volta das 22h, em direção à base das FDS em Khusham, os americanos, cujas forças especiais também estavam estacionadas lá, mais uma vez abriram fogo. E desta vez não eram tiros de advertência. Os EUA disseram em uma declaração dada à CNN que depois de "20 a 30 tiros de artilharia e tanques caíram a 500 metros" do posto de comando das FDS, as forças da coalizão "atacaram os agressores com uma combinação de ataques aéreos e de artilharia".

Isso estava colocando as coisas suavemente. Porque mais ou menos na mesma hora naquela noite, outro grupo de membros da milícia tribal síria e combatentes xiitas veio da aldeia de Tabiya, ao sul, e também atacou a base das FDS. E os americanos contra-atacaram com todo o seu arsenal destrutivo. Eles desdobraram drones equipados com foguetes, helicópteros de combate, aeronaves pesadas AC 130, apelidadas de "barcos canhoneiros", para disparar contra alvos no solo, foguetes e artilharia terrestre.

Eles atacaram durante a noite, seguidos por um ataque na manhã seguinte a um grupo com uma milícia tribal em Tabiya que veio apenas para recuperar os corpos. E em 9 de fevereiro, eles mais uma vez atacaram uma unidade dos mesmos combatentes que surgiram no lado leste do rio.

Uma versão diferente dos eventos

Foi principalmente o segundo ataque noturno da aldeia de Tabiya que desencadeou o paroxismo americano, disseram dois homens pertencentes à milícia al-Baqir da tribo Bekara. Porque além da linha de desconflito, havia também um segundo acordo que permitia a permanência de até 400 combatentes pró-Assad, que permaneceram no lado leste do Eufrates após a batalha de 2017 contra o Estado Islâmico. Pelo menos enquanto não fossem mais de 400 deles e permanecessem em paz. Mas exatamente isso não era mais o caso.

Entre os estacionados em Tabiya estava um pequeno contingente de mercenários russos. Mas as duas fontes da milícia disseram que não participaram dos combates. Ainda assim, eles disseram, 10 a 20 deles de fato perderam suas vidas. Eles disseram que um total de mais de 200 dos agressores morreram, incluindo cerca de 80 soldados sírios da 4ª Divisão, cerca de 100 iraquianos e afegãos e cerca de 70 combatentes tribais, principalmente da milícia al-Baqir.

Tudo aconteceu à noite, e a situação ficou extremamente complicada quando os combatentes de Tabiya entraram na briga. Um funcionário do único grande hospital em Deir ez-Zor diria mais tarde que cerca de uma dúzia de corpos russos foram entregues. Enquanto isso, um funcionário do aeroporto testemunhou a entrega dos corpos em duas picapes Toyota para uma aeronave de transporte russa que então vôou para Qamishli, um aeroporto perto da fronteira com a Síria, no norte.

Mercenários do Grupo Wagner na Síria.

Nos dias que se seguiram, as identidades dos russos mortos seriam reveladas - primeiro de seis e, finalmente, nove. Oito foram verificados pela Equipe de Inteligência de Conflitos, plataforma investigativa russa, e outro foi divulgado pela rádio Echo Moscou. Todos eram funcionários da empresa mercenária privada Evro Polis, muitas vezes referida pelo nome de guerra de seu chefe: "Wagner".

Ao mesmo tempo, no entanto, uma versão completamente diferente dos eventos ganhou força - disseminada inicialmente por nacionalistas russos como Igor "Strelkov" Girkin e depois por outros associados à unidade Wagner. De acordo com esses relatos, muitos mais russos foram mortos na batalha - 100, 200, 300 ou até 600. Uma unidade inteira, dizia-se, foi exterminada e o Kremlin queria encobri-la. Gravações de supostos combatentes apareceram aparentemente confirmando essas perdas horríveis.

Era uma versão que soava tão plausível que até agências de notícias ocidentais como Reuters e Bloomberg a pegaram. O fato de que o governo em Moscou a princípio não quis confirmar nenhuma morte e depois falou de cinco "cidadãos russos" mortos e depois, de forma nebulosa, de "dezenas de feridos", alguns dos quais morreram, só parecia tornar o versão dos eventos parecem mais credíveis. Afinal, geralmente tem sido o caso que, quando algo na guerra síria é negado pelo Kremlin, ou quando os russos o admitem pouco a pouco, provavelmente está correto. Além disso, as perdas russas na Síria são constantemente minimizadas.

"A má sorte de estar no lugar errado na hora errada"

As relações entre os mercenários russos na Síria - acredita-se que existam mais de 2.000 deles - e o governo em Moscou estão tensas há algum tempo. Os combatentes alegam que estão sendo usados como bucha de canhão, estão sendo mantidos em silêncio e são mal pagos. Para eles agora acusar o Kremlin de tentar encobrir o fato de que os russos foram mortos - pelos americanos, de todas as pessoas - atinge o governo do presidente Vladimir Putin em um ponto fraco: sua credibilidade.

As únicas fontes verificáveis para a dizimação de centenas de russos são as fotos e vídeos que circulam na internet ou de fontes russas que são repassadas aos jornalistas ocidentais. Alguns deles mostram imagens do leste da Ucrânia que mais tarde foram adulteradas ou até mesmo a versão demo de um vídeo game que Putin mostrou pessoalmente ao diretor de Hollywood Oliver Stone como suposta prova de um ataque russo a um comboio do EI.

A situação no terreno entre Khusham e Tabiya, na margem oriental do Eufrates, descrita por meia dúzia de testemunhas e pessoas que participaram nos acontecimentos, não confirma a participação dos mercenários russos no ataque ou mesmo que eles se tenham juntado aos combates. Ahmad Ramadan, o jornalista que fundou o Eufrates Post e desde então emigrou para a Turquia, vem de Tabiya. Um de seus contatos luta pela milícia al-Baqir e gravou o vídeo no local dos bombardeios. "Se tivesse sido um ataque russo, com muitos russos mortos, teríamos relatado sobre isso", disse ele. "Mas não foi. Os russos em Tabiya tiveram o azar de estar no lugar errado na hora errada."

terça-feira, 1 de março de 2022

O Contingente Rusich do Grupo Wagner em movimento novamente


Por Candace Rondeaux, Ben Dalton e Jonathan Deer, New America, 26 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de março de 2022.

[Esse artigo foi escrito antes da invasão de 24 de fevereiro.]

O Pentágono afirma que tem conhecimento dos planos russos de pré-posicionar um grupo de agentes secretos para realizar operações de bandeira falsa dentro da Ucrânia como pretexto para invasão, com razão, colocou Washington, Bruxelas, Kiev e o mundo no limite. Com as tensões aumentando entre a Casa Branca e o Kremlin sobre os mais de 100.000 soldados russos agora reunidos perto da fronteira da Ucrânia com a Rússia e a Bielorrússia, já houve novos sinais online de que contingentes de soldados russos ligados ao Grupo Wagner, apoiado pelo Kremlin, estão em movimento pela região.

Na sexta-feira, Alexander Borodai, um parlamentar russo que apoiou mercenários do Grupo Wagner com o contingente de soldados da fortuna de São Petersburgo conhecido como Rusich e ex-primeiro-ministro da autoproclamada República Popular de Donetsk, no leste da Ucrânia, disse à Reuters que o parlamento estava se preparando para reconhecer a independência de duas regiões separatistas no leste da Ucrânia – Donetsk e Luhansk. Tal movimento, sem dúvida, aumentaria ainda mais as tensões entre a Rússia, a Ucrânia e a OTAN, e poderia desencadear uma resposta militar dos líderes ucranianos em Kiev.

Na Ucrânia, também há sinais crescentes desde pelo menos setembro de que um contingente do Grupo Wagner que Borodai apoia há anos tem planos de retornar ao front ucraniano. Conhecido como Rusich, ou Força-Tarefa Rusich, o quadro mercenário russo ganhou reputação por sua autodeclarada ideologia neonazista e brutalidade quando foi desdobrado pela primeira vez no leste da Ucrânia durante o pico dos combates entre as forças separatistas russas e os militares ucranianos no verão de 2014. Agora parece que Rusich está de olho na estrategicamente importante cidade ucraniana oriental de Kharkiv. Se for verdade, pode significar que o Grupo Wagner estará bem posicionado para a salva de abertura no que muitos temem pode ser o prelúdio de uma guerra EUA-Rússia.

Um retorno à Ucrânia?

O Rusich deixou a Ucrânia no verão de 2015, alguns meses depois que o Reino Unido, o Canadá e a União Europeia sancionaram um dos comandantes do grupo, Alexey Milchakov, após relatos do envolvimento de sua unidade em supostos crimes de guerra no Donbas. Avistamentos de Milchakov e do principal treinador militar do Rusich, Yan Petrovsky, na Síria, surgiram em vários relatórios sobre suas façanhas nos últimos sete anos, incluindo a terrível tortura e desmembramento de um prisioneiro sírio.

Mas, mais recentemente, rumores sobre o possível retorno do Rusich à frente ucraniana para um ataque estilo “Primavera Russa 2.0” mais profundo no Donbas surgiram online na conta do Instagram do contingente no início do ano passado. A primeira menção apareceu em um post feito por um seguidor da conta em 5 de janeiro de 2021. Vários meses depois, em 27 de setembro de 2021, o grupo indicou em outro post retratando uma postagem de foto de selfie estilizada de seus membros em cima de um veículo blindado russo que eles estavam treinando para exercícios militares. "BMP significa "Boyevaya Mashina Pehoty" que significa "veículo de combate de infantaria" - é um tipo de veículo de combate blindado usado para transportar infantaria para a batalha e fornecer apoio de fogo direto", declarou o post. O post do Instagram de setembro também fez referência a um clube de veteranos militares russos e exercícios de treinamento militar e recebeu 371 curtidas de seguidores da conta.

Figura 1: Em 27 de setembro de 2021, Rusich postou uma selfie de seus membros montados em um veículo de combate de infantaria blindado BMP fabricado na Rússia em sua conta do Instagram sob o nome @rusichpvk. A postagem fez referência a um clube de veteranos militares russos e exercícios de treinamento militar e recebeu 371 curtidas de seguidores da conta.

Um mês depois, em 28 de outubro de 2021, um comentário na conta do Instagram de Rusich deixou claro que o contingente de soldados da fortuna tinha planos de retornar a Kharkiv. Em comentários postados em resposta à selfie no campo de batalha, um usuário chamado @anton_lvr perguntou se Rusich planejava outro desdobramento para “DNR/LNR”, abreviação de República Popular de Donetsk e República Popular de Luhansk, os dois distritos do Donbas controlados pelos separatistas russos.

A resposta de Rusich foi breve: “@anton_lvr хнр, кнп, и т.д.” "KhNR" refere-se à cidade de Kharkiv, palco de múltiplas e prolongadas batalhas de 2014 a 2015 durante o ataque separatista apoiado pelo Kremlin no Donbass. “KhNR” ou хнр é a abreviação de “República Popular de Kharkiv”, que os separatistas pró-Rússia proclamaram brevemente em 2014, antes que as forças ucranianas reafirmassem o controle sobre a cidade.

Figura 2: Em 27 de outubro de 2021, o seguidor do Instagram de Rusich, @anton_Ivr, perguntou na postagem acima na conta do grupo se o contingente do soldado da fortuna planejava retornar à Ucrânia.

A referência a um possível retorno ao Donbas não foi a primeira vez que Rusich foi perguntado se outra “Primavera Russa 2.0” poderia estar a caminho e se Rusich seria redesdobrado no Donbas. Em um post datado de 5 de janeiro de 2021, o usuário komstantinsamoilov, uma conta privada no Instagram, perguntou ao usuário se eles retornariam ao Donbas se a guerra começasse. Mas não houve resposta.


Figura 3: O seguidor do Instagram de Rusich, @komstantinsamoilov, pergunta se Rusich retornará se a guerra começar em 5 de janeiro de 2021.

O silêncio de rádio de Rusich pode ser porque a subunidade do Grupo Wagner estava ocupada com uma de suas outras missões principais – proteger a infraestrutura de petróleo e gás estatais e financiada pela Rússia perto de Palmira, na Síria. Em 27 de abril de 2020, Rusich enviou um vídeo em loop de 23 segundos mostrando os arredores de uma cidade desconhecida. Um olhar mais atento ao vídeo mostra muitas pistas sobre onde o vídeo foi gravado. A topografia, uma placa de trânsito e a foto com geotag ajudam a colocar o vídeo nos arredores de Palmira.

 

Figura 4: Uma comparação de quadros estáticos de um vídeo do Instagram de abril de 2020 na conta Rusich do Instagram com imagens de satélite do Google Earth.

Embora a breve menção de Kharkiv pareça enigmática, é normal para Rusich. Desde o início da incursão russa na Crimeia e Donbas em 2014, o grupo conquistou uma reputação por exibições vistosas de bravura no campo de batalha online. Inicialmente, os comandantes do Rusich, Milchakov e Petrovsky, assim como outros do grupo, contentaram-se com postagens em uma página do grupo Rusich no Vkontakte, uma plataforma de mídia social semelhante ao Facebook que é popular na Rússia e na Europa Oriental. Em 2017, o grupo se ramificou para uma conta no Instagram, que permanece ativa até hoje.

Uma história carregada e uma história de violência

Agora comumente chamado simplesmente de Rusich, o contingente era mais conhecido quando foi formado pela primeira vez, em São Petersburgo em 2014, por seu nome oficial: Grupo de Reconhecimento de Guerrilha Diversificado Rusich (ДШРГ Русич/DShRG Rusich). O nome do grupo é um triplo sentido. É uma referência à mítica fortaleza medieval, ou “sich”, de “Rus”, a confederação pré-imperial de povos nórdicos que vieram originalmente da Suécia e se estabeleceram no território que fica entre o Báltico e o Mar Negro.


“Rusich” também é provavelmente uma referência a um popular vídeo game de campo de batalha de 2007 com o mesmo nome: “XIII Century: Death or Glory” (Século XIII: Glória ou Morte). Talvez não por coincidência, o herói do jogo é Alexander Nevsky, o mítico comandante militar medieval que salvou São Petersburgo da invasão no século VIII. Curiosamente, um dos membros fundadores do grupo, Alexey Milchakov, também serviu nas Tropas Aerotransportadas (VDV), um importante alimentador de combatentes do Grupo Wagner, muitos dos quais, na primeira onda de desdobramentos no início dos anos 2000, lutaram com as forças de operações especiais do 7º Esquadrão de Forças Especiais (“ROSICH”), conforme documentamos em detalhes.

Com raízes na cena ultranacionalista e neonazista de São Petersburgo, o grupo realizou operações de reconhecimento e sabotagem atrás das linhas inimigas na Ucrânia e desempenhou um papel significativo em várias batalhas importantes durante a parte inicial do conflito do Donbas. Pela própria conta de Milchakov em sua página de mídia social Vkontakte, ele e Petrovsky formaram o grupo no verão de 2014, depois de se formarem no programa de treinamento paramilitar “Partizan” administrado pela Legião Imperial Russa, o braço de combate do Exército de São Petersburgo e Movimento Imperial Russo, ou RIM, sancionado pelos Estados Unidos. O grupo lutou ao lado do comandante separatista russo Alexander “Batman” Bednov antes dele ser morto em uma emboscada.

Membros do DSHRG "Rusich" da DPR na Ucrânia.

Durante este tempo, Rusich adquiriu uma reputação de brutalidade excepcional. Em setembro de 2014, Rusich atacou uma coluna de combatentes voluntários ucranianos perto da cidade de Metallist, no Donbas, matando dezenas, segundo reportagens da imprensa ucraniana. Posteriormente, fontes locais disseram que membros do Rusich mutilaram e incendiaram os mortos, imagens que circularam na web e se tornaram parte do mito do grupo. Ao longo do seu desdobramento de 2014-2015, Milchakov, Petrovsky e outros membros do Rusich cortejaram a infâmia, postando imagens de atrocidades (aviso: gráfico) e selfies com cadáveres, segundo a mídia ucraniana. Grupos de direitos humanos ucranianos também acusaram o contingente de torturar prisioneiros de guerra. A enorme presença de mídia social do Rusich serviu como propaganda útil, exaltando os membros como guerreiros temíveis e desmentindo seus números relativamente pequenos na Ucrânia durante o período de 2014-15.

O Rusich se retirou da Ucrânia em 2015, apenas para os membros reaparecerem na Síria, protegendo infraestruturas de petróleo e gás estrategicamente importantes pertencentes a empresas russas apoiadas pelo Estado, como nós e a Novaya Gazeta informamos pela primeira vez em 2019. A região de Palmira, no centro da Síria, não muito longe do campo de gás al-Shaer, onde as forças de segurança russas aparentemente ligadas ao Grupo Wagner se filmaram torturando e matando um desertor do exército sírio chamado Hamdi Bouta em abril de 2017. Mais tarde naquele ano, o site de notícias russo Fontanka identificou Milchakov como um dos vários contratados militares privados nadando em uma piscina perto de Palmira. Em outubro, o Laboratório de Pesquisa Forense Digital do Atlantic-Council localizou Petrovsky na Síria na mesma época.

Figura 5: Foto do Instagram do grupo Rusich de um soldado posando perto das antigas ruínas de Palmira, na Síria, em abril de 2019.

Parte de uma rede maior

A atividade de mídia social do Rusich no Instagram e no VKontakte indica que o contingente russo está profundamente enraizado em uma rede maior de combatentes ultranacionalistas, e o grupo parece ter acesso imediato a recursos do governo. Após a morte de Hamdi Bouta em 2017, uma análise da New America encontrou uma extensa sobreposição entre os círculos online do Rusich e os de ambas as unidades paraquedistas do VDV as forças militares russas e do Movimento Imperial Russo. No entanto, os laços do Rusich com uma constelação mais ampla de entidades governamentais e de extrema-direita vão além das comunidades online compartilhadas.

 

Em dezembro de 2020, o Rusich carregou um vídeo no Instagram mostrando Petrovsky, Borodai – o legislador russo e líder separatista pró-Donbas – e recrutas realizando exercícios de tiro com membros da União de Voluntários do Donbas, ou SDD, uma organização para veteranos russos da guerra do Donbas que mantém relações estreitas com o partido Rússia Unida de Putin. No vídeo, Borodai chama os participantes de “verdadeiros patriotas russos” e enfatiza a importância de tais grupos para o interesse nacional da Rússia.

As postagens do Instagram mostram que o Rusich retorna regularmente ao que parece ser o mesmo campo de tiro, seus reveladores gazebos de telhado azul aparecendo mais recentemente em um post na conta do grupo de 15 de janeiro de 2022.

O Centro Partizan, que fornece treinamento militar para o ultranacionalista Movimento Imperial Russo, parece usar as mesmas instalações. Uma postagem no canal Telegram do Centro Partizan em 3 de maio de 2021 listou um endereço para um próximo treinamento em um campo de tiro no distrito de Kolpino, em São Petersburgo.

Figura 6: Uma postagem de maio de 2021 no canal Telegram do Centro Partizan anuncia um próximo treinamento em um campo de tiro no distrito de Kolpino, em São Petersburgo.

Uma comparação de fotos do post de vídeo do Instagram do Rusich com imagens de satélite do Google Earth do campo de tiro referenciado no post do Centro Partizan sugere que as duas instalações são, de fato, exatamente a mesma.

Figura 7: Comparação das imagens de satélite do Google Earth do campo de tiro do Centro Partizan com a que aparece no vídeo do Instagram do grupo Rusich.

A postagem do Centro Partizan se refere ao campo como o “campo de tiro do Ministério de Situações de Emergência”, conhecido internacionalmente como EMERCOM, uma agência do governo russo que supervisiona os serviços de emergência do país. Uma pesquisa on-line produz dezenas de resultados usando a mesma linguagem para descrever a gama Kolpino, incluindo um site oficial do governo da cidade de São Petersburgo. É adjacente a um campo de tiro público chamado Severyanin, com as duas instalações compartilhando uma entrada.

A localização do campo de tiro no centro do distrito especial reservado às operações e administração da EMERCOM na região de São Petersburgo é altamente significativa. Por muito tempo uma sinecura das elites de segurança siloviki da Rússia, a EMERCOM foi uma das primeiras agências a experimentar operações militares quase privatizadas na Rússia. Durante o período em que o atual ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, chefiou a EMERCOM, dezenas de contratados militares mobilizados sob os auspícios de uma empresa chamada EMERCOM Demining to the Balkans para realizar operações de desminagem com o objetivo de abrir caminho para um gasoduto no sudeste da Europa, de acordo com relatórios pelo OCCRP.

De 2001 a 2012, um ex-agente da KGB próximo a Shoigu chamado Oleg Belaventsev administrou a empresa de desminagem, de acordo com o OCCRP. Durante esse tempo, um contingente que foi um dos primeiros progenitores do Grupo Wagner e Rusich, Orel Antiterror (“Águia Antiterror”), foi um dos primeiros a assumir contratos de desminagem nos Balcãs. Mais tarde, soldados da fortuna apoiados pelo Estado com a empresa foram enviados para a região separatista da Ossétia do Sul, na antiga república soviética da Geórgia, e em 2017 realizaram operações de desminagem na Crimeia, de acordo com uma página web da agência. Tropas de desminagem ou “sabotadores”, bombeiros e especialistas em resposta a riscos bioquímicos foram notavelmente bem representados na documentação das viagens do Grupo Wagner à Síria em dados vazados que analisamos do Dossier Center, uma organização investigativa financiada pelo ex-magnata do petróleo russo Mikhail Khodorkovsky. Hoje, Belavantsev, que já foi vice-diretor da Rosvooruzhenie, a principal agência de comércio de armas da Rússia, é o principal enviado da Rússia na Crimeia.


 


Em março de 2018, em abril de 2019 e novamente em outubro de 2020, a conta do Rusich no Instagram postou fotos de membros realizando saltos de paraquedas, nos dois últimos casos de uma aeronave Antonov An-2, que os militares russos historicamente usaram como aeronave de treinamento para divisões aerotransportadas. Além disso, as fotos de abril de 2019 são geo-referenciadas na cidade de Pskov, onde a 76ª Divisão de Assalto Aeromóvel da Guarda, uma unidade de paraquedistas de elite, está guarnecida. Tanto o líder do Rusich, Alexey Milchakov, quanto Dimitri Utkin, o comandante titular do Grupo Wagner, serviram na 76ª da Guarda.

Comparamos o aeródromo visível nas fotos do grupo Rusich com imagens de satélite de aeroportos na região de Pskov e pudemos confirmar que os membros do Rusich estavam treinando em Sorokino, que fontes locais descrevem como o aeródromo militar da 76ª da Guarda.

Figura 8: Comparação de imagens de satélite do aeródromo de Sorokino com postagens da conta do Instagram do Rusich.

Tomados em conjunto, o aparente acesso do grupo Rusich a instalações governamentais e ligações a outras organizações de extrema-direita pintam a imagem de um contingente de soldados russos bem relacionados com, no mínimo, apoio tácito do Kremlin e laços amigáveis com o Estado, se não totalmente sob controle direto do Estado.

“Sozinho você vai matar a cobra feroz”

Após o comentário no Instagram de outubro de 2021, no qual o Rusich sugeriu um retorno a Kharkiv, a conta do grupo ficou em silêncio - notável por si só para uma organização que muitas vezes cultivou a atenção nas mídias sociais. Então, em 15 de janeiro de 2022, um dia após a Casa Branca acusar a Rússia de planejar uma operação de bandeira falsa na Ucrânia como pretexto para invasão, a conta do Rusich se iluminou. Junto com fotos de recrutas realizando treinamento de inverno no que parece ser o mesmo campo de tiro de São Petersburgo, Rusich postou uma citação do Edda, um ciclo de poemas nórdicos antigos que é popular entre a extrema-direita europeia:

Sozinho você vai matar
a cobra feroz,
em Gnitahade ela
se encontra, insaciável.

A citação é clássica do Rusich: sinistra, vaga, com tons de glória e violência. Enquanto a Rússia se prepara para a guerra na fronteira ucraniana, parece que um contingente de milícias russas está se preparando para o próximo capítulo de uma guerra que teve um papel importante no início.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

FOTO: "Músicos" da Orquestra russa em Palmira

Mercenários Wagner em Palmira, 2017.
"Músicos" da orquestra russa.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de fevereiro de 2022.

Mercenários russos do Grupo Wagner na cidade síria de Palmira, entre janeiro e março de 2017. O Grupo Wagner forneceu mercenários como tropas de assalto em apoio ao esforço militar sírio visando recapturar a cidade histórica. Os militantes do Estado Islâmico chocaram o mundo quando começaram a destruir relíquias arqueológicas valiosíssimas em Palmira. O Grupo Wagner deve seu nome ao músico Wagner, autor da música Cavalgada das Valquírias.

A ofensiva de Palmira foi lançada pelo Exército Árabe Sírio contra as forças armadas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante na província de Homs Oriental em 13 de janeiro de 2017, com o objetivo de recapturar Palmira e seus arredores. Isso iniciou pesados combates durante uma mês e meio, com a cidade sendo libertada em 2 de março.

"Orquestra em Palmira"


As forças do Estado Islâmico haviam retomado a cidade de Palmira em uma ofensiva repentina de 8 a 11 de dezembro de 2016, depois de terem sido expulsos anteriormente pelo governo sírio e pelas forças russas em março daquele ano. Spetsnaz russos atuaram como conselheiros e guiando ataques da força aérea russa, enquanto a PMC Wagner forneceu botas no terreno junto às tropas sírias.

Após a retomada da cidade, músicos sírios tocaram no local do anfiteatro romano danificado na cidade antiga de Palmira, durante uma excursão organizada pelo exército sírio para jornalistas, em 4 de março de 2017.

Anfiteatro romano danificado em Palmira, fotografado em 3 de março de 2017.


sábado, 12 de fevereiro de 2022

FOTO: Mercenário do Corpo Eslavo com retrato de Bashar al-Assad

Mercenário da PMC Corpo Eslavo com um retrato de Bashar al-Assad, 2013.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de fevereiro de 2022.

Um combatente da Companhia Militar Privada (Private Miltiary Company, PMC) russa Slavyanski Korpus (Corpo Eslavo / Славянский Корпус) posando com o retrato do presidente Bashar al-Assad na Síria, em 2013. O Corpo Eslavo precedeu o Grupo Wagner e teve vida curta, sendo aniquilado em uma emboscada do Jaysh al-Islam (Exército do Islã). Ao chegarem ao aeroporto de Vnukovo, em Moscou, os mercenários sobreviventes foram detidos pelas autoridades; pois o mercenarismo é oficialmente ilegal na Rússia. Alguns destes mercenários foram incorporados no nascente Grupo Wagner.

Vídeos de combate do Corpo Eslavo mostram algumas operações, inclusive um combate noturno com uso de OVN, onde um canhão autopropulsado 2S1 Gvozdika do Exército sírio é visto atirando.

Segundo relatos da mídia, o Corpo Eslavo foi registrado em Hong Kong por dois funcionários da empresa de segurança privada Moran Security Group, os cidadãos russos: Vadim Gusev e Yevgeniy Sidorov.

Na primavera de 2013, anúncios de emprego de uma empresa sediada em Hong Kong surgiram em vários sites militares russos. Os anúncios prometiam 5.000 dólares por mês para os serviços de guarda protegendo as instalações de energia na Síria durante a guerra civil naquele país. Os anúncios atraíram a atenção de ex-membros da OMON, SOBR, VDV e Spetsnaz; muitos deles tinham experiência militar anterior na Guerra Civil do Tajiquistão, bem como na Segunda Guerra da Chechênia.

A foto mais famosa do Corpo Eslavo na Síria.

Em 2013, depois de chegar inicialmente a Beirute, no Líbano, os mercenários foram transferidos primeiro para Damasco, a capital da Síria, e depois para uma base do exército sírio em Latakia. Em outubro, o Corpo Eslavo tinha uma força de 267 contratados divididos em duas companhias que estavam presentes em Latakia.

Os contratados receberam equipamentos desatualizados, o que levantou preocupações entre os participantes. Eles logo perceberam que a FSB e o governo sírio não tinham envolvimento com a operação. Aqueles que desejavam retornar à Rússia não tiveram escolha a não ser ganhar sua passagem de volta através da participação direta na guerra civil síria. O novo objetivo do Corpo Eslavo foi descrito como guardar os campos de petróleo de Deir ez-Zor. Em vez dos prometidos T-72, os contratados receberam ônibus cobertos de placas de metal. A caminho de Deir ez-Zor, a coluna encontrou um helicóptero da força aérea síria que colidiu com uma linha de transmissão e caiu em cima duma caravana, ferindo um dos contratados.

Em 18 de outubro, a coluna recebeu ordens para reforçar as forças do exército sírio na cidade de Al-Sukhnah. Três horas em sua jornada, a coluna foi atacada. Com a ajuda de um canhão autopropulsada do exército sírio e apoio aéreo de um único caça, os contratados assumiram uma posição defensiva. Os combatentes do Jaysh al-Islam, de dois a seis mil homens (de acordo com os russos), tentaram um movimento de pinça. Em desvantagem numérica, os contratados recuaram para seus veículos enquanto uma tempestade no deserto cobria o campo de batalha. No rescaldo da batalha, seis membros do Corpo Eslavo foram feridos. Tendo falhado em atingir seus objetivos, o grupo retornou à Rússia.

Ao chegar ao Aeroporto Internacional de Vnukovo, os participantes foram detidos pela FSB por suspeita de agir como mercenários, o que é punível nos termos do artigo 359 da lei penal russa. Apesar do fato de a empresa estar registrada em Hong Kong, os proprietários, Gusev e Sidorov, também foram acusados e condenados em outubro de 2014.