Mostrando postagens com marcador T-72. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador T-72. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 3 de janeiro de 2022

FOTO: T-72B russo destruído na Chechênia

Tanque russo T-72B Obr.89 destruído com blindagem de ripas na torre em Grozny, 1995-96.

Tanque russo T-72B Obr.89 destruído com blindagem de ripas na torre, na cidade chechena de Grozny, capital da Chechênia, 1995-1996. O veículo foi um dos muitos carros de combate principais e blindados de transporte russos que seriam destruídas às dezenas durante a desventura de Moscou na Chechênia.

Leitura recomendada:

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

FOTO: T-72B3 russo na neve

Raro T72B3 da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados, Moscou, 31 de janeiro de 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de setembro de 2021.

Em 31 de janeiro deste ano, na capital Moscou, infantaria motorizada, unidades blindadas e de artilharia realizaram um exercício de força contra força no campo de treinamento de Sernovodsky na região de Stavropol, empregando tanques T-72B3 e aviação do exército. As manobras envolveram militares da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados do 58º Exército de Armas Combinadas, parte do Distrito Militar do Sul.

Dois grupos táticos de valor companhia realizaram operações de combate um contra o outro no campo de provas, executando ações de armas combinadas e desembarcando uma força de assalto aerotransportada como parte de um exercício tático "força contra força". Helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh "Terminator" foram empregados para desembarcar forças aerotransportadas e fornecer apoio aproximado.

Os exercícios envolvem cerca de 500 soldados e mais de 50 itens de equipamento militar: tanques T-72B3, veículos de combate de infantaria BMP-3, helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh, canhões de artilharia autopropulsados e veículos blindados BTR-82A.

Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

terça-feira, 24 de agosto de 2021

Apresentação de balé em cima de um tanque durante a competição do Biatlo de Tanques na Rússia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de agosto de 2021.

Nesta terça-feira, dia 24 de agosto, houve uma apresentação de balé em cima de um tanque T-72 durante o Biatlo de Tanques em Alabino, nas cercanias de Moscou. O Biatlo de Tanques é parte dos Jogos Internacionais do Exército, onde a Rússia e seus aliados testam suas habilidades militares.

O Biatlo de Tanques 2021 conta com 43 países, contendo 290 equipes. A dupla de bailarinos foram parte da cerimônia de abertura dos Jogos Internacionais do Exército de 2021, e o tanque em questão tem a bandeira da Bielo-Rússia, um dos mais próximos aliados de Moscou.

Vídeo da apresentação de balé


A canção sendo encenada é o clássico O Lago dos Cisnes (Лебединое Озеро / Lebedinoye Ozero), um ballet dramático em quatro atos do compositor russo Piotr Ilitch Tchaikovski e com o libreto de Vladimir Begitchev e Vasily Geltzer; sendo interpretado pela primeira vez pelo Teatro Bolshoi em 20 de fevereiro de 1877. Apesar de seu fracasso inicial, ele é agora um dos balés mais populares de todos os tempos.

Os protagonistas são o Príncipe Siegfried e a Princesa Odette.




O Ministro da Defesa da Rússia, General de Exército Sergei Shoigu, inspecionou as instalações de Alabino em 19 de agosto, às vésperas do início da competição no dia 22. Ele dirigiu mais de 4 quilômetros em um tanque russo T-80BVM novo em uma pista preparada para a competição das tripulações de tanques. Após inspecionar as lagartas do veículo, Shoigu elogiou a prontidão da infra-estrutura das instalações de Alabino e desejou sorte às equipes russas.

General Sergei Shoigu em Alabino, 19 de agosto de 2021.


Outra novidade foi que pela primeira vez, uma tripulação de tanques da República do Mali participou da etapa individual da competição. Em 23 de agosto, uma equipe de cadetes demonstrou suas habilidades e técnica ao passar pelo percurso do Biatlo, apresentando resultados descritos como "decentes".

No mesmo dia, a equipe de tanquistas do Vietnã começou sua corrida na competição do Biatlo de Tanques no primeiro subgrupo. Seus rivais na corrida foram as tripulações da Mongólia, Síria e Venezuela.

Corrida individual: 1ª Tripulação/1ª Divisão - Vietnã, Mongólia, Síria, Venezuela


A corrida individual terminou com a Mongólia em 1º, o Vietnã em 2º, a Venezuela em 3º e a Síria em 4º.

A tripulação vietnamita completou a pista na final com uma pontuação de 2 horas 12 minutos 47 segundos, enquanto acertou 13 de 24 alvos. A corrida de revezamento final foi realizada em uma luta amarga com as equipes do Tajiquistão, Laos e Mianmar. Tendo se tornado o vencedor da corrida final, os tanquistas vietnamitas ganharam o direito de participarem da primeira divisão da competição do Biatlo de Tanques no âmbito dos Jogos de 2021.

Bibliografia recomendada:

T-72 Main Battle Tank 1974-93.
Steven J. Zaloga e Peter Laurier.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 19 de agosto de 2021

Impedindo um Golpe Militar: Um ato de coragem na internet soviética

O presidente russo, Boris Ieltsin, apertando a mão de um tripulante de tanque não-identificado enquanto apoiadores compareciam para celebrar o colapso do golpe de três dias em 1991.
(Andre Durand / AFP / Getty Images)

Por Andrei Soldatov e Irina Borogan, Slate, 19 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de agosto de 2021.

Em 1991, os programadores ajudaram a impedir um golpe e espalharam uma mensagem de liberdade.

Este ensaio foi adaptado de The Red Web: The Struggle Between Digital Dictators and the New Online Revolutionaries (A Rede Vermelha: A luta entre ditadores digitais e novos revolucionários online), de Andrei Soldatov e Irina Borogan, publicado pela PublicAffairs.

No início da manhã de 19 de agosto de 1991, um telefonema acordou Valery Bardin em casa. Um amigo jornalista disse ter ouvido, de contatos japoneses, sobre uma tentativa de golpe contra o presidente Mikhail Gorbachov.


A notícia sobre o golpe apareceu primeiro no Extremo Oriente, depois rolou para o oeste, cruzando os fusos horários, antes de chegar a Moscou. Horas depois do anúncio ter sido transmitido pela primeira vez no Extremo Oriente, ele foi ao ar na televisão em Moscou.

Valery Bardin era o chefe de um grupo de programadores do primeiro provedor de serviços de internet soviético, conhecido então como Demos/Relcom. A primeira conexão soviética com a internet global foi feita quase exatamente um ano antes, em 28 de agosto de 1990, quando os programadores do Instituto Kurchatov, a principal instalação de pesquisa nuclear na União Soviética e lar da equipe de programadores trabalhando com UNIX (a versão russa era conhecida como DEMOS, um acrônimo para as palavras russas que significam “sistema operacional móvel de diálogo unido”), trocou e-mails com uma universidade em Helsinque. Os programadores já haviam estabelecido conexões com centros de pesquisa em Dubna, Serpukhov e Novosibirsk.

A rede usava linhas telefônicas e a largura de banda era extremamente estreita - a rede era capaz apenas de trocar e-mails simples. Eles batizaram sua rede de Relcom (do inglês - RELiable COMmunications). O núcleo da rede era baseado no Centro de Computação do Instituto Kurchatov, liderado por Alexey Soldatov - pai de Andrei.

Tanques T-80UD das divisões Tamanskaya e Kantemirovskaya na rua Petrovka, em Moscow, em 19 de agosto de 1991.
A faixa anuncia uma exposição sobre Ivan, o Terrível.

No verão de 1991, a Relcom tinha uma linha alugada para Helsinque, e a rede soviética interna alcançou 70 cidades, com mais de 400 organizações usando-a, incluindo universidades, institutos de pesquisa, bolsas de valores e mercadorias, escolas secundárias e agências governamentais.

Tecnicamente, a Relcom tinha duas sedes. Havia algumas salas no terceiro andar do Centro de Computação do Instituto Kurchatov, que abrigava o servidor principal construído no computador pessoal IBM 386. Modems a 9.600 bits por segundo foram permanentemente conectados à linha telefônica internacional. A outra sede estava localizada em uma mansão indefinida no dique do Rio Moscou, com o segundo andar abrigando a equipe de 14 programadores do Demos trabalhando dia e noite consertando e melhorando o software e mantendo a rede. Eles também tinham um servidor de backup e um modem de 9.600 baud.

A primeira reação de Bardin foi verificar o servidor do grupo em casa. Não havia conexão. Ele saiu para comprar cigarros. No caminho, ele encontrou um amigo e colega de Leningrado (hoje São Petersburgo), Dmitry Burkov.

Juntos, eles correram para o prédio do Demos, sabendo que sempre havia alguém sentado ali, dia e noite. Eles viram tanques nas ruas de Moscou. Por volta das 7h, por ordem do ministro da Defesa, Dmitry Yazov, que havia se juntado aos conspiradores do golpe, unidades de tanques começaram a se mover para a cidade ao lado de regimentos paraquedistas em veículos de transporte blindados. A censura estrita foi imposta aos meios de comunicação.

A televisão estatal apresentou Gennady Yanayev, um vice-presidente soviético e figura cinzenta e comum, como o novo líder do país. Na verdade, Yanayev recebeu esse papel apenas para fazer a expulsão de Gorbachov parecer mais legítima. O verdadeiro mentor foi Vladimir Kryuchkov, presidente da KGB, e a KGB teve um papel primordial na orquestração do golpe. As forças de operações especiais da KGB foram enviadas para a Crimeia, onde Gorbachov estava de férias. A KGB cortou a linha telefônica pessoal de Gorbachev de seu complexo de férias, depois as linhas telefônicas locais. Ele estava totalmente isolado.

Os moscovitas acordaram com cerca de 350 tanques, 4.000 soldados, 300 transportadores blindados e 420 caminhões nas ruas de Moscou.

Por coincidência, o golpe começou no dia da inauguração de uma exposição de computadores em Moscou. O negócio nascente da Relcom/Demos teve um estande no show, e alguns programadores estavam circulando por lá. A primeira coisa que Bardin fez ao chegar ao prédio de dois andares do Demos foi ligar para a exposição e ordenar que todos voltassem ao escritório o mais rápido possível com seus equipamentos. A conexão de rede estava desligada devido a problemas técnicos, mas logo foi restaurada. Como chefe da equipe baseada no edifício do Demos, Bardin assumiu.

Naquele dia, Alexey Soldatov, chefe do escritório de Kurchatov, estava longe da cidade, em Vladikavkaz, no norte do Cáucaso. Mas depois de ouvir sobre o golpe e consultar Bardin, ligou para seu pessoal no Centro de Computação. Para ambas as equipes, ele insistiu em uma coisa: manter a linha aberta! Alguém no Centro de Computação sugeriu que eles tentassem imprimir as proclamações de Ieltsin, mas Soldatov foi inflexível: concentre-se em manter a conexão - isso era vital.

Mais tarde naquele dia, um convidado bateu na porta do escritório do prédio do Demos e disse que era representante da equipe de Ieltsin. Ele disse que estava procurando escritórios comerciais que tivessem máquinas de xerox para ajudá-los a divulgar os apelos de Ieltsin. Bardin disse a ele para esquecer o xerox. Ele explicou que eles tinham a rede de computadores conectada a todas as grandes cidades e ao Ocidente.

O homem de Ieltsin escapuliu sem dizer uma palavra. Em seguida, outro enviado de Ieltsin apareceu no prédio e declarou com autoridade que agora estavam todos sob o comando de Konstantin Kobets, que havia sido subchefe do Estado-Maior Soviético para comunicações, um apoiador de Ieltsin, agora nomeado para liderar a resistência. No entanto, Bardin não tinha ideia de quem era Kobets, e foi a primeira e última vez que Bardin ouviu falar de Kobets durante os três dias da tentativa de golpe. Este segundo enviado também trouxe algumas cópias das declarações de Ieltsin e pediu a Bardin que as distribuísse pelos canais da Relcom.

O presidente russo, Boris N. Ieltsin (ao centro) em um veículo blindado estacionado em frente à Casa Branca em Moscou, com apoiadores segurando uma bandeira da Federação Russa, 19 de agosto de 1991.

A conexão à internet com cidades fora de Moscou e além das fronteiras da União Soviética se mostrou extremamente importante, fazendo circular proclamações de Ieltsin e de outros democratas ao redor do mundo. O canal principal era um grupo de usuários, talk.politics.soviet, disponível na UseNet, uma das primeiras coleções mundiais de newsgroups de internet construídos em muitos servidores diferentes e, portanto, não dependendo de apenas um. Estava cheio de mensagens zangadas e preocupadas postadas por ocidentais. De Moscou, por volta das 17h00 em 19 de agosto, Vadim Antonov, o programador sênior de 26 anos de idade que ajudou a Relcom a encontrar um nome, postou uma mensagem:

“Eu vi os tanques com meus próprios olhos. Espero que possamos nos comunicar nos próximos dias. Os comunistas não podem estuprar a Mãe Rússia mais uma vez!”

Os ocidentais enviaram mensagens de apoio a Ieltsin e, naquela noite em Moscou, ou ao meio-dia nos Estados Unidos, o apoio americano estava surgindo na rede à medida que mais participantes dos Estados Unidos participavam. A rede logo ficou sobrecarregada, fazendo com que a conexão caísse momentaneamente. Alexey Soldatov, preocupado e obcecado, estava ao telefone com Bardin e exigia que ele fizesse qualquer coisa para manter a conexão viva. Antonov postou outra mensagem:

“Por favor, pare de inundar o único canal estreito com mensagens falsas com perguntas tolas. Observe que não é um brinquedo nem um meio de entrar em contato com seus parentes ou amigos. Precisamos de largura de banda para ajudar a organizar a resistência. Por favor, não ajude (mesmo sem querer) esses fascistas!”

Na manhã de 20 de agosto, a CNN publicou uma reportagem que chocou a equipe da Relcom. Um correspondente da CNN declarou que, apesar da censura, uma grande quantidade de informações sem censura estava fluindo da capital soviética e depois mostrou uma tela de computador junto com o endereço do grupo de notícias Relcom. Bardin e Soldatov acreditaram que mais tarde ele foi retirado do ar apenas porque alguém nos Estados Unidos explicou à CNN que transmitir seu discurso poderia colocar em perigo a fonte de informação.

Na manhã seguinte, Polina, esposa de Vadim Antonov e também programador do Demos, escreveu a um amigo preocupado, Larry Press, que era professor de sistemas de informação de computador na California State University.

Caro Larry,

Não se preocupe, estamos bem, embora com medo e com raiva. Moscou está cheia de tanques e máquinas militares - eu os odeio. Eles tentam fechar todos os meios de comunicação de massa, eles pararam a CNN uma hora atrás, e a TV soviética transmite ópera e filmes antigos. Mas, graças a Deus, eles não consideram a mídia de massa RELCOM ou eles simplesmente esqueceram sobre ela. Agora transmitimos informações suficientes para nos colocar na prisão pelo o resto da nossa vida.

Saúde,
Polina

Polina começou a traduzir as notícias do Ocidente que Larry enviava regularmente sobre o golpe para os russos.

Por volta dessa época, a televisão estatal anunciou o Decreto nº 3 dos golpistas, restringindo a troca de informações com o Ocidente. O decreto exigia a suspensão de toda a televisão e rádio russas, incluindo a nova estação de rádio democrática Echo Moskvy, que havia sido essencial para a resistência. Os conspiradores do golpe declararam que as transmissões de rádio e televisão “não eram propícias ao processo de estabilização da situação no país”.

Soldados com a bandeira russa.

O decreto era amplo, com a intenção de fechar todos os canais de comunicação do país e dava ao KGB um papel em aplicá-lo.

Apesar da ameaça, no Demos não houve debate sobre o Decreto nº 3: Eles estavam determinados a manter a linha aberta, sabendo que estavam correndo grandes riscos pessoais. “Já estávamos do lado perdedor”, lembrou Bardin, “só porque a troca de informações era a razão de ser da Relcom. Seríamos inimigos do regime de qualquer maneira, não importando o que fizéssemos.”

Bardin, Soldatov e seus programadores, todos na casa dos 20 e 30 anos, realizaram avanços significativos na carreira nos anos das mudanças revolucionárias de Gorbachov. Cada um deles sabia que devia muito de seu sucesso à glasnost de Gorbachev. Eles ficaram furiosos porque tudo poderia ser arruinado por um bando de generais retrógrados e burocratas esclerosados que haviam prendido Gorbachov na Crimeia e estavam tentando se livrar de Ieltsin em Moscou.

Ao mesmo tempo, o povo de Yeltsin explorou desesperadamente todas as oportunidades para espalhar a palavra sobre a resistência aos cidadãos russos. Vladimir Bulgak serviu sob Ieltsin como ministro das comunicações da Rússia. Ele passou sua carreira no rádio, começando como mecânico, e subiu para se tornar chefe da rede de rádio de Moscou. Na década de 1980, ele foi designado como responsável pelas finanças do Ministério das Comunicações e, como resultado, viu o lado negativo da economia de planejamento centralizado. Bulgak desprezava os métodos soviéticos de gerenciamento da indústria de comunicações. Em 1990, ele se juntou à equipe de Ieltsin.

Na véspera da tentativa de golpe, Bulgak saiu de férias para Ialta, na Crimeia. Ao ver o anúncio dos golpistas na televisão, ligou para Ivan Silaev, o primeiro-ministro de Ieltzin, perguntando o que ele deveria fazer.

"Onde você acha que o ministro deveria estar em tal momento?" respondeu Silaev. "Em Moscou!"

Em 20 de agosto, Bulgak estava no primeiro avião para a capital.

Quando ele pousou, seu motorista o levou do aeroporto para o quartel-general de Ieltsin, evitando as estradas principais cheias de tanques e tropas. Lá, Bulgak foi informado de que seu principal objetivo deveria ser ligar os transmissores de rádio e transmitir a proclamação de desafio de Ieltsin. “Ieltsin me disse para ligar todos os transmissores de rádio de onda média na parte europeia da Rússia”, disse Bulgak. Esses transmissores de onda média eram a principal opção de transmissão na União Soviética e, com cobertura de 600km cada, estavam instalados em todo o país.

Foi uma tarefa difícil, pois todos os transmissores de rádio não estavam sob o controle do governo de Ieltsin, mas sim sob o controle do Ministério das Comunicações soviético, um nível superior. “Apenas três pessoas no Ministério da União sabiam as senhas e, sem uma senha, o chefe de um transmissor nunca liga sua estação”, disse Bulgak. Ele conseguiu obter as senhas de um amigo pessoal.

Então, por meio de seus próprios contatos, Bulgak conseguiu fazer com que um transmissor de rádio móvel em um caminhão fosse levado de Noginsk, a 60 quilômetros de Moscou, direto para o pátio onde Ieltsin estava escondido. Foi imediatamente ligado: no caso de tudo o mais falhar, eles poderiam pelo menos transmitir o apelo de Ieltsin para o centro da capital russa. No entanto, os destacamentos da guerra eletrônica foram desdobrados com urgência no distrito sudoeste de Moscou para bloquear a transmissão da estação móvel de Bulgak.

Bulgak trabalhou febrilmente durante a noite, usando seus contatos pessoais dentro do ministério do sindicato. Na manhã de 21 de agosto, os transmissores foram ligados. Quando Yeltsin desceu as escadas da Casa Branca, ele falou em um microfone que estava diretamente conectado aos transmissores ativados de Bulgak. O pessoal do Ministério das Comunicações da União Soviética ficou pasmo.

Tanques e cidadãos na Praça Vermelha em frente ao Kremlin e à Catedral de São Basílio em Moscou.

Quando Bulgak colocou Ieltsin em seus transmissores, a Relcom foi mais longe. No primeiro dia do golpe, alguém da equipe de Bardin teve uma ideia que chamaram de Regime N1: pedir a todos os assinantes da Relcom que olhassem pela janela e escrevessem exatamente o que viram - apenas os fatos, sem emoções. Logo a Relcom recebeu uma imagem do que estava acontecendo em todo o país, divulgando os relatos das testemunhas oculares dos assinantes junto com as reportagens. Ficou claro que os tanques e as tropas estavam presentes apenas em duas cidades - Moscou e Leningrado - e o golpe não teria sucesso.

A tentativa de golpe fracassou em 21 de agosto. No geral, durante os três dias, a Relcom transmitiu 46.000 “unidades de notícias” em toda a União Soviética e em todo o mundo. O Regime nº 1 foi uma ideia revolucionária, embora nem todos tenham percebido. Os transmissores de rádio espalham informações em uma direção, para fora. Mas a Relcom trabalhava nas duas direções, divulgando e coletando informações. Era uma estrutura horizontal, uma rede, um novo conceito poderoso em um país que havia sido governado por uma clique rígida e controladora. Na década de 1950, a primeira máquina de fotocópia soviética foi destruída porque ameaçava espalhar informações além do controle daqueles que governavam. Agora o poder desses governantes estava sendo esmagado - por uma rede que eles não podiam controlar.

Outro princípio também foi demonstrado durante o golpe: os programadores fizeram o que acharam certo e não pediram permissão. Eles agiram porque o fluxo livre de informações foi ameaçado. Eles também sabiam que contavam com o apoio de milhares de assinantes, tornando a rede mais forte. A primeira vez que a internet teve um papel na política russa foi durante os três dias de agosto de 1991 e, naquela época, ajudou a esmagar a operação dos serviços de segurança ao minar o monopólio do Kremlin na divulgação e compartilhamento de informações.

Vladimir Putin com veteranos em Moscou.

Isso não é algo que o Kremlin está disposto a tolerar atualmente. Desde 2011, os associados de Vladimir Putin estão ocupados tentando colocar a internet sob controle, usando filtragem e censura, vigilância e pressão direta em plataformas nacionais e globais. Nesta mesma semana, o Ministério das Comunicações da Rússia divulgou seus planos de nacionalizar os elementos cruciais da infraestrutura de internet do país, incluindo pontos de troca de tráfego (PTT). As autoridades também planejam entregar a distribuição de nomes de domínio ao governo.

O que o Kremlin sempre parece perder é que a internet é horizontal - trata-se de multidões. Em 1991, a multidão compartilhou informações sobre os movimentos das tropas, usando USEnet e e-mails. Hoje em dia, eles usam as mídias sociais, mas basicamente é a mesma coisa: o conteúdo gerado pelos usuários sem qualquer autorização.

Bibliografia recomendada:

T-80 Standard Tank:
The Soviet Army's Last Armored Champion.
Steven J. Zaloga e Tony Bryan.

Leitura recomendada:










terça-feira, 22 de junho de 2021

A adoção do tanque T-72A "Dolly Parton" do Exército Soviético


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 22 de junho de 2021.

No dia de hoje, em 22 de junho de 1979, por ordem nº 9103 do Ministro da Defesa da URSS, o tanque T-72A foi adotado pelo Exército Soviético. O tanque T-72A era um tanque T-72 com uma arma melhorada, motor e um telêmetro a laser, além de blindagem composta no chassis e na parte superior da torre apelidada pelos americanos de Dolly Parton.

Um total de 5.264 tanques T-72A foram entregues ao Exército Vermelho Soviético.


Vista superior do T-72A. Este modelo ostenta uma blindagem composta "Dolly Parton" espessa na frente da torre.

O T-72A apresentava uma nova torre com blindagem frontal mais espessa, quase vertical. Devido à sua aparência, a blindagem foi apelidada não-oficialmente de "Dolly Parton" pelo Exército dos EUA. Essa blindagem usou o novo enchimento de torre de haste de cerâmica, incorporou blindagem laminada aprimorada no glacis e montou novas saias laterais anti-carga oca. O apelido deriva da cantora country Dolly Party ser famosa pelos seios grandes.

Dolly Parton vestida de coelhinha da Playboy na capa de outubro de 1978.

O T-72 é uma família de tanques de batalha soviéticos/russos que entrou em produção pela primeira vez em 1971. Cerca de 20.000 tanques T-72 foram construídos, e reformas permitiram que muitos permanecessem em serviço por décadas. A versão T-72A introduzida em 1979 é considerada um tanque de guerra principal de segunda geração. Foi amplamente exportado e prestado serviço em 40 países e em vários conflitos. A versão T-72B3 introduzida em 2010 é considerada um tanque de batalha principal de terceira geração.

O desenvolvimento do T-72 foi um resultado direto da introdução do tanque T-64. O T-64 (Objeto 432) era um projeto muito ambicioso para construir um tanque bem blindado competitivo com um peso não superior a 36 toneladas.

A Federação Russa tem mais de 5.000 tanques T-72 em uso, incluindo cerca de 2.000 em serviço ativo e 3.000 em reserva. O T-72 foi usado pelo Exército Russo em combate durante a Primeira e Segunda Guerras da Chechênia, e pelos dois lados na Guerra Russo-Georgiana de 2008. Na recente guerra entra a Armênia e o Azerbaijão, ambos os lados também usaram o T-72, que ficaram infames por serem destruídos por ataques de drones.

A Suécia comprou alguns T-72 que foram do National Volksarmee (NVA) da Alemanha então recentemente unificada. O T-72 também é o tanque padrão no Biatlo de Tanques dos Jogos do Exército da Rússia, e atualmente a Rússia está padronizando seus aliados com os padrões T-72B. Entre os novos operadores do T-72 estão o Laos e a Sérvia. As forças pró-russas na Ucrânia também operam o T-72, apesar das sanções, e o Exército Indiano usou carros T-72 no seu stand-off com os chineses no ano passado.

A equipe do Exército da Nicarágua com um T-72 nos Jogos Internacionais do Exército Russo de 2015, na base de Alabino, nas cercanias de Moscou.

Na América Latina, o T-72 foi suprido para a Nicarágua de Ortega e a Venezuela de Chavez e agora Maduro, bases estratégicas da Rússia no continente.

A Venezuela recebeu 92 T-72B1 da Rússia entre 2009-2012. Houve uma proposta em 2012 de mais uma centena, mas não foi pra frente. Esses T-72 (ou T-72V de Venezuela) costumam participar de desfiles públicos que recebem pesada cobertura midiática, de forma a demonstrar o poder do regime socialista bolivariano.

Tanques T-72B1V do Exército da Venezuela durante desfile em homenagem à morte do ex-presidente Hugo Chávez, março de 2014.

Bibliografia recomendada:

T-72 Main Battle Tank 1974-93,
Steven J. Zaloga.

TANKS:
100 Years of Evolution,
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:

PERFIL: Veterana da USAF estampa a capa da Playboy em três países, 28 de setembro de 2020.

GALERIA: O T-72 polonês em direção à Lituânia, 8 de novembro de 2020.

Carros de combate principais T-72B1MS no Laos, 22 de setembro de 2020.

Equipe nº 1 vietnamita no segundo lugar do Grupo 2 no Biatlo de Tanques na Rússia28 de novembro de 2020.

Águia Branca: Novas entregas do T-72B1MS "Águia Branca" na Sérvia, 28 de maio de 2021.


FOTO: T-72 venezuelano, 10 de fevereiro de 2020.

FOTO: T-72 georgiano decapitado, 23 de setembro de 2020.


FOTO: T-72 armênio destruído, 18 de dezembro de 2020.

sexta-feira, 28 de maio de 2021

Águia Branca: Novas entregas do T-72B1MS "Águia Branca" na Sérvia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de maio de 2021.

Novos veículos blindados chegaram à Sérvia nos últimos dias, conforme noticiado no dia 25. Essas máquinas, 30 tanques T-72B1MS "Águia Branca" e 30 veículos de reconhecimento BRDM2 MS, constituem a nova doação da Rússia à Sérvia. Operação semelhante já ocorreu em outubro passado, com a entrega de cerca de trinta tanques do mesmo tipo. A entrega desses veículos foi realizada como parte do exercício "Resposta Conjunta 2021" realizado em conjunto pelas forças russas e sérvias.

O T-72B1MS é uma versão modernizada do T-72 que incorpora novos elementos como blindagem reativa (bastante básica) e novas miras para o comandante do carro e o artilheiro. Tanques deste tipo também foram entregues pela Rússia ao Laos, Uruguai e Nicarágua.


Esta nova doação pode confirmar a decisão do governo sérvio de interromper o desenvolvimento e aquisição do tanque M-84, a última versão do qual, o M-84AS1, havia sido vista em outubro passado durante os testes. O tanque seria então substituído dentro das forças sérvias pelo T-72B1MS fornecido pela Rússia.

Já o BRDM2-MS difere das versões anteriores, melhorando as capacidades de visão noturna com a introdução de novas câmeras térmicas e uma torre estabilizada em dois eixos permitindo fotografar enquanto anda.



Em muitas áreas de tensão, o rearmamento dos países da região em causa resulta na maior parte das vezes na constituição ou reconstituição de um significativo potencial blindado, graças a operações de modernização, desenvolvimentos nacionais ou aquisição de equipamento estrangeiro. Os Bálcãs não fogem à regra, como mostram os esforços dos países da região para equipar as suas forças.



FOTO: T-72 venezuelano, 10 de fevereiro de 2020.


sábado, 5 de dezembro de 2020

VÍDEO: Aquisição do T-72B1MS Águia Branca pelo Exército Sérvio

T-72B1MS Águia Branca sérvio.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de dezembro de 2020.

Os sérvios receberam o carro de combate T-72B1MS Águia Branca de acordo com o novo plano russo de padronizar seus aliados com modelos T-72; além de ser o modelo padrão no Biatlo dos Tanques. Outros países que receberam essa atualização foram a Venezuela, Nicarágua, Síria e o Laos (que recebeu o mesmo modelo Águia Branca), assim como os cripto-russos no Donetsk.

O T-72B1MS "Águia Branca"(Ob'yekt 184-1MS) é o T-72B1 modernizado pela empresa Oboronprom (agora parte da Rostec), apresentado pela primeira vez no International Forum Engineering Technologies 2012, pintado de branco, daí o apelido não-oficial de "Águia Branca". As propriedades mecânicas do tanque são as mesmas do T-72B1 normal, com o mesmo motor, canhão, blindagem e pacote Kontakt-1 (K-1) ERA. No entanto, a eletrônica é fortemente atualizada, incluindo uma câmera frontal e traseira para o motorista, display digital do motorista, sistema de navegação GPS/GLONASS, visão panorâmica térmica de terceira geração "Olho de Águia" para o comandante do tanque montado no lado esquerdo traseiro da torre, mira térmica do artilheiro PN-72U Sosna-U, sistema de rastreamento de alvo, sistema de gerenciamento de chassis e metralhadora AA 12,7mm controlada remotamente. 

O Águia Branca está atualmente em serviço nas forças armadas do Laos, Uruguai, Nicarágua, e agora na Sérvia.

T-72B1MS "Águia Branca" no International Forum Engineering Technologies 2012, 29 de junho de 2012.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Carros de combate principais T-72B1MS no Laos, 22 de setembro de 2020.

Equipe nº 1 vietnamita no segundo lugar do Grupo 2 no Biatlo de Tanques na Rússia28 de novembro de 2020.

FOTO: T-72 venezuelano, 10 de fevereiro de 2020.

sábado, 28 de novembro de 2020

Equipe nº 1 vietnamita no segundo lugar do Grupo 2 no Biatlo de Tanques na Rússia

Equipe nº 1 vietnamita que atingiu o segundo lugar no Grupo 2 na Rússia, 25 de agosto de 2020.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de novembro de 2020.

De acordo com o Le Courrier du Vietnam, a Equipe nº 1 do Exército do Povo do Vietnã obteve altas pontuações, conquistando o segundo lugar no Grupo 2 da competição Biatlo de Tanques, no âmbito dos Jogos Militares Internacionais, os Jogos do Exército 2020, realizada em Alabino, nos arredores de Moscou, capital da Rússia.

A equipe de tanques vietnamita ficou em segundo lugar no Grupo 2 com um recorde de 32 minutos e 20 segundos, atrás da Ossétia do Sul com 31 minutos e 49 segundos. As restantes posições do Grupo 2 pertenceram, respectivamente, ao Tajiquistão, Abkhazia, Mianmar (Birmânia), Laos, Qatar e Congo (ex-Congo Francês).

Equipe diante do tanque usado na competição, um T-72B3.

Elogiando os resultados, o Coronel Nguyên Ngoc Thang, Subchefe do Estado-Maior do Corpo de Blindados, líder da equipe de tanque do Vietnã que participa da competição, declarou-se satisfeito com a Equipe nº 1; declarando que esse resultado refletia a qualidade e o caráter da equipe do tanque, uma vez que o tanque T-72B3 não é um equipamento operado pelo Exército do Povo Vietnamita e o tempo para se acostumar com este veículo antes da competição foi curto. Portanto, houve erros técnicos durante a competição, mas "os soldados superaram rapidamente".

O Coronel Nguyên Ngoc Thang apreciou muito o espírito de aprendizado dos soldados da Equipe nº 1, que manejaram bem as emergências e demonstraram bravura nas provas. Ele espera que a Equipe nº 1 e outras equipes do exército vietnamita aprendam com as experiências e tenham um bom desempenho em competições futuras.

A competição é padronizada com carros T-72 ou similares.

O Vietnã, alinhado com a Rússia em uma aliança que forma um cinturão Rússia-Vietnã-Laos de contenção à China, recebeu recentemente os blindados T-90, enquanto o seu vizinho e aliado Laos recebeu o T-72 - ambos blindados que elevaram o poder de combate dos dois países significativamente.

Vídeo recomendado:

Bibliografia recomendada:

T-72 Main Battle Tank 1974-93,
Steven J. Zaloga.

TANKS: 100 Years of Evolution,
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:


domingo, 8 de novembro de 2020

GALERIA: O T-72 polonês em direção à Lituânia

Tanques T-72 poloneses sendo transportados por via férrea para a Lituânia em 28 de outubro de 2020.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de novembro de 2020.

De 28 de outubro até 6 de novembro, as tropas do 21BSP (21 Brygada Strzelców Podhalańskich/ 21ª Brigada de Fuzileiros Podhale) treinaram como parte da segunda fase do exercício Brilliant Jump 20, um exercício organizado pelo Comando de Operações Conjuntas da OTAN em Brunssum, na Lituânia.

O exercício Brilliant Jump 20 testou a logística da OTAN e sua capacidade de responder e movimentar a Força-Tarefa Conjunta de Prontidão Muito Alta (Very High Readiness Joint Task Force, VJTF) rapidamente em caso de crise. A Matriz do Corpo Multinacional Nordeste (HQ MNC NE) era responsável por realizar a Recepção, Colocação e Movimento Adiante (Reception, Staging and Onward MovementRSOM) das unidades que chegavam.

O planejamento do exercício, que entrou em sua fase final em 28 de outubro, teve início em meados de 2019. Realizado sob a égide do Comando da Força Conjunta Aliada Brunssum, o exercício Brilliant Jump foi projetado para demonstrar a prontidão e mobilidade da VJTF. Foram enviados para a Lituânia 2.500 soldados e 600 veículos usando recursos aéreos, terrestres e marítimos enviados da República Tcheca, Polônia e Espanha. 

O modal ferroviário é o melhor sistema de transporte terrestre que existe. Isto é particularmente verdadeiro em relação ao transporte de blindados.

O exercício Brilliant Jump 20 consiste em duas partes: uma fase marítima conduzida de 28 de setembro a 2 de outubro na costa do Reino Unido; seguida por uma fase de desdobramento terrestre de 28 de outubro a 6 de novembro na Lituânia.

"Nossos exercícios aproveitam as oportunidades para a OTAN e as nações aliadas aprimorarem suas habilidades de combate, concentrando-se em capacidades de ponta", disse o Vice-Almirante Keith Blount, comandante do Comando Marítimo da OTAN. "O exercício Brilliant Jump 20 mostra que continuamos preparados para operações em paz , crise e conflito e que estamos sempre prontos para desdobrar nossas forças onde for necessário, de forma rápida e eficaz.”

Transferir milhares de soldados de um lugar para outro é uma tarefa imensa e complicada. "Todo o processo RSOM é subdividido em várias atividades", indica o Ten-Cel Rene Srock da Divisão MNC NE J4. A coordenação de todos os esforços foi assegurada pelas Unidades de Integração de Forças da OTAN localizadas na Polônia e na Lituânia. Eles forneceram a ligação para seus respectivos ambientes militares e civis. Desta forma, o Comando RSOM em Szczecin teve a tão necessária Consciência Situacional para focar o apoio das Nações Receptoras Anfitriãs (Host Receiving Nations), ajustar os Planos de Movimento e apoiar a segurança para as diferentes fases e locais do RSOM.

"O maior desafio é mover as forças de acordo com os regulamentos de tempo de paz entre o tráfego civil normal. Todos os movimentos devem ser meticulosamente coordenados em tempo hábil", disse COL Miroslav Heger, Chefe RSOM MNC NE.

Independentemente de onde o RSOM é conduzido, os principais provedores de serviços são as Nações Receptoras Anfitriãs com suas capacidades militares e civis. Portanto, a execução bem-sucedida do processo RSOM é uma boa ilustração da coesão, interoperabilidade e prontidão da OTAN para reagir rapidamente em uma emergência.

Os T-72 poloneses estão sendo modernizados atualmente com visão noturna e térmica passiva, e sistemas de comunicação digital. Uma boa direção antes de substituí-los por MBTs modernos.

Os trens fornecem a maior capacidade de carga em todos os modais terrestres.

Este ano, o núcleo da "ponta de lança" da OTAN foi formado pela 21ª Brigada de Fuzileiros Podhale polonesa, com as unidades terrestres participantes incluindo um quartel-general de brigada, um batalhão de ponta-de-lança, forças especiais e o quartel-general da força-tarefa QBN da Polônia, um batalhão mecanizado da República Tcheca, uma companhia mecanizada da Lituânia e um batalhão de infantaria da Espanha.

Após a conclusão do Brilliant Jump 20, as unidades VJTF participarão do exercício liderado pela Lituânia, Iron Wolf (Lobo de Ferro), antes de serem transferidas de volta para suas bases.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: