Mostrando postagens com marcador Ucrânia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ucrânia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 29 de março de 2022

FOTO: Pôster ucraniano com as regras de manuseio de armas

Pôster ucraniano explicando manuseio de armamento com atrizes "à vontade".

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de março de 2022.

Com o objetivo de acelerar a curva de aprendizado dos voluntários ucranianos, um pôster com atrizes pornográficas segurando armas em várias poses foi distribuído pelo exército ucraniano.

"Regras simples
    1. Sempre trate uma arma como se ela estivesse carregada.
    2. Nunca aponte uma arma para onde você não vai atirar.
    3. Não coloque o dedo no gatilho até que esteja pronto para atirar.
    4. Controle o espaço na frente e atrás do alvo.
    5. Certifique-se de atirar no inimigo, ou atirar apenas sob as ordens do comandante.
Regras para abrir fogo."

O pôster mirando "homens de cultura" é uma ideia criativa para captar a atenção dos soldados. É sempre interessante como andam de mãos dadas os homens das armas e estas mulheres "do lar", lembrando do artigo da revista Soldado da Fortuna na Playboy e da vez que uma soldado da Força Aérea americana foi playmate em três Playboys diferentes. Um outro exemplo famoso é calendário da Hot Shots, onde as modelos fazem ensaios com temática militar.

Esta não é a primeira vez que manuais são ilustrados de forma parecida para garantir que sejam lidos pela tropa. Na Segunda Guerra Mundial, o Exército alemão emitiu manuais com desenhos de pin-ups seminuas para tropas da Panzerwaffe em meio às instruções de cuidado com os blindados.

Lições sobre cuidados com o motor do tanque Tigre alemão.
Uma pin-up se refresca em um banho de ducha.

Ainda falando sobre pin-ups, os ucranianos também capitanearam um reavivamento das pin-ups militares após a invasão da Criméia em 2014 e início da "guerra híbrida" contra Moscou.


Homens de cultura, estes ucranianos...

Leitura recomendada:

segunda-feira, 28 de março de 2022

As Pedras Estão Clamando: Uma perspectiva realista sobre a invasão russa na Ucrânia


“E, respondendo Ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão.” 
Lucas 19:40.

Após um mês de invasão russa na Ucrânia, entre muitas incertezas, ao menos um fato delineia-se de forma clara: a iniciativa de Vladimir Putin foi um enorme equívoco. Ampliou-se sobremaneira o afastamento russo em relação à Comunidade Internacional, com reflexos devastadores na economia de um país já combalido nessa área desde a queda da União Soviética, e as justificativas russas para a invasão foram rechaçadas de maneira acachapante na ONU e outros fóruns. Para piorar a situação, mesmo no plano militar, que seria, ao menos em tese, o mais promissor, os russos enfrentam dificuldades. A Operação Especial, como gostam de denominar, está demorando muito mais que o previsto por todos – incluindo o autor destas linhas –, consumindo recursos humanos e financeiros importantes. A consequente elevação do número de vítimas civis contribui para piorar a já péssima reputação de que goza o Kremlin.

Com tantos revezes nos aspectos político, econômico e militar, a pergunta que não quer calar é: O que levou Vladimir Putin a tomar uma decisão tão radical, com consequências potencialmente ruins para o seu próprio regime? O número de interpretações se avoluma em publicações diuturnas na imprensa. De palpiteiros a analistas de reconhecida competência, todos procuram decifrar o enigma da esfinge putinista, esgrimindo argumentos que vão do político ao psicológico. Poucos, porém, parecem confiar nas ferramentas do Realismo Clássico para a realização dessa tarefa, refletindo o esprit-du-temps no qual vivemos desde a queda do Muro. O realismo é encarado como algo demodê, superado.


Na opinião deste que vos escreve, os preconceitos de nossa época, embora naturais – todas as épocas os têm –, atrapalham o entendimento da questão. Se formos analisar a trajetória de Vladimir Putin, veremos que um traço comum de sua mentalidade é justamente o realismo político, tanto no plano interno quanto externo. O triunfalismo liberal que governa as mentes ocidentais, por essa razão, tem sido causa de muitos dos desacertos entre o Ocidente e a Rússia, como bem pontua John Mearsheimer [1], apesar de eu discordar de algumas de suas conclusões, por exemplo, quanto à absoluta responsabilidade do Ocidente pelo caso em tela. A responsabilidade de fato existe, mas é relativa.

Sim, têm razão os que, como Mearsheimer, afirmam que a Rússia foi sistematicamente alienada da Ordem Internacional pela política externa americana desde o fim da URSS. Legítimas preocupações de segurança do Estado russo foram ignoradas, mesmo em questões que diziam respeito à sua periferia histórica - vale relembrar o episódio em que Clinton comunica a invasão da Sérvia a Yeltsin não antes, e sim depois de a decisão ser unilateralmente tomada pelos EUA [2], ultrajando e humilhando um líder que sempre se mostrou disposto a cooperar com o Ocidente. Mas a Rússia é grande o suficiente para não ser tomada como um ator meramente passivo no tabuleiro internacional de poder: ela toma suas decisões e deve ser responsabilizada por elas. O ressentimento por três décadas de declínio explica muito da atual animosidade russa, porém não é justificativa suficiente para ações como a que se verifica agora na Ucrânia, sobretudo em se tratando de um dos garantes do Memorando de Budapeste, no qual se comprometeu a jamais atentar contra a soberania territorial do vizinho. Acordos a respeito de questões tão sensíveis existem para serem honrados.


As alegações russas, portanto, devem ser encaradas com uma dose saudável de ceticismo. Se a perspectiva de uma Ucrânia incorporada à União Européia é incômoda e a de uma admissão à OTAN inaceitável, nenhuma das duas se concretizou. O simples fato de os ucranianos elegerem um governo encarado como “pró-ocidental” é assunto interno de um país soberano, não devendo ser objeto de ingerência de qualquer natureza, a não ser que, e aqui quero começar minha contribuição com este texto, o objetivo russo não seja apenas reconstruir sua zona de influência no leste europeu, mas iniciar uma nova etapa de expansão imperial.

E por que diabos isso seria sequer desejável para a Rússia? Aos adeptos do liberalismo político isso não faz sentido, pois a era dos impérios é um passado a ser esquecido. No mundo pós-moderno, a interdependência comercial regularia os conflitos internacionais, tornando as guerras obsoletas e os impérios inviáveis. No lugar dos campos de batalha, teríamos a OMC (Organização Mundial do Comércio) e outras ‘Instituições’, bem ao sabor de Francis Fukuyama em O Fim da História. Ocorre que, feliz ou infelizmente, a história não acabou, tampouco as grandes nações deixaram de comportar-se como impérios: os EUA, campeões da nova ordem global, invadiram o Iraque, o Afeganistão e a Síria, além de protagonizarem diversas intervenções nos Bálcãs e no Oriente-Médio. Decerto não estavam nesses lugares para fazer caridade ou comércio, e sim para defender os interesses geopolíticos americanos na base da força. A globalização, tão celebrada e promovida pelas potências ocidentais, tem seus perdedores, podendo ser encarada como uma forma tão moderna quanto insidiosa de imperialismo, baseada na exploração das assimetrias de desenvolvimento regionais.


A Rússia é, com certeza, uma das perdedoras desse arranjo, e a maior entre os países considerados potências geopolíticas. Apesar de um saldo migratório positivo, consequência do influxo de migrantes russófonos das ex-repúblicas soviéticas, o país viu sua população decair em 4 milhões de habitantes de 1991 a 2021 devido ao declínio na natalidade [3], sendo as difíceis condições econômicas, a alta prevalência de vício em drogas e álcool e a desagregação familiar as principais causas. Nos anos 1990, o país vivia uma crise de identidade, tanto em relação a si quanto ao seu lugar no mundo. No plano interno, o governo Putin patrocinou uma verdadeira Renascença Ortodoxa, a fim de revitalizar as tradições erodidas pelas décadas de ateísmo de estado; em matéria de política externa, tratou de reconstruir a imagem de Rússia forte, alcançando relativo sucesso. As indústrias energética, bélica e alimentícia foram privilegiadas, reforçando o caráter pragmático da Administração Putin, que focou na produção de bens essenciais para a sobrevivência dos Estados.

Tais iniciativas, contudo, não foram capazes de evitar a estagnação econômica. Dados da série histórica do Banco Mundial apontam uma média de crescimento muito baixa no período entre 1990 e 2021, ou seja, a economia russa hoje é relativamente menor do que era ao final da URSS. Três décadas perdidas que cobraram seu preço na indústria militar: apesar de manter o status tecnológico de ponta, o orçamento de defesa russo tem, atualmente, tamanho similar ao de potências médias como Reino Unido e França [4]. Nesse ínterim, a China avançou de roldão sobre a Eurásia, tradicional área de influência: Cazaquistão, Quirguistão e Turcomenistão já possuem mais relações econômicas com a China do que com a Rússia, e a situação no Uzbequistão e no Tajiquistão evolui rapidamente no mesmo sentido. Astana aparece como parceiro preferencial dos chineses, destino de investimentos vultuosos no contexto da Nova Rota da Seda (Belt and Road Initiative – BRI)[5]. Se a expansão da OTAN e da União Européia a leste é incômoda para os russos, é lógico pensar que o mesmo se aplica a esses desenvolvimentos no subcontinente eurasiano, área que MacKinder costumava chamar de Pivô Geográfico da História.


E por que Moscou não verbaliza seu desconforto neste caso? Provavelmente por lhe faltar condições. A deterioração das relações com o ocidente fez de Pequim a única alternativa de parceria estratégica, o que não significa que essa relação não tenha suas tensões. A relação comercial Sino-Russa é desfavorável à última: enquanto aquela exporta produtos de valor agregado, esta comercializa majoritariamente matérias-primas. Espremida por dois imperialismos em expansão constante, é natural que a Rússia se sinta ameaçada. Mantidos tais padrões de desenvolvimento demográfico e econômico, não é nenhum exagero afirmar que existe um risco real de vassalização no médio prazo. Talvez seja a esse tipo de ameaça existencial que o Porta-Voz do Kremlin, Dmitry Peskov, se referiu em entrevista recente [6].

Minha tese é que esse impasse, mais do que qualquer condicionamento ideológico, psicológico ou político, leva a Rússia ao ataque. Incapazes de se adaptarem aos novos arranjos de domínio por meio das assimetrias de desenvolvimento e se vendo, eles mesmos, vítimas desses processos, os russos tratam de reconstruir seu Lebensraum (espaço vital) à moda antiga, a pontapés. E o observador atento notará que a tática não foi posta em prática agora, de sopetão, mas cuidadosamente preparada e implementada por meio de aproximações sucessivas. Geórgia (2008), Criméia (2014) e agora toda a Ucrânia - em cada uma das ocasiões o Kremlin testou a reação ocidental e progrediu em escala. Outra característica comum dessas incursões militares é que foram precedidas por momentos de alta nas cotações das principais commodities de exportação, reforçando o caixa com moeda forte, já prevendo sanções econômicas como reação.


Tudo leva a crer que a Rússia perdeu a confiança na capacidade de projetar-se por meios políticos. As tentativas de manutenção de sua esfera de influência geoestratégica foram malogradas, nos casos da CEI (Comunidade de Estados Independentes) e da OTSC (Organização do Tratado de Segurança Coletiva), por sua própria iniciativa: a Geórgia se retirou após a invasão da Abecásia e da Ossétia do Sul e a Ucrânia em 2018, por razões óbvias. Já a Comunidade Econômica Eurasiática, hoje União Econômica Eurasiática (UEE), não decola pela baixa performance econômica de seus membros. Com um tal histórico, fica difícil pensar em reversão do quadro por meios convencionais.

Resta, portanto, a força como último recurso. Se ela, sozinha, será suficiente para tornar a Rússia novamente competitiva na corrida das potências mundiais, eu duvido. Contudo, enquanto ela for capaz de reagir agressivamente a um declínio que parece cada vez mais inexorável, é certo que muitos danos serão causados à estabilidade mundial. E se a hipocrisia desta geração calar as poucas vozes capazes de declarar a verdade sobre a Política de Poder, não haverá problema: as ‘pedras’ da Realpolitik clamarão e far-se-ão ouvir, ainda que por meio de bombas e mísseis.

Éder Fonseca
23 de março de 2022


Notas

quarta-feira, 23 de março de 2022

Previsões estranhamente precisas em 2021 sobre a guerra na Ucrânia pelo ex-deputado russo Alexander Nevzorov

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de março de 2022.

No dia 10 de março deste ano, ressurgiu um vídeo de 11 de abril de 2021 mostrando o ex-ministro russo Alexander Nevzorov prevendo uma guerra com a Ucrânia onde os russos seriam humilhados por conta do seu despreparo militar - fruta da incompetência e corrupção do sistema oligárquico russo - e como isso afetaria dramaticamente a política russa. Com uma discursiva de poeta, ele delineia todos os raciocínios e percalços da tal invasão da Ucrânia, assustadoramente precisos com o que realmente transpareceu.

Combatente ucraniano.

Sobre o autor

Alexander Glebovich Nevzorov (em russo: Алекса́ндр Гле́бович Невзо́ров; nascido em 3 de agosto de 1958) é um jornalista de televisão russo e soviético, diretor de cinema e ex-deputado do parlamento russo - a Duma. Ele é o fundador de uma escola de equitação, Nevzorov Haute École.

No final da década de 1980, Alexander Nevzorov apresentou notavelmente o programa de televisão 600 segundos transmitido pelo canal de Petersburgo TV-5. Em 13 de dezembro de 1990, ele foi baleado e ferido por um homem desconhecido que conseguiu atrair o jornalista para uma área deserta nos arredores de Leningrado, alegando possuir os documentos que permitiam algumas revelações "sensacionais".

Durante os eventos de janeiro em Vilnius, Nevzorov filma as forças da OMON atacando a Torre de Vilnius. Ele extrairá dela um documentário Nashi ("Nosso") que elogia os soldados soviéticos e trata os opositores do regime como fanáticos. Sua parcialidade será então criticada pelos democratas russos. Ele também fundou o movimento Nashi em São Petersburgo em 1991, que ele definiu como uma frente única de resistência à política antinacional da administração da Rússia e das outras repúblicas da ex-URSS. Durante os anos de Yeltsin, seu programa se tornou a voz da oposição nacionalista russa às políticas de Yeltsin e foi suspenso duas vezes antes de ser banido permanentemente em outubro de 1993.

Nevzorov fez dois filmes sobre a Primeira Guerra da Chechênia, Inferno (documentário, 1995) e Purgatório (ficção, 1997).

Um separatista checheno perto do Palácio Presidencial em Grozny, janeiro de 1995.

Previsões

"A Rússia de alguma forma consegue encontrar humilhação em todos os lugares."

Entre as previsões mais impressionantes são o número de baixas sugerido na primeira semana - cerca de 5 mil, igual na estimativa pós-ação do FSB - e até mesmo a propaganda de soldados russos crucificados, que chegou a ser circulado em mídias sociais. Além da afirmação de que o exército invasor seria composto por conscritos que não sabem o porquê de estarem lutando, ele também afirma que os generais teriam pela frente apenas duros combates, tendo que enfrentar "guerrilheiros, emboscadas, minas terrestres, snipers, humilhação e morte". No mês passado, dia 28, o General Andrey Sukhovetsky foi morto por um sniper ucraniano nos arredores de Kharkov. Ele foi o segundo general morto em combate, com um terceiro no dia 11, e um quarto no dia 16 (o Major-General Oleg Mityaev).

O Major-General Andrey Sukhovetsky foi morto por um sniper ucraniano.
Ele era um veterano dos paraquedistas e das spetsnaz.

Nevzorov também aponta para a ideia fantasiosa de Moscou de que os ucranianos simplesmente deitaria de barriga pra cima e deixariam o exército russo conquistar a Ucrânia sem lutarem. Ele prevê que resistirão mais do que os chechenos, pois os ucranianos são munidos de exército regular com grande número de reservistas experientes enquanto os chechenos eram grupos irregulares improvisados. Ele relembra os caixões de zinco da época do Afeganistão.

O ex-deputado menciona o Japão olhando para as ilhas Curilas, o que de fato ocorreu no início desse mês, e sobre a Alemanha olhando para Koenigsberg/Kaliningrado. Em 7 de março de 2022, o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, declarou que as Curilas do sul são "um território peculiar ao Japão, um território no qual o Japão tem soberania".

O poeta russo também relembrou como a Rússia trata os heróis, e como ela sempre se livra deles no exato momento que não precisa mais deles - pois são ameaças ao regime. A opinião pública ficará totalmente contra a Rússia e haverá um surto anti-russo na mídia internacional. Enquanto isso, um exército russo quase completamente sem condições de combate continuará chafurdando em derrotas e humilhações.

Transcrição do vídeo

A coisa mais importante é, claro, a agora claramente inevitável guerra com a Ucrânia.

Os desenhos e vídeos vitoriosos dos exercícios de treinamento militar do Ministério da Defesa fizeram seu trabalho. Todos agora acreditam no poder da máquina militar russa.

Russos saltando de um helicóptero Mi-8 durante exercícios na Bielo-Rússia.

No entanto, todos esses exercícios são apenas uma performance em um piano imaginário. Você pode fazer caretas como o famoso pianista Van Cliburn costumava fazer. Você pode revirar os olhos retratando inspiração, êxtase, incrível destreza de seus dedos, você pode fingir fazer tudo isso, mas só até que algum bastardo enfie um piano de verdade sob as suas mãos. E é aí que a humilhação começa. Acontece que o grande pianista teórico não pode nem tocar o "brilhar cintilar" de um dedo. E isso é na melhor das hipóteses.

Agora, o que vai acontecer nesta guerra, e como?

Aconteça o que acontecer, em qualquer caso, terminará em uma terrível derrota e tragédia para a Rússia. Para adicionar ao afegão, vietnamita, checheno, o pobre país crescerá mais uma corcova de vergonha.

Paraquedistas russos da VDV desfilando.

Por que, por que, apesar de uma aparente desigualdade de poder, ainda suponho que a vitória pertencerá à Ucrânia? Simplesmente porque para a Ucrânia, qualquer resultado da guerra será uma vitória. Porque existem apenas dois resultados, e ambos são fatais para a Federação Russa.

Em um caso, o monstro gigante, raivoso e sangrento chamado "Rússia" atropela o vizinho pequeno, orgulhoso e indefeso. Em outro caso, o vizinho pequeno, orgulhoso e indefeso atropela o monstro gigante e sangrento. Para a Rússia, ambas as opções são igualmente trágicas.

Agora, quem entende menos de guerra? Quem são os que você nunca deve ouvir em relação a isso? Eu vou te dizer. São os chamados analistas militares, que agora estarão alimentando a todos com a besteira terminológica, sobre como seus Hurricanes, Grads, Poseidons, Pinóquios queimarão os corredores estratégicos para as divisões de tanques e atrás deles, comboios de infantaria se dirigirão para Kiev. Isso é uma besteira completa.

Isto é o que pode acontecer durante um exercício militar. Com um acordo prévio e por um salário muito grande, o lado ucraniano se deitará consideravelmente sob os tanques russos e aceitará obedientemente os golpes de apenas alguns dos mísseis. Todas as análises militares são feitas predominantemente por tolos que há muito perderam o contato com a realidade, ou nunca a tocaram em primeiro lugar. Nenhum deles leva em consideração a resistência mais que furiosa da Ucrânia e a completa falta de proeza militar do exército russo.

Veículos russos destruídos na Ucrânia.

As subdivisões ucranianas serão, eu suspeito, ainda mais ferozes do que as chechenas. A guerra chechena foi perdida pelo antigo exército soviético que ainda tinha algumas tradições, generais e experiência militar. Agora não há nada disso. Sem generais, sem Rokhlin, sem Lebed, ninguém.

Então, como será essa guerra russo-ucraniana? Para começar, o que é a guerra para a Rússia? Em primeiro lugar, é a possibilidade de roubar seu próprio exército impunemente. Uma vez que você será capaz de amortizar absolutamente qualquer coisa. A habilidade mágica da guerra de anular as coisas é bem conhecida. Todos os melhores negócios são feitos na linha de frente. Já existem mísseis inteligentes que mudam de trajetória no momento em que são comprados. E como a experiência da Primeira Guerra da Chechênia mostrou, a Rússia aprendeu há muito tempo como vender seus próprios tanques ao inimigo, empacotados juntos com a tripulação. Tudo começará com algumas divisões se perdendo. Não pode ficar sem isso.

Essas divisões inevitavelmente serão bombardeadas pela Força Aérea Russa, que na Chechênia ganhou uma incrível capacidade de bombardear suas próprias unidades, depois de eliminar pelo menos um quarto das forças russas. Agora, essa é uma habilidade que duvido que eles já tenham conseguido beber até o esquecimento, e a Força Aérea Russa finalmente poderá colocá-la em prática. A Marinha Russa também terá a oportunidade de testar seus talentos. Com alguma artilharia de longo alcance, binóculos e vinho do Porto, vão inevitavelmente disparar contra algumas praias com turistas tomando banhos de sol e provenientes da mesma Rússia. À medida que os pedaços de turistas são separados em sacolas, os almirantes suados vão se esquivando. Não por causa dos turistas, mas depois de descobrir que os cascos de seus navios de guerra são mantidos juntos apenas por uma espessa camada de tinta.

É claro que, no que diz respeito a toda a parte de "morrer", acontecerá que as caricaturas patrióticas não podem fazer guerra ou morrer por si mesmas. E as linhas de frente, como é tradição, serão presenteadas com recrutas que só têm experiência em atirar com esfregões e pás, correr para pegar a cerveja para os seus mais antigos e arrumar camas. Essas galinhas camufladas serão estranguladas pelos batalhões Yarosh desesperadamente ferozes, experientes e altamente motivados - cerca de cinco mil na primeira semana. A Rússia será inundada pela chuva de caixões de zinco. Nem um único soldado ou oficial terá a menor idéia de por que diabos eles estão aqui e por cujos iates e palácios eles estão lutando.

O que, você acha que não haverá outro terminal ferroviário de Grozny? [Onde a Brigada Maikop foi emboscada e aniquilada] Certamente e inevitavelmente haverá. Já que os idiotas vestidos de calças com listras e encharcados de conhaque ainda são os mesmos, e continuam apontando seus pequenos lápis para seus mapas.

Generais Shoigu e Gerasimov.

A Rússia de alguma forma consegue encontrar humilhação em todos os lugares. Encontra-o, engole-o, digere-o de alguma forma e, durante vários anos, sofre de uma horrível diarreia midiática. Mas aqui ela vai morder a humilhação em quantidades indigestas.

Uma semana depois, a chuva de caixões de zinco só ficará mais forte. Pelo que se lutou a Guerra da Chechênia, que decorou as paisagens da Rússia com 18.000 lápides? Agora ficou mais ou menos claro: Construir palácios de diamantes, mesquitas em Grozny, curvar-se em reverência à Chechênia e transferir um bilhão de rublos todos os dias do orçamento federal. Em outras palavras, pagar-lhe um tributo digno de um vencedorE por esta exata razão o governo russo transformou milhares de seus meninos em carne queimada, e em torno da mesma quantidade aleijada. E isso considerando que na Chechênia eles não estavam lutando contra um exército, mas com alguns bandos de voluntários que nem eram soldados de verdade - apenas alguns poetas, ginecologistas e agrimensores.

Combatentes chechenos em Grozny, 1995.

Por que as pilhas de cadáveres eram necessárias? Você poderia começar a pagar a Chechênia imediatamente, sem disparar um único tiro. Aqueles oficiais russos cuja memória ainda não foi totalmente lavada com conhaque, certamente se lembrarão de todos os heróis presos da Primeira e da Segunda Guerras da Chechênia, começando pelo coronel Budanov, eles lembrarão de todas as intimidações dos tribunais e sua traição pelo governo. Oficiais são pessoas observadoras, certamente perceberam que a Pátria não perdoa feitos heróicos.

Em outras palavras, banho de sangue, terror, caos, clamor da imprensa, União das Mães dos Soldados, tudo isso aumentará dez vezes, a cada dia. A base informacional mundial, composta inteiramente de xingamentos, expondo e difamando a Rússia, estará colocando algemas mais pesada e acorrentar ainda mais os movimentos de um exército que já mal está em pé.

A chuva do caixões de zinco continuará ficando mais forte. Considere que não é apenas a propaganda russa que pode fabricar "Rapazes Crucificados". Mas você nem precisará inventar nada aqui, porque qualquer guerra cria precedentes bastante sangrentos e de partir o coração. E outras coisas à parte, esta não é apenas uma guerra com a Ucrânia, a Ucrânia teria sido apenas metade do problema. Esta também é uma guerra contra Odessa. Em outras palavras, a melhor maneira barata e eterna de se tornar motivo de chacota do mundo. O poderoso movimento anti-guerra na própria Rússia se tornará o núcleo que finalmente unirá todos os que odeiam o regime. E há outra nuance desagradável. Neste momento, o poder mágico da arte está em ação - desenhos animados, vídeos, declarações, desfiles, mas é melhor não familiarizar ninguém com as reais capacidades do exército russo.

Spetsnaz da companhia de reconhecimento paraquedista presos em um elevador.

Soldados russos capturados em Mariupol.

Depois de ver o exército russo em ação, os japoneses se lembrarão imediatamente das Ilhas Curilas, os alemães sorrirão sobre Konigsberg, a Moldávia sobre a Transnístria e assim por diante. E outra coisa. É preciso lembrar que o ambiente militar esconde surpresas difíceis e rápidas para o governo. O perigo da guerra também está em forjar rapidamente heróis, autoridades, favoritos das legiões, que logo perceberão que possuem todos os ases, e aquele que será o primeiro a confraternizar com os ucranianos e se tornará o mais legal e renomado.

Talvez alguns dos comandantes estejam realmente ardendo de desejo de resgatar o povo de língua russa, salvá-lo da opressão, da pobreza, da humilhação e do roubo. Mas se você tem aquela coceira terrível e imparável para salvar as pessoas, então, claro, você pode ir para Kiev, mas também pode ir para Moscou. As direções são, a este respeito, absolutamente equivalentes. Mas no caminho para Kiev, você encontrará os desesperados batalhões Yarosh, AFU, guerrilheiros, emboscadas, minas terrestres, snipers, humilhação e morte. Ao mesmo tempo, a estrada para Moscou está totalmente livre desses obstáculos, enquanto o resultado final é aproximadamente o mesmo.

Bem, Zolotov e a Guarda Nacional se juntarão rapidamente à OTAN. E Putin será deixado apenas com uma ligação para seu amigo, Biden, pedindo para enviar os fuzileiros navais americanos para proteger Moscou dos comandantes russos enlouquecidos.

Fim.

Leitura recomendada:

Por que a Rússia vai perder esta guerra?28 de fevereiro de 2022.

COMENTÁRIO: O Brasil não pode virar a Ucrânia amanhã2 de março de 2022.

A transformação na Rússia, por Kamil Galeev9 de março de 2022.

Uma coluna russa foi emboscada e destruída, o comandante regimental morreu10 de março de 2022.

Análise do FSB sobre a invasão da Ucrânia12 de março de 2022.

"Um grave fracasso": a escala dos erros militares da Rússia fica clara15 de março de 2022.

A Doutrina Putin20 de março de 2022.

domingo, 20 de março de 2022

A Doutrina Putin

O presidente russo, Vladimir Putin, em uma cerimônia diplomática em Moscou, em dezembro de 2021.
(Sputnik Photo Agency / Reuters)

Por Angela Stent, Foreign Affairs, 27 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de março de 2022.

Uma jogada na Ucrânia sempre foi parte do plano.

[Este artigo foi escrito antes da invasão de 24 de fevereiro]

A atual crise entre a Rússia e a Ucrânia é um acerto de contas que está sendo elaborado há 30 anos. É muito mais do que a Ucrânia e sua possível adesão à OTAN. É sobre o futuro da ordem europeia criada após o colapso da União Soviética. Durante a década de 1990, os Estados Unidos e seus aliados projetaram uma arquitetura de segurança euro-atlântica na qual a Rússia não tinha nenhum compromisso ou participação clara, e desde que o presidente russo Vladimir Putin chegou ao poder, a Rússia vem desafiando esse sistema. Putin reclamou rotineiramente que a ordem global ignora as preocupações de segurança da Rússia e exigiu que o Ocidente reconheça o direito de Moscou a uma esfera de interesses privilegiados no espaço pós-soviético. Ele organizou incursões em Estados vizinhos, como a Geórgia, que saíram da órbita da Rússia para impedir que se reorientassem totalmente.

Putin agora levou essa abordagem um passo adiante. Ele está ameaçando uma invasão muito mais abrangente da Ucrânia do que a anexação da Crimeia e a intervenção no Donbas que a Rússia realizou em 2014, uma invasão que prejudicaria a ordem atual e potencialmente reafirmaria a preeminência da Rússia no que ele insiste ser seu “legítimo” lugar no continente europeu e nos assuntos mundiais. Ele vê isso como um bom momento para agir. Em sua opinião, os Estados Unidos são fracos, divididos e menos capazes de buscar uma política externa coerente. Suas décadas no cargo o tornaram mais cínico sobre o poder de permanência dos Estados Unidos. Putin está agora lidando com seu quinto presidente dos EUA e passou a ver Washington como um interlocutor não confiável. O novo governo alemão ainda está encontrando seus pés políticos, a Europa como um todo está focada em seus desafios domésticos e o mercado de energia apertado dá à Rússia mais influência sobre o continente. O Kremlin acredita que pode contar com o apoio de Pequim, assim como a China apoiou a Rússia depois que o Ocidente tentou isolá-la em 2014.

Putin ainda pode decidir não invadir. Mas, quer ele faça ou não, o comportamento do presidente russo está sendo impulsionado por um conjunto interligado de princípios de política externa que sugerem que Moscou será disruptivo nos próximos anos. Chame isso de “doutrina Putin”. O elemento central dessa doutrina é fazer com que o Ocidente trate a Rússia como se fosse a União Soviética, uma potência a ser respeitada e temida, com direitos especiais em sua vizinhança e voz em todos os assuntos internacionais sérios. A doutrina sustenta que apenas alguns Estados devem ter esse tipo de autoridade, juntamente com soberania completa, e que outros devem se curvar aos seus desejos. Implica defender regimes autoritários em vigor e minar democracias. E a doutrina está ligada ao objetivo abrangente de Putin: reverter as consequências do colapso soviético, dividir a aliança transatlântica e renegociar o assentamento geográfico que encerrou a Guerra Fria.

Explosão do passado

A Rússia, de acordo com Putin, tem direito absoluto a um assento à mesa em todas as principais decisões internacionais. O Ocidente deve reconhecer que a Rússia pertence ao conselho de administração global. Depois do que Putin retrata como a humilhação da década de 1990, quando uma Rússia muito enfraquecida foi forçada a aderir a uma agenda definida pelos Estados Unidos e seus aliados europeus, ele alcançou amplamente esse objetivo. Embora Moscou tenha sido expulsa do G-8 após a anexação da Crimeia, seu veto no Conselho de Segurança das Nações Unidas e seu papel como superpotência energética, nuclear e geográfica garantem que o resto do mundo leve em consideração suas opiniões. A Rússia reconstruiu com sucesso suas forças armadas após a guerra de 2008 com a Geórgia, e agora é a potência militar regional proeminente, com a capacidade de projetar poder globalmente. A capacidade de Moscou de ameaçar seus vizinhos permite forçar o Ocidente à mesa de negociações, como ficou tão evidente nas últimas semanas.


No que diz respeito a Putin, o uso da força é perfeitamente apropriado se a Rússia acredita que sua segurança está ameaçada: os interesses da Rússia são tão legítimos quanto os do Ocidente, e Putin afirma que os Estados Unidos e a Europa os desconsideraram. Na maior parte, os Estados Unidos e a Europa rejeitaram a narrativa de queixa do Kremlin, que se concentra principalmente na dissolução da União Soviética e especialmente na separação da Ucrânia da Rússia. Quando Putin descreveu o colapso soviético como uma “grande catástrofe geopolítica do século XX”, ele lamentava o fato de 25 milhões de russos se encontrarem fora da Rússia e criticava particularmente o fato de 12 milhões de russos se encontrarem no novo Estado ucraniano. Como ele escreveu em um tratado de 5.000 palavras publicado no verão passado e intitulado “Sobre a unidade histórica de russos e ucranianos”, em 1991, “as pessoas se viram no exterior da noite para o dia, levadas, desta vez, de sua pátria histórica”. Seu ensaio foi recentemente distribuído às tropas russas.

Em um ensaio no ano passado, Putin escreveu que a Ucrânia estava sendo transformada em “um trampolim contra a Rússia”.

Essa narrativa de perda para o Ocidente está ligada a uma obsessão particular de Putin: a ideia de que a OTAN, não contente em apenas admitir ou ajudar Estados pós-soviéticos, pode ameaçar a própria Rússia. O Kremlin insiste que essa preocupação se baseia em preocupações reais. Afinal, a Rússia foi repetidamente invadida pelo Ocidente. No século XX, foi invadida por forças aliadas anti-bolcheviques, incluindo algumas dos Estados Unidos, durante sua guerra civil de 1917 a 1922. A Alemanha invadiu duas vezes, levando à perda de 26 milhões de cidadãos soviéticos na Segunda Guerra Mundial. Putin vinculou explicitamente essa história às preocupações atuais da Rússia sobre a infraestrutura da OTAN que se aproxima das fronteiras da Rússia e as demandas resultantes de Moscou por garantias de segurança.

Hoje, no entanto, a Rússia é uma superpotência nuclear brandindo novos mísseis hipersônicos. Nenhum país – muito menos seus vizinhos menores e mais fracos – tem qualquer intenção de invadir a Rússia. De fato, os vizinhos do país a oeste têm uma narrativa diferente e enfatizam sua vulnerabilidade ao longo dos séculos à invasão da Rússia. Os Estados Unidos também nunca atacariam, embora Putin os tenha acusado de tentar “cortar um pedaço suculento de nossa torta”. No entanto, a auto-percepção histórica da vulnerabilidade da Rússia repercute na população do país. A mídia controlada pelo governo está repleta de alegações de que a Ucrânia poderia ser uma plataforma de lançamento para a agressão da OTAN. De fato, em seu ensaio no ano passado, Putin escreveu que a Ucrânia estava sendo transformada em “um trampolim contra a Rússia”.

Putin também acredita que a Rússia tem direito absoluto a uma esfera de interesses privilegiados no espaço pós-soviético. Isso significa que seus antigos vizinhos soviéticos não devem aderir a nenhuma aliança considerada hostil a Moscou, particularmente a OTAN ou a União Européia. Putin deixou essa exigência clara nos dois tratados propostos pelo Kremlin em 17 de dezembro, que exigem que a Ucrânia e outros países pós-soviéticos – bem como a Suécia e a Finlândia – se comprometam com a neutralidade permanente e evitem a adesão à OTAN. A OTAN também teria que recuar para sua postura militar de 1997, antes de sua primeira ampliação, removendo todas as tropas e equipamentos da Europa Central e Oriental. (Isso reduziria a presença militar da OTAN ao que era quando a União Soviética se desintegrou.) A Rússia também teria poder de veto sobre as escolhas de política externa de seus vizinhos não pertencentes à OTAN. Isso garantiria que os governos pró-Rússia estivessem no poder nos países que fazem fronteira com a Rússia – incluindo, principalmente, a Ucrânia.

Dividir e conquistar

Até agora, nenhum governo ocidental estava preparado para aceitar essas exigências extraordinárias. Os Estados Unidos e a Europa adotam amplamente a premissa de que as nações são livres para determinar seus sistemas domésticos e suas afiliações de política externa. De 1945 a 1989, a União Soviética negou a autodeterminação à Europa Central e Oriental e exerceu controle sobre as políticas doméstica e externa dos membros do Pacto de Varsóvia por meio de partidos comunistas locais, a polícia secreta e o Exército Vermelho. Quando um país se afastou demais do modelo soviético — Hungria em 1956 e Tchecoslováquia em 1968 — seus líderes foram depostos à força. O Pacto de Varsóvia foi uma aliança que teve um histórico único: invadiu apenas seus próprios membros.

Cidadãos alemães-orientais atirando pedras num tanque soviético durante a intervenção de 1953.

A interpretação moderna da soberania do Kremlin tem paralelos notáveis com a da União Soviética. Sustenta, parafraseando George Orwell, que alguns Estados são mais soberanos do que outros. Putin disse que apenas algumas grandes potências – Rússia, China, Índia e Estados Unidos – desfrutam de soberania absoluta, livres para escolher quais alianças aderir ou rejeitar. Países menores, como Ucrânia ou Geórgia, não são totalmente soberanos e devem respeitar as restrições da Rússia, assim como a América Central e a América do Sul, segundo Putin, devem atender seu grande vizinho do norte. A Rússia também não busca aliados no sentido ocidental da palavra, mas busca parcerias instrumentais e transacionais mutuamente benéficas com países, como a China, que não restringem a liberdade da Rússia de agir ou julgar sua política interna.

Tais parcerias autoritárias são um elemento da Doutrina Putin. O presidente apresenta a Rússia como defensora do status quo, defensora dos valores conservadores e um ator internacional que respeita os líderes estabelecidos, especialmente os autocratas. Como os eventos recentes na Bielorrússia e no Cazaquistão mostraram, a Rússia é o poder principal para apoiar governantes autoritários em apuros. Defendeu autocratas tanto em sua vizinhança quanto em muito além – inclusive em Cuba, Líbia, Síria e Venezuela. O Ocidente, de acordo com o Kremlin, apoia o caos e a mudança de regime, como aconteceu durante a guerra do Iraque em 2003 e a Primavera Árabe em 2011.

O Pacto de Varsóvia foi uma aliança que teve um histórico único: invadiu apenas seus próprios membros.

Mas em sua própria “esfera de interesses privilegiados”, a Rússia pode atuar como uma potência revisionista quando considera seus interesses ameaçados ou quando quer avançar em seus interesses, como demonstraram a anexação da Crimeia e as invasões da Geórgia e da Ucrânia. A tentativa da Rússia de ser reconhecida como líder e apoiadora de regimes de homens fortes tem sido cada vez mais bem-sucedida nos últimos anos, à medida que grupos mercenários apoiados pelo Kremlin agiram em nome da Rússia em muitas partes do mundo, como é o caso da Ucrânia.

A interferência revisionista de Moscou também não se limita ao que considera seu domínio privilegiado. Putin acredita que os interesses da Rússia são mais bem atendidos por uma aliança transatlântica fraturada. Assim, ele apoiou grupos antiamericanos e eurocéticos na Europa; apoiou movimentos populistas de esquerda e direita em ambos os lados do Atlântico; envolvidos em interferência eleitoral; e geralmente trabalhou para exacerbar a discórdia nas sociedades ocidentais. Um de seus principais objetivos é fazer com que os Estados Unidos se retirem da Europa. O presidente dos EUA, Donald Trump, desdenhou da aliança da OTAN e desdenhou alguns dos principais aliados europeus dos Estados Unidos – principalmente a então chanceler alemã Angela Merkel – e falou abertamente em retirar os Estados Unidos da organização. O governo do presidente dos EUA, Joe Biden, buscou assiduamente reparar a aliança e, de fato, a crise fabricada de Putin sobre a Ucrânia reforçou a unidade da aliança. Mas há dúvidas suficientes na Europa sobre a durabilidade do compromisso dos EUA após 2024 para que a Rússia tenha encontrado algum sucesso reforçando o ceticismo, principalmente por meio das mídias sociais.

Autoridades militares venezuelanas e russas.

O enfraquecimento da aliança transatlântica poderia abrir o caminho para Putin realizar seu objetivo final: abandonar a ordem internacional liberal e baseada em regras do pós-Guerra Fria promovida pela Europa, Japão e Estados Unidos em favor de uma ordem mais acessível à Rússia. Para Moscou, esse novo sistema pode se assemelhar ao concerto de poderes do século XIX. Também poderia se transformar em uma nova encarnação do sistema de Yalta, onde a Rússia, os Estados Unidos e agora a China dividem o mundo em esferas de influência tripolares. A crescente aproximação de Moscou com Pequim de fato reforçou o apelo da Rússia por uma ordem pós-Ocidente. Tanto a Rússia quanto a China exigem um novo sistema no qual exerçam mais influência em um mundo multipolar.

Os sistemas dos séculos XIX e XX reconheciam certas regras do jogo. Afinal, durante a Guerra Fria, os Estados Unidos e a União Soviética respeitavam principalmente as esferas de influência um do outro. As duas crises mais perigosas daquela época – o ultimato de Berlim em 1958 do primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev e a crise dos mísseis cubanos em 1962 – foram desarmadas antes do início do conflito militar. Mas se o presente é alguma indicação, parece que a “ordem” pós-Ocidente de Putin seria um mundo hobbesiano desordenado com poucas regras do jogo. Em busca de seu novo sistema, o modus operandi de Putin é manter o Ocidente desequilibrado, adivinhando suas verdadeiras intenções e depois surpreendendo quando ele age.

O recomeço russo

Dado o objetivo final de Putin, e dada sua crença de que agora é a hora de forçar o Ocidente a responder aos seus ultimatos, a Rússia pode ser dissuadida de lançar outra incursão militar na Ucrânia? Ninguém sabe o que Putin decidirá em última análise. Mas sua convicção de que o Ocidente ignorou o que ele considera os interesses legítimos da Rússia por três décadas continua a impulsionar suas ações. Ele está determinado a reafirmar o direito da Rússia de limitar as escolhas soberanas de seus vizinhos e ex-aliados do Pacto de Varsóvia e forçar o Ocidente a aceitar esses limites – seja pela diplomacia ou pela força militar.

Isso não significa que o Ocidente é impotente. Os Estados Unidos devem continuar a buscar diplomacia com a Rússia e buscar criar um modus vivendi que seja aceitável para ambos os lados sem comprometer a soberania de seus aliados e parceiros. Ao mesmo tempo, deve continuar coordenando com os europeus para responder e impor custos à Rússia. Mas está claro que, mesmo que a Europa evite a guerra, não há como voltar à situação anterior à Rússia começar a reunir suas tropas em março de 2021. O resultado final desta crise poderia ser a terceira reorganização da segurança euro-atlântica desde o final da década de 1940. A primeira veio com a consolidação do sistema de Yalta em dois blocos rivais na Europa após a Segunda Guerra Mundial. A segunda surgiu de 1989 a 1991, com o colapso do bloco comunista e depois da própria União Soviética, seguido pelo impulso subsequente do Ocidente para criar uma Europa “inteira e livre”. Putin agora desafia diretamente essa ordem com seus movimentos contra a Ucrânia.

Enquanto os Estados Unidos e seus aliados aguardam o próximo passo da Rússia e tentam deter uma invasão com diplomacia e a ameaça de pesadas sanções, eles precisam entender os motivos de Putin e o que eles anunciam. A crise atual é, em última análise, sobre a Rússia redesenhando o mapa pós-Guerra Fria e buscando reafirmar sua influência sobre metade da Europa, com base na afirmação de que está garantindo sua própria segurança. Pode ser possível evitar um conflito militar desta vez. Mas enquanto Putin permanecer no poder, sua doutrina também permanecerá.

Angela Stent é membro sênior não residente da Brookings Institution e ex-oficial de inteligência nacional dos EUA para a Rússia e a Eurásia. Ela é a autora do livro Putin's World: Russia Against the West and With the Rest.

sábado, 19 de março de 2022

E se a Rússia vencer? Uma Ucrânia controlada pelo Kremlin transformaria a Europa

Por Liana Fix e Michael Kimmage, Foreign Affairs, 18 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de março de 2022.

[Esse artigo é uma análise em duas partes. A outra pode ser lida aqui.]

Quando a Rússia se juntou à guerra civil em curso na Síria, no verão de 2015, chocou os Estados Unidos e seus parceiros. Por frustração, o então presidente Barack Obama afirmou que a Síria se tornaria um “atoleiro” para a Rússia e o presidente russo Vladimir Putin. A Síria seria o Vietnã da Rússia ou o Afeganistão de Putin, um erro grave que acabaria se repercutindo contra os interesses russos.

A Síria não acabou como um atoleiro para Putin. A Rússia mudou o curso da guerra, salvando o presidente sírio Bashar al-Assad da derrota iminente, e depois traduziu a força militar em influência diplomática. Manteve custos e baixas sustentáveis. Agora a Rússia não pode ser ignorada na Síria. Não houve acordo diplomático. Em vez disso, Moscou acumulou maior influência regional, de Israel à Líbia, e manteve um parceiro leal em Assad para a projeção de poder da Rússia. Na Síria, o que o governo Obama não antecipou foi a possibilidade de que a intervenção da Rússia fosse bem-sucedida.

No inverno surreal de 2021-22, os Estados Unidos e a Europa estão mais uma vez contemplando uma grande intervenção militar russa, desta vez na própria Europa. E mais uma vez, muitos analistas alertam para consequências terríveis para o agressor. Em 11 de fevereiro, o ministro de Estado britânico para a Europa, James Cleverly, previu que uma guerra mais ampla na Ucrânia “seria um atoleiro” para a Rússia. Em uma análise racional de custo-benefício, diz o pensamento, o preço de uma guerra em grande escala na Ucrânia seria punitivamente alto para o Kremlin e acarretaria um derramamento de sangue significativo. Os Estados Unidos estimaram cerca de 50.000 vítimas civis. Além de minar o apoio de Putin entre a elite russa, que sofreria pessoalmente com as tensões que se seguiriam com a Europa, uma guerra poderia colocar em risco a economia da Rússia e alienar o público. Ao mesmo tempo, poderia aproximar as tropas da OTAN das fronteiras da Rússia, deixando a Rússia para lutar contra a resistência ucraniana nos próximos anos. De acordo com essa visão, a Rússia estaria presa em um desastre de sua própria autoria.

No entanto, a análise de custo-benefício de Putin parece favorecer a derrubada do status quo europeu. A liderança russa está assumindo mais riscos e, acima da briga da política do dia-a-dia, Putin está em uma missão histórica para solidificar a influência da Rússia na Ucrânia (como fez recentemente na Bielorrússia e no Cazaquistão). E na visão de Moscou, uma vitória na Ucrânia pode estar ao seu alcance. É claro que a Rússia pode simplesmente prolongar a crise atual sem invadir ou encontrar uma maneira palatável de se desvencilhar. Mas se o cálculo do Kremlin estiver certo, como no final foi na Síria, os Estados Unidos e a Europa também devem estar preparados para uma eventualidade que não seja um atoleiro. E se a Rússia vencer na Ucrânia?

Se a Rússia ganhar o controle da Ucrânia ou conseguir desestabilizá-la em grande escala, começará uma nova era para os Estados Unidos e para a Europa. Os líderes americanos e europeus enfrentariam o duplo desafio de repensar a segurança europeia e de não serem arrastados para uma guerra maior com a Rússia. Todos os lados teriam que considerar o potencial de adversários com armas nucleares em confronto direto. Essas duas responsabilidades – defender com firmeza a paz europeia e evitar com prudência a escalada militar com a Rússia – não serão necessariamente compatíveis. Os Estados Unidos e seus aliados podem se encontrar profundamente despreparados para a tarefa de criar uma nova ordem de segurança europeia como resultado das ações militares da Rússia na Ucrânia.

Muitas maneiras de ganhar


Para a Rússia, a vitória na Ucrânia pode assumir várias formas. Como na Síria, a vitória não precisa resultar em um acordo sustentável. Poderia envolver a instalação de um governo complacente em Kiev ou a divisão do país. Alternativamente, a derrota das forças armadas ucranianas e a negociação de uma rendição ucraniana poderiam efetivamente transformar a Ucrânia em um Estado falido. A Rússia também poderia empregar ataques cibernéticos devastadores e ferramentas de desinformação, apoiadas pela ameaça da força, para paralisar o país e induzir a mudança de regime. Com qualquer um desses resultados, a Ucrânia terá sido efetivamente separada do Ocidente.

Se a Rússia alcançar seus objetivos políticos na Ucrânia por meios militares, a Europa não será o que era antes da guerra. Não apenas a primazia dos EUA na Europa foi qualificada; qualquer sentido de que a União Européia ou a OTAN possam garantir a paz no continente será o artefato de uma era perdida. Em vez disso, a segurança na Europa terá de ser reduzida à defesa dos membros centrais da UE e da OTAN. Todos fora dos clubes ficarão sozinhos, com exceção da Finlândia e da Suécia. Isso pode não ser necessariamente uma decisão consciente de acabar com o alargamento ou as políticas de associação; mas será uma política de facto. Sob um cerco percebido pela Rússia, a UE e a OTAN não terão mais capacidade para políticas ambiciosas além de suas próprias fronteiras.

Os Estados Unidos e a Europa também estarão em estado de guerra econômica permanente com a Rússia. O Ocidente procurará aplicar sanções abrangentes, que a Rússia provavelmente evitará com medidas cibernéticas e chantagem energética, dadas as assimetrias econômicas. A China pode muito bem ficar do lado da Rússia neste olho por olho econômico. Enquanto isso, a política interna nos países europeus se assemelhará a um grande jogo do século XXI, no qual a Rússia estudará a Europa para qualquer ruptura no compromisso com a OTAN e com o relacionamento transatlântico. Através de métodos justos e sujos, a Rússia aproveitará qualquer oportunidade para influenciar a opinião pública e as eleições nos países europeus. A Rússia será uma presença anárquica – às vezes real, às vezes imaginária – em todos os casos de instabilidade política europeia.

Os Estados membros do Leste teriam tropas da OTAN permanentemente em seu solo.

As analogias da Guerra Fria não serão úteis em um mundo com uma Ucrânia russificada. A fronteira da Guerra Fria na Europa teve seus pontos críticos, mas foi estabilizada de forma mutuamente aceitável no Ato Final de Helsinque de 1975. Em contraste, a suserania russa sobre a Ucrânia abriria uma vasta zona de desestabilização e insegurança da Estônia à Polônia e da Romênia  à Turquia. Enquanto durar, a presença da Rússia na Ucrânia será percebida pelos vizinhos da Ucrânia como provocativa e inaceitável e, para alguns, como uma ameaça à sua própria segurança. Em meio a essa dinâmica em mudança, a ordem na Europa terá que ser concebida principalmente em termos militares – o que, como a Rússia tem uma mão mais forte no campo militar do que no econômico, será do interesse do Kremlin – deixando de lado instituições não-militares como a União Européia.

A Rússia tem o maior exército convencional da Europa, o qual está mais do que pronta para usar. A política de defesa da UE – em contraste com a da OTAN – está longe de ser capaz de proporcionar segurança aos seus membros. Assim, a garantia militar, especialmente dos membros orientais da UE, será fundamental. Responder a uma Rússia revanchista com sanções e com a proclamação retórica de uma ordem internacional baseada em regras não será suficiente.

Ameaçar o leste da Europa

No caso de uma vitória russa na Ucrânia, a posição da Alemanha na Europa será severamente desafiada. A Alemanha é uma potência militar marginal que baseou sua identidade política do pós-guerra na rejeição da guerra. O círculo de amigos de que se cercou, especialmente no leste com a Polônia e os países bálticos, corre o risco de ser desestabilizado pela Rússia. A França e o Reino Unido assumirão papéis de liderança nos assuntos europeus em virtude de suas forças armadas comparativamente fortes e longa tradição de intervenções militares. O fator-chave na Europa, no entanto, continuará sendo os Estados Unidos. A OTAN dependerá do apoio dos EUA, assim como os países ansiosos e ameaçados do leste da Europa, as nações da linha de frente dispostas ao longo de uma linha de contato agora muito grande, expandida e incerta com a Rússia, incluindo a Bielorrússia e as partes da Ucrânia controladas pelos russos.

Os Estados membros do leste, incluindo Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia, provavelmente terão um número substancial de tropas da OTAN permanentemente estacionadas em seu solo. Um pedido da Finlândia e da Suécia para obter um compromisso do Artigo 5 e aderir à OTAN seria impossível de rejeitar. Na Ucrânia, os países da UE e da OTAN nunca reconhecerão um novo regime apoiado pela Rússia criado por Moscou. Mas eles enfrentarão o mesmo desafio que enfrentam com a Bielo-Rússia: aplicar sanções sem punir a população e apoiar os necessitados sem ter acesso a elas. Alguns membros da OTAN apoiarão uma insurgência ucraniana, à qual a Rússia responderá ameaçando os membros da OTAN.

O predicamento da Ucrânia será muito grande. Os refugiados fugirão em várias direções, possivelmente aos milhões. E as partes das forças armadas ucranianas que não forem derrotadas diretamente continuarão lutando, ecoando a guerra de guerrilhas que destruiu toda essa região da Europa durante e após a Segunda Guerra Mundial.

O estado permanente de escalada entre a Rússia e a Europa pode permanecer frio do ponto de vista militar. É provável, porém, que seja economicamente quente. As sanções impostas à Rússia em 2014, que estavam ligadas à diplomacia formal (muitas vezes referida como o processo "de Minsk”, devido à cidade em que as negociações foram realizadas), não foram draconianas. Eles eram reversíveis, bem como condicionais. Após uma invasão russa da Ucrânia, novas sanções bancárias e de transferência de tecnologia seriam significativas e permanentes. Eles viriam na esteira de uma diplomacia fracassada e começariam “no topo da escada”, de acordo com o governo dos EUA. Em resposta, a Rússia retaliará, muito possivelmente no domínio cibernético, bem como no setor de energia. Moscou limitará o acesso a bens críticos, como titânio, dos quais a Rússia é o segundo maior exportador mundial. Esta guerra de atrito testará ambos os lados. A Rússia será implacável ao tentar fazer com que um ou vários Estados europeus se afastem do conflito econômico, vinculando o relaxamento da tensão ao interesse próprio desses países, minando assim o consenso na UE e na OTAN.

O ponto forte da Europa é sua alavancagem econômica. O ativo da Rússia será qualquer fonte de divisão doméstica ou interrupção na Europa ou nos parceiros transatlânticos da Europa. Aqui a Rússia será proativa e oportunista. Se um movimento ou candidato pró-Rússia aparecer, esse candidato pode ser incentivado direta ou indiretamente. Se um ponto sensível econômico ou político diminuir a eficácia da política externa dos Estados Unidos e seus aliados, será uma arma para os esforços de propaganda russa e para a espionagem russa.

Muito disso já está acontecendo. Mas uma guerra na Ucrânia aumentará a aposta. A Rússia usará mais recursos e será desencadeada na escolha dos instrumentos. Os fluxos maciços de refugiados que chegam à Europa exacerbarão a política de refugiados não resolvida da UE e fornecerão um terreno fértil para os populistas. O Santo Graal dessas batalhas informativas, políticas e cibernéticas será a eleição presidencial de 2024 nos Estados Unidos. O futuro da Europa dependerá desta eleição. A eleição de Donald Trump ou de um candidato trumpiano pode destruir a relação transatlântica na hora de maior perigo da Europa, colocando em causa a posição da OTAN e as suas garantias de segurança para a Europa.

Voltando a OTAN para dentro


Para os Estados Unidos, uma vitória russa teria efeitos profundos em sua grande estratégia na Europa, Ásia e Oriente Médio. Primeiro, o sucesso russo na Ucrânia exigiria que Washington se voltasse para a Europa. Nenhuma ambiguidade sobre o Artigo 5 da OTAN (do tipo experimentado por Trump) será permitida. Apenas um forte compromisso dos EUA com a segurança europeia impedirá a Rússia de dividir os países europeus uns dos outros. Isso será difícil à luz de prioridades concorrentes, especialmente aquelas que enfrentam os Estados Unidos em um relacionamento deteriorado com a China. Mas os interesses em jogo são fundamentais. Os Estados Unidos têm ações comerciais muito grandes na Europa. A União Europeia e os Estados Unidos são os maiores parceiros comerciais e de investimento um do outro, com o comércio de bens e serviços totalizando US$ 1,1 trilhão em 2019. Uma Europa pacífica e que funcione bem aumenta a política externa americana – sobre mudanças climáticas, não-proliferação, sobre a opinião pública global saúde e na gestão das tensões com a China ou a Rússia. Se a Europa estiver desestabilizada, os Estados Unidos ficarão muito mais sozinhos no mundo.

A OTAN é o meio lógico pelo qual os Estados Unidos podem fornecer garantias de segurança à Europa e deter a Rússia. Uma guerra na Ucrânia reviveria a OTAN não como um empreendimento de construção da democracia ou como uma ferramenta para expedições fora da área, como a guerra no Afeganistão, mas como a aliança militar defensiva insuperável que foi projetada para ser. Embora os europeus exijam dos Estados Unidos um maior compromisso militar com a Europa, uma invasão russa mais ampla da Ucrânia deve levar todos os membros da OTAN a aumentar seus gastos com defesa. Para os europeus, esta seria a chamada final para melhorar as capacidades defensivas da Europa – em conjunto com os Estados Unidos – a fim de ajudar os Estados Unidos a administrar o dilema russo-chinês.

As superpotências nucleares teriam que manter sua indignação sob controle.

Para uma Moscou agora em permanente confronto com o Ocidente, Pequim poderia servir como apoio econômico e parceiro na oposição à hegemonia dos EUA. Na pior das hipóteses para a grande estratégia dos EUA, a China pode ser encorajada pela assertividade da Rússia e ameaçar o confronto sobre Taiwan. Mas não há garantia de que uma escalada na Ucrânia beneficiará o relacionamento sino-russo. A ambição da China de se tornar o nó central da economia eurasiana será prejudicada pela guerra na Europa, por causa das incertezas brutais que a guerra traz. A irritação chinesa com uma Rússia em marcha não permitirá uma reaproximação entre Washington e Pequim, mas poderá iniciar novas conversas.

O choque de um grande movimento militar da Rússia também levantará questões em Ancara. A Turquia do presidente Recep Tayyip Erdogan tem desfrutado do venerável jogo da Guerra Fria de jogar com as superpotências. No entanto, a Turquia tem uma relação substancial com a Ucrânia. Como membro da OTAN, não se beneficiará da militarização do Mar Negro e do Mediterrâneo oriental. As ações russas que desestabilizam a região mais ampla podem empurrar a Turquia de volta para os Estados Unidos, o que, por sua vez, pode criar uma barreira entre Ancara e Moscou. Isso seria bom para a OTAN e também abriria maiores possibilidades para uma parceria EUA-Turca no Oriente Médio. Em vez de um incômodo, a Turquia pode se tornar o aliado que deveria ser.

Uma amarga consequência de uma guerra mais ampla na Ucrânia é que a Rússia e os Estados Unidos agora se enfrentariam como inimigos na Europa. No entanto, eles serão inimigos que não podem se dar ao luxo de levar as hostilidades além de um certo limite. Por mais distantes que sejam suas visões de mundo, por mais ideologicamente opostas, as duas potências nucleares mais importantes do mundo terão que manter sua indignação sob controle. Isso equivalerá a um malabarismo fantasticamente complicado: um estado de guerra econômica e luta geopolítica em todo o continente europeu, mas um estado de coisas que não permite que a escalada se transforme em guerra total. Ao mesmo tempo, o confronto EUA-Rússia pode, na pior das hipóteses, se estender a guerras por procuração no Oriente Médio ou na África, se os Estados Unidos decidirem restabelecer sua presença após a catastrófica retirada do Afeganistão.

Manter a comunicação, especialmente em estabilidade estratégica e segurança cibernética, será crucial. É notável que a cooperação EUA-Rússia em atividades cibernéticas maliciosas continue mesmo durante as atuais tensões. A necessidade de manter acordos rigorosos de controle de armas será ainda maior após uma guerra na Ucrânia e o regime de sanções que a segue.

Nenhuma vitória é permanente

À medida que a crise na Ucrânia se desenrola, o Ocidente não deve subestimar a Rússia. Não deve apostar em narrativas inspiradas por desejos. A vitória russa na Ucrânia não é ficção científica.

Mas se houver pouco que o Ocidente possa fazer para impedir uma conquista militar russa, será capaz de influenciar o que acontecerá depois. Muitas vezes, as sementes do problema estão sob o verniz da vitória militar. A Rússia pode eviscerar a Ucrânia no campo de batalha. Pode tornar a Ucrânia um Estado falido. Mas só pode fazê-lo processando uma guerra criminosa e devastando a vida de um Estado-nação que nunca invadiu a Rússia. Os Estados Unidos e a Europa e seus aliados e outras partes do mundo tirarão conclusões e criticarão as ações russas. Por meio de suas alianças e de seu apoio ao povo da Ucrânia, os Estados Unidos e a Europa podem incorporar a alternativa às guerras de agressão e ao ethos do poder que faz o certo. Os esforços russos para semear a desordem podem ser contrastados com os esforços ocidentais para restaurar a ordem.

Por mais que os Estados Unidos tenham mantido as propriedades diplomáticas dos três Estados bálticos em Washington, D.C., depois de terem sido anexados pela União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial, o Ocidente pode se colocar do lado da decência e da dignidade nesse conflito. Guerras que são vencidas nunca são vencidas para sempre. Com demasiada frequência, os países se derrotam ao longo do tempo lançando e vencendo as guerras erradas.