Mostrando postagens com marcador Estônia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Estônia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Se o Mali cooperar com os mercenários Wagner, a Estônia vai partir

Pelotão das Forças de Operações Especiais da Estônia no Mali.

Do ERR News, 22 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de outubro de 2021.

A Estônia retirará suas tropas que servem no Mali se o governo local decidir começar a trabalhar com a empresa militar privada russa Grupo Wagner e permitir que seus mercenários entrem no país, disse o Ministro da Defesa Kalle Laanet. O ministro também acredita que a Estônia terá capacidade para monitorar a situação regional no contexto da defesa aérea de médio alcance em cinco anos.

"Estou certamente convicto de que se houver um acordo de cooperação feito com o Grupo Wagner e o exército privado Wagner começar a operar no Mali, o contingente estoniano partirá", disse Laanet ao noticiário "Uudis+" da Vikerraadio na quarta-feira.

A Reuters relatou na semana passada um acordo em andamento que permitiria aos mercenários Wagner entrarem no Mali, estendendo a influência russa sobre os assuntos de segurança na África Ocidental. Uma fonte europeia que rastreia a África Ocidental e uma fonte de segurança na região disse que pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos.

Aproximadamente 100 membros das Forças de Defesa da Estônia (EDF) estão participando de três operações de paz no Mali, como parte da Operação Barkhane liderada pela França.

Em resposta aos planos da França de reduzir sua capacidade de missão no Mali, a junta militar no poder anunciou planos para contratar a empresa mercenária russa Grupo Wagner para treinar seus soldados e proteger altos funcionários do Estado. No ano anterior, houve dois golpes de Estado no Mali.

Laanet disse que cabe a Paris decidir sobre a possível cooperação de mercenários russos e tropas francesas, mas a Estônia não quer trabalhar com soldados do Grupo Wagner.

"Cabe aos franceses decidir se podem trabalhar lado a lado com uma empresa de segurança russa, mas os estonianos certamente não podem fazê-lo e nosso maior perigo ainda é do Leste - a Rússia. O maior perigo da OTAN ainda vem daquela direção e como a França é membro da OTAN, é completamente lógico que não é possível cooperar com nosso maior inimigo ou de onde vêm os maiores riscos militares", disse o ministro da Defesa ao ERR.

Patrulha final da ESTPLA-30 no Mali.

Laanet disse que a França e seus aliados pediram ao governo do Mali que organize eleições democráticas no próximo ano para permitir que um governo civil volte ao poder.

"Eu entendo perfeitamente aqueles que estão atualmente no poder no Mali - por que deveriam voluntariamente abrir mão de seu poder? E eles acham que foram inteligentes o suficiente e voltaram suas atenções para a Rússia e permitirão que o Grupo Wagner ajude a trazer paz ao Mali", Laanet explicado.

“É do interesse dos russos obter acesso aos recursos africanos e é do interesse dos malianos exercer pressão sobre a comunidade internacional - França e outros aliados - para que não exijam eleições democráticas e recuem”, afirmou o ministro disse.

A Operação Barkhane é uma missão anti-insurgência liderada pela França, que visa apoiar os governos dos países da região do Sahel, Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Níger e Chade, em sua luta contra os terroristas islâmicos.

A Operação Barkhane também apoia a missão MINUSMA da ONU e a missão de treinamento da UE EUTM Mali para garantir a estabilidade no país africano. Ambas as missões acima mencionadas também consistem em cerca de uma dúzia de soldados estonianos cada.

Estônia monitorará as defesas aéreas da região do Mar Báltico em cinco anos

Laanet também falou sobre os gastos com defesa e observou que a Estônia deve ter capacidade para monitorar a situação no contexto das defesas aéreas de médio alcance na região do Mar Báltico dentro de cinco anos.

"Não ousaria dizer que podemos desenvolver defesas aéreas na região do Báltico em alguma data, mas podemos melhorar nossa conscientização sobre o Mar Báltico, providenciar todos os tipos de equipamentos de gestão. Ou seja, começaremos a desenvolver essa capacidade passo a passo e acredito que possa estar em algum nível nos próximos cinco anos", disse o ministro.

Respondendo a uma pergunta sobre defesas aéreas, o que significa mísseis antiaéreos, Laanet disse que considera a conscientização a coisa mais importante. "E, em segundo lugar, teríamos sistemas de controle anti-aéreo em funcionamento. Acredito que o lançamento de foguetes levará algum tempo."

Pessoal da Marinha da Estônia (Merevägi) no 102º aniversário da força.

Ele ressaltou que em breve será alcançado um acordo para a compra de mísseis anti-navio no valor de € 46 milhões. Além disso, a EDF pretende adquirir munições de grande calibre, que custarão cerca de € 25 milhões. Um montante semelhante será alocado para melhorar a prontidão dos veículos, outros € 15 milhões serão investidos na aquisição de canhões móveis adicionais, outros € 15 milhões serão usados para reconstruir veículos de combate CV-90 e um centro de medicina de emergência será desenvolvido no aeródromo Raadi.

Falando sobre a possível movimentação da Marinha da Estônia do Porto Minerador de Tallinn, Laanet disse que apóia uma mudança, mas nenhuma decisão foi tomada. Em primeiro lugar, deve-se decidir se a marinha e a marinha da Polícia e Guardas de Fronteira podem se fundir.

"Essa análise chegou a um ponto em que deve chegar à mesa do governo no início de outubro e o governo só pode tomar uma decisão se a fusão for realista ou não", disse Laanet. "Se essa decisão for tomada, podemos olhar para frente e pensar para onde o porto principal pode ir. Não há necessidade de apressar as coisas antes disso."

Ele disse que pensa pessoalmente que o Porto Minerador de Tallinn não é o melhor lugar para uma base naval, mas os especialistas devem avaliar a situação e os políticos devem discutir a melhor opção disponível.

Falando sobre as fronteiras da Estônia à luz da crise migratória na Bielorrússia, Laanet disse que a EDF poderia colocar barreiras de arame farpado nas fronteiras da Estônia em alguns dias, se a migração do Leste assim o exigir.

"Estou mais do que convencido de que nossas tropas das forças de defesa e da Liga de Defesa podem levantar essas barreiras mais rápido do que na fronteira entre a Lituânia e a Bielo-Rússia", disse Laanet.

GALERIA: Pelotão estoniano no Mali


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de outubro de 2021.

Segunda-feira, dia 4 de outubro de 2021, o pelotão de infantaria da Força de Defesa da Estônia (Eesti Kaitsevägi) servindo na Operação Barkhane no Mali realizou uma operação conjunta com os soldados franceses para atacar grupos terroristas armados na região de Tin Hama e tranquilizar a população local.

A Estônia mantém um pelotão de 50 soldados como parte da Operação Barkhane, além de um número não-especificado de comandos na Força-Tarefa Takuba, de forças especiais européias.