Mostrando postagens com marcador CQB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador CQB. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

FOTO: SEALs da Coréia do Sul treinando CQB

UDT/SEAL coreanos treinando CQB em uma plataforma offshore, 17 de janeiro de 2013.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de setembro de 2021.

Os homens-rã sul-coreanos dos UDT/SEAL são parte integrante da Flotilha de Guerra Especial da Marinha da República da Coréia (Republic of Korea Navy Special Warfare Flotilla, NAVSPECWARFLOT ou WARFLOT; Coreano: 대한민국 해군 특수전 전단, Hanja: 大韓民國 海軍 特殊 戰 戰 團) é uma força de operações especiais da Marinha da Coréia do Sul. O WARFLOT também é conhecido como ROKN UDT/SEAL, porque o UDT/SEAL é o ramo da flotilha mais conhecido publicamente. Seu atual comandante é o General-de-Brigada Yoo Jae-man.

Os UDT/SEALs sob a WARFLOT são fortemente influenciados pelos SEALs da Marinha dos Estados Unidos, que inicialmente forneceram financiamento e experiência na criação da unidade, e ainda mantêm um relacionamento forte realizando regularmente treinamento conjunto de intercâmbio combinado (joint combined exchange trainingJCET) várias vezes por ano, utilizando helicópteros e submarinos americanos, e matriculando alunos todos os anos nos programas de guerra especial naval dos EUA, como o BUD/S e a escola EOD. Esse relacionamento também se manifesta nos nomes em inglês e coreano.

Insígnia personalizada com uma rã em alusão à vocação da tropa UDT/SEAL.

Ordem de batalha da Flotilha de Guerra Especial, com sede em Jinhae:
  • 1º Batalhão (força de ataque principal dividida em três unidades especializadas)
    • Esquadrão de Guerra Especial (Special Warfare Squadron, SEAL)
    • Equipe de Demolição Subaquática (Underwater Demolition Team, UDT)
    • Unidade de Resgate Marítimo/Contraterrorismo (CT/VBSS)
  • Unidade de Salvatagem de Navios (SSU) - com sede em Jinhae
    • 1ª Equipe de Operações de Resgate
    • 2ª Equipe de Operações de Resgate
    • 3ª Equipe de Operações de Resgate
    • Equipe de mergulho em alto mar
    • Grupo de apoio
  • 3º Batalhão (Apoio) - em Donghae anexado ao 1º Comando de Frota
  • 5º Batalhão (Apoio) - em Pyeongtaek anexado ao 2º Comando de Frota
  • Batalhão de Eliminação de Material Bélico Explosivo (EOD) - independente desde 2017
  • Batalhão de Inteligência Militar
A Unidade de Demolição Submarina (Underwater Demolition Unit, UDU) foi oficialmente estabelecida em 1954. Sua organização principal foi formada em setembro de 1948, quando o Corpo de Contra-Inteligência do Exército Americana criou uma unidade secreta de espionagem na Coréia. Em 1955, a unidade foi renomeada UDU, abreviação de Unidade de Demolições Subaquáticas. Suas missões principais foram se infiltrar na Coréia do Norte, sequestrar ou assassinar funcionários importantes, destruir estruturas importantes, reabastecer agentes, demolir infraestruturas de transporte, reconhecimento, escutas telefônicas nas comunicações do exército norte-coreano e atacar alvos militares no Norte.

A SWF esteve envolvido em missões de reconhecimento na Coréia do Norte até 1980, quando vários operadores foram separados para formar a unidade de inteligência UDU.

Em 1968, foi criada a Unidade de Disposição de Explosivos (Explosives Disposal Unit, EOD) e, em 1993, a SWF foi encarregada de erguer uma unidade de contraterrorismo marítimo, que até então era responsabilidade do 707º Grupo de Missão Especial do Exército. No final da década de 1990, o foco principal era a defesa da costa das frequentes tentativas do Norte de infiltrar agentes no Sul usando submarinos pequenos. A partir de 1º de janeiro de 2009, as Forças Especiais foram reorganizadas novamente e a Unidade de Salvamento de Navios (Ship Salvage Unit, SSU) foi subordinada ao 5º Batalhão.

Mais de 300 funcionários da UDU foram mortos em mais de 200 missões na Coréia do Norte de 1948 a 1971, incluindo missões com aliados que incluíam a Agência Central de Inteligência americana (CIA). No entanto, apenas uma lista de cerca de 150 nomes foi obtida pela UDU, por causa de um incêndio na unidade em 1961 que queimou todos os dados.

ROK Navy UDT e Seal em um treinamento de infiltração na costa durante a operação em clima frio, 5 de fevereiro de 2010.

Os comandos navais sul-coreanos, além de operações contra a Coréia do Norte, foram empregados na Guerra do Vietnã, nas guerras no Afeganistão e Iraque, e são atualmente empregados em missões anti-pirataria.

Desde 2009, a SWF formou o núcleo do grupo-tarefa anti-pirataria Cheonghae desdobrado na costa da Somália. Na madrugada de 22 de janeiro de 2011, como parte da Operação Amanhecer do Golfo de Áden, 15 operadores SWF embarcaram no cargueiro químico Samho Jewelry de 11.000 toneladas que foi levado por 13 piratas 6 dias antes; 21 marinheiros foram mantidos reféns. O ROKS Choi-Young, um contratorpedeiro de 4600 toneladas, despachou sua equipe SWF às 4:58 da manhã junto com um helicóptero Lynx que então circulou o navio e disparou metralhadoras para distrair os piratas. O grupo de abordagem de 15 operadores SWF matou 8 piratas e capturou 5 sem sofrer nenhuma baixa após 3 horas de intenso tiroteio. Todos os 21 reféns foram libertados, com um deles sofrendo um ferimento não-fatal de arma de fogo no abdômen.

Bibliografia recomendada:

A História Secreta das Forças Especiais.
Éric Denécé.

Leitura recomendada:










segunda-feira, 30 de agosto de 2021

GALERIA: Treinamento de CQB de um Pelotão Tático Feminino afegão


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de agosto de 2021.

Militares do Pelotão Tático Feminino (Female Tactical Platoon, FTP) afegão do Ktah Khas participam de treinamento de trio e CQB em Camp Scorpion nas cercanias de Cabul, no Afeganistão, em 29 de maio de 2016.

As mulheres dos FTP trabalhavam junto com os homens nas operações para envolver e interagir com mulheres e crianças. Os FTP eram treinados em tiro ao alvo, linguagem, descida rápida de corda (fast-roping), e outras habilidades relacionadas ao combate; sua missão era atuar com as forças de operações especiais afegãs (Comandos e Ktah Khas).

Matéria fotografada pelo Sargento Douglas Ellis, Força Aérea Americana (USAF).




CQB: Entrada no compartimento






quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

FOTO: Operador CQB da Heckler & Koch USA


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de janeiro de 2020.

Foto famosíssima de um operador em uniforme CQB, trata-se, na verdade, de John T. Meyer Jr., o então vice-presidente de vendas e treinamento da Heckler & Koch USA, posando para uma foto promocional em 1992. A foto foi usada para promover o lançamento do HK USP no mercado americano em 1993, e mais tarde usada como arte da caixa do primeiro jogo Rainbow Six lançado em 21 de agosto de 1998.



Rainbow Six foi um sucesso internacional e a imagem como capa do jogo ficou muito mais famosa que a imagem promocional da HK. Segundo John Meyer, eles até enviaram instrutores para a Califórnia para captura de movimento quando o videogame foi desenvolvido, tendo seus movimentos sido usados para nos personagens no jogo.


O jogo, acompanhado de um romance, tem missões no Brasil e um dos comandos da Rainbow é brasileiro - apesar do nome hispânico e biografia imprecisa. Ele é o único latino-americano no primeiro jogo.


Vários outros jogos da saga Rainbow Six foram produzidos, com o título atual Rainbow Six: Siege contando com mais de 50 milhões de jogadores em 2020. No jogo atual, a operadora brasileira Caveira é um dos personagens mais queridos pelos fãs.



Quando da contribuição de Meyer, o CQB (Close Quarters Battle/ Combate Aproximado em Compartimento) era pouco conhecido do público. Hoje é uma febre, e o Brasil possui tropas treinadas nessa especialização, como o GERR da Marinha.

Bibliografia recomendada:

Rainbow Six.
Tom Clancy.

Leitura recomendada:




FOTO: Contra-terrorismo clássico, 3 de setembro de 2020.



domingo, 12 de janeiro de 2020

A Mentalidade da Pontaria de Combate (Atualizado)


Por Frankie McRae, Diretor da Training Raidon Tactics Inc.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2008.

O Pensamento da Pontaria de Combate

Pontaria de Combate (Combat Marksmanship – CMMS) é a habilidade de aplicar fogo de precisão letal em um alvo ameaça em todos os ambientes sob o stress de combate com a finalidade de reduzir uma ameaça a um ponto em que ela não seja mais viável. CMMS difere dos fundamentos de Pontaria (Marksmanship - MMS), de uma forma que, o inimigo está atirando contra você ou estava atirando contra você. Em eventos de tiro de pontaria, o atirador tem todo o tempo para fazer a contagem de tiro. Em CMMS, o atirador possui tempo limitado, literalmente o resto de sua vida para distinguir uma ameaça e eliminar aquela ameaça. Quando um lutador de UFC (Ultimate Fighting Championship) vai ao octógono, eles chamam isso de combate. Entretanto, será isso mesmo? Ele não pode morder, dar cabeçada, ou arrancar o olho do oponente. Não é nada mais do que um evento atlético muito doloroso. O lutador de UFC tem a possibilidade de dizer, “eu desisto” ou bater. Em combate, o cara-a-cara com os oponentes é até a morte, você não tem a possibilidade de desistir. Se você desistir é muito provável que você ou outra pessoa irá morrer.


O CMMS começa com a ideia de que o atirador está indo para uma situação de combate. Quando um boxeador adentra o ringue, ele espera ser atingido. Quando uma pessoa toma a responsabilidade para proteger a si e a outros, ele deve supor que tão logo a luta se inicie, deve ser até o fim. Pode terminar pacificamente. Posar pode realmente funcionar. Estudos mostraram que uma arma apresentada por uma vítima mantém os agressores à distância ou os põe pra correr. A decisão mental da “vítima” em recusar ser a vítima foi a primeira ação efetuada para salvar sua vida. Essa decisão foi feita logo que a pessoa decidiu se armar. O pensamento correto para a situação de “Combate” começa com a preparação.

Nota do Tradutor: Close Combat Quarters (CQB), traduzido literalmente seria Combate Aproximado em Compartimento, é conhecido em português como Combate em Espaços Confinados, Combate em Ambientes Confinados ou Combate a Curta Distância.

Preparação é a consciência situacional de que algo pode acontecer e então “preparar” a mente para imaginar os “e se”. “Se isso acontecer, eu faço isso...”. Este pequeno ditado é um dos melhores pensamentos para se ter em mente antes que algo de fato aconteça. O tempo de reação humana gira em torno de .25 segundos. Esses tempos de reação são atingidos quando uma pessoa pode racionalizar as ações necessárias ao cumprimento de uma tarefa antes que ela seja necessária. Isto é um ensaio mental. Meu treinador de luta no colegial era um grande defensor do “ensaio mental”. Antes de partidas, eu me deitaria na cama na noite de véspera e mentalmente imaginar a competição em minha cabeça. Eu visualizaria as ações que eu iria executar primeiro e pensar comigo “se isso ou aquilo acontecer, então eu farei isso...” Eu lutava a partida muitas vezes virtualmente muitas vezes antes de lutá-la de fato. Agora, eu sou um atirador muito melhor do que eu era lutador no colegial, mas eu aprendi muito com estes exercícios mentais simples. Estes me prepararam para muitas situações na vida. A preparação também influencia a determinação e a habilidade de ser proativo.


Determinação é o próximo princípio do pensamento para o combate. É a decisão pessoal inata de “não desistir” até que a situação tenha acabado. Ao estar mentalmente preparado, o atirador não é tão surpreendido em determinada situação e por conta disso não tão superado pelos acontecimentos quanto alguém que não faz a menor idéia do que está acontecendo. Porque uma pessoa pode pensar à frente em um tiroteio, ele pode então perceber o resultado e ser proativo, não reativo. Ao ser determinado e proativo, o atirador tem um fator medo reduzido. Não estou dizendo que não existe medo no tiroteio. Existe medo, medo de outras pessoas serem feridas ou morrerem, além de outros tipos de medo. Talvez medo de o bandido fugir. Porém, determinação, a atitude mental de “EU NÃO VOU DESISTIR” levam-nos até o fim da luta. Determinação nos dá paixão e paixão pode ser uma força motriz que nos leva a levantar da cama nas manhãs de sábado e nos leva para o estande.


Paixão é o amor que nós temos por atividades que fazemos. Indo para o estande e treinando para tarefas que são desconfortáveis ou difíceis de realizar. Entretanto, logo que completamos estas tarefas nós sentimos gratificação e satisfação. Essa paixão gera mais determinação para se distinguir e nos faz melhores e nos empenhar ainda mais. Nós apenas devemos nos lembrar, muito “deixa comigo” algumas vezes pode acabar conosco. Precisamos de freio na hora certa no ciclo de treinamento. Nós devemos ser capazes de controlar nossa paixão e usar a calma que desenvolvemos em nossas ações para desenvolver a velocidade mental necessária para antecipar o que acontecerá em seguida.

Velocidade, tanto mental e física, é alcançada por treinar ações repetitivamente. Ao repetir as mesmas ações corretamente muitas vezes, nós “entalhamos” esta ação em nosso cérebro. Uma vez que esse movimento for “entalhado”, a ação pode se tornar quase reflexiva. Não existe tal coisa como “memória muscular” por assim dizer. É um termo usado para explicar as ações reflexo de tarefas treinadas que podem acontecer com mínima influência externa. Um reflexo, por definição, é uma resposta a um estímulo que não necessita ir até o cérebro e ser processada. Ele vai até a coluna vertebral e de volta para o ponto de origem. O treinamento aumenta a velocidade. O treinamento nos dá a experiência para saber o que deve estar prestes a acontecer na sequencia de eventos. A paixão nos leva a treinar e a determinação nos mantém caminhando quando ele fica difícil. Ao focar essa paixão e determinação, nós podemos “forçar a passagem” para o próximo nível de desempenho e nossa velocidade aumenta. Com poder e velocidade focados, nós alcançamos a violência na ação.


Violência na ação é a execução de ações com força surpreendentemente esmagadora. É a culminação de toda paixão, determinação e velocidade necessárias para atingir a vitória. Quando confrontado com a violência na ação o agressor deve reavaliar a situação. A violência na ação também diminui o ímpeto do agressor e aumenta a coragem do atirador. Violência na ação é um aspecto que os criminosos usam para surpreender as vítimas e dominar totalmente a situação. Por dominar a situação, eles controlam a vítima. O atirador precisa utilizar todos os aspectos do pensamento de COMBATE para ser o único a dominar a situação, eliminar quaisquer ameaças com o nível apropriado de força e estar preparado para ir até aquele nível de força. Desse modo, controlando a situação e sendo vitorioso.

O Pensamento de Combate não é uma habilidade inata para a maioria das pessoas. Ele é e pode ser uma resposta aprendida. Ao se preparar para uma luta, o pensamento de combate deve ser dominado. Você deve ter determinação para trilhar o caminho, paixão para trabalhar duro e o preparo mental para estar consciente da situação.

Frankie McRae.

Frankie McRae é o Diretor da Training Raidon Tactics Inc. Ele é o antigo chefe do Curso de Forças Especiais do Exército dos EUA que é o proponente do treinamento de Combate Urbano Avançado das Forças Especiais (Special Forces Advanced Urban Combat, SFAUC), Reconhecimento Avançado, Análise de Alvo e Técnicas de Exploração das Forças Especiais do Exército dos EUA (US Army Special Forces Advanced Reconnaissance Target Analysis and Exploitation Techniques, SFARTAETC), operações de Resgate de Reféns e Contra-Terrorismo.

A Raidon Tactics Inc. (www.raidontactics.com) é uma companhia que oferece treinamento de Tiro, Combate em Espaços Confinados (CQB) e Contra-Terrorismo. Esses são oferecidos às Forças Armadas, Forças Policiais, Companhias de Segurança Corporativa e público em geral.

Post Scriptum: Então 1º Sargento Augusto, Comando Anfíbio (COMANF), Grupo Especial de Retomada e Resgate (GERR), comentário de 2012.

Futuro Suboficial Augusto com o uniforme de assalto do GERR.

O artigo é interessante, mas no caso da memória muscular, na minha opinião, ela é valida sim para os princípios básicos de tiro como: base, empunhadura, enquadramento e acionamento; pois estes são movimentos que influenciam diretamente na eficácia do tiro e são movimentos reflexos, pois necessitam de pouco tempo para reação. Você vai sacar sua arma e vai atirar e terá que acertar. Isso dependerá de sua posição de tiro e sua empunhadura que envolve vários outros aspectos como pressão adequada na arma, velocidade do tiro e etc... Você terá que fazer os tiros de enquadramento e de eficácia que são ações reflexas - tem que estar massificadas -, ou seja terá que existir esta memória muscular. Nas entradas em compartimentos ou em situações de combate em locais abertos, a situação vai determinar a decisão a ser tomada: como o tipo de entrada, a abordagem ao inimigo e outras situações que possam surgir que você terá que tomar uma decisão pensada e não uma ação reflexa.

Em nossos treinamentos, nós criamos várias situações dentro de um compartimento para que possamos tomar a melhor decisão na hora “da real”; mas nós também observamos que, mesmo quando ficamos muito tempo sem atirar, os reflexos necessários para fazer um bom tiro não se perdem. Podem acontecer erros na tomada de decisões: como em casos de vários alvos no mesmo compartimento e as vezes decidir por um que não seria mais adequado, por te expor para o outro inimigo que poderia causar uma baixa na equipe, e isso vem com muito treinamento.


Eu assisti o vídeo, ele é bem instrutivo mesmo. Uma coisa que ele diz que nós também temos consciência, é sobre responsabilidade dentro do compartimento. Todos têm a responsabilidade de abater o inimigo - mesmo não estando em sua Zona de Responsabilidade Tática (ZRT) - mas na entrada o Número 1 (o primeiro que entra) tem a responsabilidade de varrer todo compartimento com o olhar e seguir para sua ZRT, e caso tenha um inimigo em outra ZRT - ele irá abater. Outro ponto é que sempre se procura os cantos, não se pára no meio do compartimento senão será alvo fácil. Agora eu notei que eles ainda não tem muita preocupação com os cotovelos abertos. O cotovelo aberto possibilita ser atingido neste lugar, que irá impossibilitar o operador de combater; mas é “na marca”. Cada grupo tático tem sua doutrina, que é treinada dentro dos parâmetros que se enquadram aos seus objetivos. Talvez a doutrina que eles empregam seja a melhor para eles. Abração!