Mostrando postagens com marcador Islã. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Islã. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 25 de maio de 2022

Conversando com jihadistas: como três líderes comunitários deram um passo ousado em Burkina Faso


Por Sam Mednick, The New Humanitarian, 25 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de maio de 2022.

"Descobrimos que os jihadistas têm alguns valores morais."

Nota do editor: Enquanto os governos do Sahel lutam para conter a disseminação da Al-Qaeda e de grupos jihadistas ligados ao chamado Estado Islâmico, algumas comunidades locais deram um passo radical: conversar com os próprios militantes. Com base em meses de reportagens em Burkina Faso e Mali, esta é a quinta de uma série de reportagens que examinam esses esforços. Leia as quatro primeiras aqui, aqui, aqui e aqui.

Ouagadougou

Os crescentes pedidos de abordagens não militares ao conflito jihadista de Burkina Faso levaram a junta governante do país a oferecer apoio às comunidades locais que dialogam com grupos militantes para evitar o sofrimento e salvar vidas.

Mas quem são os líderes comunitários envolvidos nessas conversas e que tipo de discussões eles estão mantendo? Os diálogos locais são uma medida paliativa ou uma solução de longo prazo que pode conter os ataques jihadistas que deslocaram quase dois milhões de pessoas?

Para tentar responder a essas perguntas, The New Humanitarian realizou raras entrevistas cara a cara com três influentes líderes comunitários burkinabês que organizaram diálogos locais e fizeram pactos com militantes nos últimos dois anos.

Suas histórias envolvem atos de coragem e liderança individual. Mas eles também ressaltam os compromissos desagradáveis a que as comunidades são forçadas à medida que buscam maneiras de sair do conflito.

Grupos jihadistas ligados à Al-Qaeda e ao chamado Estado Islâmico começaram a se espalhar no país da África Ocidental em 2015 – parte de um esforço mais amplo na região do Sahel, que agora abriga uma das piores crises humanitárias do mundo.

A ideia de negociar com jihadistas – geralmente enquadrados como fanáticos e pouco mais – tem sido um tabu global. As nações ocidentais com pegadas militares no Sahel disseram repetidamente aos governos regionais para não se envolverem em tais negociações.

No entanto, os fracassos das operações militares e intervenções estrangeiras forçaram as comunidades a resolver o problema com as próprias mãos. Desde meados de 2020, dezenas de pactos locais foram firmados com militantes em Burkina Faso e no vizinho Mali.

Os resultados das negociações de Burkina Faso são mistos. As comunidades devem aceitar seguir a dura interpretação dos jihadistas da lei sharia, que recai mais fortemente sobre as mulheres e outros grupos marginalizados.

Alguns pactos também foram quebrados, levando a novos combates, enquanto a trajetória geral do conflito aqui só piorou em meio ao aumento dos abusos de militantes e soldados locais.

Ainda assim, os diálogos resultaram em promessas de segurança de jihadistas que ajudaram milhares de deslocados a voltar para casa. Isso permite que eles cultivem e alimentem suas famílias – especialmente crítico em um ano em que os níveis de fome aumentaram mais de 80%.

E embora o governo anterior – deposto por soldados em janeiro – não tenha dado apoio ou reconhecimento aos mediadores, a atual junta está oferecendo ajuda logística. Ele espera que mais diálogos possam eventualmente levar os jihadistas a depor as armas.

Líderes comunitários disseram ao The New Humanitarian que estão satisfeitos que a junta esteja reconhecendo formalmente seus esforços, embora achem que seria melhor se o governo negociasse diretamente com os militantes. Seus depoimentos seguem abaixo.

Pseudônimos são usados por razões de segurança, enquanto alguns nomes de aldeias e comunas, e alguns outros detalhes, também são obscurecidos para proteger identidades.

Uma carta, uma longa espera e um pequeno sucesso: "Ele sentou na areia e desligou o telefone"

O principal jihadista de Burkina Faso manteve seu público esperando por quase quatro horas antes de chegar a um pedaço de deserto nos arredores da cidade de Nassoumbou, no norte. Era julho de 2021 e o militante, Jafar Dicko, concordou em conversar com líderes comunitários cansados.

Portando uma arma e vestido com um lenço na cabeça que cobria tudo, menos a boca, Dicko – cujo irmão fundou o primeiro grupo jihadista nacional – tinha uma presença imponente. No entanto, o líder era tímido e atencioso, de acordo com os participantes da reunião.

“Ele se sentou na areia e desligou o telefone para ouvir o que as pessoas estavam dizendo”, disse Hassan Boly, um líder comunitário que estava na reunião de julho. “Jafar era modesto, não dava ordens, não se exibia”, acrescentou Boly.

A primeira vez que os líderes de Nassoumbou contataram os jihadistas foi em 2018, quando os militantes começaram a intensificar os ataques. Sem saber com quem entrar em contato, os moradores escreveram cartas e as postaram em mesquitas abandonadas no mato, esperando que os combatentes pudessem vê-las.

Pouco depois de fazer isso, os jihadistas ligaram para a comunidade e aceitaram uma reunião. No entanto, essas conversas renderam pouco, pois os militantes recusaram os pedidos para reabrir as escolas fechadas e depois não se comprometeram com os pedidos de conversas de acompanhamento.

As coisas mudaram, no entanto, em julho passado, quando os militantes concordaram em se reunir novamente. Não está claro o que mudou de ideia, embora as discussões tenham coincidido com iniciativas de diálogo semelhantes que começaram em outras partes de Burkina Faso.

Não sabendo com quem entrar em contato, os locais escreveram cartas e postaram-nas em mesquitas abandonadas no mato, na esperança que combatentes de passagem talvez as vissem.

A reunião de julho ocorreu a cerca de quatro quilômetros da principal cidade de Nassoumbou. Boly liderou um grupo de 15 líderes comunitários que foram servidos com iogurte e refrigerante por jihadistas enquanto esperavam a chegada de Dicko e seus guardas.

Durante o encontro, Boly perguntou aos jihadistas se eles aceitariam a abertura de escolas onde as aulas são ministradas em francês. Dicko disse que essas escolas não faziam parte da visão dos jihadistas, mas que quem quisesse ensinar seus filhos em árabe era bem-vindo.

Os líderes comunitários também pediram a Dicko que deixasse as pessoas retornarem à comuna de Nassoumbou para que pudessem reconstruir suas vidas. “A equipe de negociação implorou aos jihadistas que permitissem que as pessoas voltassem a cultivar suas plantações”, disse Boly.

Desta vez, o jihadista aceitou, embora Dicko tenha dito que a principal cidade de Nassoumbou estava fora dos limites porque os moradores de lá já haviam se juntado a milícias pró-governo que lutaram contra os militantes.

Cerca de 70 por cento da comuna acabou voltando para casa após a reunião, de acordo com Boly. Elas foram feitas para seguir a interpretação estrita da sharia pelos jihadistas, mas muitos ainda se sentiram seguros de que os combatentes não queriam matá-los.

“Descobrimos que os jihadistas têm alguns valores morais, como hospitalidade e consideração”, disse Boly, 65 anos, pai de 12 filhos e com experiência na política local.

As conversas com os militantes continuaram após o diálogo inicial, embora os jihadistas insistissem que os pontos de discussão fossem enviados com antecedência e raramente estivessem dispostos a se desviar da agenda planejada.

Por exemplo, em uma ocasião Boly organizou uma reunião para obter permissão para acessar uma área controlada por jihadistas, onde ele precisava entregar remédios a um homem que cuidava de seu gado.

Durante esse encontro, Boly apelou aos jihadistas para que largassem suas armas e voltassem para casa pacificamente. Mas os jihadistas disseram que esse assunto não havia sido agendado e, por isso, não podiam falar sobre ele.

Ainda assim, Boly não acredita que tais assuntos estejam completamente fora da mesa. “Jafar pode mudar um dia”, disse o líder comunitário. “Se algumas pessoas com habilidades de negociação falassem continuamente com ele, [ele] poderia mudar.”

Um encontro amigável e uma trégua frágil: "Como está seu irmão? Como está seu filho?"

O líder comunitário Ali Barry disse que a comunicação ad hoc com os jihadistas começou em sua comuna do norte em 2019. Na época, Barry recebia telefonemas caóticos de combatentes se apresentando como "pessoas do mato".

Às vezes, os militantes lhe perguntavam se a comunidade tinha visto suas vacas perdidas; outras vezes, eles reclamavam que as pessoas estavam derrubando árvores em áreas controladas pelos combatentes. Barry então conectaria os jihadistas com líderes na área relevante.

No entanto, no final de 2019, a situação estava se deteriorando. Os jihadistas estavam roubando as colheitas das pessoas e milhares fugiam para cidades mais seguras. Barry e outros líderes comunitários decidiram, portanto, que precisavam encontrar os jihadistas cara a cara.

No início de 2020, a comuna do norte criou uma equipe de negociação que incluía líderes tradicionais e combatentes que se juntaram às milícias antijihadistas. As autoridades locais, no entanto, ficaram de fora, por medo de interferirem negativamente.

Organizar uma reunião não foi fácil. Várias datas acordadas foram canceladas e os militantes continuaram mudando de ideia sobre onde realizar as negociações. “Talvez eles tenham pensado que queríamos armar uma armadilha contra eles”, refletiu Barry sobre os atrasos.

Finalmente, em junho de 2020, a equipe de negociação se reuniu com cerca de 15 jihadistas. Alguns combatentes pareciam fracos e estavam sofrendo para segurar suas armas, lembrou Barry. “Era como se você estivesse assistindo a um filme”, disse ele.

Barry disse aos jihadistas que sua comunidade queria encontrar uma maneira de salvar vidas e coexistir pacificamente. Ele acrescentou que o contato direto era preferível do que a comunicação por meio de mensageiros de terceiros.

“Temos um ditado em nossa língua: ‘Quando você fala um com o outro estando longe um do outro, é como se estivesse jogando pedras um no outro’”, disse Barry, que tem 47 anos e também está envolvido na política local.

"Os terroristas não acham que o que estão fazendo é errado. Eles acham que estão reivindicando algo que é seu direito."

Os jihadistas falaram pouco durante a reunião, que durou apenas 10 minutos. E, no entanto, de acordo com Barry, as negociações iniciaram vários meses de relativa calma quando os militantes de repente se tornaram “mais prestativos e tolerantes”.

Discussões telefônicas subsequentes também tornaram a vida um pouco mais suportável. Quando uma comuna vizinha foi atacada um dia e escritórios do governo foram saqueados, a comunidade chamou os jihadistas para reclamar. Três dias depois, tudo foi devolvido.

Mais reuniões presenciais também foram realizadas em 2021, com as discussões se tornando mais longas e profundas. Em uma reunião, a comunidade pediu que as restrições de acesso a um mercado local fossem removidas e que os jihadistas parassem de se casar à força com mulheres locais.

Os jihadistas, no entanto, não atenderam a todos os pedidos da comunidade. Líderes de um vilarejo da comuna pediram permissão para retornar às casas de onde haviam fugido anteriormente, mas os jihadistas recusaram-se sem explicar o motivo.

Nem Barry sentiu qualquer remorso dos jihadistas pela dor que infligiram às pessoas. "Os terroristas não acham que o que estão fazendo é errado", disse ele. “Eles acham que estão reivindicando algo que é seu direito.”

Ainda assim, todos apertavam as mãos após as reuniões e parabenizavam uns aos outros por arranjarem tempo para conversar. E os jihadistas até perguntavam sobre pessoas que conheciam em casa. "Como esta seu irmão? Como está seu filho?" Barry se lembrou deles perguntando.

Essa familiaridade foi o que mais impressionou o líder local nas conversas. Quando os militantes se espalharam pela primeira vez em sua comuna em 2015, os moradores presumiram que eram de países vizinhos como Mali – que luta contra a violência extremista desde 2012.

Essa percepção mudou à medida que os moradores recebiam ligações de parentes que se juntaram aos militantes, enquanto os encontros presenciais deixavam as coisas ainda mais claras. Em um diálogo, Barry disse que até reconheceu um adolescente cuja circuncisão ele havia participado.

“Você espera ver estrangeiros, algumas pessoas que você não conhece”, disse o líder comunitário. “[Mas] ver jovens lutando como jihadistas me diz que nossas comunidades são frágeis.”

As negociações também se mostraram frágeis. Em novembro de 2021, jihadistas exigiram que o exército deixasse a principal cidade da comuna de Barry, argumentando que eles assumiriam o controle da segurança. Quando o exército recusou, os combates recomeçaram em toda a comuna e os moradores fugiram.

O The New Humanitarian não conseguiu entrar em contato com Barry nos últimos meses para descobrir exatamente como esses confrontos afetaram as negociações locais. Ainda assim, o líder comunitário sempre duvidou que o cessar-fogo durasse.

Ele disse que as comunas vizinhas não tinham esses pactos, o que tornava difícil manter qualquer tipo de paz na área mais ampla. “Se a casa do seu vizinho estiver pegando fogo, você deve se preparar [para o fogo se espalhar]”, disse Barry.

Sentimentos mistos e um velho conhecido: "Eles nunca declararam claramente o que queriam"

Era de manhã cedo em março de 2020 quando Adama Diallo decidiu que estava cansado de esperar que os jihadistas respondessem ao seu pedido de reunião. Então, o homem de 58 anos subiu em sua moto e dirigiu para o mato na direção de uma base militante.

Diallo esperava encontrar um velho conhecido – Amadou Badini – que havia se tornado o líder de um grupo alinhado à Al-Qaeda com base na fronteira com o Mali. Ele esperava que o líder permitisse que sua comunidade voltasse à comuna do norte da qual fugiram em 2019.

Quase 20 anos mais velho, Diallo cresceu com os pais de Badini. Ele viu seu filho se radicalizar com a pregação de Malam Dicko (irmão de Jafar Dicko), que foi morto em 2017.

Diallo tinha visto Badini pela última vez em 2015 e sentiu uma mudança de personagem. Ele estava castigando muçulmanos que não rezavam e pessoas que fumavam. “Estava preocupado com o país quando conheci Badini e seus amigos [na época]. Eu sabia que mais tarde eles teriam armas”, disse Diallo.

Dirigindo para o mato naquela manhã de março, Diallo, que tem 13 filhos, não sabia o que esperar de seu antigo contato. Depois de garantir uma reunião – depois de uma noite dormindo na base militante – as coisas correram mais tranquilamente do que ele suspeitava.

Sentado sob uma árvore em um remoto pedaço de deserto a vários quilômetros da base, Badini foi receptivo. Ele disse que as soluções são mais bem encontradas através do diálogo. Ambos os homens concordaram em se encontrar novamente, embora com mais pessoas presentes.

"Eles nunca declararam claramente o que queriam."

A próxima discussão foi realizada algumas semanas depois. Desta vez, 30 jihadistas sentaram-se diante de 23 líderes comunitários, de acordo com vídeos da reunião de quatro horas e meia vistos pelo The New Humanitarian.

As piadas eram contadas enquanto os jihadistas serviam chá. “Ouvi dizer que quem tomar seu chá vai se juntar a vocês, mas não quero me juntar e viver no mato”, disse Diallo aos militantes. “Eu quero estar em um carro com ar condicionado.”

Durante as discussões, os jihadistas responderam a perguntas sobre por que não reabririam as escolas públicas e se opunham à democracia. Disseram que democracia é “fazer o que agrada a você, não o que agrada a Deus”, lembrou Diallo.

Todos se revezaram falando, incluindo Badini, que disse aos líderes comunitários que eles poderiam retornar à comuna para cultivar seus campos, pastorear seu gado e administrar seus negócios.

Mas Badini estabeleceu condições: as pessoas tinham que viver de acordo com a estrita lei da sharia, com homens cortando suas calças e mulheres usando véus; e ninguém tinha permissão para retornar à cidade principal da comuna, onde o exército tinha uma base que os jihadistas queriam isolar.

Diallo saiu da reunião com emoções misturadas. Por um lado, ele estava seguro de que os jihadistas não queriam sua comunidade morta. Mas ele e outros ficaram frustrados ao saber que sua cidade principal estava fora dos limites.

Diallo também sentiu que seus interlocutores jihadistas estavam perdidos e inseguros pelo que eles estavam realmente lutando. “Eles nunca declararam claramente o que queriam”, disse ele. “Por exemplo, eles nunca disseram se queriam [ocupar] parte do país.”

Ainda assim, os benefícios do diálogo foram percebidos quando milhares de pessoas retornaram às suas aldeias. E daqui para frente, Diallo pretendia usar os parentes e amigos de Badini para convencer o militante a deixar as pessoas retornarem à sede da cidade principal.

“Estamos planejando enviar mais pessoas importantes da comunidade para implorar a Badini que nos deixe voltar”, disse ele. “Pelo menos, depois de falar com eles, ficamos sabendo que eles não vão nos matar.”

Editado por Philip Kleinfeld.

Ilustrações de Sara Cuevas.

domingo, 20 de fevereiro de 2022

Uma opinião persa sobre o M1 Garand


Por Miles, The Firearms Blog, 27 de outubro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de fevereiro de 2022.

A história do M1 Garand no Irã destaca uma história de política entrelaçada que se estende por décadas e ainda é vista hoje. Mais do que apenas a história de um rifle de serviço no Oriente Médio e Norte da África (Middle East and North AfricaMENA) e na região da Ásia Central, ele atravessa intrigas políticas e históricas. Misturada está a história da ajuda militar estrangeira americana sustentando o regime do xá, a Revolução Islâmica em 1979, a Guerra Irã-Iraque que se seguiu e, em seguida, a disseminação do fuzil nas proximidades do Iraque e Afeganistão, possivelmente até na Síria, como alguns exemplares recentes de vários grupos rebeldes lá mostram.

Do período de 1963 a 1967, as forças armadas americanas estabeleceram uma missão de vendas militares estrangeiras (Foreign Military Sales, FMS) para o Irã. Nesse período, os Estados Unidos estavam apoiando Mohammad Reza Shah Pahlavi em seus esforços para reforçar seu exército de 160.000 homens. O Irã foi um aliado extremamente importante dos Estados Unidos contra a União Soviética, devido à sua presença estratégica opondo a o baixo ventre macio da Ásia Central controlada pelos soviéticos. Os anos 60 viram uma tremenda entrada de armas fornecidas pelas forças armadas americanas e até a construção de várias bases aéreas militares no Irã. Dentro deste programa, o xá comprou cerca de 165.493 fuzis M1 Garand que foram enviados para o Irã em 1963, o suficiente para armar todo o exército iraniano, substituindo os K98 Mauser persas produzidos localmente que estavam em serviço. Trinta e dois fuzis sniper M1D também foram enviados em 1966. A esmagadora maioria desses M1s parece ser de fabricação da International Harvester (Evansville, IN). Fuzis da International Harvester são extremamente raros nos Estados Unidos, devido ao fato de que a maioria desses fuzis foi usada para ajuda externa e, portanto, a maior parte não foi reimportada para os Estados Unidos.

Abaixo estão dois clipes da Administração de Registros de Arquivos Nacionais (National Archives Records Administration, NARA) mostrando uma demonstração de armas portáteis para oficiais iranianos em 1956. Embora não haja fuzis M1s a demonstração mostra várias outras armas também entregues ao Irã, incluindo M1A1 Thompsons, pistolas 1911 e metralhadoras médias M1919A4/A6 (não retratadas no filme).

Demonstração de armas portáteis por conselheiros militares americanos com oficiais iranianos 1956



Através deste ensaio fotográfico vamos dar uma olhada na linha do tempo desses 165.493 Garands, até hoje onde eles foram parar.

Durante o reinado do xá

Embora o Exército do xá estivesse totalmente armado com fuzis M1, não restam muitas fotografias desse período que mostrem o M1 em serviço com tropas de infantaria. Em vez disso, o que temos são uma série de fotografias que mostram treinamento e cerimônias sendo conduzidas por soldados do sexo feminino dentro do exército. Este é provavelmente o resultado do esforço do xá para modernizar e secularizar o Irã, especialmente no que diz respeito aos direitos das mulheres. Isso mais tarde provou ser uma de suas quedas porque ele estava simultaneamente marginalizando a autoridade do clero. O que estamos vendo nas fotos abaixo é um esforço altamente divulgado para mostrar as mulheres dentro do exército, completando o treinamento com fuzil e participando de cerimônias oficiais.


Observe o capacete do Exército dos EUA nos soldados e a insígnia de sargento no instrutor. Isso provavelmente se deve à padronização do Exército do xá nos padrões atuais do Exército dos EUA, que teriam sido aprovados pelos conselheiros americanos.





A munição .30-06 com estopilha Berdan foi produzida no Irã, já que a munição de 7,92mm foi produzida anteriormente para os Mausers persas. As vendas militares estrangeiras mostram que os Estados Unidos forneceram pelo menos 30 milhões de munições .30-06 ao Irã durante esse período. Os carimbos na base do estojo consistem em uma coroa na posição das 12 horas, os algarismos “44” em farsi e a letra “Alef” (ا) à direita e “Meem” (م) à esquerda (leia da esquerda para a direita). Isso significa Grupo de Indústrias de Munições e Metalurgia, uma empresa estatal. Após a Revolução Islâmica, a empresa continuou a funcionar e existe hoje como o Grupo das Indústrias de Munições. É possível comprar esta munição nos Estados Unidos como munição iraniana excedente importada .30-06.




Em meio à Revolução

O M1 foi substituído pelo fuzil Heckler & Koch 7,62x51mm G3A6 na década de 1970. Os G3A6 foram fabricados sob licença no Irã e diferem do G3 padrão por ter um guarda-mão e coronha verde escuros. Parte da mudança para o G3 ocorreu junto com várias outras compras de armas da Alemanha Ocidental. Isso se deveu principalmente à diminuição do apoio dos Estados Unidos em vista do xá se tornar mais autoritário e impopular entre o povo do Irã. Em janeiro de 1979, o xá fugiu formalmente do Irã, com o aiatolá Khomeini voando para Teerã para trazer seu conceito de “Violati Faqih”, ou um governo de juristas islâmicos. Durante esse período, houve grande agitação, pois manifestantes estudantis e rebeldes invadiram os arsenais estatais, armando-se com tudo o que podiam. Isso incluiu todos os Garands que deixaram o serviço no início dos anos 1970.






Guerra Irã-Iraque

No momento em que os esforços do aiatolá Khomeini se consolidavam, Saddam Hussein no Iraque viu uma oportunidade de tirar vantagem de um Irã desorganizado. Apoiado pelos Estados Unidos, o Iraque invadiu o Irã e iniciou uma das guerras mais caras da história moderna do MENA. A guerra resultante durou toda a década de 1980 e foi efetivamente um impasse com nenhum dos lados conseguindo uma vitória decisiva sobre o outro. Nesse período, o Irã estava desesperado por armas portáteis e, ao lado do G3A6, começou a importar grandes quantidades de Tipos 56 chineses (variante AKM chinesa). Mais tarde, o Irã iniciou a produção local do Tipo 56 sob a nomenclatura KL-7,62. Durante a Guerra Irã-Iraque, o M1 viu muito pouco serviço na frente, sendo superado pelos AKM Tabuk de fogo seletivo, munição intermediária e alimentação por carregador em uso pelo Iraque. Assim, os fuzis M1 restantes foram regulamentados para um papel de Guarda Nacional e milícia na frente doméstica. Curiosamente, em um retorno ao passado, vários grupos femininos da Guarda Nacional estavam armados com o M1 enquanto desempenhavam suas funções atrás das linhas de frente.

Esta fotografia foi tirada por um conhecido fotógrafo iraniano chamado Kaveh Golestan. A suposta explosão ao fundo parece ser apenas o resultado do soldado caindo da colina. O soldado parece ser um adolescente e provavelmente não foi levado ao frente. Em vez disso, isso provavelmente faz parte do treinamento da Guarda Nacional atrás da linha de frente. O número do arsenal na coronha diz “2/7” em farsi.





Uma foto muito rara do M1 em serviço. Esta foto foi tirada do lado de fora de uma refinaria de petróleo que havia sido atingida pelos iraquianos. Mesmo assim, as tropas retratadas provavelmente fazem parte de uma unidade de milícia local e não das forças armadas, que teriam equipamentos mais modernos. Observe os porta-carregadores AKM na tralha de lona do segundo indivíduo da esquerda, indicando que uma infinidade de armas foram emitidas dentro da mesma unidade, incluindo fuzis AKM e Garand.


Ambos os cartazes faziam parte de uma longa série de cartazes de propaganda publicados durante a guerra e afixados em todo o país. O uso do M1 Garand provavelmente ressoaria com civis acostumados a ver o M1 em uso pelas Forças de Defesa Femininas e outros auxiliares civis, em vez de um pôster ressoando com combates na frente que retrataria um G3A6 ou AKM. O uso de crianças e mulheres na defesa doméstica mostra a grave escassez de mão de obra devido à tensão da guerra sobre o Irã.



Caches de armas OIF-OEF

Após a Guerra Irã-Iraque, o M1 começou a desaparecer dos olhos do público, com o fim da guerra e a eclosão da paz. O exército iraniano menos sobrecarregado na frente trouxe de volta fuzis modernos suficientes para equipar unidades em casa e, assim, os antigos M1 entraram em aposentadoria final. No entanto, este não é o fim do M1 no Irã, pois parece que um grande número deles chegou ao Iraque e ao Afeganistão através do comércio de armas portáteis no mercado negro. Há muito mais comércio civil entre o Irã e o Iraque do que com o Afeganistão, portanto, temos muito mais evidências do Garand no Iraque do que no Afeganistão. Nesse contexto, as tropas americanas começaram a encontrar fuzis M1 em caches (esconderijos) por toda parte em ambos os países.

A foto abaixo foi tirada por um fuzileiro naval americano no mesmo distrito em que estive enquanto estava no Afeganistão, o distrito de Nawa, na província de Helmand. Munição foi encontrada, mas não havia um M1 acompanhante.







Um dos poucos Winchesters encontrados no Iraque. A maioria dos M1 encontrados na OIF/OEF eram do modelo da International Harvester.






Uso moderno no Iraque, Síria e Líbano

As fotos abaixo encontradas no Iraque, uma delas estava completa com clipes em bloco carregados em bandoleiras!



Entre a atual turbulência na Síria, uma enorme variedade de armas portáteis veio à tona através de vários grupos rebeldes se armando com o que estiver disponível. Estes exemplares abaixo foram de fuzis M1 em uso por vários beligerantes no Líbano. Devido à proximidade, a origem desses Garands libaneses pode ter vindo de armas portáteis contrabandeadas da Grécia ou da Turquia; ambos os países foram equipados com o M1 sob programas semelhantes de vendas militares estrangeiras dos EUA que equiparam o Irã na década de 1960. No entanto, a menos que possamos obter algumas fotos do bloco do receptor dos números de série, só podemos especular.



Leitura recomendada:

sábado, 12 de fevereiro de 2022

FOTO: Mercenário do Corpo Eslavo com retrato de Bashar al-Assad

Mercenário da PMC Corpo Eslavo com um retrato de Bashar al-Assad, 2013.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de fevereiro de 2022.

Um combatente da Companhia Militar Privada (Private Miltiary Company, PMC) russa Slavyanski Korpus (Corpo Eslavo / Славянский Корпус) posando com o retrato do presidente Bashar al-Assad na Síria, em 2013. O Corpo Eslavo precedeu o Grupo Wagner e teve vida curta, sendo aniquilado em uma emboscada do Jaysh al-Islam (Exército do Islã). Ao chegarem ao aeroporto de Vnukovo, em Moscou, os mercenários sobreviventes foram detidos pelas autoridades; pois o mercenarismo é oficialmente ilegal na Rússia. Alguns destes mercenários foram incorporados no nascente Grupo Wagner.

Vídeos de combate do Corpo Eslavo mostram algumas operações, inclusive um combate noturno com uso de OVN, onde um canhão autopropulsado 2S1 Gvozdika do Exército sírio é visto atirando.

Segundo relatos da mídia, o Corpo Eslavo foi registrado em Hong Kong por dois funcionários da empresa de segurança privada Moran Security Group, os cidadãos russos: Vadim Gusev e Yevgeniy Sidorov.

Na primavera de 2013, anúncios de emprego de uma empresa sediada em Hong Kong surgiram em vários sites militares russos. Os anúncios prometiam 5.000 dólares por mês para os serviços de guarda protegendo as instalações de energia na Síria durante a guerra civil naquele país. Os anúncios atraíram a atenção de ex-membros da OMON, SOBR, VDV e Spetsnaz; muitos deles tinham experiência militar anterior na Guerra Civil do Tajiquistão, bem como na Segunda Guerra da Chechênia.

A foto mais famosa do Corpo Eslavo na Síria.

Em 2013, depois de chegar inicialmente a Beirute, no Líbano, os mercenários foram transferidos primeiro para Damasco, a capital da Síria, e depois para uma base do exército sírio em Latakia. Em outubro, o Corpo Eslavo tinha uma força de 267 contratados divididos em duas companhias que estavam presentes em Latakia.

Os contratados receberam equipamentos desatualizados, o que levantou preocupações entre os participantes. Eles logo perceberam que a FSB e o governo sírio não tinham envolvimento com a operação. Aqueles que desejavam retornar à Rússia não tiveram escolha a não ser ganhar sua passagem de volta através da participação direta na guerra civil síria. O novo objetivo do Corpo Eslavo foi descrito como guardar os campos de petróleo de Deir ez-Zor. Em vez dos prometidos T-72, os contratados receberam ônibus cobertos de placas de metal. A caminho de Deir ez-Zor, a coluna encontrou um helicóptero da força aérea síria que colidiu com uma linha de transmissão e caiu em cima duma caravana, ferindo um dos contratados.

Em 18 de outubro, a coluna recebeu ordens para reforçar as forças do exército sírio na cidade de Al-Sukhnah. Três horas em sua jornada, a coluna foi atacada. Com a ajuda de um canhão autopropulsada do exército sírio e apoio aéreo de um único caça, os contratados assumiram uma posição defensiva. Os combatentes do Jaysh al-Islam, de dois a seis mil homens (de acordo com os russos), tentaram um movimento de pinça. Em desvantagem numérica, os contratados recuaram para seus veículos enquanto uma tempestade no deserto cobria o campo de batalha. No rescaldo da batalha, seis membros do Corpo Eslavo foram feridos. Tendo falhado em atingir seus objetivos, o grupo retornou à Rússia.

Ao chegar ao Aeroporto Internacional de Vnukovo, os participantes foram detidos pela FSB por suspeita de agir como mercenários, o que é punível nos termos do artigo 359 da lei penal russa. Apesar do fato de a empresa estar registrada em Hong Kong, os proprietários, Gusev e Sidorov, também foram acusados e condenados em outubro de 2014.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

A batalha pela prisão de al-Hassaká se encerrou depois de seis dias


Por Filipe do A. Monteiro, 26 de janeiro de 2022.

A batalha em al-Hassaká encerrou-se no seu sexto dia com a recaptura da prisão pelas forças das SDF.

Na quinta-feira, 20 de janeiro, mais de cem membros do Estado Islâmico (EI) tomaram de assalto com caminhões-bomba e armas pesadas a prisão de Ghwayran em al-Hassaká, uma das maiores prisões contendo jihadistas na Síria. Confrontos violentos se seguiram por vários dias ao redor e dentro desta prisão no nordeste da Síria. A luta feroz entre as forças curdas das SDF e combatentes árabes do EI vem acontecendo há vários dias dentro e ao redor da prisão após o ataque; o maior reivindicado pelo EI desde sua derrota há quase três anos na Síria.

Liderando a luta contra o Estado Islâmico, as Forças Democráticas Sírias (SDF), em sua maioria curdos, e a coalizão liderada pelos EUA "começaram a invadir partes da prisão, que permanece sob controle do Estado Islâmico" depois de libertar vários combatentes curdos e funcionários detidos pelo Estado Islâmico, de acordo com o OSDH.

O ataque aberto às instalações administradas pelos curdos envolveu um duplo atentado à bomba suicida e viu os jihadistas libertarem outros membros do EI, apreenderem armas e assumirem o controle de uma série de pavilhões da prisão.

Objetos capturados de um militante do EI durante a batalha, incluindo uma bandeira do Estado Islâmico.

Civis reclamam que não há comida e não há água


De acordo com um novo relatório estabelecido segunda-feira pelo Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), 181 pessoas foram mortas em cinco dias de combates – 124 jihadistas, 50 combatentes curdos e 7 civis. Quase 45.000 pessoas fugiram de suas casas após o assalto à prisão e os intensos combates que se seguiram, segundo a ONU.

Human Rights Watch, com sede nos Estados Unidos da América (EUA), estimou que as forças curdas sírias detêm cerca de 12.000 homens e meninos afiliados ao Estado Islâmico; incluindo até 4.000 estrangeiros de quase 50 países.

Nas redes sociais, as SDF narraram as operações:
Sniper curdo em posição.

Fuzileiro-metralhador curdo observa destroços dos muros da prisão.

Combates de rua prosseguem nos quarteirões da prisão.

As Forças Democráticas Sírias (Quwwāt Sūriyā al-Dīmuqrāṭīya; em árabe: قوات سوريا الديمقراطية, em curdo: Hêzên Sûriya Demokratîk, em siríaco: Haylawotho d'Suriya Demoqratoyto), são uma aliança de milícias de sírios curdos, árabes, assírios, armênios, turcos e circassianos que lutam na Guerra Civil SíriaEmbora a ofensiva seja amplamente liderada pelas SDF (nesse caso, em sua maioria curdos), militares americanos foram desdobrados para direcionarem apoio de fogo durante a batalha.

As SDF publicaram hoje o progresso das operações na prisão no Twitter pelo perfil Coordination & Military Ops Center - SDF (Centro de Coordenação e Operações Militares - SDF). Um vídeo mostra combatentes curdos do YPJ progredindo dentro de um pavilhão da prisão.

"Durante a noite, as FDS deram ao Daesh a oportunidade de se render. Às 5 da manhã, seguindo o prazo, nossas forças tomaram de assalto um prédio. 300 indivíduos se renderam.

A operação ocorreu conforme o planejado. Executando o plano com exatidão e precisão.[1]

As forças das SDF continuam a varrer a prisão e a área circundante. Localizar aqueles que atacaram e continuaram a tentar apoiar a operação do Daesh dentro da prisão de al-Hassaká.

Durante a batalha, 8 Daesh foram mortos enquanto um membro do SDF perdeu a vida.[2]

As SDF estão garantindo a segurança da população civil. Salvando aqueles que estão detidos pelo Daesh.[3]

#DefeatDaesh"

Por volta das 10:30h da manhã, horário de Brasília, as SDF anunciaram a recaptura total da prisão. As FDS na manhã desta quarta-feira "realizaram operações de busca dentro de blocos prisionais" e em áreas ao redor da instalação, onde confrontos intermitentes ocorreram durante a noite, disse o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

De acordo com o monitor de guerra, um número desconhecido de jihadistas conseguiu escapar, mas seu número exato não ficou imediatamente claro.

Em um comunicado, Farhad Shami, das Forças Democráticas Sírias (SDF), disse que dias de operações "culminaram com todo o nosso controle" sobre a prisão em al-Hassaká depois que todos os combatentes do grupo EI se renderam.

Bibliografia recomendada:

O Mundo Muçulmano.
Peter Demant.

Estado Islâmico:
Desvendando o exército do terror.
Michael Weiss e Hassan Hassan.