Mostrando postagens com marcador Mali. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mali. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

França no Sahel: 70 gendarmes reitores destacados no exterior

Por Pascal Simon, Ouest-France, 28 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de fevereiro de 2022.

Todos são voluntários, provenientes das brigadas departamentais da gendarmaria no Hexágono (França metropolitana). Policiais judiciários, os reitores são enviados aos quatro cantos do mundo, ao lado das forças militares francesas. Uma missão desconhecida.

A missão da Polícia Judiciária Militar é a atividade principal da Gendarmerie prévôtale.
(COMMANDEMENT DE LA GENDARMERIE PRÉVÔTALE)

Registar um acidente rodoviário, estabelecer contatos com as autoridades locais, procurar informações no terreno ou recolher os elementos de um dossiê em caso de infração, crime ou acidente... Tantas missões que um gendarme realiza no dia-a-dia dia. Mas eles o fazem fora da França continental, o mais próximo possível de unidades militares e, às vezes, em zonas de guerra. Eles são os oficiais da Gendarmerie prévôtale (Gendarmaria reitora).

Suas raízes remontam ao édito de 1373 do rei Carlos V, fundador da polícia, a prévôté é hoje prevista pelo código de justiça militar.

Força de polícia judiciária militar, seu uso foi renovado em 2013 com a criação do Comando da Reitoria (Commandement de la gendarmerie prévôtale, CGP) e da Brigada de Pesquisa da Reitoria, unidade especializada de polícia judiciária com jurisdição nacional.

O CGP seleciona e prepara policiais judiciários das unidades departamentais da gendarmaria e voluntários para partir em missão de reitoria. Uma missão que pode durar quatro meses como parte de uma operação externa (opération extérieure, Opex) como aquela da Barkhane, no Mali.

Entrevista

General Frédéric Bonneval, Comandante da Gendarmerie prévôtale.

General Frédéric Bonneval, Comandante da Gendarmerie prévôtale.

Colisão entre dois helicópteros, discussão violenta entre dois soldados... No Mali, esses eventos destacaram o trabalho da Gendarmaria. Qual é a sua missão?

A missão da Polícia Judiciária Militar é a atividade principal da Gendarmerie prévôtale. Seu uso está sob a autoridade do Ministério Público de Paris e exercido sob a responsabilidade do Chefe do Estado Maior das Forças Armadas (CEMA).

A Gendarmerie prévôtale também realiza missões de polícia geral, apoio (escolta, proteção, contencioso, estado civil, participação em operações, etc.) e missões de inteligência em benefício da força militar que ela acompanha no exterior. A Prévôté não é de fato competente em tempos de paz no território nacional.

O seu papel é, portanto, também contribuir, através da sua ação, para a proteção da Força e dos militares e suas famílias.

Quais são os números da Gendarmerie prévôtale hoje e em quais países eles estão engajados?

Sob a orientação e controle do Comando da Gendarmerie prévôtale (CGP), seis destacamentos de reitores "permanentes" são apoiados pelas forças de presença francesa no exterior na Alemanha, Djibuti, Emirados Árabes Unidos, Gabão, Senegal e Costa do Marfim.

Destacamentos de reitores de "circunstâncias" vêm em apoio às operações externas dos exércitos. Atualmente, existem oito destacamentos no Mali, Níger, Chade, República Centro-Africana, Estônia, Jordânia, Líbano e Estados Unidos da América como parte de um exercício franco-americano.

A Gendarmerie prévôtale está desdobrada em todo o mundo, com forças francesas estacionadas no exterior ou projetadas em operações externas.

Assim, para além dos 18 militares do CGP e da Brigada de Investigação de Reitoria (Brigade de recherche prévôtale, BRP) estacionados em Maisons-Alfort, cerca de 70 oficiais e suboficiais da Gendarmaria estão atualmente destacados como reitores no estrangeiro.

A prévôté é suficientemente conhecido para recrutar o número de gendarmes necessários para as missões?

É muito conhecido do ponto de vista histórico, mas o detalhamento de suas missões e sua ação em 2021 é necessariamente menor porque é uma missão muito específica, mesmo que não esteja tão distante.

O boca a boca, no entanto, funciona muito bem nas fileiras. Isso atrai a atenção de potenciais candidatos que têm os meios para indagar com mais precisão.

Um gendarme da prévôté que controla o desembarque de veículos blindados do Exército francês desdobrados nesta primavera de 2021 na Estônia como parte da Operação Lynx.
(COMMANDEMENT DE LA GENDARMERIE PRÉVÔTALE)

Como resultado, o número de voluntários é muito importante. A seleção é, portanto, forte, sabendo que apenas recrutamos OPJs confirmados. Apenas alguns dos soldados da Gendarmaria, principalmente oficiais da Gendarmaria departamental, podem se inscrever.

Temos, portanto, muitos bons candidatos e a dificuldade é sobretudo poder eliminá-los sem que saiam em missão penalizando em demasia a unidade a que pertencem, ainda que no final todos saiam vencedores. Porque esta missão contribui para fortalecer a capacidade “militar” e de resiliência dos nossos quadros.

A intensidade ou mesmo a rusticidade das missões de reitoria pode desacelerar as aplicações?

Não para nossos voluntários que se candidatam a uma missão de reitoria sem saber seu destino. É o CGP que constitui destacamentos compostos por soldados com perfis heterogêneos para serem complementares.

Um gendarme da prévôté, inserido num comboio da força militar francesa Barkhane, no Mali.
(COMMANDEMENT DE LA GENDARMERIE PRÉVÔTALE
)

O oficial de polícia judiciária (officier de police judiciaire, OPJ), portanto, não sabe se irá para o Mali ou para a Estônia quando se candidatar. A rusticidade e as condições de vida e empenho não são, portanto, um obstáculo e todos estão preparados para o contexto atual mais abrasivo, nomeadamente o Mali.

Além disso, você pode estar engajado em um país e ter que ir em missão em um ambiente mais difícil. Portanto, preparamos todos eles para que, se necessário, estejam perfeitamente em seu lugar com os camaradas das forças armadas em situações difíceis.

As mulheres estão se juntando às fileiras da Gendarmerie prévôtale?

Todos os anos, os graduados são voluntários. Para o próximo ciclo de partidas, temos oito mulheres entre pouco menos de 80 OPJs selecionados. Atualmente, o major que comanda a brigada em Gao é uma mulher, o chefe do destacamento em Bangui é uma capitã e uma chefe acaba de chegar com o socorro do Líbano.

Ajudante Nathalie, fotografada há dois anos, durante seu desdobramento na Gendarmerie prévôtale para a Operação Barkhane.

Uma subtenente está designada para Djibuti por três anos em uma brigada "permanente", e a brigada de pesquisa de reitoria também tem duas investigadoras.

As forças armadas e a gendarmaria são feminizadas, de modo que as prévôts naturalmente têm seu lugar nas fileiras dos destacamentos.

Como você vê a evolução da reitoria nos próximos anos?

Há algumas semanas, tive a oportunidade de twittar fotos de nossos "antigões", engajados como reitores durante a Operação Daguet, há 30 anos. Foi uma homenagem, mas também uma oportunidade de relembrar uma operação diferente das que conhecemos hoje. Mas os reitores estavam lá e tomaram seu lugar.

A Gendarmerie prévôtale foi desdobrada no Líbano ao lado de soldados franceses que vieram em socorro após a explosão no porto de Beirute.

As operações evoluem, os contextos evoluem, o quadro legal também evoluiu, mas a reitoria deve ser capaz de acompanhar os exércitos nos seus locais de engajamento, desdobramento ou exercício, por mais diferentes que sejam.

Isso é o que temos feito há séculos e a criação bastante recente do CGP visa melhor atender às necessidades atuais das forças armadas; adaptabilidade sendo uma qualidade cardinal do reitor.

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

COMENTÁRIO: Sobre o sentimento anti-francês no Sahel


Por Rahmane Idrissa, La Gazette Perpendiculaire, 22 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de janeiro de 2022.

Chego a Niamey em uma atmosfera de fúria anti-francesa pan-saheliana que inundou as redes sociais graças aos bloqueios impostos ao avanço de um comboio militar francês pelas massas burquinenses animadas por encontrar um alvo odiado, mas inofensivo à sua indignação contra a situação de opressão violenta (por parte de grupos armados jihadistas) a que está sujeita grande parte do seu país. Há uma opinião generalizada entre a população de que os militares franceses só chegam às zonas de guerra para distribuir armas aos jihadistas.

Essa ideia é convincente porque não se baseia em fatos, mas em sentimentos, e os sentimentos, infelizmente, não são contrariados por evidências factuais. Trata-se, neste caso, de uma mitificação da maldade diabólica da França que trabalha a imaginação saheliana em todos os níveis, desde os intelectuais e outros personagens cultos até o camponês sentado em sua cabana, mas que, graças ao seu smartphone, recebe diariamente discursos alucinados sobre esse tema, propagado em um loop por indivíduos que encontraram uma vocação fácil no French bashing.

Como o jornalista Antoine Glaser me disse em uma entrevista recente em Paris, os jihadistas já venceram. Referia-se ao fato de que a insegurança, ainda maior para o Ocidente do que para os locais, levou à sua saída da região, nomeadamente ao nível dos laços humanos tecidos, à margem do grande Estado e das máquinas multilaterais, por pequenas ONGs, por pessoas generosas ou pessoas apaixonadas pela África, destinos aparentemente excêntricos dedicados a trabalhar obscuramente em uma campanha esquecido.


Mas a outra vitória dos jihadistas é certamente o fortalecimento e a histerização do sentimento anti-francês, um fenômeno antigo que não é sem justificativa, é claro, mas que, ao lado de aspectos de reação saudável, também revela patologias morais e intelectuais que, a longo prazo, são perigosos para o próprio Sahel.

Há alguns pontos importantes para entender aqui.

Sempre houve um forte sentimento anti-francês no Sahel e na África francófona em geral, decorrente naturalmente da dominação colonial. Nas últimas décadas, esse sentimento elevou-se para o ódio entre alguns, mas foi, na maioria, contrabalançado por uma espécie de francofilia morna advinda da influência cultural francesa impregnada pela escolarização ou simplesmente pelos "elos históricos" forjados pela colonização. Todos os nascidos antes de 1990 nos países do Sahel já ouviram falar, ou puderam evocar, a França com esta frase que sempre me surpreendeu um pouco: A pátria mãe.

O sentimento anti-francês da época não se explica apenas pelo passado colonial, mas pelo fato da França, ao contrário da Grã-Bretanha, ter estabelecido em 1958, sob a égide do General de Gaulle, uma política neocolonial na África subsaariana, uma política que é um subproduto da política de grandeza preconizada pelo general e praticamente inscrita no DNA da 5ª República.


Essa política neocolonial tinha muitas facetas, nem todas tão terríveis quanto imaginavam seus críticos - especialmente os africanos. No entanto, ela estava sufocando, seja pelo bem que queria fazer (por exemplo, financiar a vida cultural, apoiar a educação por meio de assistência técnica e bolsas de cooperação e outras obrigações benevolentes) ou pela defesa egoísta de certos interesses estratégicos ou táticos.

Acima de tudo, pressionou a França a rotinizar as intervenções militares em seu “quintal” africano. Desde 1964, quando a França restabeleceu à força Léon Mba em Libreville até a Operação Barkhane, calcula-se que a França interveio na África uma vez a cada quinze meses, sem contar as intervenções clandestinas e outros golpes de trabalho implementados com a ajuda de mercenários ou em conluio com regimes deploráveis ​​(o famoso eixo Rabat-Abidjan-Pretória).

Essas operações faziam parte do quadro neocolonial conhecido como Françafrique, pois visavam proteger os interesses estratégicos (incluindo o prestígio) da França, muitas vezes contra projetos políticos que mereciam apoio e não oposição. Isso, de qualquer forma, construiu uma imagem de uma hiperpotência diabólica da França que alimenta dois instintos entre os africanos: ou uma espécie de submissão sem energia a que se pensa não poder resistir (que, consequentemente, alimenta o desprezo divertido e a condescendência colonial do lado francês), ou uma hostilidade odiosa que vai para o outro extremo.

Mas a política de grandeza da França, bem como o neocolonialismo ligado a ela, há muito deixaram de ser viáveis ​​- e a Operação Barkhane é o primeiro ato de sua morte, embora os africanos e, em todo caso, a opinião pública saheliana, absolutamente não percebam isso.

A política de grandeza da França na África obedeceu a dois imperativos aparentemente contraditórios: participar do esforço americano da Guerra Fria e da contenção do comunismo (o que ficou especialmente evidente durante os anos 1960-70), e garantir a autonomia da França vis-à-vis os Estados Unidos, por exemplo, controlando o voto africano francófono nas Nações Unidas e, de forma mais geral, preservando uma capacidade de ação independente da supervisão americana sobre "o mundo livre". Estes são os princípios do Gaullismo, que estão na origem da 5ª República.

Mas tudo isso entrou em crise nas décadas de 1980 e 1990. Durante a década de 1980, os problemas econômicos da França levaram-na gradualmente a reduzir o alcance da sua política externa e, em particular, sua política africana. Por exemplo, a cooperação bilateral, aliás conduzida sem entusiasmo precisamente onde a necessidade era maior - os países do Sahel, para os quais os franceses nutriram um profundo pessimismo econômico desde os tempos coloniais - deu lugar ao "multilateral", isto é, a supervisão das instituições financeiras internacionais quando a crise da dívida atingiu os países francófonos na década de 1980, a França se viu incapaz de fornecer a assistência esperada nos termos implícitos do pacto neocolonial.


No início dos anos 1990, o fim da Guerra Fria também pôs fim a uma das funções do poder francês na África, a de policial do mundo livre. Os Estados Unidos foram capazes de pressionar pela democratização e pela promoção dos direitos humanos, e a França teve que seguir o exemplo, como mostra o famoso discurso de La Baule. Mas na África francófona, como em outros lugares, a conjunção entre a democratização no nível político e o ajuste estrutural político no nível econômico foi explosiva para dizer o mínimo. Com efeito, isso significava que as demandas e pressões populares sobre o Estado se multiplicavam com o surgimento de uma sociedade civil multifacetada ao mesmo tempo em que o campo de ação do Estado se estreitava drasticamente. Economicamente, nem a França nem outros países ocidentais apoiaram a democratização, por exemplo, por meio de planos de investimento em desenvolvimento ou cancelamento da dívida.

Pelo contrário: a recessão devido à crise fiscal que levou a uma sobrevalorização do franco CFA, a França cedeu em 1993 à pressão do FMI para uma desvalorização draconiana da moeda CFA, apesar do impacto social e psicopolítico duma tal decisão. A desvalorização ocorreu em 1994, ano que acabou sendo o annus horribilis do poder francês na África. De fato, foi também durante este ano que Ruanda explodiu nas mãos de uma França que se fazia de aprendiz de feiticeiro com sentimentos de ódio sócio-étnico de extrema revolta. O relatório sobre a política de François Mitterrand encomendado por Macron fala sobre este tema de uma "derrota do pensamento" e de um "colapso intelectual", sublinhando até que ponto um Estado - ou em todo o caso o seu componente central, o Palácio do Eliseu - que acreditava ele sabia tão bem que o continente negro havia se desviado para o erro fatal e a falta trágica.

Essa derrota foi a da política neocolonial e, subjacente a ela, da política de grandeza. François Mitterrand foi um político que serviu como ministro numa época em que a França ainda tinha colônias na África, e sua intervenção em Ruanda, que começou como uma promoção da democracia - seguindo o slogan americano - adotou uma linha mais sombria depois que ele se convenceu de que as potências anglo-saxônicas estavam tentando infligir um golpe de Fashoda na França em Ruanda. Enquanto o fim da Guerra Fria havia tornado impertinente para o lado anticomunista da política neocolonial, Ruanda pôs fim ao outro lado, a defesa da autonomia face os americanos.


Depois de 1994, a política neocolonial na África não se justificava, exceto pelo fato de que o que foi posto em prática perdurará pelo simples fato do conatus (da vontade de perseverar no próprio ser) até que tenha sido deliberadamente desmontado.

Tal medida é possível, embora as estruturas da 5ª República, em particular a autonomia do Palácio do Eliseu no campo da política externa, pareçam opor-se a ela. Afinal, olhando mais de perto, essa autonomia eliseana é um costume e não uma regra constitucional. As intervenções francesas na África pós-1994 já não faziam parte de uma estratégia neocolonial coerente e estruturada. Elas vieram do conatus. Este foi particularmente o caso no Chade e especialmente na Costa do Marfim, em todas as ocasiões em que o peso dos atores africanos (Déby, Ouattara) prevaleceu, através de relações pessoais com os principais chefes decisores do aparelho governamental francês, dentro duma visão política ou meios de ação que a França não mais dispunha.

A Serval e Barkhane são diferentes. Estas duas operações escapam ao conatus neocolonial porque fazem parte das novas prioridades do Estado francês, a construção europeia (em particular o conceito de defesa europeia) e a luta contra o jihadismo que tem perpetrado numerosos assassinatos em massa em solo francês e europeu.

Ao contrário das intervenções neocoloniais, a Serval e Barkhane não foram projetados para derrotar um oponente da França, ou apoiar um amigo da França, ou mesmo preservar interesses estratégicos ameaçados por potências hostis (como China e Rússia). Trata-se de pôr fim a uma violenta militância salafista enquistada no Sahel-Sahara desde o fim da guerra civil argelina e que foi mobilizada a favor do colapso do regime de Kadafi no norte do Mali, ameaçando desestabilizar todo o território da África Ocidental a longo prazo.

Essas operações sublinham tanto os novos limites da atuação francesa na África - que agora precisa do apoio das potências anglo-saxônicas, outrora consideradas meio-rivais -, quanto as novidades características da época. Por exemplo, ao contrário do que aconteceu mais uma vez no caso das intervenções de estilo neocolonial, a França hoje precisa de Estados africanos fortes e exércitos africanos que não são assim, foi o que aconteceu principalmente no Sahel, com exércitos de opereta. Isso decorre de uma convergência de interesses sem precedentes, na frente de segurança, entre a Europa e o Sahel, e especialmente entre a França e suas ex-colônias.

Como resultado, a ascensão do sentimento anti-francês que se transforma em obsessão odiosa na região é uma daquelas tragédias de erros que resultam de uma história terrível e um passado ruim. Como, até 2013, a França nunca interveio militarmente em África, exceto numa perspectiva neocolonial, é lógico considerar que esta enésima intervenção está na mesma linha. Tanto mais que, ao evoluir para uma nova fase de suas relações com a África, a França ainda preserva alguns dos instintos desenvolvidos pelo gaulismo e sua política de grandeza.


Macron, que certa vez disse à revista Le Point que estava assumindo "a grandeza", mantém o estilo frágil e peremptório que deriva daquela era antiga - e que, além disso, os então chefes de Estado em exercício se abstiveram cuidadosamente de adotar. Seus apelos aos Estados do Sahel para fortalecer seus exércitos e controle territorial, embora estejam na direção certa do bom senso, são feitos em tom de dor de acusação e impaciência e criam um processo de empilhamento sobre todo o tempo desperdiçado pela cooperação multilateral em estados debilitantes (em nome dos princípios neoliberais) e reduzir suas capacidades de governo (substituídas por ONGs), um empreendimento que a França teve o cuidado de não denunciar quando atingiu o poder total na década de 1990. No entanto: enquanto os africanos sofreram com uma espécie de resignação impotente às intervenções neocoloniais francesas do passado, eles finalmente se levantam com a petulância de uma matilha no primeiro momento em que, finalmente, uma intervenção francesa é realmente do seu interesse.

Este ponto em particular refere-se, a meu ver, a um constante e crescente distanciamento cultural entre a França e a África francófona que me parece bastante positivo, bem como a uma espécie de fome nacionalista do lado africano que me parece ser o menos preocupante.

Da independência até o final da década de 1980, havia uma forte proximidade cultural entre a França e os francófonos da África, em parte graças à ação cultural do Estado francês, em parte pela simplicidade dos tempos, onde a França era de certa forma o canal obrigatório dos francófonos para uma cultura cosmopolita. Eu conheci bem esse período, cujo período final coincidiu com minha infância e adolescência. Como indicado anteriormente, o sentimento anti-francês já era muito forte naquela época entre aqueles que se definiam como intelectuais engajados, e lembro-me de ter ficado muitas vezes impressionado com seu caráter ideológico, o fato de parecer esgotado na declamação e lamento, sem preocupação realista - isto é, sem considerar a política neocolonial da França como um problema a ser resolvido em nível prático, não como uma espécie de batalha épica e interminável entre o bem e o mal.

Como resultado, fiquei tão desanimado com o neocolonialismo francês quanto com a galofobia de muitos de meus camaradas e seus tutores intelectuais, embora não soubesse exatamente na época por que isso me incomodava.

Não entendi então que ela era apenas um sintoma de outra coisa, e que essa outra coisa era, de fato, pouco simpática.

O mundo começou a mudar na década de 1990. Não só a ação cultural da França, como d'outros países ocidentais, começou a declinar no contexto de entrincheiramentos neoliberais, mas esse novo regime econômico empurrou para a globalização, que começou a oferecer alternativas francófonas à França para acessar uma cultura cosmopolita - e primeiro os Estados Unidos e o Canadá, antes de buscar por outros horizontes. A filha de um amigo meu sonha apenas com Dubai; uma jovem de sua idade em 1995 sonhava com Nova York; em 1980, com Paris.


Os francófonos de 1980, mesmo anti-franceses, entendiam subjetivamente o que estava acontecendo na França; este não é o caso dos de 2021. Por si só, uma certa distância cultural entre a França e os francófonos, ou melhor, uma ausência de intimidade cultural entre os dois é bastante saudável do meu ponto de vista. Tendo em vista as relações de poder de estilo neocolonial que existiam entre a França e seu antigo império africano, havia algo de incestuoso nessa intimidade cultural - embora, de minha parte, eu apreciasse um certo aspecto da influência cultural francesa, seu conteúdo liberal, a substância racionalista, cética e humanista de sua mensagem geral que tinha, pelo menos para mim, cores muito atraentes contrastando com o tufo conservador e retrógrado das culturas africanas circundantes.

Mas precisamente, finalmente me ocorreu que o sentimento anti-francês não se limitava ao anti-neocolonialismo. Também tem a ver com nacionalismo ou, como dizem ultimamente, identidade nacional, algo que costumo ver tão facilmente capaz de cair em formas tóxicas de estupidez, como vemos em outros lugares da extrema-direita francesa. Isso é difícil de ver à primeira vista. O anti-colonialismo é, em princípio, uma coisa boa, e há uma tendência a aprovar qualquer coisa que o alimente - e, além disso, o nacionalismo dos fracos não parece muito perigoso, pelo menos do lado de fora.

Além de alguns franceses afro-amantes (afrófilos), não acho que os franceses estejam tão chocados com as manifestações de ódio e ressentimento que os atingem no Sahel. A maioria a vê de longe ou a aceita como um efeito normal do ressentimento do colonizado. Mas você não pode aceitar o mesmo se for um africano não-nacionalista, como eu. O nacionalismo é um moralismo humanamente perverso que tem, como disse certa vez André Gide, "ódio amplo e amor estreito". Ele surge como um bem absoluto e, portanto, precisa de um mal absoluto para se definir adequadamente. Para Zemmour, o Islã é esse mal absoluto que permite que a França se defina; para os anti-franceses - que parecem ser a maioria no Sahel de hoje - é a França. Uma das primeiras consequências de tal moralismo unificador é a total e definitiva impossibilidade de deliberar e discutir racionalmente, com base factual e pesando os prós e os contras.

Recentemente dei uma aula em Niamey, para a qual criei um exercício de debate. Dividi a turma em vários grupos e fiz uma lista das causas que são comumente atribuídas aos conflitos no Sahel, incluindo a ideia hoje tão difundida na opinião pública saheliana de que agiria fora de um esquema francês. Cada grupo teve que se reunir por cerca de vinte minutos, desenvolver um argumento e apresentá-lo à classe respondendo às críticas e perguntas de seus colegas. Expliquei enfaticamente aos alunos que eles deveriam evitar respostas consensuais e que o grupo que mais me surpreendesse com um argumento bem elaborado ganharia um bônus. Foi para incentivá-los a "pensar fora da caixa", como se diz em inglês. Este foi geralmente um esforço desperdiçado, mas acima de tudo para o grupo que teve que lidar com a "causa" da maquinação francesa. Seguindo a retórica anti-francesa mais aceita, esse grupo argumentou que a guerra do Sahel havia sido conscientemente provocada pela França para explorar "nossos imensos recursos naturais". Isso não me surpreendeu, é claro, mas o que realmente me surpreendeu foi que os outros alunos criticaram esse grupo não por ter dito todas as coisas ruins que pensavam sobre a França, mas por não terem acusado o suficiente!

Vi que estava na presença de um dogma, isto é, do não-pensamento que se apresenta sob a forma de um pensamento, uma espécie de castração do reflexo. Fiquei triste com isso pela França, mas especialmente por nós - porque essas pessoas, e todos aqueles que nutrem sua inclinação dogmática, deveriam ser as elites do Sahel, e essas são elites que, obviamente, em uma questão de urgência vital para o seu povo, não pensam. De alguma forma, a culpa é da França: ela é o diabo que corresponde a todos os nossos problemas e, portanto, dispensa pensar e deliberar.

Outro exemplo: há pouco mais de um ano, eu estava em Ouagadougou com uma professora de direito que eu estava pensando em convidar para uma conferência. Ela me perguntou o que estava acontecendo no Níger. Na época, havia uma espécie de pequeno movimento insurrecional na região de Diffa que denunciou a ditadura do PNDS e atacou especificamente Bazoum Mohamed, então um dos analistas do PNDS, mas sobretudo originário da área. Tentei explicar do que se tratava, mas ela me cortou: “Isso é organizado pela França!" Um pouco pasmo, eu disse a ela, que não, que a França era muito alinhada do regime do PNDS e não tinha motivos para desestabilizá-lo, que na minha opinião tinha a ver com o fato de Bazoum, que era particularmente visado... Ela não me deixou desenrolar minha explicação chata, muito menos excitante para ela do que o diabolismo francês. Eu não podia acreditar: esta senhora não era nigerina, não tinha ouvido falar deste evento antes de eu a informar, mas ela estava convencida, cinco minutos depois de ouvi-lo, que ela o entendia melhor do que eu. A crença é mais forte que o conhecimento.

Lembro-me que o que me frustrou, nos anos da minha primeira justa com os anti-franceses, há muito tempo, era que eu queria discutir com eles soluções práticas para se opor ao neocolonialismo, e eles queriam partir numa cruzada. Insisti prosaicamente nas realidades, e na importância de conhecer as realidades, incluindo as causas endógenas das nossas fraquezas e incapacidades, por exemplo a corrupção, a falta de sentido e preocupação com o Estado, a ausência de visão estratégica, obsessões étnicas onde obsessões são necessárias. Mas a resposta, sempre, era que enquanto a França não fosse derrotada, não se poderia lidar com essas questões - o que eu perguntei, questão de realidade, como se pretendia derrotar a França com todo o seu poder e todas as nossas fraquezas que, ao que parece, não eram prioridade. Nunca houve uma resposta para isso.

(Claro que essas questões são abordadas de forma preocupada e responsável por muitos intelectuais do Sahel, mas nunca realmente de forma a ter o impacto no público que a linha de opinião aqui discutida tem. Não há, na região, intelectuais públicos ou de uma arena pública específica onde esses pontos de vista podem ter um significado quase compensatório).

Ainda hoje, a mesma história. Dada a onda de sentimento anti-francês que agora atinge um vigor popular que não teve, ou que teve antes, todos aqueles que querem existir na praça pública e não querem se envolver com os rigores do pensamento, prova e contraditório, junte-se ao movimento e una-se com unanimidade. Eles uivam com os lobos. O populista não é aquele que lidera o povo, mas aquele que o segue para melhor explorá-lo - e as consequências!


Os Estados do Sahel, que já são instáveis como​​ padrão, estão em processo de desestabilização diante do desafio de massacres e destruição (principalmente de escolas) pelos jihadistas. Em tal situação, aqueles que rejeitam o caminho seguido pelo poder, por exemplo a aliança com a França, não devem se contentar em denunciar esse caminho e exigir a renúncia dos que estão no poder: Eles têm que explicar o que fariam uma vez no comando, que caminho pretendem seguir e como pretendem resolver o problema quando a França for expulsa de campo. Mas a partir disso, nada é ouvido.

As bombásticas conferências urbi et orbi proferidas urbi et orbi por políticos da oposição, "ulemás", acadêmicos até então escondidos em suas torres de marfim, e zelosamente transmitidas pelo WhatsApp, todas e sempre se relacionam com a eterna maldade da França, nunca em soluções práticas ou apresentações estratégicas. E por um bom motivo. Nenhum desses declamadores estudou a situação, perguntou a quem o fez ou quis saber mais. É verdade que certas realidades acabam por prevalecer. Em Burkina, onde a população está delirando com sua galofobia galopante, vozes devem ter se levantado contra a verdadeira razão das decepções do país que não é a França, mas o abandono do exército pelo poder do Estado - já no tempo de Blaise Compaoré, centrado nos generais leais e no Regimento de Segurança Presidencial (Régiment de la Sécurité Présidentielle)e agora no tempo de Roch Marc Christian Kaboré, muito assustado com os riscos dum putsch para reformar vigorosamente a máquina militar, como Macron havia dito em uma conversa "on record" com Antoine Glaser e Pascal Airault.

Falei de nacionalismo - mas trata-se dum nacionalismo negativo, nacionalismo puramente de oposição e simbólico. A oposição à França, símbolo da opressão colonial, presta-se perfeitamente ao que é; em última análise não mais que uma petição de princípios, sem consequências práticas – embora a arma do ódio assim empregada possa sempre levar a consequências violentas. É esta arma que, no Níger, levou aos ataques de igrejas, com mortes, na sequência dos motins anti-Charlie (que foram também motins anti-franceses) de Niamey e Zinder. E ouvimos os declamadores burquinenses alegando ataques de dacarianos contra "interesses franceses", neste caso algumas lojas Auchan e Carrefour, como meio de sua "libertação". Dada a demonização dos cristãos e dos franceses que levaram a esses atos de violência, não posso deixar de pensar no anti-semitismo, na visão dos judeus que os anti-semitas têm como fonte de todas as misérias do mundo, na crença de que eles controlariam tudo e seu oposto em nome de interesses enormes e ocultos, e aos ataques às lojas judaicas e aos pogroms que resultaram.

É claro que os franceses, ao contrário dos judeus, podem se defender - mas isso não impede que, nesta questão específica (mas que não é a única), os sahelianos estejam flertando com uma catástrofe moral.

Como a França em Ruanda no passado, os sahelianos estão experimentando uma derrota do pensamento e um colapso intelectual.

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

A França está substituindo o Reino Unido como principal aliado da América na Europa


Por Michael Shurkin e Peter A. Wilson, Newsweek, 30 de março de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de novembro de 2021.

A combinação do desarmamento contínuo da Europa Ocidental e uma situação estratégica em rápida evolução - o retorno das tensões do tipo Guerra Fria com a Rússia e a ascensão do ISIS (também conhecido como "O Califado") e movimentos islâmicos aliados - ressaltou um desenvolvimento importante para a abordagem estratégica dos EUA em relação à Aliança do Atlântico Norte: O principal aliado na Europa da OTAN pode não ser mais o Reino Unido, mas a França.

Esta é uma boa notícia, na medida em que significa que o declínio do Reino Unido como potência militar não deixa os Estados Unidos privados de um aliado capaz e disposto, e a relação dos EUA com a França deve ser reconhecida e fortalecida. A má notícia é que a estabilidade do relacionamento está ameaçada pela ascensão da francesa Marine Le Pen e do partido de extrema direita Frente Nacional que ela lidera.


A França, a única entre as grandes potências da OTAN, mantém a capacidade militar e a coragem política para contribuir significativa e agressivamente para as respostas coletivas às ameaças à segurança da Aliança Atlântica. Paris demonstrou isso em 2013, quando o presidente francês François Hollande lançou uma intervenção militar no Mali para salvá-lo dos militantes islâmicos e efetivamente assumiu a responsabilidade pela "frente sul" da Europa no Sahel africano.

Hoje, mais de 3.000 soldados franceses apoiados por caças estão envolvidos em uma guerra regional "quente" apoiada pelos EUA contra grupos islâmicos no Sahel, e os franceses estão avançando em direção a um maior envolvimento na guerra contra o grupo islâmico nigeriano Boko Haram. No Oriente Médio, os franceses se juntaram à coalizão liderada pelos EUA contra o ISIS. Lá, assim como na África, Paris se vê fazendo o que pode para impedir que as várias peças de um potencial califado islâmico se unam.


Em relação à Rússia, os franceses têm se mostrado firmes em sua oposição à agressão russa nos níveis diplomático e econômico, e Paris chegou ao ponto de bloquear a entrega à Rússia de dois navios de assalto anfíbios de alta capacidade. A França também tem a maior capacidade de qualquer um dos aliados europeus de contribuir rapidamente com uma força significativa capaz de lidar com um confronto com a Rússia, se necessário.

A recente decisão do governo francês de congelar os cortes nos gastos com defesa, mesmo em face de forte pressão financeira - ao contrário do governo britânico, que parece comprometido com mais reduções de defesa para um estabelecimento de defesa do Reino Unido já reduzido e em retração - indica um desejo de preservar essa capacidade.

Além disso, a França, que só recentemente voltou à integração total com a OTAN, tem feito grandes esforços para garantir que as forças francesas possam lutar efetivamente ao lado dos americanos. Por exemplo, os caças franceses Rafale têm praticado operações em porta-aviões americanos e, na primeira semana de março, Rafales operavam em porta-aviões americanos no Golfo Pérsico, participando da campanha anti-ISIS.


A importância do crescente relacionamento franco-americano torna o surgimento de Le Pen preocupante. Supostamente explorando o sentimento anti-muçulmano pós-Charlie Hebdo, ela agora está à frente nas pesquisas de todos os outros grandes líderes políticos franceses. Mas, em vez de aplaudir as ações militarmente robustas de Paris no exterior, Le Pen e seu partido defendem a retirada da OTAN e a retirada das operações de coalizão em andamento para uma postura de isolacionismo armado combinado com admiração, senão apoio, por homens fortes estrangeiros.

Le Pen critica Hollande e seu antecessor, Nicolas Sarkozy, por minarem o presidente sírio Bashar al-Assad e derrubar Muammar el-Qaddafi da Líbia. Le Pen também expressou apoio ao presidente russo, Vladimir Putin, e se opõe ao alinhamento de Hollande com os EUA em relação à crise na Ucrânia. Parte desse apoio pode ter sido comprado: um banco russo supostamente emprestou ao partido Frente Nacional US$ 11 milhões, gerando especulações de que Putin está apoiando Le Pen secretamente.

Seja qual for o caso, é claro que há uma aliança na Europa entre Putin e populistas da extrema direita e da extrema esquerda que compartilham antipatia em relação à União Europeia e à ordem liberal e militar liderada pelos EUA. Esses esforços não são inconsistentes com as tentativas sistemáticas de Moscou de desenvolver "relações especiais" com aguerridos nacionalistas europeus na Hungria, Sérvia e Grécia, enquanto tenta prejudicar a coesão de curto prazo da União Europeia.


Embora pouco possa ou deva ser feito pelos Estados Unidos em relação a Le Pen, é do interesse dos Estados Unidos fortalecer as relações bilaterais com a França. A cooperação militar já está ocorrendo em uma escala sem precedentes e deve ser incentivada. O valor da força de dissuasão nuclear francesa deve ser abertamente reconhecido como parte da postura de dissuasão coletiva da Aliança em relação a uma liderança russa que ostenta abertamente a perspectiva de uso limitado de armas nucleares no caso de uma futura crise político-militar severa na Europa.

Finalmente, pode ter chegado a hora de trazer a França para o clube exclusivo de compartilhamento de inteligência conhecido como "os Cinco Olhos", que inclui antigos aliados dos EUA, Canadá, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia. O preço da adesão para a França é alto porque se espera que Paris dê e receba. Mas, à luz da convergência estratégica entre Paris e Washington, tanto americanos quanto franceses teriam muito a ganhar.

Sobre os autores:

Michael Shurkin é um cientista político e Peter A. Wilson um analista sênior de pesquisa de defesa, ambos na organização sem fins lucrativos e apartidária RAND Corporation.

sexta-feira, 22 de outubro de 2021

A França ameaçada pela influência russa em seu quintal africano

Um mercenário do Grupo Wagner (centro) enquadra com mantenedores da paz ruandeses uma reunião do presidente centro-africano Faustin-Archange Touadéra, em 27 de dezembro de 2020, em Bangui.
(Alexis Huguet / AFP)

Por Fabrice Deprez, La Croix, 19 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de  outubro de 2021.

Análise: Em apoio à política externa de Moscou, Wagner se deslocou para vários países africanos, a ponto de "substituir" Paris na República Centro-Africana.

"O Mali perto de negociar com mercenários russos do Grupo Wagner": Em 13 de setembro, o despacho da agência de notícias Reuters soou como um trovão em Paris. Durante vários meses, o país lutou para lidar com as consequências do golpe de Estado de maio e com a decisão da França de reduzir seu braço militar na região. Os russos em Bamako? Paris se revolta e ameaça deixar o país por completo.

Borrão de rigor

Mercenários Wagner na Síria.
Notar a insígnia de caveira no braço do homem de pé.

Dos corredores da sede da ONU em Nova York, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, não hesita em agitar a polêmica, confirmando em 26 de setembro que "as autoridades malinesas fizeram contato com uma empresa militar russa". Um mês depois, a imprecisão ainda é necessária. O Estado-Maior francês assegurou ao La Croix que "não detectou a presença física do Grupo Wagner no Mali", ao mesmo tempo que reconheceu uma "intensificação da divulgação de notícias falsas contra a França" na região.

A avalanche de reações veio, de qualquer forma, lançar luz sobre a aura adquirida por este grupo desprovido de nome ou mesmo de existência oficial: “Moscou sabe muito bem que qualquer boato sobre a presença do Grupo Wagner em algum lugar da África atrai a atenção do Ocidente, explica Sergei Sukhankine, pesquisador da Fundação Jamestown e autor de um relatório sobre a atividade do Grupo Wagner na África. E, portanto, acredito que a Rússia também está usando o grupo como uma ferramenta de confronto informacional."

Mas não somente. Líbia, Moçambique, Sudão ou República Centro-Africana: a nebulosa paramilitar do oligarca russo Yevgeny Prigojine, forjada nos campos de batalha da Ucrânia e da Síria, tornou-se um ator-chave nos conflitos africanos. Além disso, é a sua ação na República Centro-Africana que, desde 2018, suscita inquietações em Paris, que se transpôs nas últimas semanas para o Mali. Porque neste país instável e entre os mais pobres do planeta, “Moscou substituiu Paris no papel de protetora do regime”, garante Thierry Vircoulon, especialista em África Central e Meridional do Instituto Francês de Relações Internacionais (Ifri).

Um recorde misto

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

Paris, por sua vez, vai mais longe: o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, acusou o Grupo Wagner em 17 de setembro de “substituir” a autoridade do Estado na República Centro-Africana e “confiscar sua capacidade fiscal”. Uma referência aos rumores persistentes de que o grupo de mercenários assumiu o controle dos postos alfandegários após a assinatura entre Moscou e Bangui de um acordo de cooperação aduaneira.

Chegados como simples instrutores militares, os mercenários do grupo aos poucos foram se transformando em guarda pretoriana, participando em janeiro de 2021 da contra-ofensiva contra grupos rebeldes então próximos à capital Bangui. “As regras de engajamento da Minusca [a missão da ONU] não permitiram detê-los”, defendeu em outubro o presidente Faustin-Archange Touadéra no canal de televisão France 24. Regras de engajamento que não constrangem o Grupo Wagner: em março, especialistas da ONU acusaram o grupo de envolvimento em vários crimes de guerra, incluindo execuções sumárias e casos de tortura.

Experiente e barato, o grupo também é visto como uma extensão de uma política externa russa empenhada em reduzir a influência ocidental na região. E se o aumento da informação anti-francesa é visto como um mau presságio no Mali, é porque parece repetir um padrão já visto na República Centro-Africana, com financiamento de estruturas próximas a Evgueni Prigojine de mídias locais críticas à presença francesa.

Derrotas amargas


O desdobramento do grupo em todo o continente não foi isento de problemas, no entanto. “Os resultados devem ser colocados em perspectiva, há um delta entre a percepção da atividade do grupo e a realidade no terreno que não é desprezível”, observa Emmanuel Dreyfus, especialista em defesa russo do Instituto de Pesquisas Estratégicas da École Militaire.

Na Líbia, no Sudão e em Moçambique, os homens do Grupo Wagner não conseguiram estabelecer-se definitivamente e até sofreram derrotas severas. "Mas Paris, por outro lado, está em uma contradição óbvia, seja na República Centro-Africana ou no Mali", disse o juiz Thierry Vircoulon. “A França diz que não quer mais ser policial desses países, quer sair, mas não quer que outros países entrem”, acrescentou o analista. Uma contradição que Moscou não hesita em explorar.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Leitura recomendada:

terça-feira, 12 de outubro de 2021

O Premier do Mali acusa a França de criar um "enclave" nas mãos de grupos armados em Kidal


Por Laurent LagneauZone Militaire OPEX360, 11 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de outubro de 2021.

No final de setembro, no pódio da Assembleia Geral das Nações Unidas, o chefe do governo de transição maliano, Choguel Kokalla Maïga, atacou fortemente a França pela anunciada reorganização de seu sistema militar no Sahel.

“A nova situação nascida no final da Barkhane, colocando o Mali perante um fato consumado e expondo-o a uma espécie de abandono em pleno ar, leva-nos a explorar as formas e meios para melhor garantir a segurança de forma autônoma com outros parceiros", havia de fato declarado o Maïga, fazendo uma alusão velada à companhia militar privada russa [PMC] Wagner, cujas autoridades malinesas eram então suspeitas de querer garantir seus serviços.

A reação de Paris não tardou a chegar. Assim, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, denunciou as palavras da Primeiro-Ministro maliano, dizendo que viu "muita hipocrisia, muita má-fé, muita indecência". Então o presidente Macron os chamou de "inaceitáveis". E insistiu: “Se ontem presidimos a homenagem nacional ao Sargento Maxime Blasco [morto em 24 de setembro no Mali, nota], é inaceitável. É uma pena e desonra o que nem é governo”.

Em troca, o Ministério das Relações Exteriores do Mali convocou o embaixador francês em Mali para expressar seu "descontentamento" e "indignação" após as propostas consideradas "hostis" e "depreciativas" feitas por Macron.

Estávamos lá quando, no dia 7 de outubro, Maïga tentou acalmar as coisas. “Pode haver ao nível das autoridades francesas abordagens que não são as mesmas do governo do Mali. O que é bastante normal. Mas está fora de questão imaginar que o povo do Mali nutra um sentimento anti-francês”, disse ele à RTL.

“Há muitos jovens malianos que levam o nome de Damien Boiteux [o primeiro soldado francês a morrer em ação durante a Operação Serval, nota], que levam o nome de François Hollande. É uma honra na África dar ao seu filho o nome de alguém. E isso está na memória coletiva e nunca vai desaparecer ”, continuou o Primeiro-Ministro do Mali.

“Agora existem questões fundamentais para as quais devemos procurar respostas de uma forma serena, sem anátema para as autoridades do Mali”, concluiu então Maïga.

Primeiro-ministro Choguel Kokalla Maïga.

Procurando respostas para questões substantivas de maneira calma? Depois de fazer os comentários, o chefe do governo de transição do Mali colocou uma moeda na máquina com outra declaração feita à agência de notícias russa Ria Novosti. E, mais de 48 horas depois de seu conteúdo ter sido divulgado, não deu lugar a uma negação por parte de Bamako, e assim despertou uma reação pública em Paris.

“Você sabe, os terroristas vieram primeiro da Líbia. Quem destruiu o Estado líbio? Foi o governo francês com seus aliados”, começou lembrando Maïga, antes de denunciar a situação em Kidal [norte do Mali] onde a rebelião tuaregue continua influente.

“Ao chegar a Kidal, a França proibiu a entrada do exército maliano. Isso criou um enclave”, disse ele.

Depois, de acordo com a retranscipação das suas declarações feitas pela Ria Novosti, acusou as forças francesas de terem "tomado" dois quadros da organização jihadista Ansar Dine e de terem ido "à procura de líderes" do Movimento de Libertação Nacional de Azawad [MNLA , Organização de independência Tuareg, nota do editor] a fim de formar uma “outra organização” a fim de dar-lhe as chaves de Kidal.

“O governo maliano até agora não tem autoridade sobre a região de Kidal. No entanto, foi a França que criou este enclave, uma zona de grupos armados que são treinados por oficiais franceses. Temos as provas”, acusou Maïga.

Obviamente, as palavras deste último foram repetidas extensivamente depois, muitas vezes de forma distorcida ["grupos armados" tornando-se "grupos terroristas", sob a pena de alguns, como aqui e ali]. E tudo sem a menor menção aos acordos de paz de Argel, assinados em 2015 pela Coordenação dos Movimentos de Azawad [CMA], cujo reduto está em Kidal, a “Plataforma” [então aliada do governo do Mali] e Bamako. No entanto, a implementação das disposições previstas neste texto sempre teve uma concretização lenta.
"O Estado maliano e o CMA também têm interesse em manter o status quo atual: o CMA já goza de uma autonomia muito grande de facto nas suas áreas de influência no norte do Mali, enquanto uma grande parte dos seus executivos ocupam funções remuneradas nos órgãos que apoiar a implementação do acordo, como o CSA [comitê de monitoramento do acordo, nota] e as autoridades provisórias. Ao mesmo tempo, este status quo permite ao Estado maliano atrasar a implementação das delicadas disposições do acordo de 2015, em particular as que implicam uma revisão constitucional”, referiu, em 2020, o International Crisis Group.

Observação compartilhada por Nicolas Normand, ex-embaixador da França no Mali. Depois da Operação Serval, "a França acreditava [...] distinguir entre grupos armados bons e maus. Alguns eram vistos como políticos e outros como terroristas. E o exército francês foi procurar esse grupo - era o MNLA na época - esses separatistas tuaregues, de uma determinada tribo que era minoria dentro dos próprios tuaregues, os Ifoghas. Esse grupo, fomos procurá-lo e demos a ele a cidade de Kidal. E depois, depois, houve os acordos de Argel, que colocaram esses separatistas em uma espécie de pedestal, de certa forma em pé de igualdade com o Estado. Este é um grande erro", explicou à RFI em 2019.

Combatentes da aliança tuaregue.

Assim, as forças francesas estimularam efetivamente a formação de uma célula antiterrorista dentro do MNLA, comandada por Mohamed Ag Najim, líder militar do grupo armado tuaregue. Mas a experiência foi interrompida.

Porém, em 2020, um batalhão das Forças Armadas do Mali [FAMa] foi desdobrado em Kidal... Mas nunca patrulhou lá e uma de suas companhias foi até "reenviada" a Gao pelo CMA, "infeliz pela falta de comando compartilhado", escreve o International Crisis Group.

“Estes soldados malineses, oriundos igualmente da FAMa e dos grupos armados signatários [Coordenação dos movimentos de Azawad e Plataforma] constituirão o novo 11º Regimento de Infantaria Motorizada [RIM] de Ménaka”, explicou o Estado-Maior dos Exércitos [EMA]. Duas outras unidades, modeladas no mesmo modelo, foram implantadas em Timbuktu [51º RIM] e... Kidal [72º RIM]. “A missão deles é contribuir para a segurança das populações em suas respectivas áreas de atuação”, afirmou.

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Se o Mali cooperar com os mercenários Wagner, a Estônia vai partir

Pelotão das Forças de Operações Especiais da Estônia no Mali.

Do ERR News, 22 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de outubro de 2021.

A Estônia retirará suas tropas que servem no Mali se o governo local decidir começar a trabalhar com a empresa militar privada russa Grupo Wagner e permitir que seus mercenários entrem no país, disse o Ministro da Defesa Kalle Laanet. O ministro também acredita que a Estônia terá capacidade para monitorar a situação regional no contexto da defesa aérea de médio alcance em cinco anos.

"Estou certamente convicto de que se houver um acordo de cooperação feito com o Grupo Wagner e o exército privado Wagner começar a operar no Mali, o contingente estoniano partirá", disse Laanet ao noticiário "Uudis+" da Vikerraadio na quarta-feira.

A Reuters relatou na semana passada um acordo em andamento que permitiria aos mercenários Wagner entrarem no Mali, estendendo a influência russa sobre os assuntos de segurança na África Ocidental. Uma fonte europeia que rastreia a África Ocidental e uma fonte de segurança na região disse que pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos.

Aproximadamente 100 membros das Forças de Defesa da Estônia (EDF) estão participando de três operações de paz no Mali, como parte da Operação Barkhane liderada pela França.

Em resposta aos planos da França de reduzir sua capacidade de missão no Mali, a junta militar no poder anunciou planos para contratar a empresa mercenária russa Grupo Wagner para treinar seus soldados e proteger altos funcionários do Estado. No ano anterior, houve dois golpes de Estado no Mali.

Laanet disse que cabe a Paris decidir sobre a possível cooperação de mercenários russos e tropas francesas, mas a Estônia não quer trabalhar com soldados do Grupo Wagner.

"Cabe aos franceses decidir se podem trabalhar lado a lado com uma empresa de segurança russa, mas os estonianos certamente não podem fazê-lo e nosso maior perigo ainda é do Leste - a Rússia. O maior perigo da OTAN ainda vem daquela direção e como a França é membro da OTAN, é completamente lógico que não é possível cooperar com nosso maior inimigo ou de onde vêm os maiores riscos militares", disse o ministro da Defesa ao ERR.

Patrulha final da ESTPLA-30 no Mali.

Laanet disse que a França e seus aliados pediram ao governo do Mali que organize eleições democráticas no próximo ano para permitir que um governo civil volte ao poder.

"Eu entendo perfeitamente aqueles que estão atualmente no poder no Mali - por que deveriam voluntariamente abrir mão de seu poder? E eles acham que foram inteligentes o suficiente e voltaram suas atenções para a Rússia e permitirão que o Grupo Wagner ajude a trazer paz ao Mali", Laanet explicado.

“É do interesse dos russos obter acesso aos recursos africanos e é do interesse dos malianos exercer pressão sobre a comunidade internacional - França e outros aliados - para que não exijam eleições democráticas e recuem”, afirmou o ministro disse.

A Operação Barkhane é uma missão anti-insurgência liderada pela França, que visa apoiar os governos dos países da região do Sahel, Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Níger e Chade, em sua luta contra os terroristas islâmicos.

A Operação Barkhane também apoia a missão MINUSMA da ONU e a missão de treinamento da UE EUTM Mali para garantir a estabilidade no país africano. Ambas as missões acima mencionadas também consistem em cerca de uma dúzia de soldados estonianos cada.

Estônia monitorará as defesas aéreas da região do Mar Báltico em cinco anos

Laanet também falou sobre os gastos com defesa e observou que a Estônia deve ter capacidade para monitorar a situação no contexto das defesas aéreas de médio alcance na região do Mar Báltico dentro de cinco anos.

"Não ousaria dizer que podemos desenvolver defesas aéreas na região do Báltico em alguma data, mas podemos melhorar nossa conscientização sobre o Mar Báltico, providenciar todos os tipos de equipamentos de gestão. Ou seja, começaremos a desenvolver essa capacidade passo a passo e acredito que possa estar em algum nível nos próximos cinco anos", disse o ministro.

Respondendo a uma pergunta sobre defesas aéreas, o que significa mísseis antiaéreos, Laanet disse que considera a conscientização a coisa mais importante. "E, em segundo lugar, teríamos sistemas de controle anti-aéreo em funcionamento. Acredito que o lançamento de foguetes levará algum tempo."

Pessoal da Marinha da Estônia (Merevägi) no 102º aniversário da força.

Ele ressaltou que em breve será alcançado um acordo para a compra de mísseis anti-navio no valor de € 46 milhões. Além disso, a EDF pretende adquirir munições de grande calibre, que custarão cerca de € 25 milhões. Um montante semelhante será alocado para melhorar a prontidão dos veículos, outros € 15 milhões serão investidos na aquisição de canhões móveis adicionais, outros € 15 milhões serão usados para reconstruir veículos de combate CV-90 e um centro de medicina de emergência será desenvolvido no aeródromo Raadi.

Falando sobre a possível movimentação da Marinha da Estônia do Porto Minerador de Tallinn, Laanet disse que apóia uma mudança, mas nenhuma decisão foi tomada. Em primeiro lugar, deve-se decidir se a marinha e a marinha da Polícia e Guardas de Fronteira podem se fundir.

"Essa análise chegou a um ponto em que deve chegar à mesa do governo no início de outubro e o governo só pode tomar uma decisão se a fusão for realista ou não", disse Laanet. "Se essa decisão for tomada, podemos olhar para frente e pensar para onde o porto principal pode ir. Não há necessidade de apressar as coisas antes disso."

Ele disse que pensa pessoalmente que o Porto Minerador de Tallinn não é o melhor lugar para uma base naval, mas os especialistas devem avaliar a situação e os políticos devem discutir a melhor opção disponível.

Falando sobre as fronteiras da Estônia à luz da crise migratória na Bielorrússia, Laanet disse que a EDF poderia colocar barreiras de arame farpado nas fronteiras da Estônia em alguns dias, se a migração do Leste assim o exigir.

"Estou mais do que convencido de que nossas tropas das forças de defesa e da Liga de Defesa podem levantar essas barreiras mais rápido do que na fronteira entre a Lituânia e a Bielo-Rússia", disse Laanet.