Mostrando postagens com marcador Prisioneiros. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Prisioneiros. Mostrar todas as postagens

sábado, 12 de fevereiro de 2022

Socialismo árabe e prisioneiros egípcios na Guerra dos Seis Dias

Prisioneiros egípcios sendo levados de caminhão para um campo de PG, passando por um comboio de soldados israelenses em direção ao front, 1967.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de fevereiro de 2022.

Um caminhão cheio de soldados egípcios capturados cruza um comboio de tropas israelenses perto de El Arish, Egito, durante a Guerra dos Seis Dias, em 8 de junho de 1967.

Os israelenses tomaram El Arish e estão indo em direção ao deserto do Sinai. Eles estão armados com fuzis FAL do modelo Romat, um deles com uma granada de fuzil BT/AT 52 visível, e submetralhadoras Uzi; armamentos típicos do exército israelense do período. Os árabes eram armados com fuzis AK-47 e outros materiais soviéticos, além de outros armamentos portáteis de procedência variada.

O AK e o FAL.
Adversários na Guerra dos Seis Dias, 1967.

O presidente egípcio, Gamal Abdel Nasser, ameaçou repetidamente a existência do Estado de Israel durante anos e costurou uma aliança opondo o mundo árabe ao país hebreu. Os egípcios e seus aliados árabes se mobilizaram ao redor de Israel, seguindo uma ideologia de pan-arabismo e socialismo árabe, além de uma aproximação com a União Soviética que armou pesadamente a coligação árabe. Nasser chegou mesmo a fechar o Estreito de Tirã, uma via marítima essencial a Israel - um causus belli em si mesmo. O Egito sozinho contava 240 mil soldados opondo os 50 mil regulares e 214 mil reservistas israelenses que teriam de lutar em três frentes diferentes, enquanto os egípcios lutariam apenas no Sinai. A Síria, Jordânia e Iraque somavam mais 304 mil homens a esse número, com 20 mil sauditas também à disposição. Os árabes possuíam 2.504 tanques contra os 800 tanques israelenses. Os israelenses tinham entre 250-300 aviões de combate contra os 957 aviões árabes. Dos 264.000 homens da Força de Defesa de Israel mobilizados, 100.000 foram desdobrados em ação. Os árabes dispunham de 567.000 dos quais 240.000 desdobrados. Ainda assim, Nasser e seus seguidores foram surpreendidos pelo ataque surpresa israelense que os colocou de joelhos.

As baixas árabes foram enormes. Do lado do Egito, até cerca de 15.000 soldados egípcios foram listados como mortos ou desaparecidos, com um adicional de 4.338 soldados egípcios capturados.

Yael Dayan, a filha do General Moshe Dayan e oficial do exército acompanhando o estado-maior divisional de Ariel Sharon no Sinai, do ponto de partida da ofensiva em Shivta e pelo caminho através península desértica. Os israelenses acharam depósitos e bases abarrotadas de víveres e equipamentos, com escritórios luxuosos para oficiais, lotados de comidas caras e champagne. Do lado desse luxo havia os pobres soldados egípcios, mal-alimentados e mal-vestidos. Yael descreveu o triste cenário em Nakhl como o "Vale da Morte do Exército egípcio", contando 150 tanques destruídos entre Temed e Nakhl, além de vasto material avariado ou abandonado (canhões, tratores, caminhões etc) e grande quantidade de corpos com fedor nauseabundo cozinhando sob o sol do deserto.  Yael menciona como a cena era depressiva, e como seu colega Dov, outro oficial israelense, contou-lhe que quase chorara pelo destino daqueles soldados egípcios, sob um comando tão incompetente.

"Que destino desgraçado o dêles, tendo de depender de líderes e oficiais miseráveis como aquêles. Em 1948, tiveram os paxás e seus filhos incompetentes por oficiais; em 1956, no Sinai, a gente tinha de desculpá-los até certo ponto - ainda não estavam educados e preparados, a revolução socialista não tivera tempo de acabar com a distância entre oficial e soldado. Mas agora, dezesseis anos depois da revolução, com oficiais treinados na Rússia, com técnicos russos no Egito, onde se encontrava seu espírito de socialismo? Como se explica que tivéssemos só um ou dois oficiais entre os nossos prisioneiros, e tão grande número de soldados? Como se explica que não capturamos nem vemos pelo menos um carro de comando? Onde estavam todos aqueles oficiais sorridentes nas suas reluzentes fardas, com cabelos crespos emplastrados de brilhantina, parecendo tão confiantes quando apareciam no Cairo ou nas páginas dos jornais? Os pobres camponeses foram abandonados à sua sorte, ficaram à mercê das nossas tropas, o inimigo. Como pôde êle, Nasser, que julgávamos um líder honesto de sua nação brincar com a vida do seu povo, blefar, à custa de milhares e milhares de obedientes filhos do Egito? Como teve coragem de brincar de alta política, utilizando-os cinicamente em penhor do seu jôgo? Êle não tinha condições de bancar Napoleão, de fechar o Estreito de Tirã, de nos ameaçar com uma centena de tanques no Sinai. Para quê? Que foi que conseguiu? tinha problemas urgentes que resolver. Não dispunha de meios para matar a fome da população, e gastou milhões em armamentos. Seu povo era analfabeto. Por que cargas d'água foi começar tudo isto, se êle próprio teve de admitir que ainda não se achava preparado?"

- Yael Dayan, Diário de um soldadopg. 135-136, 1967 (trad. 1970).






Prisioneiros egípcios capturados nas cercanias de El-Arish.

Bibliografia recomendada:

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.
Kenneth M. Pollack.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 5 de maio de 2021

FOTO: Prisioneiros de guerra bem penteados

 

Tenente do Exército sul-vietnamita penteando os cabelos de prisioneiros do Exército norte-vietnamita, março de 1967.
(Robert Kersey / Stars and Stripes)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de maio de 2021.

Gio Linh, Vietnã do Sul, março de 1967: um soldado sul-vietnamita penteia o cabelo de prisioneiros do exército norte-vietnamita amarrados e vendados em preparação para a chegada do primeiro-ministro Nguyen Cao Ky.

Durante sua visita ao campo perto da Zona Desmilitarizada (DMZ), Ky conversou com os agora bem arrumados prisioneiros de guerra; ele também assinou dois panfletos e uma salva de obuses de 175mm que foi disparada contra o Vietnã do Norte por unidades de artilharia dos EUA e do ARVN.

Bibliografia recomendada:

Army of the Republic of Vietnam 1955-75.
Gordon L. Rottman e Ramiro Bujeiro.

Leitura recomendada:

FOTO: M41 vietnamita destruído, 16 de dezembro de 2020.



sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Israel e Síria trocam prisioneiros em acordo mediado pela Rússia

Soldados israelenses bloqueiam uma estrada que leva à fronteira com a Síria nas Colinas de Golã anexadas a Israel em 5 de março de 2020. (Jalaa Marey / AFP)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 19 de fevereiro de 2021.

Dois pastores sírios foram trocados por uma mulher israelense sob um acordo de troca de prisioneiros na quinta-feira de ontem, 18 de fevereiro, entre o estado judeu e a Síria mediado pela Rússia. Os militares israelenses disseram que os dois foram presos "algumas semanas" atrás, depois de cruzarem a fronteira contestada nas Colinas de Golã ocupadas por Israel.

O exército "devolveu [os] dois pastores aos representantes [do Comitê Internacional da] Cruz Vermelha por meio da passagem de Quneitra, de acordo com uma diretiva do governo israelense", disse o órgão em um comunicado. Os militares não deram mais detalhes sobre a identidade dos homens, mas a agência de notícias SANA de Damasco confirmou a troca, identificando os prisioneiros sírios como Mohamed Hussein e Tarek al-Obeidan.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu confirmou mais tarde que a troca foi mediada pela Rússia, que mantém laços estreitos com o governo sírio e posiciona soldados no país. Agradecendo ao líder russo Vladimir Putin após o acordo, o primeiro-ministro israelense disse que pediu a seu "amigo" que ajudasse "e ele agiu". Netanyahu disse que a jovem israelense - que se extraviou pela fronteira - estava voltando para casa e que seu país libertou os dois pastores como um gesto de boa vontade.

Como parte do acordo, ele disse, uma ativista síria chamada Nihal al-Mokt atualmente cumprindo serviço comunitário teria sua sentença encurtada em três meses. Anteriormente, a SANA havia dito que os dois pastores foram libertados após um acordo conduzido por meio de "mediação russa", que também permitiu a libertação de al-Mokt. Netanyahu na terça-feira (16/02) à noite realizou uma reunião de gabinete de emergência para discutir a situação “humanitária” na Síria.

Solicitado a comentar na quarta-feira, logo após a SANA relatar a troca de prisioneiros, ele chamou isso de “uma questão de vida ou morte”.

“Estou usando meus contatos pessoais com o presidente (Vladimir) Putin para resolver o problema”, disse Netanyahu a uma estação de rádio militar israelense. Israel tomou grande parte das Colinas de Golã da Síria na Guerra dos Seis Dias de 1967 e mais tarde anexou-as em um movimento não-reconhecido pela comunidade internacional.

A Síria jamais aceitou a perda das Colinas de Golã e a existência do Estado de Israel, e os países continuam tecnicamente em guerra.

Israel atualmente realiza ataques aéreos rotineiramente na Síria, principalmente contra alvos ligados ao Irã, que mantém milícias agindo por procuração na Síria. As ações israelenses visam impedir que seu arqui-inimigo consolide um ponto de apoio em sua fronteira norte.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

Israeli Soldier versus Syrian Soldier.
David Campbell.

Leitura recomendada:


domingo, 29 de novembro de 2020

FOTO: Soldado vietnamita com prisioneiro Viet Minh

Um jovem Bawouan, um pára-quedista vietnamita do 3e BVPN (recrutado na região de Hanói) traz um também muito jovem prisioneiro Viet Minh que foi ferido nos combates pelo posto avançado de Banh-Hine-Siu, no Laos, em 9 de janeiro de 1954.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de novembro de 2020.

A foto mostra a juventude das tropas engajadas e também a natureza de guerra civil do conflito na Indochina, em seus 25 anos de duração. Ao mesmo tempo ocorria a épica Batalha de Dien Bien Phu, onde metade da guarnição francesa do camp retranché era indochinesa.

Paraquedistas vietnamitas do 3e BPVN (3ème Bataillon de Parachutistes Viêtnamiens, apelidados "bawouans"), sob o comando do Chef de bataillon Mollo, engajados em pesados combates no Laos, no posto de Banh-Hine-Siu e na vila de Na Pho de 5 a 9 de janeiro de 1954, contra elementos da 325ª Divisão Viet Minh (Daï Doan 325). (Galeria da batalha)

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

FOTO: Prisioneiros americanos no rio Yalu

 

Soldado chinês do "Exército Popular de Voluntários" escoltando prisioneiros americanos após a campanha do rio Yalu, dezembro de 1950.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de novembro de 2020.

Pyongyang, capital da Coréia do Norte, foi capturada pelas forças da ONU em 19 de outubro de 1950. No mesmo dia, o Exército Popular de Voluntários (PVA) cruzou formalmente o rio Yalu (rio Amarelo) sob estrito sigilo.

O ataque inicial chinês começou em 25 de outubro de 1950, sob o comando de Peng Dehuai com 270.000 soldados do PVA. O ataque pegou as tropas da ONU de surpresa e, com grande habilidade e notável capacidade de camuflagem, escondeu sua força numérica antes e após o primeiro confronto com a ONU. Após esses combates iniciais, os chineses retiraram-se para as montanhas. As forças da ONU interpretaram esta retirada como uma demonstração de fraqueza, raciocinando que esse ataque inicial era tudo o que as forças chinesas eram capazes de empreender.

Em 25 de novembro de 1950, na Segunda Fase Ofensiva (ou campanha), o PVA atacou novamente ao longo de toda a frente coreana. No oeste, na Batalha do Rio Ch'ongch'on, o PVA ultrapassou várias divisões da ONU e desferiu um golpe extremamente pesado no flanco das forças restantes da ONU, dizimando a 2ª Divisão de Infantaria no processo. A retirada resultante da ONU da Coréia do Norte foi a mais longa retirada de uma unidade americana na história. No leste, na Batalha do Reservatório de Chosin, a Força-Tarefa Faith - uma unidade de 3.000 homens da 7ª Divisão de Infantaria - foi cercada pelas 80ª e 81ª Divisões do PVA. A Força-Tarefa Faith conseguiu infligir pesadas baixas às divisões chinesas, mas no final foi destruída com 2.000 homens mortos ou capturados, e perdendo todos os veículos e a maioria dos outros equipamentos. A destruição da Força-Tarefa Faith foi considerada pelo PVA como seu maior sucesso em toda a Guerra da Coréia.

A 1ª Divisão de Fuzileiros Navais se saiu melhor; embora cercados e forçados a recuar, eles infligiram pesadas baixas ao PVA, que cometeu seis divisões tentando destruir os fuzileiros navais americanos. Embora o PVA tenha sido capaz de recapturar grande parte da Coréia do Norte durante a Campanha da Segunda Fase, 40% do PVA se tornou "combat ineffective" (incapacitado para combate) - uma perda da qual eles não puderam se recuperar até o início da Ofensiva de Primavera chinesa, em abril de 1951.

As forças da ONU no nordeste da Coréia se retiraram para formar um perímetro defensivo em torno da cidade portuária de Hungnam, onde uma evacuação foi realizada no final de dezembro de 1950. Aproximadamente 100.000 militares e material da ONU, além de outros 100.000 civis norte-coreanos, foram evacuados em uma variedade de navios mercantes e de transporte militar. Durante o desesperado recuo, o comandante do Oitavo Exército americano, General Walton Walker, morreu em um acidente de jipe em 23 de dezembro de 1950. Ele foi substituído pelo Tenente General Matthew Ridgway, que liderou tropas aerotransportadas na Segunda Guerra Mundial.

As forças do PVA usaram ataques rápidos nos flancos e na retaguarda, além da infiltração atrás das linhas da ONU para dar a aparência de vastas hordas. Isso, é claro, foi aumentado pela tática chinesa de maximizar suas forças para o ataque, garantindo uma grande superioridade numérica local sobre seu oponente. As vitórias iniciais do PVA foram um grande estímulo para o moral do PVA e a primeira vitória chinesa sobre o Ocidente nos tempos modernos desde o Cerco do Forte Zeelandia (1661-1662).

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem Vencedores, Nem Vencidos.
Stanley Sandler.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 26 de março de 2020

FOTO: Prisioneiros alemães na Itália

Prisioneiros alemães capturados pelos franceses em Castelforte, na Linha Gustav, na Itália, em maio de 1944.

Estes franceses são do Corpo Expedicionário Francês do General Alphonse Juin, estão guardando prisioneiros alemães capturados no ponto-chave de Castelforte, na Linha Gustav. Os franceses usam um misto de capacetes M1 americanos e M26 Adrian franceses.

O General Mark Clark, comandante do 5º Exército Americano, que no seu livro referiu ao General Juin dizendo que "Nunca houve melhor soldado", assim qualificou a ação francesa:

"Entrementes, as forças francesas, transpondo o [rio] Garigliano, haviam-se deslocado para norte, penetrando o terreno montanhoso que jazia ao sul do rio Liri. Não foi fácil. Como sempre, os veteranos alemães reagiram fortemente e houve luta encarniçada. Os franceses surpreenderam o inimigo e capturaram sem demora áreas-chave como os Montes Faito e Cerasola e as alturas vizinhas de Castelforte. A 1ª Divisão Motorizada [Francesa Livre] ajudou a 2ª Divisão Marroquina a tomar o ponto capital de Monte Girofano e, a seguir, avançou rapidamente para o norte até S. Apollinare e S. Ambrogio. A despeito da renitente resistência inimiga, a 2ª Divisão Marroquina penetrou na Linha Gustav em menos de dois dias de combate.

As próximas quarenta e oito horas na frente francesa foram decisivas. Os Goumiers, manejando destramente a arma branca, esparramaram-se nas montanhas, particularmente à noite, e toda a tropa do General Juin mostrou uma agressividade hora após hora que os alemães não puderam agüentar. Cerasola, San Giorgino, Mt. D'Oro, Ausonia e Esperia foram conquistados num dos mais brilhantes e audaciosos avanços da guerra na Itália, e no dia 16 de maio [de 1944] o Corpo Expedicionário Francês havia jogado seu flanco esquerdo a umas dez milhas para a frente, até Monte Revole, enquanto se verificava um reentrante no resto da linha de contato, para de algum modo ser mantida a ligação com o Oitavo Exército Britânico.

Somente o mais cuidadoso preparo e uma extrema resolução tornaram possível o ataque, mas Juin era desse tipo de combatente. Transporte logístico à base de mulas, peritos em guerra de montanha e homens com energia bastante para realizar marchas noturnas demoradas em terreno traiçoeiro, eis o que foi necessário ao sucesso naquelas escarpas praticamente inexpugnáveis. Os franceses patentearam tudo isso no seu sensacional avanço, que o General-de-Exército Siegfried Westphal, chefe do estado-maior do Kesselring, descreveria depois como uma surpresa completa, tanto em termos de rapidez, quanto em agressividade. Por essa realização, que haveria de constituir a chave do sucesso para a arremetida inteira sobre Roma, serei sempre um admirador agradecido do General Juin e de seu magnífico CEF."

- General Mark Clark, Risco Calculado, 1950 (1970 em português), pg. 360 e 362.