Mostrando postagens com marcador Vladimir Putin. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Vladimir Putin. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 11 de março de 2020

O identidade da Stasi do Putin foi encontrada em arquivo alemão

Um cartão de identificação com foto emitido para um jovem Vladimir V. Putin pela Stasi. (BStU)

Por Palko Karasz, The New York, 12 de dezembro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de março de 2020.
(Noticiado no Soldier of Fortune hoje)

LONDRES - O tempo de Vladimir V. Putin como agente de inteligência soviético na Alemanha Oriental está amplamente envolto em segredo. Ele alegou, por exemplo, ter dispersado sozinho manifestantes do lado de fora do escritório do KGB (Komitet Gosudarstvennoy Bezopasnosti/ Comitê de Segurança do Estado), em Dresden em 1989, nos últimos dias do governo comunista.

Agora, a publicação do tablóide alemão Bild de um cartão de identificação com foto emitido a um jovem Sr. Putin pela Stasi, a polícia secreta da Alemanha Oriental, retira o véu de uma parte de seu mandato em Dresden, causando uma onda de excitação nas mídias sociais e levantando questões sobre sua presença na antiga República Democrática Alemã.

O cartão de identificação de Putin também foi liberado na quarta-feira pelo Comissário Federal para os Registros do Serviço de Segurança do Estado da antiga Alemanha Oriental. Impresso em papel verde no estilo de passaporte, o cartão traz uma foto em preto e branco de um jovem oficial de inteligência identificado como Major Putin, que teria 33 anos na época. 

Foi emitido no último dia de 1985 e possui selos de validação para cada trimestre, exceto um - o último trimestre de 1986. O documento também traz o que parece ser a assinatura de Putin.

O edifício da Stasi ficava a poucos passos de distância da vila onde o K.G.B. tinha seus escritórios.

"Isso não prova que ele trabalhou para a Stasi", disse por telefone na quarta-feira Douglas Selvage, que trabalha nos arquivos da Stasi.

Carimbos de validação no documento da Stasi do Sr. Putin. (BStU)

O que a identidade comprova, disse Selvage, especialista nas relações entre o K.G.B. e a Stasi, é que Putin, como outros oficiais da agência de segurança soviética, teve acesso à sede da Stasi em Dresden, provavelmente por recrutar moradores para o seu trabalho de inteligência.

O porta-voz do Kremlin, Dimitri S. Peskov, disse na terça-feira: "Meu palpite é que, na era soviética, o K.G.B. e a Stasi eram parceiros e, por esse motivo, não se deve descartar que eles possam ter trocado documentos e passes de identificação.”

Ao contrário de outros serviços de inteligência, onde as informações são compartimentadas com base na necessidade de conhecimento, oficiais do K.G.B. poderiam ter acesso à maior parte da inteligência da Stasi. Os agentes soviéticos tinham acesso semelhante à inteligência em todas as nações do Pacto de Varsóvia, disse Selvage.

Ele disse que os pesquisadores encontraram identificações semelhantes em arquivos de outros distritos da antiga Alemanha Oriental e, às vezes, até fotos de passaporte - identificadas apenas com as palavras "amigo" ou "K.G.B." atrás.

O arquivo da Stasi divulgou fotos e documentos relacionados ao tempo de Putin na Alemanha várias vezes. Mas depois de um pedido em novembro da Bild, os arquivistas examinaram mais de perto os arquivos pessoais de oficiais do K.G.B. em Dresden, e encontraram o documento, que nunca havia sido liberado, disse Dagmar Hovestädt, porta-voz do arquivo da Stasi, por telefone na quarta-feira.

"Todo ano, existem centenas de pedidos para ver os registros da Stasi sobre Putin", acrescentou Selvage, mas pouco se sabe sobre seu trabalho.

Os arquivos do K.G.B. relativos aos anos de serviço de Putin ainda são secretos e poucos registros relevantes foram descobertos no arquivo da Stasi. O K.G.B. existiu até 1991 e foi sucedido pelo FSB (Federal'naya sluzhba bezopasnosti Rossiyskoy Federatsii/ Serviço Federal de Segurança) como principal agência de segurança doméstica da Rússia.

Bibliografia recomendada:

A KGB e a Desinformação Soviética: a visão de um agente interno.
Ladislav Bittman.

Leitura recomendada:





sábado, 1 de fevereiro de 2020

COMENTÁRIO: Putin como Líder Supremo da Rússia


Por Éder Fonseca, 1º de fevereiro de 2020.

Ao final de seu atual mandato, em 2024, Vladimir Putin terá somado vinte e quatro anos no comando da Rússia, só perdendo para Josef Stálin em quantidade de tempo no liderança deste país.

Hoje, sua popularidade é superior a 50% do eleitorado russo, e isso não segundo alguma pesquisa de confiabilidade duvidosa, mas de pesquisadores ocidentais ligados ao mercado financeiro (Bloomberg).

É muita coisa, sobretudo considerando os 20 anos do mandatário em serviço. Em qualquer país ocidental, por melhor que fosse o seu desempenho, tal resiliência seria inimaginável.


O que explica esse fenômeno aparentemente estranho é o ethos nacional russo, que é o de um império secular personificado na figura de um líder forte, capaz de manter aquela colcha de retalhos étnica coesa.

Os russos sempre estarão à procura de um Czar, e nem a revolução bolchevique foi capaz de quebrar essa lógica, porque quebrar tal lógica equivaleria a destruir sua 'raison d'être'*. O Czar é a Rússia e a Rússia é o Czar, não importando se este é descendente de uma linhagem nobre, um líder soviético ou um presidente constitucional.

*Nota do Warfare: Razão de ser, o seu propósito mais importante.


A mentalidade liberal-democrata atualmente hegemônica no ocidente é incapaz de realizar tais aspectos constitutivos de uma Nação. É uma ideologia internacionalista por natureza, que tende ao desdém da cosmovisão dos povos, sua religião predominante, sua composição étnica, etc.

Tal desdém encontra-se personificado na atuação das entidades supra-nacionais, mormente a ONU, sempre partindo do princípio de que a 'democracia liberal' é o melhor modelo de governo, aplicável a todos os povos em quaisquer circunstâncias. Um valor absoluto, incriticável.

Se há algo no mundo que merece ser chamado de imperialismo hoje, é isso. E as consequências dessa abordagem são em muitos casos desastrosas, basta ver no que resultou a tal 'Primavera Árabe'.

Fuzileiros navais russos na Criméia, ponto alto da popularidade de Putin.