Mostrando postagens com marcador Espionagem. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Espionagem. Mostrar todas as postagens

sábado, 12 de março de 2022

Análise do FSB sobre a invasão da Ucrânia


Por Igor Sushko, Twitter, 5 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de março de 2022.

🧵Minha tradução da análise da situação atual na Rússia por um analista ativo do FSB. Aperte o cinto para um longo tópico e, definitivamente, compartilhe por toda parte. O texto completo tem mais de 2.000 palavras. Este é um olhar altamente perspicaz por trás da cortina - abrange muitos assuntos.

Adicionarei comentários de esclarecimento entre parênteses, quando necessário. Então, vamos rolar:

Eu mal dormi todos esses dias, no trabalho em quase todos os momentos, tenho nevoeiro cerebral. Talvez por excesso de trabalho, mas sinto que estou em um mundo surreal.

A Caixa de Pandora está aberta – um verdadeiro horror global começará no verão – a fome global é inevitável, pois a Rússia e a Ucrânia são os principais produtores de trigo. (MEU COMENTÁRIO: Discordo que isso resulte em fome global.) Não posso dizer o que orientou os responsáveis a decidir prosseguir com a execução desta operação (invasão da Ucrânia), mas agora eles estão nos culpando metodicamente (FSB, serviço secreto) . Estamos sendo repreendidos por nossa análise. Recentemente, temos sido cada vez mais pressionados a preparar mais relatórios. Todos esses consultores de política e políticos, e os poderes constituídos estão causando o caos. Mais importante ainda, ninguém sabia que haveria tal guerra – foi escondida de todos.

Lubyanka, o quartel-general da KGB/FSB em Moscou.

Por exemplo – você está sendo solicitado a analisar vários resultados e consequências de um ataque de meteorito à Rússia (MEU COMENTÁRIO: Aqui ele provavelmente se refere às sanções do Ocidente) – então você pesquisa o modo de ataque e está sendo informado de que é apenas um hipotético e que não é para se estressar com os detalhes, então você entende que o relatório é apenas uma caixa de seleção para algum burocrata, e as conclusões da análise devem ser positivas para a Rússia, caso contrário, você basicamente será interrogado por não fazer um bom trabalho. Então, você tem que escrever que temos todas as medidas necessárias disponíveis para anular os efeitos de um determinado tipo de ataque. Estamos completamente sobrecarregados.

Mas então acontece que o hipotético se tornou realidade, e a análise que fizemos sobre esse hipotético é um lixo total. Não temos resposta para as sanções por causa disso. Ninguém sabia que haveria tal guerra, então ninguém se preparou para essas sanções. É a consequência inversa do sigilo – já que todos foram mantidos no escuro, como poderíamos nos preparar para isso?

Kadyrov enlouqueceu. Nós (FSB) estávamos muito próximos de um conflito com ele porque os ucranianos alegaram ter recebido informações do FSB sobre sua equipe em Kiev. O esquadrão de Kadyrov foi absolutamente demolido antes mesmo de terem a chance de lutar e foram explodidos em pedaços. Eu não tenho nenhuma informação de que foi um vazamento do FSB para a Ucrânia, então eu daria uma chance de 1-2% – mas não posso excluir completamente essa possibilidade.

Nossa Blitzkrieg entrou em colapso total. É impossível completar a tarefa: se Zelensky e seus deputados fossem capturados nos primeiros 3 dias, todos os edifícios-chave também capturados, e eles fossem forçados a ler um anúncio de sua rendição ao país, então a resistência da Ucrânia provavelmente se dissolveria para um nível mínimo. Teoricamente. Mas então o que? Mesmo nesse resultado IDEAL, permaneceu um problema insolúvel: quem é a contraparte de nossas negociações?

Se removermos Zelensky – tudo bem – quem vai assinar o acordo? Se Zelensky assinar, então esse acordo não valerá nada depois de removê-lo. O ОПЗЖ (o partido de oposição na Ucrânia colaborando com a Rússia) recusou-se a cooperar. Medvechuk, o covarde, fugiu. Há outro líder - Boyko, mas ele recusou também, nem mesmo seu próprio povo o entenderá. Queria trazer Tsaryova de volta, mas até nossos caras estão contra ele aqui na Rússia. Trazer de volta Yanukovich? Mas como?

Se estamos dizendo que não podemos ocupar, então o governo recém-formado será derrubado em 10 minutos assim que sairmos. Para ocupar? Onde encontraríamos tanta gente? Gabinete do comandante, polícia militar, contra-inteligência, segurança – mesmo com resistência mínima dos ucranianos, precisaríamos de mais de 500.000 pessoas, sem incluir suprimentos e logística.

Há uma regra - se você tentar cobrir uma liderança de má qualidade com quantidade, você tornará tudo pior. E repito, esse seria o problema no CENÁRIO IDEAL, que não existe.

E agora? Não podemos anunciar a mobilização geral por dois motivos:

1) A mobilização vai implodir a situação dentro da Rússia: política, econômica e social.
2) Nossa logística já está sobrecarregada hoje. Podemos enviar um contingente muito grande para a Ucrânia, e o que obteríamos? A Ucrânia – um país territorialmente enorme, e seu ódio por nós é astronômico.

Nossas estradas simplesmente não podem acomodar o reabastecimento de tais comboios, e tudo vai parar. E não podemos fazer isso do lado da administração por causa do caos atual.

Esses dois motivos existem concomitantemente, embora apenas um deles seja suficiente para quebrar tudo.

Com relação às perdas militares russas: não conheço a realidade – ninguém sabe. Houve alguma informação nos primeiros 2 dias, mas agora ninguém sabe o que está acontecendo na Ucrânia. Perdemos contato com as principais divisões. (!!)

Eles podem restabelecer contato, ou podem se dissipar sob um ataque, e mesmo os comandantes não sabem quantos estão mortos, feridos ou capturados. O total de mortos está definitivamente na casa dos milhares, talvez 10.000, talvez 5.000, ou talvez apenas 2.000. Mas mesmo sob nosso comando ninguém sabe. Mas provavelmente cerca de 10.000 soldados russos foram mortos. E não estamos contabilizando perdas nas Repúblicas Autônomas do Donetsk e Luhansk.

Agora, mesmo que matemos Zelensky ou o levemos prisioneiro, nada vai mudar. O nível de ódio contra nós é semelhante ao da Chechênia. E agora, mesmo aqueles leais a nós na Ucrânia estão publicamente contra nós. Porque tudo isso foi planejado no topo (na Rússia), porque nos disseram que tal cenário não acontecerá (invasão da Ucrânia), exceto apenas se formos atacados primeiro. Porque nos disseram que precisamos maximizar nossas ameaças para negociar um resultado através da paz. Porque já estávamos preparando protestos contra Zelensky na Ucrânia sem nunca pensar em invadir a Ucrânia.

Agora, as perdas civis na Ucrânia seguirão uma progressão de padrão geométrico, e a resistência contra nós só ficará mais forte. As infantarias já tentaram entrar nas cidades – dos 20 grupos de paraquedistas, apenas um teve sucesso “provisório”.

Lembre-se da invasão de Mossul. É uma regra – acontece com todos os países, nada de novo. Para sitiar? Nas últimas décadas na Europa – a Sérvia sendo o melhor exemplo, as cidades podem permanecer funcionais sob cerco por anos. Comboios humanitários da Europa para a Ucrânia são apenas uma questão de tempo. Nosso prazo condicional é junho. Condicional porque em junho não haverá mais economia na Rússia – não haverá mais nada.

Comandos iraquianos em combate urbano em Mossul, 2014.

Em geral, na próxima semana haverá um colapso (na Rússia) para qualquer um dos dois lados (a favor vs contra a guerra), simplesmente porque a tensão atual (na Rússia) é insustentável. Não temos análises, não podemos fazer previsões nesse caos, ninguém poderá dizer nada com certeza (na Rússia). Para agir através da intuição, especialmente com altas emoções, este não é um jogo de pôquer. Mas nossas apostas terão que crescer em tamanho com a esperança de que alguma opção tenha sucesso. A tragédia é que podemos facilmente calcular mal e, como resultado, perder tudo.

Em geral, a Rússia não tem uma saída. Não há opções para uma possível vitória, apenas derrotas – é isso.

Nós 100% repetimos nosso erro do século passado, quando decidimos chutar o “fraco” Japão para obter uma vitória rápida, e o nosso exército estava em estado de total calamidade. Então, começamos uma guerra até o final vitorioso, então começamos a recrutar os bolcheviques para reeducação no exército. Então esses bolcheviques pouco conhecidos pegaram seus slogans anti-guerra e começaram a fazer essas coisas... Das vantagens: fizemos de tudo para garantir que não houvesse sequer um indício de que enviamos unidades militares penais para o front. Se você recrutar prisioneiros políticos e socialmente indesejáveis, o espírito moral do exército será negativo.

O inimigo (Ucrânia) está motivado. Monstruosamente motivado. Sabe lutar, muitos comandantes capazes. Eles têm armas e apoio. Simplesmente estabeleceremos um precedente de catástrofe humana no mundo. O que mais tememos: O topo está tentando mascarar velhos problemas com novos problemas. Em grande parte por esse motivo, o Donbass aconteceu em 2014 – precisávamos distrair o Ocidente da Primavera Russa na Crimeia, então a chamada crise do Donbass teve que atrair toda a atenção do Ocidente e se tornar uma moeda de troca. Mas problemas ainda maiores começaram aí. Então decidimos pressionar Erdogan para obter 4 gasodutos para o Southern Stream (gás natural) e entramos na Síria.

Isso ocorre depois que Suleimani (Guarda Revolucionária Islâmica) conscientemente nos forneceu informações falsas para resolver seus próprios problemas. Como resultado, não conseguimos resolver o problema com a Crimeia e os problemas do Donbass não desapareceram.

O Southern Stream foi reduzido a 2 gasodutos, e a Síria está pendurada – saímos e Assad será derrubado e pareceremos idiotas, e ficar lá é difícil e inútil.

Não sei quem inventou a “Blitzkrieg da Ucrânia”. Se tivéssemos recebido todos os detalhes reais, teríamos no mínimo apontado que o plano inicial é discutível, e que muito tem que ser reavaliado. Muita coisa teve que ser reavaliada.

"Morte aos invasores!"
"Glória à Ucrânia"

Agora estamos na merda até o pescoço, e não sabemos o que fazer. “Desnazificação” e “desmilitarização” não são categorias analíticas porque não possuem parâmetros concretamente formulados pelos quais se possa avaliar o cumprimento dos objetivos.

Agora estamos presos esperando até que algum conselheiro mentalmente ferrado convença o topo a iniciar um conflito com a Europa, com demandas para reduzir as sanções – ou eles afrouxam as sanções ou haverá guerra. E se o Ocidente recusar? Nesse caso, não excluirei que seremos arrastados para um verdadeiro conflito internacional, assim como Hitler em 1939. Nosso “Z” será equiparado à suástica.

Existe a possibilidade de um ataque nuclear localizado (na Ucrânia)? Sim. Não para quaisquer objetivos militares. Tal arma não ajudará com o rompimento das defesas. Mas com o objetivo de assustar todo mundo (o Ocidente). Estamos trabalhando para criar um cenário para culpar a Ucrânia por tudo. Naryshkin (diretor do Serviço de Inteligência Estrangeira da Rússia) e seu SVR estão cavando o terreno para provar que a Ucrânia estava construindo secretamente armas nucleares. F*&K!

Eles estão martelando o que já analisamos e fechamos o livro: não podemos simplesmente inventar qualquer evidência ou prova e existência de especialistas e urânio. A Ucrânia tem uma tonelada de isótopo 238 esgotado – isso não é nada. O ciclo de produção é tal que você não pode fazer isso em segredo. Uma bomba suja não pode ser criada em segredo. As antigas usinas nucleares da Ucrânia só podem produzir o material como subproduto em quantidades mínimas. Os americanos têm tanto monitoramento nessas fábricas com o MAGATE que até falar sobre isso é burrice.

Você sabe o que vai começar em uma semana? Vamos deixá-lo ser mesmo em 2 semanas. Estaremos tão ferrados que começaremos a relembrar os bons e velhos dias de fome dos anos 90. Como os mercados estão sendo fechados, Nabiullina parece estar dando os passos certos, mas é como tapar buracos em um navio com os dedos. A situação vai romper de qualquer maneira e ainda mais forte. Nada será resolvido em 3 ou 5 ou 7 dias mais.

Kadyrov está batendo seus cascos não sem razão. Eles têm suas próprias aventuras. Ele criou um nome para si mesmo como o invencível – e se ele cair uma vez, seu próprio povo o removerá.

Próximo. Síria. “Pessoal – esperem, tudo terminará na Ucrânia e então fortaleceremos nossas posições na Síria.” E agora, a qualquer momento, nosso contingente estacionado lá pode ficar sem suprimentos, e então chegará um calor ridículo... A Turquia está fechando o estreito, e enviar suprimentos para a Síria por via aérea é o mesmo que aquecer um forno com dinheiro. Observe – tudo isso está acontecendo ao mesmo tempo e nem temos tempo de jogar tudo em uma pilha para análise. Nossa posição atual é como a da Alemanha em 1943-1944 – mas essa é a nossa posição INICIAL na Ucrânia.

Às vezes eu me perco nesse excesso de trabalho, às vezes parece que isso é apenas um sonho e tudo é como era antes.

Com relação às prisões – vai piorar. As porcas começarão a ficar apertadas até o sangue. Em todos os lugares. Para ser franco, puramente tecnicamente, esta é a única maneira de manter o controle da situação.

Já estamos em modo de mobilização total. Mas não podemos permanecer neste modo por muito tempo, mas nossos cronogramas são desconhecidos e só vai piorar. A governança sempre se desvia da mobilização. E imagine: você pode correr 100m – mas tente isso em uma maratona. E assim, com a pergunta ucraniana, pulamos como se estivéssemos indo para uma corrida de 100m, mas acabamos nos inscrevendo para uma maratona. E esta é uma breve visão geral dos eventos atuais. Para oferecer mais cinismo, não acredito que Putin pressionará o botão vermelho para destruir o mundo inteiro.

Primeiro, não é apenas uma pessoa que decide, e alguém vai recusar. Há muitas pessoas envolvidas no processo e não há um único botão “vermelho”.

A experiência mostra que quanto mais transparentes forem os procedimentos de controle, mais fácil será identificar os problemas. E onde é obscuro quem controla o quê e como, mas sempre arquiva relatórios cheios de braveado, é onde sempre há problemas.

Não tenho certeza se o sistema “botão vermelho” funciona de acordo com os dados declarados. Além disso, o combustível de plutônio deve ser trocado a cada 10 anos.

Terceiro, e este é o mais repugnante e triste, eu pessoalmente não acredito na vontade de Putin de se sacrificar quando ele nem mesmo permite que seus ministros e conselheiros mais próximos estejam perto dele.

Se é devido ao medo de Putin do COVID ou de um possível assassinato, é irrelevante. Se Putin tem medo de que as pessoas mais confiáveis estejam perto dele, então como ele poderia escolher destruir a si mesmo e aqueles que lhe são mais queridos?

Fim da Tradução.

Leitura recomendada:

ENTREVISTA: Ex-espião soviético Viktor Suvorov, 16 de junho de 2021.

Por que a Rússia vai perder esta guerra?28 de fevereiro de 2022.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

O futuro que a Rússia nos promete, de Olavo de Carvalho


Por Olavo de Carvalho, Brasil Sem Medo, 24 de Fevereiro de 2022.

Em artigo de 2011, o professor Olavo de Carvalho explica os planos da Rússia e as estratégias que serão usadas por Putin.

Um mês após a morte do grande filósofo e professor Olavo de Carvalho, o jornal Brasil Sem Medo (BSM) publica texto de sua autoria que mostra que ele sempre tinha razão. Dessa vez, sobre a situação da Rússia. Leia a íntegra abaixo:

O futuro que a Rússia nos promete

Olavo de Carvalho
Diário do Comércio, 23 de maio de 2011

O prof. Alexandre Duguin, à testa da elite intelectual russa que hoje molda a política internacional do governo Putin, diz que o grande plano da sua nação é restaurar o sentido hierárquico dos valores espirituais que a modernidade soterrou. Para pessoas de mentalidade religiosa, chocadas com a vulgaridade brutal da vida moderna, a proposta pode soar bem atraente. Só que a realização da idéia passa por duas etapas. Primeiro é preciso destruir o Ocidente, pai de todos os males, mediante uma guerra mundial, fatalmente mais devastadora que as duas anteriores. Depois será instaurado o Império Mundial Eurasiano sob a liderança da Santa Mãe Rússia.

Carrasco mostra para a multidão a cabeça do executado na guilhotina.

Quanto ao primeiro tópico: a “salvação pela destruição” é um dos chavões mais constantes do discurso revolucionário. A Revolução Francesa prometeu salvar a França pela destruição do Antigo Regime: trouxe-a de queda em queda até à condição de potência de segunda classe. A Revolução Mexicana prometeu salvar o México pela destruição da Igreja Católica: transformou-o num fornecedor de drogas para o mundo e de miseráveis para a assistência social americana. A Revolução Russa prometeu salvar a Rússia pela destruição do capitalismo: transformou-a num cemitério. A Revolução Chinesa prometeu salvar a China pela destruição da cultura burguesa: transformou-a num matadouro. A Revolução Cubana prometeu salvar Cuba pela destruição dos usurpadores imperialistas: transformou-a numa prisão de mendigos. Os positivistas brasileiros prometeram salvar o Brasil mediante a destruição da monarquia: acabaram com a única democracia que havia no continente e jogaram o país numa sucessão de golpes e ditaduras que só acabou em 1988 para dar lugar a uma ditadura modernizada com outro nome.

"Proclamação da República", 1893, óleo sobre tela de Benedito Calixto (1853 - 1927).
Acervo da Pinacoteca Municipal de São Paulo.

Agora o prof. Duguin promete salvar o mundo pela destruição do Ocidente. Sinceramente, prefiro não saber o que vem depois. A mentalidade revolucionária, com suas promessas auto-adiáveis, tão prontas a se transformar nas suas contrárias com a cara mais inocente do mundo, é o maior flagelo que já se abateu sobre a humanidade. Suas vítimas, de 1789 até hoje, não estão abaixo de trezentos milhões de pessoas – mais que todas as epidemias, catástrofes naturais e guerras entre nações mataram desde o início dos tempos. A essência do seu discurso, como creio já ter demonstrado, é a inversão do sentido do tempo: inventar um futuro e reinterpretar à luz dele, como se fosse premissa certa e arquiprovada, o presente e o passado. Inverter o processo normal do conhecimento, passando a entender o conhecido pelo desconhecido, o certo pelo duvidoso, o categórico pelo hipotético. É a falsificação estrutural, sistemática, obsediante, hipnótica. O prof. Duguin propõe o Império Eurasiano e reconstrói toda a história do mundo como se fosse a longa preparação para o advento dessa coisa linda. É um revolucionário como outro qualquer. Apenas, imensamente mais pretensioso.

Quanto ao Império Mundial Eurasiano, com um pólo oriental sustentado nos países islâmicos, no Japão e na China, e um pólo ocidental no eixo Paris-Berlim-Moscou, não é de maneira alguma uma idéia nova. Stalin acalentou esse projeto e fez tudo o que podia para realizá-lo, só fracassando porque não conseguiu, em tempo, criar uma frota marítima com as dimensões requeridas para realizá-lo. Ele errou no timing: dizia que os EUA não passariam dos anos 80. Quem não passou foi a URSS.

Como o prof. Duguin adorna o projeto com o apelo aos valores espirituais e religiosos, em lugar do internacionalismo proletário que legitimava as ambições de Stálin, parece lógico admitir que a nova versão do projeto imperial russo é algo como um stalinismo de direita.

O então primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, aperta a mão de operadores spetsnaz do Grupo Alpha da FSB durante uma visita a Gudermes, na Chechênia, em 2011.

Mas a coisa mais óbvia no governo russo é que seus ocupantes são os mesmos que dominavam o país no tempo do comunismo. Substancialmente, é o pessoal da KGB (ou FSB, que a mudança periódica de nomes jamais mudou a natureza dessa instituição). Pior ainda, é a KGB com poder brutalmente ampliado: de um lado, se no regime comunista havia um agente da polícia secreta para cada 400 cidadãos, hoje há um para cada 200, caracterizando a Rússia, inconfundivelmente, como Estado policial; de outro, o rateio das propriedades estatais entre agentes e colaboradores da polícia política, que se transformaram da noite para o dia em “oligarcas” sem perder seus vínculos de submissão à KGB, concede a esta entidade o privilégio de atuar no Ocidente, sob camadas e camadas de disfarces, com uma liberdade de movimentos que seria impensável no tempo de Stalin ou de Kruschev.

Ideologicamente, o eurasismo é diferente do comunismo. Mas ideologia, como definia o próprio Karl Marx, é apenas um “vestido de idéias” a encobrir um esquema de poder. O esquema de poder na Rússia trocou de vestido, mas continua o mesmo – com as mesmas pessoas nos mesmos lugares, exercendo as mesmas funções, com as mesmas ambições totalitárias de sempre.

O Império Eurasiano promete-nos uma guerra mundial e, como resultado dela, uma ditadura global. Alguns de seus adeptos chegam a chamá-lo “o Império do Fim”, uma evocação claramente apocalíptica. Só esquecem de observar que o último império antes do Juízo Final não será outra coisa senão o Império do Anticristo.


Compre na livraria do BSM: Os EUA e a Nova Ordem Mundial, um debate entre o cientista político russo Alexandre Dugin e o filósofo brasileiro Olavo de Carvalho.

quinta-feira, 19 de agosto de 2021

Ex-chefe de contraterrorismo da CIA para a região: Afeganistão, não uma falha de inteligência - algo muito pior


Por Douglas London, Just Security, 18 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de agosto de 2021.

Embora seja certamente conveniente descrever o choque e o erro de cálculo que as autoridades americanas alegam sobre a trágica e rápida queda do Afeganistão nas mãos do Talibã como uma falha de inteligência, a realidade é muito pior. É um desvio conveniente da responsabilidade por decisões tomadas devido a considerações políticas e ideológicas e fornece um bode expiatório para uma decisão política que de outra forma é incapaz de oferecer uma defesa persuasiva.

Como chefe de contraterrorismo da CIA para o sul e o sudoeste da Ásia antes de minha aposentadoria em 2019, fui responsável pelas avaliações relativas ao Afeganistão preparadas para o ex-presidente Donald Trump. E como voluntário do grupo de trabalho de contraterrorismo do candidato Joe Biden, fui consultor sobre essas mesmas questões. A decisão que Trump tomou, e Biden ratificou, de retirar rapidamente as forças dos EUA veio apesar dos avisos que projetam o resultado que estamos testemunhando agora. E foi um caminho ao qual Trump e Biden se deixaram levar em cativeiro devido ao slogan “acabar com as guerras eternas” que ambos abraçaram.


A Comunidade de Inteligência dos EUA avaliou a sorte do Afeganistão de acordo com vários cenários e condições e dependendo das várias alternativas de política que o presidente poderia escolher. Então, foram 30 dias desde a retirada até o colapso? 60? 18 meses? Na verdade, era tudo isso acima, as projeções alinhadas com os vários "e se". Em última análise, foi avaliado, as forças afegãs podem capitular dentro de dias sob as circunstâncias que testemunhamos, em projeções destacadas para funcionários de Trump e futuros funcionários de Biden.

Em seus comentários preparados na segunda-feira, o presidente Biden declarou: “Mas eu sempre prometi ao povo americano que serei direto com vocês. A verdade é: isso se desenrolou mais rapidamente do que havíamos previsto.” Isso é enganoso na melhor das hipóteses. A CIA antecipou isso como um cenário possível.

No início de 2018, estava claro que o presidente Trump queria sair do Afeganistão, independentemente dos resultados alarmantes que a comunidade de inteligência advertiu. Mas ele também não queria presidir as cenas de pesadelo que testemunhamos. O então secretário de Estado Mike Pompeo foi o principal arquiteto do envolvimento dos Estados Unidos com o Talibã, que culminou com o catastrófico acordo de retirada de fevereiro de 2020, termos que pretendem levar o presidente às próximas eleições. Pompeo defendeu o plano, apesar da advertência da comunidade de inteligência de que seus dois objetivos principais - garantir o compromisso do Talibã de romper com a al-Qaeda e buscar uma solução pacífica para o conflito - eram altamente improváveis.

Zalmay Khalilzad.

O representante especial da América, o embaixador Zalmay Khalilzad, era um cidadão comum que se envolveu por conta própria em 2018 com uma variedade de interlocutores afegãos duvidosos contra os quais a comunidade de inteligência alertou, tentando oportunisticamente "voltar para dentro". Sem se deter, seu discurso em torno de Pompeo e da Casa Branca prometendo assegurar o acordo de que Trump precisava, que a própria inteligência, militares e profissionais diplomáticos do presidente afirmaram não ser possível sem uma posição de maior força, foi recebido com entusiasmo. Nossa impressão era que Khalilzad pretendia ser Secretário de Estado de Trump em uma nova administração, caso vencesse, e essencialmente faria ou diria o que lhe foi dito para garantir seu futuro agradando ao presidente mercurial, incluindo seu compromisso firme de qualquer influência que os Estados Unidos tiveram para incentivar os compromissos do Talibã.

Mas estava igualmente claro no campo de Biden que o candidato estava empenhado em deixar o Afeganistão, as implicações de segurança com as quais sua equipe tinha mais confiança de que conseguiriam do que a inteligência apoiada. Endossar o acordo de retirada de Trump foi considerado ganha-ganha. Ele jogou bem com a maioria dos americanos. Além disso, da minha perspectiva, eles pareciam acreditar que as consequências negativas seriam, pelo menos em grande parte, propriedade de Trump, do GOP e de Khalilzad, cujo fato de ter sido deixado no lugar, intencionalmente ou não, permitiu que ele servisse ainda mais como um laranja. Para o candidato, que há muito defendia a retirada, o resultado foi, como havia sido com Trump, uma conclusão precipitada, apesar do que muitos de seus conselheiros de contraterrorismo aconselharam. O próprio presidente Biden disse isso a respeito de sua decisão.

Khalilzad (à esquerda) e o representante do Talibã, Abdul Ghani Baradar (à direita), assinam o Acordo para Levar a Paz ao Afeganistão em Doha, Qatar, em 29 de fevereiro de 2020.

Havia uma confiança bastante ingênua entre os conselheiros de política externa mais influentes de Biden de que os melhores interesses do Talibã eram atendidos pela adesão aos pontos principais do acordo. Fazer isso, argumentaram eles, garantiria a retirada dos EUA e deixaria espaço para um envolvimento mais construtivo, possivelmente até mesmo ajuda, caso o Talibã chegasse ao poder. O Talibã aprendeu muito sobre a utilidade das relações públicas desde 2001 e maximizou seu acesso à mídia ocidental, conforme destacado pelo deputado talibã e líder da Rede Haqqani talibã, Sirajuddin Haqqani, aparentemente escritor-fantasma do artigo OpEd pelo New York Times. A realidade, é claro, como a comunidade de inteligência sustentou por muito tempo, era que o controle do Talibã sobre o país se baseava no isolamento do resto do mundo, ao invés da integração. O reconhecimento internacional, o acesso financeiro global e a ajuda externa não influenciariam a forma como o Talibã governaria.

Os legisladores americanos também foram alertados de que a ampla coalizão de políticos, senhores da guerra e líderes militares afegãos em todo o país, beneficiando-se do dinheiro e do poder que veio com uma presença sustentada dos EUA, provavelmente perderia a confiança e reduziria suas apostas nas forças militares e pessoal de inteligência onde os americanos recuassem. Além disso, a resistência teimosa do presidente Ashraf Ghani à prática política afegã de comprar apoio e seu desmantelamento dos exércitos privados dos senhores da guerra enfraqueceria seus incentivos para apoiar o governo. Mudar de lado para um acordo melhor ou para lutar outro dia é uma marca registrada da história do Afeganistão. E a política dos EUA de impor um plano americano para um governo central forte e exército nacional integrado serviu apenas para permitir a administração desastrosa e intransigente de Ghani.

Como a inteligência é uma ciência imprecisa com a qual fazer uma bola de cristal, dado que as condições sobre as quais qualquer avaliação é feita provavelmente mudarão, as projeções e os níveis de confiança variaram com base na presença militar dos EUA, na dinâmica interna do Afeganistão e na credibilidade da promessa do Talibã para negociações de boa fé. Os cenários para uma retirada ordenada variaram desde aqueles em que os Estados Unidos retiveram cerca de 5.000 soldados e a maioria das bases operacionais avançadas militares e de inteligência existentes, até o que foi determinado ser a presença mínima de cerca de 2.500 soldados mantendo as bases maiores na grande Cabul, Bagram, Jalalabad e Khost, bem como a infraestrutura para apoiar as bases que entregaríamos aos parceiros afegãos. A maior dessas duas opções foi considerada mais provável de evitar o colapso do Afeganistão por 1-2 anos e ainda fornecer um grau de pressão de contraterrorismo americano contínuo; a pegada menor era mais difícil de avaliar, mas permitia flexibilidade para os Estados Unidos aumentarem ou reduzirem ainda mais sua presença, caso as circunstâncias se deteriorem rapidamente. (Seria valioso se os comentaristas e a cobertura de notícias incluíssem uma maior apreciação de como essas avaliações baseadas em contingências funcionam, em vez de mesclar avaliações.)


Inicialmente, mesmo uma opção "apenas Cabul" incluía a retenção da extensa Base Aérea americana de Bagram e outras instalações de inteligência na área da grande capital por meio das quais os Estados Unidos poderiam projetar força, manter logística, inteligência e apoio médico essenciais para as bases operadas pelos afegãos, e reter alguma coleta de inteligência técnica e capacidade de contraterrorismo em todo o país. Mas, sem qualquer presença militar e de inteligência americanas além da embaixada em Cabul, diante de uma ofensiva militar e de propaganda do Talibã e prejudicada pela relação turbulenta de Ghani com seus próprios parceiros políticos nacionais, a comunidade de inteligência avisou que o governo poderia se dissolver em poucos dias. E assim foi.

O relógio começou a acelerar quando os militares e elementos de inteligência americanos retiraram-se de Kandahar em 13 de maio e, posteriormente, fecharam as bases operacionais avançadas remanescentes e "lírios", o termo usado para áreas temporárias de preparação sob o controle dos EUA ou da coalizão. Na época em que Bagram foi fechada em 1º de julho, os Estados Unidos e a OTAN também haviam partido de Herat, Mazar-i-Sharif, Jalalabad, Khost e de outros locais que não tenho liberdade de nomear. O Talibã estava avançando enquanto estávamos fazendo as malas. Eles provavelmente se juntaram a muitos membros da al-Qa'ida (alguns dos quais tinham desfrutado do santuário iraniano), se não o apoio operacional direto, aumentado ainda mais por camaradas recém-libertados que o Talibã libertou da detenção afegã em Bagram e em outros lugares.

Posto de controle talibã em Cabul.

Os legisladores também estavam cientes do uso efetivo do Talibã de uma estrutura paralela de "governo paralelo" mantida desde a perda do poder que fornecia linhas confiáveis de comunicação com os anciãos locais nas províncias, bem como autoridades governamentais, muitas vezes devido a conexões familiares ou de clã compartilhadas. Para um americano pode ser surpreendente, mas não era nada fora do comum um comandante militar ou chefe de polícia afegão manter contato regular, mesmo com aqueles que enfrentam diariamente em combate.

O Talibã estava, portanto, bem posicionado para negociar e comprar, em vez de lutar, o seu caminho para conquistas sucessivas, uma tradição afegã em si. Além disso, o Talibã estava preparado para governar e fornecer serviços rapidamente nos territórios sob seu controle. E ao priorizar a periferia para proteger as fronteiras e as linhas de comunicação necessárias para sustentar uma insurgência, atacando primeiro de onde foram derrotados em 2001, o Talibã claramente aprendeu com a história, enquanto nós ainda não. Mas de onde veio o dinheiro para financiar essa campanha?

Bandeiras brancas do Talibã enfeitaram Cabul em 15 de agosto.

Persuadir os combatentes e funcionários do governo de baixo escalão a entregarem suas armas e abandonar seus postos estava dentro dos meios do Talibã, mas era sem dúvida mais caro garantir a cooperação de altos funcionários com autoridade para entregar as capitais provinciais. Além disso, há a necessidade de pagar o aumento de seus próprios combatentes, muitos deles essencialmente em tempo parcial e sazonais. A folha de pagamento e os cuidados com as famílias dos combatentes mortos e feridos costumam ser a maior despesa para o Talibã e seus grupos terroristas parceiros e, no Afeganistão, também é o incentivo mais importante para atrair combatentes.

As finanças do Talibã são complicadas, ainda mais por uma estrutura que não é monolítica e fortemente dependente da vasta rede criminosa internacional operada pela Rede Haqqani talibã no leste e comandantes regionais um tanto autônomos no oeste. As receitas são derivadas de impostos cobrados sobre os moradores locais, tráfico de drogas, doações estrangeiras - principalmente de países árabes do Golfo, imóveis (alguns dos quais no exterior), extorsão de empresas de mineração que operam em áreas sob seu controle - muitas das quais são do governo chinês para-estatais e outros governos estrangeiros. O Paquistão há muito é o principal financiador, mas a Rússia e o Irã aumentaram seus investimentos para cortejar o grupo nos últimos anos. Além disso, ambos se beneficiaram decididamente da conquista rápida e sem derramamento de sangue do Talibã que rapidamente expurgou e humilhou os Estados Unidos, e minimizou o que poderia ter sido uma luta violenta e prolongada que aumentou a instabilidade regional e o fluxo de refugiados.

O ímpeto que o Talibã precisava para garantir a cooperação de seus adversários foi facilitado por uma robusta máquina de propaganda que, em muitos casos, manipulou com sucesso a mídia para uma cobertura positiva e desproporcional desde o início de sua ofensiva ao lançar sua conquista como inevitável. Nem o governo afegão nem os Estados Unidos puderam se opor aos esforços persistentes e experientes da mídia talibã, dada a necessidade de proteger fontes e métodos, restrições legais e uma lamentável falta de investimento e imaginação.

Talibãs brandindo armas e equipamentos ocidentais do Exército Nacional Afegão.

E ao dar notas para seu próprio dever de casa, o estabelecimento de defesa americano apenas agravou o problema. Embora não seja surpresa que o Departamento de Defesa não estivesse disposto a avaliar objetivamente a determinação e capacidade daqueles que eles treinaram, equiparam e aconselharam a resistir a uma próxima ofensiva do Talibã, suas representações cor-de-rosa das conquistas ao longo de 20 anos voaram na cara da realidade, e foi constantemente desafiado pelas projeções mais sombrias, embora realistas, da CIA.

Como ex-chefe regional de contraterrorismo da CIA e, em seguida, cidadão privado, defendi a necessidade dos Estados Unidos permanecerem no Afeganistão com uma presença contraterrorista pequena e focada, mas adotando uma abordagem radicalmente diferente que não exigisse que estivéssemos na linha de fogo entre forças nacionais rivais cujos conflitos são anteriores à nossa intervenção e persistirão muito depois de nossa partida. E embora eu tenha criticado a CIA e a comunidade de inteligência por vários males que requerem reforma e contribuíram para as circunstâncias atuais, entre eles uma estratégia de contraterrorismo que era indiscutivelmente mais prejudicial do que o mal que buscava resolver, não houve falha de inteligência pela agência em alertar Trump ou Biden sobre como os eventos se desenrolariam. Operar nas sombras e “apoiar a Casa Branca” impedirá a comunidade de inteligência de se defender publicamente. Mas o fracasso não foi devido a qualquer falta de aviso, mas sim à arrogância e ao cálculo do risco político dos tomadores de decisão, cujas escolhas são muitas vezes feitas em seu interesse pessoal e político ou com escolhas de políticas pré-comprometidas, em vez de influenciadas por (às vezes inconvenientes) avaliações de inteligência e pelos interesses do país.

Douglas London (@ douglaslondon5) se aposentou da CIA em 2019 após 34 anos como oficial sênior de operações, chefe de estação e chefe de contraterrorismo da CIA para o sul e sudoeste da Ásia. Ele leciona na Universidade de Georgetown, é bolsista não-residente no Middle East Institute e é autor do livro "The Recruiter", sobre a transformação da CIA após o 11 de setembro.

The Recruiter:
Spying in the Twilight of American intelligence.
Douglas London.

Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: Os idos de agosto, 19 de agosto de 2021.


Como a guerra boa se tornou ruim, 24 de fevereiro de 2020.


quarta-feira, 16 de junho de 2021

ENTREVISTA: Ex-espião soviético Viktor Suvorov


Por Luke Harding, The Guardian, 29 de dezembro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de junho de 2021.

"Eles me perdoariam? Não."
- Viktor Suvorov.

Deserções da agência de espionagem mais poderosa de Moscou são tão raras que acredita-se que haja apenas dois exemplos vivos. Um é Sergei Skripal, que quase morreu este ano. O outro é o entrevistado.

Viktor Suvorov passou oito anos trabalhando para a agência de inteligência militar da Rússia, o GRU. (Sebastian Nevols / The Guardian)

Viktor Suvorov (nascido Vladimir Bogdanovich Rezun, 20 de abril de 1947) estava em casa quando soube da notícia. Um ex-espião russo, Sergei Skripal, foi encontrado envenenado em um banco de parque em Salisbury. Skripal e sua filha Yulia estavam em estado crítico no hospital; não estava claro se eles viveriam.

Viktor Suvorov estava em casa quando soube da notícia. Um ex-espião russo, Sergei Skripal, foi encontrado envenenado em um banco de parque em Salisbury. Skripal e sua filha Yulia estavam em estado crítico no hospital; não estava claro se eles viveriam.

Suvorov ouviu o que aconteceu com os Skripals por meio de “outros canais”, não apenas pelas notícias da BBC, ele me disse. Uma figura travessa de 71 anos, falando comigo nos escritórios de seu agente literário em Londres, uma sala repleta de dezenas de livros, ele é um pouco tímido sobre o que ele pode querer dizer, mas parece haver pouca dúvida de que ele está falando sobre a inteligência britânica. “Não gostaria de discutir isso”, diz ele com um sorriso bem-humorado.

Suvorov passou oito anos trabalhando para a agência de inteligência militar da Rússia, o GRU (Glavnoye Razvedyvatel'noye Upravleniye / Diretório Principal de Inteligência), o antigo serviço de Skripal. Durante a Guerra Fria, Suvorov foi considerado um oficial brilhante, destinado a grandes feitos neste mundo sombrio. Ele passou quatro anos disfarçado na Suíça, onde era seu trabalho procurar agentes estrangeiros em nome do GRU. Ele era muito bom nisso. Então, um dia, em junho de 1978, ele fez um telefonema enigmático para o consulado britânico em Genebra.

Atual brasão do GRU.
Glavnoye Razvedyvatel'noye Upravleniye / Diretório Principal de Inteligência.

Suvorov encontrou-se com um espião britânico fluente em russo em uma floresta. Ele havia trazido com ele sua esposa - também uma oficial da GRU - e seus dois filhos pequenos. Em poucas horas, a inteligência britânica contrabandeou os Suvorovs para fora do país. Ele se encontrou no Reino Unido, um lugar que conhecia apenas dos thrillers de Ian Fleming e cuja língua ele não falava.

Nos tempos comunistas, havia deserções regulares da KGB; ela era voltada para dentro - seu objetivo era esmagar ameaças internas e dissidências. Enquanto isso, o GRU, a agência de espionagem mais poderosa e secreta de Moscou, procurava inimigos externos e estava perpetuamente nas sombras. Deserções do GRU eram extremamente raras. Acredita-se que haja apenas dois exemplos vivos: Suvorov e Skripal.

Mark Urban, autor de "The Skripal Files".

É improvável que Skripal dê entrevistas tão cedo; seu paradeiro desde que deixou o hospital permanece desconhecido, pelo menos fora dos serviços de inteligência. Ao contrário de Suvorov, Skripal não era um desertor, como tal: ele nunca teve a intenção de acabar na Grã-Bretanha. Em 2004, ele foi preso na Rússia por espionar para o MI6 e condenado por traição; ele parece ter traído o GRU por dinheiro. Seis anos depois, ele deixou uma prisão russa para Salisbury, após uma troca de espiões mediada pelos Estados Unidos. Um livro recente do jornalista da BBC Mark Urban o retrata como um nacionalista russo desavergonhado, que aplaudiu a anexação da Crimeia por Vladimir Putin do conforto de seu carro comprado pelo MI6.

"Você não pode imaginar o quão relaxante uma sentença de morte pode ser. Você não se preocupa com dinheiro, dores de cabeça ou adoecimento."

Suvorov, ao contrário, abandonou a União Soviética por razões ideológicas; ele se tornou um anticomunista apaixonado. Ele não considera sua deserção como traição: como ele aponta, ele deixou a URSS primeiro - mas todos os outros cidadãos soviéticos o seguiram quando ela deixou de existir. Nos últimos 40 anos, ele viveu sob sentença de morte. “Tenho duas sentenças de morte [do GRU e da Suprema Corte Soviética]”, sorri. “Você não pode imaginar como isso pode ser relaxante. Você não se preocupa com dinheiro, dores de cabeça ou adoecimento. Você pensa consigo mesmo: ‘Não importa! Eu estou morto!'"

O medo, sugere ele, pode ser pior do que a própria coisa, como um paciente que espera por um diagnóstico de câncer que se sente melhor ao receber as más notícias. “De repente, há um tubarão sangrento vindo em sua direção. Quando é desconhecido, é muito assustador. Quando você chega perto, você suspeita que é feito de borracha.”

Icebreaker, seu livro mais famoso.
Trata sobre Stalin tentando usar Hitler como o quebra-gelo da revolução comunista global.

Na primeira noite depois que Suvorov chegou à Grã-Bretanha, ele começou a escrever, diz ele. Ele estava determinado a não viver do Estado e ganhar seu dinheiro de forma independente - se necessário, diz ele, limpando banheiros na estação Paddington. Mas ele se tornou um escritor de sucesso surpreendente, autor de 19 livros em russo, incluindo vários sobre a história da Segunda Guerra Mundial, que juntos venderam mais de 10 milhões de cópias. Ele é famoso na Rússia - embora não tenha voltado desde que desertou - e conhecido em todos os países da antiga Europa Oriental. Seu trabalho apareceu em inglês, mas principalmente em edições há muito tempo esgotadas.

O Reino Unido é o lar de um pequeno grupo de desertores soviéticos e russos. O mais proeminente, Oleg Gordievsky, causou danos incomensuráveis à inteligência soviética, passando 11 anos dentro da KGB como agente duplo britânico. Agora com 80 anos, Gordievsky mora em algum lugar nos condados ao redor de Londres. Suvorov sugere que, desde Skripal, sua própria segurança aumentou.

Em seus livros, Suvorov tornou públicos detalhes sensíveis sobre o GRU, sua estrutura secreta e suas residências estrangeiras ao redor do mundo. Seu romance Aquarium é um relato emocionante do ethos brutal e métodos implacáveis do GRU. Ele começa com novos recrutas vendo imagens de um homem sendo colocado, ainda vivo, em um crematório em chamas. Isso, dizem a eles, é o que acontecerá com eles se traírem o serviço; um veterano comenta que a única saída da agência é pela chaminé do GRU. (Esta morte horrível foi aparentemente inspirada por eventos reais. Foi sugerido que a vítima era Oleg Penkovsky, executado por traição em 1963, embora Suvorov diga que não.)

Oleg Penkovsky.

Ele diz que a agência nunca perdoa quem a deixa. Isso inclui Skripal, que saiu da Rússia segurando um perdão oficial assinado por Putin. “O Estado pode perdoar. O GRU nunca o fará ”, diz Suvorov. No exílio, Skripal tinha um perfil tão baixo que Suvorov confessa que não tinha ouvido falar dele. Mas quando ele soube do destino de Skripal, envenenado por uma super-toxina, ele não teve dúvidas de quem estava por trás disso. “Claro, o GRU”, ele diz, com naturalidade.

O governo britânico fez um relato convincente de como dois assassinos de Moscou trouxeram o terror químico para a província de Wiltshire. Ambos são homens de carreira do GRU, identificados pelo site investigativo Bellingcat como Anatoliy Chepiga e Alexander Mishkin. Mishkin é médico, Chepiga um oficial das forças especiais; ambos foram condecorados como heróis da Rússia em 2014, possivelmente por trabalho secreto na Ucrânia. De acordo com relatos da mídia, a avó de Mishkin mostrou aos vizinhos um retrato emoldurado de seu filho apertando a mão de Putin.

Vladmir Putin, ex-agente da KGB.

A dupla admite ter estado em Salisbury - eles foram filmados pela CCTV - mas dizem que eram meros turistas. Suvorov acredita que este não foi seu primeiro assassinato e que eles pertencem a um “pequeno clube” de assassinos estatais russos. Ele é mordaz sobre seu profissionalismo e competência. “Na minha época, isso não teria sido possível! Tão idiotas!” ele diz. Ele descreve a operação como uma “cadeia de estupidez” que deixa pistas: voar de Moscou, ficar em um hotel e ir duas vezes a Salisbury.

"O chefe do GRU diria: ‘Toc, toc, Sr. Putin. Achamos que agora é a hora [de matar Skripal]. Está ok com você?'"

Ele não tem dúvidas de que o presidente da Rússia teria aprovado pessoalmente sua missão. “O chefe do GRU diria: ‘Toc, toc, Sr. Putin. Achamos que agora é a hora [de matar Skripal]. Tudo ok, senhor?' Há uma dimensão internacional. Ninguém correria tal risco sem a aprovação de Putin. Não é possível.”

Nos últimos anos, Skripal costumava viajar para o exterior. Isso levou a especulações de que ele ainda pode ter estado operacionalmente ativo - e que isso selou seu destino. Na opinião de Suvorov, Skripal foi envenenado pour décourager les autres*: para lembrar aos funcionários do GRU que a penalidade por cooperar com a inteligência inimiga é uma morte dolorosa e aterrorizante.

*Nota do Tradutor: francês, "por encorajar os outros", sentença de fuzilamento usada em desertores na Primeira Guerra Mundial.


Ele sugere que os assassinatos do Kremlin funcionam em um espectro. Existem as operações em que a vítima morre sem problemas, talvez por “ataque cardíaco”. E depois há os assassinatos mais exóticos, deliberadamente elaborados para criar barulho e escândalo - o assassinato de Trotsky com um picador de gelo é um exemplo clássico. A operação Skripal deveria ser mais próxima da primeira, ele pensa, embora todos no GRU entendam a mensagem.

Claro, não funcionou bem assim. Os Skripals sobreviveram e a trama desastrada foi descoberta. No mês passado, o Kremlin anunciou que o homem encarregado do GRU, Igor Korobov, havia morrido após uma “longa doença”. Suvorov acha que isso é verdade? “Não sei, mas meu instinto de espião me diz que Korobov foi assassinado”, diz ele. “Todos os que estão dentro do GRU entenderiam isso, 125%.” Ele teria sido morto, acrescenta Suvorov, para apagar uma testemunha que poderia provar ser culpada se ele pulasse para a vizinha Estônia usando um passaporte falso do GRU.

O banco em que os Skripals desabaram.

Uma questão intrigante é se a embaixada russa em Londres estava envolvida na operação de Salisbury. Ele saberia sobre novichok, o veneno deixado na porta da frente de Skripal, ou Moscou o teria mantido no escuro? Suvorov acredita que a embaixada pode ter dado apoio logístico, sem estar totalmente informada. Quem sabe tenha formado um pequeno círculo, ele suspeita. Incluiria os assassinos, um especialista técnico e um punhado de altos funcionários do Kremlin.

Como um espião rápido na Suíça dos anos 1970, Suvorov às vezes era solicitado a ajudar “ilegais” - agentes disfarçados que viviam no exterior. Ele nada sabia de suas atividades. Ele foi obrigado a verificar se havia uma marca de batom vermelho em um monumento no parque Mon Repos de Genebra, perto do apartamento de sua família. Todos os dias, sua esposa passava com seus filhos, sua filha e seu filho bebê em um carrinho de bebê. O batom significava um desejo de um ilegal de fazer contato.

Suvorov é uma figura de estatura médio-pequena, vestida com paletó de tweed e gravata roxa, que coloca para posar para fotos. Falamos em inglês e russo; ele se parece mais com um professor emérito do que com o recruta do GRU que uma vez saltou de pára-quedas ao lado de pelotões de inteligência militar e que atravessou incontáveis quilômetros de neve em noites congeladas.

Sergei Skripal.

Skripal - um “cara grande e esportivo”, como Suvorov o descreve - se assemelha melhor ao oficial típico do GRU. Ex-paraquedista, serviu disfarçado no Afeganistão e na China antes de ser destacado como “diplomata” em Malta e Espanha. Suvorov, entretanto, trabalhou em estreita colaboração com as Spetsnaz - forças especiais de elite soviéticas - procurando rotas de fuga para unidades de inteligência militar e recrutando informantes.

Skripal e Suvorov nunca se encontraram e parece improvável que algum dia se encontrem. A inteligência britânica desencoraja seus ativos de Moscou de confraternizarem, disse Suvorov, uma regra que surgiu após o assassinato de Alexander Litvinenko em 2006, depois que ele conheceu ex-agentes da KGB e bebeu chá radioativo. Suvorov diz que ele era um "amigo muito bom" de Litvinenko e falou com ele depois que foi levado ao hospital. Inicialmente, ele não acreditava que Litvinenko tivesse sido envenenado, mas durante uma ligação, a voz de Litvinenko vacilou "como um gramofone", diz ele, e o celular caiu de suas mãos. “Um cara tão legal. De repente ele foi morto. Uma morte terrível.”

Ruslan Boshirov e Alexander Petrov


Conheci Suvorov em 2015. Na época, um inquérito público estava em andamento sobre o assassinato de Litvinenko. Concluiu que Putin “provavelmente” aprovou a operação, juntamente com o chefe do FSB, órgão que sucedeu ao KGB. Os homens identificados pela investigação como os assassinos, Andrei Lugovoi e Dmitry Kovtun, eram assassinos horríveis: eles deixaram um rastro fantasmagórico de polônio em Londres e jogaram a arma do crime na pia do banheiro.

"As agências de espionagem de Moscou estão perdendo o controle? Suvorov diz que houve uma grande queda desde os dias de glória."

Em 2016, uma década após o assassinato de Litvinenko, uma equipe de oficiais do GRU invadiu os servidores do Partido Democrata dos EUA, de acordo com Robert Mueller, promotor especial que investiga conluio entre a campanha de Trump e a Rússia. A divulgação desses e-mails roubados pelo WikiLeaks prejudicou Hillary Clinton e ajudou seu oponente, que agora está na Casa Branca. A operação pode ser considerada uma grande vitória do Kremlin, mas dificilmente foi clandestina. Em julho, Mueller expôs a trama do GRU em uma acusação forense, constrangendo Putin e Trump.

As agências de espionagem de Moscou estão perdendo o controle? Suvorov diz que houve uma grande queda desde os dias de glória do GRU, nos anos 30 e 40, quando seus agentes roubaram os segredos atômicos dos Estados Unidos. Essa decadência é parte de uma degradação geral, ele pensa, afetando tudo na Rússia pós-comunista, da construção de foguetes ao jornalismo. O país está “desmoronando lentamente”, diz ele; aqueles que podem estão se mudando para o exterior.

O Homem: Ex-espião e autor de bestsellers

Suvorov foi recrutado pelo GRU em 1970. Seus livros foram publicados em 27 idiomas.
(Sebastian Nevols / The Guardian)

Viktor Suvorov é um pseudônimo literário: ele nasceu Vladimir Bogdanovich Rezun na Ucrânia soviética; seu pai um oficial militar, sua mãe uma enfermeira. (Suas raízes ucranianas são outro motivo pelo qual o Kremlin pega no seu pé, segundo fontes em Moscou.) Seu pai era um bolchevique convicto que acreditava que a URSS poderia florescer se não fosse pelos "bandidos do topo" e Suvorov cresceu um “comunista fanático”. Ele frequentou a escola militar, ingressou no Exército Vermelho e participou da invasão da Tchecoslováquia em 1968. Um oficial notável, ele treinou sargentos de reconhecimento tático e serviu na divisão de inteligência do quartel-general do distrito militar do Volga - uma experiência que Suvorov descreve em Aquarium.

Em 1970 ele foi recrutado pelo GRU. Ele agora fazia parte de uma organização de elite que era um grande rival da KGB. Sua desilusão com o sistema soviético começou apenas quando ele chegou a Genebra, diz ele, onde foi designado para a missão da ONU. Suvorov diz que foi convocado ao aeroporto um dia para assistir à chegada de um avião de transporte Ilyushin-76 de Moscou. Quando sua rampa foi abaixada, barras de ouro foram retiradas do compartimento de carga - para comprar comida da América. “Não podíamos nos alimentar”, diz ele.

Outra desilusão veio quando ele e sua “maravilhosa esposa espiã” Tatiana saíram de férias. Eles pegaram o trem de Basel e viajaram pela Alemanha Ocidental até Berlim Oriental, passando pelo muro. “Eram as mesmas pessoas, a mesma história, os mesmos malditos alemães. [Mas] é um Mercedes aqui e é um Trabant ali”, lembra ele com uma risada. Ele leu A Revolução dos Bichos de George Orwell. “A princípio pensei: ‘Estes não são porcos russos, são porcos de Berkshire’. Então percebi que era sobre as pessoas no Kremlin. Eles proibiram o livro dentro da União Soviética porque se reconheceram.”

"A Revolução dos Bichos" e "1984", clássicos de George Orwell.

Ele leu 1984. “Orwell nunca foi comunista, mas foi próximo deles. Ele entendeu que o estado totalitário tem que ser assim. Ele nunca visitou a URSS, mas percebeu tudo melhor do que qualquer um poderia imaginar”, diz Suvorov. Ele diz que sua esposa - filha de um oficial de inteligência - concordou em desertar com ele. Eles estão casados há 47 anos. “É uma conquista”, diz ele.

De sua nova casa no Reino Unido, Suvorov escreveu um dos livros mais influentes da era da perestroika, Icebreaker (Quebra-gelo). Quando foi publicado em 1988, seu argumento era herético: que Stalin havia planejado secretamente uma ofensiva contra a Alemanha de Hitler e teria invadido em setembro de 1941, ou o mais tardar em 1942. Stalin, escreveu ele, queria que Hitler destruísse a democracia na Europa, na forma de um quebra-gelo, abrindo caminho para o comunismo mundial. O livro minou a ideia de que a URSS era uma parte inocente, arrastada para a segunda guerra mundial. Os liberais russos apoiaram a tese de Suvorov; agora tem ampla aceitação entre os historiadores.

Ao todo, os livros de Suvorov foram publicados em 27 idiomas. Seu primeiro livro, The Liberators (Os Libertadores), foi um relato pessoal vívido da vida no exército soviético, e suas cartilhas sobre a inteligência militar soviética tornaram-se textos convencionais. Em uma entrevista anterior, ele apontou que existe uma tradição na literatura russa de oficiais militares transformarem suas experiências em livros - Tolstoi, Lermontov e Solzhenitsyn. Suvorov não se classifica entre esses grandes nomes, mas observa que a guerra oferece um rico material. “Há uma sensação de romance na batalha”, diz ele.

Pós-Skripal, ele escreveu um novo livro sobre o GRU, atualmente sendo traduzido do russo para o inglês e com publicação programada para o próximo ano. Ele diz que seus treinadores na academia GRU em Moscou nunca mencionaram explicitamente novichok para ele; a URSS desenvolveu o poderoso agente nervoso na década de 1970 e parece ser uma das muitas substâncias letais à disposição do GRU. Mas seus instrutores deixaram claro que, “de vez em quando”, o GRU tem que eliminar seus inimigos. Disseram-lhe: “Quando você fizer essa operação, um especialista irá encontrá-lo. Ele explicará pessoalmente como fazer.” O GRU tem sua própria diretoria de produtos químicos, diz ele.

Kontrol (Controle, 1994).
O primeiro de uma trilogia de sucesso sobre o período stalinista.

Além da tentativa de assassinato em Salisbury, o Kremlin interferiu na política britânica ao ajudar na votação do Brexit? Suvorov admite que não tem informações privilegiadas aqui, mas, com base em seu conhecimento dos métodos de Moscou, ele acha que era uma oportunidade: "Se houver qualquer tipo de problema interno no campo de seu inimigo, tente explorá-lo."

Apesar de nossa atual turbulência política, ele continua sendo um admirador da Grã-Bretanha, descrevendo-a como um lugar de grande “imaginação criativa”. E quanto a seus espiões? Ele se recusa a dizer muito sobre o MI6, a organização que o levou para uma nova vida, exceto que está cheio de pessoas “inteligentes” e “profissionais”.

Box da trilogia Controle (Контроль / Kontrol, 1995), Escolha (Выбор /Vybor, 2005) e Comedor de cobras (Змиеядеца /Zmiyeyadetsa, 2010). A trilogia foi cotada para uma adaptação no cinema.

Conheci muitos russos que vivem no exílio. Eles incluem desertores da KGB querendo ajuda com suas memórias, oligarcas que brigaram com Putin e oponentes políticos do regime em Moscou. Alguns se adaptam ao exílio; outros não. Suvorov é, sem dúvida, o mais feliz que encontrei. Ele ainda está em um casamento amoroso. Seus filhos adultos são inteligentes e bem-sucedidos, diz ele, e ele tem dois netos.

Ainda há toda a possibilidade do GRU tentar matá-lo, diz ele. Isso apesar do fato de que seus livros têm - até certo ponto - lisonjeado o GRU e servido como um anúncio de suas atividades subterrâneas. “Eles vão me perdoar? Não. Não é uma questão de saber se eles gostam ou não de mim. É um exemplo para todos os outros. Sim, você pode escapar. Sim, eles gostam dos seus livros. Mas eles vão se lembrar de você, sempre.”

Antes de apertarmos as mãos e seguirmos nossos caminhos separados, faço a Suvorov uma pergunta final e delicada. Não quero revelar o endereço da sua casa - não sei - mas onde devo dizer que ele mora? Suvorov ri novamente. “Diga Inglaterra. Ou talvez no País de Gales. Ou talvez Grã-Bretanha.”

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A KGB e a Desinformação Soviética: A visão de um agente interno,
Ladislav Bittman.

Leitura recomendada: