sábado, 1 de fevereiro de 2020

COMENTÁRIO: Putin como Líder Supremo da Rússia


Por Éder Fonseca, 1º de fevereiro de 2020.

Ao final de seu atual mandato, em 2024, Vladimir Putin terá somado vinte e quatro anos no comando da Rússia, só perdendo para Josef Stálin em quantidade de tempo no liderança deste país.

Hoje, sua popularidade é superior a 50% do eleitorado russo, e isso não segundo alguma pesquisa de confiabilidade duvidosa, mas de pesquisadores ocidentais ligados ao mercado financeiro (Bloomberg).

É muita coisa, sobretudo considerando os 20 anos do mandatário em serviço. Em qualquer país ocidental, por melhor que fosse o seu desempenho, tal resiliência seria inimaginável.


O que explica esse fenômeno aparentemente estranho é o ethos nacional russo, que é o de um império secular personificado na figura de um líder forte, capaz de manter aquela colcha de retalhos étnica coesa.

Os russos sempre estarão à procura de um Czar, e nem a revolução bolchevique foi capaz de quebrar essa lógica, porque quebrar tal lógica equivaleria a destruir sua 'raison d'être'*. O Czar é a Rússia e a Rússia é o Czar, não importando se este é descendente de uma linhagem nobre, um líder soviético ou um presidente constitucional.

*Nota do Warfare: Razão de ser, o seu propósito mais importante.


A mentalidade liberal-democrata atualmente hegemônica no ocidente é incapaz de realizar tais aspectos constitutivos de uma Nação. É uma ideologia internacionalista por natureza, que tende ao desdém da cosmovisão dos povos, sua religião predominante, sua composição étnica, etc.

Tal desdém encontra-se personificado na atuação das entidades supra-nacionais, mormente a ONU, sempre partindo do princípio de que a 'democracia liberal' é o melhor modelo de governo, aplicável a todos os povos em quaisquer circunstâncias. Um valor absoluto, incriticável.

Fuzileiros navais russos na Criméia, ponto alto da popularidade de Putin.

Se há algo no mundo que merece ser chamado de imperialismo hoje, é isso. E as consequências dessa abordagem são em muitos casos desastrosas, basta ver no que resultou a tal 'Primavera Árabe'.

Nenhum comentário:

Postar um comentário