Mostrando postagens com marcador Etiópia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Etiópia. Mostrar todas as postagens

sábado, 13 de março de 2021

Etiópia: vídeo do massacre de Tigré levanta a tampa sobre "guerra sem fotos"

Captura de vídeo, filmado na aldeia de Mai Harmaz no Tigré, no início de janeiro de 2021. (France 24)

Por Liselotte Mas, France 24, 10 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de março de 2021.

Homens uniformizados massacraram dezenas de pessoas em um pequeno vilarejo na região do Tigré, na Etiópia, em 5 de janeiro de 2021, bem no meio da época festiva do Natal Ortodoxo. Trinta corpos são vistos no chão em um vídeo que está circulando online apesar do atual apagão de internet na região do Tigré, que foi envolvida em um conflito sangrento entre o exército e rebeldes. O soldado que está filmando o vídeo aponta a câmera para um ferido, dizendo a um camarada: "Você deveria ter acabado com os sobreviventes!" Nossa equipe conseguiu verificar este vídeo.

A região de Tigré, localizada no extremo norte da Etiópia, foi envolvida em uma luta sangrenta entre o governo central e o governo regional, que querem mais representação e poder político para a minoria tigré dentro do governo.

Em novembro passado, este conflito se transformou em uma guerra aberta depois que eleições altamente antecipadas foram adiadas. Isso levou a uma catástrofe humanitária. Bombardeios em áreas residenciais causaram um grande número de pessoas sendo deslocadas. O caos também levou à fome.


As tensões também aumentaram quando milhares de soldados eritreus juntaram-se ao lado do governo central da Etiópia contra o governo regional do Tigré. Este é o resultado de uma história complexa. A Eritréia e a Etiópia estiveram em guerra durante 30 anos. Durante este tempo de guerra, a Etiópia foi liderada por um governo onde a minoria tigré e a Frente de Libertação do Povo Tigré tinham um enorme poder político. No entanto, eles perderam o poder em 2018, quando Abiy Ahmed foi nomeado primeiro-ministro.

No início de fevereiro, um vídeo de 4:04 foi transmitido nas redes sociais, inicialmente postado como uma série de trechos de um minuto. Aqueles que compartilharam as imagens chocantes disseram que era a prova de que soldados etíopes massacraram civis em Debre Abay, um distrito no centro do Tigré.

O site de notícias Tghat, dirigido por um grupo de ativistas tigrés que vivem no exterior, noticiou em 12 de janeiro que um massacre havia ocorrido neste local. No início de fevereiro, o site compartilhou trechos do vídeo. Seguindo os passos dos usuários do Twitter que começaram a investigar as origens do vídeo, o diário britânico The Telegraph publicou um artigo sobre ele em 19 de fevereiro.

Nossa equipe decidiu publicar apenas capturas de tela borradas do vídeo, devido ao conteúdo extremamente violento.

Onde?

A filmagem mostra cerca de 30 corpos no solo nos arredores de uma aldeia.


Examinamos a localização dos edifícios, trilhas e árvores no vídeo, bem como as montanhas no horizonte, e comparamos com imagens de satélite e informações topográficas disponíveis no Google Earth Pro. Desta forma, pudemos determinar o local exato onde o vídeo foi filmado.

Foi filmado em uma aldeia chamada Mai Harmaz na região de Debre Abay, que é conhecida por um famoso mosteiro, localizado a cerca de dois quilômetros da aldeia.

Na parte superior, uma montagem de diferentes capturas de tela do vídeo, à medida que o cinegrafista filma na direção da vila e, na parte inferior, uma montagem que mostra o momento em que ele filma a saída da vila (direção sudoeste). Vemos os mesmos elementos circulados em uma imagem de satélite capturada nas seguintes coordenadas: 13.820976, 38.125441. (Google Earth Pro / France 24)

Na parte inferior, o perfil montanhoso visível no vídeo na direção sudoeste (acentuado pelo efeito de contraste de nossa equipe editorial) e, na parte superior, aquele gerado pelos dados topográficos do Google Earth Pro. (Google Earth Pro / France 24)

Cada ponto vermelho indica a localização de um corpo visível no vídeo e dois pontos amarelos indicam pessoas ainda vivas no momento da filmagem. (Imagem de satélite datada de 19 de fevereiro de 2021, fornecida por Planet Labs)

Em seguida, mapeamos a localização de cada um dos corpos em uma imagem de satélite. Contamos 30 corpos sem vida, todos vestidos com roupas civis. Há uma grande quantidade de sangue em algumas das vítimas, sugerindo que elas foram feridas. Em alguns lugares, as vítimas perderam tanto sangue que o solo abaixo delas mudou de ocre para preto. Pelo menos duas pessoas, deitadas e provavelmente feridas, estão vivas e reagem ao cinegrafista enquanto ele filma.

"Você deveria ter acabado com os sobreviventes!"

No início do vídeo, você pode ver dois corpos sem vida em uma estrada de terra. O homem filmando começa a falar em amárico, provavelmente para alguém que não está visível.

"Ei, você deveria ter acabado com os sobreviventes!" ele diz.

De acordo com vários falantes de amárico, o homem tem um forte sotaque do sul da Etiópia. O Telegraph também divulgou essa informação. Um menino deitado no chão responde em tigrínia, a língua falada na região norte.

O homem no chão está vivo e tenta responder às perguntas do cineasta. Eles não se entendem porque falam duas línguas diferentes, uma tigrínia e a outra amárico. (France 24)

Em seguida, o cinegrafista caminha até dois homens caídos no chão. Um, que parece jovem, reage ao cinegrafista e eles começam a falar:

Soldado (em amárico): "Por que você estava aqui em primeiro lugar?"

Criança no solo (em tigrínia): "Eu moro aqui."

Soldado: "Quem o trouxe aqui? Ele (o homem morto deitado ao lado dele) fez isso?"

(O soldado não fala tigrínia e não consegue entender a criança).

Soldado: "Você não entende amárico?"

Criança no chão (em tigrínia): "Eu moro perto daquelas casas ali (gesticulando)."

Soldado, frustrado com a incapacidade da criança de falar amárico: "Continue falando, vou foder sua mãe. Continue falando, seu filho da puta."

Impossível saber se esse homem é com quem o cinegrafista acabou de conversar ou não. Ele anda mancando. (France 24)

Um minuto depois dessa interação com o jovem no chão, o cinegrafista filma outro homem que está mancando para longe da área.

"Por que não (o) matamos?" o soldado pergunta.

Ao fundo, mulheres e homens podem ser ouvidos implorando em uma mistura de tigrínia e amárico: "Por favor, em nome da sua mãe!"

"Deixe pra lá", o soldado filmando finalmente diz. "Deixe-o ir. Já batemos nele. Ele deveria ter sido morto no início. Chega, deixe-o ir, ele sobreviveu."

Quem?

Vários homens vestindo uniformes militares aparecem ao longo do vídeo. Todos usam uniformes camuflados e botas cor de areia. Alguns também usam um chapéu da mesma cor. Não está claro se o homem que está filmando o vídeo está usando uniforme, mas suas conversas com os outros soldados fazem parecer que ele faz parte do mesmo grupo.

Vários uniformes e botas como esses são visíveis ao longo do vídeo. (France 24)

À esquerda, uma captura de tela do vídeo que mostra um homem segurando um walkie-talkie de antena longa e, à direita, a foto da AFP de um soldado etíope segurando um dispositivo semelhante, postada em 25 de novembro de 2020. (France 24 / AFP)

Um dos homens carrega um walkie-talkie com uma longa antena. Soldados etíopes participando de combates ativos já foram fotografados usando este tipo de equipamento no passado, como pode ser visto nesta foto tirada pela Agence France Presse em novembro. Outra pessoa carrega um walkie-talkie com uma antena curta.

Nos segundos finais do vídeo, você pode ver um homem armado com um fuzil de assalto. A qualidade da imagem, no entanto, não é forte o suficiente para identificar o modelo.

Uma captura de tela ampliada do momento do vídeo em que vemos um homem com uma arma. (France 24)

Os soldados estão claramente bem equipados e usam uniformes padronizados. Isso, além do fato do grupo falar amárico, torna muito mais provável que eles sejam filiados ao Exército Etíope e não aos rebeldes tigrés. O fato de estarem falando amárico também exclui a possibilidade de que sejam alguns dos soldados eritreus que recentemente uniram forças com os etíopes.

No entanto, não existem bandeiras ou emblemas que nos permitam identificar o seu batalhão. Não está claro se esses homens fazem parte do exército regular ou de um grupo afiliado, como a polícia paramilitar ou uma milícia.

Quando?

Várias fontes locais disseram que soldados etíopes atiraram contra aldeões em 5 de janeiro de 2021, vários dias antes das celebrações do Natal etíope realizadas em 7 de janeiro. Como há pelo menos dois sobreviventes mostrados no vídeo, é provável que ele tenha sido filmado no dia do massacre.

Podemos confirmar que esta filmagem foi feita algum tempo depois de 2018. Isso porque um prédio em construção que aparece no vídeo não aparece nas imagens de satélite antes desse ano. A duração e orientação das sombras projetadas pelos homens e edifícios no vídeo correspondem a um final de tarde de inverno, de acordo com o site SunCalc.

À esquerda, uma captura de tela do vídeo que mostra um prédio em construção e, à direita, uma imagem de satélite do local datado de 2018 em que falta esse prédio. (Google Earth Pro / France 24)

Não encontramos nenhuma instância deste vídeo online antes de fevereiro de 2021.

Em resposta ao The Telegraph, o embaixador etíope em Londres, Teferi Melesse Desta, disse que o vídeo foi “tirado do contexto” e que o Exército Etíope “faz o máximo [...] para evitar vítimas civis e para proteger os cidadãos”.

Nossa equipe solicitou uma entrevista com o ministério da defesa e com o gabinete do primeiro-ministro da Etiópia para obter mais informações. Atualizaremos esta página se eles responderem às nossas solicitações.

"Uma guerra sem fotos"

A filmagem do massacre de Debre Abay levantou o véu do que a mídia chama de “uma guerra sem fotos”. O governo de Abiy Ahmed impediu que jornalistas e ONGs entrassem no Tigré por vários meses para evitar qualquer "interferência", enquanto as autoridades alegaram que os meios de comunicação internacionais não foram capazes de cobrir a situação devido à "interrupção do transporte terrestre e marítimo". Essa proibição foi parcialmente suspensa no final de fevereiro para vários meios de comunicação, incluindo a FRANCE 24. A partir do início de 2021, algumas imagens da guerra no Tigré foram divulgadas, bem como relatos de pessoas no local. Muitas ONGs estão preocupadas com o que estão ouvindo.

A Conselheira Especial do Secretário-Geral para a Prevenção do Genocídio, Alice Wairimu Nderitu, anunciou no início de fevereiro que tinha visto relatos de graves violações dos direitos humanos e abusos cometidos pelas partes envolvidas na guerra na região do Tigré e seus aliados, incluindo execuções extrajudiciais e violência sexual, pilhagem de propriedades, execuções em massa e acesso humanitário impedido.

Vídeos que documentam suspeitas de crimes de guerra estão sendo compartilhados online com frequência cada vez maior e agora são uma fonte importante para tribunais internacionais, incluindo o Tribunal Penal Internacional.

“Considerando seu uso crescente, as instituições estão trabalhando para padronizar como eles são coletados e investigados”, disse Aurélie Aumaître, uma advogada que se especializou em crimes contra a humanidade e crimes de guerra no Tribunal Judicial de Paris. Em dezembro de 2020, a Universidade de Berkeley publicou um guia para advogados que desejam usar esses vídeos como prova durante um julgamento, em parceria com as Nações Unidas.

Bibliografia recomendada:

Bush Wars:
Africa 1960-2010.

Cães de Guerra.
Frederick Forsyth.

Leitura recomendada:


terça-feira, 24 de novembro de 2020

Centenas de mortos em massacre ocorrido em Tigré, na Etiópia, afirma um órgão de direitos humanos

Um tanque danificado abandonado em uma estrada enquanto um caminhão das Forças Especiais de Amhara passa perto de Humera, na Etiópia, em 22 de novembro de 2020.
(Eduardo Soteras / AFP)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de novembro de 2020.

Um grupo local de jovens, auxiliado pela polícia e milícias, matou pelo menos 600 pessoas em uma onda de violência em 9 de novembro de 2020 na região de Tigré, no norte da Etiópia, disse terça-feira o órgão nacional de direitos humanos.

O massacre na cidade de Mai-Kadra é o pior ataque contra civis durante o conflito interno em curso na Etiópia, que opõe as forças federais aos líderes do partido governante tigré, a Frente de Libertação do Povo Tigré (Tigray People's Liberation Front, TPLF). A Anistia Internacional relatou anteriormente que "dezenas, provavelmente centenas, de pessoas foram esfaqueadas ou desmembradas até a morte" no ataque de 9 de novembro em Mai-Kadra.

Mas o relatório de terça-feira da Comissão Etíope de Direitos Humanos (EHRC) fornece um relato mais detalhado, acusando o grupo de jovens tigrés conhecido como "Samri" de ter como alvo trabalhadores sazonais de fora de Tigré que trabalham em fazendas de gergelim e sorgo na área. O EHRC é um órgão afiliado ao governo, mas independente, cujo principal comissário, Daniel Bekele, foi nomeado pelo primeiro-ministro Abiy Ahmed. Os perpetradores "mataram centenas de pessoas, espancando-as com cassetetes/paus, esfaqueando-as com facas, facões e machados e estrangulando-as com cordas. Eles também saquearam e destruíram propriedades", disse o relatório.

O ataque "pode resultar em crimes contra a humanidade e crimes de guerra", disse o jornal. Fontes, incluindo testemunhas oculares e membros de um comitê formado para enterrar os mortos "estimam que um mínimo de 600 foram mortos e dizem que o número deve ser ainda maior", disse o relatório, embora tenha notado que o número de mortos continua impreciso. "Uma incompatibilidade entre o grande número de corpos e a capacidade limitada de sepultamento fez com que o sepultamento demorasse três dias", disse o relatório. Abiy anunciou operações militares em Tigré em 4 de novembro, dizendo que eram em resposta a ataques a campos militares federais orquestrados pela liderança da TPLF.

A região de Tigré na Etiópia.

Seu escritório aproveitou reportagens da mídia culpando as forças pró-TPLF pelo massacre de Mai-Kadra, dizendo que tais "atrocidades" demonstram por que seus líderes devem ser destituídos de todo o poder. Mesmo assim, refugiados tigrés de Mai-Kadra que fugiram pela fronteira com o Sudão culpam as forças do governo pelas mortes no país.

As Nações Unidas e grupos de direitos humanos pediram uma investigação imparcial para determinar exatamente o que aconteceu. O Tigré permanece em um blecaute de comunicações e o acesso da mídia à região foi restrito. A área oeste da região, onde Mai-Kadra está localizada, viu fortes combates nos primeiros dias do conflito, mas agora está sob controle federal. O conflito empurrou mais de 40.000 pessoas ao Sudão e, segundo consta, matou centenas.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:

Islâmicos ligados ao Estado Islâmico decapitaram mais de 50 pessoas em campo de futebol em Moçambique11 de novembro de 2020.