domingo, 26 de abril de 2020

Helicóptero Gazelle de mercenários sul-africanos foi abatido em Moçambique

Helicóptero Gazelle como aquele usado pelos mercenários sul-africanos.

Por Patrick Kenyette, Military Africa, 10 de abril de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de abril de 2020.

Vários relatórios de Moçambique indicam que um dos helicópteros Gazelle dos contratados militares sul-africanos, desdobrados contra jihadistas no norte de Moçambique, foi abatido nesta manhã [10 de abril].

O helicóptero Gazelle foi atacado com tiros de armas portáteis, que aparentemente danificaram a caixa de engrenagens do helicóptero, forçando-o a pousar. A tripulação foi extraída com segurança, no entanto, ainda não há informações sobre o status do helicóptero.

Um artilheiro de porta com um canhão de 20mm. (Joseph Hanlon)

O helicóptero Gazelle, pertencente aos contratados militares privados sul-africanos, e as aeronaves da Força Aérea de Moçambique, realizaram vários ataques aéreos importantes contra extremistas islâmicos há muito tempo.

Por exemplo, no início deste mês, Joseph Hanlon publicou uma fotografia mostrando um dos helicópteros Gazelle supostamente usados em um ataque. A fotografia mostra um artilheiro de porta operando um canhão de 20mm montado na porta da aeronave.

Mercenários em Moçambique

Como Moçambique está envolvido em uma emergente guerra contra-terrorista, as forças de segurança estatais - as Forças de Defesa e Segurança (FDS) - se mostraram incapazes de lidar com os levemente armados terroristas no norte.

O presidente de Moçambique, Maputo, iniciou uma busca por alternativas militares. Inicialmente, a empresa de segurança privada Lancaster Six Group (L6G) de Erik Prince, sediada em Dubai, estava em concorrência com a companhia militar privada (private military company, PMC) Wagner da Rússia e com a sul-africana de Eeben Barlow, Specialized Tasks, Training, Equipment and Protection International (STTEP), por contratos de segurança em Cabo Delgado, com Prince prometendo eliminar os terroristas em três meses em troca de uma parcela das receitas de petróleo e gás natural.

Embora, de acordo com o Daily Maverick, Wagner havia saído de Moçambique em março após fracassar em sua missão e tenha sido substituído pela companhia de segurança privada da África do Sul Dyck Advisory Group (DAG), com sede na África do Sul e de propriedade do ex-coronel das forças armadas zimbabuanas, Lionel Dyck, que acredita-se estar perto do presidente zimbabuano Emmerson Mnangagwa.

O Dyck Advisory Group (DAG) opera três helicópteros na costa norte de Cabo Delgado - um helicóptero de ataque Gazelle, um Bell UH I "Huey" e um Bell 406 Long Ranger - e um Diamond DA42 de asa fixa. Eles somaram outro Gazelle e a um transportador de pessoal de asa fixa Cessna Caravan, o qual havia chegado a Pemba.

Original: https://www.africanmilitaryblog.com/2020/04/south-african-mercenarys-gazelle-helicopter-shot-down-in-mozambique?v=65d8f7baa677

Patrick Kenyette é jornalista e fotógrafo freelancer e colaborador regular do blog African Military.



















Leitura recomendada:

PERFIL: Akihiko Saito, o samurai contractor, 2 de fevereiro de 2020.

Dividendos da Diplomacia: Quem realmente controla o Grupo Wagner?22 de março de 2020.

Por que Moçambique está terceirizando a contra-insurgência para a Rússia25 de março de 2020.

A máquina de guerra é operada por contratos25 de janeiro de 2020.

Os contratados militares privados são mais econômicos do que o pessoal uniformizado?20 de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário