Mostrando postagens com marcador Emirados Árabes Unidos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Emirados Árabes Unidos. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de abril de 2021

O Leclerc na Jordânia

O rei Abdullah II posando com os Leclerc durante o exercício Cidadela de Saladino, 19 de outubro de 2020.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de abril de 2021.

O Reino da Jordânia é o mais novo operador dos carros franceses Leclerc e fez a sua primeira manobra com os novos tanque no exercício Qaleatan Salah al-Diyn (Cidadela de Saladino/Salad al-Din), com a presença de sua majestade real Abdullah II bin Al-Hussein, em 19 de outubro de 2020.

O MBT Leclerc leva o nome do General Philippe Leclerc de Hauteclocque, conquistador do forte de Kufra e libertador de Paris e Estrasburgo na Segunda Guerra Mundial. Seu novo nome no Exército Jordaniano é Zayed.

O rei Abdullah II inspecionando a torre de um Leclerc, 19 de outubro de 2020.

Os carros Leclerc jordanianos durante o exercício, 19 de outubro de 2020.

Conforme noticiado pela primeira vez pelo blog Blablachars em 15 de setembro de 2020, a Jordânia recebeu uma doação de 80 carros de combate principais Leclerc do seu "primo rico", os Emirados Árabes Unidos. Esse número de tanques permitiu ao Reino Haxemita, sediado em Amã, equipar dois dos seus quatro batalhões de tanques no Comando Central do exército jordaniano. Com um efetivo estimado de 13-15 mil homens, o Comando Central Jordaniano é uma grande unidade de armas combinadas contendo duas brigadas blindadas:
  • 40ª Brigada Blindada "Rei Hussein" 
    • 2º Batalhão de Tanques Real
    • 4º Batalhão de Tanques "Príncipe Ali Bin Al Hussein"
  • 60ª Brigada Blindada "Príncipe Hassan"
    • 3º Batalhão de Tanques Real
    • 5º Batalhão de Tanques Real
Essas duas brigadas foram transferidas da antiga 3ª Divisão Blindada "Rei Abdullah II", criada em 1969 e dissolvida na reorganização de 2018. Todas essas unidades estão equipadas com tanques mais antigos, como o Tariq (Centurion), o M60A1, o Al-Khalid (Chieftain) ou o Al-Hussein (Challenger 1).

Insígnia de ombro do Comando Central jordaniano.

Organograma do Comando Central jordaniano.
O Comando Central controla unidades regionais do Mar Morto ao Rio Zarqa ao norte de Salt. O atual chefe do Comando Central é o Brigadeiro-General Adnan Ahmed Al-Raqqad.

Pelo menos quatro tanques Leclerc podem ser vistos em ação no exercício, ao lado de obuseiros M109, tanques M60 Patton, sistemas de artilharia WM-120 MRLS de fabricação chinesa e veículos ZSU-23 -4 Shilka de origem soviética.

Em paz com Israel, porém, a Jordânia continua confrontada com um ambiente instável com a Síria e o Iraque, países com muitos tanques, alguns deles de última geração como o T-90. A abordagem dos Emirados Árabes Unidos certamente favorecida pelas relações entre os líderes dos dois países também se beneficiou da normalização das relações entre Jerusalém e Abu Dhabi, empreendida durante vários meses e materializada pelo recente acordo entre os dois países.

“Pela primeira vez, o tanque Leclerc [Zayed] foi usado no exercício. Entrou em serviço este ano [de 2020], graças às relações fraternas e estratégicas entre a Jordânia e os Emirados Árabes Unidos, como complemento qualitativo das armas e equipamentos usados ​​pelas Forças Armadas”, explicou o Ministério da Defesa da Jordânia, em nota publicada em 19 de outubro por ocasião da chegada do Rei Abdullah II ao campo de manobras.

 Teoricamente, tal transferência, cujos detalhes são desconhecidos, teve que receber o consentimento da França. Isso não deveria ser um problema, dadas as boas relações entre Paris e Amã. O fortalecimento das relações de defesa entre os dois países foi inclusive recentemente mencionado em relatório do Senado, devido ao estabelecimento na Jordânia da base aérea H5, utilizada pela força francesa Chammal para suas operações no Levante contra o Estado Islâmico.

Recorde-se que os Emirados Árabes Unidos foram os únicos clientes de exportação do Leclerc, com uma encomenda de 388 unidades, completadas por 46 tanques de recuperação DNG/DCL, assinada em 1992 pela GIAT Industries (Nexter Systems), sob a égide de Pierre Joxe, então Ministro da Defesa, por uma quantia de 21 bilhões de francos (3 bilhões de euros); tornando-se o maior operador do Leclerc.

As forças terrestres emiráticas receberam seu primeiro Leclerc em uma versão tropicalizada em 1994. Desde então, eles engajaram entre 70 e 80 exemplares no Iêmen, onde causaram uma impressão tão boa que, segundo Stéphane Mayer, CEO da Nexter, algumas autoridades do Oriente Médio expressaram interesse em obtê-lo. E um boato sobre uma possível encomenda saudita - importante - circulava na época (porém, para atender a essa demanda, teria sido necessário relançar as cadeias produtivas).

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Por que o Leclerc continuará sendo um dos melhores tanques do mundo6 de abril de 2021.

FOTO: Assalto em avião no KASOTC4 de janeiro de 2021.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

FOTO: Papai Noel num trenó blindado

 
Papai Noel com seu trenó blindado Leclerc "Indochine" nos Emirados Árabes Unidos, 24 de dezembro de 2020.

O Papai Noel e o Indochine são do 5º Regimento de Couraceiros (5e Régiment de Cuirassiers5e RC) que forma o núcleo da força terrestre de 93 homens da base militar francesa nos Emirados Árabes Unidos (EAU), o Camp de la Paix (Campo da Paz). O Camp de la Paix é também referido como Base de Abu Dhabi e de Implantação Militar Francesa nos Emirados Árabes Unidos (Implantation militaire française aux Émirats arabes unis, IMFEAU); contando com elementos navais, aéreos e terrestres.

O 5e RC forma um grupo tático de armas-combinadas (groupement tactique interarmesGTIA) blindado com base na cidade militar de Zayed, a cerca de 65km da cidade de Abu Dhabi e compreendendo uma companhia de comando e serviços, um esquadrão blindado, uma companhia de infantaria e um companhia de apoio; essas unidades são reforçadas, por sua vez, por unidades vindas da França continental em sistema de rotação.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Um tanque durão: por que o Leclerc da França é um dos melhores do planeta21 de fevereiro de 2020.

Leclerc operacional com mais blindagem no Exército dos Emirados Árabes Unidos, 11 de junho de 2020.

FOTO: Coluna blindada no deserto emirático19 de agosto de 2020.

FOTO: Somua S 35 na Tunísia26 de março de 2020.

FOTO: Couraceiros modernos14 de outubro de 2020.

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Como os Emirados Árabes Unidos emergiram como uma potência regional

Um combatente iemenita está ao lado de um mural do falecido fundador dos Emirados Árabes Unidos, xeique Zayed Al Nahyan. (AFP)

Por Frank Gardner, correspondente de segurança da BBC, 23 de setembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de setembro de 2020.

2020 tem sido um ano e tanto para os Emirados Árabes Unidos (EAU) - a pequena, mas super-rica e mega-ambiciosa nação do Golfo.

Enviou uma missão a Marte; fechou um acordo de paz histórico com Israel; e conseguiu ficar suficientemente à frente da curva na Covid-19 que o ex-protetorado britânico reorganizou fábricas e enviou Equipamentos de Proteção Individual (PPE) para o Reino Unido por avião.

Ele também se viu envolvido em uma custosa luta estratégica por influência com a Turquia, enquanto estende seus tentáculos até a Líbia, Iêmen e Somália.

Desfile do 43º aniversário da unificação dos Emirados Árabes Unidos, 5 de maio de 2019.

Portanto, com seu 50º aniversário desde sua independência chegando no próximo ano, qual é exatamente o jogo global dos Emirados Árabes Unidos e quem o está dirigindo?

Encontro casual

É maio de 1999 e a guerra de Kosovo já dura mais de um ano. Estou parado em uma pia dentro de uma cabana improvisada em um campo bem protegido na fronteira albanesa-kosovar, um lugar lotado de refugiados kosovares.

O xeique Mohamed Bin Zayed, Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, junta-se a oficiais emiráticos durante uma sessão de treinamento em Canjuers, sul da França, em julho de 1999, antes do seu destacamento para a KFOR em Kosovo. (Jack Dabaghian/ AFP)

O acampamento foi montado pela Sociedade do Crescente Vermelho dos Emirados e os emiráticos chegaram com um círculo completo de cozinheiros, açougueiros halal, engenheiros de telecomunicações, um imã e um contingente de tropas que patrulham o perímetro em Humvees camuflados para o deserto montados com metralhadoras pesadas.

Tínhamos voado no dia anterior de Tirana em helicópteros Puma pilotados por pilotos da Força Aérea dos Emirados Árabes Unidos através das ravinas sinuosas e acidentadas do nordeste da Albânia.

Os Emirados Árabes Unidos montaram um campo para kosovares deslocados na fronteira Kosovo-Albania no final dos anos 1990. (Frank Gardner)

O homem agora escovando os dentes na bacia ao meu lado é alto, barbudo e usa óculos. Eu o reconheço como o xeique Mohammed bin Zayed, formado pela Royal Military Academy Sandhurst da Grã-Bretanha e a força motriz por trás do crescente papel militar dos Emirados Árabes Unidos.

Podemos dar uma entrevista na TV, eu pergunto? Ele não está interessado, mas concorda.

Os EAU, explica ele, firmaram uma parceria estratégica com a França. Como parte de um acordo para comprar 400 tanques Leclerc franceses, os franceses estão colocando uma brigada de tropas emiráticas "sob sua proteção", treinando-as na França para se posicionarem ao lado delas no Kosovo.

O xeique Abdullah bin Zayed, acompanhado por uma equipe de TV, visita o acampamento de refugiados organizado pelos EAU. (Cortesia: Major-General Obaid Al Ketbi, no centro)

Para um país que havia conquistado sua independência há menos de 30 anos, foi uma jogada ousada. Lá, naquele canto remoto dos Bálcãs, estávamos a mais de 2.000 milhas (3.200km) de Abu Dhabi, mas os Emirados Árabes Unidos claramente tinham ambições muito além da costa do Golfo.

Tornou-se o primeiro estado árabe moderno a desdobrar suas forças armadas na Europa, em apoio à OTAN.

"Pequena Esparta"

Em seguida, veio o Afeganistão. Desconhecido para a maioria da população dos Emirados Árabes Unidos, as forças emiráticas começaram a operar discretamente ao lado da OTAN logo após a queda do Talibã, em uma ação sancionada pelo agora príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed Bin Zayed.

Em 2008, visitei um contingente de suas forças especiais na Base Aérea de Bagram e vi como eles operavam.

Viajando em veículos blindados brasileiros e sul-africanos, eles dirigiam até uma aldeia afegã remota e empobrecida, distribuíam Alcorões e caixas de doces de graça e sentavam-se com os mais velhos.

Forças especiais dos Emirados Árabes Unidos foram enviadas ao Afeganistão. (Frank Gardner)

"O que você precisa?" eles perguntariam. "Uma mesquita, uma escola, poços perfurados para beber água?" Os EAU colocariam o dinheiro enquanto os contratos iam para licitação local.

A pegada dos emirática era pequena, mas onde quer que fossem, usavam dinheiro e religião para tentar reduzir a suspeita local generalizada sobre as forças da OTAN, que muitas vezes agiam com mão-pesada.

Na província de Helmand, eles também lutaram ao lado das forças britânicas em alguns tiroteios intensos. O ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, posteriormente apelidou os Emirados Árabes Unidos de "Pequena Esparta", em referência a este país relativamente pouco conhecido, com uma população de menos de 10 milhões, socando bem acima do seu peso.

Um soldado das Forças Especiais dos EAU designado para a Força-Tarefa de Operações Especiais-Oeste, patrulha aldeias no Afeganistão em 7 de abril de 2011.

Iêmen: uma reputação prejudicada

Depois veio o Iêmen e uma campanha militar repleta de dificuldades.

Quando o príncipe da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, levou seu país à desastrosa guerra civil do Iêmen em 2015, os Emirados Árabes Unidos aderiram, enviando seus caças F-16 para realizar ataques aéreos contra os rebeldes Houthi e enviando suas tropas para o sul.

No verão de 2018, ele desembarcou tropas na estratégica ilha iemenita de Socotra e reuniu uma força de assalto em uma base alugada em Assab, na Eritréia, evitando no último minuto enviá-los através do Mar Vermelho para retomar o porto de Hudaydah dos Houthis.

A guerra no Iêmen já se arrasta por quase seis anos, não há vencedores claros e os Houthis permanecem firmemente entrincheirados na capital, Sanaa, e em grande parte do país.

As forças dos EAU sofreram baixas, incluindo mais de 50 em um único ataque de míssil, resultando em três dias de luto nacional em casa.

Trabalhadores emiráticos do Crescente Vermelho distribuem ajuda em Socotra, Iêmen. (Frank Gardner)

A reputação dos EAU também foi prejudicada por sua associação com algumas milícias locais desagradáveis ligadas à Al-Qaeda e relatos de ativistas de direitos humanos de que associados dos Emirados Árabes Unidos trancaram dezenas de prisioneiros dentro de um contêiner, onde morreram sufocados com o calor.

Israel: uma nova aliança

Desde então, os EAU reduziram seu envolvimento no conflito destrutivo e inconclusivo do Iêmen, mas continuam a esticar seus tentáculos militares por toda a parte em uma tentativa controversa de repelir a influência crescente da Turquia na região.

Portanto, embora a Turquia tenha uma presença significativa na capital da Somália, Mogadíscio, os EAU estão apoiando o território separatista da Somalilândia e construíram uma base em Berbera, no Golfo de Áden.

Na Líbia devastada pela guerra, os EAU se juntaram à Rússia e ao Egito no apoio às forças de Khalifa Haftar no leste contra aquelas do oeste que são apoiadas pela Turquia, Qatar e outros.

Em setembro deste ano, os EAU enviaram navios e caças à ilha de Creta para exercícios conjuntos com a Grécia, enquanto aquele país se preparava para um possível confronto com a Turquia sobre direitos de perfuração no Mediterrâneo oriental.

Formação de caças Mirage 2000 e F-16 da Força Aérea dos EAU participam de manobras militares conjuntas com o exército francês no deserto de Abu Dhabi, em 2 de maio de 2012. (Karim Sahib/ AFP)

E agora, após um anúncio repentino e dramático da Casa Branca, há uma aliança de amplo alcance EAU-Israel, colocando um selo oficial em anos de cooperação secreta. (Como a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos têm adquirido discretamente um software de vigilância intrusivo de fabricação israelense para ficar de olho em seus cidadãos).

Embora a aliança abrace um amplo espectro de iniciativas de saúde, biotecnologia, culturais e comerciais, ela também tem o potencial de criar uma relação militar e de segurança estratégica formidável, aproveitando a tecnologia de ponta de Israel com os bolsos sem fundo e aspirações globais dos Emirados Árabes Unidos.

O inimigo comum dos dois países, o Irã, condenou o acordo, assim como a Turquia e os palestinos, acusando os EAU de trair as aspirações palestinas por um estado independente.

Alcançando as estrelas

Um foguete carregando a sonda de Marte dos Emirados Árabes Unidos decolou do Japão em julho. (Reuters)

As ambições de Abu Dhabi não param por aí. Com a ajuda dos EUA, tornou-se a primeira nação árabe a enviar uma missão a Marte.

Em um programa de US $ 200 milhões (£ 156 milhões; 170 milhões de euros) denominado "Esperança", sua espaçonave já está voando pelo espaço a 126.000km/h (78.000 mph) após decolar de uma remota ilha japonesa.

Deve chegar ao seu destino, a 495 milhões de quilômetros, em fevereiro. Uma vez lá, ele mapeará os gases atmosféricos que circundam o planeta vermelho, enviando os dados de volta à Terra.

"Queremos ser um jogador global", disse o Ministro de Estado das Relações Exteriores dos EAU, Anwar Gargash. "Queremos quebrar barreiras e precisamos assumir alguns riscos estratégicos para quebrar essas barreiras".

No entanto, existem preocupações de que, ao se mover tão rápido e tão longe, os Emirados Árabes Unidos corram o risco de se excederem.

"Não há dúvida de que os EAU são a potência militar mais eficaz da região [árabe]", disse o analista do Golfo Michael Stephens.

“Eles são capazes de enviar forças para o exterior de maneiras que outros países árabes simplesmente não conseguem fazer. Mas eles também são limitados por tamanho e capacidade, e enfrentar tantos problemas ao mesmo tempo é arriscado e, a longo prazo, pode acabar saindo pela culatra".

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

A Esparta no Golfo: a crescente influência regional dos Emirados Árabes Unidos2 de fevereiro de 2020.

GALERIA: A Guarda Presidencial Emirática no MCAGCC5 de julho de 2020.



FOTO: Coluna blindada no deserto emirático19 de agosto de 2020.

A tentativa da Turquia de retornar à glória da era otomana ameaça Israel e a região21 de setembro de 2020.


domingo, 5 de julho de 2020

GALERIA: A Guarda Presidencial Emirática no MCAGCC


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de julho de 2020.

Exercício de morteiro e infantaria de três semanas do Batalhão de Apoio de Brigada, da Guarda Presidencial dos Emirados Árabes Unidos (EAU), o campo de treinamento Range 410, Marine Corps Air Ground Combat Center (Centro de Combate Aeroterrestre do Corpo de Fuzileiros Navais, MCAGCC), Twentynine Palms, Califórnia, 16 de setembro de 2019. Fotos do Lance Cpl. Shane T. Beaubien, Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC).

O Tenente-General Mike Hindmarsh, comandante da Guarda Presidencial, cumprimenta o Batalhão de Apoio de Brigada.

A Guarda Presidencial dos Emirados Árabes Unidos (UAE Presidential Guard, UAE-PG) foi formada em 2011 pela fusão da Guarda Amiri, do Comando de Operações Especiais e do Batalhão de Fuzileiros Navais da Marinha dos EAU. Os Emirados pediram apoio de treinamento fornecido pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC).

USMC Lance Cpl. Patrick D. Boger, Companhia I, 3º Batalhão do 4º Regimento de Fuzileiros Navais (3/4), orienta soldados do Batalhão de Apoio de Brigada, Guarda Presidencial (UAE-PG), na operação de morteiros.

O Departamento de Estado dos EUA aprovou uma venda militar estrangeira (foreign military sales, FMS) Caso de Treinamento para a UAE-PG (Training Case for UAE-PGem outubro de 2011. A Missão de Treinamento do Corpo de Fuzileiros Navais dos Emirados Árabes Unidos (Marine Corps Training Mission UAEMCTM-EAU) opera sob o chefe da autoridade da missão como um caso de treinamento do Título 22 FMS (Title 22 FMS training case).

Enquanto as forças armadas dos EAU não têm mais uma unidade de fuzileiros navais, o USMC designou a EAU-PG como sua força congênere. A Guarda Presidencial é designada como a elite e a força mais especializada das forças armadas dos Emirados Árabes Unidos, serviu no Afeganistão e no Iêmen, e é comandada pelo conselheiro australiano Mike Hindmarsh.

O General Hindmarsh assumiu o comando da EAU-PG após 33 anos de serviço no Exército Australiano.

A monarquia constitucional soberana dos Emirados Árabes Unidos é uma federação de sete emirados criada em dezembro de 1972, composta pelos emirados dos Estados Truciais de Abu Dhabi (que serve como capital), Ajman, Dubai, Fujairah, Sharjah, Umm Al Quwain e Ras Al Khaimah (unido em 1972). Seus limites são complexos, com numerosos enclaves nos vários emirados. Cada emirado é governado por um emir próprio; juntos, eles formam o Conselho Supremo Federal. Um dos governantes atua como presidente dos Emirados Árabes Unidos, atualmente o Khalifa Al Nahyan (Xeique Khalifa), o emir de Abu Dhabi. Em 2014, o Xeique Khalifa sofreu um derrame e o controle atual cabe ao seu meio irmão, o Xeique Mohammed bin Zayed Al Nahyan, príncipe-herdeiro de Abu Dhabi.

Os seus aliados americanos apelidaram os EAU como "A Pequena Esparta do Golfo".

Soldado emirático executando a limpeza do tubo do morteiro M224.

Granada 60mm do morteiro M224.

Carregamento do morteiro M224.

Disparo do morteiro M224.

Soldado emirático.

Militares emiráticos planejando o ataque de pelotão realizado ao final das três semanas de treinamento.

Militares emiráticos planejando o exercício de coroamento em uma maquete do terreno.

Soldados emiráticos e fuzileiros navais americanos (incluindo um marinheiro-enfermeiro) posam em Camp Spartan, no MCAGCC, após três semanas de treinamento, culminando num ataque de pelotão final.

Bibliografia recomendada:

The Military and Police Forces of Gulf States.
Volume 1: Trucial States and United Arab Emirates, 1951-1980.
Athol Yates & Cliff Lord.

The Evolution of the Armed Forces of the United Arab Emirates.
Athol Yates.

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.
Kenneth M. Pollack.

Leitura recomendada: