Mostrando postagens com marcador Diplomacia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Diplomacia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 24 de agosto de 2021

Confiar nos EUA? As lições para a Ásia enquanto Biden deserta o Afeganistão


Por Debasish Roy Chowdhury, TIME Magazine, 15 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de agosto de 2021.

Foi um dia esperançoso de janeiro quando um novo presidente americano assumiu o cargo após quatro anos de uma montanha-russa chamada Donald Trump.

“Vamos consertar nossas alianças e nos envolver com o mundo mais uma vez”, disse Joe Biden a um mundo ansioso em seu discurso inaugural, declarando a intenção do líder do mundo livre de liderar mais uma vez. “Vamos liderar não apenas pelo exemplo de nosso poder, mas pelo poder de nosso exemplo. Seremos um parceiro forte e confiável para a paz, o progresso e a segurança.”

Os dias de isolacionismo do America First de Trump, que tinha visto os EUA rejeitarem um bloco comercial multilateral, rasgar antigos tratados e insultar aliados, acabaram. A América estava de volta.


Como no Vietnã e no Iraque, o Afeganistão mais uma vez serve como um lembrete da capacidade da América para o caos com suas intervenções mal-pensadas e recuos imprudentes.

Em nenhum lugar isso foi mais evidente do que na Ásia. As relações com a Coreia do Sul e o Japão, ambas abaladas pelas exigências de Trump de trazer mais dinheiro para a mesa, foram rapidamente corrigidas. O governo Biden reiterou seu compromisso de usar a força militar para defender os interesses de aliados como Japão e Taiwan. Uma década depois de Barack Obama formular pela primeira vez a política "Pivô para a Ásia" - mudando o foco histórico dos EUA da Europa, América Latina e Oriente Médio para a região do Indo-Pacífico a fim de restringir a China - o governo de Biden parecia pronto para assumir um entalhe.

Kurt Campbell, considerado o arquiteto da estratégia, foi trazido como o czar político da Ásia com o título de Coordenador do Indo-Pacífico no Conselho de Segurança Nacional. Uma aliança informal de quatro democracias marítimas na região da Ásia-Pacífico - compreendendo os Estados Unidos, Austrália, Japão e Índia e chamada Diálogo de Segurança Quadrilateral, ou “Quad” - foi cimentada após uma década de hesitação. Dois meses depois de assumir, Biden conseguiu que os líderes dessa suposta “OTAN asiática”, um baluarte contra uma China em ascensão e assertiva, chegassem ao cume, virtualmente, pela primeira vez.

Nem toda a Ásia é igual, porém, ordenada como agora, de acordo com sua relevância para o projeto de conter a China. O Afeganistão e vidas afegãs não figuram muito nesta nova hierarquia.

Enquanto Biden estava acelerando o Quad, ele estava simultaneamente trabalhando em uma retirada total das tropas do Afeganistão, continuando com a política de Trump de sair do que os americanos agora chamam de "guerra sem fim". No ano passado, Trump fez um acordo de paz com o Talibã. Não apenas o governo afegão foi mantido fora do acordo, os EUA até pediram a Cabul que libertasse 5.000 prisioneiros do Talibã para atender às condições do Talibã. A escrita estava bem clara na parede: a América de Trump decidiu jogar o governo afegão debaixo do ônibus e fazer as pazes com as mesmas pessoas com quem entrou em guerra há 20 anos. Se a elite política do Afeganistão viu esperanças de uma mudança de atitude na ascensão de Biden ao poder, elas foram rapidamente frustradas.

Famílias afegãs carregando seus pertences fugindo da cidade de Cabul, Afeganistão, em 15 de agosto de 2021.
(Haroon Sabawoon / Agência Anadolu via Getty Images)

Quando Biden se encontrou com o presidente afegão Ashraf Ghani, seis meses depois de prometer "se comprometer com o mundo mais uma vez", os planos da América de se retirar do Afeganistão haviam sido gravados em pedra - não importa quais sejam as consequências. Mas os EUA não estavam abandonando o Afeganistão, ele reiterou, e divulgou que estava enviando três milhões de doses de vacinas ao país para ajudar seu povo na batalha contra a COVID-19. Para permanecer vivo até a chegada do Talibã.

E agora eles chegaram. Depois de um avanço rápido de tirar o fôlego em que província após província caíram nas mãos deles em rápida sucessão, o Talibã agora capturou Cabul. O presidente fugiu e os EUA evacuaram sua embaixada. Como agora é evidente, até a última hora, os EUA interpretaram mal a velocidade e a determinação do avanço do Talibã. A confusão desordenada pela saída do “parceiro de confiança para a paz, o progresso e a segurança” desfez agora todos os ganhos que sua presença conquistou ao longo de duas décadas no Afeganistão.

O retorno do Talibã significa o renascimento de sua interpretação primitiva das leis religiosas e da cultura tribal, revertendo anos de progresso em liberdade de expressão e direitos humanos. Nas áreas que capturaram, o Talibã já fechou a mídia, emitiu ordens proibindo os homens de rasparem a barba e as mulheres de saírem sem um companheiro. Os combatentes do Talibã estão indo de porta em porta, casando-se à força com garotas de 12 anos e obrigando as mulheres a deixarem o local de trabalho. É por isso que o Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) constata que 80% do quarto de milhão de afegãos que fugiram desde o final de maio, com o avanço do Talibã, são mulheres e crianças. Com o Talibã formalmente no comando do país, não haverá para onde fugir.

Além do próprio Afeganistão, o retorno do Talibã apresenta novos riscos de segurança para toda a região. Ele marca a criação de um novo foco de terror jihadista no coração da Ásia, atraindo combatentes islâmicos de todo o sul e sudeste da Ásia, até mesmo levantando o espectro de um reagrupamento do ISIS. A blitzkrieg do ISIS também acidentalmente seguiu outra retirada catastrófica dos Estados Unidos - a do Iraque em 2011.

Um helicóptero militar americano fotografado voando acima da embaixada dos EUA em Cabul em 15 de agosto de 2021.
(WAKIL KOHSAR / AFP via Getty Images)

O perigo do aumento da atividade jihadista no Afeganistão é particularmente agudo para os seis países que fazem fronteira com o Afeganistão, bem como a região próxima, incluindo a Índia e o sudeste da Ásia, que abrigam um grande número de populações muçulmanas, jovens muçulmanos insatisfeitos e insurgências islâmicas em andamento, como em Mindanao e Caxemira.

Os governos da Malásia, Indonésia e Filipinas - de onde milhares de jovens se juntaram ao ISIS - já estavam ansiosos pelo seu retorno da Síria. Ninguém sabe como os legisladores americanos vêem o mapa mundial, mas esses também são países asiáticos, e muitos deles são aliados dos EUA, que agora se encontram expostos a um risco muito maior de radicalização da jihad. Tudo porque a única superpotência do mundo não teve resistência suficiente para terminar o que começou.

A Índia, cuja capacidade naval em águas azuis, animosidade histórica com a China e mercado gigante a tornam um aliado americano particularmente importante na região, é um exemplo flagrante dos riscos das políticas caprichosas dos EUA. Sem nenhum acesso direto conhecido com o Talibã, a Índia está entre os muitos países da região menos preparados para a troca da guarda em Cabul. Apenas, sua situação é agravada infinitamente pelo conflito em curso com o arqui-inimigo Paquistão, que controla o Talibã. Sem mencionar os graves riscos de segurança que a ascensão de um Estado teocrático muçulmano militante na vizinhança agora representa para o governo nacionalista hindu da Índia, com um registro manifesto de discriminação contra a população muçulmana do país.

Capa do The New York Times de 16 de agosto de 2021.
"O Talibã captura Cabul, chocando os EUA enquanto 20 anos de esforço se desmancha em dias".

A perda total desses países na rápida mudança na geopolítica da região destaca os perigos que a extravagância americana cria para os aliados. Como no Vietnã e no Iraque, o Afeganistão mais uma vez serve como um lembrete da capacidade da América para o caos com suas intervenções mal-pensadas e recuos imprudentes.

Curiosamente, a abdicação irresponsável do Afeganistão pelos Estados Unidos ocorre em um momento em que tenta reafirmar sua liderança na Ásia e persuadir os países da região a escolherem um lado em sua competição de grande potência com a China. Os chineses foram rápidos em aproveitar o desastre para destacar a falta de confiabilidade dos Estados Unidos como parceiro. "Sr. Blinken, onde está sua frase favorita? Você não planeja anunciar sua posição ao lado do povo afegão?” twittou Hu Xijin, editor-chefe do Global Times, controlado pelo estado.

Pequim provavelmente não precisa se esforçar tanto. O poder do exemplo afegão de Biden tornou seu trabalho muito mais fácil.

Debasish Roy Chowdhur é coautor do livro To Kill A Democracy: India’s Passage to Despotism (Como matar uma democracia: a passagem da Índia para o despotismo).

To Kill A Democracy: India’s Passage to Despotism.
Debasish Roy Chowdhur e John Keane.

Bibliografia recomendada:

Introdução à Estratégia.
André Beaufre.

Leitura recomendada: