Mostrando postagens com marcador Pacífico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Pacífico. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Lançamento do novo submarino japonês Hakugei


A Kawasaki Heavy Industries bateu a quilha do submarino Hakugei S514, no Estaleiro de Kobe, em 14 de outubro de 2021. O S514 trata-se da segunda unidade da classe Taigei de submarinos diesel-elétricos (SSK) de ponta destinados à Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF).

O submarino Hakugei tem um comprimento de 84,0 m, uma quilha de 9,1m e um calado de 10,4m; com um deslocamento de 3.000 toneladas. Este novo submarino é movido por propulsão diesel-elétrica usando baterias de íon-lítio, como é o caso com o décimo primeiro e o décimo segundo submarinos da classe Sōryū (Ōryū e Tōryū). O armamento consiste em seis tubos de torpedo HU-606 de 21 pol. (533mm) capazes de lançar torpedos Tipo 89 e mísseis anti-navio Harpoon.

A classe Taigei (29SS) é a sucessora dos submarinos da classe Sōryū. O projeto do submarino da classe Taigei é muito semelhante ao do submarino da classe Sōryū, mas será 100 toneladas mais pesado do que seu antecessor.

sábado, 16 de outubro de 2021

Discurso do Chefe da Defesa francês sobre a parceria da França com a Suécia


Este é um artigo de opinião escrito pelo Chefe do Estado-Maior da Defesa, General Thierry Burkhard, para o Folk och Försvar. Nele, o General descreve a política de segurança da França e suas opiniões sobre o ambiente de ameaças atual e futuro. Ele também se concentra na defesa estratégica e na relação de segurança entre a França e a Suécia e como ela está se aprofundando em áreas que vão desde a gestão de conflitos na região do Sahel até a cooperação no domínio espacial.

15 de outubro de 2021.

“A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral“

Soldados francês e maliano no Sahel.

O contexto de segurança internacional deteriorou-se consideravelmente em apenas alguns anos. Vivemos agora em um mundo mais difícil e incerto, marcado pelo questionamento do multilateralismo e do direito internacional. Nossos principais concorrentes, Rússia e China, bem como potências regionais emergentes, pretendem desempenhar um papel crescente e não hesitam em usar suas capacidades militares para fazer valer suas reivindicações de forma agressiva e livre de complexos. Esse endurecimento induz atritos óbvios e, em alguns casos, cria um risco real de incidentes e escalada. A liberdade de ação de nossos países é questionada.

Considero o continuum “paz-crise-guerra” que havíamos utilizado como marco estratégico para interpretar a conflitualidade desde o fim da Guerra Fria, já não é suficiente para levar em conta toda a complexidade desta nova gramática estratégica. O tríptico “competição-disputa-confronto” agora me parece mais adequado.

A competição é o modo padrão em nosso mundo hoje. Diz respeito à economia, às forças armadas, à cultura, à diplomacia e à sociedade. Quando envolvidas na competição, as forças armadas devem ser capazes de responder de forma proporcional às ações que permanecem sob o limiar do conflito armado. Elas também devem produzir efeitos nos ambientes não-físicos cada vez mais significativos. É o caso, por exemplo, do combate à desinformação e aos ciberataques. A competição é “a guerra antes da guerra”: não é a guerra, mas já é uma forma de guerra, na qual precisamos ser capazes de prevenir riscos de escalada e desestimular nossos competidores. A disputa surge quando um concorrente pensa que pode agarrar uma oportunidade e impor um fato consumado, em violação do direito internacional e com impunidade. A Crimeia é o exemplo perfeito disso. A ausência de uma reação forte e imediata permitiu à Rússia alcançar seu objetivo. Devemos, portanto, ser capazes de detectar sinais fracos para sermos confiáveis ​​e reativos para combater o fato consumado.

E, finalmente, o confronto, corresponde à guerra.

Como Chefe da Defesa francês, os dois primeiros eixos de minha ação visam fortalecer e apoiar a comunidade humana das forças armadas - militares e civis - e desenvolver as capacidades das forças armadas para capacitá-las a conquistar um multi-domínio e superioridade em vários ambientes. Para isso, as Forças Armadas precisarão de métodos de organização e funcionamento mais ágeis, para pensar diferente e reagir rapidamente em caso de crise.

O terceiro eixo, “fazer do treino uma nova dimensão de combate a dominar com os nossos parceiros”, traduz a dimensão coletiva da nossa ação. A razão de ser das forças armadas francesas é se engajar em uma coalizão, ao lado de seus aliados e parceiros, sendo os Estados Unidos o primeiro deles. Nossa prioridade é enfrentar a ameaça mais provável, ou seja, aquela representada pelas reivindicações, ações e política de fato consumado de nossos principais concorrentes, nas fronteiras da Europa e em outras partes do mundo.

No que diz respeito aos interesses estratégicos dos Estados europeus, induz um compromisso que vai da África Subsaariana ao Círculo Polar Ártico, incluindo a região Indo-Pacífica.

Soldado sueca da MINUSMA ao lado de uma pilha de marfim em Timbuctu, no Mali, outubro de 2018.

Em resposta ao seu pedido, a França atua para ajudar a estabilizar os Estados da Faixa Sahel-Saariana que sofrem com a ameaça terrorista. Este é o objetivo da força Barkhane, na qual a Takuba está integrada, ao lado da MINUSMA e EUTM Mali. A França conta com seus aliados e parceiros. A Suécia está fortemente empenhada, desde que se envolveu nessas três missões. Todos concordam em dizer que o Tenente-General Gyllensporre, que acaba de entregar o comando do componente militar da MINUSMA, teve um desempenho notável. Durante seu tempo no comando, ele se esforçou, sem nenhuma unidade adicional, para aumentar as capacidades operacionais da Força da ONU. O destacamento sueco fornece à Takuba capacidades operacionais notáveis e competências raras, que se provaram extremamente preciosas. Além disso, a Suécia assumirá o comando da operação no próximo mês e quero saudar esse compromisso.

Para focar em nossas missões de treinamento e orientação para o benefício das forças locais, e porque nosso envolvimento é duradouro, estamos atualmente adaptando a Barkhane. A nova configuração militar contará com fortes capacidades e vários milhares de soldados. A França continuará sendo a espinha dorsal dessa nova estrutura - especialmente dentro da Força-Tarefa Takuba - que integrará totalmente nossos aliados e parceiros europeus.

Na África, a crescente ação híbrida da Rússia torna a situação mais complexa. Faz parte da competição acirrada contra a qual nós, europeus, teremos de nos mobilizar em conjunto para defender os nossos interesses e os nossos valores. A suposição de que a junta do Mali está planejando usar mercenários Wagner é um testemunho do jogo entre concorrentes estratégicos, no qual temos que impor nossa posição. O Grupo Wagner infelizmente mostrou do que era capaz na República Centro-Africana. A França está presente no flanco sul da Europa, mas também no Oriente Médio onde, com seus aliados americanos e europeus, apóia o Estado iraquiano em sua luta contra o terrorismo e a estabilidade do Golfo Pérsico. A França também atua na região do Indo-Pacífico, por onde transitam 40% dos fluxos comerciais europeus e onde detém participações significativas.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

A França também está envolvida na defesa dos interesses estratégicos da Europa em seus flancos norte e leste. Assim, participa em muitas missões da OTAN: posicionamos os tanques de batalha principais alternadamente na Estônia com os britânicos e na Letônia com os alemães. Também realizamos missões de policiamento aéreo nos Estados Bálticos. No domínio naval, a Marinha francesa ajuda a proteger o Atlântico norte com uma presença regular em portos suecos, como o caçador de minas “Pégase” que fez escala em Karlskrona em setembro. Também operamos juntos nos Balcãs, na Bósnia e no Mar Negro.

Esses compromissos forjam nossa capacidade operacional comum, por meio da troca de procedimentos e know-how, bem como nossa coesão. Esses elementos progridem mais rápido quando estamos lado a lado nas operações. Além disso, reforçamos a nossa cultura estratégica comum devido ao trabalho de antecipação realizado no âmbito da European Intervention Initiative (Iniciativa de Intervenção Européia).

A Suécia e a França têm muitas áreas de cooperação no domínio militar. Atuamos regularmente juntos em exercícios multinacionais, sendo os últimos a Costa Norte (exercício de guerra contra-minas e luta contra ameaças assimétricas) e a Golden Crown (exercício de resgate de submarino). A Força Aérea e Espacial Francesa participou em 2019 do Exercício Arctic Challenge (Desafio Ártico), co-organizado pela Suécia, Finlândia e Noruega. As forças armadas suecas também nos fornecem sua experiência no ambiente operacional de frio profundo. As unidades francesas participam todos os anos no Exercício Arvidsjaur (treino de combate ao frio profundo e sobrevivência), em cursos de treinamento em frio profundo organizados, entre outros, pelo Subarctic Warfare Centre (Centro de Guerra Subártica) e em cursos de mergulho sob o gelo.

Helicópteros da 4e Brigade d’Aérocombat (4e BA) do exército atuando com a marinha na Operação Cormoran 21, no Mediterrâneo, em outubro de 2021.

Finalmente, desenvolvemos nossos links no domínio da capacidade. A Suécia, portanto, pediu o status de observador no projeto MGCS, e estamos discutindo sobre as capacidades do míssil antitanque de médio alcance. Nossos dois países estão associados no domínio espacial com o programa CSO (capacidade de observação espacial). De facto, foi construída uma estação de recepção na Suécia e o país terá acesso aos bancos de imagens a partir do próximo ano. Também foi convidado a observar o Exercício Espacial AsterX 2022. A França e a Suécia estão, finalmente, cada vez mais envolvidas nos projetos europeus (PESCO e EDF). A cooperação militar bilateral acaba de ganhar impulso com a assinatura da Carta de Intenções pelos dois Ministros da Defesa em 24 de setembro.

A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral. Quer prová-lo através de um envolvimento permanente nas operações de resseguro no flanco oriental da Europa e através de um investimento constante no desenvolvimento de uma consciência militar coletiva. Este último item exige que criemos vínculos operacionais, que tenhamos conhecimento mútuo e aprofundemos a interoperabilidade, para enfrentarmos, juntos, as ameaças que se aproximam.

General Thierry Burkhard
Chefe do Estado-Maior de Defesa das Forças Armadas Francesas

domingo, 3 de outubro de 2021

França no Pacífico: o que ela tem feito e por que isso é bom para a América


Por Michael Shurkin, 9 Dash Line, 20 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de outubro de 2021.

Na controvérsia em torno do recente acordo de três vias Austrália-Reino Unido-Estados Unidos (Australia-United Kingdom-United StatesAUKUS) para fornecer à Austrália tecnologia de submarino nuclear - ao preço de enfurecer a França ao romper um acordo de mais de US$ 60 bilhões para vender submarinos franceses à Austrália, tem havido uma tendência de ignorar o valor do papel francês no Indo-Pacífico, tanto para a Austrália quanto para os EUA. Só o tempo dirá com que gravidade a atual crise diplomática afetará a política francesa, mas deve ficar claro que alienar a França não faz sentido. Era do interesse da América, da Austrália e até do Reino Unido manter a França ao seu lado e trabalhar para fortalecer seu relacionamento com ela. Talvez a Austrália consiga submarinos melhores no final, mas devemos nos perguntar se, pelo menos, todo o caso poderia ter sido administrado de forma diferente.

Sim, a França é uma potência indo-pacífica


A primeira questão que deve ser abordada é a relevância da França no Indo-Pacífico. Pensamos na França como uma potência exclusivamente europeia, mas graças aos resquícios de seu passado colonial - o que os próprios franceses às vezes chamam cinicamente de “confete do império”, a França pode legitimamente se ver como uma potência do Pacífico e do Oceano Índico. Possui vários territórios no Indo-Pacífico, que abrigam 1,6 milhão de cidadãos franceses e dão à França vastas Zonas Econômicas Exclusivas (ZEE) marítimas que somam 9 milhões de quilômetros quadrados. A França também mantém uma força militar permanente de 7.000 homens e mulheres, o que é único para uma nação europeia. Estes incluem, de acordo com o Ministério das Forças Armadas da França, 2.000 soldados e cinco navios dedicados à “Zona Sul do Oceano Índico”, 1.660 soldados e quatro navios designados para a “Zona de Responsabilidade” da Nova Caledônia, e 1.180 soldados e três navios designados para a zona da Polinésia Francesa. A França também envia rotineiramente navios e aeronaves para águas francesas e internacionais nos dois oceanos para mostrar a bandeira, muitas vezes na forma de seu porta-aviões nuclear e suas escoltas ou um dos grandes navios de assalto anfíbio da classe Mistral da França.

Rejeitando a França como fizeram com o acordo AUKUS, Austrália, EUA e Reino Unido excluíram um aliado ansioso para aumentar seu papel na segurança do Indo-Pacífico e o fizeram de uma maneira que quase inteiramente coincidiu com os interesses americanos e australianos.

No entanto, na última década, e especialmente sob o presidente francês Emmanuel Macron, Paris tem enfatizado ruidosamente sua identidade como uma nação “indo-pacífica” ao estender a mão para outras potências indo-pacíficas para construir relações bilaterais e multilaterais. Diplomatas franceses têm se ocupado em fechar acordos com vários países, como Índia e Indonésia, com o objetivo de fomentar as relações comerciais, bem como a cooperação em defesa e segurança, ou ambos combinados na forma de venda de armas. Em 2018, Macron invocou o surgimento de um “eixo Paris-Délhi-Canberra”, e a França atualizou seu relacionamento com a Austrália e o Japão, bem como com a Índia, Indonésia, Cingapura e Vietnã. O acordo do submarino de 2016 com a Austrália foi um triunfo para o predecessor de Macron, e os dois países recentemente haviam chegado a acordos relacionados ao acesso às bases australianas. A França também tem atuado em instituições e fóruns multilaterais regionais. A participação francesa na Enforcement Coordination Cell (ECC) - uma coalizão naval organizada para fazer cumprir as sanções da ONU contra a Coreia do Norte, que foi descrita como a “joia escondida” da cooperação de segurança Indo-Pacífico - é particularmente digna de nota. No geral, tem havido um claro aumento na atividade militar francesa. Como assinalou o Le Monde, se em dois anos o número de tropas desdobradas para a região não aumentou, o “ritmo de exercícios, missões e intercâmbios diplomáticos” [...] "intensificou-se claramente”.

Presença francesa no Indo-Pacífico.

O governo francês expôs seus motivos em publicações oficiais, como a Estratégia de Defesa Francesa de 2019 no Indo-Pacífico. Isso inclui a defesa de uma “ordem internacional baseada em regras” (que a Casa Branca citou recentemente como o motivo do acordo AUKUS), a preservação e promoção das relações comerciais com as nações do Indo-Pacífico e a proteção das rotas marítimas essenciais para o comércio global. A França vê essas coisas ameaçadas pela proliferação nuclear, pirataria, terrorismo e qualquer coisa que ameace a ordem internacional em larga escala. Finalmente, Paris tem um forte interesse em proteger e aumentar seu já massivo comércio com os países do Indo-Pacífico, onde encontra mercados crescentes para bens e serviços franceses, sem mencionar armamentos franceses de ponta, como caças Rafale e submarinos. As vendas de armas dessa natureza contribuem muito para sustentar as indústrias de defesa da França, que Paris considera necessárias para manter sua autonomia estratégica.

Na verdade, os observadores australianos e americanos podem não reconhecer que o acordo submarino entre a França e a Austrália sempre foi, para a França, mais do que apenas empregos: tratava-se de manter vivas as indústrias de defesa francesas particularmente estratégicas, estratégico aqui se referindo a coisas vitais para a nação e sua habilidade de agir de forma independente no cenário mundial. Mais especificamente, isso se refere a armas nucleares e mísseis, aviões e navios necessários para desdobrá-los, o que também implica em propulsão nuclear. Essa é uma prioridade estratégica para a França e algo que a diferencia da Grã-Bretanha, que se sente confortável em contar com fornecedores americanos para componentes-chave de suas capacidades nucleares, por exemplo. Na verdade, em 1958, o Reino Unido e os EUA assinaram um acordo de compartilhamento de tecnologia nuclear, o fruto do qual inclui grande parte da tecnologia no coração das atuais ogivas nucleares do Reino Unido, bem como os mísseis e submarinos que as lançam. Mais ou menos na mesma época, a França notoriamente tomou outra direção, insistindo em ser capaz de fazer coisas vitais por si mesma, pelo menos porque a Paris do pós-guerra considerou imprudente confiar nos Estados Unidos para garantir sua segurança na era nuclear. O fato de fazer suas próprias coisas também significar empregos é a cereja do bolo.

As visões francesas sobre a China


No topo da lista de ameaças da França à ordem internacional no Indo-Pacífico está a aparente ambição da China de desafiar o domínio americano no Pacífico e sua ameaça à liberdade de navegação no Mar do Sul da China. As opiniões francesas sobre a China não são, portanto, fundamentalmente diferentes daquelas dos Estados Unidos. Deve-se notar também que, enquanto durante a Guerra Fria a França se apresentava como uma terceira via entre os Estados Unidos e a União Soviética, Macron deixou claro que desta vez a França está ao lado da América. Seria “inaceitável”, afirmou Macron, “alegar estar à mesma distância dos EUA que da China”, em grande parte porque a França e a América partilham valores, enquanto a França e a China não. Tecnicamente, Macron estava falando da posição da União Europeia, não da França, mas suas observações contrastam fortemente com os comentários da chanceler alemã, Angela Merkel, enfatizando a distância entre a UE e os EUA sobre a China. Em outras palavras, a visão de Macron era um ponto de vista francês e não europeu genérico. Ele estava falando pela França.

No entanto, há uma diferença significativa na maneira como a França se aproxima da China, ou pelo menos como a França fala sobre a China. A diplomacia francesa se concentra menos em desafiar a China do que em fortalecer os laços bilaterais e multilaterais entre todos aqueles que estão preocupados com a China, tudo em nome de causas genéricas como a defesa da liberdade dos mares e da “ordem baseada em regras” ou o combate à pirataria e proliferação. A França pode ver a China como a maior ameaça na região à liberdade dos mares e à ordem internacional baseada em regras, mas os franceses preferem evitar dizer isso em voz alta. Como explicou Macron em fevereiro, ele quer evitar um cenário em que a União Europeia e a comunidade internacional se unam “todas juntas contra a China”. Isso, ele explicou, tinha o maior potencial possível para conflito e seria “contraproducente” porque “forçará a China a aumentar sua estratégia regional” enquanto a pressiona a “diminuir sua cooperação” em outras questões de interesse global.

Convergência

A abordagem francesa se adapta a um amplo espectro de países, o que lhe confere uma vantagem em relação aos Estados Unidos. A ênfase da França em “valores compartilhados” ressoa com alguns, enquanto outros estão simplesmente com medo da China e desejam proteger o comércio internacional. Para a Austrália e o Japão, o relacionamento próximo da França com os EUA era um pré-requisito para relações mais estreitas com a França. Eles apostaram sua segurança nos Estados Unidos e apreciaram o fato de Paris e Washington DC terem se tornado muito mais próximos em questões de defesa e segurança, o que significa que nunca houve uma escolha entre a França e os Estados Unidos. Para muitos outros, o que importava mais era a distância da França dos EUA, por menor que fosse na prática. A parceria com a França era uma forma de se aproximar dos EUA sem se aliar a eles; isso até fornece uma medida de negação plausível.

Soldados franceses e indianos durante um exercício conjunto na Índia.

A Índia é um exemplo disso. Um relatório publicado pelo Senado francês em 2020 observou que o longo compromisso da Índia com o "não-alinhamento" durante a Guerra Fria significou que ela manteve distância dos EUA ao ser atraída pela França por causa da política francesa de se posicionar como uma terceira via entre os dois superpoderes. No entanto, os interesses indianos e americanos convergiram nos últimos anos. Isso pode ser visto na compra de armamento americano pela Índia, na assinatura de acordos bilaterais de defesa e na participação da Índia em exercícios militares. No entanto, a Índia “não desejava entrar em uma aliança restritiva com os Estados Unidos” e “os indianos não desejam abraçar a política americana em relação à China”. Essa preferência por afirmar a independência, sugere o relatório, é a razão por trás da decisão da Índia de comprar um sistema de defesa aérea russo. Nesse contexto, a França, com suas armas de alta tecnologia e uma política da China próxima da América, mas não idêntica, é um parceiro perfeito para a Índia. Também ajuda que a Austrália - outro parceiro de escolha para a França - esteja se tornando cada vez mais valiosa na estimativa da Índia. O resultado final para a França, de acordo com o relatório, é que o "amadurecimento" da Índia para a parceria com a França representa uma grande oportunidade para a França, não apenas por causa das enormes oportunidades econômicas que a Índia oferece. Além disso, a disposição da França de permitir que a Índia produza itens de defesa franceses na Índia está de acordo com o desejo da Índia de aumentar sua própria base industrial de defesa.

O interesse em uma fonte alternativa de armas ocidentais de ponta está, sem dúvida, ajudando a alimentar o boom das vendas de armas francesas aos países do Indo-Pacífico nos últimos anos: comprar armas de alta tecnologia da França é uma boa maneira de diversificar as fontes de tais itens enquanto evitando a bagagem política associada às armas americanas, chinesas ou russas. O fato das armas francesas não estarem sujeitas aos Regulamentos do Tráfico Internacional de Armas dos Estados Unidos (American International Traffic in Arms RegulationsITAR) também é uma vantagem.

O submarino francês Émeraude (S604) daMarine Nationale em patrulha na costa de Guam em 11 de dezembro de 2020.

A França também presume que sua força militar a torna atraente para os países do Indo-Pacífico, e Paris gosta de telegrafar que tem vontade e capacidade para usar a força na região. A participação francesa em maio deste ano no exercício anfíbio ARC21 envolvendo meios militares dos EUA, Austrália e Japão é um bom exemplo. Isso também ajuda a explicar por que a França tomou a atitude incomum de anunciar que seu submarino de ataque nuclear Émeraude havia visitado o Mar da China Meridional neste inverno, enquanto normalmente tal informação é mantida em segredo. Hugo Decis, um especialista naval do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos que observa as atividades navais francesas no Indo-Pacífico, também observou em e-mails ao autor como era incomum para a França enviar um submarino de ataque nuclear “a leste de Málaca”, em estreita cooperação com os EUA, Japão e Austrália e no Mar da China Meridional. Ele especulou que isso poderia ser uma “amostra do que está por vir para a Marinha francesa no Indo-Pacífico”, ou seja, operações “a leste de Malaca e em estreita cooperação com aliados e parceiros”, o que contrastava com desdobramentos mais típicas na área. No verão, em parte para demonstrar capacidades adicionais, a França desdobrou caças Rafale e aeronaves de apoio em territórios franceses no Pacífico. No final de junho, a mesma aeronave vôou para o Havaí e participou de exercícios de treinamento com aeronaves dos EUA antes de retornar pelo continente americano. Os franceses fizeram questão de parar em Langley, Virgínia, para comemorar o 240º aniversário da vitória franco-americana sobre os britânicos em Yorktown, nas proximidades.

Excluindo um aliado


A França está claramente determinada a ser um jogador importante no Indo-Pacífico, onde se beneficia da força militar e da convergência de interesses com uma ampla gama de parceiros. A França também pode ganhar muito dinheiro com as relações comerciais e vendas de armas que acompanham a melhoria das relações, ao mesmo tempo em que melhora seu perfil global. A França também tem tentado habilmente explorar seu próprio posicionamento cuidadoso em relação aos Estados Unidos, enquanto trabalha para garantir que tenha voz em tudo o que acontece na região e liberdade de manobra suficiente para agir da maneira que achar adequada.

Rejeitando a França como fizeram com o acordo AUKUS, Austrália, EUA e Reino Unido excluíram um aliado ansioso para aumentar seu papel na segurança do Indo-Pacífico e o fizeram de uma maneira que quase inteiramente coincidiu com os interesses americanos e australianos. Na verdade, ambos os países deveriam considerar uma maior integração francesa nos acordos de segurança do Indo-Pacífico como uma prioridade. Afinal, a França, além de seu hard power, pode complementar os EUA diplomaticamente apresentando-se como o não exatamente aliado americano da América, e também pode envolver a União Europeia, que é muito importante para as relações comerciais com a China pelo tamanho da economia europeia. Quanto ao Reino Unido, não está claro como ele ganha com o negócio AUKUS além de impulsionar seu próprio senso de relevância. O fato é que, depois do Brexit, o Reino Unido precisa se preocupar com suas relações com a França mais do que nunca, especialmente se Londres tem alguma preocupação com a segurança dentro e ao redor do continente europeu.

Michael Shurkin é um ex-oficial da CIA e cientista político sênior da RAND. Ele é diretor de programas globais da 14 North Strategies e fundador da Shurbros Global Strategies.

Bibliografia recomendada:

L'emergence d'une Europe de la défense:
Difficultés et perspectives.
Dejana Vukcevic.

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

FOTO: Sniper australiano na selva

Sniper australiano se deslocando em ambiente selvático, 2021.

Um atirador de elite do Exército Australiano do 6º Batalhão, Regimento Real da Austrália (6th Battalion, Royal Australian Regiment (6 RAR)), muda de posição durante uma atividade de fogo real como parte do Exercício Diamond Walk, em Shoalwater Bay, na região de Queensland, na Austrália, 2021.

O Exercício Diamond Walk 2021 visa melhorar a cooperação entre os elementos da 7ª Brigada de Combate, cada um com a sua especialização. Quase 1.100 soldados e 500 veículos estiveram presentes na cerimônia de abertura.

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

terça-feira, 28 de setembro de 2021

Coréia do Norte estabelece pré-requisitos para o fim da Guerra da Coréia; Lança Foguetes no Mar


Por Jakub WozniakOvert Defense (OVD), 28 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de setembro de 2021.

Na terça-feira, 21 de setembro, o presidente sul-coreano (ROK), Moon Jae-In, falou perante as Nações Unidas e pediu o fim oficial da Guerra da Coréia.

“Hoje, mais uma vez exorto a comunidade das nações a mobilizarem suas forças para a declaração do fim da guerra na Península Coreana e propor que três partidos das duas Coreias e os EUA, ou 4 partidos das duas Coréias, os EUA e a China se unam e declarem que a Guerra na Península Coreana acabou.”
O mandato de Moon está definido para terminar em 2022 e, apesar de seus esforços fervorosos, a paz na península parece permanecer apenas um sonho. Apesar das reuniões de alto nível do presidente Trump com os norte-coreanos (RPDC), o progresso aparentemente estagnou com a decisão de 2020 da RPDC de explodir o escritório de ligação conjunta que liga as duas Coréias, servindo como um símbolo adequado. A última iniciativa sul-coreana também foi rejeitada pela liderança norte-coreana, alegando que as pré-condições para a paz não foram cumpridas.

A Coréia do Norte explode escritório de ligação conjunta (16 de janeiro)


Declarações feitas na sexta-feira (24 de setembro) e no sábado pela irmã de Kim Jong Un, Kim Yo Jong, expressaram interesse em restaurar a paz e a estabilidade na península, mas somente depois que uma série de demandas forem atendidas pelos sul-coreanos, incluindo “o restabelecimento dos escritório de ligação conjunta norte-sul e a cúpula norte-sul.” A principal delas é a cessação das atividades militares “hostis”.

Kim Yo Jong.

“Os dois pesos e duas medidas americanas e sul-coreanas em relação à RPDC, pelos quais as ações da RPDC de dimensão auto-defensiva para lidar com as circunstâncias militares e possíveis ameaças militares existentes na Península Coreana são descartadas como ameaçadoras 'provocações' e seu acúmulo de armas são descritos como a 'garantia de um impedimento para a Coréia do Norte' são ilógicas e infantis, e são um desrespeito direto e um desafio à soberania da RPDC.”

Os norte-coreanos lançaram um míssil no oceano a leste na madrugada de segunda-feira, 27 de setembro. O Departamento de Estado dos EUA criticou o lançamento, mas, em um discurso feito cerca de uma hora após o lançamento, o enviado norte-coreano Song Kim lembrou à ONU que a Coréia do Norte tem o “justo direito à auto-defesa”.

Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

The Armed Forces of North Korea:
On the path of Songun.
Stijn Mitzer e Joost Oliemans.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

FOTO: Marinheira no convés de vôo do HMAS Canberra

Marinheira Indiana Van Arkel do convés de vôo do HMAS Canberra, 2021.

Marinheira Habilitada (Able Seaman) de aviônica Indiana Van Arkel, da Marinha Real Australiana (RAN), posando no convés de vôo do HMAS Canberra, durante o exercício Talisman Sabre 21, em 2021.

Conduzido em julho, o exercício Talisman Sabre (Sabre Talismã) é a maior atividade de treinamento combinado bilateral entre as Forças de Defesa Australianas (ADF) e os militares dos Estados Unidos (EUA). O exercício deste ano envolveu mais de 17.000 militares da Austrália e dos Estados Unidos, e durou três semanas.

Além dos Estados Unidos, forças do Canadá, Japão, Nova Zelândia, República da Coréia e Reino Unido participaram do Talisman Sabre 2021, e funcionários da Índia, Indonésia, França e Alemanha baseados na Austrália observarão o exercício. Esta foi a nona versão do exercício.

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Disputa dos submarinos: a França tem "todo o direito de ficar com raiva", diz o ex-primeiro-ministro australiano


Por Marc Perelman, The Interview/France 24, 22 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de setembro de 2021.

O ex-primeiro-ministro australiano Kevin Rudd classificou a atual disputa de submarinos com a França como um "desastre de política externa e segurança nacional" para seu país. Rudd disse ao FRANCE 24 que a França tinha "todo o direito de ficar com raiva" com a perda repentina de um contrato de submarino multibilionário com a Austrália, depois que Canberra optou por comprar submarinos nucleares dos Estados Unidos. Ele também pediu uma investigação parlamentar sobre a decisão do primeiro-ministro Scott Morrison.

O ex-premier australiano Kevin Rudd rejeitou o argumento do primeiro-ministro Scott Morrison de que uma mudança para a aliança AUKUS (Australia-UK-US/Austrália-Reino Unido-EUA) atenderia aos interesses de segurança nacional da Austrália, principalmente a crescente ameaça da China. Rudd disse que quando estava no poder há uma década, a ameaça da China já era uma grande prioridade e a principal razão por trás do acordo inicial de submarinos com a França. Rudd disse que a França tem "todo o direito de ficar com raiva" com o acordo cancelado, expressando preocupação de que a crise diplomática tenha efeitos duradouros e prejudiciais sobre o relacionamento bilateral.

Rudd disse ao FRANCE 24 que o governo australiano deveria ter notificado o governo francês e a empresa francesa que construiu os submarinos sobre suas intenções de trocar os submarinos movidos a diesel por submarinos nucleares. Ele acrescentou que, em vez de simplesmente escolher a oferta americana, Canberra deveria ter deixado a França concorrer em uma nova licitação. Além disso, afirmou que a decisão atrasaria a entrega dos submarinos e deixaria seu país “nu” durante a década de 2030.

Finalmente, Rudd pediu uma investigação parlamentar sobre a decisão, enfatizando que os contribuintes australianos precisam saber exatamente como a decisão se desenrolou e quanto ela vai custar-lhes.

O caso dos submarinos: "Macron fez bem em agir com firmeza", defende Sarkozy


Por Wally Bordas, Le Figaro, 22 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de setembro de 2021.

O ex-Presidente da República considera que o incumprimento deste contrato internacional de mais de 56 bilhões de euros "não é admissível".

A quebra do "contrato do século" não foi digerida. Após as inúmeras reações de toda a classe política, após o torpedeamento da venda de submarinos franceses para a Austrália, é a vez de Nicolas Sarkozy se manifestar. “Acho que o presidente Macron teve razão em reagir com firmeza”, determinou o ex-presidente da República, poucos minutos antes da sessão de autógrafos de seu novo livro Promenades (Ed. Herscher), em Neuilly-sur-Seine.

“Entre aliados, isso não se faz. (...) Quando se é amigo, dá-se direitos e cria-se deveres, e agir assim não é inadmissível. Teremos que tirar as consequências”, acrescentou Nicolas Sarkozy.

“Macron estava certo em agir com firmeza”, disse Nicolas Sarkozy.

"Era uma mentira"

Durante vários dias, o cancelamento deste megacontrato esteve no centro das notícias. A França acusa os Estados Unidos de ter concluído uma nova aliança pelas suas costas, que fará com que a Austrália se equipe com submarinos americanos, o que afunda uma encomenda gigantesca de mais de 56 bilhões de euros feita pelos australianos aos franceses há alguns anos.

Jean-Yves Le Drian, ministro das Relações Exteriores, falou de uma "grave crise" entre os Estados Unidos, Austrália e França. O chefe da diplomacia anunciou a retirada dos embaixadores franceses em Canberra e Washington. Um primeiro “ato simbólico” na história das relações entre Paris e Washington.

“Chamamos de volta os nossos embaixadores para tentar compreender e mostrar aos nossos antigos países parceiros que temos uma insatisfação muito forte, que existe realmente uma grave crise entre nós”, explicou. E para acrescentar: "Houve uma mentira, houve duplicidade, houve uma grande quebra de confiança, houve desacato, então as coisas não vão bem entre nós".

O governo australiano defendeu-se, afirmando que a França tinha sido avisada "na primeira oportunidade possível, antes que o assunto se tornasse público". Por sua vez, os Estados Unidos indicaram que desejam continuar a trabalhar "em estreita colaboração com a França na zona do Indo-Pacífico". O presidente Joe Biden e Emmanuel Macron também concordaram em uma entrevista por telefone, incluindo "impaciente" para se encontrar com o presidente da República Francesa.

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

A China realiza exercícios de assalto perto de Taiwan alegando "provocações"

Tropas desembarcam de um helicóptero militar chinês durante os jogos de guerra em 13 de agosto de 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de agosto de 2021.

A China realizou simulações de assalto perto de Taiwan na terça-feira, dia 13 de agosto, com navios de guerra e caças em exercício no sudoeste e sudeste da ilha, no que as forças armadas do país disseram ser uma resposta à "interferência externa" e "provocações".

Taiwan, que Pequim afirma ser território chinês, reclamou dos repetidos exercícios do Exército de Libertação do Povo (PLA) em sua vizinhança nos últimos dois anos ou mais, parte de uma campanha de pressão para forçar a ilha a aceitar a soberania da China. Em um breve comunicado, o Comando do Teatro Oriental do PLA disse que navios de guerra, aviões anti-submarinos e caças foram despachados perto de Taiwan para realizar "ataques conjuntos e outros exercícios usando tropas de fato".

O comunicado não deu detalhes. Não houve resposta imediata do Ministério da Defesa de Taiwan. A declaração do PLA observou que recentemente os EUA e Taiwan "repetidamente conspiraram em provocações e enviaram sinais errados graves, infringindo gravemente a soberania da China e minando gravemente a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan".

“Este exercício é uma ação necessária com base na atual situação de segurança em todo o Estreito de Taiwan e na necessidade de salvaguardar a soberania nacional. É uma resposta solene às interferências externas e provocações das forças de independência de Taiwan.”


Não ficou claro o que desencadeou a agitação da atividade militar chinesa, embora no início deste mês os EUA tenham aprovado um novo pacote de venda de armas para Taiwan, um sistema de artilharia avaliado em até US$ 750 milhões. Os recentes acontecimentos no Afeganistão não fizeram bem para a credibilidade dos Estados Unidos com relação a defenderem seus aliados, o que aprofundará ainda mais as constantes provocações de Pequim.

A China acredita que o presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, é um separatista inclinado a uma declaração formal de independência, uma linha vermelha para Pequim. Tsai disse que Taiwan já é um país independente chamado República da China, seu nome formal.

Bibliografia recomendada:

Bully of Asia:
Why China's Dream is the New Threat to World Order.
Steven W. Mosher.

Leitura recomendada:














FOTO: Bateria feminina de Taiwan, 6 de fevereiro de 2020.




sexta-feira, 16 de julho de 2021

Jogos de guerra e vitória no Pacífico


Por Michel Goya, La Voie de l'Épée, 13 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de julho de 2021.

Estamos em janeiro de 1908, um artigo na revista McClure's Magazine assinado por vários oficiais da Marinha dos EUA critica fortemente o design do encouraçado da classe dreadnought Delaware, o segundo dos quais, o North Dakota, está em construção. Esse projeto, eles criticam, foi concebido pelos técnicos do Gabinete do Departamento da Marinha sem nunca ter levado em consideração as opiniões dos operacionais e contém muitos erros de projeto. A polêmica chega ao presidente Theodore Roosevelt, fascinado por essas questões, que, a conselho do Almirante Williams Sims, então se dirige ao Naval War College (NWC) em Newport.  O NWC, a escola superior de guerra da Marinha dos Estados Unidos, regularmente praticava jogos de guerra, ou wargames, para treinar seus oficiais. Roosevelt então pede para testar o engajamento de combate do North Dakota. O resultado do jogo é definitivo e confirma o julgamento muito negativo da equipe operacional. A classe Delaware vai parar por aí, mas constata-se teriam pelo menos economizado uma quantidade colossal de dinheiro se tivessem pelo menos testado os conceitos antes de produzi-los.

Devido à desconfiança do Congresso, as forças armadas dos Estados Unidos não tinham nem um grande estado-maior combinado, nem mesmo um estado-maior de guerra e marinha. O Secretário de Estado da Marinha é auxiliado pelo comandante das divisões, incluindo operações e material, e por um gabinete geral de ex-almirantes para assessorá-lo. Compreende-se que o departamento é rapidamente abalado entre as rivalidades dessas três organizações, tudo em uma atmosfera do Entre-Guerras de redução de gastos e fortes restrições impostas pelos tratados navais. Nessas condições, não é fácil mudar uma organização que sabemos, no entanto, que provavelmente terá de travar batalhas gigantescas nos próximos anos. No entanto, a Marinha dos Estados Unidos conseguirá isso de maneira notável e o jogo de guerra terá muito a ver com isso. O NCW é então anexado à divisão de operações, futuro Escritório do Chefe de Operações Navais (Office of the Chief Naval OperationsOPNAV), onde é usado pela primeira vez como um corpo de reflexão e experimentação.

É uma revolução organizacional, na medida em que, como na medicina quase ao mesmo tempo, complementa-se o único julgamento pessoal dos chefes com os testes mais racionais possíveis. A partir de agora todos os planos concebidos pelo OPNAV, então de fato todos os problemas da Marinha dos Estados Unidos, como por exemplo os efeitos dos tratados navais, são filtrados a partir da experimentação ao mesmo tempo por exercícios de "tamanho real" no mar, insubstituíveis, porém raros, caros e sujeitos a fortes restrições de segurança e jogos no chão do War College em Newport com navios em miniatura e dados. Os americanos não são os únicos a praticar os grandes exercícios no mar ou no solo, os marinheiros japoneses em particular jogam muito, mas são os únicos a fazê-lo de forma sistemática e principalmente a jogar campanhas completas. De 1919 a 1941, foram 136 jogos simulando campanhas completas, quase todas no Pacífico contra o Japão, incluindo um mês inteiro para cada promoção do NWC. Existem também 182 jogos simulando apenas batalhas. Cada jogo decorre de acordo com um ciclo imutável: redação pelos alunos de uma ordem de operação a partir de uma ordem recebida, análise e crítica das ordens concebidas pelos alunos, escolha de uma ordem de operação que é jogada em dupla ação, e finalmente, uma análise aprofundada dos combates então transmitidas ao diretor.

Os benefícios são enormes em termos de treinamento. Os oficiais que saem do NCW têm um perfeito comando do uso das forças, principalmente as novas. O Almirante Raymond Spruance, por exemplo, fará um uso perfeito dos porta-aviões no Pacífico, sem nunca ter passado pela aviação naval ou ter comandado um porta-aviões. Eles conhecem bem o inimigo, cujos navios são representados com a maior precisão, mas também toda a geografia das áreas em que irão operar. Muitas vezes é esquecido no que diz respeito à qualidade das operações navais americanas na Guerra do Pacífico, apesar do ataque a Pearl Harbor ou dos reveses da campanha das Ilhas Salomão, mas a Marinha dos Estados Unidos não lutara na superfície desde 1898. O corpo de oficiais americano é o menos experiente de qualquer força naval da época. O Almirante Nimitz, comandante da Marinha no Pacífico durante a guerra, explicará que isso foi compensado pela simulação e que no final tudo o que aconteceu já havia sido jogado em Newport, exceto os kamikazes. Na verdade, ele estava se esquecendo da campanha submarina americana contra a marinha mercante japonesa que nunca havia sido jogada, pelo menos nessa escala.

É também por meio do jogo que o plano de campanha contra o Japão, o plano Orange (Laranja), foi continuamente refinado. A própria ideia mahaniana era então unir forças nas águas das Filipinas, então administradas pelos americanos, para destruir a frota de linha japonesa na região e então sufocar o Japão com um bloqueio das ilhas próximas. Foi neste contexto que se testou a utilização de porta-aviões, embora a frota ainda fosse muito pequena. Os jogos mostraram que os porta-aviões foram capazes de atacar relativamente em terra e destruir tudo no mar, exceto os encouraçados. Os americanos concluíram que há necessidade de uma marinha equilibrada combinando encouraçados e porta-aviões para o combate em alto mar, onde os japoneses, divididos, usarão de fato duas forças separadas, primeiro porta-aviões e depois encouraçados a partir de 1944, e os britânicos subordinam seus pequenos porta-aviões ao serviço dos navios de linha.

Mas uma frota americana equilibrada, onde os japoneses investem pesadamente em porta-aviões, pressupõe aceitar uma inferioridade numérica nessa área e de fato os americanos vão começar a guerra com 7 navios desse tipo contra 10 japoneses. Portanto, o retorno da experiência dos primeiros combates no chão conclui buscar soluções paliativas, como a construção de destróieres antiaéreos, a rápida conversão de navios mercantes em pequenos porta-aviões (estes serão porta-aviões de escolta da Batalha do Atlântico) e aproveitar ao máximo o espaço dos futuros porta-aviões para que transportem mais aeronaves do que os japoneses. Os jogos de campanha também são determinados para garantir que os porta-aviões americanos possam ser consertados e engajados novamente no combate mais rápido do que aqueles do adversário. Durante a Batalha do Mar de Coral em maio de 1942, os porta-aviões japoneses Shokaku e Zuikaku e o americano Yorktown foram danificados. Um mês depois, em Midway, os dois primeiros ainda estão em reparos, enquanto o terceiro é empregado. As consequências táticas e estratégicas são enormes. Os jogos de campanha também assustam os americanos pelo índice de perdas dos pilotos, por isso a Navy olha muito cedo para a questão do resgate no mar, mas também da capacidade de treinar maciçamente os pilotos, onde os japoneses que apenas simulam batalhas não fazem nada. Os jogos também destacam a importância crítica de detectar primeiro as forças inimigas e defendem o investimento em uma capacidade de reconhecimento de longo alcance baseada em aeronaves de patrulha marítima e submarinos de alcance.


Um jogo particularmente importante foi o do verão de 1933. Ele leva em consideração a fortificação japonesa das ilhas alemãs no Pacífico central e a provável tomada da ilha americana de Guam. O jogo é um desastre. A frota americana, conforme previsto pelo plano japonês, se vê assediada por submarinos e aviões de bases insulares japonesas. Desgastada e sem poder ser efetivamente apoiada por bases muito distantes, a frota americana não conseguiu derrotar a frota japonesa no mar das Filipinas. Conclui-se que devem primeiro tomar essas ilhas e depois usá-las como bases avançadas. Tudo isso também se reflete na estratégia de recursos. Para superar o que ainda não é chamado de negação de acesso, o Corpo de Fuzileiros Navais e a Marinha estão desenvolvendo uma frota específica de navios ou veículos anfíbios e considerando seu uso. Eles são os únicos no mundo naquela época e se pensarmos apenas nas ilhas do Pacífico, este grande desenvolvimento também permitirá que a Muralha do Atlântico seja tomada de assalto.

Nem tudo é perfeito neste processo de evolução lúdica. Na década de 1930, as regras do jogo eram tão sofisticadas que representavam 150 páginas, o que excluía qualquer apropriação pelos alunos e exigia a criação de um gabinete específico inteiramente dedicado ao jogo de guerra. Embora baseadas nos dados mais precisos possíveis, as regras são necessariamente aproximadas sobre novos fenômenos como o uso da aviação naval em combate, ainda que se perceba que elas constituíram, no entanto, as melhores expectativas na matéria. Na verdade, são principalmente os eventos geopolíticos que colocam as simulações em falta. Não simularam a guerra submarina irrestrita principalmente por medo de ofender o Reino Unido, cujos navios mercantes seriam, sem dúvida, as primeiras vítimas no Pacífico. Não imaginaram por um único segundo a rápida queda da França em 1940, que forçará uma parte imprevista do esforço naval americano a se transferir no Atlântico.

A questão é que os pequenos barcos de madeira ou metal de Newport, as mesas de tiro e os dados foram a força motriz por trás da transformação mais bem-sucedida das marinhas da era moderna. Testar ideias e coisas, isto é, como na ciência para ver se elas resistem à refutação, é mais eficaz do que o julgamento do dedo molhado das autoridades ou a tendência de simplesmente fazer a mesma coisa novamente, porém mais caro.

Vídeos recomendados:



Bibliografia recomendada:

A Guerra Aeronaval no Pacífico 1941-1945.
Contra-Almirante R. de Belot.

Leitura recomendada:


LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.