Mostrando postagens com marcador Vietnã. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Vietnã. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 26 de maio de 2022

FOTO: Elefantes de guerra no Vietnã

Elefantes de guerra do exército sul-vietnamita em patrulha nas Terras Altas Centrais, Vietnã do Sul, 1962.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de maio de 2022.

Esta foto, tirada por Howard Sochurek, aparece na edição de 16 de março de 1962 da revista LIFE. Essa foto aparece no livro War Elephants (2007), por John M. Kistler.

Legenda original:

"Nas costas suavemente levantadas de quatro elefantes, uma patrulha do exército vietnamita parte para as selvas montanhosas do centro do Vietnã do Sul, com suas armas prontas. Por gerações, os guerreiros da região cavalgaram para a batalha dessa maneira, e tanto o governo quanto seu inimigo ainda usam as enormes feras. Um homem a pé não pode percorrer muito mais do que cinco quilômetros por dia através da densa vegetação rasteira e um elefante pode fazer quatro vezes isso. Mas a cena arcaica desmente a verdadeira natureza da guerra selvagem do Vietnã. Em algum lugar à frente da patrulha de elefantes, as chances são fortes de que guerrilheiros inimigos com mortais armas modernas esperem emboscados."

Soldados do Exército Popular Vietnamita usando elefantes na Trilha Ho Chi Minh.

Bibliografia recomendada:

War Elephants,
John M. Kistler.

Leitura recomendada:

domingo, 15 de maio de 2022

Desfile do Exército de Defesa Nacional do Vietnã em Hanói

Exército de Defesa Nacional do Vietnã marchando na Rua República Democrática, em Hanói, em 29 de março de 1946.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de maio de 2022.

A unidade do Exército de Defesa Nacional do Vietnã desfila pela Rua República Democrática, também conhecida como Rua Cot Co e atualmente como Rua Dien Bien Phu. Esse exército paramilitar era bem treinado e defenderia Hanói contra os franceses em dezembro de 1946, sendo expelidos da cidade em fevereiro do ano seguinte.

Essa força paramilitar era melhor equipada e mais marcial que certas unidades regulares. Os oficiais carregam pistolas, os sargentos carregam submetralhadoras Sten e Thompson, os atirados de GC carregam metralhadoras Bren e os demais soldados carregam fuzis com baionetas. O comandante-em-chefe do Exército de Defesa Nacional do Vietnã desfilou de jipe com guarda-costas armados com carabinas. Os oficiais usam as divisas na gola, seguindo o sistema japonês, pois esta e outras unidades indígenas foram criadas pelos japoneses para contestarem a autoridade francesa. Dois meses depois, Ho Chi Minh regulamentou os uniformes da nova força Viet Minh, e as divisas passaram para os ombros tal qual no sistema francês.

Jovens voluntários logo antes da batalha.

Tropas coloniais do Regimento Thang-long, guarda nacional, prestes a entrar em combate, dezembro de 1946.
Um deles tem um capacete japonês, Tetsubo.

Essas forças de defesa vietnamitas 
(Tu Ve), regulares e irregulares, usaram todo tipo de equipamento à sua disposição. O jogo de tiro em primeira pessoa vietnamita 7554 ambientou a batalha de Hanói de 1946 como sua primeira fase, e o jogador é parte dos defensores vietnamitas enfrentando os franceses. Tanto os uniformes quanto as armas de ambos os lados corretamente representadas e, em dado momento, o jogador atrai um atirador francês expondo um Tetsubo numa janela.




Leitura recomendada:

quinta-feira, 17 de março de 2022

GALERIA: Escola de paraquedismo indochinesa


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de março de 2022.

Alunos indochineses em treinamento paraquedista com instrutores franceses na primeira década de 1950. Os instruendos são notadamente bem equipados, o que coloca esse álbum em 1950 em diante. Esses indochineses seriam colocados em companhias indochinesas de paraquedistas (Compagnies indochinoises parachutistes, CIP) e depois formariam cinco batalhões paraquedistas no Exército Nacional Vietnamita, os BPVN apelidados "baouwans", além de um batalhão laociano e outro cambojano (khmer).

A escola de paraquedismo na Indochina foi criada pela Meia-Brigada SAS, formada por comandos SAS franceses na Segunda Guerra Mundial, que começaram como companhias e se elevaram a dois regimentos (3º e 4º) na Brigada SAS (os 1º e 2º eram britânicos, e o 5º era belga), lutando nas areias da África até a vitória final na Alemanha. Com a vitória sobre a Alemanha e o Japão em 1945, o SAS francês foi imediatamente comprometido na Indochina, onde, além das operações de salto contínuas e as infiltrações por jipe, a meia-brigada montou uma escola de paraquedismo e imediatamente começou a formar indochineses (e legionários) em 1946.

Essa escola depois foi movida para Tan Son Nhut, na Cochinchina, que serviu aos paraquedistas franceses (até 1954) e vietnamitas (até 1975).












Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

domingo, 13 de março de 2022

GALERIA: Brigada Feminina do Secto Hoa Hao

Combatentes do Hoa Hao com submetralhadoras Sten na Cochinchina, julho de 1948.

Por Filipe A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de março de 2022.

Mulheres guerreiras do secto Hoa Hao na Cochinchina, em julho de 1948, em demonstrações marciais fotografadas por Jack Birns para a revista LIFE, publicada em 7 de março de 1949. O artigo da LIFE menciona que dentre os 2 mil guerreiros Hoa Hao no período, havia dois pelotões femininos.

Os camponeses (coolies) acreditavam que os Hoa Hao comiam a carne dos seus inimigos. A Brigada Feminina dos Hoa Hao era comandada por uma general, a madame Lê Thi Gam, esposa do General Tran Van Soai.

As armas tradicionais eram utilizadas ao lado das armas de fogo modernas. Os Hoa Hao provaram sua eficácia erradicando o Viet Minh da área do Delta.

Em 7-9 de setembro de 1945, um bando de 15.000 Hoahaoistas armados com armas de combate corpo-a-corpo e auxiliados pelos trotskistas, atacou a guarnição do Việt Minh na cidade portuária de Cần Thơ, que o Hòa Hảo considerava a capital legítima de seu domínio. Eles foram liderados por Trần Văn Soái, seu filho mais velho, Lâm Thành Nguyên, e o irmão mais novo de Sổ, mas com suas armas antiquadas, os Hòa Hảo foram derrotados e os homens de Sổ foram massacrados pela Juventude da Guarda Avançada controlada pelo Việt Minh, que teria sido auxiliado por uma guarnição japonesa próxima. O massacre, caracterizado por sua selvageria, desencadeou uma campanha de retaliação de matança em massa contra os comunistas das fortalezas do delta pelo Hòa Hảo. Os corpos dos quadros comunistas foram amarrados e jogados em rios e canais. Nas aldeias onde os Hòa Hảo estavam no comando, os cadáveres também eram exibidos em público para testar as inclinações políticas de forasteiros. Aqueles que expressaram seu desconforto com a visão foram considerados simpatizantes do Việt Minh.

Guerreiras com espadas.

O Hòa Hảo ("paz e fartura") é um novo movimento religioso que é descrito como uma religião folclórica sincrética ou como uma seita do budismo. Foi fundado em 1939 por Huỳnh Phú Sổ (1919–1947), que é considerado um santo por seus devotos. É uma das principais religiões do Vietnã, com entre um milhão e oito milhões de adeptos, principalmente no Delta do Mekong. Os ritos regulares do Hòa Hảo são limitados a quatro orações por dia, enquanto os devotos devem manter os Três Laços Fundamentais e as Cinco Virtudes Constantes.

A influência dos senhores coloniais, a crescente intensidade da guerra do final da década de 1930 até meados da década de 1970 e os conflitos ideológicos decorrentes moldaram o início e o desenvolvimento posterior do Hòa Hảo. Foi, juntamente com o Việt Minh de Hồ Chí Minh e outro movimento religioso conhecido como Cao Đài (4.500 guerreiros), um dos primeiros grupos a se envolver em conflito militar com as potências coloniais, primeiro os franceses e depois os japoneses. Hòa Hảo floresceu sob a ocupação japonesa da Segunda Guerra Mundial, e transformou-se em um exército privado que operava principalmente em benefício de seus líderes, ao mesmo tempo em que estabelecia seu próprio governo praticamente autônomo na região.

A madame Lê Thi Gam.

Em 18 de abril de 1947, Sổ foi convidado a um reduto do Việt Minh na Planície dos Juncos para uma reunião de conciliação. Ele recusou as exigências dos comunistas e voltou para casa, mas foi interceptado enquanto navegava por Long Xuyên no rio Đốc Vàng Hạ, a maior parte de sua companhia foi morta e ele foi preso pelo líder sulista do Việt Minh, Nguyễn Bình. Sổ foi morto, e para evitar que os Hoahaoistas recuperassem seus restos mortais e erguessem um santuário de mártir, o Việt Minh esquartejou o corpo de Sổ e espalhou seus restos mortais por todo o país; seus restos mortais nunca foram encontrados. Muitos Hoahaoistas saudaram-no como uma figura messiânica que chegaria em tempos de crise. A morte de Sổ levou o Hòa Hảo ao campo francês, e o secto liderou uma guerra contra os comunistas, sendo rotulado como o "mais forte elemento anti-Việt Minh do país". O Hòa Hảo, juntamente com outras organizações político-religiosas, dominaram a cena política e social do sul do Vietnã na década de 1950, reivindicando uma participação na formação de um Vietnã do Sul não-comunista.

Porte-fanion da Brigada Feminina Hoa Hao.

Momento de oração.



Carga simulada das guerreiras.


Ao longo da Primeira Guerra da Indochina (1946-1954), o governo francês emitiu pagamentos de apoio às forças armadas de Cao Đài, Hòa Hao e Bình Xuyên em troca da defesa dos territórios que controlavam contra o Việt Minh. Eles concederam a hegemonia Hòa Hảo sobre o sudoeste do Delta do Mekong e, eventualmente, forneceram armas para cerca de 20.000 Hoahaoistas. Em troca de ajuda contra o Việt Minh, a nova liderança do Hòa Hảo estava disposta a formar alianças com os colonialistas; eles não viam tal acordo como uma traição aos seus ideais nacionalistas porque o objetivo final da independência religiosa não estava comprometido. O Hòa Hảo periodicamente amarrava simpatizantes do Việt Minh e os jogava no rio para se afogarem.

O secto Hòa Hảo procurou preservar sua identidade religiosa e independência. Eles fizeram alianças temporárias com inimigos do passado. Originalmente preocupado apenas com a autonomia religiosa, o Hòa Hảo lutou contra os franceses, os japoneses, o Việt Minh, novamente os franceses, o recém-independente Vietnã do Sul, o Việt Cộng e o Exército do Vietnã do Norte. Eles desfrutaram de influência política durante os regimes pós-Diệm de Saigon.

Jack Birns com sua câmera.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

ARTE MILITAR: Sobrevoando o arrozal


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de março de 2022.

Desenho do artista Julien Lepelletier, artista 2D da Drydock Dreams Games, baseada em Marselha, e ilustrador freelancer. A ilustração da revista em quadrinhos Air America: Sur la Piste Ho Chi Minh (Air America: Sobre a Trilha Ho Chi Minh) mostra um avião americano sobrevoando uma camponesa vietnamita:

"Arte de capa, F-105 Thunderchief gritando como um pássaro louco sobre o arrozal."

Versão com os títulos.

Quadrinhos militares são muito comuns, e muito populares, na Europa. O nível artístico é elevadíssimo e os temas são bem avançados, com estórias realistas, que não fogem dos temas pesados.

"A guerra é o inferno."

Leitura recomendada:

quarta-feira, 9 de março de 2022

Armamento pesado do Vietcongue

Uma metralhadora leve ZB vz. 26 de fabricação tcheca (7,92x57mm) em uma posição antiaérea vietcongue.
Muitas foram fornecidos a partir de estoques chineses.
(Imagem: acervo do autor)

Por Tom Laemlein, The Armory Life16 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de março de 2022.

Os vietcongues (Viet Cong, VC) eram muitas coisas: um grupo político comunista e uma frente revolucionária, um grupo terrorista e o exército de uma guerra de guerrilha. Em última análise, em operações de combate, os vietcongues eram uma força de infantaria leve.

Eles foram projetados para se mover rapidamente e com grande discrição, emergindo das montanhas e selvas para emboscar seus oponentes sul-vietnamitas. Eles foram equipados com uma variedade de armas portáteis. Além disso, o VC tornou-se bastante hábil em usar armadilhas contra seus oponentes. No início da década de 1960, o VC foi muito bem-sucedido, empurrando as forças do governo sul-vietnamita para trás e confinando-as a um punhado de áreas urbanas e bases isoladas.

Um resquício colonial francês: uma metralhadora Reibel MAC mle 31 capturada dos vietcongues na Península de Ca Mau durante 1964.
(Imagem: coleção do autor)

Durante 1964, os vietcongues aumentaram constantemente seus números para mais de 100.000 homens em campanha, e seus sucessos no campo de batalha continuaram. Naquela época, havia apenas 23.000 militares americanos no Vietnã. Durante 1965, esse número cresceria para mais de 184.000, e os americanos se juntariam a mais de 20.000 soldados da Coréia do Sul.

Na frente está uma RP-46 soviético alimentado por cinto (ou Tipo 58 chinês), enquanto as metralhadoras leves RPD ocupam o fundo.
Elas foram capturadas pelas forças americanas em Nui Dat. (Imagem: NARA)

A situação de combate mudou drasticamente para o VC durante 1965, pois seus oponentes se tornaram muito mais agressivos e equipados com o que há de mais moderno em armamento.

Uma metralhadora chinesa Tipo 53 calibrada em 7,62x54mmR.
Ela foi capturada e exibida pelo USMC em março de 1966. (Imagem: NARA)

O think tank da RAND Corporation entrevistou centenas de prisioneiros vietcongues entre 1964 e 1969. Suas descobertas revelaram a crescente necessidade do VC por armas mais pesadas, particularmente para combater o poder aéreo americano e veículos blindados.

"Entrevistados expostos a ataques de bombardeiros e helicópteros mencionaram que tinham medo de helicópteros armados, embora tenham dito que essas máquinas eram altamente vulneráveis ao fogo de solo. Dizia-se que seu ataque era muito eficaz, muitas vezes mais eficaz do que o de caças-bombardeiros, porque eles podem se aproximar de seu alvo, pairar e disparar verticalmente em trincheiras e tocas vietcongues. Os foguetes de helicóptero, por outro lado, eram considerados pouco eficazes."

Ajustando-se para lutar contra os EUA

Uma entrada de outubro de 1968 de um diário VC capturado declarou:

"A luta contra os americanos hoje em dia é muito diferente da luta contra os franceses... as durezas e dificuldades da atual guerra anti-EUA são muito maiores, e a ferocidade muito mais selvagem. Nossas tropas não tiveram que dormir em trincheiras subterrâneas na luta anti-francesa e os franceses não possuíam meios de matança tão bárbaros quanto os B52 dos EUA."

Esses soldados examinam um RPG-7 danificado que foi capturado do VC durante a Ofensiva do Tet em fevereiro de 1968. (Imagem: NARA)

À medida que os Estados Unidos despejavam mais recursos militares no Vietnã, o poder da tecnologia militar americana começou a afetar os vietcongues. Os bombardeios da USAF e os helicópteros de combate do Exército dos EUA começaram a interromper as linhas de suprimento do VC e metralharam as concentrações de tropas VC. No solo, unidades blindadas do Exército e do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA intimidaram o VC com tanques de batalha principais M48 e os novos veículos blindados M113. Embora houvesse oportunidades limitadas para operações blindadas no Vietnã, quando tanques e APCs foram empregados, eles tiveram um efeito dramático sobre os vietcongues. Um relatório RAND de 1965 revelou:

Blindados, particularmente o M113, foi citada por muitos entrevistados como tendo uma grande influência no resultado do combate e nas perdas sofridas pelas unidades vietcongues, especialmente aquelas não equipadas com armas anti-blindados. Vários casos foram citados em que unidades vietcongues entraram em pânico e sofreram pesadas perdas quando atacadas por tanques ou M113. As entrevistas relatam, no entanto, um aumento constante na disponibilidade de armas antitanque de origem chinesa.

O RPG-2 deu aos vietcongues uma potente arma antitanque. A munição HEAT do RPG-2 pode penetrar até 18cm de blindagem. (Imagem: NARA)

A nova arma antitanque foi o RPG-2 projetado pelos soviéticos (e sua variante chinesa, o B40). Este era um simples lançador de granadas propelido por foguete, disparando uma munição de 82mm carga oca (Alto Poder Explosivo Anti-Tanque / High Explosive Anti-Tank, HEAT) que poderia penetrar até sete polegadas de placa de blindagem. O RPG-2 era leve (4,67kg carregado) e deu ao VC alguma capacidade de resistência contra os blindados americanos, com um alcance efetivo de cerca de 150 metros. Foi particularmente eficaz contra a blindagem de liga de alumínio (máximo de 44mm) no veículo blindado M113.

O RPG-7, mais potente, disparou uma ampla gama de munições, incluindo uma alta carga explosiva. Este exemplar foi capturado do VC em julho de 1967. (Imagem: NARA)

Em 1968, o VC começou a receber o RPG-7, muito melhorado, dobrando o alcance efetivo e quase triplicando a penetração da blindagem. Mais importante para o VC, o RPG-7 oferecia uma munição alto explosiva/fragmentação, dando-lhes artilharia portátil eficaz.

O Helicóptero

"Os VC da força principal e, em menor grau, a infantaria VC da força local são treinadas para empregar suas armas contra aeronaves aliadas, particularmente helicópteros. A qualidade da formação é boa e tudo indica que está a melhorar. Metralhadoras e fuzis automáticos são enfatizados, mas também são dadas instruções sobre o uso de fuzis, RPG… na função antiaérea. O NVA/VC enfatiza que qualquer arma pode abater uma aeronave se devidamente empregada."
Relatório de lições aprendidas do Exército dos EUA de 1969.

Matador de Helicópteros: o lado letal de uma metralhadora pesada DShK de 12,7mm, capturada dos vietcongues em março de 1966. (Imagem: NARA)

Durante as décadas de 1950 e 1960, os militares americanos ficaram um pouco preocupados com as tecnologias "mais altas e mais rápidas" da era nuclear e da corrida espacial. Mas a guerra no Sudeste Asiático estava enraizada na mecânica prática mortal de uma guerra de infantaria. Havia pouco que os vietcongues pudessem fazer para combater os jatos americanos que voavam alto, então eles aprenderam maneiras de evitar a observação aérea americana. Os helicópteros americanos, no entanto, eram uma história bem diferente e representavam uma ameaça séria e imediata.

Um metralhadora chinesa Tipo 53 capturada e exibida com uma mira AAe. A SG-43/Tipo 53 deu ao VC uma arma mais poderosa para usar contra helicópteros americanos. (Imagem: NARA)

O VC descobriu que muitas de suas armas de infantaria poderiam ser usadas contra helicópteros a curta distância. Na falta de artilharia antiaérea dedicada, eles adotaram uma tática soviética da Segunda Guerra Mundial de tiro de voleio com armas portáteis de infantaria em aeronaves de ataque voando baixo. À medida que mais fuzis SKS e AK-47 se tornaram disponíveis para os vietcongues, essa tática se tornou mais eficaz.

Armas novas e mais pesadas começaram a chegar às mãos dos vietcongues em 1966. Uma metralhadora particularmente eficaz foi a metralhadora pesada DShK 12,7mm (12,7x108mm). Esta é uma arma projetada pelos soviéticos, pesando quase 34kg apenas para a arma. Não é igual à metralhadora americana Browning M2 .50 (e a munição não é intercambiável), mas mesmo assim, a DShK foi um divisor de águas ao ajudar o VC a defender posições importantes de ataques de helicópteros americanos. Disparando a 600 tiros por minuto, com um alcance efetivo de 2.000 jardas, a DShK (ou Tipo 54 chinesa) foi responsável por derrubar muitos helicópteros dos EUA e ARVN durante a guerra.

A metralhadora pesada DShK de 12,7x108mm deu às unidades vietcongues uma arma eficaz contra helicópteros americanos. (Imagem: NARA)

Um relatório do Exército dos EUA de 1969 observou a crescente eficácia das defesas antiaéreas vietcongues: “A organização do NVA/VC de defesa aérea passiva e ativa, treinamento com equipamentos e táticas são eficazes. Todas as indicações são de que eles estão melhorando.”

Metralhadoras de GC

Os vietcongues aceitaram alegremente quaisquer metralhadoras leves ou fuzis-metralhadores em seu arsenal. Sua combinação de peso leve e alto poder de fogo foi a combinação certa para as táticas de ataque e fuga do VC. As primeiras armas automáticas de grupo de combate disponíveis para o VC pareciam mais peças de um museu de história militar. Apesar da idade de algumas dessas armas e dos problemas logísticos que apresentavam, o VC mostrou que ainda eram bastante mortais em um campo de batalha moderno.

A descoberta de um grande esconderijo de armas VC rendeu MG34 alemãs, FM 24/29 francesas e pelo menos uma metralhadora M60 americana. (Imagem: acervo do autor)

MG34 alemã: Várias centenas de MG34 foram fornecidos aos vietcongues de estoques comunistas chineses, bem como através da União Soviética, que forneceu MG34 capturadas dos alemães na Segunda Guerra Mundial, bem como armas fabricadas na Tchecoslováquia no período imediato do pós-guerra. A MG34 (7,92x57mm) era uma arma muito bem feita, oferecendo uma alta cadência de tiro (900 tpm). Estes eram frequentemente alimentados por uma cinta ligada de 250 tiros, ou com o conjunto de cintas de 50 tiros semelhante a um tambor.

Milhares de metralhadoras como esta MG34 alemã foram capturadas pelos soviéticos durante a Segunda Guerra Mundial e depois fornecidas às nações satélites comunistas. (Imagem: acervo do autor)

FM 24/29 francês: O FM 24/29 foi um resquício da guerra vietnamita com os franceses. Muitos foram capturados das forças coloniais francesas e continuaram em serviço do Viet Minh ao Viet Cong. Calibrado no 7,5x54mm francês, o FM 24/29 foi alimentado por um carregador de cofre montado na parte superior de 25 tiros. Uma arma manuseável (apenas 9,1kg) para as tropas vietnamitas de porte ligeiro, o FM 24/29 serviu no Sudeste Asiático do final da década de 1940 até o final da década de 1970.

Uma metralhadora leve francesa FM 24/29 capturada das forças VC durante 1966. Muitos desses fuzis-metralhadores foram capturados dos franceses durante a primeira Guerra da Indochina. (Imagem: NARA)

Vz. ZB26 tcheca: A vz. 26 foi um projeto de metralhadora leve seminal de meados da década de 1920, levando os britânicos a desenvolver a metralhadora Bren. Os tchecos também tiveram muito sucesso na venda da vz. 26 (calibrada em 7,92x57mm) no mercado internacional, principalmente na China. Mesmo depois de um longo serviço com os chineses, muitas vz. 26 foram fornecidas aos norte-vietnamitas, e uma boa quantidade dessas excelentes metralhadoras leves (9,5kg) foi passada para os vietcongues.

DP soviética: Os vietcongues receberam quantidades de todas as variantes das metralhadoras DP soviéticas, desde a DP-27 inicial (com um carregador de frigideira de 47 tiros) até a RP-46 alimentada por cinta, todos calibrados em 7,62x54mmR.

Um soldado australiano exibe uma metralhadora leve RPD capturada do VC durante 1968. (Imagem: NARA)

À medida que a União Soviética e a China comunista começaram a fornecer mais armas para o NVA e aos vietcongues, metralhadoras comunistas mais recentes começaram a aparecer em unidades de combate VC.

Metralhadora média SG-43/SGM Goryunov: A SG-43 era um projeto intermediário que alavancava um cano refrigerado a ar particularmente denso. Calibrada em 7,62x54mmR, a SG-43 (13,8kg) era normalmente conectada a um suporte com rodas (41kg). Embora fosse uma arma confiável, o grande peso restringia muito as operações ofensivas do VC.

Um fuzil-metralhador RPD de fabricação soviética ou Tipo 56 chinês calibrado em 7,62x39mm. O RPD era a metralhadora leve padrão dos vietcongues em 1968. (Imagem: coleção do autor)

O RPD (ou Tipo 56 chinês): Como o RPD foi substituído no serviço soviético no início dos anos 1960, essas armas foram passadas para várias nações satélites comunistas. Calibrado em 7,62x39mm e alimentado por uma cinta segmentada de 100 tiros contidos em um tambor, o RPD tornou-se a metralhadora de GC padrão dos vietcongues em 1968. Fornecia uma base de fogo estável com uma cadência cíclica econômica de 650 tiros por minuto.

Foguetes do VC

À medida que a presença militar americana continuou a crescer no Vietnã do Sul, as bases americanas (particularmente as bases aéreas) tornaram-se alvos altamente lucrativos para ataques vietcongues. Esses ataques foram originalmente executados com morteiros pesados (81 e 82mm), e os morteiros mais móveis de 60mm. Com o passar do tempo, o VC começou a empregar um número maior de canhões sem recuo de 57mm e 75mm e, embora essas armas fossem mais precisas, sua assinatura de disparo muitas vezes trazia uma retribuição rápida e mortal. O avanço final em armas pesadas ofensivas do VC foi representado em um grupo de foguetes de artilharia não-guiados.

O foguete M-14 140mm de fabricação soviética era uma arma de fragmentação altamente explosiva contendo 3,6kg de TNT. Era uma arma simples. (Imagem: NARA)

Os foguetes tornaram-se uma arma simples e facilmente transportável para os vietcongues. Eles estavam disponíveis em três tamanhos: 107mm, 122mm e 140mm, e podiam ser disparados de lançadores de tubos simples ou até mesmo montes de terra. Para combater a observação aérea americana da assinatura de lançamento dos foguetes, as tropas de foguetes VC mantiveram a disciplina de disparar não mais do que cinco tiros de qualquer lançador de tripé/tubo, ou duas salvas das rampas de terra antes de desmontarem seus equipamentos e desaparecerem no selva.

Leitura recomendada:

Viet Cong Fighter.
Gordon L. Rottman e Howard Gerrard.