domingo, 7 de fevereiro de 2021

GALERIA: Combate em localidade urbana no campo de Garrigues

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de fevereiro de 2021.

Introdução de  combate em zona urbana dos novos graduados do 54e RA (54e Régiment d'Artillerie/ 54º Regimento de Artilharia) sob o comando do Ten. Louis no campo de Garrigues em 5 de fevereiro de 2021.

O 54e RA é um regimento do Exército francês, estacionado em Hyères, especializado em artilharia anti-aérea com mísseis terra-ar Mistral. Ele é o herdeiro do 54e RAC (Régiment d’Artillerie de CampagneRegimento de Artilharia de Campanha) veterano da Primeira Guerra Mundial, destacando-se em Verdun em 1916 e 1917, em Malmaison em 1917 e no Flandres em 1918. Sua bandeira carrega em letras de ouro a inscrição:

VERDUN 1916

LA MALMAISON 1917

FLANDRES 1918 

Em 19 de maio de 1925, o regimento desembarcou em Casablanca para participar das operações de pacificação no Marrocos durante a Guerra do Rif, nas regiões de Oued Leben, Hassi Medlon e Hassi Guenza até 11 de novembro do mesmo ano - retornando a Lyon em 17 de novembro de 1925 - sob a designação de 1924 de 54e RAD (Régiment d’Artillerie Divisionnaire/ Regimento de Artilharia Divisionária). O regimento foi reorganizado em 1926, para um grupo de canhões de 65mm (grupo de artilharia de montanha), dois grupos de 75mm e dois grupos de 155mm. Em 5 de maio de 1929, após ter sido gradualmente abastecido com soldados de origem argelina e depois marroquina, o regimento passou a se chamar 54e RANA (Régiment d’Artillerie nord-africaineRegimento de Artilharia Norte-Africano).

Em 31 de agosto de 1939, com a mobilização francesa de 1939, o regimento se multiplicou no 54º RANA e no 254º RANA (regimento de artilharia pesada, canhões de 155mm hipomóveis) e deu origem ao XI Grupo de Artilharia de Costa. Junto com o 254e RANA, fez parte da artilharia da 1er DINA (1re Division d’Infanterie nord-africaine/ 1ª Divisão de Infantaria Norte-Africana). Essa divisão seria destruída em 1940, com elementos fugindo para a Inglaterra. O regimento recriado lutaria pela França Livre na Tunísia, Itália, França e Alemanha; terminando a guerra em Friburgo na Brisgóvia.

Por suas raízes norte-africanas, o regimento usa a Cruz Xarifiana marroquina e a Meia-Lua muçulmana.

Artilheiro com a meia-lua no braço. 

Desde 1º de janeiro de 2011, o 54e RA faz parte da Base de Defesa de Toulon e é apoiado pelo Grupo de Apoio à Base de Defesa de Toulon, criado na mesma data. O regimento faz parte da 3ª divisão, dentro da Force Scorpion (Força Escorpião, com 50 mil homens) desde 1º de julho de 2016.

Os CFIM são responsáveis ​​por garantir o treinamento geral inicial (formation générale initiale, FGI) com duração de 12 semanas para todos os EVI do Exército (engagés volontaires initiaux/ engajados voluntários iniciais). Essas 12 semanas são precedidas por uma semana de incorporação ao treinamento profissional e são seguidas por um período de "aclimatação" de volta ao regimento, incluindo uma semana de licença.

O CFIM não é um treinamento autônomo. Na medida do possível, é apoiado por um regimento da brigada beneficiária.

Existem dois tipos de enquadramento (supervisão) no CFIM:

  • Enquadramento permanente (de cerca de vinte a 60 pessoas), atribuída ao CFIM, responsável pelo comando da organização, operação e treino especializado (ex: instrutor desportivo).
  • Enquadramento rotativo: supervisão das seções de treinamento sob as ordens do comandante da unidade do enquadramento permanente.

O campo de Garrigues abriga um dos muitos CFIM (Centres de formation initiale des militaires du rang/ Centro de Treinamento de militares graduados).

Além do CFIM SMITer no campo de Garrigues:

  • CFIM 2 BB em Valdahon;
  • CFIM 7 BB em Verdun;
  • CFIM 7 BB em Carpiagne;
  • CFIM 3 BM à Angoulême;
  • CFIM 11 BP em Caylus;
  • CFIM 27 BIM em Gap;
  • CFIM 9 BLBMA em Coëtquidan;
  • CFIM 6 BLB em Fréjus;
  • CFIM BR em Bitche;
  • CFIM BLOG;
  • CFIM no 1er BM/BTAC.
  • CFIM ocasional: CFIM em St Maixent.

Bibliografia recomendada:

Concrete Hell: Urban warfare from Stalingrad to Iraq, Louis A. DiMarco.

Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário