Mostrando postagens com marcador Guerra Anfíbia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra Anfíbia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 10 de maio de 2022

O fuzil M1 Garand em Dieppe


Do American Rifleman, 21 de março de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de maio de 2022.

Embora as forças armadas dos Estados Unidos tenham sido as primeiras a adotar e padronizar um fuzil de batalha semiautomático em 1936, o “U.S. Rifle, Caliber .30, M1” não dispararia um tiro com raiva até seu uso na defesa das Filipinas, a partir de dezembro de 1941.

Quando os fuzis M1 Garand silenciaram em Bataan em abril de 1942, a criação lendária de John Garand esperaria quatro meses antes de enfrentar o Eixo novamente. Desta vez seria no Teatro de Operações Europeu — nas mãos dos Rangers do Exército dos EUA.

O nascimento dos Rangers do Exército dos EUA

Os primeiros soldados americanos a usarem fuzis M1 Garand contra os nazistas na Segunda Guerra Mundial foram 50 homens do 1º Batalhão Ranger dos EUA durante o malfadado ataque de Dieppe, na França, em 19 de agosto de 1942.

Sob a direção do Major-General Lucian Truscott, o Exército dos EUA se esforçou para criar sua própria versão dos famosos Comandos britânicos. Mais e mais tropas americanas estavam chegando ao Reino Unido durante a primeira metade de 1942, e, no final de junho, o 1º Batalhão Ranger havia sido organizado, com a maior quantidade de homens recrutados da 34ª Divisão de Infantaria. O treinamento começou em Carrickfergus, na Irlanda do Norte, com o apoio de comandos britânicos endurecidos pelo combate.

Os Rangers estavam equipados com muitos dos mais recentes equipamentos de combate americanos, exceto por seus M1917A1 “Kelly Helmets”, que lhes davam a aparência de tropas britânicas, pelo menos à distância. De perto, suas armas foram instantaneamente reconhecidas como algo distintamente diferente. Os fuzis padrão eram os M1, e os Fuzis Automáticos Browning foram usados como fuzis-metralhadores do grupo de combate. Oficiais americanos carregavam a pistola M1911.

O M1 em Ulster: Homens do 168º Regimento de Infantaria em treinamento em março de 1942.
O 1º Batalhão Ranger foi composto por elementos dos primeiros americanos a chegarem ao Reino Unido, incluindo homens do 168º Regimento de Infantaria.

Seus aliados britânicos foram rápidos em notar o grande fuzil semiautomático, e os Comandos ficaram quase instantaneamente com ciúmes do poder de fogo que o M1 oferecia. Em seu livro, Rangers At Dieppe (Rangers em Dieppe), o autor Jim DeFelice observou que: “Além de ficar impressionado com a pontaria dos americanos, o comando britânico Major Mills-Roberts gostou de sua arma, que era superior em muitos aspectos aos fuzis Enfield que os Comandos estavam usando. Na verdade, o M1 era tão popular entre os britânicos que no 3 Commando, (American Ranger) o capitão Murray deu um ao coronel Durnford-Slater como presente - e então achou educado arranajr mais [fuzis] para outros oficiais comandos”.

Os Comandos não foram os únicos britânicos que ficaram impressionados com o fuzil americano. Durante o treinamento em Carrickfergus, os Rangers foram visitados pela família real britânica. A própria rainha fez várias perguntas inteligentes a um Ranger sobre seu M1, antes de examiná-lo “como uma especialista” enquanto expressava sua admiração pelo fuzil. O fuzil M1 ainda não havia disparado um único tiro contra os alemães e já estava recebendo elogios e fazendo amigos em lugares altos.

Os M1 usados pelos Rangers em treinamento e em Dieppe em 1942 tinham características iniciais, como a alça de mira com  barra de trancamento.

A incursão de Dieppe

Instrutor britânico com alunos americanos.
Os comandos britânicos e os rangers americanos compartilhavam um amor comum pela metralhadora Thompson.

A partir de fevereiro de 1941, os comandos britânicos atacaram os ocupantes alemães e italianos da Noruega ao norte da África. Alguns raides foram altamente ambiciosos, como a Operação Flipper em novembro de 1941, a tentativa mal-sucedida de matar o general alemão Rommel no norte da África. Outros ataques, como a Operação Archery, realizada na Noruega no final de dezembro de 1941, causaram danos significativos e forçaram os alemães a enviar mais 30.000 homens para defender suas bases norueguesas. As incursões de comandos abalaram os nazistas e os lembraram de que a retribuição viria um dia.

Durante março de 1942, o Comando No. 2 encenou um ataque audacioso, a Operação Chariot, contra o porto fortemente defendido de St. Nazaire, na França. O ataque foi um sucesso, e a estrategicamente importante eclusa Normandie, capaz de abrigar o encouraçado alemão Tirpitz, foi destruída. No entanto, o custo foi alto: dos 241 Comandos enviados na missão, 173 foram mortos ou capturados.

Homens do 1º Batalhão Ranger, armados com fuzis M1, treinados com Comandos Britânicos e com a Marinha Real em operações anfíbias. Na frente do barco está uma metralhadora americana M1919 Browning.

A razão para o ataque maciço ao porto francês de Dieppe em agosto de 1942 é difícil de descrever. Os britânicos se comprometeram a abrir uma segunda frente para tirar a pressão da União Soviética no Leste. Mais especificamente, foi assumido o compromisso de abrir uma nova frente na Europa Ocidental. Em retrospectiva, pode parecer que a operação de Dieppe arriscou demais para conseguir muito pouco. Mas lembre-se, também, que naquele momento da história, os Aliados queriam e precisavam desesperadamente contra-atacar os alemães na Europa Ocidental ocupada o mais ferozmente possível.

A Incursão de Dieppe foi originalmente planejada para abril de 1942 e recebeu o codinome de Operação Rutter. Era para ser um grande raide, incluindo uma largagem significativa de paraquedistas em um porto do Canal controlado pelos alemães, culminando em uma ocupação de curto prazo e uma destruição total das instalações portuárias e defesas alemãs. Cabeças mais frias prevaleceram e a Operação Rutter foi considerada impossível de ser apoiada e, consequentemente, foi abandonada. Mas a ideia não foi esquecida.

Rangers treinando no Reino Unido em julho de 1942.
Observe o Fuzil Automático Browning e o M1 Garand.

Em agosto, Rutter voltou à vida, transformado na Operação Jubileu. Os objetivos eram semelhantes e igualmente nebulosos. Um importante porto francês na costa do Canal deveria ser tomado e mantido por um curto período de tempo, prisioneiros seriam feitos, informações coletadas e as defesas alemãs destruídas antes de uma retirada ordenada.

Para esse fim, mais de 6.000 soldados de infantaria, a maioria deles canadenses, foram encarregados de conduzir essa invasão de curto prazo. O Regimento de Calgary da 1ª Brigada de Tanques canadense, equipado com tanques pesados Churchill, forneceria apoio no terreno. Juntando-se a eles estariam 50 Rangers americanos, recém-treinados e prontos para ver sua primeira ação. Esses Rangers levariam fuzis M1 para a praia na França.

Os desembarques iniciais começariam alguns minutos antes das 5h da manhã de 19 de agosto de 1942. Problemas significativos começaram quase imediatamente. A coordenação era mínima, a confusão era abundante e as perdas conseqüentes eram altas. Em menos de 10 horas, o ataque maciço acabou. Todas as tropas aliadas foram evacuadas ou mortas, com 1.946 deixados para trás para serem feitas prisioneiras pelos alemães.

Armas dos Rangers americanos em exibição, incluindo morteiros, um fuzil antitanque 0,55" Boys, um fuzil M1, uma M1919 Browning, um '03 Springfield com uma granada de fuzil, um M1918A2 BAR, uma M1928A1 Thompson e uma pistola M1911.

Dos quase 6.100 homens que desembarcaram em Dieppe, 3.623 foram mortos, feridos ou capturados. Ninguém dentro do comando aliado estava preparado para perder mais de 60% da força de desembarque. A Marinha Real também sofreu, com 33 embarcações de desembarque perdidas junto com o destróier H.M.S. Berkeley. No alto, a Royal Air Force perdeu 106 aeronaves. Foi um dia amargo e miserável.

O autor Ian Fleming, o homem por trás de James Bond, trabalhou para a Inteligência Naval Britânica durante a Segunda Guerra Mundial. No início de 1942, Fleming criou a 30ª Unidade de Assalto (30 Assault Unit), uma equipe de combate única composta por especialistas em inteligência. Os membros da unidade participaram secretamente da Incursão de Dieppe em um esforço para obter uma máquina de codificação alemã Enigma e seus livros de códigos relacionados. Este foi mais um objetivo do raide que não deu certo.

First Blood at Bloody Dieppe

Tanques destruídos, barcos em chamas e mortos na praia.

O 1º Batalhão Ranger existia há apenas dois meses antes da Incursão de Dieppe. Embora as contribuições de combate dos Rangers fossem pequenas, suas baixas eram proporcionalmente tão altas quanto o resto dos incursores. Cinquenta Rangers viajaram para a França, intercalados entre os comandos britânicos e a infantaria canadense. Três americanos foram mortos, três foram feitos prisioneiros e cinco ficaram feridos. Considerando que vários Rangers não conseguiram chegar à praia devido a problemas com suas embarcações de desembarque, sua taxa real de baixas foi superior a 70%. Os Rangers trocaram tiros com os alemães, atirando com seus fuzis M1, e dando o melhor que podiam.

Apesar das pesadas perdas da Incursão de Dieppe, a imprensa aliada transformou a operação em ouro de relações públicas. Rangers tornaram-se celebridades na Inglaterra, e os americanos ganharam confiança de que suas tropas poderiam levar a luta aos alemães. O mau planejamento e as conseqüentes perdas na praia de Dieppe forneceram um poderoso alerta para os comandantes aliados. Sua capacidade de abrir uma segunda frente na Europa Ocidental estava longe de ser atingida, mas houve muito aprendizado sobre os ingredientes de um assalto anfíbio bem-sucedido. Os sacrifícios feitos pelos canadenses em Dieppe não foram em vão.

Prisioneiros canadenses conduzidos por um soldado alemão.

Desembarques bem-sucedidos logo se seguiriam no norte da África (Operação Tocha) em novembro de 1942, na Sicília (Operação Husky) em julho de 1943 e na Itália (Operação Avalanche) em setembro de 1943.

Quando as tropas americanas e o fuzil M1 retornassem à França, eles o fariam em grande estilo e com grande sucesso. As lições aprendidas com a Operação Jubileu ajudaram a criar a Overlord. A segunda frente estava finalmente aberta, junto com o longo caminho para Berlim.

Nesta foto dramática e encenada, um cabo Ranger mostra a forma (com um fuzil M1 descarregado) que rendeu aos Rangers que serviam com os comandos britânicos elogios por sua pontaria.

Bibliografia recomendada:

The M1 Garand.
Leroy Thompson.

sábado, 23 de abril de 2022

Museu da Baía dos Porcos: Playa Girón, Cuba


Por Rob KrottSmall Arms Review, 19 de junho de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2022.

“Não, não, los mercenarios eram Yanquis... não cubanos!” Esta foi apenas uma das pequenas propagandas que ouvi na minha primeira visita a Cuba. Comigo (e compartilhando minha incredulidade com tais declarações) estava meu velho amigo Jerry Lee, um paraquedista e reservista da polícia militar. “The Guner”, como é conhecido, trabalha na indústria automobilística e atua como DJ de rádio rock n’ roll. Um usinador talentoso, ele construiu legalmente sua própria metralhadora Browning 1919 e pode ser contado para solucionar qualquer problema mecânico de armas de Classe III.

Morte aos imperialistas Yanquis!

Prisioneiros da Brigada 2506 guardados por fidelistas cubanos.
O homem à direita tem um FN FAL.

Depois de ler nossa história, incluindo o exemplar de Jerry do livro The Bay of Pigs: the Leaders’ Story of Brigade 2506, de Haynes Johnson, queríamos ver o local do desembarque em primeira mão. Deslizando ao motorista e ao guia turístico US$ 10 cada, ficamos felizes em deixar os outros turistas para trás. Enquanto nadavam na Playa Larga, que fica na cabeceira da Bahia de Cochinos, a Baía dos Porcos, demos um mergulho na história da Guerra Fria. Ficava a vinte minutos de carro da Bahia de Cochinos, conhecida pela maioria dos cubanos como Playa Girón, em homenagem a Gilbert Giron, um pirata francês que desembarcou lá no século XVII. Contornamos o Parque Nacional de la Cienega de Zapata (Zapata Marshlands Park), uma região selvagem praticamente intocada que abriga 80% da fauna de Cuba, incluindo um grande número de crocodilos. Playa Larga fica na cabeceira da Baía dos Porcos. Foi aqui que uma força de exilados cubanos apoiada pela CIA, a Brigada 2506, invadiu Cuba em 17 de abril de 1961. Negado apoio aéreo suficiente pelo presidente Kennedy, a invasão falhou. A maioria dos homens da Brigada 2506 foram mortos ou capturados. Muitos foram posteriormente executados. Alguns tentaram atravessar os pântanos de água salgada infestados de crocodilos da Cienega de Zapata e morreram. Após a invasão, uma tentativa subsequente dos soviéticos de instalar mísseis balísticos de médio alcance com capacidade nuclear em Cuba provocou a Crise dos Mísseis Cubanos de 1962.

O governo construiu um museu, o Museo de Girón, para comemorar a vitória cubana sobre os imperialistas americanos e seus “mercenários” cubanos. Os exilados cubanos da Brigada 2506 são identificados nas exposições do museu como pertencentes à “Organizacion de la Brigada de Asalto 2506 (mercenaria)”. Ao longo da estrada a caminho de Playa Girón há um outdoor de propaganda comemorando a invasão da Baía dos Porcos. “Playa Girón, primera gran derrota del imperialismo en America Latina” (Praia Girón, a primeira grande derrota do imperialismo na América Latina). Uma inserção mostra uma cena famosa de Castro pulando de sua peça de assalto autopropulsada soviética - um motivo popular na área. Estacionado em frente ao museu está um avião de combate britânico Sea Fury usado pela força aérea de Castro para atacar a força de invasão de exilados cubanos na praia durante a Baía dos Porcos. Eles também deram o inferno aos B-26 destinados a apoiar a invasão.

Fidel Castro comandando a batalha do seu SU-100.

Fidel Castro descendo de um T-34/85 dutante a batalha.

Passando pelos Sea Furry e uma bandeira cubana tremulando na brisa, compramos um ingresso e entramos. Visitamos o museu junto com um grupo de estudantes cubanos usando lenços vermelhos dos Jovens Pioneiros do Partido Comunista. Mais de um puxou a manga de um colega de escola e sussurrou “Yanquis” ou “Imperialistas”. Aqui, longe das armadilhas turísticas da praia de Varadero e Vedado (Havana), os cubanos levam muito a sério sua história política.

Fotografias dos soldados cubanos (na verdade, milicianos locais) mortos nos combates dominaram as exposições, ocupando uma parede inteira. As vitrines estavam cheias de muitos de seus pertences pessoais; uniformes, armas de porte, boinas e insígnias. Armas capturadas na invasão e usadas pelas forças cubanas, juntamente com vários itens de equipamento de campanha, encheram o resto do museu. Então, como aficionados por armas portáteis que colecionam uniformes e militaria, estávamos no céu. Jerry teve o prazer de confirmar em uma exibição que os cubanos da Brigada 2506 usavam uniformes de camuflagem de 13 botões de estrelas do USMC da década de 1950, enquanto eu cobiçava uma autêntica insígnia 2506 (uma bandeira cubana sobreposta a uma cruz branca) com aba. Estudando as fotos de milicianos recebendo armas ainda cobertas de graxa de embalagem, Jerry e eu determinamos que as Milicias, Nacionales Revolucionarias estavam armadas com uma miscelânea de fuzis M-1 Garand Beretta, Springfield 1903, Krag 1896 (o #31640 está em exibição no museu), os primeiros fuzis FN FAL 7,62mm e até uma pistola automática Remington .45. Os pilares eram fuzis tchecos Modelo 52 7,62mm, submetralhadoras soviéticas PPSh-41 e submetralhadoras tchecas Modelo 23 de 9mm - todos "comprados" às pressas pelo governo de Castro do Pacto de Varsóvia e emitidos às pressas para os milicianos, em sua maioria não treinados, da milícia cubana. Embora não fosse a melhor escolha de armas leves de combate disponíveis na época, elas eram adequadas para uso por camponeses analfabetos. O PPSh-41 é um projeto simples e ainda mais simples de operar, enquanto o Modelo 52 e o modelo 23 são projeto excelentes. A submetralhadora Modelo 23 compartilha muitos recursos únicos de projeto com a Uzi. Com sua seqüência de montagem/desmontagem extremamente simples, poderia ser entregue a milicianos não treinados com apenas um breve período de orientação e instrução. Uma submetralhadora de 9mm também não requer muito em termos de treinamento de pontaria!

Insígnia da Brigada Asalto 2506.

Semelhante ao MKb42(W) alemão, o modelo 52 tcheco (7,62mm tcheco) - os tchecos copiaram o sistema de gás exclusivo do MKb42 projetado por Walther - é semiautomático e, portanto, não é um verdadeiro fuzil de assalto. No entanto, com seu carregador de cofre destacável de 10 tiros e calibre pesado, era um páreo para os soldados da Brigada 2506 equipados com carabinas M-1 de calibre .30 e M1 Garands M-1 de 8 tiros.

É claro que também havia uma série de carabinas M-2, fuzis M-1 e pistolas automáticas Colt .45, cortesia do Exército dos EUA através do arsenal de Fulgencio Batista em uso pelos milicianos cubanos. As pistolas Colt 1911 .45 ACP foram usadas extensivamente em ambos os lados da revolução cubana e foram muito admiradas e cobiçadas. Castro é conhecido por ter carregado uma .45 durante a revolução (junto com um fuzil de caça Modelo 70 Winchester) e supostamente tinha a mesma peça com ele na Baía dos Porcos. Uma foto tirada por Lester Cole em Havana alguns dias após a derrubada triunfante do regime de Batista por Castro mostra Castro usando uma M1911 .45. As pistolas robustas e confiáveis continuaram a ser usadas por muitos soldados cubanos até que a distribuição generalizada de armas soviéticas começou. Vários dos M1911 que eu vi em coleções de museus cubanos ostentavam punhos personalizados e eram bem conservados - não é um trabalho fácil nos trópicos.

Milicianos com uma miscelânea de armamentos celebrando a vitória.

Milicianos e regulares posando com um barco capturado dos brigadistas.

Mas, os exilados invasores estavam armados com mais do que carabinas e pistolas. Como a tarefa da Brigada era garantir uma cabeça de praia e avançar para o interior, eventualmente dirigindo para Havana (como isso foi previsto, dadas as estradas ruins e a distância até a costa norte ainda me intriga), os pelotões de petrechos pesados estavam todos equipados. Armas pesadas capturadas na invasão e agora em exibição incluíam um morteiro M-30 4,2 “Four Deuce”, um canhão sem recuo de 75mm para trabalho antitanque e uma metralhadora Browning calibre .30. Uma pesada arma automática usada pela milícia cubana, uma metralhadora tcheca modelo 37 (ZB53) de 7,92 mm - precursora da metralhadora de tanque Besa de fabricação britânica - me causou problemas com uma das matronas do museu quando destravei a alça do cano de troca rápida/mecanismo de trancamento do cano. “Just czeching”, eu disse a ela.

Não é à toa que o Modelo 37 foi usado pelas forças de Castro na praia da Baía dos Porcos, pois o Modelo 37 foi fabricado em grande número expressamente para exportação. O ZB-37, também conhecido como Modelo 53 (ZB-53), tem uma cadência de tiro lenta (500 rpm) ou mais rápida (700 rpm), dependendo do seletor. Com uma alimentação à direita de 100 ou 200 tiros em correias metálicas, esta metralhadora pesada de 7,92mm provou ser um cavalo de batalha confiável em teatros de combate em todo o mundo. Também em exibição estava uma arma antiaérea de quatro canos (que acredito ser um ZSU-23-4 de modelo inicial) - teria sido um verdadeiro terror no papel de apoio terrestre se fosse usado para varrer a praia. Também pode ter contribuído para a derrubada dos B-26 perdidos durante a invasão, embora isso seja apenas especulação. Os zeladores do museu foram muito prestativos e surpresos ao ver a quantidade de tempo e atenção que demos às exposições. Eu não acho que eles tenham muitos veteranos militares americanos aqui.

Canhão anti-aéreo das FAR na Baía dos Porcos.

No caminho de volta para Varadero, paramos na Austrália, uma cidade batizada com o nome da empresa-mãe de sua usina de açúcar. Saltamos da minivan e começamos a procurar o antigo posto de comando de Castro durante a Baía dos Porcos. Sabíamos que era aqui na Austrália pelos livros de história e porque havia um outdoor ao lado da estrada anunciando isso. “Aqui esta comandancia de las FAR” (FAR: Fuerzas Armadas Revolucionarias - Forças Armadas Revolucionárias). Encontrar o prédio real usado como posto de comando de Fidel exigiu um pouco de perambulação, embora estivesse a apenas um quarteirão da placa. Todos, exceto nosso guia turístico, sabiam onde tinha estado. Lá encontramos uma pequena coleção de fuzis antigos, incluindo dois Winchesters e um Remington Rolling Block. Ambos provavelmente foram usados na Guerra Hispano-Americana.

Gostei muito da minha primeira visita a Playa Giron. Além de visitar o museu e caminhar pela praia, havia uma emoção inerente só de estar lá - no país que é o último, mais próximo e desafiador inimigo da Guerra Fria dos Estados Unidos da América.


Rob fez 3 visitas subsequentes ao Museu Playa Giron. Para leitura adicional sobre a Baía dos Porcos, consulte: The Bay of Pigs; the Leaders Story of Brigade 2506, Haynes Johnson, et al W.W. Norton Co. 1964, 1ª edição.

Este artigo apareceu pela primeira vez na revista Small Arms Review V3N7 (abril de 2000) e foi publicado online em 19 de junho de 2015.

Fotos do Museu

Outdoor de propaganda na Baía dos Porcos: "Playa Girón, a primeira grande derrota do imperialismo na América Latina". A inserção no "O" mostra uma famosa cena de Castro pulando da torre de um T-34/85.

O autor Rob Krott sentado em um antigo bunker e olhando para Playa Largo ao sul da Baía dos Porcos.

Material capturado dos brigadistas, incluindo uma submetralhadora M3 Grease Gun, um camuflado e uma insígnia.

Fuzil FAL com guarda-mão e coronha de madeira e submetralhadora SA 23 tcheca.

Cartão Postal de Cuba: "METRALLETAS", Ciudad Libertad 1960, La Habana, Cuba.

Browning .30 recuperada após o fracasso da invasão.

Exilados cubanos camuflados da Brigada 2506 são levados ao cativeiro ou à execução. Observe os fuzis FN FAL brandidos pelos milicianos.

As armas pesadas dominam o centro do salão do museu.

Pintura a óleo retratando a famosa cena de Castro pulando de um tanque T-34/85. Esta pintura está pendurada no Museu da Revolução em Havana.

quinta-feira, 4 de março de 2021

O exército chinês se prepara para um combate anfíbio em uma ilha, provavelmente ao sul do Equador


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 4 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de março de 2021.

Em 2019, um relatório apresentado ao Congresso pelo Pentágono estimou que o Exército de Libertação do Povo (PLA) ainda não tinha os meios para lançar uma operação anfíbia em grande escala, especialmente contra Taiwan. Assim, o documento apontava que faltavam embarcações do tipo Landing Ship Tank (LST, embarcação de desembarque de carros de combate), mas que, no entanto, possuíam meios suficientes para "apreender e controlar" pequenas ilhas.

No entanto, a ênfase principal de Pequim na época era a construção de navios de assalto anfíbios Tipo 071, com oito unidades planejadas, a fim de fornecer ao PLA uma capacidade expedicionária no exterior. O que parecia lógico em vista do projeto "novas estradas da seda".


Mas, além desses navios, a marinha chinesa também será equipada com tantos navios de assalto anfíbio Tipo 075, bem maiores que os anteriores, com um deslocamento de 37 mil toneladas e capacidade para transportar cerca de 30 helicópteros. Uma unidade está atualmente realizando testes de mar, enquanto outras duas estão em construção.

Enquanto isso, as capacidades de combate anfíbio do PLA são, portanto, baseadas exclusivamente em navios do Tipo 071, o último dos quais a entrar em serviço em janeiro de 2019 é o "Wuzhi Shan".

Precisamente, este edifício faz parte de um "grupo expedicionário", composto pelo contratorpedeiro Yinchuan Tipo 052D, o petroleiro-abastecedor Chaganhu Tipo 901, uma fragata Hengyang Tipo 054A e o navio espião Tipo 815 "Tian Shuxing", especializado na coleta de informações de origem eletromagnética.


No entanto, este grupo "expedicionário" acaba de realizar uma série de exercícios "conjuntos", incluindo um desembarque em local não-especificado pelo PLA.

As embarcações de desembarque pneumáticas Tipo 726 (que são equivalentes às LCAC americanas - Landing Craft Air Cushioned embarcações de desembarque pneumáticas) transportaram para uma praia não-identificada tanques Tipo 96, bem como unidades de infantaria da Marinha. Esse movimento foi apoiado por bombardeiros H6K, que podem ser reabastecidos em vôo, bem como por caças-bombardeiros Su-30.

As manobras foram planejadas para "explorar táticas de combate interarmas muito intensas em águas distantes", relatou a CCTV, emissora de televisão estatal chinesa. Para os analistas militares citados pelo Global Times, jornal afiliado ao Partido Comunista da China (PCC), eles têm, acima de tudo, demonstrado a capacidade do PLA de "defender a soberania e os interesses" da China.


Esses exercícios "melhoraram a capacidade de combate interarmas do PLA em regiões desconhecidas. A China deve se preparar para o combate e operações militares em regiões remotas do continente, a fim de defender sua soberania, segurança e interesses”, comentou Song Zhongping - autor do artigo.

Resta saber onde essas manobras, que duraram cerca de dez dias, aconteceram. De acordo com um vídeo do PLA transmitido na rede social Weibo, esta flotilha formada em torno do navio de assalto anfíbio "Wuzhi Shan", cruzou o Equador em 25 de fevereiro, o que sugere que se dirigiu para a Oceania ou o sul do Oceano Pacífico, regiões onde a China tem algumas “obrigações” financeiras, como na Papua Nova Guiné.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:







terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

ENTREVISTA: Contra-Almirante Li Xiaoyan sobre o treinamento dos fuzileiros navais chineses no Deserto de Gobi

Do site Chinanews.com, 18 de janeiro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de fevereiro de 2021.

Contra-Almirante: O treinamento de inverno do Corpo de Fuzileiros Navais no Deserto de Gobi é uma prática normal.

PEQUIM, 18 de janeiro (ChinaMil) - Milhares de soldados do Corpo de Fuzileiros Navais e um regimento de operações especiais da Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) manobraram quase 6.000km em sete províncias com vários tipos de equipamento de combate no primeiro dia de 2016 para conduzir o treinamento de inverno na Base de Treinamento de Korla, localizada no Deserto de Gobi, na Região Autônoma de Xinjiang Uygur, noroeste da China.

O Contra-Almirante Li Xiaoyan, comandante do treinamento de inverno e vice-chefe do Estado-Maior da Frota do Mar da China Meridional da Marinha do PLA, concedeu uma entrevista exclusiva.

Jornalista: Por favor, apresente o treinamento de inverno brevemente.

Li Xiaoyan: Selecionamos mais de 2.000 soldados do Corpo de Fuzileiros Navais e de um regimento de operações especiais da Marinha do PLA, bem como vários tipos de veículos para participar do treinamento de inverno.

Durante o treinamento, as tropas realizaram um treinamento realista em uma série de assuntos, incluindo operações ofensivas e confronto de tropas reais no Deserto de Gobi sob condições de clima frio extremo, que testou totalmente a capacidade de combate dos fuzileiros navais.

Jornalista: Como você transportou uma tropa tão grande?

Li Xiaoyan: Conforme planejado, os milhares de fuzileiros navais e membros de operações especiais da Marinha do PLA e vários tipos de equipamentos foram transportados para uma base de treinamento em Xinjiang por meio de projeção de tropas multidimensional e 3D, cobrindo rodovias, hidrovias, ferrovias e transporte aéreo. Até agora, esta é a projeção de força de maior distância da Marinha do PLA envolvendo a maioria das abordagens.

Jornalista: O senhor acabou de mencionar que um regimento de operações especiais da Marinha do PLA também participou desse treinamento de inverno. Qual é o significado disso?

Li Xiaoyan: O regimento de operações especiais da Marinha do PLA vem realizando operações especiais, como antiterrorismo marítimo, reconhecimento e operações de sabotagem há muitos anos.

Sua participação em tal treinamento realista no deserto, o qual é muito diferente das condições marítimas com as quais eles estão familiarizados, ajudará a aumentar a capacidade das tropas de operações especiais da Marinha do PLA de realizar várias tarefas, independentemente das restrições regionais, espaciais e climáticas.

Jornalista: O Corpo de Fuzileiros Navais concluiu o treinamento na região fria, no planalto, na floresta e em outras áreas complicadas, e agora chegou ao Deserto de Gobi. Podemos dizer que o Corpo de Fuzileiros Navais é capaz de combate em todo o terreno agora?

Li Xiaoyan: O Corpo de Fuzileiros Navais tem participado sucessivamente do treinamento trans-MAC na Base de Treinamento de Zhurihe, no frio nordeste da China, no planalto e no Deserto de Gobi, e progrediu e acumulou experiências, mas não atingiu a meta de combate em todo o terreno ainda.

Estamos fazendo o possível para progredir e melhorar por meio de treinamentos, de forma a permitir que os fuzileiros navais se adaptem melhor aos diferentes ambientes. Estamos constantemente melhorando sua capacidade de combate em todo o terreno.

Jornalista: Quais são os destaques desse treinamento?

Li Xiaoyan: É um treinamento realista durante todo o tempo. Começando com a projeção de poder, projetamos cenários inimigos, colocamos as tropas em confrontos realistas, cancelamos o treinamento adaptativo anterior e iniciamos diretamente o treinamento de confronto. Este treinamento está mais próximo de um combate real em termos da forma de organização.

Jornalista: Cada vez que o Corpo de Fuzileiros Navais organizava operações trans-MAC, isso chamava muita atenção em casa e no exterior. Alguns meios de comunicação até o descreveram como “tendo segundas intenções”. Qual a sua opinião?

Li Xiaoyan: Isso é um mal-entendido. O padrão de treinamento usual e o tema atual enfrentado por todos os fuzileiros navais ao redor do mundo é o combate todo-o-terreno, incluindo operações de combate em diferentes estações e regiões.

O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA é um exemplo clássico de operações globais em todos os terrenos e climas. Por meio do "Devil Training" que desafia o limite fisiológico, o treinamento de sobrevivência em campo e o treinamento de combate em florestas, cidades, campos e regiões frias, tempera o corpo forte, a vontade firme e a capacidade de combate em todo o terreno dos fuzileiros navais.

O objetivo de ter o treinamento de inverno no Deserto de Gobi de Xinjiang é melhorar as capacidades e habilidades dos membros de operações especiais da Marinha do PLA, em vez de visar a qualquer problema ou região específica de hotspot. É um treinamento normal do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do PLA.

Jornalista: Que treinamento você acha que o Corpo de Fuzileiros Navais deve realizar a seguir?

Li Xiaoyan: O Corpo de Fuzileiros Navais é uma força todo-o-terreno. No momento, nosso treinamento de inverno ainda está em estágio de aperfeiçoamento, perfeição e exploração, e iremos organizar um resumo auto-reflexivo de cima para baixo após este treinamento.

Dado o vasto território da China, regiões frias, deserto, planalto e floresta são todos "destinos" de nossos exercícios normalizados.

Consideraremos o estabelecimento do mecanismo de coordenação de projeção de poder 3D civil-militar para realizar uma projeção de poder mais eficiente. E exploraremos o caminho do uso de recursos civis e da integração civil-militar para tornar o treinamento mais eficiente.

Além disso, o treinamento realista do Corpo de Fuzileiros Navais deve se desenvolver na direção de um confronto integrado envolvendo mais armas e serviços.

Os autores são Shang Wenbin, Liang Jingfeng e Li Youtao, repórteres do Chinanews.com. Editor: Yao Jianing.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

Fuzileiros navais da China: menos é mais30 de junho de 2020.

GALERIA: Competição de fuzileiros navais estrangeiros na Rússia15 de dezembro de 2020.

VÍDEO: A China tem disputas de fronteira com 17 países26 de setembro de 2020.

China - Japão: tensões renovadas no mar ao largo das Ilhas Senkaku8 de fevereiro de 2021.

A era da lei marcial lança uma longa sombra sobre as forças armadas de Taiwan6 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Manobra blindada nas Montanhas Celestiais11 de abril de 2020.

GALERIA: O T-72 polonês em direção à Lituânia8 de novembro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas29 de março de 2020.

FOTO: Assalto chinês na Batalha das Ilhas Yijiangshan4 de abril de 2020.

FOTO: Chineses do Kuomintang na Birmânia23 de novembro de 2020.

A evolução dos exercícios Vermelho-Azul do PLA10 de novembro de 2020.

domingo, 13 de dezembro de 2020

FOTO: Sherman nas selvas do Pacífico

M4 Sherman "Lucky Legs II" lidera o avanço da infantaria americana na mata fechada, iluminada apenas por alguns feixes de luz que conseguem passar pelas copas em Bougainville, 16 de março de 1944. (Colorização de James, u/vorst17735)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de dezembro de 2020.

Estes homens do 129º Regimento de Infantaria do exército americano asseguram o perímetro ao amanhecer, seguindo infiltrações japonesas na noite anterior.

O Sherman era "cachorro grande" no Pacífico, sendo muito superior a todos os tanques japoneses. Produzido em massa e projetado para ser transportado pelo mar sem a necessidade de grandes guindastes de descarregamento em portos, o Sherman entrou em ação em todos os teatros de operação terrestres na guerra.

Com as pesadas perdas americanas em Tarawa, em 1943, ficou decidido que o Sherman necessitava de limitada capacidade anfíbia, de modo a entrar em ação nas primeiras levas de desembarque e garantir mobilidade tática "na linha d'água". Isso foi um choque para o Comando japonês, pois era esperado que os americanos poderiam contar apenas com os leves Stuart nos primeiros dias de invasão.

Sequência da mesma unidade durante o contra-ataque japonês ao alojamento americano em torno de Torokina, Batalha de Bougainville, 16 de março de 1944.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

GALERIA: Operação de limpeza com blindados em Tu Vu25 de abril de 2020.

GALERIA: Blindados Anfíbios do 1er REC na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Manobras com o Sherman no Brasil, 195730 de janeiro de 2020.

FOTO: Sherman japonês, 6 de outubro de 2020.

FOTO: Um Sherman em San Martino, 14 de agosto de 2020.

FOTO: Shermans soviéticos do 6º de Guardas31 de janeiro de 2020.

FOTO: Um M24 Chaffee no Tonquim9 de julho de 2020.

FOTO: M113 australiano no Vietnã13 de dezembro de 2020.

"Tanque!!": A presença duradoura dos carros de combate na Ásia6 de setembro de 2020.

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

GALERIA: Blindados Anfíbios do 1er REC na Indochina

Veículo anfíbio LVT-4 "Alligator" (versão obuseiro) do GA 2 do 1er REC em um estacionamento durante a Operação Auvergne.
A torre tem a granada de sete flamas da Legião Estrangeira Francesa.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de outubro de 2020.

O 2º Grupamento Anfíbio (2e Groupement Amphibie, GA 2), formado por esquadrões do 1er REC (1er Régiment Étranger de Cavalerie/ 1º Regimento Estrangeiro de Cavalaria) equipados com veículos anfíbios Weasel M29 "Crabes" (Caranguejos) e LVT-4 "Alligator" (Jacaré). Estes blindados foram fotografados por René Adrian para o ECPAD durante a Operação Auvergne, a evacuação do delta do Tonquim em junho de 1954.

Fazendo uso da técnica de ação anfíbia agressiva com esses blindados, originalmente projetados apenas para o transporte, iniciada pelos 1er e 2e REC, o GA 2 liderou uma série de operações no setor de Nam-Dinh, servindo como suporte para os GM (Grupos Móveis) operando no triângulo de Nam-Dinh, Ninh-Binh e Phu-Ly, ultrapassando terreno pantanoso quase intransponível. Reparos e manutenção constantes eram necessários em todos os veículos anfíbios usados ​​durante essas operações neste tipo de terreno inclemente, o que foi feito mesmo com recursos limitados.

Veículo anfíbio Weasel M29 "Crabe" do GA 2 do 1er REC no mirante durante a Operação Auvergne. Ele tem um caranguejo na proa, o símbolo dos grupos anfíbios.

Uma tripulação do Weasel M29 "Crab" do GA 2 1er REC na areia pronta para partir em uma nova missão durante a Operação Auvergne. Um desses veículos, com o mesmo distintivo do 1er REC está preservado no Museu de Blindados de Saumur.

Um esquadrão do GA 2 formado por esquadrões 1er REC equipados com veículos anfíbios LVT-4 "Alligator" retornando a Nam-Dinh durante a Operação Auvergne. Os sargentos do esquadrão usam o "képi" (quepe) preto, enquanto os legionários usam o famoso "képi blanc" (quepe branco) e os supletivos vietnamitas a boina branca.

Um veículo anfíbio LVT-4 "Alligator" (versão obuseiro) do GA 2 do 1er REC sai do rio para chegar a um estacionamento durante a Operação Auvergne.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.

GALERIA: Largagem paraquedista em Quang-Tri durante a Operação Camargue2 de outubro de 2020.

GALERIA: Bawouans em combate no Laos28 de março de 2020.

GALERIA: Operação Chaumière em Tay Ninh com o 1er BPVN16 de junho de 2020.

GALERIA: Operação de limpeza com blindados em Tu Vu25 de abril de 2020.