Mostrando postagens com marcador Guerra Irã-Iraque. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra Irã-Iraque. Mostrar todas as postagens

domingo, 20 de fevereiro de 2022

Uma opinião persa sobre o M1 Garand


Por Miles, The Firearms Blog, 27 de outubro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de fevereiro de 2022.

A história do M1 Garand no Irã destaca uma história de política entrelaçada que se estende por décadas e ainda é vista hoje. Mais do que apenas a história de um rifle de serviço no Oriente Médio e Norte da África (Middle East and North AfricaMENA) e na região da Ásia Central, ele atravessa intrigas políticas e históricas. Misturada está a história da ajuda militar estrangeira americana sustentando o regime do xá, a Revolução Islâmica em 1979, a Guerra Irã-Iraque que se seguiu e, em seguida, a disseminação do fuzil nas proximidades do Iraque e Afeganistão, possivelmente até na Síria, como alguns exemplares recentes de vários grupos rebeldes lá mostram.

Do período de 1963 a 1967, as forças armadas americanas estabeleceram uma missão de vendas militares estrangeiras (Foreign Military Sales, FMS) para o Irã. Nesse período, os Estados Unidos estavam apoiando Mohammad Reza Shah Pahlavi em seus esforços para reforçar seu exército de 160.000 homens. O Irã foi um aliado extremamente importante dos Estados Unidos contra a União Soviética, devido à sua presença estratégica opondo a o baixo ventre macio da Ásia Central controlada pelos soviéticos. Os anos 60 viram uma tremenda entrada de armas fornecidas pelas forças armadas americanas e até a construção de várias bases aéreas militares no Irã. Dentro deste programa, o xá comprou cerca de 165.493 fuzis M1 Garand que foram enviados para o Irã em 1963, o suficiente para armar todo o exército iraniano, substituindo os K98 Mauser persas produzidos localmente que estavam em serviço. Trinta e dois fuzis sniper M1D também foram enviados em 1966. A esmagadora maioria desses M1s parece ser de fabricação da International Harvester (Evansville, IN). Fuzis da International Harvester são extremamente raros nos Estados Unidos, devido ao fato de que a maioria desses fuzis foi usada para ajuda externa e, portanto, a maior parte não foi reimportada para os Estados Unidos.

Abaixo estão dois clipes da Administração de Registros de Arquivos Nacionais (National Archives Records Administration, NARA) mostrando uma demonstração de armas portáteis para oficiais iranianos em 1956. Embora não haja fuzis M1s a demonstração mostra várias outras armas também entregues ao Irã, incluindo M1A1 Thompsons, pistolas 1911 e metralhadoras médias M1919A4/A6 (não retratadas no filme).

Demonstração de armas portáteis por conselheiros militares americanos com oficiais iranianos 1956



Através deste ensaio fotográfico vamos dar uma olhada na linha do tempo desses 165.493 Garands, até hoje onde eles foram parar.

Durante o reinado do xá

Embora o Exército do xá estivesse totalmente armado com fuzis M1, não restam muitas fotografias desse período que mostrem o M1 em serviço com tropas de infantaria. Em vez disso, o que temos são uma série de fotografias que mostram treinamento e cerimônias sendo conduzidas por soldados do sexo feminino dentro do exército. Este é provavelmente o resultado do esforço do xá para modernizar e secularizar o Irã, especialmente no que diz respeito aos direitos das mulheres. Isso mais tarde provou ser uma de suas quedas porque ele estava simultaneamente marginalizando a autoridade do clero. O que estamos vendo nas fotos abaixo é um esforço altamente divulgado para mostrar as mulheres dentro do exército, completando o treinamento com fuzil e participando de cerimônias oficiais.


Observe o capacete do Exército dos EUA nos soldados e a insígnia de sargento no instrutor. Isso provavelmente se deve à padronização do Exército do xá nos padrões atuais do Exército dos EUA, que teriam sido aprovados pelos conselheiros americanos.





A munição .30-06 com estopilha Berdan foi produzida no Irã, já que a munição de 7,92mm foi produzida anteriormente para os Mausers persas. As vendas militares estrangeiras mostram que os Estados Unidos forneceram pelo menos 30 milhões de munições .30-06 ao Irã durante esse período. Os carimbos na base do estojo consistem em uma coroa na posição das 12 horas, os algarismos “44” em farsi e a letra “Alef” (ا) à direita e “Meem” (م) à esquerda (leia da esquerda para a direita). Isso significa Grupo de Indústrias de Munições e Metalurgia, uma empresa estatal. Após a Revolução Islâmica, a empresa continuou a funcionar e existe hoje como o Grupo das Indústrias de Munições. É possível comprar esta munição nos Estados Unidos como munição iraniana excedente importada .30-06.




Em meio à Revolução

O M1 foi substituído pelo fuzil Heckler & Koch 7,62x51mm G3A6 na década de 1970. Os G3A6 foram fabricados sob licença no Irã e diferem do G3 padrão por ter um guarda-mão e coronha verde escuros. Parte da mudança para o G3 ocorreu junto com várias outras compras de armas da Alemanha Ocidental. Isso se deveu principalmente à diminuição do apoio dos Estados Unidos em vista do xá se tornar mais autoritário e impopular entre o povo do Irã. Em janeiro de 1979, o xá fugiu formalmente do Irã, com o aiatolá Khomeini voando para Teerã para trazer seu conceito de “Violati Faqih”, ou um governo de juristas islâmicos. Durante esse período, houve grande agitação, pois manifestantes estudantis e rebeldes invadiram os arsenais estatais, armando-se com tudo o que podiam. Isso incluiu todos os Garands que deixaram o serviço no início dos anos 1970.






Guerra Irã-Iraque

No momento em que os esforços do aiatolá Khomeini se consolidavam, Saddam Hussein no Iraque viu uma oportunidade de tirar vantagem de um Irã desorganizado. Apoiado pelos Estados Unidos, o Iraque invadiu o Irã e iniciou uma das guerras mais caras da história moderna do MENA. A guerra resultante durou toda a década de 1980 e foi efetivamente um impasse com nenhum dos lados conseguindo uma vitória decisiva sobre o outro. Nesse período, o Irã estava desesperado por armas portáteis e, ao lado do G3A6, começou a importar grandes quantidades de Tipos 56 chineses (variante AKM chinesa). Mais tarde, o Irã iniciou a produção local do Tipo 56 sob a nomenclatura KL-7,62. Durante a Guerra Irã-Iraque, o M1 viu muito pouco serviço na frente, sendo superado pelos AKM Tabuk de fogo seletivo, munição intermediária e alimentação por carregador em uso pelo Iraque. Assim, os fuzis M1 restantes foram regulamentados para um papel de Guarda Nacional e milícia na frente doméstica. Curiosamente, em um retorno ao passado, vários grupos femininos da Guarda Nacional estavam armados com o M1 enquanto desempenhavam suas funções atrás das linhas de frente.

Esta fotografia foi tirada por um conhecido fotógrafo iraniano chamado Kaveh Golestan. A suposta explosão ao fundo parece ser apenas o resultado do soldado caindo da colina. O soldado parece ser um adolescente e provavelmente não foi levado ao frente. Em vez disso, isso provavelmente faz parte do treinamento da Guarda Nacional atrás da linha de frente. O número do arsenal na coronha diz “2/7” em farsi.





Uma foto muito rara do M1 em serviço. Esta foto foi tirada do lado de fora de uma refinaria de petróleo que havia sido atingida pelos iraquianos. Mesmo assim, as tropas retratadas provavelmente fazem parte de uma unidade de milícia local e não das forças armadas, que teriam equipamentos mais modernos. Observe os porta-carregadores AKM na tralha de lona do segundo indivíduo da esquerda, indicando que uma infinidade de armas foram emitidas dentro da mesma unidade, incluindo fuzis AKM e Garand.


Ambos os cartazes faziam parte de uma longa série de cartazes de propaganda publicados durante a guerra e afixados em todo o país. O uso do M1 Garand provavelmente ressoaria com civis acostumados a ver o M1 em uso pelas Forças de Defesa Femininas e outros auxiliares civis, em vez de um pôster ressoando com combates na frente que retrataria um G3A6 ou AKM. O uso de crianças e mulheres na defesa doméstica mostra a grave escassez de mão de obra devido à tensão da guerra sobre o Irã.



Caches de armas OIF-OEF

Após a Guerra Irã-Iraque, o M1 começou a desaparecer dos olhos do público, com o fim da guerra e a eclosão da paz. O exército iraniano menos sobrecarregado na frente trouxe de volta fuzis modernos suficientes para equipar unidades em casa e, assim, os antigos M1 entraram em aposentadoria final. No entanto, este não é o fim do M1 no Irã, pois parece que um grande número deles chegou ao Iraque e ao Afeganistão através do comércio de armas portáteis no mercado negro. Há muito mais comércio civil entre o Irã e o Iraque do que com o Afeganistão, portanto, temos muito mais evidências do Garand no Iraque do que no Afeganistão. Nesse contexto, as tropas americanas começaram a encontrar fuzis M1 em caches (esconderijos) por toda parte em ambos os países.

A foto abaixo foi tirada por um fuzileiro naval americano no mesmo distrito em que estive enquanto estava no Afeganistão, o distrito de Nawa, na província de Helmand. Munição foi encontrada, mas não havia um M1 acompanhante.







Um dos poucos Winchesters encontrados no Iraque. A maioria dos M1 encontrados na OIF/OEF eram do modelo da International Harvester.






Uso moderno no Iraque, Síria e Líbano

As fotos abaixo encontradas no Iraque, uma delas estava completa com clipes em bloco carregados em bandoleiras!



Entre a atual turbulência na Síria, uma enorme variedade de armas portáteis veio à tona através de vários grupos rebeldes se armando com o que estiver disponível. Estes exemplares abaixo foram de fuzis M1 em uso por vários beligerantes no Líbano. Devido à proximidade, a origem desses Garands libaneses pode ter vindo de armas portáteis contrabandeadas da Grécia ou da Turquia; ambos os países foram equipados com o M1 sob programas semelhantes de vendas militares estrangeiras dos EUA que equiparam o Irã na década de 1960. No entanto, a menos que possamos obter algumas fotos do bloco do receptor dos números de série, só podemos especular.



Leitura recomendada:

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

LIVRO: A Guerra Irã-Iraque - a Primeira Guerra do Golfo, 1980-1988

Défense & Sécurité Internationale (DSI) n° 98, 15 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de fevereiro de 2022.

A Guerra Irã-Iraque:

A Primeira Guerra do Golfo, 1980-1988

Pierre Razoux

Editora Perrin, Paris, 2013, 604 páginas.

Uma quantidade. O trabalho, certamente denso, que Pierre Razoux nos dá, remonta à maior e mais longa guerra terrestre, naval e aérea (falamos, por exemplo, de 600.000 ataques aéreos) entre dois exércitos nos últimos trinta anos. Uma guerra que deveria ser limitada e que se tornou total, varrendo as convenções aceitas: o uso de crianças, gás venenoso, mísseis balísticos, ataques contra navios civis que navegam em águas internacionais. Mas também uma guerra de oito anos, reflexo de interesses muito variados e onde nos deparamos com ajudas como a Realpolitik francesa, americana, soviética ou chinesa (neste sentido, as 60 páginas de anexos sozinhas já valem a compra). Em mais de 600 páginas e 30 mapas, o autor dá conta de um minucioso trabalho de pesquisa, um verdadeiro desafio.

Mas o livro é, antes de tudo, uma ferramenta de trabalho: uma excelente história refletindo fielmente o estado do conhecimento, além de trazer novos. P. Razoux baseou-se assim e em particular em fontes inéditas, incluindo gravações recuperadas pelos americanos na queda de Bagdá, em 2003. Portanto, não é apenas por ser o primeiro trabalho em francês sobre essa questão que ele é imediatamente uma referência. O método de trabalho adotado permite ao autor levar em conta a guerra como um todo: contextos sociopolíticos, sociologia das forças, movimentos militares, evolução do posicionamento dos atores, incluindo capitais alheias ao conflito.

Existem alguns pequenos erros (os Vosper não são uma classe de fragatas, mas o nome do fabricante), mas são anedóticos. Este livro Guerre Iran-Irak também abre caminho para um verdadeiro programa de pesquisa: esse formidável banco de dados será de grande interesse, por exemplo - mas não só - para o estrategista que trabalha no processo de adaptação técnica e operacional de exércitos. Sem dúvida, deve ser lido.

Tropas iranianas com máscaras de gás avançam pelos pântanos sob um ataque químico iraquiano, Operação Aurora 8, Primeira Batalha de al-Faw, fevereiro-março de 1986.

Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: 36 anos depois, a Guerra Irã-Iraque ainda é relevante24 de maio de 2020.

FOTO: Soldados iraquianos celebrando no Irã8 de fevereiro de 2022.

FOTO: Iranianos em combate urbano em Khorramshahr8 de fevereiro de 2022.

FOTO: T-62 iraquiano atolado27 de julho de 2021.

FOTO: Tom Celek iraquiano20 de agosto de 2020.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

FOTO: Iranianos em combate urbano em Khorramshahr

Soldados iranianos em combate na cidade de Khorramshahr, 1980.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de fevereiro de 2022.

Soldados iranianos em combate urbano contra os iraquianos. Eles estão equipados com capacetes M1 americanos e fuzis HK G3 alemães.

A Batalha de Khorramshahr foi um grande confronto entre o Iraque e o Irã na Guerra Irã-Iraque. A batalha ocorreu de 22 de setembro a 10 de novembro de 1980. Amplamente conhecida por sua brutalidade e condições violentas, Khorramshahr passou a ser chamada pelos iranianos de Khuninshahr (em persa: خونین شهر), "Cidade de Sangue". Khorramshahr caiu nas mãos dos iraquianos em 10 de novembro de 1980, e permaneceu ocupada por quase dois anos. A sua defesa e libertação tornou-se um grito nacional iraniano.

Soldados iranianos armados com fuzis HK G3, metralhadora MG3 e lança-rojão RPG-7.

A batalha durou 34 dias e sugou as forças iraquianas muito além do que os planos de guerra do Iraque previam. Quatro generais iraquianos morreram por Khorramshahr, três deles executados por sugerirem que o exército evacuasse a cidade. Por sua vez, esta batalha permitiu ao Irã estabilizar as linhas de frente em Dezful, Ahvaz e Susangerd, e mover reforços para o Cuzestão. Khorramshahr estava sendo defendida principalmente pelos Comandos da Marinha - o 1º Batalhão de Fuzileiros Navais Takavar na Base Naval de Khorramshahr -, em grande desvantagem numérica, algumas unidades da 92ª Divisão Blindada, combatentes Pasdaran e voluntários civis.

Khorramshahr eventualmente foi recapturada recapturado pelos iranianos durante a Operação Beit-ol-Moqaddas em 1982, um ponto de virada na guerra - à partir de então, travada em solo iraquiano.

FOTO: Soldados iraquianos celebrando no Irã

Soldados iraquianos celebrando a invasão do Irã em 25 de setembro de 1980.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de fevereiro de 2022.

Em 22 de setembro de 1980, o Exército Iraquiano baathista invadiu o Irã surpreendendo o regime iraniano do Aiatolá Kohmeini. Inicialmente, os iraquianos avançaram em todas as frentes, tomando vários quilômetros de território e colocando sob cerco várias cidades iranianas como Abadan e Khorramshahr. Nesse período, eles tinham razões para comemorar o que parecia uma campanha curta e bem sucedida.  O cerco de Khorramshahr tornar-se-ia a maior batalha urbana da Guerra Irã-Iraque, travada em duas fases, amplamente conhecida por sua brutalidade e condições violentas, Khorramshahr passou a ser referida pelos iranianos como Khuninshahr ("Cidade de Sangue"). A batalha durou 34 dias e viu um imenso investimento das forças iraquianas, muito além do que os planos de guerra do Iraque previam. A cidade caiu nas mãos dos iraquianos em 10 de novembro de 1980.

Soldados iraquianos posam diante de um mural crivado de balas com a imagem do Aiatolá Khomeini.
Um dos soldados bate no retrato com um sapato, um símbolo de afronta no mundo árabe.

Das seis divisões iraquianas que invadiram por terra, quatro foram enviadas ao Cuzestão, localizado perto do extremo sul da fronteira, para isolar o Shatt al-Arab do resto do Irã e estabelecer uma zona de segurança territorial. As outras duas divisões invadiram a parte norte e central da fronteira para evitar um contra-ataque iraniano. Duas das quatro divisões iraquianas, uma mecanizada e outra blindada, operaram perto do extremo sul e iniciaram um cerco às cidades portuárias estrategicamente importantes de Abadan e Khorramshahr.

As duas divisões blindadas garantiram o território delimitado pelas cidades de Khorramshahr, Ahvaz, Susangerd e Musian. Na frente central, os iraquianos ocuparam Mehran, avançaram em direção ao sopé das montanhas Zagros e conseguiram bloquear a tradicional rota de invasão Teerã-Bagdá, garantindo território à frente de Qasr-e Shirin, no Irã. Na frente norte, os iraquianos tentaram estabelecer uma forte posição defensiva em frente a Suleimaniya para proteger o complexo petrolífero iraquiano de Kirkuk.


Bibliografia recomendada:

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.
Kenneth M. Pollack.

terça-feira, 27 de julho de 2021

FOTO: T-62 iraquiano atolado

Um T-62 iraquiano atolado num pântano durante a guerra contra o Irã, anos 1980.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de julho de 2021.

A Guerra Irã-Iraque, que durou de 1980 a 1988, viu incontáveis batalhas em terreno pantanoso nas regiões de Abadan, próxima à península de al-Faw, de Bostan, nos pântanos de Hawizeh e nas ilhas Majnoon.

O T-62, já ultrapassado pelo T-72, enfrentou carros de combate ocidentais iranianos comprados na época do Xá. Em algumas ocasiões até conseguiram alguns disparos de sorte, mas ambos os lados operavam seus equipamentos com baixíssima capacidade por falta de treinamento.

Chieftain Mk3/5 iraniano nocauteado por um disparo de 115mm de um tanque T-62 iraquiano (munição 3UBM5 ou 3UBM9 APFSDS/Flecha).
Disparo de sorte, atravessou o mantelet, o ponto menos blindado possível.

Cena de combate entre iranianos e carros T-72 iraquianos


Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:




FOTO: T-62M no Passo de Salang, 28 de janeiro de 2020.


quinta-feira, 20 de agosto de 2020

FOTO: Tom Celek iraquiano

Coronel Abdullah Faraj Al-Azzawi, Força Aérea Iraquiana, piloto de MiG-25 vestindo o traje de pressão parcial de grande altitude nos anos 80, durante a guerra contra o Irã. 

O traje VKK-6 e o capacete GSH-6, modelos soviéticos, aparentemente foram fabricados na Bulgária, um dos membros do Pacto de Varsóvia; o que coloca em questão se o próprio MiG-25 que Abdullah pilotava também não era de fabricação búlgara.

Bibliografia recomendada:

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.
Kenneth M. Pollack.

Leitura recomendada:

domingo, 24 de maio de 2020

COMENTÁRIO: 36 anos depois, a Guerra Irã-Iraque ainda é relevante

Iraniano posando em um tanque T-62 iraquiano destruído no Cuzestão, no Irã, do outro lado da fronteira com o Iraque.

Por Tallha Abdulrazaq, Middle East Monitor (MEMO), 22 de setembro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de maio de 2020.

Faz 36 anos desde o início da Guerra Irã-Iraque, envolvendo toda a região do Oriente Médio em incertezas, desestabilizando mercados e causando imensa perda de vidas e danos permanentes a milhões de soldados e civis iraquianos e iranianos. Os ecos dessa guerra ainda podem ser ouvidos hoje.


A Guerra Irã-Iraque durou quase oito anos, terminando apenas em 1988, e foi uma época definidora da história e da construção do moderno Oriente Médio. Teve consequências que ditaram o equilíbrio de poder na região desde o início da guerra até o regime baathista de Saddam Hussein ser derrubado pelas forças lideradas pelos EUA em uma invasão ilegal em 2003. Também domina muito a situação atual no Iraque, agora uma sombra sempre em ruínas de seu antigo eu, seu poder regional não apenas minou, mas foi totalmente destruído por uma combinação de desventuras militares ocidentais e imperialismo indireto iraniano.

Às vezes conhecida como Primeira Guerra do Golfo, para distingui-la da segunda em 1990 e da terceira em 2003, poucos percebem que muitos dos principais atores do Iraque atualmente, incluindo os líderes de partidos políticos violentamente sectários e milícias xiitas terrivelmente brutais, viram gênese na sopa primordial que estava mergulhada no sangue derramado por esse conflito. Os terceirizados do Irã no Iraque hoje adotaram amplamente a doutrina política de Wilayat Al-Faqih, do Aiatolá Ruhollah Khomeini, ou Guardião Jurista, que substituiu o nacionalismo secular do xá após a Revolução Iraniana de 1979.


Recentemente, surgiram vídeos mostrando o chamado patriota iraquiano Hadi Al-Amiri, ex-ministro dos Transportes do Iraque pós-2003, lutando contra seu país em nome do Irã durante a guerra. Al-Amiri também é o líder da Organização Badr, tão fortemente ligada a Teerã, que é difícil saber onde termina o Corpo de Guardas da Revolução Islâmica do Irã (IRGC) e onde eles começam.

Vídeo de Hadi al-Amiri em combate


O ex-primeiro-ministro do Iraque, Nouri Al-Maliki, é do Partido Dawa, apoiado pelo Irã, responsável por ataques terroristas no Iraque e no Oriente Médio durante a Guerra Irã-Iraque. Al-Maliki é um político sectário infame e impenitente que certa vez comparou manifestantes pacíficos iraquianos, cansados de sua perseguição, com pessoas que mataram o neto do Profeta Muhammad (PBUH) no século VII, amplamente visto como um incentivo à violência política e religiosa contra o manifestantes.

A liderança iraniana é um produto direto da Guerra Irã-Iraque. Rostos onipresentes representando o regime iraniano que são vistos na mídia estavam todos amplamente presentes durante a guerra. O herdeiro de Khomeini e o atual Guardião Jurista do Irã, o Líder Supremo Aiatolá Ali Khamenei, fazia parte da cabala Khomeinista que derrubou o igualmente repressivo Xá Mohammed Reza Pahlavi, e teve os ouvidos de Khomeini durante a guerra.

Soldado iraniano com máscara de gás em uma trincheira durante a guerra.

A Força Quds do IRGC, uma organização que parece ter acionado vários grupos terroristas, é liderada por um homem que construiu sua carreira na Guerra Irã-Iraque. O General Qassem Soleimani começou sua carreira no IRGC como soldado em 1979, mas rapidamente subiu na hierarquia depois de participar da supressão dos curdos iranianos, além de liderar e organizar forças irregulares no território iraquiano durante a guerra. Ele ganhou sua reputação de letalidade, com um ex-oficial da CIA que teria conhecimento das atividades de Soleimani no Iraque descrevendo-o como "o mais poderoso agente no Oriente Médio hoje". Talvez Soleimani possa atribuir essa reputação ao fato de ter sido forjado no crisol da Guerra Irã-Iraque.

Houve muita desinformação em termos da própria guerra, mesmo de uma perspectiva histórica. Por exemplo, a maioria dos historiadores acredita que a guerra começou em 22 de setembro, porque essa é a data em que o Iraque cruzou a fronteira iraniana e iniciou sua invasão. O que as pessoas não sabem é que, sem dúvida, a guerra começou antes dessa data, com o bombardeio iraniano das aldeias iraquianas no início daquele mês. De fato, o Iraque abateu aeronaves iranianas em 7 e 9 de setembro, conforme noticiado pelo jornal Al-Iraq em 9 de setembro de 1980. A invasão iraquiana foi parcialmente uma resposta a esses e outros atos de agressão iranianos.

"Um grupo de prisioneiros-de-guerra iranianos capturados pelas tropas iraquianos no setor norte em uma ofensiva iraquiana na semana passada [entre 9 e 14 de junho de 1988] durante a qual os iranianos foram empurrados de cinco colinas estratégicas. Em mais de uma ocasião, grupos e organizações mundiais de direitos humanos protestaram contra o envio forçado do Irã de crianças e velhos para frente de batalha para serem usados como limpadores de minas humanos."

Enquanto o mundo geralmente fica feliz em permanecer na felicidade da ignorância e difamar Saddam Hussein além do opróbrio que ele realmente merece, eles tendem a ignorar como ele fez o máximo para preservar o status quo com o Irã depois que Khomeini derrubou o Xá. Saddam chegou a enviar uma mensagem diplomática ao aiatolá, expressando seus parabéns e seus desejos para que as relações iraquiano-iranianas continuassem a se desenvolver depois de terem melhorado após o Acordo de Argel em 1975. Esse acordo pôs fim ao apoio iraniano a militantes curdos e dividiu o canal estratégico Shatt Al-Arab entre os dois países.

Cena de combate entre iranianos e carros T-72 iraquianos


Qual foi a resposta de Khomeini? Ele começou a incitar a população xiita do Iraque a se levantar e apoiou organizações terroristas, incluindo o mencionado Partido Dawa, em suas tentativas de assassinar líderes e políticos iraquianos. Tariq Aziz, um árabe cristão e um dos assessores mais próximos de Saddam, foi alvo de assassinato em abril de 1980. A tentativa de assassinato envolveu terroristas apoiados pelo Irã arremessando uma granada em Aziz, no centro de Bagdá, que não conseguiu matá-lo e em vez disso matou civis inocentes. A resistência de Khomeini à coexistência pacífica pode estar relacionada a Saddam ser forçado a expulsá-lo do Iraque como parte de seu acordo de 1975 com o Xá, e assim Khomeini guardava rancor, apesar de ser um hóspede do Iraque por 13 anos na cidade de Najaf.

Saddam pode ter ido embora e Khomeini pode ser enterrado, mas as repercussões desse conflito sobreviveram a seus instigadores. Saddam fracassou em sua guerra, com o objetivo de restaurar a soberania iraquiana sobre o Shatt Al-Arab e derrubar os mulás, e Khomeini não conseguiu expulsar Saddam. No entanto, Saddam conseguiu isolar os iranianos e a exportação da revolução Khomeinista por 23 anos. Não foi até os EUA derrubarem os guardões dos portões do mundo árabe e islâmico em 2003 que a Caixa de Pandora de ambição hegemônica e sectária iraniana foi desencadeada, com um verdadeiro exército de veteranos da Guerra Irã-Iraque pronto para terminar o que haviam começado em 1980.


Infelizmente, a ocupação iraniana indireta do Iraque e os maus-tratos brutais que o povo iraquiano sofreu sob o novo regime que eclipsa tudo o que os baathistas* já infligiram ao Iraque criaram um ambiente de ódio, desconfiança e raiva que levarão a outra guerra com o Irã. Essa guerra vai acontecer e pode ou não envolver um Iraque soberano, mas é claro que será caro tanto em termos de vidas e riqueza, como um resultado lamentável que só pode ser evitado se o mundo agir agora para forçar o Irã a respeitar seus vizinhos e interromper suas tentativas de exportar sua ideologia e sistema político para toda a região.

*NT: O Partido Socialista Árabe Baath ou Ba'ath (حزب البعث العربي الاشتراكي, Ḥizb Al-Ba‘ath Al-‘Arabī Al-Ishtirākī) foi um partido político fundado na Síria por Michel Aflaq, Salah ad-Din al-Bitar e associados de Zaki al-Arsuzi. O partido defendia o Baathismo (Al-Ba'ath) que é uma mistura ideológica de nacionalismo árabe, pan-arabismo, socialismo árabe e anti-imperialismo. O Baathismo pedia unificação do mundo árabe em um único estado. Seu lema, "Unidade, Liberdade, Socialismo", refere-se à unidade árabe, e liberdade de controle e interferências não-árabes. O golpe de 1966 na Síria separou o partido Baath em dois movimentos, um na Síria e outro no Iraque. Por conta disso, a Síria foi um dos únicos países árabes a apoiar o Irã na Guerra Irã-Iraque.

A alternativa é um cenário de pesadelo de morte, atrocidades, déficit econômico e estagnação política que condenarão o povo do Oriente Médio a muitos mais anos de luta e miséria.

Bibliografia recomendada:

Árabes em Guerra: Eficiência Militar, 1948-1991, de Kenneth M. Pollack.

Relações Soviéticas-Iraquianas, 1968-1988: Na sombra do conflito Iraque-Irã, de Haim Shemesh.

Leitura recomendada: