sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

Mitos e equívocos: o "ping" do M1 Garand

Por Jonathan FergusonArmament Research Services (ARES), 31 de dezembro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de dezembro de 2020.

Um dos mitos mais persistentes sobre armas de fogo é que os soldados americanos que lutaram na Segunda Guerra Mundial (ou mais tarde, na Guerra da Coréia) correram risco substancial de serem identificados e engajados pelo inimigo por causa do som característico de "ping" feito pela ejeção de clipes dos seus fuzis de serviço. O M1 Garand estava à frente do seu tempo como um fuzil militar de carregamento automático, mas, ao contrário dos fuzis modernos, não apresentava carregadores tipo cofre destacáveis. Em vez disso, era carregado com clipes de metal en bloc (em bloco) de 8 tiros.

Estes eram inseridos na ação aberta a partir do topo e retidos dentro da arma até que o último cartucho fosse disparado, ponto em que o clipe seria ejetado (junto com o estojo do último cartucho disparado) com um som de "ping" distinto (você pode ouvir claramente isso no filme "O Resgate do Soldado Ryan" (Saving Private Ryan, 1998), por exemplo, e veja em câmera lenta neste vídeo do Forgotten Weapons). A noção de que esse "ping" é uma falha fatal é um mito, pois não há evidências de que ele colocasse os soldados de infantaria em perigo. No entanto, há um pouco mais do que isso...


Muita tinta e pixels foram gastos discutindo o mito do "ping do M1" e alguns até tentaram demonstrar na prática por que é uma ideia boba. O treinador tático Larry Vickers recriou um cenário para sua série TAC TV e, mais recentemente, o youtuber Bloke on the Range abordou o mito. O Bloke mostra o quão difícil seria até mesmo ouvir o 'ping', sem os vários outros barulhos associados à batalha. Os soldados só recentemente começaram a usar qualquer tipo de proteção auditiva, o que tornaria esse barulho ainda mais difícil de detectar. Sem mencionar o fato óbvio de que os soldados raramente lutam sozinhos.

Mesmo que um soldado alemão ou japonês conseguisse tirar vantagem da janela de oportunidade do "ping", é provável que ele levasse um tiro de outro soldado. Mais importante, o Bloke mostra como é fácil e rápido recarregar após o "ping". Com exceção dos intervalos mais próximos, isso realmente é um mito e completamente um não-problema. Como o Bloke aponta, não há nenhuma evidência histórica real de que isso tenha acontecido, e para cada alegação de que um veterano experimentou, há um "veterano igual e oposto" fazendo uma alegação em contrário. Isso é tipificado por uma troca na revista American Rifleman em 2011/12 (reproduzida abaixo).


A vantagem tática do M1?

"As "Perguntas e respostas" (Question & Answer, Q&A) em "The M1's 'Deadly Defect'?" ("O 'defeito mortal' do M1", Novembro de 2011, pg. 42) me lembraram de uma conversa que tive com meu pai sobre o M1 Garand e seu clipe durante a Segunda Guerra Mundial. Acabei de falar ao telefone com meu pai para confirmar suas experiências com o clipe Garand. Seu nome é Robert Emary, e ele serviu na Companhia I, 506º Regimento de Infantaria de Paraquedista, 101ª Divisão Aerotransportada. Quando a guerra acabou, ele era sargento técnico e primeiro sargento de companhia. Ele foi um substituto (replacement) e lutou da Market Garden até Berchtesgarten.

Segundo ele, em Bastogne era uma prática muito comum iscar os alemães apertando e soltando um pente vazio para obter o "ping", e muitas vezes o inimigo se levantava, e esse era o fim deles. Inicialmente, os alemães sempre pareciam saber a hora exata de se expor para colocar fogo preciso em alguém que acabava de esvaziar seu Garand. Ele e seus camaradas sabiam que os alemães podiam ouvir os clipes saindo e também perceberam que estavam contando tiros. Isso acontecia com bastante regularidade em Bastogne, disse ele, porque havia muitos combates de curta distância na floresta e cavados em posições. Além disso, ele sempre carregava alguns clipes vazios no bolso da jaqueta de campanha e simplesmente apertava o clipe, deixava-o escorregar de seus dedos, aferrava no chão e ficava pronto para atirar. Depois que começaram a fazer isso, os alemães ficaram muito mais cautelosos."

- Dave Emary, Nebraska.

"Achei as lembranças acima as mais interessantes, e elas correspondem a relatos semelhantes sobre o fuzil M1 durante a Segunda Guerra Mundial. Robert Emary e outros veteranos de combate da Segunda Guerra Mundial foram verdadeiros heróis e todos devemos a eles uma grande dívida de gratidão. O objetivo do recente "Q&A" foi refutar o mito generalizado de que o barulho do ping feito quando o clipe do M1 era ejetado custou a vida de muitos soldados americanos durante a guerra. Na maioria dos casos, o ping não podia ser ouvido nem a algumas dezenas de metros de distância, sobre o barulho de um campo de batalha típico. Certamente houve exceções isoladas quando um inimigo pôde ter sido capaz de ouvir o barulho. Mesmo em combate aproximado - quando o ping pode ter sido audível - o americano com o Garand vazio normalmente apenas mantinha a cabeça baixa pelos poucos segundos que levava para recarregar usando um novo pente de oito tiros. Em vez de ser um "defeito mortal", as experiências de Emary sugerem que, em casos isolados, pode realmente ser uma vantagem. Embora o fuzil M1 possa ser criticado com justiça por várias razões, afirmar que o ping de um pente ejetado resultou na morte de soldados americanos em massa simplesmente não era o caso."

-Bruce N. Canfield, Editor de Campo.

Este artigo foi publicado na edição do mês seguinte da American Rifleman:

Mais sobre o ping

Li com interesse o relato de Dave Emary sobre as experiências do seu pai, "The M1's Tactical Advantage" (A vantagem tática do M1, fevereiro de 2012, pg. 22) com o Garand e seu chamado "defeito mortal". Embora eu não desconsidere a veracidade do relato de Emary sênior, nem de outros veteranos que fizeram observações semelhantes no passado, acho que o Editor de Campo Bruce N. Canfield observou corretamente que era realmente uma coisa muito rara o "ping" ser ouvido em combate e improvável que seja um fator na maioria dos combates individuais. Isso é algo que eu também tinha ouvido muitas vezes ao longo dos anos e, como soldado de carreira, muitas vezes me perguntei que papel isso poderia ter desempenhado.

Tive a oportunidade de viajar para Bastogne em 2004 com vários conhecidos veteranos da fama de "Band of Brothers" e, embora ignorando Foy e ouvindo-os discutir suas experiências, não pude deixar de notar uma série de cavalheiros mais velhos no caminho na orla da floresta que observavam nossas atividades, mas mantendo uma distância respeitosa. Quando me aproximei deles após alguns minutos, fiquei surpreso ao descobrir que eram membros de unidades alemãs que haviam lutado em Bastogne e arredores - incluindo o comandante da companhia das tropas em oposição direta à Companhia Easy. Falei longamente com esses senhores e, mais tarde, com vários outros veteranos de várias unidades Panzergrenadier e Infanterie que haviam lutado contra os "Amis" [apelido alemão para os americanos]. Perguntei a cada um deles sobre este assunto do Garand e seu "ping" distinto. Quem saberia melhor do que os homens que realmente o enfrentaram em combate, certo?

A realidade é que todos os Alte Kaempfer com quem falei acharam isso ridículo. Não apenas o ping era totalmente inaudível durante os engajamentos, eles disseram, mas mesmo no meio da noite, os estratagemas de girar um ferrolho ou liberar um clipe eram bem conhecidos de ambos os lados. Claro, um clipe em bloco saindo da culatra pode significar que um G.I. [apelido americano para soldados americanos] estava recarregando, mas não dizia nada sobre quem mais do seu grupo de combate provavelmente estava esperando na esquina pronto para abrir fogo. Em outras palavras, embora o "efeito mortal" tenha se tornado uma parte popular da tradição do M1 (e seja uma ótima história), parece ser uma construção exclusivamente americana, com pouca ou nenhuma validação das tropas da Wehrmacht que realmente os enfrentou em combate - não daqueles que viveram para contar sobre isso de qualquer maneira.

- CWS Charles D. Petrie, Exército dos EUA, Carolina do Norte.

Soldado americano na Batalha do Bolsão (do Bulge).

E no mês seguinte!

Se eles estavam tão perto...

Fiquei muito interessado na informação fornecida pela carta de Dave Emary sobre como nossas tropas usaram o ping distinto feito pelo clipe vazio do Garand ejetando para sua vantagem. Há cerca de 10 anos, quando comprei meu M1, ouvi o mito de como o barulho da ejeção do clipe fez mal a muitos dos nossos heróis. Logo depois, levei o fuzil para a casa do meu avô para que ele visse e atirasse. Na época, ele estava na casa dos 70 e comentou que "coiceia muito mais do que eu me lembrava". Meu avô, Charles Jackson, disse que fez sua "viagem de ouro" para Okinawa em 1945. Ele era um enfermeiro da Marinha adido ao Pelotão de Petrechos pesados da Companhia Easy, 2º Batalhão, 7º Regimento, 1ª Divisão de Fuzileiros Navais. Eu perguntei a ele sobre o problema do inimigo ouvir aquele ping e aproveitar os poucos segundos que levava para recarregar. Sua resposta, em poucas palavras, falou muito sobre a violenta luta em Okinawa. Ele simplesmente disse: "Qualquer japonês que estivesse perto o suficiente para ouvir isso já estava morto."

- Robert Dickson, Tennessee.

Soldado americano posa com seu rifle M1 Garand em Tarawa, 1943. Observe o buraco no capacete.

É quase impossível encontrar um relato em primeira mão também; é sempre um parente, um amigo ou um amigo de um amigo, e sendo contado e recontado décadas após o fato. Neste ponto, normalmente seria chamado de "caso encerrado", como o especialista em Garand Bruce N. Canfield fez online, em termos inequívocos.

No entanto, esta situação é mais complicada do que apenas os fatos básicos. Às vezes, os mitos se intrometem na realidade por serem totalmente incorporados ao pensamento e à prática. Não há dúvida de que, quer isso tenha acontecido ou não, muitos soldados nos anos 40 e 50 claramente acreditavam que essa peculiaridade do seu fuzil representava uma ameaça real. Isso é comprovado por um documento fascinante disponibilizado pela Garand Collector’s Association.

Memorando Técnico de 1952 (ORO-T-18 (FEC)), intitulado "Uso de Armas e Equipamentos de Infantaria na Coréia", foi escrito por G.N. Donovan do "Projeto Doughboy". Este foi um esforço do Escritório de Pesquisa Operacional da Universidade John Hopkins para reunir feedback sobre o uso prático das armas militares americanas na então atual Guerra da Coréia.

Fuzileiros navais americanos na Coréia.

Na página cinco, lemos a conclusão de que:

“O barulho causado pela ejeção do clipe vazio do M1, apesar de poder ser ouvido de perto pelo inimigo, foi considerado valioso pelo atirador como um sinal para recarregar.”

E na página dezoito:

“Outra reclamação do M1 foi o barulho feito pelo registro de segurança. Metade dos homens tinha um medo persistente de que algum dia o barulho feito ao soltar a trava revelasse suas posições ao inimigo, mas apenas um quarto objetou ao barulho característico que o clipe vazio fez quando foi ejetado. Eles estavam bastante dispostos a reter o barulho do clipe, mesmo que o inimigo pudesse usá-lo com vantagem, porque acharam um sinal muito útil para recarregar.”

No entanto, a pergunta que levou a esta resposta foi bastante importante (pg. 51):

"Entrevistas conduzidas sobre o barulho do fuzil

2. O som do clipe sendo ejetado é de possível ajuda para o inimigo ou é útil para você como uma indicação de quando recarregar, ou não tem importância?

[As respostas são seguidas pelo número de homens que responderam afirmativamente]

Útil para o inimigo - 85

Útil para saber quando recarregar, portanto, retenha - 187

Sem importância - 43

[Total de respondentes -] 315”

Mas as respostas falam por si. Dos soldados pesquisados, o dobro acreditava que o barulho era útil para o inimigo e relação aos que o considerava sem importância. Muitos outros homens pensaram que era na verdade uma indicação audível útil de uma arma vazia, comprovando os resultados do Bloke de que sim, você pode ouvir o ping se estiver perto o suficiente, mas não, você provavelmente não conseguirá atacar um homem antes que ele possa colocar outro clipe em seu fuzil.

Em defesa de suas descobertas, os pesquisadores comentaram o seguinte:

“Os resultados dessas entrevistas mostram que há uma grande uniformidade nas respostas às perguntas feitas, e todas as estimativas numéricas de itens como alcance de tiro, carga transportada, etc, foram encontradas para agrupar em torno de um ponto central com relativamente pouca dispersão. Assim, considera-se que os resultados são confiáveis e pode-se dizer que representam o que o soldado de infantaria acreditava que ele fazia. O fato de se tratar de entrevistas em grupo aumentou ainda mais a confiabilidade dos resultados, uma vez que qualquer aparente exagero de um homem foi rapidamente captado e questionado por outros. Desta forma, os próprios homens forneceram uma verificação sobre a exatidão de suas respostas.”

Em outras palavras, se outros soldados pensassem que era impossível para o inimigo tirar vantagem do "ping", eles teriam dito isso. Provavelmente, isso é verdade, embora os entrevistados provavelmente se comportem de maneira diferente quando observados e questionados, portanto, algumas dúvidas devem permanecer. Também não houve recomendação feita com relação a esta "falha" percebida com a arma, e nenhum comentário dos oficiais sobre o assunto (curiosamente, eles apontaram que a trava de segurança barulhenta poderia ser operada com cuidado para não fazer barulho).

Fuzileiros navais americanos em combate urbano na Segunda Batalha de Seul, 22-28 de setembro de 1950.

No entanto, novamente, os números aqui falam por si, junto com as evidências anedóticas posteriores. Alguns soldados realmente acreditavam que era possível que o inimigo ouvisse o "ping" do seu fuzil, atacasse sua posição e matasse você. E, embora improvável, não há razão para acreditar que tal coisa seja impossível. Por exemplo, em um incidente que ocorreu no Afeganistão em 2008, uma escaramuça entre uma patrulha britânica e um pequeno número de talibãs resultou em uma situação homem-a-homem, com um oficial britânico e um combatente talibã posicionados a poucos metros de cada um com apenas uma margem de rio no caminho. Percebendo que sua arma estava vazia, o oficial atacante optou por usar sua baioneta (e o elemento surpresa) ao invés de recarregar, e matou o inimigo ferido.

Se imaginarmos um combate semelhante em que uma das partes está armada com um Garand, pode muito bem ser possível ouvir o último tiro e o clipe fazer "ping", diminuir a distância e matar o infeliz combatente.

Existem muitos outros cenários em que isso poderia acontecer, mas todos envolveriam uma calmaria no tiroteio, ficar isolado dos companheiros de grupo de combate (ou pelo menos em sua linha de fogo, impedindo-os de atirar na sua frente), ficar sem munição exatamente na hora errada, e uma certa dose de bravura e/ou sorte por parte do defensor. Pode ter acontecido, pode nunca ter acontecido; sobre essa questão, o balanço das evidências sugere que não.

No entanto, e esta é uma advertência importante, é importante não insistir que esta afirmação é um mito completo como Canfield fez, afirmando que é "...tão bobo que não merece uma discussão séria". A implicação é que ninguém com qualquer conhecimento do assunto faria essa afirmação, mas agora sabemos que muitos combatentes veteranos que lutaram com este fuzil, de fato, acreditaram nisso. Eles simplesmente acreditavam que o menor risco representado pelo barulho era compensado pelo benefício de uma dica audível para recarregar a arma.

Sgt. Duane T. Macbeth da Companhia I, 3º Batalhão, 6º Regimento de Fuzileiros Navais, 2ª Divisão de Fuzileiros Navais, pronto com seu M1 Garand em Beirute, Líbano, em julho de 1958.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Garands a Serviço do Rei18 de abril de 2020.

FOTO: Armamentos capturados na Coréia17 de junho de 2020.

T48: O FAL Americano3 de julho de 2020.

A Companhia de Fuzileiros na campanha da Itália27 de março de 2020.

O Fuzil FN49 - Uma Breve Visão Geral30 de março de 2020.

FOTO: Spetsnaz no Afeganistão, 198626 de janeiro de 2020.

A submetralhadora MAS-385 de julho de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário