Mostrando postagens com marcador Irã. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Irã. Mostrar todas as postagens

sábado, 4 de junho de 2022

Cientista iraniano é encontrado morto em circunstâncias pouco claras

Uma captura de tela do perfil de Ayoob Entezari no Google Scholar.
(Captura de tela)

Da equipe do TOI, The Times of Israel, 4 de abril de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de abril de 2022.

Ayoob Entezari disse ter trabalhado no desenvolvimento de mísseis e drones no centro de P&D antes de morrer nesta semana, com alguns dizendo que a intoxicação alimentar foi a causa.

Um cientista morreu no Irã esta semana sob circunstâncias misteriosas, de acordo com relatórios iranianos citados pela mídia hebraica no sábado. Ayoob Entezari, que tinha doutorado em engenharia aeroespacial pela Sharif University of Technology, em Teerã, morreu na terça-feira, disseram os relatórios.

Ele teria sido empregado em um centro de pesquisa e desenvolvimento na cidade de Yazd, onde trabalhou no desenvolvimento de mísseis e drones. Alguns relatórios disseram que Entezari morreu de intoxicação alimentar.

Os relatórios vieram um dia depois que o Irã anunciou a morte de outro coronel da Força Quds de elite da Guarda Revolucionária Islâmica, a segunda em duas semanas da unidade que supervisiona as operações militares do Irã no exterior.

Citando um funcionário desconhecido, o relatório da manhã da agência de notícias oficial IRNA disse que o Coronel Ali Esmailzadeh morreu durante um "incidente em sua residência" dias atrás na cidade de Karaj, cerca de 35 quilômetros a noroeste da capital Teerã. Ele não detalhou, mas negou relatos de que o coronel foi assassinado.

Em maio, dois homens armados não identificados em uma motocicleta atiraram cinco vezes no coronel Hassan Sayyad Khodaei em um carro em frente à sua residência em Teerã. O Irã culpou Israel por sua morte. O Irã muitas vezes culpa Israel por tais assassinatos direcionados, incluindo os de cientistas nucleares nos últimos anos. A agência Iran International alegou que Esmailzadeh foi morto por suspeitas de que ele forneceu informações aos inimigos do Irã que foram usadas no assassinato de Khodaei.

O relatório dizia que ele estava perto de Khodaei, que foi morto a tiros em Teerã em 22 de maio. Tanto ele quanto Esmailzadeh eram membros da chamada Unidade 840 do IRGC, uma divisão sombria da Força Quds expedicionária do IRGC que realiza seqüestros e assassinatos fora do Irã. O relatório disse que, após o assassinato de Khodaei, o IRGC começou a procurar vazamentos de segurança e começou a suspeitar de Esmailzadeh. Ele foi então jogado de seu telhado, mas o IRGC disse à sua família que ele se suicidou porque estava perturbado com a separação de sua esposa, disse a Iran International, citando “fontes no Irã”.

O canal de língua persa é identificado com a oposição política do Irã. Foi lançado em 2017, tem sede em Londres e atinge milhões de iranianos no Irã e em todo o mundo. É supostamente financiado pela Arábia Saudita, o inimigo regional do Irã. Khodaei foi baleado cinco vezes em seu carro por dois homens armados não identificados em motocicletas no meio de Teerã. Ele teria se envolvido em assassinatos e sequestros fora do Irã, incluindo tentativas de atacar israelenses.

As autoridades iranianas ainda não identificaram os suspeitos do assassinato de Khodaei, embora o incidente tenha ocorrido no coração de uma das áreas mais seguras de Teerã - Mojahedin-e Eslam Street, lar de outros altos funcionários do IRGC e sua elite Quds Força. O chefe do IRGC culpou “os sionistas” pelo assassinato e jurou vingança.

O chefe da Guarda Revolucionária do Irã, General Hossein Salami, fala em um comício pró-governo em Teerã, capital do Irã, em 25 de novembro de 2019.

Israel, que não comentou oficialmente o incidente, teria aumentado o nível de alerta de segurança em suas embaixadas e consulados em todo o mundo, temendo um ataque iraniano de retaliação. Um oficial de inteligência não identificado disse ao The New York Times que Israel disse às autoridades americanas que estava por trás do assassinato. Um alto ministro israelense do Knesset negou isso.

Israel emitiu avisos de viagem para a Turquia devido a temores de uma resposta iraniana ao assassinato. Em um movimento incomum, o Conselho de Segurança Nacional identificou explicitamente “operadores terroristas iranianos” como sendo a fonte da ameaça aos israelenses na Turquia e países vizinhos.

Leitura recomendada:

As Forças de Defesa de Israel fazem uma abordagem ampla ao lidar com a ameaça iraniana16 de dezembro de 2020.

A Força Aérea de Israel simulou ataque em larga escala às instalações nucleares do Irã1º de junho de 2022.

Bandeira de Israel e sinal de "Obrigado, Mossad" aparece no Irã após a morte de cientista nuclear12 de dezembro de 2020.

quarta-feira, 1 de junho de 2022

A Força Aérea de Israel simulou ataque em larga escala às instalações nucleares do Irã

Caças israelenses F-35 voam em formação durante o exercício militar Bandeira Azul em outubro de 2021.
(Forças de Defesa de Israel)

Por Emanuel Fabian, The Jerusalem Post, 1º de junho de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de junho de 2022.

Militares dizem que dezenas de caças realizam manobras de “voo de longo alcance, reabastecimento aéreo e ataque a alvos distantes” sobre o Mediterrâneo.

Dezenas de caças da Força Aérea de Israel (FAI) realizaram manobras aéreas sobre o Mar Mediterrâneo na noite de terça-feira, simulando ataques a instalações nucleares iranianas. De acordo com um comunicado das Forças de Defesa de Israel na quarta-feira, o exercício incluiu “voo de longo alcance, reabastecimento aéreo e ataque a alvos distantes”. De acordo com as notícias do Canal 13, mais de 100 aeronaves – assim como submarinos da marinha – participaram do exercício que durou cerca de 10.000 quilômetros.

Os jatos foram reabastecidos duas vezes durante a simulação, enquanto circulavam Chipre e realizavam ataques aéreos simulados em Israel, segundo o relatório. Enquanto isso, a Unidade 669 de busca e resgate de helicópteros de elite estava de prontidão para ajudar os pilotos que podem precisar abandonar seus aviões.

No início deste mês, o The Times of Israel soube que o exercício – como parte do principal exercício militar Carruagens de Fogo (Chariots of Firesimularia um ataque em larga escala no Irã, inclusive contra suas instalações nucleares. O Carruagens de Fogo, que envolve quase todos os ramos das FDI, tem se concentrado no treinamento para lutar nas fronteiras do norte de Israel, inclusive contra o grupo terrorista Hezbollah, apoiado pelo Irã no Líbano. À luz da crescente incerteza em relação ao retorno do Irã ao acordo nuclear de 2015 em meio a negociações há muito paralisadas com potências mundiais, no ano passado as Forças de Defesa de Israel aumentaram seus esforços para preparar uma ameaça militar confiável contra as instalações nucleares de Teerã.

No início do ano passado, o chefe do Estado-Maior das FDI, Aviv Kohavi, anunciou que havia instruído os militares a começar a elaborar novos planos de ataque contra o Irã. Em setembro, Kohavi disse que o Exército havia “muito acelerado” os preparativos para uma ação contra o programa nuclear de Teerã.

Ainda assim, as autoridades de defesa estimam que, embora alguns aspectos dos planos de ataque da FAI, que ainda estão em seus estágios iniciais, possam estar prontos em um curto período de tempo, outros levariam mais de um ano para se tornarem totalmente acionáveis.

Arquivo: Instalação de enriquecimento nuclear do Irã em Natanz, Irã.
(AP Photo/Hasan Sarbakhshian)

Além de ter que encontrar maneiras de atacar instalações iranianas que estão enterradas no subsolo, exigindo munições e táticas especializadas, a FAI terá que lidar com defesas aéreas iranianas cada vez mais sofisticadas para realizar tal ataque. A força aérea também terá que se preparar para uma esperada retaliação contra Israel pelo Irã e seus aliados em toda a região. O exercício também se concentrou na preparação e na resposta a essa retaliação.

De acordo com as notícias do Canal 13, a Força Aérea dos EUA deveria servir como uma força complementar com aviões de reabastecimento durante o exercício. As FDI não confirmaram o relatório, e o Comando Central dos EUA negou, dizendo que “não há envolvimento militar direto dos EUA nesse exercício”. Um porta-voz do Pentágono também negou que o Departamento de Defesa esteja “participando diretamente” dos exercícios, de acordo com a revista online The War Zone.

Na terça-feira, o ministro da Defesa Benny Gantz visitou outra parte do exercício Carruagens de Fogo que ocorre no Chipre, que visa simular a luta contra o Hezbollah no Líbano.

Tropas durante um grande exercício em Chipre, 31 de maio de 2022.
(Forças de Defesa de Israel)

“As FDI estão constantemente se preparando para operações e várias campanhas, em vários teatros, e infligirão um duro golpe em qualquer um que pretenda ameaçar os cidadãos do Estado de Israel”, disse Gantz.

Entre outras coisas, os exercícios no Chipre simulavam a evacuação de tropas feridas por helicóptero e o lançamento de equipamentos de logística com esquadrões de transporte pesado, de acordo com o FDI.

As FDI disse que os exercícios serão realizados em vários terrenos, incluindo áreas urbanas e rurais em terrenos montanhosos que se assemelham ao Líbano. O exercício Carruagens de Fogo – programado para durar até 3 de junho – é o maior exercício militar em décadas.

Oficiais militares disseram que o objetivo é aumentar a competência e a prontidão das tropas e altos escalões para a guerra em várias frentes, bem como a coordenação com outras organizações de emergência, autoridades locais e ministérios do governo.

domingo, 13 de março de 2022

FOTO: Professora iraniana com o M1 Garand na época do Xá


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de março de 2022.

Uma jovem rural iraniana com um M1 Garand, emitido ao Exército Real Iraniano do Xá Mohammad Reza Pahlavi pelos Estados Unidos. A foto pessoal foi postada pelo seu filho sob o nome u/mohajaf no site Reddit com a seguinte informação:

"Minha mãe em um breve treinamento militar antes de obter sua licença como professora, 1970, Shiraz, Irã."

Nos comentários, Mohajaf disse que elas, as recrutas, estavam entre a primeira geração de mulheres modernas e liberadas das pequenas vilas, e tornar-se professora era um sonho que se realiza para elas. Ele continua dizendo que cerca de 9 anos depois, com a mudança de regime para um sistema "teocrático retrógrado com leis Sharia semi-estritas", a sua mãe teve que usar hijab completo enquanto ensinava.

Bibliografia recomendada:

O Mundo Muçulmano.
Peter Demant.

Os Iranianos.
Samy Adghirui.

Leitura recomendada:

Uma opinião persa sobre o M1 Garand, 20 de fevereiro de 2022.

domingo, 20 de fevereiro de 2022

Uma opinião persa sobre o M1 Garand


Por Miles, The Firearms Blog, 27 de outubro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de fevereiro de 2022.

A história do M1 Garand no Irã destaca uma história de política entrelaçada que se estende por décadas e ainda é vista hoje. Mais do que apenas a história de um rifle de serviço no Oriente Médio e Norte da África (Middle East and North AfricaMENA) e na região da Ásia Central, ele atravessa intrigas políticas e históricas. Misturada está a história da ajuda militar estrangeira americana sustentando o regime do xá, a Revolução Islâmica em 1979, a Guerra Irã-Iraque que se seguiu e, em seguida, a disseminação do fuzil nas proximidades do Iraque e Afeganistão, possivelmente até na Síria, como alguns exemplares recentes de vários grupos rebeldes lá mostram.

Do período de 1963 a 1967, as forças armadas americanas estabeleceram uma missão de vendas militares estrangeiras (Foreign Military Sales, FMS) para o Irã. Nesse período, os Estados Unidos estavam apoiando Mohammad Reza Shah Pahlavi em seus esforços para reforçar seu exército de 160.000 homens. O Irã foi um aliado extremamente importante dos Estados Unidos contra a União Soviética, devido à sua presença estratégica opondo a o baixo ventre macio da Ásia Central controlada pelos soviéticos. Os anos 60 viram uma tremenda entrada de armas fornecidas pelas forças armadas americanas e até a construção de várias bases aéreas militares no Irã. Dentro deste programa, o xá comprou cerca de 165.493 fuzis M1 Garand que foram enviados para o Irã em 1963, o suficiente para armar todo o exército iraniano, substituindo os K98 Mauser persas produzidos localmente que estavam em serviço. Trinta e dois fuzis sniper M1D também foram enviados em 1966. A esmagadora maioria desses M1s parece ser de fabricação da International Harvester (Evansville, IN). Fuzis da International Harvester são extremamente raros nos Estados Unidos, devido ao fato de que a maioria desses fuzis foi usada para ajuda externa e, portanto, a maior parte não foi reimportada para os Estados Unidos.

Abaixo estão dois clipes da Administração de Registros de Arquivos Nacionais (National Archives Records Administration, NARA) mostrando uma demonstração de armas portáteis para oficiais iranianos em 1956. Embora não haja fuzis M1s a demonstração mostra várias outras armas também entregues ao Irã, incluindo M1A1 Thompsons, pistolas 1911 e metralhadoras médias M1919A4/A6 (não retratadas no filme).

Demonstração de armas portáteis por conselheiros militares americanos com oficiais iranianos 1956



Através deste ensaio fotográfico vamos dar uma olhada na linha do tempo desses 165.493 Garands, até hoje onde eles foram parar.

Durante o reinado do xá

Embora o Exército do xá estivesse totalmente armado com fuzis M1, não restam muitas fotografias desse período que mostrem o M1 em serviço com tropas de infantaria. Em vez disso, o que temos são uma série de fotografias que mostram treinamento e cerimônias sendo conduzidas por soldados do sexo feminino dentro do exército. Este é provavelmente o resultado do esforço do xá para modernizar e secularizar o Irã, especialmente no que diz respeito aos direitos das mulheres. Isso mais tarde provou ser uma de suas quedas porque ele estava simultaneamente marginalizando a autoridade do clero. O que estamos vendo nas fotos abaixo é um esforço altamente divulgado para mostrar as mulheres dentro do exército, completando o treinamento com fuzil e participando de cerimônias oficiais.


Observe o capacete do Exército dos EUA nos soldados e a insígnia de sargento no instrutor. Isso provavelmente se deve à padronização do Exército do xá nos padrões atuais do Exército dos EUA, que teriam sido aprovados pelos conselheiros americanos.





A munição .30-06 com estopilha Berdan foi produzida no Irã, já que a munição de 7,92mm foi produzida anteriormente para os Mausers persas. As vendas militares estrangeiras mostram que os Estados Unidos forneceram pelo menos 30 milhões de munições .30-06 ao Irã durante esse período. Os carimbos na base do estojo consistem em uma coroa na posição das 12 horas, os algarismos “44” em farsi e a letra “Alef” (ا) à direita e “Meem” (م) à esquerda (leia da esquerda para a direita). Isso significa Grupo de Indústrias de Munições e Metalurgia, uma empresa estatal. Após a Revolução Islâmica, a empresa continuou a funcionar e existe hoje como o Grupo das Indústrias de Munições. É possível comprar esta munição nos Estados Unidos como munição iraniana excedente importada .30-06.




Em meio à Revolução

O M1 foi substituído pelo fuzil Heckler & Koch 7,62x51mm G3A6 na década de 1970. Os G3A6 foram fabricados sob licença no Irã e diferem do G3 padrão por ter um guarda-mão e coronha verde escuros. Parte da mudança para o G3 ocorreu junto com várias outras compras de armas da Alemanha Ocidental. Isso se deveu principalmente à diminuição do apoio dos Estados Unidos em vista do xá se tornar mais autoritário e impopular entre o povo do Irã. Em janeiro de 1979, o xá fugiu formalmente do Irã, com o aiatolá Khomeini voando para Teerã para trazer seu conceito de “Violati Faqih”, ou um governo de juristas islâmicos. Durante esse período, houve grande agitação, pois manifestantes estudantis e rebeldes invadiram os arsenais estatais, armando-se com tudo o que podiam. Isso incluiu todos os Garands que deixaram o serviço no início dos anos 1970.






Guerra Irã-Iraque

No momento em que os esforços do aiatolá Khomeini se consolidavam, Saddam Hussein no Iraque viu uma oportunidade de tirar vantagem de um Irã desorganizado. Apoiado pelos Estados Unidos, o Iraque invadiu o Irã e iniciou uma das guerras mais caras da história moderna do MENA. A guerra resultante durou toda a década de 1980 e foi efetivamente um impasse com nenhum dos lados conseguindo uma vitória decisiva sobre o outro. Nesse período, o Irã estava desesperado por armas portáteis e, ao lado do G3A6, começou a importar grandes quantidades de Tipos 56 chineses (variante AKM chinesa). Mais tarde, o Irã iniciou a produção local do Tipo 56 sob a nomenclatura KL-7,62. Durante a Guerra Irã-Iraque, o M1 viu muito pouco serviço na frente, sendo superado pelos AKM Tabuk de fogo seletivo, munição intermediária e alimentação por carregador em uso pelo Iraque. Assim, os fuzis M1 restantes foram regulamentados para um papel de Guarda Nacional e milícia na frente doméstica. Curiosamente, em um retorno ao passado, vários grupos femininos da Guarda Nacional estavam armados com o M1 enquanto desempenhavam suas funções atrás das linhas de frente.

Esta fotografia foi tirada por um conhecido fotógrafo iraniano chamado Kaveh Golestan. A suposta explosão ao fundo parece ser apenas o resultado do soldado caindo da colina. O soldado parece ser um adolescente e provavelmente não foi levado ao frente. Em vez disso, isso provavelmente faz parte do treinamento da Guarda Nacional atrás da linha de frente. O número do arsenal na coronha diz “2/7” em farsi.





Uma foto muito rara do M1 em serviço. Esta foto foi tirada do lado de fora de uma refinaria de petróleo que havia sido atingida pelos iraquianos. Mesmo assim, as tropas retratadas provavelmente fazem parte de uma unidade de milícia local e não das forças armadas, que teriam equipamentos mais modernos. Observe os porta-carregadores AKM na tralha de lona do segundo indivíduo da esquerda, indicando que uma infinidade de armas foram emitidas dentro da mesma unidade, incluindo fuzis AKM e Garand.


Ambos os cartazes faziam parte de uma longa série de cartazes de propaganda publicados durante a guerra e afixados em todo o país. O uso do M1 Garand provavelmente ressoaria com civis acostumados a ver o M1 em uso pelas Forças de Defesa Femininas e outros auxiliares civis, em vez de um pôster ressoando com combates na frente que retrataria um G3A6 ou AKM. O uso de crianças e mulheres na defesa doméstica mostra a grave escassez de mão de obra devido à tensão da guerra sobre o Irã.



Caches de armas OIF-OEF

Após a Guerra Irã-Iraque, o M1 começou a desaparecer dos olhos do público, com o fim da guerra e a eclosão da paz. O exército iraniano menos sobrecarregado na frente trouxe de volta fuzis modernos suficientes para equipar unidades em casa e, assim, os antigos M1 entraram em aposentadoria final. No entanto, este não é o fim do M1 no Irã, pois parece que um grande número deles chegou ao Iraque e ao Afeganistão através do comércio de armas portáteis no mercado negro. Há muito mais comércio civil entre o Irã e o Iraque do que com o Afeganistão, portanto, temos muito mais evidências do Garand no Iraque do que no Afeganistão. Nesse contexto, as tropas americanas começaram a encontrar fuzis M1 em caches (esconderijos) por toda parte em ambos os países.

A foto abaixo foi tirada por um fuzileiro naval americano no mesmo distrito em que estive enquanto estava no Afeganistão, o distrito de Nawa, na província de Helmand. Munição foi encontrada, mas não havia um M1 acompanhante.







Um dos poucos Winchesters encontrados no Iraque. A maioria dos M1 encontrados na OIF/OEF eram do modelo da International Harvester.






Uso moderno no Iraque, Síria e Líbano

As fotos abaixo encontradas no Iraque, uma delas estava completa com clipes em bloco carregados em bandoleiras!



Entre a atual turbulência na Síria, uma enorme variedade de armas portáteis veio à tona através de vários grupos rebeldes se armando com o que estiver disponível. Estes exemplares abaixo foram de fuzis M1 em uso por vários beligerantes no Líbano. Devido à proximidade, a origem desses Garands libaneses pode ter vindo de armas portáteis contrabandeadas da Grécia ou da Turquia; ambos os países foram equipados com o M1 sob programas semelhantes de vendas militares estrangeiras dos EUA que equiparam o Irã na década de 1960. No entanto, a menos que possamos obter algumas fotos do bloco do receptor dos números de série, só podemos especular.



Leitura recomendada:

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

Ordem a partir do caos: novas vulnerabilidades para as resilientes Forças de Mobilização Popular do Iraque


Por Ranj Alaaldin e Vanda Felbab-Brown, Brookings, 3 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de fevereiro de 2022.

Uma vez desfrutando de um poder quase sem paralelo, ampla legitimidade doméstica e uma aura de intocabilidade, as Forças de Mobilização Popular (Popular Mobilization Forces, PMF) paramilitares do Iraque estão em uma trajetória descendente. As PMF ainda são resilientes e mantém considerável poder coercitivo e econômico formal e informal. No entanto, em 2022, enfrentará desafios crescentes à sua legitimidade, estrutura e influência. Estes decorrem do ressentimento público generalizado com a repressão das PMF, seu enfraquecimento e fragmentação internos e uma crescente rivalidade com o líder e político clérigo-milícia, Muqtada al-Sadr. Essas vulnerabilidades podem permitir que os oponentes das PMF, tecnocratas dentro do Estado iraquiano e seus companheiros improváveis como os sadristas, reduzam seu poder.

As fontes de força das PMF

Combatente do Estado Islâmico posando com um tanque M1A1 Abrams do Exército Iraquiano destruído em Ramadi, no Iraque, em 14 de junho de 2014.

Entre 2014 – quando foi estabelecido em resposta à ofensiva do grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque e ao colapso do exército iraquiano – e 2019, as PMF alcançaram uma ascensão marcante. A organização guarda-chuva, supervisionando uma colcha de retalhos de grupos de milícias com laços variados com o Estado iraquiano, políticos e Irã, constitui uma força politicamente eficaz e formidável, com experiência de combate, capacidades militares robustas, ampla presença geográfica e acesso a recursos locais através do Iraque, bem como o apoio multifacetado do Irã.

O número preciso de combatentes das PMF é desconhecido; em seu auge, a organização afirmou comandar 160.000. Esses números incluíam a) combatentes de milícias pré-existentes, principalmente pró-Irã, como a Brigada Badr, Kataib Hezbollah e Asaib Ahl al-Haq; b) as chamadas milícias de santuário, ou seja, voluntários xiitas que responderam à fatwa do Grande Aiatolá Ali al-Sistani para defender o Iraque do EI; ec) vários grupos de autodefesa sunitas, yazidis, cristãos e outros grupos minoritários de autodefesa.

A heterogeneidade das PMF e a inclusão (às vezes coagida) de sunitas e outros grupos étnicos permitiram que sua liderança alinhada ao Irã retratasse a força como transcendendo laços ideológicos estreitos com o Irã, em vez de fazer a vontade de um governo estrangeiro.

A liderança das PMF em vários momentos reivindicou e rejeitou a filiação de Saraya al-Salam, a grande e poderosa milícia leal a Sadr, que tem influência em Basra e outras partes do sul do Iraque, bem como uma forte presença em Bagdá. Mas a tênue associação entre as PMF e Saraya al-Salam, que nunca incluiu uma integração operacional dos sadristas nas PMF, muitas vezes foi confrontada com a competição por aluguéis econômicos legais e ilegais e bancos de votos.

Tanto as PMF quanto a Saraya al-Salam se entrincheiraram e assumiram as muitas economias formais e ilegais do Iraque, a partir dos contratos de construção que se seguiram à devastação da guerra; o setor de serviços; e do comércio de sucata à extorsão generalizada; evasão aduaneira; e tráfico de petróleo, drogas e outros contrabandos. Receitas alfandegárias desviadas por si só geram grandes receitas para as milícias PMF, enquanto o Iraque perde cerca de US$ 10 bilhões anualmente.

Assim como a Saraya al-Salam, a monopolização dos mercados econômicos e oportunidades de emprego pelas PMF confere à organização capital político. Mesmo quando as populações locais se ressentem dos abusos dos direitos humanos pelas PMF e da discriminação sectária contra os sunitas, como na província de Nínive, eles muitas vezes precisam agir como suplicantes às PMF para obter empregos e oportunidades de negócios e evitar retaliação violenta, como o incêndio criminoso de seus negócios, sequestros e assassinatos.

Crucialmente, ao contrário de muitas milícias ao redor do mundo, as PMF conseguiram adquirir um status formal nas forças de segurança oficiais do Iraque como uma força auxiliar sancionada pelo Estado com um orçamento anual de mais de US$ 2 bilhões. Seus patrocinadores políticos e parceiros no parlamento e ministérios do Iraque – incluindo o gabinete do primeiro-ministro quando Haidar al-Abadi liderou o governo – protegeram ainda mais as PMF da responsabilidade ou dos esforços para reduzir seu poder. Assim, as PMF têm visto o Estado não como uma entidade a ser derrubada, mas uma estrutura fundamental para sua sobrevivência e ascensão.

As fontes das fraquezas das PMF


Desde 2018, o poder das PMF e a falta fundamental de responsabilidade interna e externa levaram suas facções alinhadas ao Irã a atacarem violentamente ativistas civis. De Bagdá a Basra, as milícias pró-iranianas – e sadristas – mataram e sequestraram dezenas de líderes da sociedade civil e manifestantes comuns para reprimir um movimento que exigia reformas anticorrupção, melhores serviços e governança, mais empregos e uma revisão do ordem política pós-2003 disfuncional do Iraque.

O assassinato pelos EUA, em janeiro de 2020, do poderoso e carismático líder das PMF, Abu Mahdi al-Muhandis, e de seu patrono iraniano, o general da Guarda Revolucionária Islâmica Qassem Soleimani, intensificou as fissuras internas das PMF e a organização sofreu uma crise de liderança. Em meio à confusão, as milícias dos santuários se retiraram das PMF. A divisão prejudicou severamente a até então forte legitimidade religiosa das PMF, aumentando as vulnerabilidades de reputação da liderança e das facções pró-Irã como bandidos de rua e fantoches iranianos.

Os laços ideológicos e materiais das PMF com o Irã e os interesses estratégicos de Teerã no Iraque e na região colocam problemas para o grupo. Eles permitem que os rivais das PMF e o público iraquiano menosprezem a falta de patriotismo e compromisso das PMF com a prosperidade do Iraque. O patrocínio do Irã, portanto, fornece recursos às PMF e dificulta sua capacidade de transição para um ator político autossustentável, não sobrecarregado com a bagagem de fazer parte do “eixo de resistência” do Irã.

O General Qassem Soleimani (centro), da Guarda Revolucionária Islâmica, o Pasdaran.

A retirada das milícias dos santuários também reduz significativamente o número de membros das PMF, há muito inflado com a contagem de soldados fantasmas, diminuindo assim a reivindicação do grupo aos orçamentos estaduais. Junto com os sadristas, as milícias do santuário agora constituem outro rival que poderia competir por influência, acesso a recursos e influência territorial.

Nas eleições parlamentares de outubro de 2021, a Aliança Fatah das PMF teve um desempenho ruim. Em uma corajosa disposição de defender as leis e a transparência, a comissão eleitoral do Iraque excluiu os combatentes das PMF da votação especial para membros das forças de segurança porque a organização não forneceu uma lista de seus combatentes, a qual se recusam a divulgar há anos. O Fatah garantiu 17 assentos, abaixo dos 48 que conquistou em 2018. Em contraste, os sadristas, os principais rivais das PMF, conquistaram 73 assentos.

Por meio de contestações legais e intimidação violenta, as PMF têm procurado reverter os resultados. Em uma escalada descarada, provavelmente patrocinou ou empreendeu uma tentativa de assassinato por drone contra o primeiro-ministro Mustafa al-Kadhimi. Com a insistência dos EUA, Kadhimi procurou e lutou para limitar o poder das PMF e reduzir os ataques de milícias pró-Irã contra o pessoal americano no Iraque.

Após sua vitória eleitoral, Sadr convocou as PMF a dissolverem-se. As PMF recusaram. Durante anos, as PMF rejeitaram e sabotaram os esforços em nível nacional de desarmamento, desmobilização e reintegração (DDR) de seus combatentes, apesar dos apelos do aiatolá Sistani. Relutantemente, elas apenas acederam a pequenos passos, como renomear seus escritórios e mover seus depósitos de armas para fora das cidades, embora principalmente se recusando a remover seus combatentes e bases das áreas urbanas.

Sadr também anunciou que dissolveria suas milícias Saraya al-Salam e fechou vários escritórios para polir as credenciais recém-descobertas de seu movimento como uma entidade cumpridora da lei operando dentro dos parâmetros do Estado. Durante anos, as milícias sadristas operaram com punho cerrado em Basra e em outros lugares. Resta saber se os movimentos se traduzirão na retirada real das milícias ou na renúncia de seus interesses econômicos.

Finalmente, em dezembro de 2021, os EUA reformularam formalmente sua missão militar no Iraque como não mais uma missão de combate, embora 2.500 forças americanas permaneçam em bases iraquianas. Este acordo, negociado entre o governo Biden e o governo iraquiano na primavera de 2021, visa minar os esforços de legitimação das PMF por meio de propaganda antiamericana e “anti-ocupação”.

As PMF em 2022


Muito está em jogo para as PMF. Sua capacidade de extrair recursos do Estado está ligada à sua proeminência política, e isso está ligado à capacidade do Irã de influenciar o ambiente político do Iraque. A capacidade das PMF de justificar seus subsídios estatais é diminuída por seu fraco desempenho eleitoral, declínio da legitimidade popular e atividade terrorista do EI de nível relativamente baixo, embora persistente e crescente.

Mas as PMF também têm resiliência.

A força de rua das PMF continua grande. Está disposta a atacar violentamente seus rivais e controla ou influencia uma série de setores econômicos. Em entrevistas no Iraque em novembro de 2021, descobrimos que, após as eleições de outubro, as milícias PMF pró-Irã em Mossul e outras partes de Nínive aumentaram sua coerção contra sunitas e outras populações locais, agindo com mais mão pesada em sua extorsão sistemática e repressão política. Nossas entrevistas também mostraram que as PMF ainda se opõe, às vezes violentamente, até mesmo aos esforços informais e silenciosos de ONGs para fornecer assistência DDR (Disarmament, Demobilization, and Reintegration / Desarmamento, Desmobilização e Reintegração) a combatentes individuais das PMF que procuram deixar o grupo.

Além disso, as PMF podem explorar o ambiente político fragmentado do Iraque, capitalizando as muitas divisões políticas do país. Elas podem reafirmar sua parceria com o ex-primeiro-ministro Nouri al-Maliki do Partido Dawa, que conquistou 33 assentos. É improvável que a classe política rebelde do Iraque, que ainda mantém muitas conexões profundas com as PMF, se unifique para marginalizar a organização.

Dito isto, esta pode ser a primeira vez em anos que tecnocratas iraquianos, políticos moderados e atores da sociedade civil – há muito incapazes de igualar as capacidades coercitivas das PMF – podem explorar a desordem interna das PMF, a determinação de Sadr de impedir que as PMF se recuperem, e a antipatia generalizada em relação às PMF para reduzir o domínio da organização sobre o Estado e a sociedade do Iraque.