Mostrando postagens com marcador Irã. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Irã. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 9 de dezembro de 2021

Carros de Combate no Golfo Pérsico: Panorama e Perspectivas

Desfile de carros de combate M1A1M Abrams iraquianos na celebração do Dia do Exército em 6 de janeiro de 2011.

Do site Blablachars, 4 de setembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de dezembro de 2021.

Os reveses do exército saudita no Iêmen levaram alguns a acreditarem que o tanque não tem mais lugar em conflitos assimétricos de intensidade variável. Depois de ter pintado um quadro do estado dos Veículos de Combate de Infantaria na região, o Blablachars agora se interessou pelos tanques de batalha presentes nos exércitos da região. Para isso, depois de evocar as ameaças que esses países podem enfrentar, apresentaremos os parques em serviço antes de formularmos algumas linhas de reflexão sobre o futuro desses parques.

1) Uma vizinhança ameaçadora, mas não só isso!

Combatente do ISIS tira uma selfie com um M1A1M Abrams iraquiano em chamas em Ramadi, junho de 2014.

Região inconstante e às vezes confusa, o Oriente Médio ainda é o palco de dois grandes conflitos aos quais se acrescenta a frente líbia sem dizê-lo. O jogo de alianças forjadas entre os diversos países da região torna a situação complexa e poderia justificar a manutenção de grandes exércitos, apesar da falta de eficácia de alguns. A primeira ameaça em muitos anos é, claro, o Irã e sua influência na região no que é comumente chamado de "eixo xiita", começando em Teerã e unindo os rebeldes Houthi do Iêmen, as capitais iraquianas e sírias dirigidas por líderes xiitas e, finalmente, o sul do Líbano com o Hezbollah implantado no sul do país dos Cedros.

Em termos de potência blindada e tanques de batalha, este eixo agrupa essencialmente tanques de origem russa ou mesmo soviética, desde os T-54/55 usados ​​no Iêmen até os T-90S comprados pelo Iraque ou usados ​​pelo exército sírio; sem esquecer as adaptações iranianas da qual a última variação, o Karrar, deve começar a equipar as forças terrestres. Embora seja complicado estabelecer um inventário preciso dos tanques em serviço, podemos estimar que os três países que constituem o eixo xiita têm entre 3.000 e 5.000 tanques, a rebelião Houthi utilizando por sua vez alguns tanques retirados de estoques governamentais. O Hezbollah poderia ter uma centena de carros de combate localizados na Síria e certamente usados ​​ao lado daqueles do exército sírio. Nesse inventário, o Irã possui um arsenal variado e numeroso e, com o apoio de países estrangeiros, está realizando inúmeras operações locais de modernização e desenvolvimento. Além de suas capacidades blindadas, o eixo xiita possui numerosas armas anti-carro, de natureza muito variada e em quantidade significativa.


Se levarmos em conta apenas os mísseis, excluindo foguetes e outras munições anti-carro, existem vários milhares de postos de tiro para dispositivos tão variados como o Sagger, o Konkurs, o Tow, o Kornet, sem esquecer alguns postos de tiro Milan. Com exceção deste último, todos os mísseis anti-carro de origem estrangeira foram copiados e adaptados pelos vários países. Vários desses dispositivos foram vistos em ação no Iêmen e na Síria, onde representam a maior ameaça aos tanques em serviço.

Além desta ameaça histórica representada pelo Irã e seus aliados, os países da região podem se ver confrontados com conflitos de oposição a grupos armados que podem ameaçar a estabilidade do país e da região. A Guerra do Dhofar, que ocorreu de 1964 a 1976 na região sul do Sultanato de Omã, ceifou várias centenas de vidas, opondo rebeldes apoiados pela China, Egito e Rússia contra fracas tropas omanitas apoiadas pelo Reino Unido, Jordânia e Irã. O episódio do Setembro Negro na Jordânia entre 1970 e 1971 também ilustra esse tipo de ameaça com operações militares cada vez mais intensas entre grupos rebeldes armados e apoiados por potências externas e pelas forças armadas do país em questão. Mais recentemente, a guerra na Síria que começou em 2011 na esteira da Primavera Árabe para se tornar uma guerra total nos lembra a importância de termos meios capazes de prevenir a eclosão deste tipo de conflito e de responder às operações armadas realizadas por facções, na maioria das vezes fortemente armadas.

2. Parques variados em idade e qualidade

Carros Challenger II omanitas e britânicos durante o Exercício Saif Sareea 3.

Diante dessas ameaças e para garantir sua segurança, os exércitos locais há muitos anos adquirem tanques pesados. A região é caracterizada pela posse dos tanques mais emblemáticos das últimas décadas e todos eles já estiveram em operação pelos exércitos locais ou de seus países de origem. Além disso, deve-se destacar que até a chegada do T-90 ao Iraque, os tanques da região eram todos de origem ocidental, originários do Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e França.

O Challenger 2 está em serviço no Sultanato de Omã desde o final dos anos 90. O Sultanato tem 38 unidades adquiridas em dois lotes, encomendados em 1993 para 18 deles e em 1997 para os próximos 20. Para este contrato, o carro britânico foi tropicalizado com a instalação de um sistema de ar-condicionado, filtros de motor reforçados e elementos de proteção que permitem ao tanque lutar em um ambiente desértico. As entregas foram concluídas em 2001. Esses tanques estão em serviço com um dos dois regimentos blindados da brigada blindada (o outro regimento está equipado com os M60); cada regimento tem três esquadrões de tanques. Rumores recentes relataram a presença no Sultanato de Omã para testes de pelo menos um exemplar do tanque Altay turco ao mesmo tempo que o K2 sul-coreano. Não sabemos se esta hipotética presença estaria ligada a uma avaliação efetuada pelo Sultanato de Omã para a substituição dos seus Challenger, ou à realização de uma campanha-teste em ambiente desértico organizada pelos fabricantes das máquinas.

M1A2S Abrams saudita destruído por guerrilheiros houthis.

O segundo tanque em serviço na região pode ser considerado o verdadeiro best-seller da região, com mais de 2.000 tanques em serviço em cinco países da região. A Arábia Saudita tem 373 da primeira versão padrão M1A1 equipada com o canhão M256 120mm ao qual deve ser adicionado 133 M1A2S obtidos à partir do M1A1. Os tanques sauditas foram gradualmente trazidos para o padrão M1A2S que se beneficia de proteção aprimorada pelo novo arranjo de placas de urânio empobrecido. Entre os outros equipamentos integrados neste tanque, há uma mira independente do comandante (Commander Independent Thermal Viewer ou CITV) estabilizada igual à do atirador. A cúpula do piloto se beneficia de uma visão melhorada graças à instalação de um meio de visão térmica.

A cúpula do piloto se beneficia de uma visão melhorada graças à instalação de um meio de visão térmica. Finalmente, o tanque recebe um sistema de navegação inercial e um sistema de compartilhamento de informações. Os sauditas engajaram seu M1 no Iêmen com resultados e imagens muito confusos de um tanque isolado, imóvel e parecendo esperar passivamente pelo golpe fatal. Não sabemos o número exato de tanques perdidos nessas operações, mas um comunicado de imprensa datado de agosto de 2016 da Agência de Cooperação e Segurança de Defesa responsável pelas vendas de armas americanas ou Foreign Military Sales (Vendas Militares Estrangeiras) informa um pedido de 153 estruturas de carros M1A1/A2 para conversão em 133 M1A2S. A este pedido somam-se 20 exemplares adicionais destinados a compensar as perdas sofridas em combate.

Soldados das Forças Terrestres do Kuwait atiram com tanques M1A2 Abrams e BMP-3 em 22 de janeiro de 2018.

O Kuwait tem 248 exemplares do tanque padrão americano M1A2, sem, no entanto, se beneficiar da blindagem de urânio empobrecido. Em 2018, o Kuwait solicitou a modernização de 218 unidades para um padrão específico denominado M1A2-K e se beneficiando do rádio SINCGARS (Single Channel Ground and Airborne Radio Systems), um novo sistema de resfriamento, uma Estação de Arma Operada Remotamente Comum (Common Remotely Operated Weapon Station, CROWS II) também montada o M1A2SEPV3. Um sistema de visão infravermelho FLIR (Forward Looking Infra-Red) de segunda geração também está planejado, bem como um sistema de diagnóstico integrado, uma nova mira para atiradores e outras melhorias também fazem parte do pacote saudita que foi confiado para configurar na General Dynamics.

O Iraque usa 140 tanques no padrão M1A1; em 2018, Bagdá alugou outras vinte unidades do exército americano para o treinamento de tripulações. Em dezembro de 2014, 190 tanques adicionais foram adquiridos pelo Iraque, que os agrupou em quatro regimentos pertencentes à 9ª Divisão Blindada. Esses tanques estavam engajados em operações contra o Estado Islâmico, conforme mostrado em um vídeo filmado em 2016 pela tripulação do M1.

Vídeo da tripulação iraquiana


O número exato desses combates é desconhecido, mas pelo menos nove tanques foram capturados por combatentes do Estado Islâmico antes de serem recuperados alguns meses depois. Esse episódio irritou muito os americanos, que suspenderam todas as operações de apoio e todas as operações de modernização planejadas, encerrando um longo período de apoio americano ao país materializado pelo fornecimento de mais de vinte e dois bilhões de dólares em equipamentos às forças iraquianas desde 2005.

Um pequeno país com imensas ambições, o Qatar tem os tanques mais recentes da região com a entrega a partir de 2015 de 62 Leopards 2A7+. Esta enésima e talvez definitiva evolução do best-seller alemão foi apresentada em 2010 no Salão Eurosatory e enfatiza a sua capacidade de engajamento em operações assimétricas ou mesmo de baixa intensidade. Os tanques do Qatar nunca estiveram em combate no seio do exército local, alguns Leopards 2 foram desdobrados no Afeganistão, Kosovo e Síria, onde sofreram alguns contratempos, escurecendo sua reputação como um tanque indestrutível. A aquisição destes tanques fazia parte de um plano de modernização das forças armadas em que os Leopards 2A7+ substituíram o AMX-30. Um boato recente relatou uma encomenda de 100 tanques Altay da Turquia, esta informação não foi confirmada até o momento pelo dois países em causa.

Leopard 2A7+ qatari.

Recém-chegado ao Golfo Pérsico, o T-90S fez um avanço espetacular na região graças ao pedido iraquiano de 73 unidades, a última das quais foi entregue em 2018. Essas máquinas são dotadas com equipamentos de série nas versões de exportação do tanque. Não se sabe se os T-90 iraquianos experimentaram o combate, visto que chegaram recentemente ao país. Esses tanques estão posicionados dentro de dois regimentos da 35ª Brigada Blindada Iraquiana pertencente à 9ª Divisão Blindada, esta grande unidade estacionada ao norte de Bagdá sendo uma das principais unidades dos elementos de reação rápida das Forças de Segurança do Iraque.

Mais do que as características do carro de combate, é obviamente a singularidade da encomenda iraquiana que chamou a atenção dos observadores. Entre esses estavam muitos que acreditavam que o primeiro sucesso do tanque russo na região atrairia outros. Foi no Egito que o T-90MS encontrou outro cliente com um pedido de 500 unidades que seriam montadas localmente como o M1 Abrams, tornando este país o único país a montar tanques russos e americanos.

T-90 iraquiano.

T-90 iraquianos recém-chegados em abril de 2018.

Por fim, a todos os senhores, toda honra, o último tanque da região mencionado é o Leclerc, a serviço da arma blindada dos Emirados Árabes Unidos. O contrato assinado em 1993 previa a entrega a partir de 1994 de 388 tanques de guerra e 46 tanques de reparo. Os tanques implantados nos vários batalhões que compõem as brigadas das Forças Terrestres foram usados ​​em operações no Iêmen.

Nesta ocasião, os Emirados Árabes Unidos aderiram ao relativamente pequeno clube de países capazes de suportar uma projeção blindada por um longo período e à distância de seu território. Ao contrário de seu homólogo americano, o Leclerc registrou um recorde muito satisfatório nesta operação com um tanque atingido, mas não destruído por um míssil antitanque Konkurs ou Kornet. A compactação do tanque e sua mobilidade contribuíram muito para seu sucesso neste teatro, em teoria não muito favorável ao engajamento de veículos blindados especialmente pesados. As tripulações lideraram os 80 veículos desdobrados em um ambiente exigente, sobrecarregando as capacidades de apoio do exército emirático, mas também provando que um tanque, por mais avançado que seja, pode lutar em ambientes difíceis e em terrenos pouco favoráveis.

Leclerc emirático.

Esta rápida visão geral dos principais tanques em serviço na região do Golfo Pérsico destaca algumas das características dessas frotas.
  • Uma homogeneidade de origem bastante grande, quatro em cada cinco tanques vêm de países da OTAN. Nenhum tanque asiático, em particular chinês, foi adquirido até agora por um dos países mencionados.
  • Uma homogeneidade de tipo, todos os tanques mencionados são tanques de batalha pesados ​​armados com canhões de 120mm ou mais e equipados com blindagem substancial.
  • Uma disparidade nos engajamentos operacionais desses tanques dentro dos exércitos locais, com a Arábia Saudita e os Emirados tendo desdobrado tanques fora de suas fronteiras, o Iraque dentro das operações internas, enquanto o Kuwait e o Qatar nunca usaram seus tanques em condições operacionais.
  • A idade desses tanques permite que sejam classificados em várias categorias com, por um lado, tanques de segunda geração modernizados, como o Leopard 2, o M1 e o Challenger 2, e, por outro lado, tanques de terceira geração, como o Leclerc e o T -90. Separação que encontramos na composição das tripulações reduzidas a três homens pelo uso de um carregamento automático no Leclerc e no T-90 e de quatro homens no Leopard 2, no M1 e no Challenger 2. Esta noção de tamanho da tripulação é importante para os países que lutam para recrutar pessoal para as suas forças armadas.
  • Em termos de peso, o prêmio vai para o M1A2 com 68,7 toneladas, seguido do M1A1 com 67,6 toneladas, precedendo o Leopard 2A7+ por um quintal curto com 67,5 toneladas seguido do Challenger 2 com 62,5 toneladas. Os dois tanques de terceira geração são os únicos a não ultrapassarem a marca das 60 toneladas, com o Leclerc pesando 56,3 toneladas e o T-90 estimado em cerca de 50 toneladas.
Em termos de desempenho, encontramos uma distribuição idêntica com tanques capazes de disparar em movimento, como o M1 ou Leopard 2, e tanques capazes de disparar em movimento, como o Leclerc. O caso do Challenger 2 é um pouco atípico com um carregamento manual em vários elementos e um tubo estriado (o único do nosso painel) conferindo uma melhor precisão em troca de uma velocidade inicial menor.

Este inventário de frotas de tanques de batalha na região mostra que os países usuários agora devem questionar o futuro desses dispositivos dentro de suas forças terrestres, o que requer modernização.

3) Qual o futuro do tanque de guerra na região?


Os países cujos tanques apresentamos resumidamente têm características geográficas variadas em termos de tamanho e localização, mas todos têm em comum o fato de estarem localizados no coração de um espaço desértico ou semidesértico. Além disso, esses países construíram grandes aglomerações e centros urbanos atravessados ​​por vastas avenidas de linhas geométricas. Essas cidades, que muitas vezes se estendem ao longo de uma costa plana, abrigam edifícios altos que, atingindo 828 metros, o Burj Khalifa culmina em várias centenas de metros e oferecem impressionantes possibilidades de observação.

Estrada no deserto emirático.

O Burj Khalifa.

Finalmente, nos últimos anos, os países da região desenvolveram uma rede rodoviária cada vez mais densa, geralmente de muito boa qualidade e capaz de acomodar máquinas de grande porte dadas as dimensões das faixas de tráfego, alguns destes eixos permitem a movimentação rápida de um país para outro, independentemente das formalidades relacionadas com a passagem de fronteira. Nesse contexto, parece ilusório afirmar ser possível conduzir uma operação terrestre ofensiva ou defensiva sem recorrer a um componente blindado mecanizado.
  • O deserto com seus vastos espaços e suas amplas possibilidades de observação é uma área privilegiada para o combate blindado. Capazes de se moverem de forma rápida e autônoma graças aos auxílios à navegação (por via inercial ou via satélite), os tanques podem conduzir ações brutais dia e noite sobre um inimigo em movimento ou em processo de concentração. A utilização de veículos de combate para missões de controle e vigilância nesses espaços permite salvar o potencial humano e confiá-lo a outras missões. Essa aptidão para vigilância é agora reforçada pela variedade e desempenho dos sensores de bordo, bem como pela capacidade dos tanques modernos de transmitirem informações.
  • As cidades modernas da região não têm mais nada em comum com os mechtas e outros bleds considerados impenetráveis ​​a qualquer veículo. Hoje desenhadas em avenidas imponentes, as cidades da região oferecem um campo de ação privilegiado para unidades blindadas mecanizadas que atuam em sistemas de armas combinadas. Ofensiva ou defensiva, assimétrica ou convencional, uma ação em área urbana desta região requer a mecanização das tropas engajadas beneficiando-se da proteção oferecida pela blindagem dos veículos, o poder de fogo, as capacidades de observação das torres modernas e a mobilidade das lagartas para superar obstáculos e progredir. O debate sobre a localização máxima das armas de bordo é quase inútil aqui, dada a altura dos prédios e a baixa probabilidade de ver um combatente subir as dezenas de andares a pé para ocupar uma posição de pouco interesse, devido à sua altura. As demais características técnicas do tanque mencionadas acima são, por outro lado, bens essenciais para quem possui tais máquinas.


  • Os eixos rodoviários oferecem possibilidades interessantes para o uso de tanques. Cruzando os países, essas estradas permitem realizar movimentos estratégicos de grande escala. Embarcados em transportadores porta-tanques, os veículos blindados podem percorrer facilmente a distância que os separa de uma zona de reagrupamento ou de uma zona de embarque em caso duma projeção. O uso desses eixos também pode ser previsto para movimentos táticos entre diferentes pontos ou zonas do terreno. Podemos pensar que esta rede viária seria um fator favorável para a roda e sua “lendária” mobilidade estratégica, isto rapidamente esqueceria que uma vez fora desses eixos de conexão, as máquinas em questão terão que combater e se moverem em um ambiente desértico. Observe-se que a maioria dos tanques modernos são capazes de garantir a segurança de um comboio em movimento, graças à sua capacidade de observação em movimento de 360° e à longa distância, graças a miras independentes geralmente disponíveis no posto do chefe do carro (Viseur Chef do Leclerc, Commander Independant Thermal Viewer do M1 Abrams). A esta capacidade soma-se a possibilidade de efetuar disparos precisos à grande distância sobre objetivos que ameacem a segurança do comboio.
  • Finalmente e independentemente destes fatores geográficos, o tanque com suas qualidades de proteção, poder de fogo, mobilidade e comunicação continua sendo um elemento essencial das forças terrestres. Instrumento poderoso, ele é capaz de enfrentar múltiplas ameaças em ambientes difíceis. Para os países da região, é a ferramenta capaz de derrotar uma ameaça blindada mecanizada, mas também de se engajar em operações de menor intensidade diante de um inimigo com poucos ou nenhum blindado. É claro que suas aptidões são multiplicadas pela cooperação real de armas combinadas, sem a qual o tanque é apenas um elemento isolado e condenado. Isso exige dos exércitos usuários um real investimento no treinamento e treinamento de tripulações cada vez mais eficientes com a chegada de uma nova geração de simuladores, a bordo e cada vez mais eficientes. Essas ferramentas de treinamento devem ser incluídas nos programas de atualização para tanques em serviço para permitir sua integração em torres modernizadas.
4) Alguns caminhos para o desenvolvimento

Tripulação de um M1A1M Abrams iraquiano.

Depois de ter evocado (demonstrado?) a pertinência para os países da região terem tanques de guerra e no que diz respeito aos parques acima descritos, é interessante evocar as possíveis soluções de evolução destas máquinas para os próximos anos.
  • Para a maioria dos países da região, a substituição das frotas por novos tanques não parece ser o meio preferido pelos países da região para a conservação de uma capacidade blindada. Dispondo de recursos financeiros, apesar da recente crise de saúde, os países da região poderiam considerar tal operação.
  • A modernização dos tanques em serviço parece, portanto, a hipótese mais factível nas atuais circunstâncias, mas que deve ser modulada de acordo com os países e tanques em questão.
  • O Qatar deve simplesmente acelerar o processo de aquisição de Veículos de Combate de Infantaria capazes de acompanhar os recém-adquiridos Leopards e para os quais nenhuma modernização imediata parece necessária ou possível, dado o peso da máquina; a incorporação de qualquer equipamento adicional teria consequências significativas na mobilidade do tanque. O VCI sobre rodas, conforme o desejo de Doha, terá de permitir aos qataris adquirirem uma capacidade real de combate blindado mecanizado, que hoje sofre com a ausência de infantaria blindada.
  • O Kuwait deu início a uma modernização "adaptada" de seus M1A1 que no momento parecem satisfazê-lo, o exército americano dispondo de várias bases no país parece oferecer ao emirado uma proteção muito superior à dos 248 M1 servidos por tripulações cujo desempenho permanece um tanto desconhecido. Em 2017, o Kuwait demonstrou grande interesse pelo T-90MS, citando a possível assinatura de um contrato de compra entre o emirado e a Rússia. Em 2019, os militares do Kuwait anunciaram que esta aquisição foi adiada, mas não cancelada.

O primeiro M1A2K Abrams entregue ao Exército do Kuwait.

  • Para o Sultanato de Omã, a hipótese de uma modernização de seu Challenger 2 é cada vez menos provável. Que solução é oferecida ao Sultanato para manter um componente blindado? Para manter tal capacidade, vários caminhos foram mencionados, incluindo a possível aquisição de 70 Leopards 2 ou tanques Altay turcos. O sultanato já encomendou 172 veículos de combate de infantaria Pars III da Turquia fabricados pela FNSS. Adepto da diplomacia medida e ansioso por manter distância das grandes alianças, o Sultanato poderia fazer uma escolha mais "exótica", favorecendo um tanque moderno servido por uma tripulação de três homens, uma característica importante para um país com pouca mão de obra. A presença não verificada do tanque Altay e do K2 sul-coreano no país nos últimos meses pode confirmar a hipótese de uma avaliação dessas duas máquinas com vistas a uma futura aquisição. Otokar, fabricante do tanque turco ainda aguarda uma motorização que lhe permita lançar a industrialização da segunda fatia do Altay.
  • A Arábia Saudita poderia, por sua vez, considerar a modernização de seus M1A1, operação que já foi iniciada com a conversão de um certo número de seus tanques para o padrão M1A2S. Vários equipamentos adicionais poderiam ser integrados em uma versão modernizada do tanque, começando com um reforço da proteção com a adição de blindagem de ripas e pelo menos um sistema de proteção soft kill ativo acoplado a um detector de alerta a laser. O reforço do sistema de combate a incêndios também deve ser considerado, bem como a sua automatização. Obviamente, o objetivo é melhorar a capacidade de sobrevivência do tanque, que vimos pegar fogo várias vezes, após ser atingido por um projétil antitanque. Essa modernização deve ser acompanhada por uma retomada total do treinamento individual e coletivo das tripulações sauditas. A contribuição da tecnologia não será capaz de compensar as deficiências observadas no Iêmen em termos de know-how tático e técnico.
  • Os Emirados Árabes Unidos com o Leclerc têm um tanque com duas vantagens, nomeadamente uma margem de evolução significativa e um engajamento operacional de sucesso. A primeira dessas vantagens permite pensar em soluções inovadoras sem comprometer a mobilidade e a compactação do tanque. Na área de proteção, a adição de um sistema de proteção ativo soft e hard kill constituiria uma grande melhoria, completando os kits de blindagem adicionais. O poder de fogo poderia ser aumentado com a adoção de novas miras capazes de detectar e rastrear um objetivo e o disparo de munições novas e mais eficientes. A integração do tanque em seu ambiente poderia ser melhorada com a implementação de um novo sistema de comando e gerenciamento de informações. Nesta área, o estabelecimento de uma ligação Bluetooth com os elementos de infantaria localizados no ambiente do tanque. O monitoramento do ambiente do tanque pode ser feito por meio de uma rede de câmeras que cobre 360º ao redor do tanque e cujas imagens podem ser aprimoradas com o uso de realidade aumentada. Ao contrário dos tanques de projeto mais antigo, o Leclerc pode integrar essas evoluções para se tornar ainda mais eficiente, qualquer que seja a intensidade e a natureza das operações. Este é o significado da reforma realizada pelo exército como parte do programa Scorpion.
5) Uma modernização de curto-circuito.

Leclerc emirático.

Entre os países mencionados nestas linhas, alguns conseguiram desenvolver versões locais de tanques frequentemente antigos em serviço em seus exércitos. Podemos citar, é claro, o Irã, mas também o Iraque com uma versão local do T-55, sem esquecer o Egito e a modernização do M60. Paralelamente a essas tentativas, vimos o nascimento nos últimos anos nos países do Golfo de empresas locais de defesa. Podemos citar a Emirates Defense Technology, criada em 1996 em Abu Dhabi, ou ainda a Emirates Defense Industries Company. Ao contrário das duas entidades emiráticas, a empresa qatari Barzan Holding carece de qualquer capacidade industrial ou de engenharia, limitando-se a sua ação à celebração de parcerias estratégicas com grupos industriais no estrangeiro. Esses acordos servem como estrutura para o fornecimento de equipamentos para as Forças Armadas do Qatar.

Por último cronologicamente, a SAMI ou Saudi Arabia Military Industry (Indústria Militar da Arábia Saudita) foi criada em 2017 como parte do Plano Visão 2030, lançado pelo Príncipe Herdeiro Mohamed Bin Salmane, com o objetivo de dotar o país de uma indústria de defesa nacional. Desde a sua criação, a SAMI tem vindo a firmar inúmeras parcerias com vista à criação de capacidades locais para o desenvolvimento, fabrico e montagem de viaturas de combate. Essas empresas, que representam o futuro da indústria de defesa local, buscam adquirir novas competências para dominar todas as etapas de desenvolvimento e fabricação de veículos blindados. Alguns desses países já possuem empresas que desenvolveram e fabricaram diversos veículos, como a Nimr nos Emirados Árabes Unidos, cujo alcance vem crescendo ao longo dos anos, ou a Emirates Defense Technology que se dedica ao projeto do veículo blindado Enigma.

Na Arábia Saudita, além da SAMI e suas inúmeras parcerias, podemos citar a Al Tadrea que criou há alguns meses com a Oshkosh a empresa OTM (Oshkosh Al Tadrea Manufacturing) para produzir no reino veículos táticos aproveitando a expertise do fabricante americano do JLTV. No Qatar, a ambição da Barzan Holdings é semelhante com o desenvolvimento de atividades de P&D, investimentos estratégicos e compras direcionadas para desenvolver o setor de defesa industrial local.

Soldados sauditas no Iêmen.

Estes grupos e empresas representam a vontade política dos dirigentes e possuem verdadeiras capacidades tecnológicas que lhes podem permitir desempenhar um papel ativo na atualização e modernização dos equipamentos em serviço nos seus exércitos. Por meio de acordos com os fabricantes originais das máquinas, essas empresas poderiam ser encarregadas de atividades de modernização de veículos de combate. A recente crise sanitária que afetou também as economias dos Estados da região poderia incentivá-los a privilegiar um caminho local para a realização de certas operações de modernização, opção economicamente mais interessante do que o faturamento total de todas as operações de modernização pelo fabricante original. Os futuros contratos de armamentos com esses países colocarão mais ênfase nas indústrias locais e em suas capacidades.

Ao final deste panorama, fica claro que o tanque mantém toda a sua importância nas forças armadas dos países da região. Alguns acreditavam ver nas decepções dos tanques sauditas engajados no Iêmen, o símbolo do desajustamento do tanque a conflitos assimétricos de intensidade variável, ao passo que se deveriam ver apenas as deficiências de tripulações desmotivadas e mal-treinadas. No entanto, os tanques em serviço devem ser modernizados para permanecerem eficazes diante das ameaças no ambiente específicos dos países. As nascentes indústrias de defesa local podem ser envolvidas a partir de agora na realização de operações de atualização/modernização antes de desempenharem um papel mais importante no desenvolvimento e fabricação de seus futuros veículos de combate.

Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

segunda-feira, 25 de outubro de 2021

A nova brigada do Irã se infiltra em tribos no leste da Síria

Membros das Forças Democráticas da Síria se reúnem na aldeia de Susah, na província oriental de Deir ez-Zor, perto da fronteira da Síria com o Iraque, em 13 de setembro de 2018. (AFP via Getty Images)

Por Mohammed Hardan, Al-Monitor, 24 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de outubro de 2021.

O Irã está trabalhando para controlar e se infiltrar na comunidade síria apoiando líderes locais afiliados a ele, formando conselhos tribais e nomeando novos xeiques de pequenos clãs e famílias para espalhar o xiismo em suas áreas de controle no leste da Síria.

Desde o início de 2021, o Irã começou a trabalhar na formação da brigada militar Hashemiyoon na Síria, permitindo que apenas xiitas se juntassem a ela. A facção recém-formada, que começou a operar em meados de agosto, juntou-se a outras facções pró-iranianas na Síria, incluindo as Brigadas Zainabiyoun, Brigada Fatemiyoun e Brigada Al-Husseinoun.

A Brigada Hashemiyoon se envolveu em operações militares na Síria, com escritórios e bases se espalhando pelas cidades de al-Bukamal, al-Mayadin, Deir ez-Zor e Raqqa no leste da Síria. Novos escritórios também foram abertos em Aleppo e no interior de Damasco.

A brigada é diretamente filiada ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã e é liderada por Youssef al-Hamdan, conhecido como Abu Issa al-Mashhadani, e Musa al-Mahdmoud - ambos próximos a Teerã.

Em agosto, a brigada recebeu ordens de convencer xeiques tribais, mukhtars, clérigos e outros dignitários e figuras influentes no leste da Síria a se juntar ao chamado Conselho de Tribos e Clãs do Vale do Eufrates afiliado ao Irã, com o objetivo de espalhar o xiismo na área.

Aqueles que concordarem em se juntar ao conselho receberão um documento certificando que são descendentes dos Hachemitas (descendentes do Profeta Muhammad) e da Casa Husseini (em referência a Hussein Ibn Ali, filho de Ali, primo do Profeta Muhammad e Fátima, filha do Profeta Muhammad). Eles também receberiam apoio político, militar e da mídia, além de fundos para abrir uma nova sede para o recrutamento e treinamento de alunos do ensino fundamental e médio, além de organizar viagens escolares para universidades iranianas na cidade de Qom.

Um xeique da tribo Bakara em Deir ez-Zor disse ao Al-Monitor sob condição de anonimato: “Todos os membros da Brigada Hashemiyoon são tribais da área, especialmente de Deir ez-Zor. A brigada é estimada em cerca de 200 membros até agora.”

A brigada confiscou muitas casas em al-Bukamal e outras cidades e vilarejos na área do Eufrates, transformando-as em locais para novos recrutas, segundo o xeique.

A Cidadela de Al-Rahba na cidade de al-Mayadin também foi transformada em um depósito de armas para proteger as armas de ataques aéreos, disse ele, observando que a cidadela também serve como um local militar para os líderes iranianos da brigada.

A principal missão da Brigada Hashemiyoon é recrutar membros da tribo e converter à força a população ao xiismo, subornando líderes tribais influentes, disse a fonte.

“Teerã está bem ciente da influência das tribos nesta parte da Síria, já que são os habitantes originais com a maior densidade populacional - algo que pode ajudar a espalhar o xiismo nas comunidades sírias. Além disso, o Irã [recorreu a tribos], uma vez que não podia mais cobrir todas as frentes de batalha devido às perdas em curso e à deserção de dezenas de combatentes”, observou ele.

Ele disse: "Estão ocorrendo reuniões entre dignitários tribais da área e líderes iranianos para recrutar membros da tribo para as fileiras da nova brigada e cobrir frentes de batalha contra células do Estado Islâmico, Forças Democráticas Sírias [SDF] e facções armadas da oposição".

A fonte acrescentou: “Mas esses esforços para recrutar membros da tribo não terão sucesso, pois nós [a tribo Bakara] esperaremos pela oportunidade certa para eliminar os líderes tribais que são leais ao Irã e que perderam influência entre os membros da tribo. O Irã tem procurado usar esses chefes para servir aos seus próprios interesses, depois de ter posto de lado os líderes tribais oponentes."

Ele continuou: "O Irã está garantindo que a brigada recém-formada seja composta por membros de tribos, uma vez que as tribos estão espalhadas no Iraque e na Síria, o que ajudaria Teerã a controlar e espalhar sua influência mais rapidamente na área [do Eufrates]."

Mudar Hammad al-Assaad, porta-voz do Conselho de Clãs e Tribos da Síria, disse ao Al-Monitor: “O Irã tem usado as tribos árabes para recrutar seus jovens para lutar ao lado das forças iranianas e ganhar sua lealdade, oferecendo-lhes apoio militar e econômico entre outros benefícios. O Irã também nomeou muitos xeiques em uma tentativa de minar o papel das tribos, muitas das quais se juntaram à oposição política.”

Ele disse: “Teerã está tentando espalhar a mensagem de que os combatentes das tribos que lutam com as forças armadas da oposição não representam os clãs. Muitas tribos apóiam o regime sírio e o Irã, o que aprofunda a distância entre os membros do mesmo clã."

Assaad observou: “Em meio à deterioração da situação econômica e de segurança, os jovens da área procuram se juntar às milícias filiadas ao Irã em uma tentativa de escapar das prisões do regime sírio e conseguir algum dinheiro. Os líderes da Brigada Hashemiyoon também oferecem alguns incentivos - como a autoridade para conduzir questões legais e transações em departamentos governamentais - para atrair a juventude, que é a tática do Irã para recrutar pessoas na área”.

Ele acrescentou: “Nas últimas semanas, um grupo de xeiques tribais intensificou seus pedidos de recrutamento. O Irã está tentando incluir tribos em suas fileiras porque contratar combatentes estrangeiros é muito mais caro."

De acordo com a rede Al-Khabour que cobre notícias no leste do Eufrates, o Irã não conseguiu controlar militarmente o leste do Eufrates e agora está trabalhando para controlá-lo por meio do apoio de líderes locais leais a Teerã e da formação de conselhos tribais, bem como a nomeação de novos xeiques de tribos menores e famílias pertencentes a Ahl al-Bayt (referindo-se à família extendida do Profeta Muhammad), em uma tentativa de espalhar o xiismo na área.

Fontes privadas citadas por Al-Khabour disseram que o Irã anunciou seu apoio ao clã Bani Saba para realizar uma conferência em 13 de outubro na área Qamishli controlada pela SDF, a fim de se separar da tribo Tay, uma das maiores tribos na Síria que não tem nenhuma filiação a qualquer partido.

As mesmas fontes relataram que o Irã havia concedido fundos para os dignitários Bani Saba serem distribuídos às famílias da tribo Tay em Qamishli, em uma tentativa de ganhar sua lealdade.

Anas Shawakh, pesquisador do Jusoor Center for Studies, disse ao Al-Monitor: “A Brigada Hashemiyoon visa semear a discórdia dentro das tribos árabes e associá-los ao Irã, Ahl al-Bayt e os Hachemitas. A brigada conseguiu criar rachaduras na tribo Tay, depois que o clã Bani Saba anunciou que estava se separando para se tornar independente.”

Ele disse: “Essas tribos e clãs desertados precisarão se juntar a facções militares, e é por isso que a brigada foi formada, para abranger todos eles. Com este movimento, a Rússia não seria mais capaz de expulsar o Irã da área, porque Teerã conseguiu se infiltrar profundamente no tecido social da área, alcançando seu objetivo desejado."

Bibliografia recomendada:

O Mundo Muçulmano.
Peter Demant.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Operações especiais não são um substituto para a estratégia


Por Stewart Parker e Ari Cicurel, Breaking Defense, 19 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

Usadas demais e sobrecarregadas na "guerra global contra o terror" desde o 11 de setembro, as Forças de Operações Especiais precisam que Biden lhes dê uma pausa para que possam se concentrar na Rússia, China e na "zona cinzenta".

De filmes a livros que contam tudo, a América adora seus operadores especiais. Mas um ritmo esmagador de operações e uma definição cada vez maior do que constitui uma “operação especial” esticou muito as Forças de Operações Especiais (Special Operations Forces, SOF), tornando mais importante do que nunca definir de forma restrita as missões SOF. A Orientação Provisória de Segurança Nacional do Presidente Joe Biden é um passo importante para redirecionar a política militar do contra-terrorismo no Oriente Médio para a competição estratégica contra a China.

Mas a emissão da orientação provisória em si não resolve os problemas das SOF. É possível para Biden criar uma pegada militar mais inteligente e sustentável no exterior, mas o sucesso estratégico requer a adaptação do modelo americano para contra-terrorismo e contra-insurgência enquanto muda a forma como utiliza as SOF.

A estratégia de Biden para o Oriente Médio busca "dimensionar nossa presença militar ao nível necessário para interromper redes terroristas internacionais, deter a agressão iraniana e proteger outros interesses vitais dos EUA" para que a América possa redirecionar recursos militares para ameaças cada vez mais perigosas como a China.

Após o choque histórico dos ataques de 11 de setembro, o contra-terrorismo e a contra-insurgência no Oriente Médio se tornaram os principais desafios para os planejadores de defesa americanos. Diante de terroristas ou insurgentes que rapidamente atacavam civis e depois se escondiam entre eles, os líderes dos Estados Unidos se apaixonaram por raides de operações especiais e ataques de drones.

Operador especial (CCT/USAF) à cavalo na invasão do Afeganistão, outubro de 2001.

Os EUA já tentaram se afastar da "guerra global contra o terrorismo" antes, começando com o "pivô para a Ásia" do presidente Obama, que nunca se materializou. Em seguida, veio a Estratégia de Defesa Nacional de 2018 da administração Trump e o Anexo de Guerra Irregular de 2020 que priorizou o Indo-Pacífico. Agora, a mudança estratégica de Biden indica que a primazia do contra-terrorismo e da contra-insurgência na segurança nacional americana está acabando.

No entanto, a retirada das tropas não encerrará os conflitos regionais nem eliminará a exposição dos Estados Unidos ao terrorismo. As demandas pelos recursos exclusivos fornecidos pelas SOF não vão diminuir, mesmo com a redução de sua presença no Oriente Médio.

No futuro, será um desafio para o Comando de Operações Especiais dos EUA (U.S. Special Operations CommandUSSOCOM) equilibrar as operações de contra-terrorismo e contra-insurgência em curso, enquanto também se prepara para envolver a China e a Rússia na "zona cinzenta" legal e estrategicamente obscura entre guerra e paz.

Durante grande parte das últimas duas décadas, os operadores especiais funcionaram como uma força não-convencional apoiada por forças convencionais, com as SOF frequentemente no papel principal. O combate contra forças semelhantes provavelmente inverteria esse relacionamento, exigindo que as SOF cumprissem missões de apoio à força combinada mais ampla, aliados e parceiros.

Contra-terrorismo e Contra-insurgência Sustentáveis

As Forças Especiais dos EUA (Boinas Verdes) atacam um objetivo em um evento de treinamento.

Mesmo que as forças americans se retirem do Afeganistão ou de todo o Oriente Médio, os terroristas não irão embora. O presidente Biden, portanto, pretende manter algum foco no contra-terrorismo e na contra-insurgência, mesmo enquanto reduz o engajamento militar em conflitos relacionados. A adoção de um modelo menos focado no combate cinético (poder de fogo) e mais focado no que é acessível e sustentável a longo prazo reduzirá o papel dos militares e contribuirá para melhores resultados de segurança. A Estratégia Nacional de Contraterrorismo de 2018, que exige "todos os instrumentos disponíveis do poder dos Estados Unidos para combater o terrorismo", é um ponto de partida para o plano sustentável do novo governo. Os raides das SOF e ataques aéreos podem atrair atenção descomunal, mas também têm um registro imperfeito de transparência. Para melhor abordar as preocupantes descobertas da comissão do 11 de setembro, os EUA devem continuar a desenvolver seu potente portfólio de capacidades não-militares.

A análise do Centro Nacional de Diplomacia e Contra-terrorismo deve moldar os programas de contra-terrorismo e contra-insurgência, com a aplicação da lei civil e agências de inteligência muitas vezes assumindo a liderança. Os formuladores de políticas devem definir claramente suas prioridades, limitando os esforços apenas contra os grupos terroristas que mais ameaçam a América, seus interesses e seus parceiros. Uma estratégia de recursos sustentáveis requer colaboração proativa, atribui funções claras a departamentos e agências para evitar redundância ineficiente e estimula parceiros e aliados a se apropriarem das missões globais de contra-terrorismo. Mais importante ainda, um modelo de contra-terrorismo com recursos sustentáveis libera cada vez mais Forças de Operações Especiais para se reorientarem contra os atores estatais e seus representantes (proxies).

Adaptando as Forças de Operações Especiais

Operadores especiais russos (Spetsnaz), conhecidos como "Homenzinhos Verdes", na Ucrânia em março de 2014.

O combate efetivo à China, Rússia e outros Estados malignos exige que os formuladores de políticas adaptem o papel das SOF. Embora o contra-terrorismo e a contra-insurgência com foco restrito continuem sendo um esforço duradouro, as SOF não se concentraram historicamente nessas missões. Os Rangers de Roger dominaram as táticas de raides de estilo indígena na Guerra Revolucionária - o que os teóricos hoje chamariam de um conflito "híbrido" envolvendo guerrilheiros e forças regulares, incluindo o Exército Continental de Washington e seus aliados franceses. O presidente Kennedy autorizou os Boinas Verdes a responderem às insurgências apoiadas pelos soviéticos, e uma das principais funções das SOF na Guerra Fria era preparar movimentos de resistência em nações aliadas em risco de serem ocupadas por Moscou. Foram os fracassos conjuntos na tentativa de resgate de reféns iranianos em 1980 e o sucesso superficial na invasão de Granada em 1983 que impulsionaram a criação do USSOCOM - não o terrorismo.

Somente depois do 11 de setembro as SOF foram totalmente absorvidas por raides de “ação direta” contra terroristas e insurgentes, à medida que o USSOCOM se tornou o comando apoiado na guerra global contra o terror, em vez de um elemento de apoio em uma campanha basicamente convencional. As Forças Armadas são mais hábeis dentro da caixa de operações convencionais, mas as atividades centrais das SOF serão indispensáveis para campanhas futuras bem-sucedidas em todo o espectro do conflito. No mês passado, os legisladores reconheceram isso criando um novo subcomitê para supervisionar as SOF.

Operadores Delta e Ranger no momento do choque entre o Bluebeard 3 e o Republic 4 durante a fracassada Operação Eagle Claw, em 1980.
(Ilustração de Jim Laurier e Johnny Shumate/Osprey Publishing)

A redução das atividades de CT melhorará a capacidade das SOF de competirem abaixo do nível de conflito armado, responderem a crises, recuperarem americanos sequestrados e criarem prontidão para a guerra em um ambiente operacional altamente contestado e desordenado.

Para se preparar para a competição estratégica, os Estados Unidos precisam adaptar suas missões de contraterrorismo e contra-insurgência. As SOF serão vitais nas operações contra a China e a Rússia, embora permaneçam cruciais contra as ameaças duradouras no Oriente Médio. Sem rodeios, não há guerra que os militares americanos possam vencer sem Forças de Operações Especiais eficazes.

O Tenente-Coronel Stewart “PR” Parker é um participante do Programa de Líderes Militares dos EUA de 2020 do Instituto Judaico para a Segurança Nacional (Jewish Institute for National Security of America, JINSA) e atualmente está designado para o Comando de Operações Especiais da Força Aérea. Ari Cicurel é um analista de política sênior no Gemunder Center for Defense and Strategy da JINSA.

Bibliografia recomendada:

Special Operations Forces in Afghanistan.
Leigh Neville e Ramiro Bujeiro.

Special Operations Forces in Iraq.
Leigh Neville e Richard Hook.

Leitura recomendada:


As lições de Mogadíscio, 7 de outubro de 2018.


terça-feira, 14 de setembro de 2021

NOHED: As Forças Especiais do Irã


Por Eren Ersozoglu, Grey Dynamics3 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.


Principais descobertas sobre a NOHED:

Brigada de “Forças Especiais Aerotransportadas” NOHED, estabelecida em 1959 como parte das Forças Especiais Imperiais do Irã. As Forças Especiais dos EUA durante a década de 1960, antes da Revolução Iraniana de 1979, treinaram o grupo. O Irã utilizou principalmente o NOHED na Guerra Irã-Iraque (1980-88).

O Coronel Holako Ahmadian liderou o grupo. A brigada é a elite das unidades de forças especiais do Irã. Em 4 de abril de 2016, as autoridades anunciaram oficialmente que a NOHED estava presente na Síria para apoiar o governo Assad na Guerra Civil Síria. A narrativa oficial era de desdobramento "consultivo".

Fontes não-oficiais de altas fatalidades sofridas pela unidade aumentam a improbabilidade dessa narrativa. O general iraniano Ali Arasteh apoiou esta avaliação. Ele afirmou que comandos e atiradores de elite (snipers) de suas forças armadas podem ser usados como "conselheiros militares".

É altamente provável que a NOHED permaneça na Síria em uma capacidade consultiva e operacional.

A NOHED, em uníssono com o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) e a secreta Força Quds, tem estado muito ativa na Síria. Este artigo de inteligência da Grey Dynamics analisa a unidade de forças especiais do Irã, fornecendo informações básicas, capacidades e presença na Síria.

Operadores da NOHED no Curdistão durante a Guerra Irã-Iraque.

Os Boinas Verdes do Irã

As raízes da NOHED remontam a 1953, quando oficiais do Exército Imperial Iraniano participaram de treinamento de paraquedismo na França. O Batalhão de Paraquedistas foi estabelecido em 1959, uma reforma da Unidade de Paraquedistas criada pelos oficiais treinados na França. Esta unidade tornou-se a 23ª Brigada de Forças Especiais Aerotransportadas em 1970, adotando as boinas verdes de estilo americano. O emblema da unidade até espelhava de forma quase idêntica (antes da Revolução Iraniana) a insígnia De oppresso liber das Forças Especiais do Exército dos EUA. Isso foi o resultado do envio de quatro destacamentos operacionais de operadores de forças especiais pelos EUA para treinar o pessoal militar do Irã na década de 1960. Parte desse treinamento incluiu a 65ª Brigada de Força Especial Aerotransportada do Irã, que agora é chamada de 65ª Brigada NOHED, um componente-chave das forças especiais iranianas. A brigada é dividida em quatro unidades principais: resgate de reféns, operações psicológicas, apoio e guerra irregular.

Comandos boinas verdes iranianos.

Treinamento

Passar no treinamento para a unidade de forças especiais do Irã, apelidada de "fantasmas poderosos" dentro do exército iraniano, é extremamente difícil. Aqueles que passam no treinamento inicial de paraquedismo passam períodos de treinamento em desertos, florestas, neve, mar e montanhas. Este estágio visa cultivar a capacidade de engajar efetivamente os adversários em qualquer ambiente. Obtidos os pontos necessários nesta etapa, dá-se início à etapa de especialização. Por exemplo, a Unidade de Resgate de Reféns (Unidade-110) provavelmente envolveria ênfase no arrombamento e eliminação de bombas. Outra seção do treinamento envolve espionagem, reconhecimento e telecomunicações, bem como guerra irregular. Isso fornece a capacidade para a guerra de guerrilha. Essas características permitem a utilização da NOHED em guerras híbridas/irregulares (Iraque, Síria) para atender aos objetivos do Estado iraniano. Com aproximadamente 5.000 militares, um relatório do Poder Militar do Irã da Agência de Inteligência de Defesa de 2019 afirmou que a Brigada NOHED é a elite das forças especiais iranianas.

A Unidade de Resgate de Reféns (Unidade-110) da NOHED durante um exercício de missão de resgate de reféns, o homem da frente armado de submetralhadora Uzi.

Lista de Ataques

Ao longo da história da unidade de forças especiais iranianas, a Brigada NOHED estabeleceu sua reputação dentro dos círculos militares iranianos com ações realizadas em teatros de guerra:
  • Primeira experiência de combate na Guerra Civil de Omã 1963-76.
  • Supressão da revolta do Khuzistão de 1979.
  • Rompimento do cerco de Abadan (1980-81) durante a Guerra Irã-Iraque, as forças iraquianas que lançaram um ataque surpresa em território iraniano foram retidas com sucesso pela 23ª Brigada de Forças Especiais Aerotransportadas.
  • Durante a Guerra Irã-Iraque, a unidade conseguiu manter posições estratégicas em Dopaza e Laklak, apesar dos ataques químicos do Iraque.
  • Em uma operação simulada, a 65ª tomou e capturou centros estratégicos importantes pela capital Teerã, alcançando o sucesso da missão em 2 horas.
Existem vários relatos não-confirmados de operações clandestinas no Afeganistão e no Paquistão. No entanto, não está claro até que ponto as capacidades de guerra irregular desta unidade ocorreram ao longo da história recente.

 A pegada na Síria

A Guerra Civil Síria de 2011 levou ao governo de Assad, grupos de oposição, forças estrangeiras proxy (terceirizadas), Forças Democráticas Sírias Curdas (SDF) e forças do Estado Islâmico a ficarem engalfinhados em um conflito em curso. Um dos muitos países envolvidos foi o Irã, fornecendo ao governo Assad apoio monetário, logístico, militar e diplomático. Em abril de 2016, o brigadeiro-general iraniano Ali Aratesh informou à Agência de Notícias Tasnim que assessores da 65ª Brigada NOHED estavam estacionados na Síria. O que significa que é provável que a unidade das forças especiais do Irã estivesse presente já em 2011-12, quando oficiais de inteligência ocidentais afirmaram que 150 membros do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC) estavam presentes na Síria para apoiar Assad.

Em 10 de abril de 2016, reportagens afirmavam que beligerantes assassinaram um sargento da NOHED na Síria. Desde então, a atividade iraniana aumentou significativamente na Síria. Relatórios não-confirmados mostram pelo menos 30 membros da NOHED mortos apenas em 2016. O Irã utiliza combatentes xiitas do Afeganistão, Iraque, Paquistão, bem como o notório proxy Hezbollah. As forças militares apoiadas pelo Irã controlam os arredores de Damasco, com várias bases na Síria. A Síria está sofrendo com uma guerra contínua em um ambiente altamente volátil e com numerosos interesses. É nesse ambiente irregular que a Brigada NOHED foi treinada para operar e, sem dúvida, será utilizada.


Eren Ersozoglu é analista da Grey Dynamics. Ex-graduado em história pela Coventry University com foco em ligações entre terrorismo e crime organizado e estudos de inteligência e segurança, graduou-se na Brunel University.

Bibliografia recomendada:

World Special Forces Insignia.
Gordon L. Rottman e Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

É por isso que as Forças Especiais do Irã ainda usam boinas verdes, 4 de janeiro de 2020.

COMENTÁRIO: O treinamento militar do Irã de acordo com um iraniano, 5 de fevereiro de 2021.

GALERIA: A Uzi iraniana3 de março de 2020.

A influência iraniana na América Latina, 15 de setembro de 2020.

O papel da América Latina em armar o Irã16 de setembro de 2020.

A Venezuela está comprando petróleo iraniano com aviões cheios de ouro, 8 de novembro de 2020.

Irã envia a maior frota de petroleiros de todos os tempos para a Venezuela15 de dezembro de 2020.

O desafio estratégico do Irã e da Venezuela com as sanções13 de setembro de 2020.

As Forças de Defesa de Israel fazem uma abordagem ampla ao lidar com a ameaça iraniana16 de dezembro de 2020.

Com a série de espiões "Teerã", os israelenses alcançam um inimigo1º de outubro de 2020.