terça-feira, 3 de março de 2020

GALERIA: A Uzi iraniana

Antigo comando iraniano do tempo do Xá com uma Uzi israelense, quando as armas eram novas em folha.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de março de 2020.

Projetado pelo judeu-alemão Uziel Gal, que se mudou para Israel e teve uma carreira distinta nas Forças de Defesa de Israel, a submetralhadora Uzi é um ícone de Israel e do Ocidente há décadas. O Irã do Xá comprou Uzis com seu emblema nacional estampado e um seletor de tiro escrito em farsi. Após a Revolução Iraniana de 1979, a nova República Islâmica herdou todas as armas da era do Xá, dos Tomcats F-14 dos EUA às submetralhadoras Uzi de Israel.

Curiosamente, o Irã revolucionário não alterou nenhuma marcação nas armas israelenses, mantendo o antigo emblema do Xá e as iniciais da IMI intactos. No Irã, a Uzi foi usada principalmente em segurança naval e nas forças especiais. Outras Uzis israelenses-iranianas chegaram ao Iraque, sendo capturadas por soldados da Coalização americana, assim como nos mercados de armas da Síria. Em 2018, uma dessas Uzis estava à venda em Idlib, na Síria, por US$ 400. Hoje, as IMI Uzi originais de 30 anos ainda estão em serviço, mas o Irã também começou a fazer cópias (sem licença) da Uzi em 2019. Essas submetralhadoras  fabricadas no Irã provavelmente estarão em serviço mais amplo que a IMI Uzi. O recipiente principal é o Exército (Forças Terrestres do Corpo da Guarda Revolucionária da Revolução Islâmica, NEZSA) com planos para um fornecimento mais geral do que antes.

O antigo emblema nacional, que estava na bandeira do Irã antes da Revolução Islâmica de 1979. O selo foi deixado intacto, coroa e tudo.

Marcações em Farsi, número de série e estampa IMI (Israeli Military Industries).

Marcações do seletor de tiro no idioma farsi.

Sargento comando iraniano com uma Uzi.



Menina do Pasdaran, o ramo infanto-juvenil da Guarda Revolucionária.



BÔNUS: Chuck Norris e a Uzi

Chuck Norris atirando com uma Uzi em frente a um quadro do Aiatolá Khomeini.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário