sábado, 24 de julho de 2021

A seção de infantaria como uma prioridade estratégica nacional

Legionários do 2e REP na cordilheira do Adrar des Ifoghas, no Mali, em 2013.

Pelo Ten-Cel Michel Goya, La Voie de l'Épée, fevereiro de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de julho de 2021.

Quando examinamos a lista dos 400 soldados "mortos pela a França" em operações por cinquenta anos, vemos que são quase exclusivamente infantaria e sapadores. Na grande maioria dos casos, estes homens foram mortos em combates de amplitude muito limitada por outros “combatentes desembarcados”, sempre irregulares, por disparos de armas leves ou por artefatos explosivos. Essas lutas agora também podem acontecer na França metropolitana.

Notamos também que esses micro-combates têm um impacto estratégico muito maior do que antes na história, com uma assimetria de efeito muito forte dependendo se os soldados franceses tombem neles ou não. No primeiro caso, essas lutas aparecem na mídia na França continental, o que não é necessariamente o caso no segundo. E tão logo essas perdas sejam "importantes", que em termos modernos começa em dois, elas inevitavelmente suscitam questionamentos sobre a eficácia e o andamento da operação em curso, o que nunca deixa de embaraçar em nível político.

Sniper francês do 35e RI com o FR F2.

Pode-se questionar essa hipersensibilidade midiática-política, na maioria das vezes em descompasso com o sentimento de uma opinião pública francesa em geral muito mais resiliente, sem falar na visão do inimigo. Notaremos apenas que isso induz uma relutância em se engajar no terreno, em contato, embora esta ainda seja a única maneira de in fine obter a decisão e a vitória.

A conclusão desta contradição entre a necessidade estratégica de engajamento dos combatentes no terreno (inclusive no território metropolitano), as perdas que isso induz e o constrangimento, também no nível estratégico, que essas próprias perdas causam deveria logicamente fazer desses combatentes desembarcados uma prioridade da defesa nacional. Mas isso está longe de ser o caso.

Panzergrenadiers modernos e antigos.

Desde o fim da Guerra Fria, tivemos total superioridade no ar e sobre os mares, a capacidade de combate de pequenas células táticas terrestres, embora essenciais, quase não mudou nas últimas décadas. Uma patrulha de caças Rafale não arriscaria nada contra dois Focke-Wulf 190 alemães de 1945, uma fragata Aquitaine seria capaz de afundar qualquer cruzador da Kriegsmarine, não é de todo óbvio, entretanto, que uma seção de infantaria francesa certamente conseguiria ganhar de uma seção de panzergrenadiers alemães a partir de 1944. Teríamos alcançado o mesmo desempenho em terra que no céu ou no mar, uma seção de infantaria francesa não teria sido destruída e outra fixada no vale de Uzbin por combatentes rebeldes, certamente se beneficiando da surpresa e superioridade numérica, mas equipado com armas da década de 1960.

Para obter uma superioridade equivalente no combate terrestre, pode-se optar por uma abordagem “pesada” com aumento dos meios engajados, veículos blindados - apoios pesados - proteção individual, no nível mínimo do subgrupamento. Isso obviamente reduz o risco de fracasso e de perdas, mas ao custo de grande dependência de bases e estradas para manobra ou apoio logístico. Essa dependência leva a perdas indiretas por IED ou projéteis, longo planejamento e aumento de custos. Acima de tudo, em um contexto de recursos reduzidos, se for necessário engajar pelo menos um subgrupamento com apoios externos, isso reduz a capacidade de manobra geral francesa a algumas dezenas de peões táticos.

Isso reduz o risco de fracasso ao custo de baixa eficiência. Ao contrário, podemos optar por uma abordagem “ágil” e dar vida aos setores diretamente no terreno e em meio à população. Na verdade, essa abordagem leve é ​​sem dúvida eficaz, conforme evidenciado pelo sucesso do CAP e do contingente australiano no Vietnã ou, mais recentemente, das forças especiais americanas em 2001 no Afeganistão. E o Exército dos EUA em Bagdá em 2007. No entanto, devemos aceitar travar muitas pequenas batalhas e, portanto, inevitavelmente aceitar o risco de perdas.

Reduzir o medo político dessa abordagem ágil significa reduzir o risco de "cisnes negros" e, portanto, aumentar a capacidade de seções isoladas. Quando pudermos engajar em poucas horas quantas seções de infantaria quisermos em qualquer ambiente e contexto, com uma superioridade indiscutível sobre qualquer inimigo local, multiplicaremos de uma só vez a capacidade estratégica francesa.

Militantes da Frente de Libertação da Somália Ocidental brandindo armas obsoletas durante a Guerra do Ogaden, 1977.

Podemos estabelecer como objetivo de estudo que uma seção de infantaria francesa projetada no solo tem, com seus únicos meios, ao mesmo tempo uma altíssima probabilidade de derrotar com perdas muito reduzidas um inimigo irregular equipado com armas leves ex-soviéticas dum volume equivalente ou para resistir face a um inimigo três a quatro vezes superior em número, pelo menos até a chegada de reforços em terra e/ou meios de apoio. O todo deve ser obtido com um investimento financeiro reduzido, digamos 1% da Lei de Programação Militar (para 80% das perdas, lembremo-lo).

Obter tal aumento de produtividade tática supõe jogar com os quatro fatores de qualquer organização - equipamentos, métodos, estruturas e sua cultura (modos de ver as coisas) - lembrando que a modificação de um desses fatores interage com os outros e nem sempre de forma positiva.

1.

Os elementos que se seguem constituem um primeiro esboço e um convite à apresentação de contribuições com vista a uma formalização mais precisa e exitosa. São fruto das experiências que pude realizar em quatro regimentos diferentes e das reflexões de suboficiais e cadetes da 54ª promoção da Escola Militar de Armas Combinadas (École Militaire Interarmes).

Formações de GC no Vietnã do exército e fuzileiros navais americanos e dos ANZACs.
(Arte de Peter Dennis / Vietnam Infantry Tactics)

Em termos de estrutura do grupo de combate, todo o retorno de experiência dos exércitos estrangeiros é consenso sobre o grupo no terreno de nove homens, composto por um chefe de grupo e de duas equipes de 4 (e em 2 binômios). Abaixo, o grupo é muito penalizado pelas perdas, além (o grupo dos fuzileiros navais tem 13 homens), tende a se dividir. Entre as tropas que combatem temos o grupo mais leve e frágil. Mais dois homens no terreno, no entanto, aumentariam a eficiência geral não em 28% (mais dois homens em comparação com sete), mas em quase 40%. Um grande investimento seria que um dos nove homens também fosse um enfermeiro altamente qualificado.

O adensamento do escalão da equipe milita pelo seu comando por um cabo-chefe e até por um sargento. O comando do grupo pode ser exercido por um sargento-chefe. Uma gestão mais experiente seria um investimento com um retorno muito alto.

No nível da seção, experimentei, de 1993 a 1999, uma nova organização da seção com um grupo de apoio de fogo, reagrupando as armas atirando a 600m, e três grupos de assalto equipados simplesmente com FAMAS. O interesse era rentabilizar a utilização das armas "600", utilizando-as no 2º escalão da seção e não no contato imediato do inimigo onde são de pouca utilidade, obtendo-se assim um efeito de massa mas também de combinação (tiros precisos de FR F2, tiro de saturação de Minimi, tiro indireto de LGI).

Metralhadora Minimi com o sistema FÉLIN de tiro de esquina.

O combate desta nova estrutura foi inspirado nos métodos alemães do final de 1918 e da Segunda Guerra Mundial baseados na capacidade de neutralização do grupo de fogo e de detecção-fixação dos grupos de assalto, destruição ou repulsão. por um ou por outro, dependendo do caso. A superioridade de tal estrutura sobre a estrutura do INF 202 foi demonstrada em virtualmente todos os exercícios nos quais o confrontei.

Dentro do envelope regulatório, só é possível formar dois grupos de assalto de 9. Idealmente, um terceiro seria necessário. O aumento de efetivos pode ser compensado por uma redução no grupo de fogo.

Nesse sistema de prioridade "anti-pessoal", o grupo Eryx não existe mais. As peças são relegadas ao setor de apoio da companhia.

2.

Outra maneira, muito simples e novamente amplamente testada com sucesso, consiste em simplificar muito a carga de trabalho mental do chefe do grupo, substituindo as doze listas de verificação diferentes que ele deve conhecer e aplicar a cada caso (DPIF, FFH, MOICP, PMSPCP , HCODF, GDNOF, ODF, IDDOF, PMS, SMEPP, etc.) por apenas uma.

Além da sua memorização ocupar grande parte da instrução em detrimento de outras coisas, essas ordens "recitadas ao pé da letra" têm a grande falha de desacelerar consideravelmente o grupo. Um experimento mostrou que se esses métodos forem estritamente aplicados em um enfrentamento com o inimigo, leva entre 1:30min  e 2min para que o grupo em contato dispare seu primeiro tiro. É claro que em um combate real, mesmo em um exercício um tanto realista, todos esses procedimentos explodem. Na melhor das hipóteses, o sargento usa procedimentos simplificados de sua invenção, na pior, paródias de ordens (em outras palavras, gritos variados).

Soldados de infantaria dos regimentos The Cameron Highlanders of Ottawa (Duke of Edimburgh's Own) e Governor General’s Foot Guards participam de uma instrução de fogo e movimento com tiro real em Petawawa, no Canadá, de 21 a 23 de outubro de 2016.

Para remediar este defeito e inspirando-me nos métodos usados ​​em veículos blindados, experimentei (durante quinze anos) a substituição de todos os quadros de ordem por um quadro de ordem universal denominado: OPAC, para Objetivo (alcançar, ver ou atirar), Posição (se não for óbvio e principalmente pelo uso do princípio "período + distância"), Ação (o que fazemos ou o que faz o objetivo?).

Este sistema vocal foi duplicado por um sistema de gestos (era possível fazer exercícios inteiros sem dizer uma palavra) e também implicou uma redefinição do papel dos líderes de equipe, autônomos na escolha de sua manobra (o que aliviou novamente o chefe  do grupo). Um pedido OPAC era parecido com este:
  • Chefe do grupo: “Alfa! Bravo!" (o chefe do grupo chama seus líderes de equipe pelo nome ou um código);
  • Chefe da equipe 1: "Alfa!" (= "Estou pronto para receber a ordem");
  • Chefe do grupo: “aqui (mostra a zona a ser ocupada) (Posição-Objetivo); em apoio repouso voltado para a rua (Ação) (mostra a área a ser monitorada)”;
  • Chefe de equipe: "Alfa!"(= Eu entendi, eu executo a missão e coloco cada um dos meus homens com uma ordem OPAC);
  • Chefe do grupo: “Bravo! "
  • Chefe da equipe 2: "Bravo!"
  • Chefe do grupo: “A encruzilhada (O), meio-dia, 100 (P), para a frente! (AC)"
  • Chefe da equipe 2: "Bravo! "(= Entendi, estou cumprindo a missão escolhendo uma formação (linha ou coluna) e um modo de movimento (caminhar-lance-apoio mútuo).
Este sistema possibilitou uma adaptação rápida a todas as situações, mesmo as mais confusas, sem perder tempo a tentar recordar o quadro regulamentar, proporcionou um significativo ganho de tempo para reflexão do chefe do grupo, facilita a substituição do chefe do grupo por um chefe de equipe e o chefe de equipe por um granadeiro-volteador porque os procedimentos eram os mesmos.

Fuzileiro-metralhador e granadeiro-volteador durante combate urbano no Mali.

Nos experimentos realizados, o método OPAC deu ao grupo de combate um ciclo OODA (observação-orientação-decisão-ação) muito mais rápido do que o de um grupo INF202. De fato, em uma combate de encontro, ele venceu quase que sistematicamente (em 80% dos casos) o grupo INF 202. A propósito, demorei duas horas, relógio na mão, para ensinar todos esses métodos para um grupo de conscritos melanésios, mal saídos da escola, e para transformá-los em um grupo de combate manobrando mais rápido e melhor do que todos os grupos "antigos".

Note-se que todas as propostas anteriores, que, mais uma vez, comprovaram a sua capacidade de desenvolver as capacidades da seção, não têm custo financeiro. Elas podem até representar uma fonte de economia, pois as habilidades associadas requerem menos tempo de aprendizagem do que os métodos regulamentares.

3.

O grupo de apoio seria mais poderoso e eficaz se:
  • Os FR F2 foram substituídos pelos modernos fuzis HK 417 com luneta Schmidt & Bender adaptada (e não a luneta do FR F2 em fuzis HK 417 como era feito no Afeganistão).
  • Os Minimi eram no calibre 7,62mm, uma munição mais potente e robusta (não desvia tão facilmente em um obstáculo) e dissuasiva que o 5,56mm.
  • Os LGI, em última análise, ineficazes (mesmo que apenas pelos problemas de coordenação que ocasiona com as aeronaves) por lança-foguetes de 89mm com munição anti-pessoal.
Soldado norueguês com o HK 417 e luneta Schmidt & Bender.
Luneta Schmidt & Bender 5-22x50.

Nos grupos de assalto, o sistema FÉLIN permitiu aumentar de forma muito significativa, através dos seus auxiliares de pontaria (mira Eotech, lunetas IL e IR), o alcance e a precisão do tiro do FAMAS, especialmente à noite. O novo cano do FAMAS permite que qualquer tipo de cartucho seja disparado com igual precisão. A visão remota às vezes é útil em combate em localidade, mas não é necessariamente útil equipar todos com ela. A substituição do FAMAS por um fuzil de assalto moderno compatível com o sistema FÉLIN permite que se considere ainda mais poder de fogo.

O carregador do FAMAS, frágil e limitado a 25 tiros, deveria na verdade ter sido substituído há muito tempo por um carregador de pelo menos 30 tiros. Este carregador poderia ser vantajosamente substituído por um carregador de plástico transparente (muitos soldados aproveitam os intervalos para substituir o carregador aberto por um carregador completo para ter certeza de não ficar "seco" no próximo tiro; a zona de combate está, portanto, cheia de carregadores meio cheios). Reduzindo assim a fonte de muitos incidentes de tiro.

A função de lança-granadas sob a arma tornaria permitiria muito mais precisão do que com uma granada de fuzil, mas também marcar posições inimigas para apoio aéreo muito rapidamente.

Seção de infantaria francesa com o sistema FÉLIN.

Na dupla dotação, pode-se substituir vantajosamente a baioneta, pouco útil, por uma arma de porte (como o FN Five seveN 5.7mm por exemplo) permitindo enfrentar os incidentes de tiro e mais prático em combate em localidade, com munições que permitam realizar tiros sem arriscar danos colaterais. Certificando-se também de que o grupo de combate tenha granadas de efeito especial (flash, atordoamento, etc.).

As conexões dentro do grupo são muito mais garantidas com a rede de informações do soldado de infantaria (réseau d'information du fantassinRIF), com fones de ouvido osteofônicos, do que com o sistema PRI, que não é muito discreto e pouco prático. O chefe do grupo também deve estar equipado com o sistema 328.

A interface homem-máquina (interface homme-machineHMI), um tablet de situação tática, complexo de usar e muito demorado, se for útil para o chefe de seção, na verdade não é usado pelos chefes de grupo. A digitalização em nível de grupo está se revelando uma ideia ruim (e cara). Apenas os chefes de grupo e o chefes de seção realmente precisam de um GPS. Um laser infravermelho seria muito útil para designar alvos ou guiar tiros.


Em termos de proteção, o capacete pesado do tipo FÉLIN é eficaz e deve ser generalizado, com uma lâmpada IR do tipo Guardian e um suporte de montagem para a ótica noturna, mas também uma lâmpada auxiliar (branca, IR, vermelha). Os coletes de proteção, por outro lado, são muito volumosos. Como agora parece inconcebível lutar sem colete de proteção, sua redução de peso e ergonomia devem ser a prioridade. Já existem modelos HPC (Hard Plate Carrier / Porta-Placas Pesadas) com placas de proteção de última geração, mais leves e que permitem o transporte de oito carregadores.

Também é necessário repensar bolsas e roupas (e seu processo de aquisição). Substituir as bolsas F1/2/3 ou TTA por equipamentos úteis, como bolsas de montanha de grande capacidade ou bolsas camelback BFM 500.

4.

E então há o ambiente. A melhor maneira de aumentar significativamente as habilidades táticas coletivas ainda é manter a estabilidade das seções. No final dos anos 1970, o general americano Don Starry assistiu a uma demonstração de tiro de uma unidade israelense (da reserva) de tanques. Espantado com a eficiência do tiro de uma das tripulações, ele perguntou quantos obuses eles eram permitidos disparar por ano para serem tão bons. Os tanquistas responderam que seis a oito eram suficientes porque estavam juntos no mesmo tanque há quinze anos. Homens mantidos juntos em unidades estáveis ​​por anos eventualmente criam obrigações mútuas e habilidades relacionadas. De minha parte, em onze anos vivendo em companhia da infantaria, tive a sensação de um recomeço eterno devido à insuficiência crônica de pessoal e à instabilidade das seções. Em três anos liderando uma seção do 21º Regimento de Infantaria de Fuzileiros Navais (21e Régiment d’infanterie de marine, 21e RIMa), comandei sessenta e três homens diferentes para uma força média de trinta. Esta mobilidade é tanto mais prejudicial quanto os equipamentos individuais são cada vez mais personalizados e sempre fixos. Talvez devêssemos considerar mutações com equipamentos de combate.


Esforçamo-nos para ter seções com pessoal completo (removendo aqueles que estão em reciclagem, por exemplo); desacelerar o sistema de transferência de quadros, herdado dos dias do serviço nacional obrigatório, para manter quadros e soldados juntos por mais tempo; parar de ter uma estrutura de seção diferente para cada missão e veremos em um único golpe as habilidades da nossa infantaria aumentando sem grande despesa.

Existem outros caminhos, tanto culturais (desenvolver uma verdadeira cultura de treinamento permanente até o nível mais baixo, em todos os momentos e em todos os lugares) e organizacionais, ao afrouxar o controle dos regulamentos acumulados ao longo do tempo em matérias de segurança, ao eliminar certas missões pouco úteis, ou devolvendo os veículos táticos nos regimentos (o que significa ter resolvido o problema de sua manutenção). Em geral, tudo o que possa contribuir para a estabilidade das unidades, para a facilitação do dia a dia e para a retenção, contribui indiretamente para a elevação do nível operacional.

Ataque da infantaria francesa na Frente Ocidental, 1916-18.
Moderna, interarmas e flexível.
(Arte de Giuseppe Rava / French Poilu 1914-18)

A seção de infantaria francesa tomou sua forma moderna nos anos 1916-1918. Ela é então equipada com seis fuzis-metralhadores e quatro a seis lança-granadas e seus volteadores já podem ser equipados com fuzis semi-automáticos, alguns com luneta. Esta diferenciação induz uma interdependência dos homens que aumenta a resistência psicológica superior àquela dos homens-baionetas alinhados de 1914. Acima de tudo, ela pode manobrar de outra forma que não em linha a um passo de intervalo graças aos seus grupos de combate autônomos. O salto qualitativo em poucos anos é enorme.

A infantaria então congelou, renovando o armamento muito tarde, com exceção do excelente FM 24/29. Apesar do equipamento americano, a seção francesa subsequentemente não teve superioridade material sobre seus adversários até a guerra da Argélia. Nesta guerra de infantaria, a França está adquirindo uma nova geração francesa de armamentos individuais (submetralhadora MAT 49, fuzil semi-automático MAS 49-56, fuzil-metralhador AA52) que equipa principalmente os regimentos paraquedistas. Estas estão na origem de um novo “sistema de infantaria” que associa a mobilidade (com não mais de 20kg de equipamento), a procura do combate corpo-a-corpo e a estreita associação com os meios de terceira dimensão para o transporte e apoio de fogo. A infantaria de assalto francesa era então a melhor do mundo, infligindo perdas em média vinte vezes maiores que as suas. Esta também funciona porque aceitava-se o preço do sangue. Entre cem e duzentos homens são mortos em cada regimento paraquedista durante a Guerra da Argélia.

Paras do 1er RCP saltam de um helicóptero durante a Guerra da Argélia.

A terceira ruptura veio na década de 1980. Primeiro, houve a adoção do FAMAS, que foi mais um tapa-buraco do que uma revolução, já que fomos os últimos a nos equiparmos com um fuzil de assalto (no final dos anos 1970 somos forçados a comprar fuzis SIG 540 para não sermos ridicularizados no Líbano ou no Chade). O verdadeiro esforço está no armamento antitanque, com a adoção de modernos lança-foguetes até o terrível RAC 112 e principalmente o lançador de mísseis Eryx, em tese o combate da seção ainda está organizado. O problema é que essa arma chega aos regimentos após o desaparecimento da ameaça que deveria conter. Mais de 600 milhões de euros são, portanto, gastos em um sistema que, em última análise, é de pouca utilidade.

Com as difíceis operações da década de 1990, a infantaria adotou uma série de equipamentos de proteção (capacetes, coletes à prova de balas) e alguns armamentos (VAB com canhão de 20mm, fuzil Mac Millan, etc.), depois uma série de meios optrônicos e de transmissão, ao menos para se distinguir da competição de "unidades em marcha" de outras armas. O acúmulo dessas improvisações é muito útil, mas também resulta em sobrecarga e inconsistências. O colete à prova de balas, por exemplo, projetado para uma missão de sentinela estática é muito volumoso em uma missão de assalto. O programa FÉLIN, distribuído ao longo de vinte anos, visa racionalizar tudo isso, agregando as contribuições das novas tecnologias de informação. No entanto, isso não resolve o problema fundamental da carga do soldado de infantaria.

Carga de baioneta de uma companhia francesa durante as grandes manobras de 1913.

Quando fazemos um balanço, percebemos que o desenvolvimento da seção de infantaria raramente foi uma prioridade, embora tenha sido de longe o "sistema tático" mais procurado e mais importante nas guerras francesas por cem anos. Essa falta de interesse pode ser explicada em primeiro lugar por um certo desprezo por aqueles que parecem ser os mais simples dos soldados. A seção de 1918 poderia ter existido já em 1914 porque todos os armamentos já existiam pelo menos no estado de protótipos. Não foi esse o caso porque se considerou que o soldado francês desperdiçaria as munições se equipado com armas automáticas. Em seguida, foram necessários três anos de guerra para admitir que um sargento pudesse tomar decisões táticas. Não é certo que esta subestimação, senão este desprezo com profundas raízes históricas, tenha desaparecido por completo.

Depois do desprezo humano, devemos adicionar o desprezo industrial. Quanto vale essa montagem de pequenas armas e equipamentos contra um tanque de guerra, um caça-bombardeiro ou um porta-aviões? Como essas pequenas e dispersas indústrias pesam contra os gigantes da aviação ou da construção naval? Elas têm pelo menos um jornal diário para defender seus interesses e os de seus amigos? Os lucros obtidos nas costas da infantaria são, em última análise, bastante baixos.

Na verdade, só se interessa pela infantaria quando os infantes diminuem em número.


Bibliografia recomendada:

A Infantaria Ataca.
Erwin Rommel.

Leitura recomendada:










Tiro em Cobertura Rodesiano15 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário