domingo, 18 de julho de 2021

Tanque T-14 Armata não-tripulado testado com sucesso na Rússia

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex 360, 12 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de julho de 2021.

Revelado em 9 de maio, por ocasião do grande desfile militar anual realizado em Moscou para comemorar o fim da Grande Guerra Patriótica contra a Alemanha nazista, o tanque T-14 Armata tem sido objeto de anúncios conflitantes nos últimos anos; tal foi o caso, por exemplo, do ano da sua entrada em serviço com as forças russas, que, de pronto, ainda não se materializou... E por um bom motivo: a sua produção em massa ainda não começou e os seus testes operacionais estão ainda em andamento.

No entanto, no início de julho, o ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, garantiu à agência TASS que os testes do T-14 Armata seriam concluídos em 2022 e que a fase de produção em massa começaria a passos largos. A priori, teriam sido encomendados 500 exemplares, devendo a sua entrega ser distribuída até 2027.

Recorde-se que, desenvolvido pela Uralvagonzavod, o T-14 Armata é um tanque de cerca de cinquenta toneladas, equipado com um motor diesel CTZ A85-3A de dezesseis cilindros dispostos em "X", desenvolvendo uma potência de 1.500cv. Sua torre operada remotamente acomoda um canhão de 125mm e pode ser armada com mísseis antitanque Sokol, um canhão de 30mm e uma metralhadora de 12,7mm. Equipado com sensores de alta resolução, radares e câmeras, é equipado com o sistema de proteção ativa Afganit. Finalmente, ele tem uma cápsula blindada de várias camadas que pode acomodar uma tripulação de três soldados.

No entanto, uma versão não-tripulada deste tanque foi recentemente testada com sucesso, de acordo com Vladimir Artyakov, um oficial sênior da Rostec, a "empresa-mãe" do Uralvagonzavod.

“O T-14 Armata foi originalmente projetado como um veículo tripulado. Mas o nível de tecnologia moderna agora torna possível torná-lo um veículo não-tripulado. Fizemos os testes apropriados e foram conclusivos”, afirmou o Sr. Artyakov, próximo ao jornal Krasnaya Zvezda (Estrela Vermelha), publicado pelo Ministério da Defesa russo. Não se sabe se esse tipo de tanque não-tripulado é pilotado remotamente ou se tem um sistema de pilotagem autônomo.


Restar saber as intenções de Moscou... O CEO da Rostec, Sergei Chemezov, havia explicado anteriormente que não havia a menor dúvida de lançar a produção em massa dessa variante não-tripulada do T-14 Armata.

“Estamos testando tecnologias não-tripuladas nesta máquina. Ele será usado principalmente como um veículo com tripulação. Mas tudo será o mais automatizado possível. Por exemplo, a tripulação não precisará mirar com precisão. Será suficiente para ela apontar o cano aproximadamente para um alvo. A inteligência artificial fará o resto", disse Chemezov, de acordo com a agência Interfax.

T-14 Armata desfilando pela primeira vez na Praça Vermelha no Dia da Vitória, 9 de maio de 2015.

Em 2016, o general Alexander Shevchenko, então diretor da Diretoria de Veículos Blindados do Ministério da Defesa da Rússia, levantou a possibilidade de desenvolver uma versão não-tripulada do T-14 Armata. “Está em curso o desenvolvimento dos dispositivos necessários”, disse, acrescentando que o trabalho consistiu no “desenvolvimento de um sistema digital que pudesse tomar decisões autonomamente dependendo da situação”.

Outras forças armadas também estão trabalhando em um conceito semelhante. Como o Exército de Libertação do Povo (PLA), cujos velhos tanques T-59 (versão chinesa do T-54/55 soviético) podiam ser convertidos em veículos não-tripulados com a ajuda de inteligência artificial. Experimentos foram realizados neste sentido.

Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution,
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:


O T-14 Armata para a Índia?, 13 de setembro de 2020.





Nenhum comentário:

Postar um comentário