domingo, 18 de julho de 2021

Granada: Uma guerra que vencemos


Por Robert K. Brown e Dr. Vann Spencer, Soldier of Fortune, 27 de outubro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de julho de 2021.

GRANADA: UMA QUE GANHAMOS!
SOF cobre a vitória da América e marca golpe de inteligência no Caribe

Por Robert K. Brown e Dr. Vann Spencer, extrato do livro I am Soldier of Fortune.

Paraquedistas da 82nd Airborne "All American" assaltando um edifício em Granada, 1983.

Os Estados Unidos invadiram Granada em 1983.

“Faça as malas, vamos para a guerra”, disse ao meu então editor-chefe Jim Graves. Fizemos as malas, pegamos o primeiro avião e fomos encontrar a guerra. Ou assim pensamos.

“Onde está a guerra?” exigimos enquanto avançávamos pelas ruas da capital de Granada, St. Georges. Granadinos sorridentes responderam em seu inglês cantado, “Os cubanos foram para as montanhas. Bem-vindo a Grenada.” No domingo, 30 de outubro de 1983, a libertação de Granada estava quase completa. Não foi uma invasão, foi simplesmente uma libertação, pelo menos foi assim que os granadinos viram quando o ex-Ranger Rod Hafemeister, Graves e eu chegamos a Granada.

Militares da artilharia da 82ª Aerotransportada carrega e dispara obuseiros M102 de 105mm durante a Operação Urgent Fury em Granada, 3 de novembro de 1983.

No aeroporto de Point Salines, observamos uma bateria de artilharia da 82ª Aerotransportada na extremidade nordeste da pista, algumas tropas no perímetro, algumas patrulhas a pé e de veículos ao longo da estrada, vários postos de controle de veículos, alguns abandonados. Não vimos nenhum invasor ou um único corpo ou carros e caminhões explodidos. Embora houvesse rumores de que um número significativo de cubanos estava recuando para as montanhas para conduzir operações de guerrilha, vimos apenas três prisioneiros cubanos capturados em dois dias. Canhões antiaéreos cubanos e vários BTR-60 destruídos, mas era óbvio que qualquer resistência real há muito havia desmoronado.

Chegamos à ilha com a primeira carga de cerca de 160 jornalistas, cinco dias após o dia D. Ficamos furiosos por termos perdido a guerra e ainda mais quando os sorridentes granadinos perguntaram: “Os americanos vão ficar? Nós queremos que eles fiquem. Ainda bem que vocês não esperaram mais alguns dias”. Sem brincadeira.

Robert K. Brown da Soldier of Fortune com rangers vitoriosos em Granada.
Canhão antiaéreo ZPU cubano.

Quase não havia sinal de luta em St. Georges. Os objetivos do 1º e 2º batalhões, 75º Rangers, estavam ao sul da cidade, e os fuzileiros navais da 24ª Unidade Anfíbia de Fuzileiros Navais (24th Marine Amphibious Unit, 24th MAU) operavam do outro lado da ilha e ao norte de St. Georges.

Com exceção dos fortes Frederick e Rupert, que haviam sofrido ataques de helicópteros A7 lançados por porta-aviões e aviões de ataque C-130 Spectre, os únicos sinais de danos ao redor de St. Georges eram de alguns necrófagos e saqueadores.

Transportadores BTR-60 abandonados com pneus furados por tiros.

Soldado granadino morto, com um furo no capacete soviético, ao lado de um BTR-60 com o pneu metralhado em True Blue, em Granada, 1983.
Os americanos observando são Rangers.

Os fuzileiros navais que avançaram para St. Georges no dia anterior (ainda não havia sido assaltado e teoricamente ainda estava em mãos hostis) ficaram tão intrigados com sua recepção na ilha quanto nós, e a imprensa que chegou conosco no domingo estava tão confusa quanto. Um jovem fuzileiro naval abordou o repórter Don Bohning do Miami Herald (um dos sete jornalistas que chegaram à ilha de barco na terça-feira, 25 de outubro, dia da invasão) e perguntou: “Você pode nos dizer o que está acontecendo?' O exército granadino está conosco ou contra nós?'”.

O Exército Revolucionário do Povo (People’s Revolutionary Army, PRA) de 1.200 homens começou a depor suas armas, tirando seus uniformes e vestindo roupas civis para se juntar à multidão que recebia os 6.000 libertadores americanos logo após o amanhecer. O céu sobre Point Salines estava cheio de aviões C-130 e Rangers saltando de pára-quedas. O oceano ficou cinza com os navios de guerra das frotas da Marinha dos EUA.

“Trabalhadores da construção” cubanos, alguns trabalhadores reais e alguns de uma unidade de engenharia militar, apresentaram resistência mais dura do que o esperado em torno de Point Salines. Alguns elementos do PRA resistiram no primeiro e no segundo dias em Point Salines, Frequente e Fort Frederick. No entanto, a maior parte do PRA, como a esmagadora maioria da população, tinha pouco amor pelos próprios comandantes e absolutamente nenhum pelos cubanos.

Prisioneiros cubanos sentam-se dentro de uma área de contenção, guardada por membros de uma força de paz do Caribe Oriental, durante a Operação Urgent Fury.

Na época da invasão, Granada estava, em teoria, sob o controle do General Hudson Austin e do Conselho Militar Revolucionário de 16 homens. Mas, na verdade, o poder era compartilhado por Austin e o vice-primeiro-ministro Bernard Coard, e coordenado com o Comitê Central do Movimento de Nova Jóia (New Jewel Movement, NJM). Austin e Coard, marxistas pró-cubanos dedicados, arquitetaram a prisão domiciliar e a subsequente execução do primeiro-ministro Maurice Bishop em 19 de outubro, o que desencadeou o assalto americano e da Organização dos Estados do Caribe Oriental (Organization of East Caribbean StatesOECS) em 25 de outubro.

Dirigindo o NJM nos bastidores estavam o embaixador soviético Gennadiy I. Sachenev, um general de quatro estrelas e especialista em ações secretas com ligações com a KGB, e o embaixador cubano Julian Enrique Tores Riza, um oficial sênior de inteligência da Direção Geral da Inteligência (Dirección General del Inteligencia, DGI), substituto da KGB de Cuba.

Um soldado americano quebra a janela de uma Mercedes. Há rumores de que este carro pertencia ao Embaixador Soviético.

Depois que as forças americanas forçaram-se até seus objetivos iniciais, elas avançaram para as colinas para caçar cubanos em fuga e soldados do PRA. Para a surpresa dos soldados, eles encontraram não fogo hostil, mas um piquenique, com granadinos oferecendo refrigerantes gelados, melões, gritos de alegria e informações sobre os esconderijos de cubanos e líderes do NJM.

Informações de moradores locais levaram o capitão David Karcher do USMC a uma casa perto de St. Georges onde Coard, sua esposa jamaicana, Phyllis (também uma das principais líderes das forças anti-Bishop no Comitê Central) e alguns outros líderes do NJM estavam escondidos no sábado, 29 de outubro. Coard inicialmente indicou que não se renderia, mas mudou de ideia quando os fuzileiros navais apontaram armas anti-tanque contra a casa. O capitão Karcher relatou que Coard saiu resmungando: "Eu não sou responsável. Eu não sou responsável.”

Os tanques M60 participaram da Operação Fúria Urgente em 1983.
Fuzileiros navais da Companhia G da 22nd MAU equipados com CLAnfs e quatro tanques M60A1 desembarcaram em Grand Mal Bay em 25 de outubro e renderam os SEALs da Marinha na manhã seguinte, permitindo ao Governador Scoon, sua esposa e nove auxiliares serem evacuados em segurança. As tripulações dos tanques dos fuzileiros navais enfrentaram resistência esporádica, destruindo um um carro blindado BRDM-2. A Companhia G subseqüentemente sobrepujou os defensores granadinos em Fort Frederick.

Enquanto Coard esperava no complexo dos fuzileiros navais em Queen’s Park para ser helitransportado ao USS Guam, uma multidão hostil de granadinos se reuniu para zombar dele, gritando: "C é para Coard, Cuba e Comunismo!"

Austin foi capturado de maneira semelhante na tarde seguinte: os moradores informaram à 82ª Aerotransportada que ele estava escondido em uma casa em Westernall, no lado oposta da ilha.

Soldados americanos fotografados pela Soldier of Fortune em Granada, 1983.

Uma rápida viagem ao Fort Rupert pelo repórter Jay Mallin do Washington Times, Lionel “Chu Chu” Pinn (um velho amigo da SOF) e eu mesmo revelamos que ninguém estava guardando a sede do Comitê Central do NJM, o gabinete do vice-ministro da defesa ou os armazéns de equipamento em Fort Rupert. Pesquisamos todos os três locais. Além de encontrar uma coleção de novos capacetes soviéticos, cantis, kits de alimentação, mochilas, baionetas AK-47, manuais militares e a bandeira NJM que pairava sobre o forte, examinamos os papéis espalhados pelo escritório do Tenente Coronel Ewart Layne , Vice-Ministro da Defesa de Granada. Também localizamos documentos em Fort Frederick e Butler House, o escritório do primeiro-ministro.

Descobrimos documentos e outras evidências físicas, juntamente com informações recolhidas de outras fontes recuperadas pelas forças americanas indicaram que:
  • Cuba e a URSS estavam transformando Granada em uma base militar estratégica;
  • Como na Nicarágua, mais armas do que Granada jamais poderia usar foram enviadas para a ilha;
  • Bishop foi morto por causa de uma tomada de poder por Coard e porque ele não era tão pró-cubano quanto outros membros do Comitê Central pensavam que deveria ser;
  • O NJM estava perdendo o controle do país por causa de sua excessiva atitude pró-cubana e pró-comunista; e
  • Alguns americanos conhecidos tinham relações altamente questionáveis com o NJM.

Fuzileiros navais americanos exibem retratos de Ho Chi Minh e Vladimir Ilyich Lenin que foram apreendidos no Aeroporto de Pearls durante a Operação Urgent Fury em Granada, 28 de outubro de 1983.

Destaques dos documentos que recuperamos:
  • Um tratado URSS-Granada e três manifestos marítimos mostram que os soviéticos estavam despejando mais armas do que o razoável para o PRA de 1.200 homens de Granada. Com base nos manifestos de embarque e no exame das armas recuperadas nos cinco principais armazéns em Frequente, parece que a Rússia e a Coréia do Norte enviaram armas suficientes para equipar uma divisão. Todas as remessas dos soviéticos e seus satélites eram via Cuba. Curiosamente, embora houvesse grandes quantidades de suprimentos militares em estoque, os documentos registravam incidentes frequentes de oficiais subalternos granadinos reclamando da falta de equipamento para seus homens. É perfeitamente possível que Granada tenha servido como depósito de armas destinadas ao uso em outro lugar. (Outros países do Caribe Oriental, incluindo Dominica, Jamaica, Santa Lúcia e St. Vincent, temiam que pudessem ser usados para ajudar guerrilheiros de esquerda em suas ilhas).
  • Um relatório de contra-espionagem indicou que a afirmação do presidente Reagan de que os estudantes americanos da St. Georges Medical School estavam em perigo era bem fundamentada. O relatório descreveu o marido de um funcionário da faculdade de medicina, que estava sendo "monitorado" como "suspeito", e cinco alunos como "perigosos e se passando por estudantes de medicina, mas na verdade trabalhando para o governo americano".
  • Vários documentos revelaram que Granada havia enviado estudantes militares para a Rússia, Cuba e Vietnã. Uma nota em um documento indicava que os estudantes em Cuba “realizarão cursos por um período de um ano estudando até o nível de Divisão e possivelmente Exército”. Por que Granada precisaria de comandantes de Divisão e Exército é interessante em suas implicações. Outro documento revelou que Granada tinha planos de enviar 40 camaradas ao Vietnã para treinamento e que a Rússia arcaria com os custos de transporte.
  • Uma série de relatórios sobre a prontidão para combate da milícia em agosto e setembro revelam porque o PRA desistiu tão rapidamente quando as tropas americanas chegaram. A milícia granadina de 5.000 homens deveria servir de apoio para o exército de 1.200 homens. De acordo com relatórios, a participação nos treinamentos foi em média de 15%, e problemas de transporte, armas com defeito e falta de liderança transformaram a maioria dos treinamentos em discussões políticas ou jogos de futebol.
  • A SOF encontrou um documento delineando uma proposta de programa de treinamento entre a Nicarágua e Granada. O NJM estava se oferecendo para treinar 15 sandinistas em Granada em inglês básico, com ênfase na terminologia militar e no alfabeto fonético militar.
  • Uma carta dirigida ao general do exército cubano Raúl Castro (irmão de Fidel) de Maurice Bishop indicava que as deficiências tradicionais do equipamento da União Soviética e de re-suprimento continuavam. Bishop pediu a ajuda de Fidel porque a URSS havia enviado um carregamento completo de uniformes e outros equipamentos; no entanto, “uma grande quantidade de botas são muito pequenas em tamanho”. Em segundo lugar, Bishop precisava de ajuda para garantir peças de reposição e pneus, já que 23 dos 27 caminhões de Granada e oito dos 10 jipes estavam inoperantes.
  • Um dos documentos mais interessantes que encontramos foi um relatório de um agente duplo chamado "Mark" que estava tentando se infiltrar em um grupo contra-revolucionário de granadinos em Barbados. Nele, Mark e um oficial de contra-espionagem presumiram que o grupo contra-revolucionário exilado granadino em Barbados estava trabalhando em nome da CIA, que estava tentando determinar o tamanho e a força do PRA e da milícia. Mas o principal foi o comentário de que os contra-revolucionários baseados em Barbados haviam descoberto “que o PRG [People’s Revolutionary Government of Grenada / Governo Revolucionário do Povo de Granada] estava pagando a alguém da Estação de Rádio da Universidade de Harvard”.
Militares da Força de Defesa do Caribe Oriental, armados com fuzis FN FAL, empilham armas capturadas aos granadinos durante a Operação Urgent Fury, 1983.
A pilha contém fuzis AK-47 e SKS soviéticos.

Não vou entediá-los com os outros documentos massivos que encontramos. Eu mandei a história para a Time Magazine. Assim que voltei para Boulder, liguei para Dick Duncan, que na época era o editor-chefe assistente da Time Magazine. Descrevi o que havíamos descoberto. Ele estava animado e mandou um fotógrafo e repórter para avaliar os documentos no dia seguinte. Eles examinaram os documentos.

Metralhadoras leves PKM soviéticas capturadas em Granada, 1983.

Quando a edição de novembro de 1983 da Time chegou às bancas, trazia um artigo intitulado “A Treasure Trove of Documents: Captured Papers Provide Insights into a Reclining Regime" (“Um Baú do Tesouro de Documentos: Papéis capturados fornecem insights sobre um regime reclinado”). Ele dizia:

“Documentos adicionais foram mostrados à Time pela Soldier of Fortune, uma revista mensal de Boulder, Colorado, especializada em armas e táticas militares; eles disseram que os papéis foram esquecidos pelas forças americanas. Os documentos indicam que Granada também tinha acordos militares com o Vietnã, a Nicarágua e pelo menos um país do Bloco Soviético. Um arquivo ultrassecreto datado de 18 de maio de 1982, registra um carregamento de munições e explosivos da Tchecoslováquia via Cuba. Um documento, assinado em novembro passado pelo Vice-Ministro da Defesa da Nicarágua, prevê o estabelecimento de um curso em Granada para ensinar terminologia militar em língua inglesa para militares do Exército da Nicarágua”.

Não encontramos uma guerra, mas encontramos informações altamente procuradas. Tanto a CIA quanto a Inteligência do Exército haviam feito um  trabalho de merda ao recuperar documentos essenciais.

Posto de controle americano próximo ao aeroporto de Point Salines, em Granada, durante a Operação Urgent Fury, 1983.
A placa diz "O Comunismo pára aqui".

Bibliografia recomendada:

Urgent Fury:
The Battle for Grenada.
The Truth Behind the Largest U.S. Military Operation Since Vietnam.
Major Mark Adkin.

Leitura recomendada:


FOTO: Soldados caribenhos, 21 de abril de 2020.

Um comentário: