terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

FOTO: Soldados iraquianos celebrando no Irã

Soldados iraquianos celebrando a invasão do Irã em 25 de setembro de 1980.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de fevereiro de 2022.

Em 22 de setembro de 1980, o Exército Iraquiano baathista invadiu o Irã surpreendendo o regime iraniano do Aiatolá Kohmeini. Inicialmente, os iraquianos avançaram em todas as frentes, tomando vários quilômetros de território e colocando sob cerco várias cidades iranianas como Abadan e Khorramshahr. Nesse período, eles tinham razões para comemorar o que parecia uma campanha curta e bem sucedida.  O cerco de Khorramshahr tornar-se-ia a maior batalha urbana da Guerra Irã-Iraque, travada em duas fases, amplamente conhecida por sua brutalidade e condições violentas, Khorramshahr passou a ser referida pelos iranianos como Khuninshahr ("Cidade de Sangue"). A batalha durou 34 dias e viu um imenso investimento das forças iraquianas, muito além do que os planos de guerra do Iraque previam. A cidade caiu nas mãos dos iraquianos em 10 de novembro de 1980.

Soldados iraquianos posam diante de um mural crivado de balas com a imagem do Aiatolá Khomeini.
Um dos soldados bate no retrato com um sapato, um símbolo de afronta no mundo árabe.

Das seis divisões iraquianas que invadiram por terra, quatro foram enviadas ao Cuzestão, localizado perto do extremo sul da fronteira, para isolar o Shatt al-Arab do resto do Irã e estabelecer uma zona de segurança territorial. As outras duas divisões invadiram a parte norte e central da fronteira para evitar um contra-ataque iraniano. Duas das quatro divisões iraquianas, uma mecanizada e outra blindada, operaram perto do extremo sul e iniciaram um cerco às cidades portuárias estrategicamente importantes de Abadan e Khorramshahr.

As duas divisões blindadas garantiram o território delimitado pelas cidades de Khorramshahr, Ahvaz, Susangerd e Musian. Na frente central, os iraquianos ocuparam Mehran, avançaram em direção ao sopé das montanhas Zagros e conseguiram bloquear a tradicional rota de invasão Teerã-Bagdá, garantindo território à frente de Qasr-e Shirin, no Irã. Na frente norte, os iraquianos tentaram estabelecer uma forte posição defensiva em frente a Suleimaniya para proteger o complexo petrolífero iraquiano de Kirkuk.


Bibliografia recomendada:

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.
Kenneth M. Pollack.

Nenhum comentário:

Postar um comentário