quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

O raro fuzil AR57 na rebelião pró-Guaidó na Venezuela

Soldados pró-Guaidó da Guarda Nacional com lenços azuis no braço.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de fevereiro de 2022.

Em 30 de abril, durante a crise presidencial venezuelana - com os gigantescos protestos de rua da população -, um grupo de várias dezenas de militares e civis se uniu a Juan Guaidó em seu apelo por um levante contra Nicolás Maduro como parte do que ele chamou de Operación Libertad ("Operação Liberdade"). Como é típico na Venezuela, os soldados apresentaram armamento variado e com a presença de artigos raros - desta vez o AR57.

Em 30 de abril de 2019, Leopoldo López – mantido em prisão domiciliar pelo governo Maduro – foi libertado por ordem de Guaidó. Os dois homens, ladeados por membros das forças armadas venezuelanas perto da Base Aérea de La Carlota, em Caracas, anunciaram um levante, afirmando que esta era a fase final da Operação Liberdade. Guaidó disse: "Povo venezuelano, é necessário que saiamos juntos à rua, para apoiar as forças democráticas e recuperar nossa liberdade. Organizados e juntos, mobilizar as principais unidades militares. Povo de Caracas, todos para La Carlota".

Os rebelados colocaram lenços azuis nos braços para se identificarem como apoiadores de Juan Guaidó e Leopoldo López. Os soldados tomaram posições nas ruas de Caracas, mas ainda assim o número de aderentes foi ínfimo. A maior parte dos militares da FANB permaneceram leais a Nicolás Maduro e ao regime. O governo de Maduro afirmou que a crise fora um "golpe-de-estado liderado pelos Estados Unidos para derrubá-lo e controlar as reservas de petróleo do país".

Amotinados da Guarda Nacional com braçadeiras azuis, simbolizando o apoio a Guaidó.

Na noite de 30 de abril, Maduro dirigiu-se à nação do Palácio de Miraflores, acompanhado por altos funcionários de seu governo e das Forças Armadas. Maduro afirmou que ocorreu uma tentativa de "golpe de estado" e parabenizou os apoiadores que "lideraram a derrota do pequeno grupo que tentou encher a Venezuela de violência". Segundo Maduro, os acontecimentos do dia foram causados pelos "esforços obsessivos da direita venezuelana, da oligarquia colombiana e do império dos EUA".

Maduro não foi visto durante o dia, mas apareceu com seu ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, na transmissão televisiva daquela noite, e anunciou que substituiria o chefe do Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN), Manuel Cristopher Figuera, que apoiou publicamente Guaidó. Maduro também expulsou 54 militares das forças armadas. Quatro apoiadores do regime foram feridos enquanto os rebelados sofreram 4 mortos, 230 feridos e 205 presos.

Pelo menos 25 militares que se opuseram a Maduro pediram asilo na embaixada brasileira em Caracas. O presidente Jair Bolsonaro tuitou que o Brasil acompanhava de perto a situação na Venezuela, reafirmando seu apoio à "transição democrática" e que "o Brasil está do lado do povo venezuelano, do presidente Juan Guaidó e da liberdade dos venezuelanos".
O fuzil AR57 "Five Seven"

AR Five Seven com o carregador FN P90.

O AR57 (também conhecido como AR Five Seven) é um fuzil de assalto americano desenvolvido no final dos anos 2000 pela AR57 LLC. Seu conjunto inclui um receptor na parte superior que se encaixa na maioria das armações inferiores da plataforma AR-15 e dois carregadores. A arma de fogo resultante é semelhante ao AR-15, mas com calibrada em 5,7x28mm FN.

Os lábios de alimentação do carregador P90.

O fuzil pode ser alimentado por carregadores FN P90, com um sistema de alimentação montado horizontalmente. O carregador de tipo cofre destacável é montado paralelamente ao cano do armamento, encaixando-se no topo da armação da arma, e contém 50 cartuchos de munição que ficam em duas fileiras voltadas para a esquerda, deslocadas 90° do eixo da câmara. À medida que os cartuchos são empurrados para trás pela pressão da mola e chegam à extremidade traseira do carregador, eles são alimentados como uma única linha em uma rampa de alimentação em espiral e girados 90 graus, alinhando-os com a câmara. O corpo do carregador é composto de polímero e é translúcido para permitir que o atirador veja a quantidade de munição restante a qualquer momento.

O receptor inclui uma empunhadura frontal no guarda-mão e um sistema de trilho para montagem de mira óptica. O poço do carregador na armação é reaproveitado como uma janela de ejeção para estojos, e um carregador oco pode ser adquirido para conter os estojos disparados

O AR57 em uma caixa de feira transbordando com cintas de munição para a MAG ali do lado.

Perfil do AR57.

Leitura recomendada:

Militares da Venezuela: principais questões a saber4 de setembro de 2021.

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 195811 de fevereiro de 2021.

FOTO: Paraquedistas venezuelanos marchando com a sub Hotchkiss14 de fevereiro de 2021.

FOTO: Rara submetralhadora tcheca na Venezuela28 de março de 2021.

Nenhum comentário:

Postar um comentário