Mostrando postagens com marcador Mediterrâneo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mediterrâneo. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de maio de 2022

Spitfire sobrevoando a Córsega

Spitfire da Força Aérea Francesa Livre sobrevoando a Córsega, setembro-outubro de 1943. (ECPAD)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

Um caça Spitfire Mk. V, do grupo de caças II/7 "Nice", sobrevoa a costa da Córsega (provavelmente é a aeronave pilotada pelo tenente Jeandet) durante a libertação da Córsega, realizada de 9 de setembro a 4 de outubro de 1943.

A partir de 21 de setembro de 1943, aeronaves dos grupos de caça I/3 "Corsica" e II/7 "Nice" foram estacionadas no aeródromo Campo dell'Oro, perto de Ajaccio. Os caças ficaram responsáveis ​​por protegerem o porto de Ajaccio e a cabeça-de-praia francesa contra ataques de bombardeiros alemães.

"La Corse enfin libérée!"
Matéria de capa do jornal Le Patriote anunciando o desembarque na Córsega em 9 de setembro de 1943.

Imagens da libertação da Córsega

quarta-feira, 1 de setembro de 2021

Depois do Afeganistão, a intervenção de crises da UE deve crescer, não voltar para casa

Um soldado francês parado entre os evacuados, Cabul.

Por Tobias Pietz, World Politics Review, 1º de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de Setembro de 2021.

É difícil falar de ambições europeias para a gestão de crises internacionais tendo como pano de fundo as imagens de Cabul nas últimas semanas, que parecem contar uma história do fracasso das políticas intervencionistas ocidentais. Mas essa discussão é necessária com urgência. Sim, será necessário avaliar as lições da derrota no Afeganistão. Mas essa guerra, com sua construção-estatal dominada pelos EUA, é em muitos aspectos um caso especial que deve ser analisado distintamente. Nesse ínterim, existem muitas outras crises e conflitos globais em que a União Europeia, bem como as Nações Unidas e organizações regionais, estão atualmente a intervir, sem a participação dos EUA e da OTAN. Esses esforços precisam continuar - incluindo, se necessário, por meio do uso de força militar, se autorizado por um mandato do Conselho de Segurança da ONU. Em outras palavras, a Europa não pode simplesmente lavar as mãos na gestão de crises internacionais.

Até a queda de Cabul, as recentes discussões e debates da UE sobre seu papel global giravam em torno da ideia de “autonomia estratégica europeia” e de como a UE poderia se tornar mais soberana na condução da política externa e de segurança. Acima de tudo, a preparação do “Compasso Estratégico” da UE, programado para 2022, parecia ter sinalizado uma nova ambição para alcançar a autonomia. Mas essa ambição não tem muito em comum com as realidades atuais da política externa e de segurança europeias.

O objetivo principal da Bússola Estratégica, iniciada durante a presidência rotativa da Alemanha na UE, é que os Estados-membros finalmente cheguem a um acordo sobre objetivos estratégicos claros e viáveis para fortalecer a UE como ator de política de segurança e defesa. A bússola também se destina a fornecer orientação política para futuros processos de planejamento militar. No entanto, embora a bússola inclua uma “cesta” de gerenciamento de crises, o processo de redação está fortemente focado em questões de defesa, particularmente a proteção da Europa. Isso corre o risco de enfraquecer ainda mais as missões de gestão de crises externas da UE conduzidas sob os auspícios da sua Política Comum de Segurança e Defesa.

Boina e distintivo do Eurocorps.

Curiosamente, apesar da recém-descoberta ênfase na proteção, ainda parece haver algum fascínio em projetar poder para além da Europa. Em maio, por exemplo, os ministros da defesa da UE discutiram a criação de uma força de reação rápida europeia de quase 5.000 soldados. Mas também aqui a ambição ignora as realidades atuais. Afinal, a UE já tem dois Grupos de Batalha da UE, cada um com 1.500 soldados, que nunca foram usados desde sua criação em 2007. Muitas vezes, eles nem mesmo estão totalmente operacionais.

O fato dos países europeus engajados militarmente no Afeganistão não terem conseguido evacuar seus próprios cidadãos de Cabul, sozinhos ou em um esforço coordenado da UE, sem a ajuda dos EUA, demonstra ainda mais o estado das capacidades militares coletivas da Europa. A falta de capacidades e vontade política para a gestão de crises externas também é sublinhada pelas atuais dificuldades do bloco em mobilizar apenas 200-300 reinadores para a nova missão de treinamento militar da UE no Moçambique; a Alemanha já cancelou sua participação.

Eventualmente, a Política Comum de Segurança e Defesa da UE pode se tornar apenas mais uma ferramenta para proteger a "Fortaleza Europa".

Nem sempre foi assim. A gestão precoce de crises na UE ao abrigo da Estratégia Europeia de Segurança de 2003 foi bastante diversificada e ambiciosa. Na altura, a UE esteve envolvida desde o Kosovo e a Geórgia à República Democrática do Congo e à Somália, com um grande número de destacamentos. Em 2008, a UE destacou pouco menos de 3.700 soldados para o Chade para proteger os refugiados da vizinha República Centro-Africana contra grupos armados que operam na área. Mas isso começou a mudar com o alargamento da UE; desde a adoção do Tratado de Lisboa em 2009, as missões da UE tornaram-se progressivamente menos ambiciosas. Simplificando, os novos Estados-membros da Europa Oriental têm diferentes percepções de ameaças que afetaram o tamanho e os mandatos dos destacamentos da UE, entre outras coisas.

Soldados somalis treinados por várias forças da União Europeia passam por exercícios no campo de treinamento de Bihanga, a oeste da capital de Uganda, Kampala, em 31 de agosto de 2011 (foto da AP por Stephen Wandera).

Desde 2010, apenas três missões e operações da UE envolveram mais de 500 pessoas: a Operação Sophia, missão naval atualmente destacada para o Mediterrâneo, com cerca de 1.400; a operação militar na República Centro-Africana, com cerca de 750; e a missão de treinamento militar no Mali, com pouco mais de 500. O efetivo de pessoal das outras missões destacadas desde então tem sido geralmente entre 20 e 100. Em vez de estabilização de curto prazo, as operações de gestão de crises da UE agora se concentram principalmente no treinamento de média a longa duração e construção de capacitação.

Outra mudança nas operações de 2015 em diante foi impulsionada pelo aumento dramático nos fluxos de refugiados no Mar Mediterrâneo. A Operação Sophia, que foi lançada originalmente como EUNAVFOR Med em 2015, tornou-se, entre outras coisas, uma ferramenta para interromper os fluxos migratórios para a Europa, tentando combater o tráfico de pessoas e capacitar a guarda costeira da Líbia.

Esta mudança foi reforçada pela adoção da Estratégia Global da UE em 2016, que fez da proteção dos cidadãos da UE um objetivo fundamental da política externa e de segurança coletiva. Isso ocorreu às custas da ênfase tradicional da UE em sua identidade como uma comunidade de Estados que busca, acima de tudo, defender valores e fornecer bens comuns, incluindo segurança, internacionalmente.

Posteriormente, muitos Estados-membros levaram adiante essa narrativa de uma “Europa protetora”, ao mesmo tempo que aplicaram uma interpretação bastante restrita da Estratégia Global. Até que ponto essa interpretação se consolidou ficou mais evidente em 2018, quando o governo austríaco colocou um “foco na segurança e na luta contra a migração ilegal” no topo de suas três prioridades para a presidência rotativa da UE, sob o slogan “Uma Europa que protege”.

Como resultado, as políticas internas dos Estados-membros têm influenciado cada vez mais os mandatos das missões existentes e novas da UE, como as missões de capacitação civil EUCAP Sahel Níger e EUCAP Sahel Mali, cujas atividades passaram a fazer parte das chamadas parcerias de migração da UE com ambos países. Para este fim, a missão no Níger abriu um escritório de campo em Agadez em abril de 2016 para contribuir “para um melhor controle dos fluxos de migração irregular e crimes relacionados”. Esta reorientação das missões de gestão de crises da UE para os interesses internos dos Estados-membros gerou críticas ferozes em alguns setores, uma vez que poderia, entre outras coisas, levar a que as missões de estabilização e capacitação se reduzissem à gestão da migração e das fronteiras. Eventualmente, a Política Comum de Segurança e Defesa da UE pode se tornar apenas mais uma ferramenta para proteger a "Fortaleza Europa".

Soldado francês supervisiona entrada em compartimento de soldados iraquianos durante treinamento de CQB.

Isso não precisa ser o caso. A Bússola Estratégica oferece a oportunidade de encontrar um novo terreno comum sobre o que a UE pretende alcançar em termos de paz e segurança, e o que pode alcançar. No domínio da gestão de crises, a UE necessita de uma política operacional multifacetada semelhante à era anterior ao Tratado de Lisboa. A este respeito, as missões da UE devem ser ambiciosas e, idealmente, preencher lacunas onde outros parceiros, como as Nações Unidas ou a União Africana, não desejam ou não podem agir, seja por que motivo for. No entanto, o desastre que se desenrola no Afeganistão agora ameaça ofuscar o debate sobre a Bússola Estratégica nas próximas semanas e meses, com o risco de reforçar o ceticismo em relação a desdobramentos internacionais.

Embora o Afeganistão ofereça algumas lições para a gestão de crises, não deve ser usado pelos Estados-membros da UE para rejeitar intervenções internacionais per se e, em vez disso, se concentrar em "proteger a Europa". Infelizmente, o mantra de “não repetir 2015” já está sendo ouvido por alguns políticos franceses, alemães e austríacos, apenas reforçando essa narrativa.

O que é necessário, em vez disso, é uma análise honesta das últimas 30 missões civis e destacamentos militares da UE. O que funcionou? O que era política puramente simbólica? E que tipo de consenso ainda pode ser encontrado no futuro? O fracasso no Afeganistão não deve lançar uma sombra definitiva sobre a gestão de crises na Europa. Apesar de tudo, há lugar e necessidade para uma política externa e de segurança europeia ambiciosa.

Tobias Pietz é vice-chefe da Divisão de Análise do Centro Alemão para Operações Internacionais de Paz (ZIF) em Berlim.

Leitura recomendada:




quarta-feira, 25 de agosto de 2021

Por trás da disputa argelino-marroquina, a histórica frustração da Argélia com o Marrocos


Por Bernard Lugan, Actualité Africaine, 25 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de agosto de 2021.

Ponto culminante de uma tensão que tem crescido continuamente nos últimos anos, a Argélia acaba de cortar relações diplomáticas com o Marrocos.

O rei Mohammed VI do Marrocos, e o presidente Abdelmadjid Tebboune da Argélia.

A disputa entre os dois países é certamente política, mas também histórico-psicológica. Por quatro razões principais:

1) Passada diretamente da colonização turca para a colonização francesa, a Argélia tem ciúme do Marrocos e de seus 1200 anos de história (veja sobre o assunto no meu livro Algérie, l'Histoire à l'endroit / Argélia, a história no lugar). Ela se recusa a admitir que os brilhantes principados de Tlemcen no oeste, e Bougie no leste, não constituíam as matrizes da Argélia, quando Fez e Marrakech criaram o Marrocos. Com os Idrissidas, os Almorávidas, os Almohads, os Saadianos, os Merinidas e os Alaouitas, durante 1200 anos, o Marrocos de fato desenvolveu um Estado, depois Impérios estendendo-se em certas épocas por todo o Magrebe, parte da Espanha e até Timbuktu. Não havia nada parecido a leste de Moulouya, onde nem os Zianides de Tlemcen nem os Hafsids de Bougie tiveram um destino comparável ao das grandes dinastias marroquinas. É aí que reside o não-dito de toda a política magrebina de Argel.

2) Os dirigentes argelinos não querem reconhecer que herdaram da França territórios historicamente marroquinos, tendo a colonização francesa amputado o Marrocos em favor dos departamentos franceses da Argélia. É por isso que Touat, Saoura, Tidikelt, Gourara e a região de Tindouf são argelinos hoje. Eles se recusam a admitir que, na época da independência, o milenar Marrocos foi convidado a endossar essas amputações territoriais feitas em benefício de uma Argélia nascida em julho de 1962.

Soldados argelinos.

3) Para uma Argélia, "enclavada" neste mar fechado que é o Mediterrâneo, é insuportável constatar que com a recuperação das suas províncias do Saara, o Marrocos tem uma imensa fronteira marítima oceânica a partir de Tânger ao norte, até à fronteira com a Mauritânia ao sul, abrindo assim o reino tanto ao “mar aberto” do Atlântico como à África Ocidental. Recusando-se obstinadamente a admitir esta realidade, a Argélia mantém a Polisario à disposição na tentativa de enfraquecer o Marrocos. No entanto, para Argel, é urgente. Como a última praça dos 24 Estados - dos 193 membros da ONU - ainda reconhecendo este fantasma que é a RASD (República Árabe Sarauí Democrática), tendo finalmente se desintegrado, a tensão com o Marrocos poderia ajudar a conter o sangramento.

4) A Argélia atravessa uma crise econômica, política, institucional e de identidade muito profunda. Ela deve, portanto, procurar reunir as energias nacionais e, para isso, desde a independência, sempre recorreu a dois bodes expiatórios: a França e o Marrocos. Atualmente, por vários motivos, ela precisa da França. Portanto, resta o Marrocos. Esperando que esta política de corrida desenfreada não conduza a uma nova "guerra das areias", como em 1963...

Bernard Lugan (nascido em 10 de maio de 1946 em Meknès) é um historiador francês especializado em história da África. Ele é professor do Institut des hautes études de défense nationale (IHEDN) e editor da revista L'Afrique réelle ("A África Real"). Lugan lecionou anteriormente na Jean Moulin University Lyon 3 e na escola militar especial de Saint-Cyr até 2015. Ele serviu como testemunha especializada para réus hutus envolvidos no genocídio em Ruanda no Tribunal Criminal Internacional para Ruanda.

Bibliografia recomendada:

Novas Geopolíticas.
José William Vesentini.

Leitura recomendada:

terça-feira, 2 de março de 2021

Italianos da Divisão Brescia no Cerco de Tobruk

Ilustração de Steve Noon, Italian Soldier in North Africa 1941-1943.
(Osprey Publishing)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de março de 2021.

Em 12 de abril de 1941, quando as forças italianas e alemãs começaram seu Cerco de Tobruk, a Divisão Brescia junto com o 3º Batalhão de Reconhecimento alemão capturaram o porto de Bardia, tomando várias centenas prisioneiros e uma grande quantidade de saque. Mas o ataque parou e Rommel foi forçado a pedir reforços. Na noite de 30 de abril, uma poderosa força ítalo-alemã ataca as defesas de Tobruk novamente, e a Ariete, Brescia, o 8º Regimento Bersaglieri e Guastatori (engenheiros de combate) envolveram e capturaram sete pontos fortes (R2, R3, R4, R5, R6, R7 e R8). Na noite de 3 de maio, os australianos contra-atacaram mas os italianos, na forma das Divisões Trento, Pavia e alguns Panzergrenadiers repeliram o ataque e os atacantes só conseguiram recuperar um ponto forte das tropas italianas defensoras. Na noite de 16 de maio, a Divisão Brescia retalia com a ajuda de dois pelotões do 32º Batalhão de Engenharia de Combate e abre uma brecha no perímetro defensivo dos 2/9º e 2/10º Batalhões. Com os obstáculos removidos, as tropas da Brescia envolvidas, que trazem equipes de lança-chamas e tanques, capturam os pontos fortes S8, S9 e S10.

Os australianos reagem e o Oficial Comandante dos Guastatori, o Coronel Emilio Caizzo, é morto em um ataque de mochilas explosivas (satchel) e ganha uma Medalha de Ouro por valor póstuma (Medalha de Ouro ao Valor Militar, mais alta condecoração italiana). Embora a História Oficial Australiana admita perder três posições, ela afirma que os atacantes eram "alemães". No entanto, uma narrativa italiana registrou:

"Com grande habilidade e velocidade, os Guastatori abrem três pistas nas minas e obstáculos para permitir passagem aos Fucielieri da Brescia. Lado a lado com as tropas de assalto da Brescia, eles infligem grandes perdas ao inimigo e tomam outros pontos fortes com explosivos e lança-chamas."

O historiador militar australiano Mark Johnston afirma que havia uma "relutância em reconhecer os reveses contra os italianos" nos relatos oficiais australianos.

O Major-General Leslie Morshead estava furioso e ordenou que os australianos ficassem mais vigilantes no futuro. Entre os objetivos inicialmente selecionados durante o planejamento da Operação Brevity estava a recaptura dos pontos fortes S8 e S9, mas isso foi abandonado quando descobriu-se que os australianos os recuperaram.

Em 24 de maio, a Divisão Brescia, que assumiu a frente ocidental de Tobruk, repeliu uma força de infantaria atacante, apoiada por tanques. Em 2 de agosto, um outro ataque foi lançado para recuperar os pontos fortes perdidos, mas as forças atacantes dos batalhões australianos 2/43º e 2/28º são repelidos. Este foi o último esforço australiano para recuperar as fortificações perdidas. Como parte das forças assediadoras em torno de Tobruk, a Brescia resistiu contra a ofensiva britânica de 24 de novembro de 1941 até 10 de dezembro de 1941, quando a 70ª Divisão Britânica (Brigada Independente de Fuzileiros dos Cárpatos polonesa capturou a posição de White Knoll) finalmente atravessou a retaguarda da Brescia e levantou o cerco de Tobruk durante a Operação Crusader. Avançando em plena luz do dia em 11 de dezembro, um batalhão da Brescia chegou a 50 jardas do 23º Batalhão da Nova Zelândia, mas foi cortado pelas metralhadoras dos neozelandeses. A retirada inicial foi para o Ayn al-Ghazalah. Em 15 de dezembro, a Divisão Brescia manteve a sua posição no Ayn al-Ghazalah (Gazala) contra a 2ª Divisão Neo-zelandesa e a Brigada Polonesa, permitindo que uma poderosa força blindada ítalo-alemã contra-atacasse e derrotasse o 1º Batalhão Britânico, The Buffs. Em 18 de dezembro, presa às forças britânicas e flanqueado pelo sul, a divisão começou a se retirar para Ajdabiya e chegou às posições planejadas em 22 de dezembro de 1941.

Uma veterana da Guerra da Abissínia, a Divisão Brescia lutaria ainda em Gazala e Mersa Matruh, e depois nas batalhas de El-Alamein. Depois que a Segunda Batalha de El Alamein começou em 24 de outubro de 1942, a Brescia foi capaz de manter suas posições contra as unidades blindadas britânicas até 4 de novembro de 1942. Com a frente já em desordem, recuou pela rota Deir Sha'la - Fukah. A falta de meios de transporte resultou em unidades aliadas alcançando e aniquilando os remanescentes da Divisão Brescia em 7 de novembro de 1942, à vista de Fouka onde outras unidades do Eixo despedaçadas já se reuniram. A divisão foi oficialmente dissolvida em 25 de novembro de 1942.

Bibliografia recomendada:

Italian Soldier in North Africa 1941-43.
P. Crociani e P.P. Battistelli.

Leitura recomendada:


sábado, 6 de fevereiro de 2021

O impulso da França para o Rafale

A nova aeronave de caça substituirá o Mirage 2000. (Joe Ravi/ Shutterstock)

Pelo GlobalData, Airforce Technology, 3 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de fevereiro de 2021.

Em 25 de janeiro, a França e a Grécia finalizaram a compra de 18 caças Rafale para a Força Aérea Helênica em um contrato de € 2,5 bilhões, marcando a primeira exportação europeia do Rafale da Dassault. O novo caça substituirá o Mirage 2000. Com início previsto para junho a agosto, o prazo de entrega de seis aeronaves Rafale novas e 12 usadas será de dois anos. A manutenção também será fornecida pela Dassault Aviation em um contrato de suporte logístico, com duração de quatro anos e meio.

Vera Lin, Analista Associada da GlobalData, comenta: “A aquisição da aeronave demonstra o compromisso da Grécia em aprimorar as capacidades de ataque aéreo na sequência de sua disputa com a Turquia sobre o espaço aéreo nacional e as fronteiras marítimas no Egeu. O relacionamento político da França com a Grécia, apoiando as reivindicações da Grécia e convocando os Estados da União Europeia a sancionar a Turquia, abriu uma janela de oportunidade para apoiar a indústria de defesa francesa. Aproveitando a oportunidade, a França também irá propor a fragata Belharra/ FDI, pavimentando as incursões para um importante empreiteiro de defesa doméstico, Grupo Naval, no programa de modernização de fragatas da Grécia.”

As exportações do Rafale têm sido visivelmente pequenas quando comparadas com seus concorrentes, o Eurofighter Typhoon, o F/A-18 Super Hornet e o F-16. O Rafale ficou aquém na licitação da Bélgica de 2018, onde a França ofereceu um pacote bilateral estratégico e econômico que trará um retorno econômico de 100% do preço de compra, juntamente com a criação de aproximadamente 5.000 empregos de alta tecnologia, compensando quase € 20 bilhões. Por fim, o Rafale e o Eurofighter Typhoon foram substituídos pelo F-35 Joint Strike Fighter. Nenhum outro vendedor havia proposto o mesmo nível de cooperação industrial, o que questiona a falta de competitividade do Rafale nos mercados de exportação, mesmo quando acompanhado de um pacote econômico adicional que supera outras ofertas.

Mirage grego passando pelo Canal de Corinto, novembro de 2020.

O Rafale da Dassault conquistou com sucesso contratos para o Egito, Qatar e Índia, com o governo de Modi atualmente ponderando a oferta do governo francês de aumentar as encomendas do Rafale para uma linha de manufatura indiana, alinhando-se com o programa "Make in India" de Modi. Os pedidos de pequenos lotes para o Rafale mantêm a escala de fabricação pequena, portanto, o Rafale não se beneficia das economias de escala. Um fator chave de diferenciação na competitividade do mercado é o preço. De acordo com o contrato indiano de 2016, o preço unitário estimado do Rafale é de € 92 milhões (US$ 104 milhões), enquanto o F-35 tem um preço melhor com uma unidade custando aproximadamente € 70 milhões (US$ 80 milhões) em 2016.

As perspectivas de contrato do Rafale incluem Indonésia, Suíça (programa de modernização do Air 2030) e Finlândia (HX Fighter). Um potencial negócio com a Indonésia de 48 aeronaves Rafale tornaria a Indonésia a maior operadora estrangeira do Rafale e um avanço para o maior volume de exportações do Rafale feitas pela Dassault até o momento. O processo de aquisição para os programas suíço e finlandês ainda está em andamento, já que a Dassault concorre com a Boeing (F/A-18 Super Hornet), Lockheed Martin (F-35) e Airbus (Eurofighter) com a adição da Saab (Gripen) para o programa HX Fighter.

Para a Suíça, preservar a soberania e a autonomia nas operações é um requisito fundamental. A oferta do Eurofighter levou isso em consideração no comunicado à mídia da Airbus publicado em 18 de novembro de 2020, afirmando: “A Suíça ganhará total autonomia no uso, manutenção e aplicação dos dados de suas aeronaves”.

A oferta do F-35 não oferece a mesma autonomia que a oferta do Eurofighter ou potencial cooperação industrial, o que é um bom presságio para a competitividade de mercado do Rafale, já que os franceses provavelmente não colocarão restrições à participação industrial suíça.

O programa finlandês HX Fighter destacou a importância das capacidades de ataque profundo e operações desimpedidas em clima adverso e baixa temperatura para operações de vigilância, reconhecimento, ataque aéreo e defesa. O segundo fator decisivo será o nível de cooperação industrial para o desenvolvimento da indústria local de manutenção e reparo. As licitações da Saab, Dassault Aviation e BAE Systems ofereceram programas de cooperação industrial com manutenção da indústria local, instalações de sustentação e controle sobre a segurança do abastecimento. O Eurofighter também oferece à Finlândia "controle soberano total" sobre as capacidades de defesa. O F-35 está léguas à frente em termos de tecnologia em furtividade, ataque profundo e vigilância. No entanto, é logisticamente mais difícil para a Lockheed Martin igualar o nível de autonomia dado em licitações concorrentes.

Lin continua: “A Boeing ainda não divulgou os detalhes do seu programa de treinamento e sustentação, embora a aquisição do F/A-18 Super Hornet e Growler seja econômica para o pessoal de operação e manutenção existente como uma atualização relevante do atual F/A-18 Hornets. Ambos os países devem anunciar o empreiteiro vencedor este ano. As perspectivas atuais do Rafale durante a pandemia da Covid-19 podem depender das próprias prioridades de um país, se os benefícios econômicos que acompanham as propostas francesas do Rafale, como transferência de tecnologia potencial e cooperação industrial, podem superar a vantagem tecnológica e capacidade operacional do F-35.”

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



FOTO: Miragem sobre o Sahel, 6 de dezembro de 2020.

FOTO: Mirage 2000D na Jordânia, 23 de janeiro de 2020.



quinta-feira, 26 de março de 2020

FOTO: Bandeira nazista capturada em Monte Cassino

Soldados britânicos e sul-africanos exibindo uma bandeira nazista capturada no Monte Cassino, maio de 1944.
(Carl Mydans/ LIFE Magazine)

Estes soldados da Commonwealth, a Comunidade Britânica, posam com uma bandeira nazista capturada enquanto escavadeiras dos Royal Engineers (reais engenheiros) abrem caminho nos escombros da cidade bombardeada de Cassino, na segunda metade de maio de 1944.

Em maio de 1944, a histórica abadia beneditina de Monte Cassino havia sido reduzida a escombros. Como parte da Operação Diadema, a tarefa de capturá-la foi dada ao 2º Corpo Polonês, mas seu ataque na noite de 11/12 de maio falhou. As posições alemãs dentro e ao redor das ruínas no alto da montanha (em cima das quais os soldados estão de pé) eram simplesmente fortes demais. Mais ao sul, no entanto, as tropas francesas conseguiram encontrar um caminho através das montanhas Aurunci em 16 de maio, as quais os alemães acreditavam serem intransitáveis, e agora podiam ver de cima o vale do Liri, por onde a Estrada 6 corria para Roma.

Um segundo ataque dos poloneses ao Monte Cassino, em 17 de maio, fez alguns progressos, dado que o avanço francês levou as tropas alemãs a iniciarem a retirada da Linha Gustav. Na manhã seguinte, a bandeira polonesa foi hasteada sobre as ruínas da abadia. 

A captura do Monte Cassino teve um preço alto. Os Aliados sofreram cerca de 55.000 baixas na campanha de Monte Cassino. Os números de baixas alemãs e italianas são estimados em cerca de 20.000 mortos e feridos. O total de baixas aliadas, abrangendo o período das quatro batalhas de Cassino e a campanha de Anzio, com a subseqüente captura de Roma em 5 de junho de 1944, ultrapassou 105.000. 

Esta imagem foi tirada em Kodachrome colorido original pelo fotógrafo Carl Mydans da revista LIFE.