Mostrando postagens com marcador Legião Estrangeira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Legião Estrangeira. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Lutas esquecidas: os franceses livres em Bir Hacheim, maio de 1942

Legionários franceses em ação, junho de 1942.
Cortesia do Imperial War Museums, E 13313.

Por Edward G. Lengel, National WW2 Museum, 25 de maio de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de maio de 2022.

Uma das “Lutas Esquecidas” mais emocionantes da Segunda Guerra Mundial ocorreu em maio de 1942 no posto avançado do deserto norte-africano de Bir Hacheim (também Bir Hakeim). Neste duelo, forças alemãs e italianas sob o comando da "Raposa do Deserto" da Alemanha, General Erwin Rommel, bateram-se com as Forças Francesas Livres, incluindo tropas coloniais africanas, sob o comando do General-de-Brigada Marie-Pierre Koenig. Os franceses lutaram arduamente por duas semanas antes de finalmente cederem, permitindo que as forças de Rommel continuassem seu avanço em direção ao Canal de Suez. Mesmo na derrota tática, no entanto, os franceses obtiveram uma vitória estratégica significativa.

No início de maio, aproximadamente 90.000 tropas alemãs e italianas, incluindo 560 tanques, enfrentaram cerca de 110.000 tropas britânicas, imperiais e aliadas britânicas e 840 tanques ao longo da Linha de Gazala, na Líbia, ao sul e oeste do importante porto de Tobruk. O Tenente-General Neil Ritchie, comandando o Oitavo Exército Britânico, desdobrou a 1ª Brigada Francesa Livre de Koenig, de 4.000 homens, no extremo sul da Linha de Gazala, a cerca de sessenta quilômetros de profundidade no deserto do Saara, em um antigo forte desolado e em ruínas em Bir Hacheim.

Veteranos africanos franceses de Bir Hacheim.
Cortesia da Biblioteca do Congresso.

O comando de Koenig era uma miscelânea, consistindo de fuzileiros navais franceses, legionários estrangeiros e soldados de colônias francesas africanas, como Senegal, Madagascar e o que hoje é a África Central. Embora sem tanques e muito equipamento pesado, os homens de Koenig eram guerreiros durões determinados a provar seu valor contra um inimigo que havia rolado triunfantemente pela França continental apenas dois anos antes. Os Legionários Estrangeiros incluíam muitos refugiados da Europa Oriental ocupada pelos nazistas, igualmente determinados a vingar a perda de suas terras natais.

Um Legionário Estrangeiro toma um gole de água preciosa.
Cortesia da Biblioteca do Congresso.

Em 26 de maio, Rommel enviou forças italianas em um ataque frontal contra a Linha de Gazala. Mas isso foi apenas uma finta. Enquanto os italianos demonstravam, a Raposa do Deserto liderou as 15ª e 21ª divisões Panzer e a divisão blindada italiana Ariete ao sul do deserto, derrotando unidades blindadas britânicas e chegando diante de Bir Hacheim em 27 de maio. Supondo que os franceses seriam simplesmente varridos, Rommel continuou em frente. com suas divisões alemãs e deixou os italianos para lidarem com Bir Hacheim. Isso, como se viu, foi um erro caro.

Os tanquistas italianos, corajosos, mas operando equipamentos frágeis e obsoletos, imediatamente atacaram de assalto as posições francesas. Embora tenham penetrado a defesa externa em alguns pontos, no entanto, as forças bem entrincheiradas de Koenig destruíram 32 tanques e repeliram os atacantes. Rommel, enquanto isso, continuou para o norte, destruindo outros postos avançados britânicos e completando o cerco de Bir Hacheim.

Uma equipe de morteiro africana francesa.
Cortesia da Biblioteca do Congresso.

Vitorioso em ações de pequenas unidades, mas incapaz de desequilibrar completamente a Linha de Gazala, Rommel enfureceu-se com a contínua resistência sombria de Koenig em Bir Hacheim. Quando o comandante da França Livre rejeitou uma exigência de rendição, os caças e bombardeiros da Luftwaffe começaram a bombardear impiedosamente e metralhar a fortaleza em ruínas. Rommel também ordenou que sua artilharia atacasse as posições francesas e, retirando suas tropas alemãs de seus postos avançados mais ao norte, enviou-as, além de infantaria e tanques italianos para atacar Bir Hacheim dia e noite. Os Legionários de Koenig construíram bem suas posições, no entanto, e apesar da crescente escassez de munição e especialmente água, os franceses resistiram.

No final da primeira semana de junho, Koenig sabia que seus homens estavam perto do fim de suas forças e pediram por rádio permissão para romper o cerco e se retirar. Essa permissão foi negada, pois os britânicos, antecipando a destruição final da Linha de Gazala, estavam preparando posições de recuo em El Alamein, no Egito. Koenig obedientemente retornou à luta enquanto seus homens, sob constante bombardeio no calor escaldante e subsistindo de dedais d'água, repeliam um ataque após o outro.

Artilharia francesa em ação em Bir Hacheim.
Cortesia do Museu Nacional da Marinha dos EUA.

Na noite de 10 para 11 de junho, sabendo que a queda de Bir Hacheim era iminente, Koenig ordenou uma fuga sob o manto da escuridão. A princípio, os franceses tentaram se retirar em formação, mas quando os alemães descobriram o movimento, a guarnição em retirada se dividiu em grupos de alguns homens e indivíduos. Nas duas horas seguintes, eles enfrentaram alemães e italianos em combate corpo-a-corpo. Incrivelmente, a maioria da guarnição sobrevivente escapou para a segurança. Incrivelmente, o general Koenig foi levado de jipe da fortaleza por Susan Travers, uma inglesa designada para a equipe médica francesa como motorista de ambulância. “É uma sensação deliciosa, ir o mais rápido possível no escuro”, ela lembrou mais tarde. “Minha principal preocupação era que o motor parasse.” Seu Ford crivado de balas levou com segurança a dupla de volta às linhas britânicas. Travers mais tarde seria formalmente admitida na Legião Estrangeira.

Rommel disse sobre Bir Hacheim que “raramente na África eu tive uma luta tão dura”. A corajosa defesa do posto avançado do deserto perturbou seriamente os planos de Rommel para a vitória no norte da África. Embora ele tenha destruído a Linha de Gazala e capturado Tobruk, os britânicos ganharam um tempo valioso para preparar suas defesas em El Alamein, onde, vários meses depois, a maré da guerra na África finalmente mudaria.

Edward G. Lengel é o ex-diretor sênior de programas do Instituto para o Estudo da Guerra e da Democracia do Museu Nacional da Segunda Guerra Mundial.

Leitura recomendada:

Tempos de Inquietude e de Sonho.
Raul Soares da Silveira,
legionário brasileiro que lutou em Bir Hakeim.

quarta-feira, 2 de março de 2022

A Legião Estrangeira Francesa autoriza os legionários afetados pela guerra na Ucrânia a recolherem seus parentes


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 2 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de março de 2022.

De acordo com números publicados em 2018, a Legião Estrangeira tem cerca de 40% de cidadãos da antiga União Soviética em seu efetivo. E, até agora, as tensões entre a Rússia e a Ucrânia não tiveram repercussões nas relações entre os legionários originários destes dois países, que respeitam ao pé da letra o código de honra que aceitaram ao assinar o seu contrato de engajamento. “Cada legionário é seu irmão de armas, qualquer que seja sua nacionalidade, sua raça, sua religião. Você sempre mostra a ele a solidariedade que deve unir os membros duma mesma família”, disse ele.

General Alain Lardet,
Comandante da Legião Estrangeira.

No entanto, logo após a Rússia começar a invadir seu país na semana passada, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky convocou “europeus aguerridos” para virem lutar na Ucrânia. "Se você tem experiência de combate e não quer mais assistir à indecisão de seus líderes políticos, pode vir ao nosso país para defender a Europa", disse.

Além disso, pode-se imaginar o efeito que tal chamada poderia ter produzido entre os legionários de origem ucraniana... E sem dúvida que isso poderia ter gerado alguma tensão com alguns de seus camaradas da Rússia. Daí a mensagem do General Alain Lardet, o "Père Legion" (“Pai da Legião”, ou COMLE para Comandante da Legião Estrangeira).

Inicialmente, o General Lardet lembrou que a Legião Estrangeira não cria apátridas e que "não pede em caso algum negar a pátria, muito menos combatê-la". E que ela “não decide as causas para lutar, por mais belas que sejam” porque sua honra é “servir a missão, que é sagrada”. Ou seja, servir a França.

Anúncio do COMLE


“Sua lealdade como legionário é o coração e a força de seu compromisso. É na hora que você decidiu em seu contrato, insuperável”, encadeou o COMLE. "Pode-se pedir muito a um soldado", mas "não se pode pedir-lhe para enganar, desdizer-se, contradizer-se, mentir, negar-se, perjurar-se", continuou.

Após este lembrete, o General Lardet disse que “se amparou” com os “legionários da Ucrânia ou da região afetada por esta guerra” e entendeu sua “tensão interna” porque sua “pátria está sangrando e sofrendo” e que suas “famílias são afetadas”. E aos “poucos, confrontados com a tentação de correr para onde o fogo arde”, disse-lhes que “as guerras só se ganham se cada um cumprir a sua missão onde que que ela esteja”.

“Como Pai da Legião, sei que devo encorajá-los neste caminho de honra. Não se perjure!“, exortou o General Lardet. “Para você e para a Legião, mantenha seu serviço com honra e fidelidade” porque “quem sabe se, amanhã, sua unidade não será engajada. E onde você vai estar? Você então fará falta ao seu binômio, irmão de armas, como qualquer legionário”, insistiu.


No entanto, temos que aceitar a situação... E a Legião Estrangeira pretende apoiar as famílias de seus legionários que podem ser afetados pela guerra em curso.

Além disso, para permitir a segurança dos que fogem das zonas de combate, o General Lardet decidiu autorizar os legionários que assim o desejarem a "ir a certos países que fazem fronteira com a Ucrânia" para "recolhê-los".

“Você deve saber que qualquer legionário preocupado com este conflito pode pedir à Legião Estrangeira que o ajude a receber sua família com urgência, em conformidade com a lei aplicável na França, em particular de acordo com a evolução das diretrizes relativas à consideração de refugiados”, assegurou o COMLE. "A solidariedade 'da Legião', corolário do empenho total do legionário em benefício da nossa pátria, poderá assim, na medida e segundo as suas prioridades, prestar ajuda material ou administrativa", indicou.

Ao mesmo tempo, a Legião Estrangeira criará uma "unidade de escuta" para melhor atender às necessidades de seus legionários envolvidos. "Sejamos unidos e responsáveis", concluiu o General Lardet.


Bibliografia recomendada:

A Legião Estrangeira.
Douglas Boyd.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

ENTREVISTA: "A Legião vai muito bem!"

General de Saint-Chamas já como um 4 estrelas.
Na época da entrevista, ele era 2 estrelas.

Por Jean-Dominique Merchet, jornalista do Marianne, 28 de abril de 2012.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de julho de 2012.

Uma entrevista com o general de Saint-Chamas, comandante da Legião Estrangeira, na ocasião das cerimônias do Camerone.

Essa segunda-feira 30 de abril, a Legião Estrangeira celebra o Camerone, sua festa tradicional que comemora o sacrifício de seus homens, em um combate no México em 1863. As cerimônias do Camerone serão, neste ano, uma homenagem particular à Batalha de Bir Hakeim, que completa seu 70º aniversário. Durante a cerimônia, na “maison-mère” de Aubagne, a mão do capitão Danjou será carregada por Hubert Germain, 91 anos, companheiro da Libertação, ex-ministro e veterano da 13ª DBLE – o último oficial da Legião vivo a ter participado deste combate da França Livre.

Durante a cerimônia, o padre Yannick Lallemand, capelão da Legião, será promovido ao posto de Comendador da Legião de Honra. O “Padre” é uma figura dos paras e da Legião. Presente em Beirute por ocasião do atentado contra o Drakkar (1983), ele é atualmente muito ativo em ajudar os feridos. Enfim, o chefe de estado-maior dos exércitos, o almirante Edouard Guillaud será feito “caporal d’honneur” da Legião Estrangeira, uma distinção excepcional.

Na ocasião do Camerone, quisemos rever a Legião atual, com o “Père Légion”, apelido tradicional do general comandante da Legião Estrangeira (COM.LE), Christophe de Saint-Chamas. Este oficial comandou em especial o 1º REC e fez uma estadia de 13 meses no Afeganistão antes de chegar à Aubagne.


Como vai a Legião?

Muito bem! Seu recrutamento é excelente. A Legião atrai e, além, é a França que atrai homens provenientes de 150 países. Nós somos um vetor de influência nacional.

De onde eles vêm?

De todos os lugares. Na última seção de 50 homens que nós tivemos de integrar, havia cerca de trinta nacionalidades. Historicamente, o recrutamento está ligado às crises políticas: havia os russos brancos, os republicanos espanhóis, os alemães pós-guerra, o Leste da Europa após a queda do muro... Hoje, cerca de um quarto do nosso recrutamento se efetua sempre na Europa distante, à Leste. Mas nós temos doravante muitos asiáticos (cerca de 10%). Eles vêm até nós através da China ou da Mongólia. Nossa preocupação é de manter um equilíbrio de modo a que o amálgama possa ocorrer.

A internet se tornou um instrumento essencial: nosso site de recrutamento existe em quinze línguas. Mas nós não recrutamos fora do território metropolitano: é necessário que o candidate venha até nós por seus próprios meios, isso constitui uma primeira prova de sua motivação ao engajamento.

E os franceses?

Os “gauleses” – os franceses – não representam mais que 10% à 15% de nosso recrutamento. O total de francófonos, entre 20 e 25%. É uma situação diferente daquela que nós conhecíamos há vinte ou trinta anos, quando a metade do recrutamento era francófona. Nós não podemos mais praticar a “binomage” para a aprendizagem do francês (um francófono e um não-francófono), mas nós usamos a “quadrinomage”.


Quantos homens vocês recrutam por ano?

Nosso biorritmo é de cerca de 1000. Nós temos conseguido mais no decorrer desses últimos anos – até 1400. Nós estamos abaixo esse ano, cerca de 800. Deve ser dito que nosso efetivo global decresceu, em 600 postos em três anos. Nossos efetivos são, atualmente, de 7334, dos quais 7000 servem à título estrangeiro: esses são todos os legionários e graduados, mesmo que a Legião também conte com alguns graduados do exército, apelidados de “quadros brancos”, para os postos de especialistas.

Qual é a sua taxa de seleção?

Um em cada oito, podemos dizer que temos como escolher. Isso mostra que o nível geral é bem elevado: 13,5/20. Temos que acabar com uma mitologia: nós não recrutamos criminosos que se fariam esquecer ao se engajar na Legião! Certamente, nossos homens são frequentemente feridos na vida, que vêm a nós atrás de um recomeço com a vontade de mudar. O ministro da Defesa confia ao general COM.LE a responsabilidade do pessoal servindo à título estrangeiro.


Havia sempre muitos desertores na Legião. E quanto a 2012?

Vamos primeiros examinar a noção de desertor. Eles são estrangeiros, e eles podem ter vontade de ir pra casa, não é porque será melhor, eles estão com saudades de casa ou por um capricho que vem à cabeça. O que podemos falar com certeza, é a taxa de atrito: ela é de 22% durante os seis primeiros meses e de 10% nos seis meses seguintes. Isso significa que um engajado entre três (32%) nos deixa durante o primeiro ano. Conservar em nossas fileiras os legionários que fizeram a corajosa escolha de se engajar continua a ser um objetivo permanente para nós.

Eles se engajam sempre sob uma identidade falsa?

De novo um mito! Não existe anonimato na Legião. Existem duas situações enquadradas pela lei: “a identidade presumida real” e a “identidade declarada”. 80% dos engajados preferem a primeira solução – eles se engajam sob o próprio nome. Mas devemos ter cuidado: a identidade presumida real não significa necessariamente a identidade real. O engajado pode chegar com documentos que parecem verdadeiros, mas que são falsos. Nós devemos verificar em seus países de origem e isso pode levar vários meses.

O “estatuto estrangeiro” limita seus direitos civis, por exemplo, para a abertura de uma conta bancária. Como funciona?

Na França, para permitir a abertura de uma conta bancária, o banqueiro deve se certificar da identidade do seu cliente. Nesse contexto, a Legião veio a estabelecer uma nova parceria com o Crédit Agricole Alpes-Provence, que permite ao legionário sob identidade declarada possuir uma conta bancária e um cartão de débito.

Houve alguns incidentes infelizes no seio de suas unidades, sobre tratamentos degradantes. O que o senhor faz para evita-los?

Primeiro, devemos ser humildes e não penso que isso não possa acontecer novamente. É um combate permanente sobre o estilo de comando para todas as unidades do exército. Eu faço um esforço particular sobre os jovens tenentes: vocês não devem ser “mitos”? Procuro oficiais capazes de sentirem rapidamente que os legionários que abandonaram tudo têm grandes expectativas de seus superiores – e em particular que eles criem vínculos, respeito recíproco e confiança. Que as coisas fiquem claras: a Legião não está acima da lei! Não existe imunidade própria à Legião que nos permita ignorar leis e regulamentos. E eu não estou lá para encobrir erros de comando.

A Legião protege os legionários do seu próprio passado. Ou mais precisamente contra o passado que eles nos declararam no engajamento. Se o legionário se engaja dizendo que ele é procurado em seu país por um roubo de carro, é uma coisa. Mas se nós ficamos sabendo depois que ele também é procurado pela morte de cinco pessoas em sua cidade, é outra. E nós o entregaremos à Justiça.


Ainda não há mulheres na Legião?

Sim, existem alguns oficiais e graduados femininos – e as coisas vão muito bem. Mas o recrutamento estrangeiro não é aberto às mulheres. A formação básica exige muita intimidade. No primeiro mês, os homens vivem juntos em uma fazenda do 4º Regimento Estrangeiro. Essa pedagogia garante uma amálgama rápida e uma integração de todas as culturas.

A presença de mulheres provocaria tensões e ciúmes entre os legionários em um ambiente muito frágil. E a principal dificuldade virá da diferença de cultura e de abordagem, de um país a outro, com relação à mulher.

Todos os legionários se tornam franceses ao final do seu engajamento?

Eles devem primeiro expressar o interesse e esse não é sempre o caso. Alguns voltam para casa e não desejam permanecer na França. Cada legionário é livre para escolher. Em média, existem de 200 à 250 naturalizações por ano. Se levarmos em conta que 1000 homens se engajam a cada ano e que um terço se vai durante o primeiro ano, isso significa que um legionário em três se tornará francês. Desde 1999, existe uma lei, adotada por unanimidade, que permite aos feridos em operação e que desejam ter acesso total à nacionalidade francesa. Este é o princípio de adquirir a nacionalidade francesa “Par le sang versé” ("Pelo sangue vertido").


- Jean-Dominique Merchet é especialista em questões militares pelo Instituto de Altos Estudos de Defesa Nacional (Institut des Hautes Études de Défense Nationale – IHEDN).

Bibliografia recomendada:

Legião Estrangeira:
Um brasileiro em suas fileiras.
Luís Bouchardet.

Tempos de Inquietude e de Sonho.
Raul Soares da Silveira.

A Legião Estrangeira.
Douglas Boyd.

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

FOTO: Legionários das Companhias Saarianas

Legionários da 1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère (CSPL) na Argélia, 1956.
(Colorizada)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 18 de janeiro de 2022.

As Companhias Saarianas Motorizadas da Legião Estrangeira (1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère, CSPL) eram formações de patrulha de longa distância no deserto da infantaria motorizada que foram ativadas na década de 1920 e expandidas na década de 1950; foram formadas quatro destas companhias. Vestidos em uniformes tradicionais à la Beau Geste, sua função era guardar pontos estratégicos nas estradas transcontinentais do Saara, como os oásis estratégicos e os poços de petróleo. Essas unidades lutaram durante toda a Guerra da Argélia.

Eles moviam-se para o norte do Saara durante o verão e tomavam parte em operações combinadas como tropa motorizada convencional e como infantaria helitransportada. Por causa das enormes distâncias que as CSPL cobriam, esses legionários tendiam a mover-se de base em base através de toda a extensão do norte do Saara.

A Legião também teve um grupamento comandado pelo Tenente-Coronel François Binoche, o Groupement des compagnies portées de Légion étrangère du Maroc (GCPLEM, mas também GCPLM).

Original em preto e branco.

Os legionários estão armados com material bem obsoleto para o período, que eram adequados para a função de patrulha motorizada, com a tropa armada com fuzis Berthier e o graduado à esquerda com uma submetralhadora Sten. Eles vestem o tradicional uniforme de desfile da Companhia Saariana, que consistia de camisa branca de manga curta, calça seroual branca e bandoleiras de couro em forma de V Modelo Saara 1935. Um manto e sandálias complementam o uniforme.

A 1er CSPL, originária do Marrocos, era aquartelada em Ain-Sefra em 1954, movendo-se para o Forte Flatters em 1955. A 2e CSPL estava em Laghouat e a 3e CSPL no Forte Leclerc (Sebha) no Fezzan. Em janeiro de 1956, a 4e CSPL foi criada da antiga 24e Compagnie Portée do 1er RE (Regimento Estrangeiro). Em janeiro de 1961, a 1er CSPL tornou-se o 1er Escadron SPLE, afiliado com a cavalaria ao invés da infantaria.

A unidade foi dissolvida em 31 de março de 1963, e os homens transferidos para o 2e REI; tornando-se Escadron, 2e REI. Depois renomeado 5ª Companhia Motorizada (5e CP), 2e REI.

Guarda-bandeira da 1er CSPL na entrada do Forte Flatters, em uma capa da revista Képi Blanc de 1959. A guarda usa sabres de cavalaria em vez de fuzis.

domingo, 17 de outubro de 2021

FOTO: Desfile do 5e REI em Hanói

Desfile do 5e REI no Dia da Bastilha em Hanói, 14 de julho de 1954.

Ao longo do Pétit lac (Lago Pequeno), os soldados do 5e Régiment Étrangèr d'Infanterie (5e REI), vestindo o quepe branco dos legionários, desfilaram no Dia da Bastilha, em Hanói, Vietnã, em 14 de julho de 1954.

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

PERFIL: General Caillaud, o Soldado do Incomum

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 26 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de outubro de 2021.

“Soldado do Incomum”, o General Robert Caillaud deu seu nome à 207ª turma da ESM Saint-Cyr.

Quer seja para cadetes oficiais como para cadetes suboficiais, o baptismo de promoção é sempre um momento especial, pois constitui um forte sinal de identidade e pertencimento.

Além disso, a escolha do “patrocinador” é decisiva. E aconteceu que foi passível de cautela, pois em novembro de 2018, quando o Chefe do Estado-Maior do Exército, que era o General Jean-Pierre Bosser, decidiu “rebatizar” a promoção “General Loustanau-Lacau” da Escola Militar Especial (École spéciale militaireESM), por causa das simpatias políticas que manifestou na década de 1930.

Durante o Triunfo 2021 da Academia Militar de Saint-Cyr Coëtquidan, organizado no dia 24 de julho, a 60ª promoção da Escola Militar de Armas Combinadas (École militaire interarmesEMIA) deu-se como padrinho o General Jean-Baptiste Eblé, que se destacou durante as guerras da Revolução e do 1º Império.

Já a 207ª turma da ESM fez uma escolha mais contemporânea, com o General Robert Caillaud. E tendo em vista o registro de serviço deste último, questiona-se por que seu nome não foi escolhido anteriormente...

Saint-cyrien da promoção Charles de Foucauld (1941-42), e quando ele tinha acabado de obter sua "ficelle" como segundo-tenente, Robert Caillaud retornou à sua Auvergne natal e se juntou à Resistência. Assim, dentro de seus maquis, participou das lutas pela Libertação, inclusive da ponte Decize, que culminou com a rendição da coluna do General Botho Elster.

A “Divisão Auvergne” estando integrada no 1º Exército do General de Lattre de Tassigny, o jovem oficial participou nas campanhas da Alsácia e da Alemanha, durante as quais, segundo a Federação das Sociedades de Veteranos da Legião Estrangeira (Fédération des sociétés d’anciens de la Légion étrangèreFSALE) , ele mostrou um "gosto definitivo por soluções originais" que marcariam o resto de sua carreira. Um deles terá sido formar uma seção de reconhecimento em profundidade com Jipes.

A Legião Estrangeira precisamente... Promovido a tenente no final da guerra e contando três citações em sua Croix de Guerre, Robert Caillaud decidiu ingressar em suas fileiras. Depois de um curto período em Sidi Bel Abbès, na Argélia, foi designado para o 2º Regimento Estrangeiro de Infantaria (2e Régiment Étranger d’Infanterie, 2e REI), com o qual desembarcou em Saigon. Durante dois anos, distinguir-se-á pelas qualidades militares mas também pela capacidade de pensar fora da caixa, criando, por exemplo, um pelotão a cavalo. Isso fará com que ele ganhe mais quatro citações e a Legião de Honra, aos 27 anos.

Retornando à Argélia em 1948, o oficial recebeu a missão de formar a 1ª companhia do 2 ° Batalhão Estrangeiro de Paraquedistas (2e Bataillon Étranger de Parachutistes, 2e BEP). Em seguida, ele voltou para a Indochina com sua nova unidade em fevereiro do ano seguinte. Em dezembro de 1949, à frente da 1ª companhia, saltou, à noite e em condições difíceis, sobre a guarnição de Tra Vinh, então cercada por três regimentos Viet-Minh. Ao custo de três mortos entre os legionários, o ataque inimigo será repelido.

Durante esta segunda estadia na Indochina, o Capitão Caillaud foi ferido duas vezes. Em 1954, e depois de ter comandado o 3e BEP, regressou ao Extremo Oriente. Lá, ele se ofereceu para fazer parte da equipe do grupo aerotransportado do Coronel Langlais em Dien Bien Phu. Ao lado do Comandante Marcel Bigeard, ele organizou os contra-ataques. O resto é conhecido: o campo entrincheirado francês acaba caindo. Então começou um longo período de cativeiro nos campos do Viet-Minh. “Sua conduta no cativeiro no Campo nº 1 será exemplar, marcada por seu apoio aos mais fracos e sua recusa em se comprometer com o adversário”, disse Jean-Pierre Simon, seu biógrafo.

Le Général Caillaud: Soldat de l'insolite.
Jean-Pierre Simon.

Depois de libertado, o oficial foi designado para o 2e REP, tendo participado em inúmeras operações na Argélia. Ele ganha três novas citações. Retirado dos eventos de Argel (golpe dos generais em abril de 1961) devido ao seu destacamento para o estado-maior das Tropas Aerotransportadas (Troupes Aéroportées, TAP), foi nomeado oficial de ligação e instrutor paraquedista na Alemanha.

Depois, em maio de 1963, promovido a tenente-coronel, passou a comandante do 2e REP, então instalado em Bou-Sfer, a fim de garantir a segurança da base de Mers-el-Kébir. Começou então a “Revolução Caillaud”, que vai dar a cara que esta unidade tem hoje. “Ele é o principal ator na corrida pela inovação do regimento e pela especialização das seções que permite às companhias cumprirem de imediato as mais diversas missões”, escreve a FSALE.

“Nunca, talvez, Robert Caillaud tenha sentido a que ponto semeou tão abundantemente. Nunca, sem dúvida, ele foi capaz de testar, inventar, criar, exigir e receber tanto desta valiosa tropa, que soube fazer vibrar. Sempre carregou consigo esta pedra que queria cortar e esculpir à medida do que era, pedra angular de toda uma vida, obra magistral que deixamos em vestígios indeléveis”, abunda Jean-Pierre Simon.

Depois de uma (breve) passagem no estado-maior das Forças Aliadas na Europa Central e, em seguida, no Gabinete de Tropas Aerotransportadas e Anfíbias do Departamento Técnico de Armas, o Coronel Caillaud assumiu o comando da Escola de Tropas Aerotransportadas (ETAP) em 1972. Lá, ele passou seu brevê de salto operacional de alta altitude. Ele tinha então 52 anos (o que o tornará o mais velho dos saltadores operacionais). Promovido a general três anos depois, assumiu as rédeas da 1ª Brigada de Paraquedistas (1ere Brigade parachutiste, 1ere BP), antes de encerrar a carreira militar no estado-maior da 11ª Divisão Paraquedista (11e Division Parachutiste, 11e DP) em 1978.

O General Caillaud faleceu em 1995. Foi Grande Oficial da Legião de Honra, titular da Croix de Guerre 1939-1945 com três citações, da Croix de Guerre des T.O.E. com oito citações incluindo três na ordem do exército, a Cruz Militar do Valor com três citações incluindo duas para a ordem do exército.

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

FOTO: Legionário do 1er REG com o OVN/NVG ONYX

Legionário engenheiro do 1er REG de Laudun posando com o recém-adquirido OVN ONYX.

O 1º Regimento Estrangeiro de Engenharia (1er Régiment Étranger de Génie, 1er REG) recebeu os novos óculos de visão noturna ONYX, conforme postagem da Legião Estrangeira Francesa no seu perfil oficial no Twitter:

"Os legionários do 1er REG equipam-se com os novos óculos de visão noturna ONYX, do programa Scorpion. Mais fortes, mais leves, mais nítidos, eles melhoram as capacidades de combate noturno."
Projetado pela Thales, esses óculos de visão noturna ONYX (ou O-NYX) substituirão gradualmente os modelos “Lucie” atualmente fornecidos. A Direção Geral de Armamentos (Direction générale de l’armement, DGA) fez uma encomenda inicial de 3.519 exemplares para o Exército Francês, seguida por uma nova encomenda de 3 mil unidades em fevereiro deste ano.

terça-feira, 5 de outubro de 2021

Foram inaugurados bustos do Tenente-Coronel Amilakvari para o 13º DBLE e a Academia Militar de Saint-Cyr Coëtquidan

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de outubro de 2021.

Por ocasião do centenário do reconhecimento da Geórgia pela França, foi celebrado no domingo (26/09) uma homenagem a uma das grandes figuras da Legião Estrangeira Francesa: este é o Tenente-Coronel Dimitri Amilakvari (1906-1942).

Companheiro da Libertação, herói da Batalha de Bir-Hakeim, ele morreu em combate durante a Batalha de El-Alamein enquanto servia na 13ª Meia-Brigada da Legião Estrangeira (13e Demi-Brigade de la Légion Étrangère, 13e DBLE); sendo celebrado como um dos grandes heróis da Legião. Nobre fugido da Geórgia diante da invasão soviética de 1921, a família Amilakhvari fugiu para Istambul, onde Dimitri frequentou uma escola britânica local e, mais tarde, em 1922, emigrou para a França.

Em 1924, Dimitri Amilakhvari ingressou na École Spéciale Militaire de Saint-Cyr e foi comissionado como segundo-tenente após sua graduação em 1926. Ao mesmo tempo, foi destacado para a Legião Estrangeira Francesa e promovido a tenente em 1926. Mais tarde serviu no norte da África francesa e participou de todas as operações importantes no sul de Marrocos de 1932 a 1933. De 1934 a 1939, foi chefe da escola militar francesa em Agadir, sendo promovido a capitão em 1937. Após a sua naturalização como francês cidadão, ele se casou com outro membro da nobreza georgiana exilada, a princesa Irina, nascida Dadiani (1904–1944) em agosto de 1927.Com sua esposa, Amilakhvari teve três filhos, filhos Georges e Othar, e filha Thamar Amilakhvar, todos os quais se casaram e tiveram filhos. Durante seu serviço na França, a grafia de seu sobrenome foi modificada, eliminando-se o "h" para "afrancesá-la".

Uniforme de clima europeu da Legião Estrangeira em 1940 e bandeira italiana capturada na Eritréia.

Durante a "Drôle de Guerre", o período de entre a declaração de guerra e a invasão alemã da França, Amilakvari estava servindo em Argel, no norte da África, mas na primavera de 1940 ele se juntou à força expedicionária francesa destinada à campanha norueguesa com a recém-criada 13e DBLE, especializada em guerra de montanha invernal. Ele lutou em Narvik, primeira vitória aliada contra os nazistas, e foi então evacuado para o Reino Unido, onde se juntou às Forças Francesas Livres. Em seguida, participou das campanhas fratricidas contra as forças francesas de Vichy na África Ocidental, em Dakar (no Senegal), e na África Equatorial, no Camarões. Em um registro notável de serviço, seu serviço de guerra em 1940 o levou da África ao Círculo Polar Ártico e de volta, até o Equador, tudo no espaço de alguns meses.

Bandeira do Reino da Itália capturada. 

A jogada seguinte de Amilakvari o levou a meio caminho do continente para a Eritreia, na África Oriental, para se juntar à Campanha da África Oriental contra a Itália fascista no início de 1941, mas no verão ele estava em movimento novamente, para participar de outra campanha contra a França de Vichy, com a 13e DBLE enfrentando a co-irmã da Legião Estrangeira Francesa, o 6e REI, na Síria. Este seria o mais perto que ele chegaria da terra onde nasceu. Amilakvari então assumiu o comando da 13ª Meia-Brigada da Legião Estrangeira em 6 de setembro de 1941.

Bandeira do 6e REI, leal a Vichy, capturada na Síria em 1941.
Dimitri Amilakhvari na Líbia, 1942.
Ele porta a medalha Compagnon de la Libération.

Em 1942, Amilakvari estava de volta ao Norte da África, enfrentando as forças alemãs e italianas na Líbia como parte da Campanha do Norte da África. Durante a épica luta em Bir-Hakeim, ele escreveu em janeiro:

"Nós, estrangeiros, só temos uma maneira de provar à França nossa gratidão: ser morto..." 

Mesmo assim, ele sobreviveu e em junho foi feito Companheiro da Libertação, uma condecoração abaixo apenas para a Légion d'honneur. Em 1942, ele também foi premiado com o Krigskorset med Sverd ou Cruz de Guerra Norueguesa com Espada por seu serviço anterior na Noruega. Esta é a mais alta condecoração militar da Noruega por galanteria e ele foi um dos apenas 66 franceses a receberem esta condecoração durante a Segunda Guerra Mundial.

Em outubro de 1942, os Aliados começaram a ofensiva final no Norte da África com a Segunda Batalha de El-Alamein. Esta batalha levou as forças aliadas através da Líbia e no norte da África francesa, onde Amilakhvari havia iniciado seu serviço operacional. No entanto, Amilakhvari não viveu para completar sua grande odisséia africana, pois foi morto em ação no segundo dia de batalha quando um estilhaço lhe atingiu na cabeça. Uma das suas excentricidades era permanecer em combate com o quepe, nunca usando o capacete, liderando a tropa sempre à frente.

Em maio de 1940, Amilakvari foi condecorado como Cavaleiro da Legião de Honra (Légion d'honneur). Mais tarde, o general Charles De Gaulle nomeou ele e seus legionários o "Orgulho da França" por sua defesa heróica em Bir Hakeim.

Nascido em Bazorkino, seu apelido era Bazorka. Segundo o legionário brasileiro Raul Soares da Silveira, que serviu sob Amilakvari em Bir Hakeim e que também foi ferido em El-Alamein, sua morte foi a mais lamentada após a batalha.

"O Coronel Amilakvari, acreditando num retorno em massa do inimigo e julgando a posição ocupada por suas forças extremamente desfavorável, decidiu recuar para o leste, sob a proteção de um pelotão de carros-de-combate e de uma formação de blindados, cuja ação tinha sido particularmente eficaz.

A retirada deu-se pelo caminho aberto na véspera no campo de minas, desta vez em condições difíceis, sob inteiro e mortífero bombardeio, pleno dia e com as baterias inimigas em posições privilegiadas.

Pouco depois dessa travessia, o Coronel Amilakvari recebeu ferimento mortal. Estenderam-no sobre a cobertura de um carro-de-combate, aguardando a chegada da ambulância, mas não resistiu aos graves ferimentos. Sua morte foi uma perda irreparável e muito sentida por todos os legionários. Era um comandante muito querido e respeitado por todos pela sua dignidade, competência e valentia."

- Raul Soares da Silveira, Tempos de Inquietude e de Sonho, pg. 172.

Quadro do retrato do Ten-Cel Dimitri Amilakvari no Museu da Legião Estrangeira em Aubagne.

A homenagem a Dimitri Amilakvari aconteceu nos jardins da Ordem Nacional da Libertação; foi desvelado um busto do líder do 13e DBLE em bronze, feito pelo artista Guram Nikoladze. O escultor do busto do tenente-coronel Amilakvari também está ligado à França. Seu avô, Jacob Nikoladzé, também escultor, foi um aluno estimado do escultor francês Rodin. Guram Nikoladzé, nascido na Geórgia em 1954, começou a modelar o busto de Dimitri Amilakvari há vários anos. O molde de bronze foi feito na Geórgia.

Três exemplares exclusivos foram produzidos. Serão entregues ao museu da 13e DBLE e ao museu da Academia Militar Saint-Cyr Coëtquidan (escola onde se formou como oficial). Um terceiro exemplar será entregue a uma instituição militar na Geórgia.

O busto foi apresentado na presença do General BURKHARD, o novo CEMA (chefe das FAs francesas).



Bibliografia recomendada:

Tempos de Inquietude e de Sonho.
Raul Soares da Silveira.

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

Um destacamento da Legião Estrangeira integrado em um batalhão australiano para o Exercício Adaga de Diamante


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 30 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de agosto de 2021.

As oportunidades de treinar juntas para as forças terrestres francesas e australianas, que estabeleceram seus vínculos durante a Primeira Guerra Mundial, são bastante raras... Além disso, a chegada de um destacamento da Legião Estrangeira no “Quartel Gallipoli”, perto de Brisbane, é um evento pequeno em si.

De fato, de acordo com o Ministério da Defesa australiano, 28 legionários - a priori do 2º Regimento de Paraquedistas Estrangeiro (2e Régimento Étranger de Parachutiste, 2e REP), a julgar pelo distintivo da boina - participarão das manobras "Diamond Dagger" (Adaga de Diamante), após ingressarem na companhia "Alpha" do 6º Batalhão do Regimento Real Australiano (6th Battalion, Royal Australian Regiment, 6 RAR), subordinado à 7ª Brigada do Exército Australiano.




Os legionários franceses vieram da Nova Caledônia, onde foram enviados em uma missão de curto prazo (mission de courte durée, MCD) dentro do RIMaP-NC [Régiment d’infanterie de marine du Pacifique – Nouvelle-Calédonie/Regimento de Infantaria da Marinha do Pacífico - Nova Caledônia].

Depois de serem colocados em quarentena ao chegarem na Austrália (a pandemia da covid-19 exige), os legionários começaram a se familiarizar com o equipamento e os procedimentos da Alpha Company. Então, eles chegarão ao cerne da questão com o início das manobras Diamond Dagger, que devem durar várias semanas.

 “O objetivo é ver como operam os soldados da Alpha Company do 6 RAR, mostrar-lhes nossas habilidades e trabalhar juntos para melhorar”, disse o Capitão Paul, que comanda o destacamento francês. Para os legionários, a Diamon Dagger também será uma oportunidade de vivenciar o mato australiano, um ambiente ao qual eles não estão acostumados.

“Eles são jovens, são enérgicos, estão motivados, querem estar aqui, têm o mesmo entusiasmo por estar na Austrália que teríamos se tivéssemos a oportunidade de ir para a França ou Nova Caledônia”, comentou o Tenente-Coronel Richard Niessel, comandante do 6 RAR.

“O mais importante é fortalecermos nossas relações com as forças armadas francesas, construirmos laços mais fortes, desenvolvermos nossa interoperabilidade e aprendermos uns com os outros”, continuou o oficial australiano. "Fortalecer o vínculo entre nossas duas nações é vital porque quando precisarmos trabalhar juntos no futuro, as bases já estarão estabelecidas", acrescentou.

Bibliografia recomendada:

French Foreign Legion Paratroops.
Martin Windrow & Wayne Braby, e Kevin Lyles.

Leitura recomendada:

Exercícios militares conjuntos do Japão, EUA e França estão marcados para Kyushu em maio, 30 de abril de 2021.

A experiência australiana de contra-insurgência no Vietnã 1966-1971, 26 de julho de 2021.

Os voluntários latino-americanos no Exército Francês durante a Primeira Guerra Mundial, 27 de agosto de 2021.

O Exército Francês empregou o Sistema de Informação de Combate Scorpion em operação pela primeira vez, 31 de julho de 2021.