Mostrando postagens com marcador Desfile. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Desfile. Mostrar todas as postagens

domingo, 15 de maio de 2022

Desfile do Exército de Defesa Nacional do Vietnã em Hanói

Exército de Defesa Nacional do Vietnã marchando na Rua República Democrática, em Hanói, em 29 de março de 1946.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de maio de 2022.

A unidade do Exército de Defesa Nacional do Vietnã desfila pela Rua República Democrática, também conhecida como Rua Cot Co e atualmente como Rua Dien Bien Phu. Esse exército paramilitar era bem treinado e defenderia Hanói contra os franceses em dezembro de 1946, sendo expelidos da cidade em fevereiro do ano seguinte.

Essa força paramilitar era melhor equipada e mais marcial que certas unidades regulares. Os oficiais carregam pistolas, os sargentos carregam submetralhadoras Sten e Thompson, os atirados de GC carregam metralhadoras Bren e os demais soldados carregam fuzis com baionetas. O comandante-em-chefe do Exército de Defesa Nacional do Vietnã desfilou de jipe com guarda-costas armados com carabinas. Os oficiais usam as divisas na gola, seguindo o sistema japonês, pois esta e outras unidades indígenas foram criadas pelos japoneses para contestarem a autoridade francesa. Dois meses depois, Ho Chi Minh regulamentou os uniformes da nova força Viet Minh, e as divisas passaram para os ombros tal qual no sistema francês.

Jovens voluntários logo antes da batalha.

Tropas coloniais do Regimento Thang-long, guarda nacional, prestes a entrar em combate, dezembro de 1946.
Um deles tem um capacete japonês, Tetsubo.

Essas forças de defesa vietnamitas 
(Tu Ve), regulares e irregulares, usaram todo tipo de equipamento à sua disposição. O jogo de tiro em primeira pessoa vietnamita 7554 ambientou a batalha de Hanói de 1946 como sua primeira fase, e o jogador é parte dos defensores vietnamitas enfrentando os franceses. Tanto os uniformes quanto as armas de ambos os lados corretamente representadas e, em dado momento, o jogador atrai um atirador francês expondo um Tetsubo numa janela.




Leitura recomendada:

terça-feira, 8 de março de 2022

GALERIA: A Brigada Ramcke de Hildesheim à África

Soldado da Brigada Ramcke com o distintivo de escorpião.
Ele tem um bocal de granada no seu fuzil Mauser Kar 98k.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de março de 2022.

A Brigada Fallschirmjäger-Ramcke se alinhou em Hildesheim para um desfile antes de partir para o Norte da África, no verão de 1942. A Brigada Ramcke chegou na África em agosto de 1942 via Atenas e depois Creta, servindo na África Ocidental. Na Wehrmacht, os paraquedistas (fallschirmjäger) pertenciam à força aérea - Luftwaffe.

A Brigada Ramcke havia sido criada pelo a captura de Malta, onde saltaria ao lado da Brigada Folgore italiana. Na África, a brigada serviu principalmente ao lado da 25ª Divisão de Infantaria "Bolonha" até a retirada final de El Alamein em novembro de 1942, quando 600 homens restante roubaram caminhões de um comboio inglês e se retiraram após sofrerem pesadas baixas. A brigada então se engajou na retirada para a Tunísia. Ramcke foi transferido de volta para a Alemanha, onde recebeu as Folhas de Carvalho na Cruz de Cavaleiro, e o comando passou para o Major Hans Kroh.

O que restou da brigada fez parte da capitulação do Grupo de Exércitos da África (Heeresgruppe Afrika / Gruppo d'Armate África) em 13 de maio de 1943.

General Hermann-Bernhard Ramcke.

Formação

Antes mesmo da Operação Mercúrio (Unternehmen Merkur) contra a ilha de Creta em 1941, os preparativos começaram para tomar a ilha de Malta, controlada pelos britânicos, no Mediterrâneo. A ilha atuou como porto de abastecimento e base de operações para a RAF, o que colocava seus aviões a uma distância impressionante do norte da África e da Itália. Inicialmente, os paraquedistas italianos e alemães e a infantaria aerodesembarcada deveriam tomar o aeródromo da ilha antes que uma força de tropas marítimas italianas desembarcasse e protegesse o resto da ilha e subjugasse os defensores. Esta operação foi chamada de Hércules (Unternehmen Herkules).

No entanto, após as altíssimas baixas sofridas pelos Fallschirmjäger durante a Batalha Aeroterrestre de Creta (Luftlandeschlacht um Kreta) e problemas de abastecimento de combustível para a Marinha italiana, o ataque a Malta foi cancelado e várias tropas Fallschirmjäger ficaram disponíveis para outras operações, sendo transferidas para o leste e para a África.

Entra a Brigada Ramcke

No início do verão de 1942, o General Student, comandante das forças Fallschirmjäger da Luftwaffe, foi convidado a formar uma Fallschirm-brigade para ser enviada à África. Ele nomeou Bernhard Herman Ramcke comandante da nova brigada.

Ramcke (então um Oberst) comandou Fallschirmjäger em Creta e assumiu o comando das operações ocidentais quando o comandante do Regimento de Assalto (Sturm-Regiment), Oberst Meindl, foi ferido, caindo com a primeira onda de reforços em 21 de maio. Ele então assumiu o comando do Kampfgruppe de Meindl, supervisionando o rompimento das linhas neo-zelandesas e se unindo às forças alemãs em Gálatas.

Após sua promoção a Generalmajor em agosto de 1941, ele serviu brevemente com os paraquedistas italianos da Folgore em preparação para a Operação Herkules visando invadir Malta, antes desta ser cancelada e ele ser chamado de volta a Berlim.

A nova brigada paraquedista consistia em quatro batalhões retirados de diferentes regimentos Fallschirmjäger, um batalhão de artilharia, uma companhia de comunicações, uma companhia de pioneiros e uma companhia antitanque.

Ordem de batalha da Fallschirm-brigade Ramcke
  • Comandante: General der Fallschirmtruppen Bernhard Hermann Ramcke
  • Brigadestab (Estado-Maior)
  • I./ Regiment Fallschirmjäger 2 (Batalhão Kroh)
  • I./ Regiment Fallschirmjäger 3 (Batalhão von der Heydte)
  • II./ Regiment Fallschirmjäger 5 (Batalhão Hübner)
  • Fallschirmjäger-Lehr Battalion/XI. Flieger-Korps (Batalhão Burkhardt)
  • II./Fallschirm-Artillerie Regiment (Fenski)
  • Tietjen Pionier Kompanie (Hauptmann Cord Tietjen)
  • Panzerjäger Kompanie (Hasender, com doze canhões PaK36 de 3,7cm)
  • Companhia de Comunicações

Desfile em Hildesheim

Na primeira fila à esquerda está o Major Friedrich von der Heydte, enquanto à sua direita está o Stabsoffizier Oberleutnant Rolf Mager.
No meio atrás da linha está o Oberleutnant Horst Trebes. Mais tarde, Mager ganhou a Ritterkreuz (Cruz de Cavaleiro) em 31 de outubro de 1944 como Hauptmann e comandante do II. Bataillon / Fallschirmjäger-Regiment 6 na Normandia.

Liderando a 1.Kompanie, Lehr Battalion - Ramcke Brigade, o Hauptmann Horst Trebes; Ritterkreuzträger (Portador da Cruz de Cavaleiro), e responsável pelo Massacre de Kondomari em Creta.
Atrás, à esquerda, está Oberleutnant Joachim Grothe. Trebes nasceu em 22 de outubro de 1916 e foi morto em combate em 29 de julho de 1944 perto de St. Denys-le-Gast, França. Ele recebeu o Ritterkreuz em 9 de julho de 1941 como Oberleutnant e comandante do III.Bataillon, Fallschirmjäger-Sturm-Regiment.

À frente está o Oberleutnant Adolf Peiser, comandante da 4.Kompanie, Lehr-Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 3.
Ele seria condecorado com a Deutsches Kreuz (Cruz Alemã) em ouro em 16 de agosto de 1943.
À sua direita está o Oberjäger Georg Isenberg, enquanto à sua esquerda está o Feldwebel Conny Wagner. À extrema esquerda está o Feldwebel Klaus Ackermann.

À esquerda o Leutnant Werner Wiefelspütz ao lado do Oberjäger Müller (olhando para a câmera).
O Leutnant Werner Wiefelspütz (nascido em 20 de abril de 1921) mais tarde seria morto no campo de batalha africano em 20 de outubro de 1942 e seus restos mortais foram enterrados no Kriegsgräberstätte (cemitério de guerra) de El-Alamein.

O Major Friedrich von der Heydte está sentado no carro lateral de uma motocicleta BMW R75, enquanto à esquerda está um carro Mittlere Einheits-PKW Horch 901 (Kfz.15). O motorista de aparência tensa carrega um Kartentasche (pasta de mapas) no cinto.
O número da placa WL 57399 refere-se ao Luftgau Kommando VI Münster. O símbolo no side-car é símbolo tático do Lehr-Bataillon (batalhão-escola).

Fallschirmjäger na estação de trem antes da partida para o Norte da África, verão de 1942.
O Tornister é coberto por um "zeltbahn" que pode ser usado como capa de chuva e também como tenda, enquanto um capacete é pendurado nas costas. O soldado mais à esquerda ao fundo tem uma cartucheira pendurada no ombro.

A cerimônia final antes da partida dos Fallschirmjäger de trem.

A ordem das tropas despachadas para a África foi a seguinte:
  • Primeira onda: Kampfgruppe Kroh com o comando antecessor da Brigada.
  • Segunda onda: Kampfgruppe von der Heydte com pelotão de comunicações.
  • Terceira onda: Kampfgruppe Hübner.
  • Quarta onda: Estado-Maior da Brigada e unidades de bateria de artilharia e companhia anti-carro.
  • Quinta onda: Kampfgruppe Burkhardt.

Viagem de trem para a Grécia

Spiess da 1.Kompanie, o Hauptfeldwebel Clemens Heynk (à esquerda).
O "Spiess" ("lança"), também chamado de "a mãe da companhia", costumava ser um graduado antigo com funções administrativas e de gerenciamento de pessoal da companhia.

Na Wehrmacht, o Hauptfeldwebel não era um posto, mas um título de posição, atribuição ou nomeação, equivalente ao sargento-mor da Commonwealth (company sergeant major) ou primeiro sargento de nível de companhia dos EUA (todos sem equivalência no Brasil). Havia um tal graduado (Oberfeldwebel ou Feldwebel) em cada companhia de infantaria, bateria de artilharia, esquadrão de cavalaria, etc. Ele era o sargento sênior de sua subunidade, mas suas funções eram em grande parte administrativas e não se esperava que acompanhasse sua unidade em um assalto ou tiroteio. O seu equivalente nas Waffen-SS era o SS-Stabsscharführer.

O Hauptfeldwebel tinha muitos apelidos, incluindo Spieß/Spiess ("Lança") e Mutter der Kompanie ("mãe da companhia"). Ele usava dois anéis de 10mm de largura de trança de graduados ao redor do punho de suas mangas (apelidados de "anéis de pistão") e carregava uma Meldetasche (pasta de relatórios) enfiada na frente da túnica, na qual carregava formulários de relatório em branco, listas e outros papéis relacionados a seus deveres. O sistema alemão não tinha nenhum equivalente ao sargento-mor regimental da Commonwealth.

A nomeação poderia ser ocupada por um oficial não-comissionado sênior (Unteroffizier mit Portepee), normalmente um Oberfeldwebel ou Feldwebel. Se o posto fosse preenchido por necessidade por um Unteroffizier ohne Portepee (oficial não-comissionado sem cordão/dragona), ele era denominado Hauptfeldwebeldiensttuer, ou "aquele que serve como Hauptfeldwebel".

Oficiais da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke a caminho da Grécia antes de serem despachados de navio para o Norte da África, no verão de 1942.
A maioria deles viajou da Alemanha para a Grécia de trem. De lá, eles voaram para Tobruk via Creta em grupos (companhias ou batalhões) do final de julho a meados de agosto de 1942.

Major Friedrich von der Heydte no trem que o levará à Grécia.
Ele tem no peito a Deutsches Kreuz de ouro 
(DKiG) que ganhou em 9 de março de 1942.

Além da DKiG, outras medalhas e prêmios ganhos por von der Heydte foram:
  • Treuedienstabzeichen (Distintivo de Fidelidade, janeiro de 1938);
  • Eisernes Kreuzes (Cruz de Ferro) II klasse (27 de setembro de 1939) e I klasse (26 de setembro de 1940);
  • Ritterkreuz (Cruz de Cavaleiro, 9 de julho de 1941);
  • Eichenlaub # 617 (Folhas de Carvalho, 18 de outubro de 1944);
  • Fallschirmschützenabzeichen (Brevê paraquedista, janeiro de 1940);
  • Braçadeiras KRETA (janeiro de 1941) e AFRIKA (janeiro de 1943);
  • Infanterie-Sturmabzeichen (Distintivo de Assalto de Infantaria);
  • Ostmedaille (Medalha Oriental/Carne Congelada);
  • Ordem Militar de Sabóia (italiana, janeiro de 1942),
  • Wehrmacht-Dienstauszeichnung 4 klasse (Prêmio de serviço da Wehrmacht 4ª classe).
Von der Heydte também foi citado no  despacho de 11 de junho de 1944 da Wehrmacht. Ele também recebeu medalhas do pós-guerra, como a Bayerischer Verdienstorden (Ordem do Mérito da Baviera, 21 de maio de 1974), a Grã-cruz da Ordem dos Cavaleiros do Santo Sepulcro em Jerusalém (1958), e a Grande Cruz do Mérito da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha (17 de março de 1987). O Coronel von der Heydte liderou o último salto alemão na guerra, Operação Stösser, um salto noturno desastroso na Batalha do Bulge, onde o próprio von der Heydte foi um dos muitos paraquedistas feitos prisioneiros pelos americanos. Sobre suas experiências na guerra, ele escreveu suas memórias no livro Dédalo Retornado.

Ele tornou-se general na Bundeswehr após a guerra. Como oficial da Alemanha Ocidental na Guerra Fria, ele teve de combater o terrorismo vermelho das facções comunistas alemãs, escrevendo o livro A Guerra Irregular Moderna, que menciona o terrorista brasileiro Carlos Marighella nada menos do que 67 vezes.

Von der Heydta escreveria "A Guerra Irregular Moderna", sobre terrorismo na Guerra Fria.
Este livro cita o terrorista brasileiro Marighella várias vezes.

Oberleutnant Horst Trebes (à esquerda) inspecionando o kit recém-recebido dos seus homens; 1.Kompanie, I.Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 3 ao deixar a Alemanha para o norte da África, verão de 1942.

Distribuição de "tropenhelms" (capacetes tropicais) para os membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke que irão de serviço para o norte da África.

Fallschirmjäger da 2.Kompanie, Fallschirmjäger-Regiment 3 se ocupa pintando seus equipamentos em cores tropicais.
Observe a flâmula com o escudo tático do Lehr-Bataillon acompanhado do número "2" (2ª Companhia).

Militares da 1.Kompanie/I.Bataillon/Fallschirmjäger-Regiment 3 se preparam para a inspeção antes de serem enviados de navio para o norte da África.
O coldre de pistola P08 e o "kartentasche" (bolsa de mapas) mostrados em primeiro plano são feitos de couro cru.

Militares da 1ª Companhia aguardando no trem a viagem para a Grécia.
Um deles lê um jornal.

Almoço em parada temporária a caminho da Grécia.
Esses soldados comem rações de marmitas de "Eiserne Portion" (rações de aço) que eram equipamentos padrão para um soldado alemão.

Oficiais da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke lavam as mãos durante uma parada temporária a caminho da Grécia.
Da esquerda para a direita: Soldado não identificado, Major Friedrich August Freiherr von der Heydte, Oberleutnant Rolf Mager e Oberleutnant Horst Trebes.

Paraquedistas da Brigada Ramcke observando o cenário Mediterrâneo ao viajaram de trem para a Grécia.
A parte traseira do vagão é preenchida com equipamentos de transporte e equipamentos da unidade.

Militares da 4. Kompanie/Fallschirmjäger-Regiment 3 posam para uma foto de grupo em frente ao templo do Partenon na colina da Acrópole, na Grécia, verão de 1942.
O próprio Partenoné um templo construído para a deusa Atena, a padroeira de Atenas no século 5 aC. O Partenon é considerado um símbolo da Grécia Antiga e da democracia ateniense, e é um dos maiores monumentos culturais do mundo.

Homens da 2.Kompanie / Fallschirmjäger-Regiment 3 em Eleusis, na Grécia. Ajoelhado à direita está o Stabsarzt (oficial médico) Dr. Johannes Hass.

Construindo uma tenda em Eleusis, Grécia.
Eles usaram o capacete tropical durante a viagem e, tão logo chegaram na África, aprenderam que ali era considerado "antiquado", com o pessoal do Afrikakorps preferindo usar o "feldmütze" (gorro de campanha) por ser mais prático.

Paraquedistas da 4.Kompanie, Lehr-Bataillon (Burkhardt) na Grécia.
Todos menos um estão usando o "feldmütze".

Uma foto rara mostrando o símbolo tático do Kampfgruppe Hübner na frente direita do caminhão Opel Blitz.
O Fallschirmjäger-Regiment Hübner ou Kampfgruppe Hübner foi realmente formado em agosto de 1944 sob a liderança do Oberstleutnant Friedrich Hübner, que era o comandante do 2.Fallschirmjäger-Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 5, Fallschirmjäger-Brigade Ramcke.

Uma linha de caminhões Opel Blitz pertencentes à brigada em algum lugar da Grécia.
Observe o símbolo tático Hübner no para-lama esquerdo do caminhão e o trilho leve montado no caminhão central. Acredita-se que esta ferradura, para algumas pessoas, seja um símbolo de boa sorte.

"Pi 8" na frente dos caminhões Matford V8-F917 da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke (dois à esquerda) e Opel Blitz (à direita). É raro ver um membro do Fallschirmjäger com um bigode como o guarda usando o capacete FJ acima.

Preparando o equipamento e as armas a serem trazidas antes de voar para a África usando o avião de transporte Junkers Ju 52 "Tante Ju".
Esta foto parece ter sido tirada de manhã, como pode ser visto nos casacos quentes usados ​​pelos membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke. O pequeno espaço acima do avião é para o metralhador.

Inspeção final da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke antes de partir para a África, verão de 1942.
Os oficiais, suboficiais e soldados usam uniformes e capacetes tropicais, e alguns dos soldados que marchavam eram veteranos, como visto nas medalhas "Eisernes Kreuzes" (Cruz de Ferro) que usavam.

Enfim na África

Membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke posam para uma foto de grupo na África em seus sidecars. Vários soldados foram vistos usando capacetes.

A brigada chegou à África em julho de 1942 e participou do avanço de Rommel em direção ao Canal de Suez, linha de abastecimento vital dos Aliados, ligando a Grã-Bretanha seu império colonial (como a Índia) e permitindo o contato com a URSS. A defesa do 8º Exército Britânico finalmente se solidificou em El Alamein e a ofensiva do Eixo parou. A Brigada Ramcke tornou-se então parte da linha defensiva ítalo-alemã.

A brigada foi espalhada entre o X e o XX Corpos italianos, com os batalhões Hübner e Burkhardt com a Divisão Brescia italiana e o restante da brigada mais ao norte com a Divisão Bolonha. À direita do batalhão Hübner estavam os colegas paraquedistas da Divisão Folgore italiana.

Os britânicos abriram a Operação Lightfoot em 23 de outubro de 1942. Os britânicos planejavam enviar seu principal avanço pelos setores defensivos no sul, mas um importante avanço de diversão era atacar no norte. O plano do XIII Corpo Britânico era romper a principal linha defensiva no norte e forçar o comprometimento das reservas do Eixo (a Divisão Ariete e a 21ª Divisão Panzer, ambas blindadas), impedindo-os de se envolverem nos combates no norte.

Embora em menor número que o ataque britânico, as tropas italianas e alemãs impediram o avanço, embora a ameaça dos britânicos tenha impedido que as divisões blindadas fossem enviadas para o norte. Enquanto isso, os britânicos romperam o setor o norte e as tropas ao sul estavam sob ameaça de serem cercadas, a Brigada Ramcke entre elas, e a ordem foi dada para recuar.

Infelizmente, como muitos de seus camaradas italianos, os Fallschirmjäger não tinham transporte motorizado próprio e foram forçados a recuar a pé, sob o risco de serem abandonados no deserto enquanto as divisões do Afrikakorps corriam para longe. Sua marcha começou em 3 de novembro, o Batalhão Burkhardt foi capturado perto de Fuka tentando chegar à estrada a oeste, embora o resto da brigada tenha escapado continuando a oeste pelo deserto.

Militar com o distintivo de escorpião já na África.

Alguns dias depois, em 5/6 de novembro, durante uma marcha noturna, a brigada encontrou uma coluna de suprimentos britânica de caminhões estacionados e conseguiu tomar a coluna sem disparar um tiro. Eles então continuaram sua jornada para o oeste com suprimentos, combustível e transporte suficientes para completá-la.

600 Fallschirmjager da Brigada Ramcke retornaram às linhas do Eixo em 6 de novembro, após uma viagem de 321km pelo deserto. Eles foram enviados mais ao norte para a Tunísia para se recuperarem de sua jornada épica.

Ramcke e Oberstleutnant Hans Kroh organizaram os remanescentes da Brigada Ramcke em dois batalhões incompletos.

Soldado em uma aldeia africana sentado em uma máquina de costura Pfaff, 21 de março ​​de 1941.

Ramcke retornou à Alemanha e em 13 de novembro tornou-se o 145º recipiente das Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro (que ele havia recebido depois de Creta) e foi promovido a Generalleutnant. Kroh então assumiu o comando do restante da Brigada, que foi redesignada Luftwaffenjäger Brigade 1.

Ordem de batalha da Luftwaffenjäger Brigade 1
  • Comandante: Tenente-Coronel Hans Kroh
  • Batalhão Schwaiger (Companhias 1-3)
  • Batalhão von der Heydte (Companhias 4-6)

A Brigada continuou a lutar no sul e no centro da Tunísia contra os veteranos do 8º Exército até que as forças do Eixo se rendessem em maio. Alguns Fallschirmjäger conseguiram escapar para a Europa, sendo incorporados em outras unidades da Luftwaffe.

Ramcke, agora no comando da 2ª Divisão Fallschirmjäger (2. Fallschirmjäger-Division), mudou-se com sua unidade da França para a Itália quando os Aliados invadiram a Sicília, onde a divisão esperava pronta. Quando o governo italiano se rendeu aos Aliados em setembro de 1943, a 2. Fallschirmjager foi encarregada de assumir o controle e restaurar a ordem em Roma. A divisão foi então enviada para a Rússia em novembro de 1943. Eles lutaram na Rússia até maio de 1944, as baixas foram altas, mas seria a última vez que o 2. Fallschirmjager lutaria na Rússia.

Ramcke e sua divisão então moveram-se para Colônia, na Alemanha, e de lá foram mandados para a Bretanha em 13 de junho, no norte da França, para defender a península. Ramcke e sua divisão lutariam na Bretanha e, finalmente, pela fortaleza de Brest, contra tropas americanas e da resistência francesa até serem finalmente forçadas a se render em 19 de setembro. Ramcke foi feito prisioneiro e enviado para um campo de prisioneiros de guerra nos Estados Unidos. Por sua defesa desafiadora final de Brest, ele foi premiado com Espada e Diamantes para sua Cruz de Cavaleiro.

Ramcke morreu na Alemanha em 1968.

Capacetes e uniformes da Brigada Ramcke mostrando a águia da Luftwaffe e a braçadeira.

Bibliografia recomendada:

L'Odyssee de la Brigade Ramcke a El Alamein:
Fallschirmjäger en Égypte, de Bab el Katara à Mersa El Brega.

Hans Rechenberg.

Fallschirmjäger Brigade Ramcke in North Africa, 1942-1943.
Edgar Alcidi.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2022

FOTO: Desfile de despedida em Saigon

Desfile final das forças francesas na Indochina, Saigon, 10 de abril de 1956.

O Corpo Expedicionário Francês do Extremo-Oriente (Corps Expéditionnaire Français en Extrême-Orient, CEFEO) marchou pela última vez nas ruas de Saigon em 10 de abril de 1956, acompanhado por seus camaradas vietnamitas Bawouans. Aqui eles estão desfilando lado a lado, fuzis nos ombros e bandeiras à frente. Os paraquedistas vietnamitas e a nouba dos tirailleurs magrebinos que passaram por Duong Tu-Do novamente por alguns momentos voltaram à rue Catinat.

Cinco destacamentos franceses e um destacamento vietnamita com bandeira e estandartes marcharam em frente às autoridades após a cerimônia antes de cruzarem a cidade em direção ao cais. Milhares de espectadores franceses e vietnamitas, cordialmente misturados, reuniram-se em torno da Praça Chiên-Si (antiga Place du Maréchal Joffre) e nas calçadas da rue Duy-Tân, atrás da catedral.

As Associações Patrióticas Francesas, uma delegação de franceses da Índia e muitas personalidades civis e militares, tanto vietnamitas, francesas e estrangeiras, tomaram seus lugares na plataforma onde está localizado o Memorial aos Mortos da Primeira Guerra Mundial.


O último desfile demonstra a heterogeneidade do CEFEO, conforme celebrado por Bernard Fall:

"Em uma tal guerra sem frentes, ninguém estava seguro e ninguém era poupado. Tenentes morriam pelas centenas, e era calculado que para manter linhas de comunicação principais ao longo do Viet-Nã do Norte custa em média três ou quatro homens por dia para cada centena de quilômetro de estrada. Oficiais superiores morriam também. O General Chanson foi assassinado por um terrorista no Viet-Nã do Sul. O General da Força Aérea Hartman foi derrubado sobre Langson; os Coronéis Blankaert, Edon e Érulin foram mortos por minas enquanto lideravam seus grupos móveis através dos pântanos e arrozais. E a guerra não poupou os filhos dos generais, também. O Tenente Bernard de Lattre de Tassigny foi morto na defesa do ponto rochoso que era a chave para o forte de Ninh-Binh. Ele era o único filho do Marechal de Lattre e a sua morte partiu o coração do homem. O Tenente Leclerc, filho do Marechal Leclerc, morreu em um campo de PG comunista; e o Tenente Gambiez, filho do chefe de estado-maior do General Navarre, foi morto em Dien Bien Phu.

Estes homens, e milhares de outros, da Martinica ao Taiti e de Dunquerque ao Congo, de todas as partes da península indochinesa, e legionários estrangeiros de Kiev na Ucrânia a Rochester, Nova Iorque, compuseram as Forces de l'Union Française - sem dúvida o maior, e último, exército francês a lutar na Ásia."

- Bernard Fall, Street Without Joy, pg. 252.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

terça-feira, 28 de dezembro de 2021

GALERIA: Desfile da Independência da Venezuela


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de dezembro de 2021.

Desfile do Dia da Independência em Caracas, em 5 de julho de 1953. As fotos foram tiradas por Cornell Capa para a LIFE Magazine na publicação Venezuela EssayO ato foi o primeiro do então Coronel Marcos Pérez Jiménez, como Presidente da República no período 1953-1958.

Os soldados ainda usam fuzis Mauser, que logo seriam substituídos pelos modernos  fuzis FAL. Em 1954, a Venezuela fez uma encomenda de 5.000 fuzis FAL fabricados pela FN, no calibre 7x49,15mm Optimum 2; este 7x49mm, também conhecido como 7mm Liviano ou 7mm venezuelano, é essencialmente um cartucho 7x57mm encurtado para comprimento intermediário e mais perto de ser uma verdadeira munição intermediária do que o 7,62x51mm OTAN.

A Venezuela foi o primeiro país a encomendar o FN49, com um lote de 4.000 fuzis em 1948 e outro de 4.000 em 1951. Estes foram calibrados no cartucho 7x57mm Mauser, que fora a munição padrão na Venezuela por muitos anos. Essas armas serviram ao lado de fuzis de ferrolho FN 24/30 Mauser de mesmo calibre 7mm Mauser.



Presidente Coronel Marcos Pérez Jiménez.

A capital Caracas em 1953, então conhecida como uma cidade futurista.

O presidente Jiménez foi um modernizador do Estado venezuelano.

Leitura recomendada: