Mostrando postagens com marcador General. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador General. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

COMENTÁRIO: A tentação da Doutrina Powell


Por Michael Shurkin, Shurbros Global Strategy LLC, 21 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de outubro de 2021.

Entre os aspectos mais decepcionantes da carreira do falecido Colin Powell está a extensão em que, ao apoiar a invasão do Iraque em 2003, ele contradisse sua própria Doutrina Powell, batizada com o mesmo nome. Essa doutrina é da década de 1980 e reflete as próprias experiências das forças armadas americanas e de Powell no Vietnã. A essência da Doutrina Powell é que só se deve ir à guerra se todas as outras alternativas tiverem sido esgotadas, se houver um objetivo claro e alcançável e se houver uma estratégia de saída plausível. Um corolário é que devemos nos ater às missões que estão claramente dentro do conjunto de habilidades dos militares - ou seja, explodir coisas e matar pessoas - e evitar a "expansão da missão" a todo custo. Além disso, a guerra deve contar com um claro apoio doméstico e internacional.

Depois de nossa derrota no Afeganistão e de suportar todos os caprichos da "Guerra Global contra o Terror", na qual o Departamento de Defesa comumente confundiu meios com fins e estabeleceu objetivos nebulosos, a Doutrina Powell nunca pareceu mais atraente. O problema é que se refere a uma visão simplista dos conflitos, na qual se pode alcançar o resultado desejado por meio de uma aplicação discreta e limitada de força. Entramos, fazemos o que precisamos fazer e saímos. "Missão cumprida", como o chefe de Powell, o presidente George W. Bush, notoriamente colocou. Oxalá este fosse sempre o caso. Alguns conflitos requerem simplesmente a aplicação sustentada da força e podem nunca ser resolvidos por meio de qualquer tipo de "decisão" militar. Uma analogia grosseira seria lidar com uma doença crônica em oposição a uma intervenção cirúrgica para lidar com um problema agudo. Uma aplicação estrita da Doutrina Powell simplesmente é muito limitada.

A parte da Doutrina Powell que absolutamente deve ser adotada é sua insistência em que os custos, benefícios e riscos de um conflito sejam total e francamente avaliados. Implícito neste requisito está a necessidade de articular precisa e honestamente o que uma intervenção militar implicaria, e se uma decisão rápida é ou não possível, muito menos provável. Por exemplo, o cenário de "guerra para sempre" que muitos presumem ser categoricamente ruim não é. Conflitos de longa duração podem, de fato, ser a melhor opção. Alguns conflitos podem simplesmente exigir muito tempo. O que importa é que todos os envolvidos tenham clareza sobre a natureza do conflito e os riscos associados. Então os debates podem ser debates informados.

Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: O mito da decisão na guerra5 de setembro de 2021.

sábado, 16 de outubro de 2021

Discurso do Chefe da Defesa francês sobre a parceria da França com a Suécia


Este é um artigo de opinião escrito pelo Chefe do Estado-Maior da Defesa, General Thierry Burkhard, para o Folk och Försvar. Nele, o General descreve a política de segurança da França e suas opiniões sobre o ambiente de ameaças atual e futuro. Ele também se concentra na defesa estratégica e na relação de segurança entre a França e a Suécia e como ela está se aprofundando em áreas que vão desde a gestão de conflitos na região do Sahel até a cooperação no domínio espacial.

15 de outubro de 2021.

“A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral“

Soldados francês e maliano no Sahel.

O contexto de segurança internacional deteriorou-se consideravelmente em apenas alguns anos. Vivemos agora em um mundo mais difícil e incerto, marcado pelo questionamento do multilateralismo e do direito internacional. Nossos principais concorrentes, Rússia e China, bem como potências regionais emergentes, pretendem desempenhar um papel crescente e não hesitam em usar suas capacidades militares para fazer valer suas reivindicações de forma agressiva e livre de complexos. Esse endurecimento induz atritos óbvios e, em alguns casos, cria um risco real de incidentes e escalada. A liberdade de ação de nossos países é questionada.

Considero o continuum “paz-crise-guerra” que havíamos utilizado como marco estratégico para interpretar a conflitualidade desde o fim da Guerra Fria, já não é suficiente para levar em conta toda a complexidade desta nova gramática estratégica. O tríptico “competição-disputa-confronto” agora me parece mais adequado.

A competição é o modo padrão em nosso mundo hoje. Diz respeito à economia, às forças armadas, à cultura, à diplomacia e à sociedade. Quando envolvidas na competição, as forças armadas devem ser capazes de responder de forma proporcional às ações que permanecem sob o limiar do conflito armado. Elas também devem produzir efeitos nos ambientes não-físicos cada vez mais significativos. É o caso, por exemplo, do combate à desinformação e aos ciberataques. A competição é “a guerra antes da guerra”: não é a guerra, mas já é uma forma de guerra, na qual precisamos ser capazes de prevenir riscos de escalada e desestimular nossos competidores. A disputa surge quando um concorrente pensa que pode agarrar uma oportunidade e impor um fato consumado, em violação do direito internacional e com impunidade. A Crimeia é o exemplo perfeito disso. A ausência de uma reação forte e imediata permitiu à Rússia alcançar seu objetivo. Devemos, portanto, ser capazes de detectar sinais fracos para sermos confiáveis ​​e reativos para combater o fato consumado.

E, finalmente, o confronto, corresponde à guerra.

Como Chefe da Defesa francês, os dois primeiros eixos de minha ação visam fortalecer e apoiar a comunidade humana das forças armadas - militares e civis - e desenvolver as capacidades das forças armadas para capacitá-las a conquistar um multi-domínio e superioridade em vários ambientes. Para isso, as Forças Armadas precisarão de métodos de organização e funcionamento mais ágeis, para pensar diferente e reagir rapidamente em caso de crise.

O terceiro eixo, “fazer do treino uma nova dimensão de combate a dominar com os nossos parceiros”, traduz a dimensão coletiva da nossa ação. A razão de ser das forças armadas francesas é se engajar em uma coalizão, ao lado de seus aliados e parceiros, sendo os Estados Unidos o primeiro deles. Nossa prioridade é enfrentar a ameaça mais provável, ou seja, aquela representada pelas reivindicações, ações e política de fato consumado de nossos principais concorrentes, nas fronteiras da Europa e em outras partes do mundo.

No que diz respeito aos interesses estratégicos dos Estados europeus, induz um compromisso que vai da África Subsaariana ao Círculo Polar Ártico, incluindo a região Indo-Pacífica.

Soldado sueca da MINUSMA ao lado de uma pilha de marfim em Timbuctu, no Mali, outubro de 2018.

Em resposta ao seu pedido, a França atua para ajudar a estabilizar os Estados da Faixa Sahel-Saariana que sofrem com a ameaça terrorista. Este é o objetivo da força Barkhane, na qual a Takuba está integrada, ao lado da MINUSMA e EUTM Mali. A França conta com seus aliados e parceiros. A Suécia está fortemente empenhada, desde que se envolveu nessas três missões. Todos concordam em dizer que o Tenente-General Gyllensporre, que acaba de entregar o comando do componente militar da MINUSMA, teve um desempenho notável. Durante seu tempo no comando, ele se esforçou, sem nenhuma unidade adicional, para aumentar as capacidades operacionais da Força da ONU. O destacamento sueco fornece à Takuba capacidades operacionais notáveis e competências raras, que se provaram extremamente preciosas. Além disso, a Suécia assumirá o comando da operação no próximo mês e quero saudar esse compromisso.

Para focar em nossas missões de treinamento e orientação para o benefício das forças locais, e porque nosso envolvimento é duradouro, estamos atualmente adaptando a Barkhane. A nova configuração militar contará com fortes capacidades e vários milhares de soldados. A França continuará sendo a espinha dorsal dessa nova estrutura - especialmente dentro da Força-Tarefa Takuba - que integrará totalmente nossos aliados e parceiros europeus.

Na África, a crescente ação híbrida da Rússia torna a situação mais complexa. Faz parte da competição acirrada contra a qual nós, europeus, teremos de nos mobilizar em conjunto para defender os nossos interesses e os nossos valores. A suposição de que a junta do Mali está planejando usar mercenários Wagner é um testemunho do jogo entre concorrentes estratégicos, no qual temos que impor nossa posição. O Grupo Wagner infelizmente mostrou do que era capaz na República Centro-Africana. A França está presente no flanco sul da Europa, mas também no Oriente Médio onde, com seus aliados americanos e europeus, apóia o Estado iraquiano em sua luta contra o terrorismo e a estabilidade do Golfo Pérsico. A França também atua na região do Indo-Pacífico, por onde transitam 40% dos fluxos comerciais europeus e onde detém participações significativas.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

A França também está envolvida na defesa dos interesses estratégicos da Europa em seus flancos norte e leste. Assim, participa em muitas missões da OTAN: posicionamos os tanques de batalha principais alternadamente na Estônia com os britânicos e na Letônia com os alemães. Também realizamos missões de policiamento aéreo nos Estados Bálticos. No domínio naval, a Marinha francesa ajuda a proteger o Atlântico norte com uma presença regular em portos suecos, como o caçador de minas “Pégase” que fez escala em Karlskrona em setembro. Também operamos juntos nos Balcãs, na Bósnia e no Mar Negro.

Esses compromissos forjam nossa capacidade operacional comum, por meio da troca de procedimentos e know-how, bem como nossa coesão. Esses elementos progridem mais rápido quando estamos lado a lado nas operações. Além disso, reforçamos a nossa cultura estratégica comum devido ao trabalho de antecipação realizado no âmbito da European Intervention Initiative (Iniciativa de Intervenção Européia).

A Suécia e a França têm muitas áreas de cooperação no domínio militar. Atuamos regularmente juntos em exercícios multinacionais, sendo os últimos a Costa Norte (exercício de guerra contra-minas e luta contra ameaças assimétricas) e a Golden Crown (exercício de resgate de submarino). A Força Aérea e Espacial Francesa participou em 2019 do Exercício Arctic Challenge (Desafio Ártico), co-organizado pela Suécia, Finlândia e Noruega. As forças armadas suecas também nos fornecem sua experiência no ambiente operacional de frio profundo. As unidades francesas participam todos os anos no Exercício Arvidsjaur (treino de combate ao frio profundo e sobrevivência), em cursos de treinamento em frio profundo organizados, entre outros, pelo Subarctic Warfare Centre (Centro de Guerra Subártica) e em cursos de mergulho sob o gelo.

Helicópteros da 4e Brigade d’Aérocombat (4e BA) do exército atuando com a marinha na Operação Cormoran 21, no Mediterrâneo, em outubro de 2021.

Finalmente, desenvolvemos nossos links no domínio da capacidade. A Suécia, portanto, pediu o status de observador no projeto MGCS, e estamos discutindo sobre as capacidades do míssil antitanque de médio alcance. Nossos dois países estão associados no domínio espacial com o programa CSO (capacidade de observação espacial). De facto, foi construída uma estação de recepção na Suécia e o país terá acesso aos bancos de imagens a partir do próximo ano. Também foi convidado a observar o Exercício Espacial AsterX 2022. A França e a Suécia estão, finalmente, cada vez mais envolvidas nos projetos europeus (PESCO e EDF). A cooperação militar bilateral acaba de ganhar impulso com a assinatura da Carta de Intenções pelos dois Ministros da Defesa em 24 de setembro.

A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral. Quer prová-lo através de um envolvimento permanente nas operações de resseguro no flanco oriental da Europa e através de um investimento constante no desenvolvimento de uma consciência militar coletiva. Este último item exige que criemos vínculos operacionais, que tenhamos conhecimento mútuo e aprofundemos a interoperabilidade, para enfrentarmos, juntos, as ameaças que se aproximam.

General Thierry Burkhard
Chefe do Estado-Maior de Defesa das Forças Armadas Francesas

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

PERFIL: General Caillaud, o Soldado do Incomum

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 26 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de outubro de 2021.

“Soldado do Incomum”, o General Robert Caillaud deu seu nome à 207ª turma da ESM Saint-Cyr.

Quer seja para cadetes oficiais como para cadetes suboficiais, o baptismo de promoção é sempre um momento especial, pois constitui um forte sinal de identidade e pertencimento.

Além disso, a escolha do “patrocinador” é decisiva. E aconteceu que foi passível de cautela, pois em novembro de 2018, quando o Chefe do Estado-Maior do Exército, que era o General Jean-Pierre Bosser, decidiu “rebatizar” a promoção “General Loustanau-Lacau” da Escola Militar Especial (École spéciale militaireESM), por causa das simpatias políticas que manifestou na década de 1930.

Durante o Triunfo 2021 da Academia Militar de Saint-Cyr Coëtquidan, organizado no dia 24 de julho, a 60ª promoção da Escola Militar de Armas Combinadas (École militaire interarmesEMIA) deu-se como padrinho o General Jean-Baptiste Eblé, que se destacou durante as guerras da Revolução e do 1º Império.

Já a 207ª turma da ESM fez uma escolha mais contemporânea, com o General Robert Caillaud. E tendo em vista o registro de serviço deste último, questiona-se por que seu nome não foi escolhido anteriormente...

Saint-cyrien da promoção Charles de Foucauld (1941-42), e quando ele tinha acabado de obter sua "ficelle" como segundo-tenente, Robert Caillaud retornou à sua Auvergne natal e se juntou à Resistência. Assim, dentro de seus maquis, participou das lutas pela Libertação, inclusive da ponte Decize, que culminou com a rendição da coluna do General Botho Elster.

A “Divisão Auvergne” estando integrada no 1º Exército do General de Lattre de Tassigny, o jovem oficial participou nas campanhas da Alsácia e da Alemanha, durante as quais, segundo a Federação das Sociedades de Veteranos da Legião Estrangeira (Fédération des sociétés d’anciens de la Légion étrangèreFSALE) , ele mostrou um "gosto definitivo por soluções originais" que marcariam o resto de sua carreira. Um deles terá sido formar uma seção de reconhecimento em profundidade com Jipes.

A Legião Estrangeira precisamente... Promovido a tenente no final da guerra e contando três citações em sua Croix de Guerre, Robert Caillaud decidiu ingressar em suas fileiras. Depois de um curto período em Sidi Bel Abbès, na Argélia, foi designado para o 2º Regimento Estrangeiro de Infantaria (2e Régiment Étranger d’Infanterie, 2e REI), com o qual desembarcou em Saigon. Durante dois anos, distinguir-se-á pelas qualidades militares mas também pela capacidade de pensar fora da caixa, criando, por exemplo, um pelotão a cavalo. Isso fará com que ele ganhe mais quatro citações e a Legião de Honra, aos 27 anos.

Retornando à Argélia em 1948, o oficial recebeu a missão de formar a 1ª companhia do 2 ° Batalhão Estrangeiro de Paraquedistas (2e Bataillon Étranger de Parachutistes, 2e BEP). Em seguida, ele voltou para a Indochina com sua nova unidade em fevereiro do ano seguinte. Em dezembro de 1949, à frente da 1ª companhia, saltou, à noite e em condições difíceis, sobre a guarnição de Tra Vinh, então cercada por três regimentos Viet-Minh. Ao custo de três mortos entre os legionários, o ataque inimigo será repelido.

Durante esta segunda estadia na Indochina, o Capitão Caillaud foi ferido duas vezes. Em 1954, e depois de ter comandado o 3e BEP, regressou ao Extremo Oriente. Lá, ele se ofereceu para fazer parte da equipe do grupo aerotransportado do Coronel Langlais em Dien Bien Phu. Ao lado do Comandante Marcel Bigeard, ele organizou os contra-ataques. O resto é conhecido: o campo entrincheirado francês acaba caindo. Então começou um longo período de cativeiro nos campos do Viet-Minh. “Sua conduta no cativeiro no Campo nº 1 será exemplar, marcada por seu apoio aos mais fracos e sua recusa em se comprometer com o adversário”, disse Jean-Pierre Simon, seu biógrafo.

Le Général Caillaud: Soldat de l'insolite.
Jean-Pierre Simon.

Depois de libertado, o oficial foi designado para o 2e REP, tendo participado em inúmeras operações na Argélia. Ele ganha três novas citações. Retirado dos eventos de Argel (golpe dos generais em abril de 1961) devido ao seu destacamento para o estado-maior das Tropas Aerotransportadas (Troupes Aéroportées, TAP), foi nomeado oficial de ligação e instrutor paraquedista na Alemanha.

Depois, em maio de 1963, promovido a tenente-coronel, passou a comandante do 2e REP, então instalado em Bou-Sfer, a fim de garantir a segurança da base de Mers-el-Kébir. Começou então a “Revolução Caillaud”, que vai dar a cara que esta unidade tem hoje. “Ele é o principal ator na corrida pela inovação do regimento e pela especialização das seções que permite às companhias cumprirem de imediato as mais diversas missões”, escreve a FSALE.

“Nunca, talvez, Robert Caillaud tenha sentido a que ponto semeou tão abundantemente. Nunca, sem dúvida, ele foi capaz de testar, inventar, criar, exigir e receber tanto desta valiosa tropa, que soube fazer vibrar. Sempre carregou consigo esta pedra que queria cortar e esculpir à medida do que era, pedra angular de toda uma vida, obra magistral que deixamos em vestígios indeléveis”, abunda Jean-Pierre Simon.

Depois de uma (breve) passagem no estado-maior das Forças Aliadas na Europa Central e, em seguida, no Gabinete de Tropas Aerotransportadas e Anfíbias do Departamento Técnico de Armas, o Coronel Caillaud assumiu o comando da Escola de Tropas Aerotransportadas (ETAP) em 1972. Lá, ele passou seu brevê de salto operacional de alta altitude. Ele tinha então 52 anos (o que o tornará o mais velho dos saltadores operacionais). Promovido a general três anos depois, assumiu as rédeas da 1ª Brigada de Paraquedistas (1ere Brigade parachutiste, 1ere BP), antes de encerrar a carreira militar no estado-maior da 11ª Divisão Paraquedista (11e Division Parachutiste, 11e DP) em 1978.

O General Caillaud faleceu em 1995. Foi Grande Oficial da Legião de Honra, titular da Croix de Guerre 1939-1945 com três citações, da Croix de Guerre des T.O.E. com oito citações incluindo três na ordem do exército, a Cruz Militar do Valor com três citações incluindo duas para a ordem do exército.

sábado, 25 de setembro de 2021

LIVRO: Enfrentando Patton - George S. Patton Jr. Através dos Olhos de Seus Inimigos


Resenha do livro Fighting Patton: George S. Patton Jr. Through the Eyes of His Enemies (Enfrentando Patton: George S. Patton Jr. Através dos Olhos de Seus Inimigos, 2011), de Harry Yeide, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um olhar original sobre Patton [5 estrelas]


Embora tenha havido muitos livros escritos sobre o general George S. Patton desde meados da década de 1970, com A Genius for War (Um Gênio para a Guerra) de Carlo D'Este entre os melhores, grande parte de sua vida e carreira no campo de batalha foram envoltas por uma certa mitologia popular sobre ele. Grande parte da história de Patton foi moldada desfavoravelmente por detratores como Omar Bradley ou favoravelmente por subordinados bajuladores. No entanto, apesar de uma literatura robusta disponível sobre Patton, o verdadeiro Patton permanece indescritível e há aspectos de sua carreira que não foram aprofundados em grandes detalhes, particularmente como ele era considerado por seus inimigos.

Harry Yeide, o autor.

Em Fighting Patton, o historiador militar Harry Yeide investiga profundamente o material de fontes primárias americanas, francesas e alemãs para expor um Patton que poucos de nós vimos antes - Patton visto por seus inimigos. Há uma riqueza de detalhes novos neste livro graças à pesquisa diligente do autor nos Arquivos Nacionais (National Archives, NARA), como a identidade do oficial alemão [Leutnant Dewald] que estava atirando em Patton durante a ofensiva do Meuse-Argonne de 1918. Enquanto a história de Patton normalmente se concentra em perspectivas americanas, Fighting Patton se esforça para mostrar as operações de Patton do ponto de vista dos homens que lutam contra ele. Este é um livro muito bem pesquisado e argumentado que é aprimorado pela capacidade do autor de peneirar uma infinidade de fatos a fim de obter conclusões sóbrias. Os julgamentos do autor sobre como Patton foi visto por seus oponentes irão surpreender alguns leitores e revisar alguns aspectos da mitologia de Patton, mas também servirão como uma adição valiosa à literatura sobre um dos generais mais famosos dos Estados Unidos da América do século XX.



Fighting Patton consiste em 14 capítulos sequenciais com cerca de 420 páginas de narrativa e um glossário. O autor também incluiu 34 mapas de esboço e 52 fotos P/B. O livro é baseado no uso extensivo de pesquisas de fontes primárias, muitas das quais não apareceram em biografias anteriores de Patton; isso não é uma repetição nem uma biografia, mas um esforço para avaliar Patton por meio de um conjunto de lentes completamente diferente. Fighting Patton pode parecer revisionista para alguns leitores, particularmente aqueles que acreditam que ele teve grande importância na consciência de todos em 1943-45.

No entanto, na verdade, como aponta Harry Yeide, os registros alemães indicam que nem Hitler nem os principais comandantes alemães gastaram muito tempo se preocupando com Patton do que as histórias dos Estados Unidos do pós-guerra poderiam sugerir. As avaliações de ameaças alemãs foram baseadas nas capacidades inimigas, não nas personalidades de comandantes inimigos específicos e poucos registros alemães mencionam Patton pelo nome. Os registros alemães sobre Patton que existem indicam que ele era considerado um líder blindado e estrategista capaz, mas não um estrategista como Montgomery. Vários oficiais alemães de nível médio observaram que a campanha desastrada de Patton na Lorena reduziu sua impressão de suas habilidades e ele foi considerado por alguns como hesitante e sem vontade de aproveitar oportunidades táticas. Como o autor também observa, embora as habilidades de Patton como líder blindado pareçam quase únicas no lado americano, os alemães tinham muitos líderes panzer com significativamente mais experiência do que ele e, portanto, ficaram menos impressionados.

Infantaria alemã pegando carona em um Panzer V Panther na Lorena, no norte da França, em 21 de junho de 1944.

No final, o autor fornece uma avaliação mais equilibrada das realizações de Patton no campo de batalha, sem os óculos cor-de-rosa. Seus inimigos o respeitavam - quando pensavam nele - mas não tinham fixação nele e o viam principalmente como um comandante tático geralmente competente. Ainda assim, para os padrões alemães, Patton foi muito menos ousado do que alguns dos líderes panzer da fama de 1940-41 e até mesmo sua corrida pela França em agosto de 1944 empalidece em comparação com alguns dos avanços feitos na Rússia em 1941. Em suma, Fighting Patton é escrito e pesquisado de forma impressionante e uma adição importante à literatura sobre Patton.

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Leitura recomendada:


Patton na lama de Argonne27 de março de 2020.

domingo, 16 de maio de 2021

Mate o Exército Homotético: a visão do General Guy Hubin do futuro campo de batalha


Por Michael Surkhin, War on the Rocks, 4 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de maio de 2021.

Ninguém quer aparecer na próxima guerra preparado para a guerra errada. O erro pode ser catastrófico. As Grandes Potências marcharam com confiança para a batalha em 1914, preparadas para as guerras anteriores, resultando em terríveis baixas em troca de resultados insignificantes. Nesse caso, o erro foi universal, não dando a nenhum dos beligerantes uma vantagem estratégica. Em 1940, a França foi à guerra depois de fazer apostas erradas sobre como seria o futuro. A Alemanha, ao contrário, havia apostado corretamente, dando-lhes uma vantagem estratégica que resultou em uma das maiores reviravoltas militares da história. Eles haviam compreendido melhor do que seus oponentes as implicações das novas tecnologias, adaptando a forma como se organizavam e lutavam para fazer o melhor uso delas.

As forças armadas de hoje, esperando serem a Alemanha nesse cenário, têm lutado desde pelo menos a Operação Tempestade do Deserto em 1991 para acompanhar a rápida evolução da tecnologia que muitos acreditam ter precipitado uma "revolução nos assuntos militares", mesmo que o próprio termo tenha saído de moda. Na década de 1990, o foco estava na guerra em rede e nas munições descartáveis guiadas com precisão, "domínio da informação" e na aceleração do ciclo "Observe, oriente, decida, aja". A chamada foi feita para "quebrar a falange", que rendeu o sistema de brigadas de hoje. Então veio a “transformação”.

A lista se expandiu e, em 2018, o Chefe do Estado-Maior do Exército dos EUA, General Mark A. Milley, escreveu no Panfleto 525-3-1 do Comando de Treinamento e Doutrina (Training and Doctrine Commanddo Exército dos EUA, The U.S. Army in Multi-Domain Operations 2028 (O Exército dos EUA em Operações Multi-Domínio 2028), que “Tecnologias emergentes” estão “impulsionando uma mudança fundamental no caráter da guerra”. Eles têm "o potencial de revolucionar os campos de batalha mais radicalmente do que a integração de metralhadoras, tanques e aviação, que deu início à era da guerra de armas combinadas". Por Milley e pelo Comando de Treinamento e Doutrina, o Exército dos EUA teria que iniciar uma revisão profunda de suas "técnicas de combate" e em como construiu "as forças de combate de que precisamos no futuro".

Há muito a ser dito a favor e contra as “operações multi-domínio” e aquela publicação específica do Comando de Treinamento e Doutrina. Aqui, no entanto, quero apresentar uma perspectiva distintamente diferente sobre o futuro campo de batalha que vem de forma suficientemente apropriada do exército que conhece melhor a dor de apostar errado, o Exército Francês. Na década de 1990, Guy Hubin, então coronel e agora general aposentado, esboçou uma visão provocativa do futuro da guerra. A visão de Hubin oferece várias vantagens em relação àquela do Comando de Treinamento e Doutrina. Um é metodológico: Hubin usa uma abordagem intelectual, informada pelos escritos do Marechal Ferdinand Foch e do General André Beaufre, que se traduz em uma interpretação mais coerente intelectualmente dos desenvolvimentos recentes e visão do que fazer com eles. Hubin vai além das operações multi-domínio em seu apelo para reestruturar como as forças do exército devem operar e serem organizadas; ele oferece uma abordagem francesa mais clara e distinta do comando de missão ou “comando por intenção”; e ele defende a não-linearidade radical que contrasta fortemente com a visão linear aparentemente anacrônica do Comando de Treinamento e Doutrina do campo de batalha, que apresenta uma frente clara e zonas distintas demarcadas por sua distância da frente. Finalmente, Hubin, apoiado nos ombros de Beaufre, está em melhor posição para lidar conceitualmente com um desafio-chave: a integração das alavancas militares e não-militares do poder, da violência armada e da guerra política e de informação, que requer a clara subordinação do militares aos fins políticos ditados por civis. As operações de múltiplos domínios, em contraste, identificam o acoplamento dos adversários de formas políticas e outras formas de ação não-militar com operações militares como uma ameaça particular, mas oferece, na melhor das hipóteses, uma ideia confusa de como lidar com ela.


No Exército Francês, Hubin passou a maior parte de sua carreira militar com unidades aerotransportadas e de forças especiais, mas tem experiência nas unidades blindadas da França e passou dois anos no centro de blindados do Exército dos EUA em Fort Knox, onde foi capaz de observar experimentos com novas tecnologias . Esses e desenvolvimentos tecnológicos paralelos na França, entre eles o desenvolvimento no final dos anos 1980 e no início dos anos 1990 do tanque de batalha principal da França, o Leclerc, com seus sistemas de rede avançados e capacidade de atirar em movimento, o estimularam a refletir sobre o significado das novas tecnologias para táticas. O resultado inclui dois livros, Perspectives tactiques (Perspectivas Táticas) - publicado pela primeira vez em 2000, mas agora em sua terceira edição - e La Guerre: Une vision française (A Guerra: Uma visão francesa), publicado em 2012. Perspectives Tactiques, por um tempo pelo menos, era leitura obrigatória no equivalente do Exército Francês ao Command and General Staff College, o Cours Supérieur d'État-Major, conhecido desde 2018 como a École de Guerre-Terre.


O livro é o principal ponto de referência da comunidade de segurança nacional francesa para discussões sobre guerras futuras e, em particular, guerras em rede. Ele informou o esforço do Exército Francês para integrar novas tecnologias e repensar a estrutura da unidade e táticas agora associadas ao seu programa de modernização SCORPION, que se tornou um importante bloco de construção do esforço militar francês para implementar operações multi-domínio. Não se pode creditar a Hubin a adesão do Exército Francês à guerra colaborativa, por exemplo, que é uma capacidade que o programa SCORPION está trazendo para um número maior de tipos de veículos e sistemas de armas, mas pode-se argumentar que Hubin informa como o Exército Francês pensa sobre a guerra colaborativa e o seu significado para a guerra moderna. Da mesma forma, o programa SCORPION envolve repensar como as unidades se organizam, se sustentam e lutam. A conversa no Exército Francês sobre como fazer tudo isso não terminou com Hubin, mas sem dúvida começou com ele.

De pé sobre os ombros de Foch e Beaufre

Antes de mergulhar nos argumentos de Hubin, deve-se reservar um momento para notar algo do qual o próprio Hubin e seus leitores militares franceses podem nem estar cientes porque faz parte do discurso militar francês: a influência dos Princípios da Guerra do Marechal Ferdinand Foch (1903), tanto direta quanto interpretada e complementada pelas obras de meados do século do General André Beaufre. Foch e Beaufre fornecem a Hubin uma estrutura intelectual básica, bem como um vocabulário de trabalho crítico imediatamente compreendido pelos oficiais franceses. Esta estrutura ajuda a tornar as ideias de Hubin mais coerentes do que o panfleto do Comando de Treinamento e Doutrina. Também fornece a Hubin um meio de pensar e escrever sobre os efeitos da tecnologia sem se deter na tecnologia em si. Isso é importante: Hubin não é um tecnólogo per se, e essa falta de especificidade em relação à tecnologia sobre a qual ele escreve ajuda a manter seus argumentos atualizados, mesmo que a própria tecnologia evolua rapidamente.

Foch articulou uma série de “princípios da guerra” que permanecem consagrados na cultura militar francesa. A doutrina francesa atual distingue três: economia de força, concentração de esforços e liberdade de ação. Foch também identificou como princípios "segurança", surpresa estratégica, ataque decisivo e disciplina intelectual, que se refere a comandantes subordinados tendo os recursos intelectuais a serem confiados para compreender e executar os comandos de seus superiores como acharem adequado, sem seguir as etapas prescritas servilmente ou pensando que sabem melhor.


Hubin está interessado nas ramificações das tecnologias emergentes na aplicação dos princípios da guerra (por exemplo, suas implicações para a economia de força, concentração de esforços, etc). A partir daí, ele expande seus argumentos para a organização da força e o comando e controle. Os exércitos terão que se organizar de uma maneira radicalmente diferente. Os comandantes terão que comandar de forma diferente. Como veremos, uma percepção fundamental para Hubin é a ideia de que as novas tecnologias tornarão a concentração de esforços quase impossível, na medida em que concentração de esforços é sinônimo de concentração física de meios militares. O que mais importará no campo de batalha moderno é a economia de força precisa, flexível e dinâmica, que requer novas maneiras de organizar as forças e novas maneiras de comandá-las.

Viradores de Jogo

Diagrama de um GTIA operando segundo o programa Scorpion.

Hubin identifica em Perspectivas Táticas três novas capacidades específicas que novas tecnologias citadas que ele acredita estarem mudando profundamente a guerra: a capacidade de saber precisamente e em tempo real onde estão todas as nossas próprias forças, a capacidade de atirar sem parar e os disparos indiretos de precisão.

Saber onde todos estão dá uma capacidade sem precedentes para ajustar a economia de meios. Também facilita a dispersão: há menos necessidade de agrupar para facilitar a comunicação ou evitar incidentes de fogo amigo. Enquanto isso, não ter que parar para atirar, segundo Hubin, significa, obviamente, que se pode continuar em movimento, o que é um imperativo crescente na era dos fogos precisos. Também mina a linearidade que historicamente caracterizou a batalha: parar para mirar e atirar como atacante ou defensor significa assumir uma posição fixa em relação ao adversário, e uma manobra típica é fazer com que algumas tropas fixem o inimigo enquanto outras tentam dar a volta pelo flanco ou atrás dele. Agora existe uma frente, um flanco e uma retaguarda. Existe um eixo de movimento. Polaridade. Se alguém puder continuar em movimento, haverá muito menos necessidade de assumir uma posição fixa em relação ao adversário e, portanto, muito menos linearidade ou polaridade. Isso também significa, aponta Hubin, que os dois lados têm maior probabilidade de se misturar. (Hubin usa a palavra imbricação, que, em inglês, é principalmente reservada à geologia para descrever depósitos ou rochas sobrepostos.)

Enquanto isso, os fogos indiretos de precisão têm várias implicações. Eles encorajam e facilitam a dispersão, porque é possível atingir qualquer alvo dentro do alcance, independentemente de onde se esteja, e porque a concentração se tornou cada vez mais perigosa. Além disso, como acontece com a capacidade de atirar em movimento, os disparos de precisão minam a linearidade, com implicações importantes sobre como as forças são organizadas no espaço geográfico e como se movem. Até recentemente, explica Hubin, a abordagem consistia em algumas tropas avançarem para enfrentar e destruir o inimigo, enquanto outras ficavam na retaguarda para apoiar as tropas avançadas. “Na guerra como no amor”, escreve Hubin, citando Napoleão, “é preciso chegar perto”. Isso reforça a polaridade evidente nas táticas e manobras, pois há uma frente, uma retaguarda e um eixo de movimento. Os comandantes organizaram seus subordinados de acordo, com os corpos em movimento acompanhados por unidades de flanco-guarda, vanguardas e retaguardas. Os fogos indiretos de precisão, no entanto, invertem a relação. O trabalho das forças de combate agora é encontrar o inimigo e, idealmente, concentrar as forças inimigas para que possam ser destruídas por fogo indireto, que, de agora em diante, fará a matança. Isso implica em um grau mais fraco de polaridade, especialmente se presumirmos a imbricação.

Comboio do G5 Sahel protegido por um helicóptero no Mali.

Outra ramificação dos fogos indiretos de precisão tem a ver com a logística: a imprecisão intrínseca dos fogos indiretos no passado - especialmente contra alvos móveis - significa que alcançar os efeitos desejados geralmente requer grandes quantidades de munição. Isso, por sua vez, exigiu um enorme cordão umbilical logístico que limita a manobra e reforça a polaridade em relação à existência de uma frente, uma retaguarda e um eixo de movimento. As unidades rompem esse cordão por sua conta e risco. A palavra francesa para esse cordão é noria, que se refere à cadeia de caminhões ou outros veículos que vão e vêm para manter as unidades abastecidas. Contra a noria, Hubin contrasta a ideia de "pulsação". A logística “pulsará” o material necessário conforme necessário, quando e onde for necessário. A pulsação implica em descontinuidade, o que normalmente significaria a morte do sistema noria e, em última instância, da manobra no solo, mas agora o que se quer é se livrar da linearidade e libertar a manobra.

Essas novas capacidades, combinadas com o perigo crescente para qualquer concentração de forças, mesmo na escala da companhia, tendem a diminuir o tamanho das unidades de manobra. Unidades menores em escalões mais baixos se tornarão mais importantes do que unidades maiores e mais altas. Pelotões com duas ou três patrulhas terão o papel que os batalhões já tiveram. À medida que os peões ficam menores, Hubin argumenta que, em algum momento, a integração de armas combinadas - que, no Exército Francês, atualmente ocorre em nível de companhia com o Subgrupo Tático de Armas Combinadas - também precisa parar. A integração abaixo do Subgrupo Tático de Armas Combinadas terá que dar lugar à cooperação. Elementos diferentes atuarão para atingir o mesmo objetivo, mas não necessariamente dentro da mesma unidade. Isso se compara com a abordagem do Comando de Treinamento e Doutrina para operações de múltiplos domínios, que parece se prender à brigada como o peão de manobra essencial à la Douglas Macgregor enquanto se acumula na lista de capacidades orgânicas da brigada.

A Morte da Homotetia

Patrulha francesa e malinense em frente às muralhas da Universidade de Sankore, em Timbuctu, 2013.

Os exércitos que terão o melhor desempenho no futuro, argumenta Hubin, são aqueles que abraçam a morte do que ele chama de homotetia. Homotetia é um termo que Hubin toma emprestado da geometria que se refere à dilatação de uma forma no espaço em relação a um ponto fixo. As formas (imagine triângulos ou retângulos) são congruentes, com uma sendo uma versão ampliada da outra. Eles também têm uma relação física particular entre si no espaço, visto que um é uma dilatação ou projeção do outro em relação a um único ponto específico. Em termos geométricos, as duas formas são homotéticas em relação a esse ponto. Hubin usa homotetia para descrever a estrutura de diferentes unidades de força terrestre em diferentes escalões (ou seja, divisão, brigada, companhia, etc.), sua relação umas com as outras no espaço e também sua relação com um ponto fixo. Cada escalão é uma dilatação da mesma forma, e cada um é homotético em relação a um ponto fixo, ou seja, um único ponto de comando e controle no qual todas as linhas convergem em última instância, e também um espaço fixo dentro do qual as unidades operam. Homotetia denota fixidez ou rigidez de forma (embora não de escala), de estrutura de comando e controle e da área física de operação.

A visão de Hubin não é diferente da insistência do Comando de Treinamento e Doutrina de que haja "relações de comando flexíveis" que "permitem a rápida realocação de capacidades e formações de múltiplos domínios em componentes funcionais e escalões para alcançar a convergência." O Comando de Treinamento e Doutrina quer “permitir a criação de proporções de força favoráveis por meio de organizações de tarefa rápida [economia de meios] e reorganização de fogos de reforço e capacidades entre os escalões”. Naturalmente, as operações multi-domínio requerem um fluxo de informações mais horizontal e linhas de comunicação mais flexíveis. Hubin, porém, quer ir mais longe. Hubin quer quebrar a rigidez tanto das formas das unidades de exército quanto de sua relação física umas com as outras, mais especificamente sua relação homotética em relação a um ponto fixo e, da mesma forma, a área fixa dentro da qual cada escalão opera. Os exércitos precisarão ser capazes de ajustar quem está subordinado a quem, criar ou suprimir níveis de responsabilidade e adaptar permanentemente o tamanho e o espaço de manobra de um determinado escalão. As “formas retilíneas” das brigadas e batalhões são “inerentemente restritivas” e não são mais necessárias, então é melhor que os exércitos estejam dispostos a recuar. Tudo deve ser fluido. A única estrutura predefinida que permanecerá, ele escreve, é o pelotão, a peça de artilharia e o "grupo de engenharia". Às vezes, vários deles serão agrupados. Da mesma forma, a subordinação terá que ser flexível. Um verá uma unidade blindada engajar-se sob as ordens de um comandante, mas então passará para o comando de outro seis horas depois e terminar sob as ordens de um terceiro no dia seguinte.

Soldados nigerinos em treinamento de combate urbano sob supervisão francesa, 2016.

Um dos problemas que Hubin vê com o sistema homotético é que, em um grau considerável, os comandantes nos níveis de divisão, regimento e companhia são responsáveis pelas mesmas tarefas de "concepção", "conduta" e "execução". Isso já se tornou problemático. Os comandantes de divisão têm pouco a ver com a condução das operações, e os comandantes de companhia estão ocupados demais para fazer qualquer coisa além da execução e, na maioria das vezes, precisam confiar no instinto. O mais interessante é o destino do capitão, o qual Hubin alinha com o nível de “grupo”, ou seja, o grupo tático de armas combinadas de nível de batalhão. “O grupo concebe com pressa e só pode conduzir”, escreve Hubin, “o que significa organizar, coordenar e articular os meios no espaço e no tempo e monitorar a coerência da ação”. Mas agora que a guerra está se tornando mais descentralizada e o combate é cada vez mais assunto de pequenos escalões, o sistema está perdendo toda a sua coerência. É preciso haver uma nova divisão de trabalho, que não tenha nada a ver com a hierarquia legada do sistema homotético, ou seja, divisões/brigadas, regimentos e companhias, e seja construída inteiramente em torno das funções de concepção, conduta e execução.

Hubin propõe três níveis de “organização tática”, que ele apresenta no capítulo 10 de Perspectivas, mas é relatado de forma mais sucinta em um e-mail de esclarecimento ao autor. Um está encarregado da “concepção de manobra”, que, explicou, “é dizer imaginar, criar e definir o que chamamos de ideia de manobra”. Outro nível está encarregado da execução, “isto é, encarregado da luta com seus equipamentos”. “Neste nível”, explica Hubin, “encontraremos patrulhas de blindados, infantaria, grupo de engenheiros, equipes de observação de artilharia, etc.” Entre esses dois níveis, Hubin continua:

Proponho criar um sistema original para controlar zonas de manobra para ter certeza de que os diferentes peões táticos que lutam em sua zona trabalhem em direção ao objetivo definido pelo nível de concepção, isto é, organizar os diferentes movimentos em sua área, para permitir uma circulação efetiva de informação, para organizar o que chamo de encontro logístico e, principalmente, para zelar pela segurança dos peões táticos. A novidade é que este nível não está vinculado a uma estrutura tática (pelotão, companhia, batalhão), mas sim a um trecho de terreno no qual a manobra está evoluindo. De certa forma, a organização tática terrestre se aproximará da organização do controle aéreo.

Hubin imagina pequenas unidades movendo-se pelo campo de batalha passando pelo controle de diferentes comandantes, cada um responsável por zonas específicas e responsáveis por coordenar atividades e também fornecer reabastecimento, em conformidade com o objetivo determinado pelo “escalão de concepção”. As unidades em seu espaço se associarão temporariamente e com flexibilidade.

Implícita aqui está a ideia de abandonar as correlações tradicionais entre a posição de um comandante e o grau de autoridade e responsabilidade. “É preciso quebrar a relação existente”, escreve ele, “entre a importância do nível de responsabilidade e o volume dos subordinados”. Hubin argumenta que tal transformação radical é necessária para derivar das novas tecnologias todos os seus benefícios. O Comando de Treinamento e Doutrina, em comparação, chega perto dessa ideia, argumentando a favor da concessão de autoridade de "escalão apropriado mais baixo" para acessar apoio de toda a gama de "domínios", como inteligência de ativos de vigilância nacional e, certamente, disparos de conjuntos recursos aos quais normalmente apenas escalões mais altos podem ter acesso imediato. Como vimos, no entanto, o Comando de Treinamento e Doutrina parece estar pensando em brigadas, enquanto Hubin está pensando em companhias e abaixo. Mais precisamente, Hubin está argumentando para não pensar mais em termos de escalões.

O princípio da surpresa no campo de batalha do futuro


Por muito tempo, explica Hubin, a manobra consistia em esconder a maior parte de sua força (o gros, o grosso), sua localização e suas intenções. Para onde estava indo? Grande parte da manobra consistia em esconder isso pelo maior tempo possível, de modo a se beneficiar de alguma medida de surpresa. Enquanto isso, os comandantes adversários precisam deduzir as respostas e, em última instância, apostar. No futuro, de acordo com Hubin, isso será mais difícil de fazer por causa de todos os sensores. O desafio será menos obter informações do que processá-las.

Isso não significa, porém, que a surpresa será impossível. Hubin usa a analogia dos jogadores de xadrez: ambos podem ver exatamente onde estão todas as peças, mas ainda é possível surpreender o oponente. As surpresas são intelectuais. “A surpresa se dá por quem tem a melhor visão da situação, quem capta mais cedo e com mais clareza o que está acontecendo, e quem sabe coordenar a ação aparentemente incoerente de suas peças de modo que o adversário fique comido pela dúvida e não saiba o que fazer.” Em todo caso, hoje em dia, mesmo a ideia de ter um gros é questionável na medida em que implica concentração. A manobra, de fato, terá "objetivos invertidos". Hubin explica que "o objetivo da manobra" será "manter a diluição de suas forças enquanto obtém a concentração daquelas do inimigo, a fim de dar melhores resultados aos fogos indiretos solo-solo e aos fogos ar-solo".

Arte de Comando em evolução


A visão de Hubin do futuro campo de batalha tem implicações para a evolução do estilo de comando. Por causa da impossibilidade de saber como o inimigo vai reagir ao que alguém faz, ele explica, o Exército Francês sempre ensinou o imperativo de confiar no próprio instinto. Decida, e decida rápido. Claro, ele observa, isso é um pouco como jogar roleta russa. O acerto pode determinar se alguém será ou não um herói nacional ou uma desgraça. Isso vai mudar: a quantidade de dados e o poder de computação atual e futuro tornam cada vez mais possível rodar modelos e simulações e rapidamente chegar a algo próximo a respostas objetivas. Dito isso, Hubin não se afasta muito de Foch e da ênfase do Exército Francês na iniciativa e no espírito ofensivo. Segundo Hubin, a iniciativa vai contar mais do que nunca. É preciso seguir em frente, o que significa que é preciso ter a iniciativa. Caso contrário, o comandante está terminado. Parte disso envolve "resolução", o que Hubin pensa ser necessário para arriscar a mistura de suas forças. Você quer estar dentro das formações do inimigo, não o contrário.

Hubin está atualizando os argumentos de Foch sobre disciplina intelectual, que Foch achava que os comandantes subordinados precisavam para se adaptar e improvisar enquanto ainda cumprem a intenção de seu comandante. Além disso, isso acompanha a ênfase do Exército Francês no "comando por intenção", às vezes referido pelo Exército dos EUA como "comando de missão" ou pelos franceses como "subsidiariedade". O panfleto de operações multi-domínio do Comando de Treinamento e Doutrina clama estranhamente por uma "sinergia baseada na intenção", que se resume a comandantes de unidade tomando a iniciativa de realizarem sinergias multi-domínio. Hubin, de acordo com a doutrina francesa, está empurrando o mandato de iniciativa para oficiais subalternos e suboficiais em um contexto no qual ele não espera que as estruturas de unidade sejam relevantes. Os comandantes subalternos de Hubin precisam ser capazes de caminharem corajosamente entre as hostes do inimigo e colocar sua confiança em outros que eles provavelmente não conhecerão. Ele admite que isso representa um grande desafio para a coesão da unidade. Historicamente, as unidades de combate preservaram a coesão por meio da proximidade (de preferência, permanecendo à vista de todos) e laços de familiaridade e confiança. Lutamos ombro a ombro com aqueles que conhecemos e com quem treinamos. As unidades também têm se empenhado em manter linhas de comunicação e suporte. Enquanto isso, eles fariam todo o possível para quebrar a coesão das forças opostas, o que Hubin observa ser um objetivo muito melhor do que tentar destruí-las materialmente.

Voltando aos Princípios da Guerra


Hubin insiste em uma reavaliação da economia de força e sua importância em relação à concentração de esforços. Como ele argumenta particularmente em seu segundo livro, La Guerre, a economia de forças muitas vezes é vista como algo que se faz simplesmente para permitir a concentração de esforços em outro lugar. Freqüentemente, é visto como o oposto da concentração de esforço. Pelo contrário, escreve ele em La Guerre, “a concentração dos esforços consiste em privilegiar o essencial em detrimento do secundário, enquanto a economia das próprias forças consiste em adequar otimamente os próprios meios à luz da situação e dos objetivos, tanto no princípio quanto nos campos secundários.” No futuro campo de batalha, a concentração de esforços perderá importância e se tornará quase impossível na medida em que é sinônimo de concentração física de recursos. A economia de forças assumirá uma nova importância e também será conduzida de forma diferente. Quanto mais unidades "puderem se ajustar de maneira rápida, frequente e fugaz, melhores serão suas chances de sucesso".

Essa percepção também tem o efeito de inverter outros princípios Fochianos, como a segurança, que, historicamente, foi pensada em termos de vanguardas e outras forças de proteção destinadas para 1) evitar surpresas e 2) preservar a liberdade de ação pelo maior tempo possível, ou seja, mantendo a liberdade de decidir quando, onde e como engajar a força principal. Agora, segurança significa não parar e até mesmo se misturar com o inimigo (imbricação). Além disso, na ausência de polaridade, de frente e de retaguarda, a segurança passa a estar na iniciativa e em ter o melhor entendimento da situação. “É compreensão, inteligência e conhecimento, muito mais do que poder, a origem da liberdade de ação.”

Toda guerra é assimétrica


Os argumentos de Hubin sobre economia de forças o levam a uma ideia poderosa, que, como veremos, dá a ele uma vantagem em relação às operações de múltiplos domínios: a estratégia no tipo de guerra convencional que Hubin imagina é semelhante à estratégia necessária para travar operações de guerra assimétrica, particularmente como Beaufre descreveu. Beaufre havia escrito que, na guerra assimétrica, o insurgente precisa entender que uma “decisão” não pode ser buscada na batalha - onde qualquer concentração de meios é o suicídio - mas sim por meio de uma “manobra externa”. Isso significa, por exemplo, formar a opinião pública no exterior ou, em geral, usar quaisquer alavancas de poder que alguém possa ter à disposição, exceto a força militar, para limitar a liberdade de ação do adversário e obter uma vantagem. Não se deve focar na luta tática - onde o objetivo é simplesmente aguentar - mas sim focar no nível estratégico. Isso significa, para o comandante assimétrico, "nenhuma manobra axial, nenhuma flecha no mapa e nenhuma massa para dissimular, mas, pelo contrário, uma manobra isotrópica relativa a toda a zona de ação." Mais importante, também significa que toda a campanha militar está subordinada a manobras não-militares, como guerra de informação, guerra psicológica e toda a panóplia de coisas que se faz para restringir a liberdade de ação dos adversários. Correspondentemente, é aqui que o contra-insurgente, aquele que busca derrotar uma campanha assimétrica, também precisa se concentrar.

Hubin está argumentando que a descrição acima de uma estratégia assimétrica correta corresponde à sua descrição de como as futuras batalhas convencionais serão travadas. Isso implica que, em vez de buscar decisões no campo de batalha, os futuros comandantes terão que se concentrar no nível estratégico, onde o combate pode, na melhor das hipóteses, complementar o exercício de uma ampla gama de atividades não-combatentes e não-militares. Hubin agora está de volta a um terreno familiar com respeito às visões militares francesas em duas coisas: a estrita subordinação da força militar às prioridades civis e agendas políticas ditadas por civis, e a visão, enraizada na doutrina de contra-insurgência colonial francesa e argumentada vigorosamente por Beaufre no que diz respeito ao conflito de grande potência, que o combate seja considerado apenas uma parte de uma "abordagem global" ou "estratégia total". Raramente se pode abrir caminho atirar para a vitória simplesmente atirando na maioria dos conflitos modernos, especialmente caso se deseje evitar a Terceira Guerra Mundial ou o Armagedom nuclear.

O salto da Legião Estrangeira em Timbuctu


Os americanos dirão que também acreditam nessas coisas. Eles também leram Clausewitz. Ainda assim, a literatura sobre operações multi-domínio (para não mencionar o histórico dos militares americanos em conflitos recentes) trai uma tendência das forças armadas americanas voltarem a pensar nas “manobras” de não-combate, que fazem parte da guerra total ou híbrida que os pensadores de operações multi-domínio identificam com os russos e chineses, como secundária à atividade militar e, em última instância, subordinada a ela. De acordo com o principal estudioso de estratégia militar da França, Hervé Coutau-Bégarie, líderes militares americanos, são culpados de um "culto à força decisiva", o qual resulta em "uma reticência, senão uma incapacidade, para compreender a subserviência das operações para fins políticos.” Na verdade, o Comando de Treinamento e Doutrina 525-3-1 identifica como um grande desafio a ameaça representada pela guerra política e de informação russa e, por exemplo, a ambição da Rússia de usar a guerra de informação para minar a solidariedade política entre os aliados da OTAN, mas sugere que o Exército pode lidar com o problema de alguma forma por meio de fogos e ações políticas próprias empreendidas por forças de operações especiais, como se os Boinas Verdes ou oficiais de operações psicológicas do Exército pudessem de alguma forma moldar a opinião pública europeia na forma como operariam na província de Anbar, no Iraque. Não há sugestão de que talvez o Exército precise se subordinar a uma estratégia determinada e administrada por civis, na qual sua própria contribuição na forma de forças terrestres e fogos associados sejam apenas um meio entre muitos para um amplo fim político. Também há surpreendentemente pouca atenção na literatura de operações múlti-domínio aos limites da guerra com grandes potências que as armas nucleares implicam. Para Beaufre, essa era a questão: não se pode lutar contra os soviéticos diretamente por causa do risco de uma guerra nuclear, então toda estratégia deve ser “indireta” ou “total” no sentido de relegar a ação militar a um papel limitado.

Lições para aprender

General Bernard Barrera e guarda-costas no Mali, 2013.

Hubin errou algumas coisas. Ele estava excessivamente otimista com relação à taxa na qual a tecnologia iria evoluir e mudar a guerra e, em particular, ele superestimou o grau de visibilidade que os comandantes teriam, especialmente das localizações e movimentos das forças “vermelhas”. Assim, o General Bernard Barrera, o comandante inicial da intervenção francesa no Mali em 2013, poderia lamentar a “névoa da guerra” em suas memórias da campanha, apesar da tecnologia avançada à sua disposição. No entanto, Hubin acredita que os eventos na Líbia, Nagorno-Karabakh, Síria e Ucrânia em grande parte validaram seus argumentos sobre os efeitos das novas tecnologias. A verdadeira questão, pergunta Hubin, é se os exércitos farão ou não o que ele acredita ser necessário, que é abandonar as estruturas de força homotéticas herdadas de séculos de prática. A isso se deve acrescentar a questão de se o estabelecimento de defesa americano pode aprender, finalmente, a pensar mais assimetricamente com respeito ao papel adequado e limitado da força em relação aos meios não-militares de impor sua vontade aos adversários.

Michael Shurkin é cientista política sênior da RAND Corporation, organização sem fins lucrativos e apartidária.

Bibliografia recomendada:

Opération Serval: Notes de guerre, Mali 2013.
General Barrera.

Leitura recomendada: