Mostrando postagens com marcador Legionários. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Legionários. Mostrar todas as postagens

domingo, 17 de outubro de 2021

FOTO: Desfile do 5e REI em Hanói

Desfile do 5e REI no Dia da Bastilha em Hanói, 14 de julho de 1954.

Ao longo do Pétit lac (Lago Pequeno), os soldados do 5e Régiment Étrangèr d'Infanterie (5e REI), vestindo o quepe branco dos legionários, desfilaram no Dia da Bastilha, em Hanói, Vietnã, em 14 de julho de 1954.

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

PERFIL: General Caillaud, o Soldado do Incomum

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 26 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de outubro de 2021.

“Soldado do Incomum”, o General Robert Caillaud deu seu nome à 207ª turma da ESM Saint-Cyr.

Quer seja para cadetes oficiais como para cadetes suboficiais, o baptismo de promoção é sempre um momento especial, pois constitui um forte sinal de identidade e pertencimento.

Além disso, a escolha do “patrocinador” é decisiva. E aconteceu que foi passível de cautela, pois em novembro de 2018, quando o Chefe do Estado-Maior do Exército, que era o General Jean-Pierre Bosser, decidiu “rebatizar” a promoção “General Loustanau-Lacau” da Escola Militar Especial (École spéciale militaireESM), por causa das simpatias políticas que manifestou na década de 1930.

Durante o Triunfo 2021 da Academia Militar de Saint-Cyr Coëtquidan, organizado no dia 24 de julho, a 60ª promoção da Escola Militar de Armas Combinadas (École militaire interarmesEMIA) deu-se como padrinho o General Jean-Baptiste Eblé, que se destacou durante as guerras da Revolução e do 1º Império.

Já a 207ª turma da ESM fez uma escolha mais contemporânea, com o General Robert Caillaud. E tendo em vista o registro de serviço deste último, questiona-se por que seu nome não foi escolhido anteriormente...

Saint-cyrien da promoção Charles de Foucauld (1941-42), e quando ele tinha acabado de obter sua "ficelle" como segundo-tenente, Robert Caillaud retornou à sua Auvergne natal e se juntou à Resistência. Assim, dentro de seus maquis, participou das lutas pela Libertação, inclusive da ponte Decize, que culminou com a rendição da coluna do General Botho Elster.

A “Divisão Auvergne” estando integrada no 1º Exército do General de Lattre de Tassigny, o jovem oficial participou nas campanhas da Alsácia e da Alemanha, durante as quais, segundo a Federação das Sociedades de Veteranos da Legião Estrangeira (Fédération des sociétés d’anciens de la Légion étrangèreFSALE) , ele mostrou um "gosto definitivo por soluções originais" que marcariam o resto de sua carreira. Um deles terá sido formar uma seção de reconhecimento em profundidade com Jipes.

A Legião Estrangeira precisamente... Promovido a tenente no final da guerra e contando três citações em sua Croix de Guerre, Robert Caillaud decidiu ingressar em suas fileiras. Depois de um curto período em Sidi Bel Abbès, na Argélia, foi designado para o 2º Regimento Estrangeiro de Infantaria (2e Régiment Étranger d’Infanterie, 2e REI), com o qual desembarcou em Saigon. Durante dois anos, distinguir-se-á pelas qualidades militares mas também pela capacidade de pensar fora da caixa, criando, por exemplo, um pelotão a cavalo. Isso fará com que ele ganhe mais quatro citações e a Legião de Honra, aos 27 anos.

Retornando à Argélia em 1948, o oficial recebeu a missão de formar a 1ª companhia do 2 ° Batalhão Estrangeiro de Paraquedistas (2e Bataillon Étranger de Parachutistes, 2e BEP). Em seguida, ele voltou para a Indochina com sua nova unidade em fevereiro do ano seguinte. Em dezembro de 1949, à frente da 1ª companhia, saltou, à noite e em condições difíceis, sobre a guarnição de Tra Vinh, então cercada por três regimentos Viet-Minh. Ao custo de três mortos entre os legionários, o ataque inimigo será repelido.

Durante esta segunda estadia na Indochina, o Capitão Caillaud foi ferido duas vezes. Em 1954, e depois de ter comandado o 3e BEP, regressou ao Extremo Oriente. Lá, ele se ofereceu para fazer parte da equipe do grupo aerotransportado do Coronel Langlais em Dien Bien Phu. Ao lado do Comandante Marcel Bigeard, ele organizou os contra-ataques. O resto é conhecido: o campo entrincheirado francês acaba caindo. Então começou um longo período de cativeiro nos campos do Viet-Minh. “Sua conduta no cativeiro no Campo nº 1 será exemplar, marcada por seu apoio aos mais fracos e sua recusa em se comprometer com o adversário”, disse Jean-Pierre Simon, seu biógrafo.

Le Général Caillaud: Soldat de l'insolite.
Jean-Pierre Simon.

Depois de libertado, o oficial foi designado para o 2e REP, tendo participado em inúmeras operações na Argélia. Ele ganha três novas citações. Retirado dos eventos de Argel (golpe dos generais em abril de 1961) devido ao seu destacamento para o estado-maior das Tropas Aerotransportadas (Troupes Aéroportées, TAP), foi nomeado oficial de ligação e instrutor paraquedista na Alemanha.

Depois, em maio de 1963, promovido a tenente-coronel, passou a comandante do 2e REP, então instalado em Bou-Sfer, a fim de garantir a segurança da base de Mers-el-Kébir. Começou então a “Revolução Caillaud”, que vai dar a cara que esta unidade tem hoje. “Ele é o principal ator na corrida pela inovação do regimento e pela especialização das seções que permite às companhias cumprirem de imediato as mais diversas missões”, escreve a FSALE.

“Nunca, talvez, Robert Caillaud tenha sentido a que ponto semeou tão abundantemente. Nunca, sem dúvida, ele foi capaz de testar, inventar, criar, exigir e receber tanto desta valiosa tropa, que soube fazer vibrar. Sempre carregou consigo esta pedra que queria cortar e esculpir à medida do que era, pedra angular de toda uma vida, obra magistral que deixamos em vestígios indeléveis”, abunda Jean-Pierre Simon.

Depois de uma (breve) passagem no estado-maior das Forças Aliadas na Europa Central e, em seguida, no Gabinete de Tropas Aerotransportadas e Anfíbias do Departamento Técnico de Armas, o Coronel Caillaud assumiu o comando da Escola de Tropas Aerotransportadas (ETAP) em 1972. Lá, ele passou seu brevê de salto operacional de alta altitude. Ele tinha então 52 anos (o que o tornará o mais velho dos saltadores operacionais). Promovido a general três anos depois, assumiu as rédeas da 1ª Brigada de Paraquedistas (1ere Brigade parachutiste, 1ere BP), antes de encerrar a carreira militar no estado-maior da 11ª Divisão Paraquedista (11e Division Parachutiste, 11e DP) em 1978.

O General Caillaud faleceu em 1995. Foi Grande Oficial da Legião de Honra, titular da Croix de Guerre 1939-1945 com três citações, da Croix de Guerre des T.O.E. com oito citações incluindo três na ordem do exército, a Cruz Militar do Valor com três citações incluindo duas para a ordem do exército.

terça-feira, 5 de outubro de 2021

Foram inaugurados bustos do Tenente-Coronel Amilakvari para o 13º DBLE e a Academia Militar de Saint-Cyr Coëtquidan

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de outubro de 2021.

Por ocasião do centenário do reconhecimento da Geórgia pela França, foi celebrado no domingo (26/09) uma homenagem a uma das grandes figuras da Legião Estrangeira Francesa: este é o Tenente-Coronel Dimitri Amilakvari (1906-1942).

Companheiro da Libertação, herói da Batalha de Bir-Hakeim, ele morreu em combate durante a Batalha de El-Alamein enquanto servia na 13ª Meia-Brigada da Legião Estrangeira (13e Demi-Brigade de la Légion Étrangère, 13e DBLE); sendo celebrado como um dos grandes heróis da Legião. Nobre fugido da Geórgia diante da invasão soviética de 1921, a família Amilakhvari fugiu para Istambul, onde Dimitri frequentou uma escola britânica local e, mais tarde, em 1922, emigrou para a França.

Em 1924, Dimitri Amilakhvari ingressou na École Spéciale Militaire de Saint-Cyr e foi comissionado como segundo-tenente após sua graduação em 1926. Ao mesmo tempo, foi destacado para a Legião Estrangeira Francesa e promovido a tenente em 1926. Mais tarde serviu no norte da África francesa e participou de todas as operações importantes no sul de Marrocos de 1932 a 1933. De 1934 a 1939, foi chefe da escola militar francesa em Agadir, sendo promovido a capitão em 1937. Após a sua naturalização como francês cidadão, ele se casou com outro membro da nobreza georgiana exilada, a princesa Irina, nascida Dadiani (1904–1944) em agosto de 1927.Com sua esposa, Amilakhvari teve três filhos, filhos Georges e Othar, e filha Thamar Amilakhvar, todos os quais se casaram e tiveram filhos. Durante seu serviço na França, a grafia de seu sobrenome foi modificada, eliminando-se o "h" para "afrancesá-la".

Uniforme de clima europeu da Legião Estrangeira em 1940 e bandeira italiana capturada na Eritréia.

Durante a "Drôle de Guerre", o período de entre a declaração de guerra e a invasão alemã da França, Amilakvari estava servindo em Argel, no norte da África, mas na primavera de 1940 ele se juntou à força expedicionária francesa destinada à campanha norueguesa com a recém-criada 13e DBLE, especializada em guerra de montanha invernal. Ele lutou em Narvik, primeira vitória aliada contra os nazistas, e foi então evacuado para o Reino Unido, onde se juntou às Forças Francesas Livres. Em seguida, participou das campanhas fratricidas contra as forças francesas de Vichy na África Ocidental, em Dakar (no Senegal), e na África Equatorial, no Camarões. Em um registro notável de serviço, seu serviço de guerra em 1940 o levou da África ao Círculo Polar Ártico e de volta, até o Equador, tudo no espaço de alguns meses.

Bandeira do Reino da Itália capturada. 

A jogada seguinte de Amilakvari o levou a meio caminho do continente para a Eritreia, na África Oriental, para se juntar à Campanha da África Oriental contra a Itália fascista no início de 1941, mas no verão ele estava em movimento novamente, para participar de outra campanha contra a França de Vichy, com a 13e DBLE enfrentando a co-irmã da Legião Estrangeira Francesa, o 6e REI, na Síria. Este seria o mais perto que ele chegaria da terra onde nasceu. Amilakvari então assumiu o comando da 13ª Meia-Brigada da Legião Estrangeira em 6 de setembro de 1941.

Bandeira do 6e REI, leal a Vichy, capturada na Síria em 1941.
Dimitri Amilakhvari na Líbia, 1942.
Ele porta a medalha Compagnon de la Libération.

Em 1942, Amilakvari estava de volta ao Norte da África, enfrentando as forças alemãs e italianas na Líbia como parte da Campanha do Norte da África. Durante a épica luta em Bir-Hakeim, ele escreveu em janeiro:

"Nós, estrangeiros, só temos uma maneira de provar à França nossa gratidão: ser morto..." 

Mesmo assim, ele sobreviveu e em junho foi feito Companheiro da Libertação, uma condecoração abaixo apenas para a Légion d'honneur. Em 1942, ele também foi premiado com o Krigskorset med Sverd ou Cruz de Guerra Norueguesa com Espada por seu serviço anterior na Noruega. Esta é a mais alta condecoração militar da Noruega por galanteria e ele foi um dos apenas 66 franceses a receberem esta condecoração durante a Segunda Guerra Mundial.

Em outubro de 1942, os Aliados começaram a ofensiva final no Norte da África com a Segunda Batalha de El-Alamein. Esta batalha levou as forças aliadas através da Líbia e no norte da África francesa, onde Amilakhvari havia iniciado seu serviço operacional. No entanto, Amilakhvari não viveu para completar sua grande odisséia africana, pois foi morto em ação no segundo dia de batalha quando um estilhaço lhe atingiu na cabeça. Uma das suas excentricidades era permanecer em combate com o quepe, nunca usando o capacete, liderando a tropa sempre à frente.

Em maio de 1940, Amilakvari foi condecorado como Cavaleiro da Legião de Honra (Légion d'honneur). Mais tarde, o general Charles De Gaulle nomeou ele e seus legionários o "Orgulho da França" por sua defesa heróica em Bir Hakeim.

Nascido em Bazorkino, seu apelido era Bazorka. Segundo o legionário brasileiro Raul Soares da Silveira, que serviu sob Amilakvari em Bir Hakeim e que também foi ferido em El-Alamein, sua morte foi a mais lamentada após a batalha.

"O Coronel Amilakvari, acreditando num retorno em massa do inimigo e julgando a posição ocupada por suas forças extremamente desfavorável, decidiu recuar para o leste, sob a proteção de um pelotão de carros-de-combate e de uma formação de blindados, cuja ação tinha sido particularmente eficaz.

A retirada deu-se pelo caminho aberto na véspera no campo de minas, desta vez em condições difíceis, sob inteiro e mortífero bombardeio, pleno dia e com as baterias inimigas em posições privilegiadas.

Pouco depois dessa travessia, o Coronel Amilakvari recebeu ferimento mortal. Estenderam-no sobre a cobertura de um carro-de-combate, aguardando a chegada da ambulância, mas não resistiu aos graves ferimentos. Sua morte foi uma perda irreparável e muito sentida por todos os legionários. Era um comandante muito querido e respeitado por todos pela sua dignidade, competência e valentia."

- Raul Soares da Silveira, Tempos de Inquietude e de Sonho, pg. 172.

Quadro do retrato do Ten-Cel Dimitri Amilakvari no Museu da Legião Estrangeira em Aubagne.

A homenagem a Dimitri Amilakvari aconteceu nos jardins da Ordem Nacional da Libertação; foi desvelado um busto do líder do 13e DBLE em bronze, feito pelo artista Guram Nikoladze. O escultor do busto do tenente-coronel Amilakvari também está ligado à França. Seu avô, Jacob Nikoladzé, também escultor, foi um aluno estimado do escultor francês Rodin. Guram Nikoladzé, nascido na Geórgia em 1954, começou a modelar o busto de Dimitri Amilakvari há vários anos. O molde de bronze foi feito na Geórgia.

Três exemplares exclusivos foram produzidos. Serão entregues ao museu da 13e DBLE e ao museu da Academia Militar Saint-Cyr Coëtquidan (escola onde se formou como oficial). Um terceiro exemplar será entregue a uma instituição militar na Geórgia.

O busto foi apresentado na presença do General BURKHARD, o novo CEMA (chefe das FAs francesas).



Bibliografia recomendada:

Tempos de Inquietude e de Sonho.
Raul Soares da Silveira.

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

Um destacamento da Legião Estrangeira integrado em um batalhão australiano para o Exercício Adaga de Diamante


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 30 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de agosto de 2021.

As oportunidades de treinar juntas para as forças terrestres francesas e australianas, que estabeleceram seus vínculos durante a Primeira Guerra Mundial, são bastante raras... Além disso, a chegada de um destacamento da Legião Estrangeira no “Quartel Gallipoli”, perto de Brisbane, é um evento pequeno em si.

De fato, de acordo com o Ministério da Defesa australiano, 28 legionários - a priori do 2º Regimento de Paraquedistas Estrangeiro (2e Régimento Étranger de Parachutiste, 2e REP), a julgar pelo distintivo da boina - participarão das manobras "Diamond Dagger" (Adaga de Diamante), após ingressarem na companhia "Alpha" do 6º Batalhão do Regimento Real Australiano (6th Battalion, Royal Australian Regiment, 6 RAR), subordinado à 7ª Brigada do Exército Australiano.




Os legionários franceses vieram da Nova Caledônia, onde foram enviados em uma missão de curto prazo (mission de courte durée, MCD) dentro do RIMaP-NC [Régiment d’infanterie de marine du Pacifique – Nouvelle-Calédonie/Regimento de Infantaria da Marinha do Pacífico - Nova Caledônia].

Depois de serem colocados em quarentena ao chegarem na Austrália (a pandemia da covid-19 exige), os legionários começaram a se familiarizar com o equipamento e os procedimentos da Alpha Company. Então, eles chegarão ao cerne da questão com o início das manobras Diamond Dagger, que devem durar várias semanas.

 “O objetivo é ver como operam os soldados da Alpha Company do 6 RAR, mostrar-lhes nossas habilidades e trabalhar juntos para melhorar”, disse o Capitão Paul, que comanda o destacamento francês. Para os legionários, a Diamon Dagger também será uma oportunidade de vivenciar o mato australiano, um ambiente ao qual eles não estão acostumados.

“Eles são jovens, são enérgicos, estão motivados, querem estar aqui, têm o mesmo entusiasmo por estar na Austrália que teríamos se tivéssemos a oportunidade de ir para a França ou Nova Caledônia”, comentou o Tenente-Coronel Richard Niessel, comandante do 6 RAR.

“O mais importante é fortalecermos nossas relações com as forças armadas francesas, construirmos laços mais fortes, desenvolvermos nossa interoperabilidade e aprendermos uns com os outros”, continuou o oficial australiano. "Fortalecer o vínculo entre nossas duas nações é vital porque quando precisarmos trabalhar juntos no futuro, as bases já estarão estabelecidas", acrescentou.

Bibliografia recomendada:

French Foreign Legion Paratroops.
Martin Windrow & Wayne Braby, e Kevin Lyles.

Leitura recomendada:

Exercícios militares conjuntos do Japão, EUA e França estão marcados para Kyushu em maio, 30 de abril de 2021.

A experiência australiana de contra-insurgência no Vietnã 1966-1971, 26 de julho de 2021.

Os voluntários latino-americanos no Exército Francês durante a Primeira Guerra Mundial, 27 de agosto de 2021.

O Exército Francês empregou o Sistema de Informação de Combate Scorpion em operação pela primeira vez, 31 de julho de 2021.





GALERIA: Acantonamento de repouso do RMLE em Aube

Granadeiros do RMLE praticam o lançamento de granadas-de-mão no acampamento de Dampierre, julho de 1917.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de agosto de 2021.

Imagens do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira (Régiment de Marche de la Legion, RMLE) em descanso e recuperação  em Dampierre, no departamento de Aube, na região de Champagne-Ardennes, em julho de 1917. O RMLE, recém condecorado com a Médaille Militaire, desfilaria orgulhosamente no Champs Élysées no 14 de julho.

A matéria foi fotografada por Winckelsen Charles para o ECPAD e contém:
  1. Os quartos de descanso do RMLE em Dampierre, em Aube.
  2. Exercícios de lançamento de granadas de mão;
  3. Uma equipe de metralhadores atrás de sua peça;
  4. Uma seção de granadeiros em treinamento;
  5. O Tenente-Coronel Rollet, comandante do regimento, e seu estado-maior.


Legionários do RMLE durante uma sessão de esportes e recreação no campo de Dampierre.

Pausa para o almoço ("déjeuner").

Em março de 1917, os alemães retraíram para um grande saliente entre Arras e Soissons, e a fatídica Ofensiva Nivelle de abril caiu sobre essas novas defesas recém preparadas da Linha Siegfried (Siegfriedstellung, o nome alemão para a Linha Hindenburg). Na manhã de 17 de abril, o RMLE atacou as ruínas de Auberive no Vale de Suippes durante a Batalha de Moronvilliers, no flanco direito da ofensiva do Chemin des Dames.

Assaltos em 1917 eram sofisticados, com intensa e detalhada preparação de artilharia, cada batalhão possuindo uma companhia de metralhadoras e cada pelotão tendo dois grupos de combate com equipes de metralhadoras leves portáteis e granadeiros. Os homens eram treinados em táticas de pequenas unidades  que coordenavam o fogo e movimento com equipes interdependentes se cobrindo mutuamente, formando grupos de fuzileiros-granadeiros (Grenadier-voltigeur/Granadeiro-volteador), granadeiros de mão, fuzileiros-metralhadores armados com o FM Chauchat e dois municiadores. Eles abririam brechas nas linhas inimigas, isolando posições duras e infiltrando as companhias o mais profundamente possível na retaguarda inimiga.

Agarrando-se de cratera em cratera através de lama profunda por três dias e três noites, os legionários tomaram linha de trincheiras principal em Auberive, e o combate continuou até 22 de abril; o regimento usou 50.000 granadas nestes cinco dias de combate. O lendário Adjudant-Chef Mader, alemão, foi condecorado com a Legião de Honra por ter atacado e repelido a maior parte de uma companhia de infantaria saxônica e ter tomado uma bateria de seis peças de artilharia, comandando apenas dez legionários em combate corpo-a-corpo.

Uma equipe de metralhadores do RMLE treinando em torno de sua arma, uma metralhadora Hotchkiss.

Grenadier-voltigeurs do Régiment de Marche da Legião Estrangeira (RMLE) em treinamento no campo de Dampierre. Um deles está prestes a disparar uma granada V.B (Vivien-Bessière) usando o lança-granadas "tromblom" (bacamarte) montado em seu fuzil Lebel modelo 1886/93.

Os franceses pretendiam um ataque estrategicamente decisivo ao romper as defesas alemãs na frente de Aisne em 48 horas, com baixas estimadas em cerca de 10.000 homens. Um ataque preliminar seria feito pelo Terceiro Exército francês em St. Quentin e pelos britânicos em Arras, para capturar terreno elevado e desviar as reservas alemãs das frentes francesas em Aisne e em Champagne (esta incluindo o Corpo Expedicionário Russo). A ofensiva principal seria lançada pelos franceses no cume do Chemin des Dames, com um ataque subsidiário do Quarto Exército. O estágio final da ofensiva era seguir o encontro dos exércitos britânico e francês, tendo rompido as linhas alemãs, e então a perseguição dos exércitos alemães derrotados em direção à fronteira alemã. Em abril de 1917, os planos eram bem conhecidos do Exército Imperial Alemão, que fez extensos preparativos defensivos, adicionando fortificações à frente do Aisne e reforçando o 7º Exército (General der Infanterie Max von Boehn) com divisões liberadas pelo retraimento para a Linha Siegried/Hindenburg na Operação Alberich, de fevereiro a março de 1917.

Tanto Siegried quanto Alberich sendo personagens da Saga dos Nibelungos (Das Nibelungenlied), um poema épico medieval alemão. Sua representação mais famosa é a ópera O Anél do Nibelungo (Der Ring des Nibelungen) do compositor alemão Richard Wagner.

Os ataques franco-britânicos foram taticamente bem-sucedidos; o Terceiro Exército francês do Grupo de Exércitos do Norte (Groupe d'armées du NordGAN) capturou as defesas alemãs a oeste da Linha Hindenburg perto de St. Quentin de 1 a 4 de abril, antes que novos ataques fossem repelidos. A principal ofensiva francesa no Aisne começou em 16 de abril e também alcançou considerável sucesso tático, mas a tentativa de forçar uma batalha estrategicamente decisiva contra os alemães foi um fracasso caro e em 25 de abril a ofensiva principal foi suspensa. O fracasso da estratégia do General Nivelle e o alto número de baixas francesas levaram a motins (com as unidades decididas a defenderem suas posições, mas se recusando a executar novos ataques) e à demissão de Nivelle, sua substituição por Pétain e a adoção de uma estratégia defensiva pelos franceses, enquanto seus exércitos se recuperavam e eram rearmados.

Lavando roupa suja.

Durante seus exercícios, os legionários do RMLE montaram seu ponto de abastecimento no centro de um curral na região de Dampierre. Podemos ver ao fundo a cozinha móvel dos legionários.

Banda de música do RMLE.

O Tenente-Coronel Rollet, comandando o Regimento de Marcha da Legião Estrangeira (RMLE), cercado por seu estado-maior. À direita, o capelão católico Gas condecorado com a Legião de Honra e a Croix de Guerre.

O RMLE foi mandado para Mailly, na Champanha, para descanso e recuperação em maio. No dia 30, o comando passou do Ten-Cel Duriez para o lendário Tenente-Coronel Paul Rollet, um veterano das companhias montadas no Norte da África, que viveria para se tornar o primeiro Inspetor-Geral da Legião Estrangeira, e reverenciado por todos como "O Pai da Legião". No Dia da Bastilha, 14 de julho de 1917, Rollet liderou uma guarda-de-honra em Paris, onde o presidente Raymond Poincaré condecorou a bandeira do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira com a fourragère (cordão) da Médaille Militaire. Na época esta honraria era única; concedida principalmente pelo desempenho em combate do RMLE, mas também em parte em gratidão pela lealdade inabalável demonstrado pelos legionários em um momento onde unidades francesas se amotinaram.

Em 20 a 21 de agosto de 1917, em Cumières na frente de Verdun, o RMLE assinalou um sucesso notável ao avançar bem à frente do cronograma, resistiu a contra-ataques e pesada estrafagem aérea no terreno conquistado, e então aproveitaram o sucesso passando novamente para a ofensiva em um curto prazo tomando a Cota 265. Os legionários mantiveram a posição até serem substituídos em de setembro, tomando 680 prisioneiros e 14 peças de artilharia pela perda de 53 mortos e 271 feridos ou desaparecidos - baixas leves para o padrão da Frente Ocidental.

O General Philippe Pétain passou o regimento em revista enquanto este descansava nas cercanias de Vaucouleurs em 27 de setembro. Ele disse ao RMLE que por sua sexta citação ele teve que inventar uma nova condecoração para eles - a fourragère vermelha da Légion d'Honneur (Legião de Honra). - em reconhecimento à sua conduta em Verdun. Pétain anunciou estar feliz em continuar criando novas condecorações para os legionários enquanto eles continuassem vencendo batalhas. O cordão vermelho foi oficialmente usado a partir de 3 novembro de 1917.

Guarda-de-honra do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira desfilando em Paris no 14 de julho de 1917, o Dia da Bastilha.
O oficial de uniforme claro é ninguém menos que o Tenente-Coronel Paul Rollet, "O Pai da Legião", e o porta-bandeira à esquerda é o Ajudante-Chefe Max Mader, o praça mais condecorado da Legião.

Os registros da Legião mostram que 42.883 homens serviram na Frente Ocidental nos Regimentos de Marcha do 1er RE e 2e RE e no RMLE entre 1914 e novembro de 1918, sendo 6.239 franceses e 36.644 estrangeiros (de uma centena de países). Destes, 5.172 morreram em combate e 25 mil feridos e desaparecidos (esta última categoria escondendo ainda mais mortos em ação); dos oficiais, 115 morreram em combate e cerca de 500 foram feridos. Estas baixas representam 70% do efetivo total empregado na Frente Ocidental.

Em novembro de 1918, o Regimento de Marcha da Legião Estrangeira era o segundo regimento mais condecorado do Exército Francês.

Bibliografia recomendada:

French Foreign Legion 1914-45.
Martin Windrow e Mike Chappell.

La Légion Étrangère au combat 1914-1918.

Leitura recomendada:



sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Os voluntários latino-americanos no Exército Francês durante a Primeira Guerra Mundial


Por Michaël Bourlet, Révue Historique des Armées, 2009.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de agosto de 2021.

Extrato da edição 255 "Les étrangers dans l'armée française" (Os estrangeiros no Exército Francês), ano de 2009, pg. 68-78.

“A Trincheira, 11 de fevereiro de 1916. Para quem tem algum matiz de letras, diverte-nos falar dos Trogloditas, embora, para falar a verdade, saibamos pouco sobre os costumes desses ancestrais. Os que não são solteiros não comparam a trincheira a nada: talvez, como são em sua maioria camponeses, lhes pareça um sulco mais profundo, em que Deus sabe qual semeador lança homens em vez de trigo. Somos informados de que há outros homens por perto que estão vestidos de cinza e não de azul. Nós nunca os vemos. As lacunas nos mostram um hectare de grama sem rebanho e uma linha de terra atrás de um arame. O que isso importa para nós? O que nos preocupa é organizar nossa vida."

- José Garcia Calderón, Diaro intimo, 12 de setiembre 1914 - 3 de mayo, 1916.[1]

Essas linhas magníficas são as de um peruano, José Garcia Calderón, apaixonado pela França. Como em 1870, muitos estrangeiros já no território ou outros de toda a Europa e América ingressaram no Exército Francês em 1914. Até o fim da guerra, serão incorporados, com motivações diversas, italianos, russos, gregos, belgas, suíços, espanhóis em grande número, um contingente albanês (Essad Pasha), um batalhão montenegrino, um exército polonês, caçadores tchecoslovacos, uma legião russa, um regimento estrangeiro de marcha no Oriente (composto por voluntários do Império Otomano da Ásia Menor não-muçulmanos), etc.[2]

Entre todos esses estrangeiros, algumas centenas de latino-americanos escolhem a França; é na qualidade de voluntários que lutam e, para alguns, morrem por ela. Por que estão fazendo essa escolha, se a América Latina, desde a Terra do Fogo no sul até o Rio Grande no norte, foi pouco afetada pela Primeira Guerra Mundial? De fato, a distância geográfica, o alinhamento com a diplomacia dos Estados Unidos ou as ameaças de tensões internas entre as comunidades europeias desses países ajudam a explicar a relativa marginalização da América Latina em uma guerra europeia que não ameaça diretamente o subcontinente.[3] Os combates se limitam às batalhas navais de Coronel, ao largo do Chile, em 1º de novembro de 1914 e das Malvinas, ao largo da Argentina, em 8 de dezembro de 1914. Por fim, a participação da América Latina se reduz à intervenção armada do Brasil que resulta em patrulhas navais no Atlântico Sul e no envio de alguns soldados para a Europa.[4]

Tropas francesas sob bombardeio de artilharia em Verdun, 1916.

O objetivo deste artigo é, por um lado, analisar as razões que levaram o voluntário latino-americano a se engajar e, em seguida, definir os diferentes tipos de combatentes e, por outro lado, colocar em perspectiva sua participação nos combates e o eco que se seguirá através do Atlântico e na Europa após a guerra. Os arquivos de carreira de oficiais e os arquivos coletivos do Serviço Histórico de Defesa (Service historique de la DéfenseSHD) no Château de Vincennes representam uma fonte valiosa a esse respeito. Além disso, um corpus composto por 64 nomes de voluntários latino-americanos que morreram pela França pôde ser compilado baseando-se, em particular, no arquivo dos mortos pela França no site Mémoire des hommes.[5] O local de nascimento e o engajamento como voluntário na Legião Estrangeira são os principais critérios que permitiram identificar os voluntários latino-americanos e constituir uma base de dados, que não pretende ser exaustiva. Existem poucos estudos e trabalhos sobre a Primeira Guerra Mundial e a América Latina.[6]

O combatente latino-americano: uma tentativa de definição

Na história da América Latina no século XX, a Primeira Guerra Mundial aparece como um episódio marginal. No entanto, várias centenas de latino-americanos se alistaram e lutaram nos exércitos europeus entre 1914 e 1919. Apenas o caso francês será mantido aqui, porque outros latino-americanos também lutaram nas fileiras dos exércitos alemães, austro-húngaros ou otomanos. O exemplo mais conhecido é o de Rafaël de Nogales Mendez (1879-1936), venezuelano, servindo no Exército Otomano com a patente de coronel (Bey).[7] Esses combatentes deixaram poucos testemunhos, mas algumas memórias foram publicadas e estudadas por historiadores.[8] Como se definem e quais os motivos que os levam a servir às armas da “Grande Nation”?

Multidão lendo os cartazes de mobilização geral em Paris, 2 de agosto de 1914.

Desde a declaração de guerra à França pela Alemanha em 3 de agosto de 1914 até a assinatura do tratado de paz no Palácio de Versalhes em 28 de junho de 1919, quantos exatamente integram o Exército Francês? Sobre este primeiro ponto, é difícil obter uma estimativa muito precisa, pois faltam as fontes. Em 1º de janeiro de 1915, a imprensa estimou oficialmente o número de estrangeiros no Exército Francês em 11.854, incluindo duzentos “norte-americanos e sul-americanos”.[9] Infelizmente, essa estimativa refere-se apenas à última metade de 1914 e provavelmente subestima o número de Voluntários latino-americanos. Assim, 53% dos indivíduos que compõem o corpus de 64 voluntários latino-americanos que morreram pela França se  engajaram naquele ano. A parcela dos engajados voluntários mortos em combate para 15% no ano de 1915 e, em média, para 4,5% ao ano até o final da guerra. Eles seriam 383 servindo na Legião Estrangeira, mas as estatísticas por nacionalidade fornecidas na história do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira são insuficientes, uma vez que não incluem os homens engajados no Exército Francês fora da Legião Estrangeira.[10] Historiadores dependem fortemente do relatório sobre as perdas de mortos e feridos de nações beligerantes elaborado pelo deputado do Somme Henri Deslyons de Feuchin (1868-1950) em 1924. Dos 29.935 voluntários estrangeiros alistados no Exército Francês, há 650 latino-americanos, ou pouco mais de 2%.[11] Embora os números difiram de uma fonte para outra, em comparação com os contingentes italiano, russo, belga ou grego compostos por vários milhares de voluntários, os latino-americanos do Exército Francês durante este período estavam em minoria.

Quais nacionalidades estão representadas? Neste segundo ponto, as fontes também são poucas e distantes entre si. O relatório Deslyons de Feuchin menciona oito nacionalidades (argentinos, brasileiros, mexicanos, cubanos, chilenos, antilhanos, peruanos e venezuelanos), enquanto a Legião Estrangeira lista cerca de vinte (argentinos, bolivianos, brasileiros, chilenos, colombianos, costa-riquenhos, cubanos, equatorianos, guatemaltecos, haitianos, jamaicanos, mexicanos, nicaraguenses, panamenhos, paraguaios, peruanos, porto-riquenhos, salvadorenhos, uruguaios e venezuelanos). Além disso, o relatório do deputado francês estima em 67 o número de brasileiros engajados no Exército Francês, enquanto a tabela de estatísticas de nacionalidades da Legião Estrangeira totaliza 81. Na verdade, os voluntários vêm de todos os Estados da América Latina e apenas de Honduras e algumas ilhas nas Antilhas não contam nenhum representante.

Desfile antes da partida de trem dos voluntários belgas, 9 de agosto de 1914.

Os motivos do engajamento são diversos. Por um lado, a França ocupa um lugar privilegiado neste espaço. A independência das colônias espanholas na América Latina foi conquistada sob a influência das ideias francesas oriundas da filosofia do Iluminismo e da Revolução Francesa. No início do século XX, esses países estavam muito imersos na cultura francesa. A França mantém relações culturais estreitas com certos países latino-americanos, enquanto a imigração francesa para a América Central e do Sul cultiva esses laços culturais. Os exemplos são numerosos, mas alguns são particularmente representativos. Assim, em 1870, um círculo francês foi criado na Cidade do México. O agrupamento de universidades e faculdades da França para as relações com a América Latina, criado em 1908, tem como objetivo promover o intercâmbio acadêmico entre a França e a América Latina. No Brasil, organiza cursos, conferências e missões dentro do meio universitário franco-brasileiro.[12] Quanto à permanência na Europa, torna-se “uma espécie de necessidade iniciática para ter acesso a um protagonismo”.[13] Consequentemente, muitas famílias enviam seus filhos para estudar antes da guerra na Europa e particularmente na França. Nascido em Lima, no Peru, em 22 de julho de 1888, José Garcia Calderón pertence a uma família de intelectuais francófilos. Seu pai, Francisco Garcia Calderón Landa (1834-1905), presidente do Peru em 1881, exilado na França, só voltou ao seu país de origem em meados da década de 1880. Seu irmão mais velho, Francisco Garcia Calderón Rey (1883-1953) , filósofo, escritor e diplomata vive na França com sua família desde o início do século XX. Seu irmão mais novo, Ventura Garcia Calderón (1886-1959), nascido em Paris durante o exílio de seu pai, é diplomata, filólogo e escritor. Ele também publica poemas e contos na língua francesa. Quanto a José, primeiro aluno da Escola de Engenharia de Lima, mudou-se para Paris em 1906 e ingressou na Escola Nacional de Belas Artes (seção de arquitetura)[14]. Por fim, iniciativas de divulgação da língua e das ideias francesas nos anos anteriores à Grande Guerra. Também chegam à América do Sul artigos e brochuras da Association des Amitiés françaises, grupo fundado em 1909 em Liège pelo advogado Émile Jennissen (1882-1949), distribuído na Europa, também alcança a América do Sul.[15] Além disso, decorrente das relações estabelecidas pela França com diversos países latino-americanos, a Argentina, nas últimas décadas do século XIX, abre suas fronteiras e decide apelar ao capital e às técnicas europeias, ciente das vantagens da colaboração com a Europa e em particular com a França. De fato, a partir de 1910, a Câmara do Comércio Argentina na França buscou desenvolver as relações comerciais, industriais, científicas e artísticas entre os dois países.

Jovens britânicas oferecendo cigarros a Couraceiros franceses em Paris, 2 de agosto de 1914.

O Exército Francês está muito presente nesta região do mundo. Enquanto o Exército Chileno é construído com a ajuda dos militares alemães, os franceses colaboram intensamente com o Peru. Uma missão militar francesa foi enviada para lá e vários oficiais franceses ocuparam cargos importantes no Exército Peruano. Os exemplos são muitos, mas os de Stanislas Naulin (1870-1932) e Louis Gustave Salats (1872-1954) testemunham o envolvimento destes soldados. O primeiro, saint-cyrien, capitão de infantaria quando ingressou na missão em dezembro de 1902, serviu como subchefe do Estado-Maior do Exército Peruano até seu retorno à França em 1905. O segundo, tenente politécnico e de artilharia, designado desde 1905, foi primeiro empregado como instrutor de artilharia na Escola Militar do Peru, depois dirigiu os estudos para finalmente comandar a escola ad interim até seu retorno à França em 1908.[16] Em troca, oficiais latino-americanos vêm à França para continuar seu treinamento. É o caso de Estuardo Vallejo. Nascido em Quito (Equador) em 25 de dezembro de 1887, oficial de artilharia do exército equatoriano, destacado para a França por volta de 1910, completou então um primeiro ano de estudos na escola militar de artilharia e engenharia de Versalhes, um segundo na escola de artilharia de Fontainebleau e um terceiro na École supérieure de guerre.[17]

Os voluntários são divididos em dois grupos. O primeiro é formado por cidadãos de origem francesa. Durante a segunda metade do século XIX, muitos Estados latino-americanos encorajaram a imigração europeia. Assim, fortes comunidades francesas, alemãs, britânicas e italianas instalaram-se em vários países da América Central e do Sul[18]. Ernest Tonnelat, ex-aluno da École normale supérieure e associado de alemão, estudou as comunidades alemãs[19] nas quais viveu de 1903 a 1905 antes de se tornar professor no Lycée de Buenos Aires, na Argentina, em 1911[20]. Entre os franceses que ingressaram na América Latina, os “Barcelonnettes” (sic) são os mais conhecidos: nativos de Barcelonnette nos Alpes da Haute-Provence, instalaram-se no México onde fundaram, nomeadamente, o comércio de lingerie e cortinas. Após a derrota francesa em 1871, muitos deles se mudaram para a América Latina. Olivier Compagnon cita o exemplo de três argentinos, Juan, Luis e Francisco Verge, filho de um veterano francês da guerra de 1870-1871, que chegou a Buenos Aires por volta de 1890, chegando à França em 1914[21]. Alguns sobrenomes lembram a França: Fleurdelys, nascido no Chile; Grandjacquot nasceu na Argentina; Juan Mathurin Le Coq nasceu no Uruguai. Outros são franceses, mas não foram contabilizados pela administração militar (estabeleceram-se na América Latina antes dos 18 anos). O terceiro censo nacional argentino estabelece em 20.924 o número de franceses pertencentes às classes 1890-1919. Em 1914, 5.800 pareciam juntar-se à França, onde foram mobilizados durante a guerra[22], durante a qual obtiveram a nacionalidade francesa. Jules Louis Teilhard de Laterisse, nascido em Buenos Aires em 26 de maio de 1887, foi voluntário na Legião Estrangeira em Marselha em 1914 e provavelmente se naturalizou francês durante a guerra[23]. Da mesma forma, os laços familiares ajudaram a levar alguns homens a se alistarem na França. É o caso do aviador peruano Jean Bielovucic (1889-1949), cuja mãe era francesa, e que após ter estudado no colégio Jeanson-de-Sailly e obtido o brevê de piloto nº 87, tornou-se celebridade na França e no Peru, onde realiza os primeiros vôos de um avião[24]. As razões do engajamento de Estuardo Vallejo são ainda mais conhecidas graças ao histórico de sua carreira: oficial do Exército Equatoriano destacado para a École Supérieure de guerre em 1914, pediu em setembro de 1914 para lutar pela França, enquanto o Equador, que declarou sua independência, lhe concede licença durante a guerra. Em seu pedido, ele lembra que tem todos os seus "ideais (sic) e interesses na França", que se casou com uma francesa (em 6 de julho de 1914, Paulette Clementi domiciliada na Avenue de la Bourdonnais em Paris), que deseja tornar-se “posteriormente oficial francês de acordo com as leis” e, finalmente, que deseja, como oficial, à título estrangeiro e honorífico, “combater sob as ordens dos meus valentes professores”[25].

Soldados franceses na Via Sacra de Verdun, 1916.

O segundo grupo inclui cidadãos de origem latino-americana. A maioria vive, estuda ou trabalha na França, outros viajam para se juntar a ela. O venezuelano Sanchez Carrero é tenente-coronel do Exército Venezuelano, no qual trabalha como ajudante-de-campo do General Juan Vicente Gomez, comandante-em-chefe e presidente eleito da República Federal da Venezuela. Já o colombiano Hernan de Bengoechea (1889-1915), nascido em Paris, estudou na França e na Colômbia. Irmão do poeta Alfred de Bengoechea (1877-1954), também se destaca pelos escritos publicados após a guerra[26] e pela colaboração com Pan, Opinion, Mercure de France, La Revista de America, etc.

No entanto, a influência cultural da França nesta região do mundo, a presença de fortes comunidades francesas e os laços (econômicos, militares, políticos) estabelecidos com a América Latina não são suficientes para provocar entusiasmo, já que poucos voluntários latino-americanos permaneceram para lutar nas trincheiras da Frente Ocidental, principalmente na Legião Estrangeira.

A epopéia

Guarda-de-honra do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira desfilando em Paris no 14 de julho de 1917, o Dia da Bastilha.
O oficial de uniforme claro é ninguém menos que o Tenente-Coronel Paul Rollet, "O Pai da Legião", e o porta-bandeira à esquerda é o Ajudante-Chefe Max Mader, o praça mais condecorado da Legião.

Quando a guerra é declarada, em Paris e nas províncias, são frequentes as manifestações de apoio de estrangeiros residentes na França. Por iniciativa da Société des Amitiés Françaises, foram constituídos cerca de trinta comissões nacionais, incluindo uma comissão mexicana. Os latino-americanos não parecem lançar um apelo ao engajamento como fazem os gregos, os suíços ou os sírios, mas algumas iniciativas são observadas a partir de 6 de agosto, os portugueses e os brasileiros convidam seus compatriotas a se inscreverem com um certo Sr. Valença domiciliado na Rue de l 'Échiquier em Paris. Em 7 de agosto, os mexicanos podem se alistar com um homem chamado Arturo Sanchez na Rue Violet[27].

No Exército Francês, a Legião Estrangeira pode acolher voluntários estrangeiros por um período de cinco anos. Mas seu alto número durante as primeiras semanas obriga o Ministério da Guerra a criar um dispositivo mais flexível que autoriza engajamentos pela duração da guerra. Embora a Legião Estrangeira receba a maior parte deles, não é, entretanto, a unidade exclusiva de incorporação. Por um lado, para evitar a superlotação dos depósitos, os engajamentos voluntários são recebidos apenas a partir do vigésimo dia da mobilização, com exceção dos homens que exerçam uma profissão técnica utilizável.[28] Jean Bielovucic, que se distinguiu várias vezes durante as reuniões aéreas e que completou a segunda travessia aérea dos Alpes em janeiro de 1913, alistou-se no Exército Francês, que o empregou como piloto a partir de agosto de 1914.

A análise dos centros de recrutamento (locais onde os voluntários foram identificados pela administração militar) aos quais pertencem os voluntários do corpus mostra que os latino-americanos engajaram-se em Paris, mas também nas províncias (Albi, Annecy, Bayonne, Lyon, Macon , Marselha, Montpellier, Nice, Oran, Pau, Sens, Tanger e Tours) e no Norte de África. No entanto, Paris e Bordéus são os principais centros de engajamento com 42% e 18% dos engajados, respectivamente. A dominação parisiense pode ser explicada por um lado porque a comunidade latino-americana é tradicionalmente mais importante em Paris do que nas províncias e, por outro lado, pelo forte entusiasmo que tocou os estrangeiros em Paris em agosto de 1914 e que preocupou também os latino-americanos: dos 24 engajamentos em Paris, 18 ocorreram em 1914. Quanto a Bordeaux, a explicação está no fato de muitos voluntários desembarcarem na cidade de Gironde. A marca registrada desse recrutamento é que não ocorreu exclusivamente em 1914, mas continuou durante toda a guerra.

Recortes de jornais brasileiros.

A incorporação à Legião Estrangeira ocorre em vários depósitos da metrópole, enquanto destacamentos de legionários são transportados do Norte da África para a metrópole, a fim de servir de núcleo para os vários regimentos de marcha da Legião Estrangeira.[29] Estes são muito duramente testados no combates de Artois e Champagne do ano de 1915. Criado em 11 de novembro de 1915, o Regimento de Marcha da Legião Estrangeira permanece a partir de então o único regimento estrangeiro na França. Esta unidade, composta por três batalhões, destacou-se particularmente em Belloy-en-Santerre no Somme em julho de 1916, em Auberive, na Champagne, em abril de 1917 e em Cumières durante as operações para limpar Verdun em agosto de 1917. Durante o ano de 1918, a Legião participa na defesa de Amiens (abril-maio ​​de 1918), luta na frente de Soissons em maio-julho de 1918 e, sobretudo, ilustra-se no planalto de Laffaux em frente à Linha Hindenburg, a qual perfura em 14 de setembro de 1918 .

Os voluntários que constituem o corpus são principalmente praças. Com idade média de 25 anos, eles participam de todas as batalhas em que o regimento é engajado. A história do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira indica que ali serviram 11 oficiais, 17 suboficiais e 356 cabos e soldados latino-americanos. Entre os cabos e soldados, contam-se poetas, escritores e militares. Um dos descendentes de Cristóvão Colombo, Cristóbal Bernaldo de Quirós, súdito espanhol nascido em Buenos Aires em 27 de dezembro de 1894, serviu no Regimento de Marcha da Legião Estrangeira como soldado de 2ª classe quando foi morto na conquista da aldeia de Belloy-en-Santerre em 5 de julho de 1916. Outros morreram no exterior: assim o legionário de 2ª classe Daniel Antoine Macéo do 1º Regimento de Marcha do 2e Étranger, nascido em Buenos Aires em 20 de maio de 1892, alistou-se como voluntário na Legião Estrangeira em 1913 e foi morto em El Bordj no Marrocos em 23 de janeiro de 1916. Entre os oficiais estão os venezuelanos Camillo Ramirez-Ribas e José Sanchez-Carrero, os brasileiros Luciano Antonio Vital de Mello Vieira e Gustave Gelas, o equatoriano Estuardo Vallejo, os peruanos José Garcia Caldéron e Jean Bielovucic, o argentino Marcos Rodrigue, o mexicano Louis Fernández de Córdova (suboficial), etc. Finalmente, durante a Grande Guerra, dois jovens brasileiros ingressaram na escola militar especial de Saint-Cyr para serem treinados. Os sous-lieutenants Santella Estrella e Ildefonso pertenciam à promoção De Sainte-Odile et de La Fayette (1917-1918)[30].

Lista e designação dos candidatos admitidos como alunos-aspirantes à Escola Militar Especial de Saint-Cyr no final do concurso organizado em 1917 [101ª promoção, chamada “de Saint-Odile e de La Fayette” (1917 ~ 1918)].
L’Ouest-Éclair – éd. de Rennes –, n° 6.463, Terça-feira, 17 de julho de 1917, p. 2, na rubrica "Dans l’Armée ~ Les admissions à Saint-Cyr".

Durante a guerra, alguns voluntários foram destacados da Legião Estrangeira para serem incorporados em unidades que exigiam um alto nível de educação ou habilidades técnicas específicas. Assim, após alistar-se pela duração da guerra em Paris em 9 de setembro de 1914, José Garcia Calderón foi incorporado ao 3º Regimento de Marcha do 1er Étranger. Soldado de 2ª classe, cabo em 11 de dezembro de 1914, ele foi designado para o grupo de balões e empregado na 35ª Companhia de Balonistas de Campanha (35e compagnie d’aérostiers de campagnecomo observador em balão em 26 de janeiro de 1915. Promovido a sargento em 9 de maio, serviu em várias companhias e sua ação lhe rendeu ser citado no Diário Oficial de 23 de dezembro de 1915:

“Sargento Observador da 30ª Companhia de Balonistas. Suboficial de nacionalidade estrangeira, engajado para a duração da guerra. Demonstrou grande coragem e dedicação em assegurar com grande destreza e sangue-frio, durante o período de preparação e durante os ataques de setembro e apesar de um estado atmosférico muitas vezes muito turbulento, a regulagem do fogo de artilharia."

Ajudante em janeiro de 1916, ele foi temporariamente promovido a segundo-tenente de infantaria à título estrangeiro em 20 de março de 1916. Um oficial observador, ele estava em missão na região de Brabant-sur-Meuse em 5 de maio de 1916 quando o cabo do seu balão se rompeu. O vento o carregou em direção às linhas alemãs. Ele consegue jogar fora a sacola com seus papéis e as informações coletadas. Ele é morto após deixar seu balão em um pára-quedas. Já Marcos Rodrigue, nascido em 11 de novembro de 1888 em Tucumán, Argentina, é provavelmente um dos primeiros tanquistas latino-americanos da história. Voluntário em outubro de 1914 em Paris, ele foi incorporado à artilharia metropolitana e serviu em particular na Frente Oriental. Oficial da reserva à título estrangeiro desde 1915, foi designado para a artilharia de assalto em 1917. Em 26 de julho de 1918, enquanto era tenente do 500º Regimento de Artilharia de Assalto, ele foi gravemente ferido e morreu devido aos ferimentos na ambulância 7/5 em Saint-Martin d'Ablois, no Marne, em 4 de agosto de 1918.[31]

Soldados franceses em uma trincheira perto de Kéréves Déré, Gallipoli, 1915.
Eles são equipados com o fuzil Lebel Mle 1886 M93.
(Colorização de Anthony Malesys/
Colorful History)

A partir de janeiro de 1919, os voluntários estrangeiros puderam ser dispensados ​​do serviço e retornarem à vida civil: “Os estrangeiros engajados como voluntários pela duração da guerra e que assim o exigirem estão autorizados a solicitar seu envio imediato às suas casas."[32] Muitos optam por deixar a Legião e o Exército Francês, mas alguns prolongam seu engajamento. Gustave Gelas, voluntário brasileiro em dezembro de 1915 e promovido a oficial à título estrangeiro em julho de 1918, continua servindo na Legião Estrangeira. Transferido para o 3º Regimento Estrangeiro em 1920, serviu na Argélia e no Marrocos, onde morreu no hospital militar Louis de Meknès em 15 de maio de 1922, em conseqüência dos ferimentos recebidos no combate de Bab-Hoceine-Issoual em 14 de abril de 1922.[33] Quais foram as perdas sofridas pelos latino-americanos durante a guerra? O relatório de Deslyons de Feuchin menciona 78 soldados que caíram pela França entre 1914 e 1918 (12% dos soldados da América Central e do Sul), o que representa uma baixa taxa de perdas. Em comparação e de acordo com o mesmo relatório, de 561 americanos engajados como voluntários estrangeiros durante a guerra, 112 morreram pela França, ou seja, quase 20% do efetivo; de 678 tchecoslovacos engajados, 157 foram mortos em combate (23%). Argentinos, brasileiros e mexicanos têm respectivamente 31, 15 e 11 mortos.

A guerra dos latino-americanos do Exército Francês teve certo eco tanto na América Latina quanto na França. Na América Latina durante a guerra, o destino dos voluntários é conhecido e até seguido, como mostra Olivier Compagnon, na imprensa argentina. Assim, a partir do final de 1914, uma coluna do jornal Caras y Caretas foi dedicada aos argentinos na guerra; ela é ilustrada com fotografias de combatentes uniformizados.[34] Gozando de imenso prestígio, apesar dos sacrifícios feitos, o Exército Francês emerge da guerra com uma auréola de vitória. Muitas missões militares francesas foram para a América Latina, sendo a mais conhecida a do General Maurice Gamelin no Brasil em 1919. As relações militares entre a França e alguns países latino-americanos parecem se construir em torno desses homens que vieram defender a “civilização francesa" contra "a barbárie alemã". De fato, o Presidente da Venezuela, Juan Vicente Gómez (1857-1935), informou assim ao Ministro da França em Caracas de sua vontade de publicar um aviso sobre o Capitão Sanchez Carrero, que foi seu ajudante-de-campo antes da guerra. Essa abordagem faz parte do desejo de aproximar os dois países. Embora a França tenha recusado a cooperação militar da Venezuela antes da guerra, o interesse pelo país aumentou, em particular por causa de sua riqueza em petróleo. Ao mesmo tempo, os líderes venezuelanos procuram incutir um sentimento nacional na população e esperam apoiar-se nos militares. Por isso apelam para a França e seu exército. Um posto de adido militar foi criado em 1919, enquanto em novembro de 1920 uma missão de armamentos liderada pelo Coronel Eleazar López Contreras (que governou o país de 1936 a 1941) permaneceu na França. Nesta ocasião, o alto oficial venezuelano não deixa de ir ao engenho de Laffaux para meditar sobre o túmulo de Sanchez Carrero. Os mortos alimentam as rivalidades entre os Estados, especialmente entre a França e a Alemanha. O caso da Venezuela é muito interessante a esse respeito. Assim, em novembro de 1919, o Capitão d'Espinay, adido militar da legação francesa na Venezuela, lembrou, em uma carta ao Ministério da Guerra, que pouco havia sido feito pela França em homenagem ao chef de bataillon Sanchez Carrero (sua morte nunca foi anunciado oficialmente). O adido militar francês também denuncia os "malvados propagandistas alemães na Venezuela que tentam demonstrar a ingratidão da França" por meio dessa história.[35]

Chegada da Missão Militar Francesa para o Exército Brasileiro, 1920.
O General Maurice Gamelin está na extrema esquerda.

Na França, a memória desses soldados voluntários foi preservada após a guerra. Administrativamente, esses soldados engajados pela França se beneficiam das mesmas disposições que as fornecidas para os soldados franceses. Aqueles que foram mortos em combate, morreram em decorrência de seus ferimentos ou morreram em cativeiro têm direito à menção “Mort pour la France" (Morto pela França)[36] e são enterrados em cemitérios militares ao lado de seus camaradas franceses. As condecorações militares francesas, incluindo as mais prestigiosas, são atribuídas aos estrangeiros. Portanto, o Tenente Marcos Rodrigue porta a Croix de Guerre e o título de Chevalier de la Légion d'honneur desde agosto de 1915.[37] O diretório oficial dos membros da Legião de Honra publicado após a guerra lista os nomes dos legionários latino-americanos. Além disso, em julho de 1935, foi criada a Cruz do Combatente Voluntário. É destinado a voluntários que serviram no front de uma unidade de combate durante a Grande Guerra e também é concedido a estrangeiros. Finalmente, como todos os soldados franceses, foram estabelecidos os documentos administrativos que justificam a participação desses homens nos combates da Grande Guerra. Os oficiais possuem histórico de carreira, hoje mantido no Departamento do Exército do SHD. Certificados de óbito ou declarações de óbito foram elaborados para aqueles que morreram.

Obtuário do Tenente Aviador Luciano de Mello Vieira no Livre d'Or de la Faculté droit de Paris, e recorte do jornal IMPARCIAL com telegrama sobre a morte do aviador brasileiro Mello Vieira, edição de 1° de fevereiro de 1918. (Acervo da Biblioteca Nacional)

Opúsculo em homenagem ao tenente aviador brasileiro Luciano de Mello Vieira, morto em combate em Chantilly, 1918.

Monumento de Chantilly, no departamento de Oise, aos mortos nas duas guerras mundiais.

Lápide em homenagem aos aviadores Luciano de Mello e Charles d'Albert de Luynes, este último morto em combate em Chantilly em 28 de janeiro de 1918.

Túmulo do Tenente Aviador Luciano de Mello da Divisão Salmson, morto em 31 de janeiro devido aos ferimentos recebidos no dia 28, em Chantilly. O símbolo acima do epitáfio representa a Croix de Guerre.

Hoje, com o desaparecimento dos últimos veteranos e apesar do entusiasmo pela Primeira Guerra Mundial, esses voluntários latino-americanos quase desapareceram da memória coletiva. No entanto, sua história é preservada, de forma muito fragmentada, em bibliotecas e arquivos. Na verdade, os nomes de alguns que morreram em combate aparecem nos livros de ouro elaborados por várias instituições, escolas ou empresas, etc. Assim, o da Faculdade de Direito de Paris contém os nomes dos 455 mortos pela França (professores associados, conferencistas e assistentes, ex-alunos, pessoal administrativo...) e cada uma das curtas biografias é acompanhada por uma fotografia. Neste livro de visitas, estão: o brasileiro Luciano Antonio Vital de Mello Vieira, nascido em Paris em 7 de janeiro de 1892, estudante do 3º ano de Direito na época de seu engajamento como voluntário em 1914, tenente piloto aviador quando foi morto em Chantilly no Oise em 31 de janeiro de 1918, e o cubano Jean Baptiste Dominique Firmin Sanchez Toledo, nascido em Paris em 11 de outubro de 1892, também estudante do 3º ano de Direito antes da guerra: voluntário, cabo aviador, foi morto em 24 de maio de 1917 em Sonchamps.[38] Nos cemitérios militares do norte e do leste da França, sepulturas aqui e ali lembram o sacrifício de algumas dezenas de homens, "mortos pela França", entre os milhões de soldados de todas as nacionalidades que caíram nos campos de batalhas. O viajante que hoje passa por Barcelonnette descobre o quanto a memória dos soldados mexicanos ainda está viva. Assim, na Rua Manuel, uma placa comemorativa leva a seguinte inscrição:

“Aos cidadãos mexicanos que morreram pela França durante a Grande Guerra. Esta placa foi oferecida à cidade de Barcelonnette pela colônia francesa do México para perpetuar a memória dos cidadãos mexicanos engajados sob as dobras da bandeira francesa e caídos na defesa da lei e da liberdade."

Sob esta placa figuram onze nomes, enquanto ao pé do memorial de guerra de Jausiers uma placa também comemora os "heróis mexicanos que morreram pela França".

Os voluntários latino-americanos no exército francês durante a guerra eram poucos em comparação com outros contingentes. No entanto, quem fez a escolha da "civilização" contra a "barbárie" foram jovens, muitas vezes imbuídos da cultura francesa ou ligados à França por motivos familiares. Algumas dezenas foram mortos em combate, principalmente nas fileiras da Legião Estrangeira, mas não exclusivamente. A história desses homens ficou conhecida na América Latina, durante e depois da guerra. A maioria deles voltou para casa após a guerra, e esses voluntários ajudaram a estabelecer laços estreitos entre a França e os países da América Latina.

Notas:
  1. Calderón (José Garcia), Diaro intimo, 12 de setiembre 1914-3 de mayo, 1916, Lima, Universidad nacional mayor de San Marcos, 1969, 135. Reliquias, publicado em Paris em 1917, é um fragmento do Journal intime, citado em Anthologie des écrivains morts à la guerre (1914-1918), tomo 1, Amiens, Bibliothèque du Hérisson, 1924, pg. 708.
  2. Alguns estudos gerais merecem ser mencionados: Allain (Jean-Claude), “Les étrangers dans l’armée française pendant la Première Guerre mondiale”, em Philippe e François Marcot (eds.), Les étrangers dans la Résistance en France, catálogo da exposição, Besançon, Musée de la Résistance et de la Déportation, November 1992, pg.16-28; Comor (André-Paul), "Le volontaire étranger dans l’armée française au cours des deux guerres mondiales" e Becker (Jean-Jacques), "Les volontaires étrangers de l’armée française au début de la guerre de1914", em Hubert Heyriès, Jean-François Muracciole (dir.), Le soldat volontaire en Europe au XXe siècle, de l’engagement politique à l’engagement professionnel, procedimentos do colóquio internacional em Montpellier de 3 a 5 de abril de 2003, Universidade Paul-Valéry-Montpellier III, Montpellier, Presses universitaires de la Méditerranée, 2007, pg.19-37 e pg.87-95; Karamanoukian (General Aram), Les étrangers et le service militaire, Paris, A. Pedone, 1978, 284 páginas. Alguns livros e artigos especializados foram publicados nos últimos anos: Bourlet (Michaël), "Les Slaves du Sud dans l’armée française pendant la Première Guerre mondiale", Revue historique des armées, nº 226, 2002; Delaunay (Jean-Marc), “Tous Catalans. Les volontaires espagnols dans l’armée française pendant la Grande Guerre", Des étoiles et des croix, Miscelânea oferecida a Guy Pédroncini, Paris, 1995, pg. 309-323; Heyriès (Hubert), Les Garibaldiens de 14: splendeurs et misères des Chemises rouges en France de la Grande Guerre à la Seconde Guerre mondiale, Nice, Serre éd., 2005, 672 páginas; Mayer (Myriam), Madera (Condado Emilio), “Espańoles en la Gran Guerre: los voluntarios Cantabros”, Monte Buciero, nº 10, 2004, pg. 171-193; Petit (Pierre), Histoire des Russes incorporés dans les armées françaises pendant la Grande Guerre, Paris, Académie européenne du Livre, 1992, 31 páginas.
  3. Compagnon (Olivier), Enders (Armelle), “L’Amérique Latine et la guerre” em Stéphane Audoin-Rouzeau e Jean-Jacques Becker (eds.), Encyclopédie de la Grande Guerre, 1914-1918, Paris, Bayard, 2004, pg. 889-901.
  4. Os países da América Latina permanecem neutros até que os Estados Unidos entrem na guerra. Em abril de 1917, o Panamá e Cuba também declararam guerra à Alemanha. A esses países se juntou o Brasil em outubro de 1917. Entre abril e julho de 1918, Costa Rica, Guatemala, Haiti, Honduras e Nicarágua entraram no conflito. Bolívia, República Dominicana, Equador, Peru, Uruguai e El Salvador rompem relações diplomáticas com a Alemanha. Por fim, Argentina, Chile, Colômbia, México, Paraguai e Venezuela mantêm sua neutralidade até o fim da guerra.
  5. www.memoiredeshommes.sga.defense.gouv.fr.
  6. Sobre a América Latina e a Primeira Guerra Mundial, consulte a bibliografia de Olivier Compagnon e Armelle Enders, L’Amérique latine et la Première Guerre mondiale, 2002, http://nuevomundo.revues.org; Compagnon (Olivier), Enders (Armelle), "L’Amérique latine et la guerre", Stéphane Audoin-Rouzeau e Jean-Jacques Becker (eds.), Encyclopédie de la Grande Guerre, 1914-1918, Paris, Bayard, 2004, pg.889 -901; Albert (Bill), Henderson (Paul), South America and the First World War: the impact of the war on Brazil, Argentina, Peru and Chile, Cambridge, Cambridge University Press, 1988, 386 páginas; Weinmann (Ricardo), Argentina en la Primera Guerra Mundial: neutralidad, transición polîtica y continuismo económico, Buenos Aires, Fundación Simón Rodríguez, 1994, 168 páginas.
  7. De Nogales Mendez (Rafael), Memorias, Caracas, Biblioteca Ayacucho, 1991, volume 2.
  8. Homet (Juan B.), Diario de un argentino: soldado en la guerra actual, Buenos Aires, M. Schneider, 1918, 72 páginas; De Bengoechea (Hernan), Le sourire d’Île de France suivis des Lettres de guerre (1914-1915), Saint-Raphaël, 1924, 359 páginas; Calderón (José Garcia), Diaro íntimo, 12 de setiembre, 1914-3 de mayo, 1916, Lima, Universitad nacional mayor de San Marcos, 1969, 135 páginas. Compagnon (Olivier), “Du Rio de la Plata aux tranchées de Verdun. Diario de un argentino soldado en la guerra actual”, Memórias das Américas, diários, correspondência, histórias de vida (séculos XVII-XX), conferência internacional, Universidade de Versalhes Saint-Quentin-en-Yvelines, 21-22 de junho de 2007; Lorenz (Frederico Guillermo), “Voluntarios Argentinos en la Gran Guerra”, Todo es Historia, Buenos Aires, nº 373, agosto de 1998, pg.72-91.
  9. Poinsot (Mafféo Charles), Les volontaires étrangers enrôlés au service de la France en 1914-1915, Paris, Berger-Levrault, 1915, 77 páginas.
  10. Historique du régiment de marche de la Légion étrangère, prefácio de René Doumic, Paris, Berger-Levrault, 1926, 167 páginas.
  11. Deslyons de Feuchin (Henri), Relatório elaborado na legislatura anterior em nome da comissão do exército responsável pelo exame da proposta de resolução para divulgar o número de mortos e feridos por nações beligerantes, Paris, impr. da Câmara dos Deputados, 1924, 195 páginas. Este relatório, que buscava estabelecer e tornar conhecido o número de perdas em mortos e feridos durante a guerra, foi feito em nome da Comissão do Exército sobre uma proposta de resolução de Louis Marin. Prost (Antoine), "Compter les vivants et les morts : l’évaluation des pertes françaises de 1914 à 1918", Le Mouvement Social, janeiro-março de 2008, nº 222, pg. 41-60.
  12. Crouzet (François), Rolland (Denis) (ed.), Pour l’histoire du Brésil, Miscelânea oferecida a K. de Queirós Mattoso, Paris, L’Harmattan, 2000, pg. 127.
  13. Lemogodeux (Jean-Marie) (ed.), L’Amérique hispanique au XXe siècle. Identités, cultures et sociétés, Paris, PUF, 1997, pg. 98.
  14. Anthologies des écrivains morts à la guerre (1914-1918), tomo 1, Amiens, Bibliothèque du Hérisson, 1924, pg. 706.
  15. 15  Poinsot (Mafféo Charles), op.cit., pg. 10.
  16. SHD/DAT, 6 Ye 20 049, arquivo de carreira de Louis Gustave Salats, obra de notação (1905-1908) e SHD / DAT, 13 Yd 37, arquivo de carreira de Stanislas Naulin, obra de notação (1902-1905).
  17. SHD/DAT, 5 Ye 110 433, arquivo de carreira de Estuardo Vallejo, estado de serviços.
  18. Sobre a imigração europeia para a América Latina, Gaston Gaillard fornece dados por país anfitrião e por nacionalidade. Gaillard (Gaston), Amérique latine et Europe occidentale. L’Amérique latine et la guerre, Paris, Berger-Levrault, 1918, pg. 244-245.
  19. Tonnelat (Ernest), L’expansion allemande hors d’Europe : États-Unis, Brésil, Chantoung, Afrique du Sud, Paris, A. Colin, 1908, 279 páginas.
  20. SHD/DAT, 5 Ye 162 899, arquivo da carreira de Ernest Tonnelat, obra de notação (1914) e Louis F. Aubert, “Ernest Tonnelat”, obituários do diretório de ex-alunos da École normale supérieure, 1949, pg. 33-35.
  21. Compagnon (Olivier), "Si loin, si proche… La Première Guerre mondiale dans la presse argentine et brésilienne", Jean Lamarre, Magali Deleuze (ed.), L’envers de la médaille. Guerras, testemunhos e representação, procedimentos do colóquio realizado no Royal Military College of Canada em Kingston em março de 2006, Quebec, Presses de l'Université Laval, 2007, pg. 77-91.
  22. Ruffié (Monique), Esteban (Juan Carlos), Galopa (Georges), Carlos Gardel: sua formação francesa, Buenos Aires, Corregidor, 2007, pg. 234-238.
  23. www.memoiredeshommes.sga.defense.gouv.fr, Jules Louis Teilhard de Laterisse.
  24. Ficha biográfica, Museo Aeronáutico del Perú, www.incaland.com.
  25. SHD/DAT, 5 Ye 110 433, arquivo de carreira de Estuardo Vallejo, carta de admissão ao serviço à título estrangeiro e em tempo de guerra (18 de setembro de 1914).
  26. Les crépuscules du matin, Saint-Raphaël, Les Tablettes, 1921, 205 páginas; Le Vol du soir, Saint-Raphaël, Les Tablettes, 1922, 151 páginas; Le sourire d’Île de France suivis des Lettres de guerre (1914-1915), Saint-Raphaël, 1924, 359 páginas.
  27. Poinsot (Mafféo Charles), op.cit., pg. 40 e seguintes.
  28. Ibidem, pg. 25.
  29. Historique du régiment de marche de la Légion étrangère, Paris, Berger-Levrault, 1926, pg. 41; Guyot (Philippe), "La Légion étrangère sur le théâtre français", 14-18, a revista da Grande Guerra, nº 5 e 6, pg. 32-38 e pg. 26-36.
  30. Vernet (Jacques), Gourmen (Pierre), Boÿ (Jean), Jacob (Pierre), Gourmen (Yves), Saint-Cyr, Especial Escola Militar, Panazol, Lavauzelle, 2002, pg. 422.
  31. SHD/DAT, 5 Ye 152 301, arquivo de carreira de Marcos Rodrigue, estado dos serviços.
  32. SHD/DAT, 7 N 144, folheto informativo relativo ao retorno imediato às suas casas de voluntários estrangeiros durante a guerra, EMA, 25 de janeiro de 1919.
  33. SHD/DAT, 5 Ye 142 647, arquivo de carreira Gustave Gelas, estado dos serviços, pontuação de trabalho e certidões de óbito.
  34. Compagnon (Olivier), "Si loin, si proche…, la Première Guerre mondiale dans la presse argentine et brésilienne", ibidem, pg. 82.
  35. SHD/DAT, 5 Ye 156 781, arquivo de carreira do capitão Sanchez Carrero, carta do adido militar francês em Caracas (novembro de 1920) e outros documentos.
  36. A atribuição da menção “Morte pela França” é uma operação do estado civil que é objeto dos artigos L 488 e L 492bis do código de pensões militares por invalidez e vítimas de guerra (www.defense.gouv.fr/sga).
  37. SHD/DAT, 5 Ye 152 301, arquivo de carreira de Marcos Rodrigue, livro oficial.
  38. Le livre d’or de la Faculté de Droit de Paris, Guerre 1914-1918, Paris, 1925, pg. 149 et 190.
Sobre o autor:

Michaël Bourlet é professor de história militar nas Escolas de Saint-Cyr Coëtquidan (Academia Militar de Saint-Cyr), autor de uma tese de história contemporânea intitulada Prosopographie des officiers français des 2e et 5e bureaux de l’EMA de 1914 à 1919 (Prosopografia de oficiais franceses dos 2º e 5º escritórios da EMA de 1914 a 1919) na Universidade de Paris-Sorbonne sob a direção de Jacques Frémeaux. Autor de vários artigos sobre o assunto em várias revistas científicas, publicou em 2006 a obra intitulada: L’état-major de l’armée de Terre, boulevard Saint-Germain (O estado-maior do exército), Boulevard Saint-Germain (Paris, Ministère de la Défense/EMAT, 191 páginas).

Bibliografia recomendada:

French Foreign Legion 1914-45.
Martin Windrow e Mike Chappell.

Leitura recomendada:






FOTO: Os Terríveis Turcos!, 1º de maio de 2021.

FOTO: Legionários na Síria, 30 de outubro de 2020.

FOTO: Soldado russo da Wehrmacht, 31 de outubro de 2020.