Mostrando postagens com marcador Marinha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Marinha. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 17 de março de 2022

GALERIA: Forças especiais chinesas e sauditas no exercício Espada Azul

Comandos fuzileiros navais da China (azul) e Arábia Saudita durante um exercício em 2019.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de março de 2022.

Comandos fuzileiros navais da China, Jiaolong ("Dragões do Mar"), com o famoso uniforme azul, e da Arábia Saudita durante um exercício conjunto em 17 de novembro de 2019, na Arábia Saudita.

O exercício Espada Azul 2019 visou “desenvolver competências na luta contra o terrorismo marítimo e a pirataria”. O exercício marítimo ocorreu na base naval do Rei Faisal, em Jeddah, localizada no Mar Vermelho, durando três semanas.

Os chineses estão portando o novo fuzil QBZ-191, que substituirá o QBZ-95, e abandonará o desenho bullpup em prol de um formato tradicional.

As forças navais sauditas, representadas pelas Forças Especiais da Frota Ocidental com sede em Jeddah, participaram do exercício junto com suas contrapartes das Forças Especiais da Marinha Chinesa.

A Marinha Real Saudita mantém duas brigadas de fuzileiros navais de 1.500 homens, compostas por três batalhões cada. As brigadas são designadas para a Frota Ocidental com sede em Jeddah e a Frota Oriental com sede em Jubail. As brigadas estão levemente equipadas com veículos blindados 200 Pegaso BMR e Humvees. Os fuzileiros sauditas possuem uma unidade especial.




quarta-feira, 2 de março de 2022

Fuzileiros navais americanos criarão o primeiro regimento litorâneo, de olho em desdobramentos mais ágeis

O Sgt.-Maj. Steven Morefield, da III Força Expedicionária de Fuzileiros Navais, fala aos Fuzileiros Navais e Marinheiros das Instalações do III MEF e do Corpo de Fuzileiros Navais do Pacífico em Camp Foster, Okinawa, Japão, 25 de outubro de 2012.
(Foto do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA por Lance Cpl. Tyler S. Dietrich/ Liberado)

Por Justin Katz, Breaking Defense, 28 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de março de 2022.

O Corpo de Fuzileiros Navais está planejando estabelecer três regimentos de fuzileiros navais no total, já que a China continua sendo uma "ameaça de ritmo".

WASHINGTON (Reuters) - O Corpo de Fuzileiros Navais esta semana renomeará formalmente seu 3º Regimento de Fuzileiros Navais, com sede no Havaí, para o 3º Regimento de Fuzileiros Navais, um movimento que o segundo oficial mais graduado do serviço diz que mudará a unidade dos cronogramas tradicionais de desdobramento para estar pronta para ser desdobrada “esta noite”.

“O 3º Regimento de Fuzileiros Navais, como existia, não poderia ter feito o que estamos pedindo ao 3º Regimento Litorâneo [de Fuzileiros Navais]”, disse o general Eric Smith, comandante assistente do Corpo de Fuzileiros Navais, a repórteres na segunda-feira. “O 3º Regimento Litoral que está de pé na quinta-feira, depois de um ano ou mais de reorganização, agora está integrado em unidades menores que realmente são capazes de se desdobrar hoje à noite.”

Smith disse que os regimentos de fuzileiros navais tradicionais operam há décadas em um ciclo de desdobramento de seis meses, no qual três batalhões de 900 homens se preparam por seis meses, passam seis meses desdobrados e desfrutam de seis meses de descanso. O novo Regimento Litorâneo de Fuzileiros Navais levará grupos muito menores de fuzileiros navais - entre 75 e 100 - e os desdobrará estrategicamente, dependendo das tarefas em mãos. O estabelecimento do 3º Regimento Litorâneo  de Fuzileiros Navais (3rd Marine Littoral Regiment) faz parte da iniciativa Force Design 2030 do General David Berger, um esforço que Berger iniciou logo após se tornar comandante em 2019.

As capacidades da unidade - como o MQ-9A Reaper, o Sistema de Interdição de Navios Expedicionários da Marinha e Fuzileiros Navais e o Radar Orientado a Tarefas Terrestres/Aéreas - e o treinamento serão centrados nos principais conceitos do serviço de Operações de Base Avançada Expedicionária e Forças de Apoio.

O Corpo de Fuzileiros Navais atualmente planeja redesignar dois outros regimentos de fuzileiros navais, o 4º e o 12º, em MLR entre agora e 2030. Smith acrescentou que essas designações podem levar mais tempo, pois o serviço procura incorporar as lições aprendidas com o estabelecimento do 3º MLR. Ele acrescentou que, embora apenas três MLR estejam planejados atualmente, unidades adicionais não estão “fora da mesa”.

Durante a ligação com os repórteres, Smith enfatizou repetidamente a China como a “ameaça de ritmo” do serviço e o impulso para a mudança.

“Apesar do que está acontecendo hoje com a Rússia e a Ucrânia, a ameaça de ritmo da China não mudou”, disse ele. “Esses recursos de que estamos falando, embora construídos especificamente para o Indo-Pacífico, novamente, [são] altamente úteis em qualquer teatro. Essas são capacidades que eu adoraria ter no Iraque e no Afeganistão.”

A Marinha de Hitler: A Kriegsmarine na Segunda Guerra Mundial

O cruzador de batalha Scharnhorst.

Por Jerry Lenaburg, New York Journal of Books, 5 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de março de 2022.

Continuando sua série sobre as principais marinhas da Segunda Guerra Mundial, o novo volume da Osprey Publishing fornece uma referência abrangente para a Kriegsmarine alemã - as principais operações, ordem de batalha, especificações de navios de guerra e submarinos e outros detalhes sobre as forças navais do Terceiro Reich.

A Marinha Alemã começou a guerra lamentavelmente despreparada e com pouca força para enfrentar as principais forças marítimas da Inglaterra e da França. Embora a Marinha fosse altamente profissional com oficiais e marinheiros bem treinados, a desejada construção naval do alto comando da Marinha, particularmente a construção de U-boats que se tornaria o principal ramo de combate, estava longe de ser concluída em setembro de 1939.

Como observa o autor, a Marinha alemã desempenhou pouco papel nos planos de guerra de Hitler e quase não teve impacto em nenhuma das grandes campanhas do teatro europeu, exceto a invasão norueguesa em abril de 1940. Embora a Marinha tenha desempenhado um papel fundamental no transporte das tropas que capturariam a maioria dos principais portos e aeródromos da Noruega, pegando a Marinha Real estrategicamente desprevenida e permitindo reforços significativos por via aérea, as pesadas perdas impostas pelos defensores noruegueses e as batalhas com a Marinha Real dizimaram a frota de superfície alemã e garantiram que nunca tentaria uma grande operação de frota pelo restante da guerra.


Embora os alemães tenham lutado várias ações navais de superfície notáveis, incluindo as missões do encouraçado Bismarck e do cruzador de batalha Scharnhorst para realizar ataques comerciais, o poder esmagador da Marinha Real, posteriormente complementado pela Marinha dos EUA, acabou devastando até mesmo o poderoso ramo U-boat para dar aos Aliados o domínio indiscutível do Oceano Atlântico e do Mar Mediterrâneo. Enquanto os U-boats infligiram pesadas perdas aos navios mercantes aliados, a capacidade industrial dos estaleiros americanos, combinada com novas táticas e armas, garantiu que a linha vital entre o Novo e o Velho Mundos permanecesse aberta para a guerra.

O autor fornece uma quantidade incrível de detalhes sobre toda a ordem de batalha da Marinha Alemã, desde os famosos navios de guerra e cruzadores de batalha até as inúmeras classes de submarinos que introduziram tecnologias avançadas que seriam testadas e incorporadas em muitas marinhas aliadas após a guerra. As ações de embarcações costeiras alemãs, como torpedeiros, canhoneiras e caça-minas, também são abordadas, proporcionando ao estudante de história naval uma visão muito ampla dos navios e armas usadas pela Kriegsmarine. As ilustrações e três representações de vista das várias classes de navios e submarinos são muito bem feitas, e as especificações detalhadas para cada classe de embarcação definitivamente farão desta a referência padrão para a ordem de batalha da Kriegsmarine.


Autor:
Gordon Williamson
Data de lançamento:
1º de fevereiro de 2022
Editora:
Osprey Publishing
Páginas:
256

Sobre o autor:

Jerry D. Lenaburg é Gerente de Projetos e Analista Militar com 30 anos de experiência no governo e na indústria. Formado em 1987 pela Academia Naval dos EUA, serviu como Oficial de Voo Naval de 1987 a 1998 e publicou no Journal of Military History.

sábado, 5 de fevereiro de 2022

O Futuro da Marinha Francesa – Conversa do CSIS com o Almirante Vandier

O Chefe do Estado Maior da Marinha Francesa (Marine Nationale) Almirante Pierre Vandier discute o futuro curso das forças navais francesas no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em 31 de janeiro de 2022. (Foto: CSIS)

Por Peter Ong, Naval News, 3 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de fevereiro de 2022.

O Almirante Vandier discutiu a cooperação da Marinha Francesa com a Marinha dos Estados Unidos e outros aliados e delineou suas visões e planos para o futuro crescimento e renovação da Marinha Francesa nos próximos anos.

O Almirante Pierre Vandier visitou o Chefe de Operações Navais da Marinha dos EUA (Chief of Naval OperationsCNO) Almirante Michael Gilday na segunda-feira, 31 de janeiro de 2022 e também conversou ao vivo por uma hora no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (Center for Strategic and International StudiesCSIS), respondendo a perguntas do anfitrião e o público espectador.

Naval News enviou perguntas ao CSIS antes da apresentação e também quando a conversa foi transmitida ao vivo.

O status da Marinha Francesa e a Situação Marítima Global

O Almirante Pierre começou com um briefing descrevendo o status da Marinha Francesa:

“Desde o fim da Guerra Fria, a Marinha Francesa, assim como outras frotas ocidentais, sofreu cortes orçamentários até cinco anos atrás. Desde a diminuição, a Marinha Francesa tem estado constantemente sob estresse, o que é um bom treinamento para tempos de guerra. Ela conseguiu manter um espectro completo de recursos, mas alguns deles foram reduzidos a uma escala muito pequena. A decisão de renovar algumas aeronaves e submarinos foi adiada demais no futuro e agora faltarão alguns ativos navais nos próximos anos”.
— Chefe da Marinha Francesa Almirante Pierre Vandier.

A Marinha Francesa baseia-se no apoio ao grupo de ataque do porta-aviões Charles de Gaulle que acabou de ser desdobrado no Mar Mediterrâneo nesta semana.

O porta-aviões francês Charles de Gaulle durante o exercício de pré-desdobramento FANAL19.
(Foto da Marinha Francesa)

O Almirante Vandier acredita que mar, espaço e ciberespaço estão ligados (via satélites e cabos de dados) e que os adversários usarão a violência para controlar esses domínios. O almirante gosta de pensar na guerra naval verticalmente do fundo do mar ao espaço, enquanto costumava ser o pensamento horizontal do mar à costa. A Marinha Francesa também está vendo uma proliferação de armas de superfície, submarinos e navais em todo o mundo devido à competição global, e isso ele acredita que fornece o maior risco de erro de cálculo (decisões equivocadas de “ordem para atirar”) que podem inadvertidamente utilizar esses armas.

Devido às demandas globais e ameaças estratégicas aos interesses nacionais franceses, a Marinha Francesa está desdobrada em muito mais lugares do que foi projetada no último Livro Branco de Defesa escrito em 2013. “Apesar desses cortes orçamentários, nunca perdemos nosso status de marinha ou nossa capacidade de agir em qualquer lugar e a qualquer hora, graças ao nosso compromisso permanente com a dissuasão no mar e os benefícios de um grupo de ataque do porta-aviões Charles de Gaulle de prontidão em alto mar”, disse o almirante Vandier, indicando que a Marinha Francesa participou de todos os grandes conflitos ocidentais nos últimos 30 anos.

O Almirante Vandier disse que a Marinha Francesa envia um navio de guerra quatro a cinco vezes por ano ao Mar Negro para mostrar o compromisso da França com a aplicação da OTAN naquela região.

Em relação às “atividades e fiscalização da Zona Cinza”, o almirante disse que a Marinha Francesa tem conhecimento de drogas e armas na parte ocidental do Oceano Índico e na parte oriental da África. Assim, a Marinha Francesa verifica essas regiões, rastreia-as e pressiona-as para impedir que essas atividades comecem outra coisa.

Quando o anfitrião do CSIS perguntou o quão grande é a preocupação com os sistemas aéreos não-tripulados (unmanned aerial vehiclesUAS) para a Marinha Francesa, o almirante respondeu que depende se o UAS é encontrado em operações costeiras ou em mar aberto, porque se for costeiro, as chances são de que o UAS seja menor do que um drone que pode viajar para mar aberto. Pode-se bloquear, ofuscar os sensores do UAS ou usar lasers para destruir o drone, e é uma guerra financeira não usar o caro míssil antiaéreo de um navio de guerra para abater um drone tão pequeno e barato, disse o almirante, que mencionou que a Marinha Francesa está trabalhando em tais sistemas contra-drones.

O anfitrião do CSIS perguntou como os sistemas não-tripulados podem ajudar a Marinha Francesa, ao que o almirante Vandier respondeu que os veículos aéreos não-tripulados (unmanned aerial vehiclesUAVs) podem ajudar a manter a bolha de consciência situacional noturna de inteligência, vigilância e reconhecimento (intelligence, surveillance, and reconnaissanceISR) em torno do grupo de ataque do porta-aviões (carrier strike groupCSG) que se encolhe à noite, quando os pilotos do porta-aviões precisam dormir e descansar. Os UAVs ajudarão a expandir essa bolha protetora CSG novamente à noite com ISR aéreo a longas distâncias. Veículos submarinos não-tripulados (unmanned underwater vehiclesUUVs) podem monitorar o fundo do mar em busca de invasões anfíbias.

A Marinha Francesa na Região Indo-Pacífico

Águas de Guam (11 de dezembro de 2020): O submarino de ataque rápido da classe Los Angeles USS Asheville (SSN 758), à direita, e o submarino de propulsão nuclear da classe Rubis da Marinha Francesa (SSN) Émeraude navegam em formação na costa de Guam durante um exercício fotográfico. O Asheville e Émeraude praticaram habilidades marítimas de ponta em uma infinidade de disciplinas projetadas para melhorar a interoperabilidade entre as forças marítimas. O Asheville é um dos quatro submarinos em prontidão avançada atribuídos ao Comandante, Esquadrão de Submarinos nº 15. (Foto da Marinha dos EUA pelo Especialista em Comunicação de Massa de 2ª Classe Kelsey J. Hockenberger)

A Marinha Francesa tem grandes interesses no Indo-Pacífico porque os franceses herdaram enormes territórios no Oceano Índico e no Pacífico e a França detém o segundo maior domínio marítimo do mundo com 11 milhões de quilômetros quadrados e sessenta por cento dele está no Indo-Pacífico, disse o Almirante Vander. Há 1,6 milhão de franceses vivendo em ilhas da Nova Zelândia, Nova Caledônia e ilhas do Pacífico, e a Marinha Francesa está comprometida em proteger seus cidadãos no exterior e está estruturada em torno dessa missão. A Marinha Francesa viu a ascensão de outras marinhas, como a Marinha Chinesa, e a Marinha Francesa está comprometida com a região da Orla das Nações do Pacífico Asiático (Rim of the Pacific Asian ExerciseRIMPAC) porque os franceses são vizinhos do RIMPAC.

A Marinha Francesa é uma mistura de guarda costeira e embarcações navais, onde as missões são combinadas, o que significa que uma fragata francesa pode realizar interdições de contrabando de drogas e rastrear e relatar a pesca ilegal, enquanto outras marinhas separam essas funções em navios letais da marinha militar cinza e navios da guarda costeira menos armados e de casco branco para aplicação da lei marítima. Essa combinação de missões letais de marinha  e de aplicação da lei marítima dá à Marinha Francesa um amplo espectro de missões e também determina a composição da Marinha Francesa de porta-aviões movido a energia nuclear a fragatas armadas a navios de patrulha offshore menores e menos armados para proteger os territórios insulares no oceano Pacífico. O almirante acrescentou que a Marinha francesa está combatendo a pesca ilegal usando satélites e permitindo que seus navios rastreiem e registrem a pesca ilegal.

Em relação à cooperação conjunta com a Marinha dos EUA e seus aliados, a Marinha dos EUA e a Marinha da França cooperaram muito no Golfo Pérsico. Em 2021, a Marinha Francesa enviou um submarino movido a energia nuclear para Guam e realizou exercícios com a Marinha dos EUA na área do Indo-Pacífico. A Marinha dos EUA e a Marinha da França assinaram recentemente uma Estrutura de Interoperabilidade Estratégica em 17 de dezembro de 2021.

A Marinha Francesa no Futuro

Grupo de ataque do porta-aviões PANG no mar.
(Imagem do Grupo Naval)

O almirante disse que o presidente Macron aumentou o orçamento da Defesa francesa com aumentos no financiamento plurianual, mas os resultados para as forças não ocorrerão antes de 2024 e que as lacunas militares não serão preenchidas antes de 2029.

“Nos próximos 20 anos, renovaremos novos recursos, como componentes marítimos para dissuasão nuclear, aeronaves marítimas, submarinos de ataque rápido, navios de patrulha offshore, ativos de controle de minas e navios de apoio.”
— Chefe da Marinha Francesa Almirante Pierre Vandier.

O Almirante Vandier estava muito interessado no plano do Chefe de Operações Navais (Chief of Naval OperationsCNO) da Marinha dos EUA Almirante Michael Gilday em 2021, antes que o Almirante Vandier lançasse seu plano estratégico chamado “Mercator 2021 Acceleration” e descobriu que muitos dos problemas são semelhantes aos do CNO da Marinha dos EUA.

Uma nova classe de navios patrulha para territórios ultramarinos está em construção e o primeiro de seis navios foi lançado ao mar em 2022, com o primeiro navio indo para a Nova Caledônia. Novas aeronaves ALBATROS Falcon 2000 chegarão em 2025 e haverá novos satélites para operações navais.

O Naval News perguntou ao Almirante Vandier: Que futuras grandes aquisições de capital (novos navios, submarinos, aviões de guerra) você prevê para a Marinha Francesa? O almirante respondeu que o próximo porta-aviões estará no mar por volta de 2037 e terá deslocamento de 80.000 toneladas com catapultas EMALS e dois reatores nucleares. Novos submarinos serão adquiridos até 2037, portanto, em meados da década de 2030, a Marinha Francesa será completamente renovada. No futuro, o Almirante Vandier prevê que a Marinha Francesa terá mais drones e uma variedade maior e melhor de armas para escolher. Além disso, as comunicações navais serão melhores, aprimoradas e mais vinculadas a satélites e recursos de comunicação mais novos.

Sobre o autor:

Peter Ong é um escritor freelancer com credenciais de mídia dos Estados Unidos e da Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) e mora na Califórnia. Peter tem um Bacharelado em Redação Técnica/Design Gráfico e um Mestrado em Negócios. Escreve artigos para publicações de veículos de defesa, marítimos e de emergência.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

GALERIA: Exercício de cães e renas no Ártico

Soldados da unidade de reconhecimento de uma das brigadas de infantaria mecanizada do Ártico utilizando cães e trenós na área de Murmansky, 1º de fevereiro de 2016.
(Lev Fedosseyev)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de dezembro de 2021.

Batedores da unidade de reconhecimento da 80ª Brigada de Infantaria Mecanizada do Ártico, em Alakurtti no Oblast de Murmansk e pertencente à Frota do Norte (FN), conduzem exercícios militares e demonstram a forma correta de andar de trenó puxado por cães - da raça Husky, de olhos azuis e pêlo acinzentado - e com renas, conforme os povos nativos da região. Os batedores de reconhecimento (Razvedchiki / Razvedika) são uma parte importante do sistema militar russo, tendo o mesmo padrão de treinamento das Spetsnaz. Os militares foram fotografados por Lev Fedosseyev em 1º de fevereiro de 2016.

“Os cães de trenó são selecionados quando ainda são muito jovens. Você pode dizer se um cachorrinho husky será um bom cão de trenó logo em um mês e meio”, disse o Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada.

Insígnia da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Os militares russos realizaram seu primeiro exercício de treinamento usando renas e trenós puxados por cães para realizar patrulhas nas duras condições do Ártico. O exercício foi realizado como resultado dum programa especial para preparar os huskies para servir nas forças armadas. O exercício foi gravado e intitulado "No Extremo Norte, os batedores da FN aprendem a usar renas e trenós puxados por cães".

Vídeo do exercício


As aulas foram ministradas em uma fazenda de pastoreio de renas perto da aldeia de Lovozero, na região de Murmansk. Os militares aprenderam a administrar equipes de cães e renas e desenvolveram os elementos táticos para conduzir operações de incursão no ambiente invernal da região. Criadores de renas e condutores contaram aos batedores sobre as peculiaridades para se manter e treinar os animais.

Durante o exercício, os soldados também aprenderam a erguer as moradias tradicionais dos povos nômades do norte chamados chumy, que são tendas de couro cru, para se manterem aquecidos. De acordo com Vadim Serga, chefe do serviço de imprensa da Frota do Norte, pastores de renas experientes podem montar um acampamento de abrigos chumy em apenas 10 ou 15 minutos. Os batedores enfrentaram tempo inclemente, com temperaturas atingindo -30ºC, mas mesmo assim os soldados e cães de trenó da brigada cumpriram sua missão, sendo auxiliados por indígenas locais.







Durante a Segunda Guerra Mundial - chamada de "Grande Guerra Patriótica" na Rússia - renas foram empregadas na região de Kola, no Ártico. Esta renas foram usadas para transportar carga militar, evacuar os feridos, enviar batedores para as linhas inimigas e até mesmo para destruir aeronaves e eliminar suas tripulações.

Através do transporte por renas, mais de 10 mil feridos foram retirados da linha de frente, cerca de 17 mil toneladas de munições e outras cargas militares foram movimentadas para a linha de frente, 160 aeronaves foram evacuadas da tundra, após terem feito pousos de emergência devido a avarias, e cerca de 8 mil militares e guerrilheiros foram transportados para cumprirem missões especiais atrás das linhas inimigas. Entre as operações bem-sucedidas de sabotagem usando o transporte de renas está o ataque ao campo de aviação de Petsamo em 1942.

Durante a guerra, várias brigadas de transporte e batalhões de esqui de renas foram formados, nos quais pastores de renas dentre os habitantes indígenas do Extremo Norte - Sami, Nenets, Komi - serviram com suas renas. Mais de 10 mil renas foram mobilizadas no total. Em Naryan-Mar, na rua Pobeda, foi inaugurado um monumento ao feito dos participantes dos batalhões de transporte de renas durante a Grande Guerra Patriótica.









“Se o filhote quiser ficar ao ar livre a maior parte do tempo, se tiver energia e não puder ficar parado em casa, deve ser enviado para um centro de treinamento de cães.”
- Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada:

domingo, 26 de dezembro de 2021

Morreu Richard Marcinko, o primeiro oficial comandante da SEAL Team Six


Por Jessica Edwards e Howard Altman, Navy Times, 26 de dezembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de dezembro de 2021.

SEAL da Marinha reformado, e o primeiro comandante da SEAL Team Six, Richard “Dick” Marcinko, morreu, de acordo com um post na página do Facebook do Navy Seal Museum (Museu dos SEALs da Marinha).

Ele tinha 81 anos.


Marcinko liderou a equipe SEAL no que se tornou conhecida como a operação SEAL de maior sucesso da Marinha durante a Guerra do Vietnã: o ataque de maio de 1967 a Ilo Ilo Han. Marcinko e seus homens mataram muitos vietcongues e destruíram seis de suas sampanas, de acordo com o Navy SEAL Museum. Marcinko serviu uma segunda vez com a Equipe SEAL Dois durante a Guerra do Vietnã. Seu pelotão auxiliou as Forças Especiais do Exército durante a Ofensiva do Tet.

Ele foi um dos dois representantes da Marinha em uma força-tarefa para ajudar a libertar reféns americanos durante a crise de reféns no Irã em 1979. Após a tragédia, a Marinha incumbiu Marcinko de projetar e desenvolver uma equipe contraterrorista dedicada.


O Chefe de Operações Navais, Almirante Thomas B. Hayward, selecionou Marcinko como o primeiro oficial comandante da unidade. Na época, a Marinha contava com duas equipes SEAL. De acordo com o Navy SEAL Museum, Marcinko chamou a unidade de “SEAL Team Six” (Equipe SEAL Seis) para fazer outras nações acreditarem que havia equipes SEAL adicionais. Ele também escolheu membros das equipes SEAL existentes e das equipes de demolição subaquática. Marcinko liderou o SEAL Team Six por três anos.

Depois de se aposentar da Marinha, Marcinko se tornou CEO da SOS Temps Inc., sua empresa de segurança privada, de acordo com seu perfil de autor na Amazon.

Marcinko foi o autor de The Real Team; The Rogue Warrior’s Strategy for Success: A Commando’s Principles of Winning; e o best-seller de quatro meses do New York Times, Leadership Secrets of the Rogue Warrior: A Commando’s Guide to Success, de acordo com a Amazon.

Ele também criou a Richard Marcinko Inc., uma empresa de treinamento motivacional e construção de equipes; e a Red Cell International, Inc., que realiza avaliações de vulnerabilidade de propriedades de alto valor e alvos de alto risco, de acordo com a Amazon.

“Rogue Warrior, sua autobiografia mais vendida do New York Times, preparou o terreno para seus romances best-sellers Rogue Warrior, oito dos quais foram coautorias com John Weisman,” de acordo com a Amazon.

Richard Marcinko, à esquerda, com Roman Mashovets, um ex-membro das Forças Especiais da Marinha da Ucrânia e atual vice-chefe do Gabinete do Presidente para Segurança Nacional e Defesa, em 23 de novembro de 2019.
(Roman Mashovets)

Entrevista com Dick Marcinko para o SOFREP (9 partes)


Leitura recomendada:

sexta-feira, 24 de dezembro de 2021

APS: O Fuzil de Assalto Especial Subaquático soviético

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de dezembro de 2021.

O APS (Avtomat Podvodny Spetsialnyy, Fuzil de Assalto Especial Subaquático) é uma arma subaquática projetada pela União Soviética no início dos anos 1970 e adotada em 1975; produzido pela fábrica de Tula.

Embaixo d'água, balas comuns são imprecisas e têm um alcance muito curto. O APS dispara um dardo de aço calibre 5,66mm de 120mm de comprimento, especialmente projetado para esta arma. Seu carregador comporta 26 tiros. O cano do APS não é estriado; o projétil disparado é mantido em linha por efeitos hidrodinâmicos. Por conta disso, o APS é um tanto impreciso quando disparado fora d'água. No entanto, em seu habitat sob as ondas, o APS pode disparar impressionantes 500 tiros por minuto.

Fora da água, o APS pode atirar, mas seu alcance efetivo não ultrapassa 50 metros, e a vida útil do fuzil cai para 180 tiros no ar em oposição aos 2.000 tiros debaixo d'água. Portanto, as Spetsnaz navais carregavam principalmente uma pistola SPP-1 (de quatro canos) para autodefesa debaixo d'água e um AK-74 para lutar em terra.

Mergulhador de combate disparando o fuzil APS em um campo de tiro de tiro subaquático.

Demonstração em Kaliningrado


Fuzil APS e dardo de 5,56mm.

O APS tem um alcance maior e mais poder de penetração do que arpões. Isso é útil em situações como atirar em um mergulhador adversário através de uma roupa seca reforçada, um capacete de proteção (com proteção de ar ou não), partes grossas e resistentes de conjuntos de respiração e seus arneses, e os invólucros de plástico e coberturas transparentes de alguns pequenos veículos subaquáticos.

O APS é mais poderoso do que uma pistola, mas é mais volumoso e leva mais tempo para mirar, principalmente manejando seu cano longo e carregador plano e volumoso lateralmente na água. O fuzil logo se tornou a principal arma dos homens-rãs soviéticos e dos homens-rãs da flotilha sérvia. Fabricado pela Fábrica de Armas de Tula, na Rússia, o APS é exportado pela Rosoboronexport, sendo utilizado por países amigos ou ex-integrantes do Pacto de Varsóvia como a Polônia, Vietnã e Cuba.

Desenho do APS.

Visão explodida das peças.

Após a anexação da Criméia em 2014 e a subsequente guerra por procuração na região ucraniana do Donbass, as relações entre a Rússia e o Ocidente deterioraram-se. O aumento da mobilização militar da OTAN nas fronteiras da Rússia levou a uma situação tensa na região estrategicamente vital dos países Bálticos, que abraçam o Mar Báltico. A Rússia tem duas enormes bases navais no Báltico: uma no enclave isolado de Kaliningrado e outra na região de São Petesburgo (ex-Leningrado). Um dos efeitos colaterais foi um renovado interesse pelo fuzil APS, em preparação para a defesa de sua Frota do Báltico contra quaisquer adversários possíveis.

No final da década de 1980, os soviéticos desenvolveram o fuzil anfíbio ASM-DT Morskoi Lev ("Leão do Mar"), que pode disparar munição convencional 5,45mm e dardos; tendo um desempenho comparável ao APS debaixo d'água e à carabina AKS-74U em terra firme. Esse fuzil foi adotado no ano 2000, mas por questões orçamentários ou problemas de projeto, esse fuzil foi emitido muito raramente.





Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada:

FOTO: Mergulhadores de combate gregos18 de janeiro de 2020.

terça-feira, 30 de novembro de 2021

FOTO: Princesa Diana visita oficial fuzileiro naval brasileiro

A Princesa Diana visitando o Capitão-de-Corveta (FN) Rui Xavier da Silva em um hospital nos Estados Unidos.

O oficial da Marinha do Brasil Rui Xavier da Silva foi ferido durante as operações de desminagem da MARMINCA, na fronteira Costa Rica/Nicarágua.

A Missão de Assistência para a Remoção de Minas na América Central (MARMINCA) foi completada em 18 de junho de 2010, tornando a América Central livre de minas terrestres.

Leitura relacionada:

FOTO: Desminagem da ONU no Camboja, 5 de outubro de 2021.

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Um navio de guerra de US$ 2 bilhões da Marinha dos EUA pegou fogo em parte porque os marinheiros não apertaram um botão, segundo a investigação


Por Ryan Pickrell, Business Insider, 21 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de outubro de 2021.

Pontos-chave:
  • Acredita-se que o USS Bonhomme Richard tenha sido incendiado por um incendiário, mas foi perdido por incompetência, diz a Marinha.
  • O equipamento de combate a incêndios foi mantido de forma inadequada e os marinheiros não estavam preparados e não foram treinados para combater um incêndio.
  • Não pressionar um botão que poderia ter ativado a espuma de supressão de fogo contribuiu para a perda do navio.
Um navio de assalto anfíbio da Marinha dos Estados Unidos foi destruído por um incêndio no verão passado em parte porque os marinheiros não conseguiram apertar um botão que poderia ter ativado um sistema crítico de supressão de fogo, constatou a investigação do comando sobre o incidente.

A Marinha encomendou o anfibio de grande doca USS Bonhomme Richard em 1998 a um custo de US$ 750 milhões, ou cerca de US$ 1,2 bilhão hoje. O valor total do navio no momento do incêndio é estimado em cerca de US$ 2 bilhões, de acordo com vários relatórios.

Em julho de 2020, o navio foi incendiado enquanto estava no cais de San Diego para manutenção. O fogo durou intensamente por quatro dias, danificando o navio a ponto da Marinha decidir sucateá-lo em vez de consertá-lo.

Tripulações lutam contra um incêndio a bordo do navio de assalto anfíbio da Marinha dos EUA USS Bonhomme Richard.
(Sean M. Haffey / Getty Images)

O ex-comandante da 3ª Frota, Vice-Almirante Scott Conn, disse em um relatório de investigação sobre o incêndio que "embora o incêndio tenha sido iniciado por um incêndio criminoso, o navio foi perdido devido à incapacidade de apagar o fogo." Ele especificamente chamou a atenção para como a "tripulação preparada inadequadamente" montou uma "resposta ineficaz ao fogo".

A resposta ineficaz a bordo do Bonhomme Richard incluiu várias falhas, incluindo uma falha em seguir os princípios básicos de combate a incêndios, como a utilização do sistema de espuma formadora de filme aquoso, ou AFFF (aqueous film forming foam).

Como o USNI News noticiou pela primeira vez, o sistema de supressão de incêndio não foi usado porque tinha sido mantido de forma inadequada e os marinheiros não estavam familiarizados em como usá-lo.

"A Força do Navio não considerou o emprego do sistema AFFF em tempo hábil", disse a investigação do comando, explicando que isso "contribuiu para a propagação e a incapacidade de controlar o fogo".

O sistema AFFF não estava totalmente operacional, mas "mesmo em seu estado degradado", afirma a investigação, "se o AFFF tivesse sido ativado no Convés Baixo V, teria fornecido agente nas proximidades da sede do incêndio, limitando a intensidade e taxa de propagação. Se o AFFF tivesse sido ativado no V Superior, ele poderia ter retardado o progresso do fogo para a parte traseira do Convés Superior V."

"A Força do Navio deveria ter tentado ativar o AFFF", disse a investigação. "Quase não houve discussão sobre o uso do sistema até mais de duas horas após o início do incêndio."

Os bombeiros lutam contra um incêndio a bordo do USS Bonhomme Richard. Marinha dos Estados Unidos.
(Foto de Especialista em Comunicação de Massa de 1ª Classe Jason Kofonow)

O sistema AFFF poderia ter sido ativado de forma fácil e eficaz com o apertar de um botão, mas, como o relatório explicou, "o botão nunca foi apertado e nenhum membro da tripulação entrevistado considerou esta ação ou teve conhecimento específico quanto à localização do botão ou sua função."

O Washington Examiner relatou pela primeira vez a falha dos marinheiros do Bonhomme Richard em empregar o sistema de botão de pressão AFFF.

"É surpreendente que ninguém na cena soubesse como ativar o sistema ou estivesse familiarizado o suficiente com ele para ativá-lo", disse Bryan Clark, ex-oficial da Marinha e especialista em defesa do Instituto Hudson. "Ele já existe há muito tempo."

Clark disse que, da perspectiva do comando, a incapacidade da tripulação de usar este sistema é "um grande descuido", explicando que o AFFF é "seu sistema de combate a incêndios de reserva".

“Você combate um incêndio com extintores de incêndio e depois mangueiras e, se ficar fora de controle, você vai para o sistema AFFF e começa a inundar os espaços com AFFF para apagá-lo”, disse ele. Ele acrescentou que isso "deveria ser bem conhecido de toda a tripulação".

O USS Bonhomme Richard em chamas na Base Naval de San Diego, 12 de julho de 2020.(US Navy / MCS2 Austin Haist via Getty Images)

Clark disse que é possível que parte da tripulação tenha mudado durante a revisão de 19 meses, durante a qual o treinamento para coisas como incêndios é menos rigoroso do que seria para um navio em andamento, e que o Bonhomme Richard acabou com uma tripulação que não foi bem treinado para lidar com incêndios, inundações e outras catástrofes potenciais.

Clark disse que se o sistema AFFF e os sistemas de ativação por botão, cujo status é desconhecido devido a verificações de manutenção incompletas, estivessem funcionando no dia em que o incêndio começou, "isso poderia ter feito uma grande diferença".

Uma série de outros erros e falhas, como atrasos no relato do incêndio, uma resposta desorganizada do comando e a incapacidade de limpar e selar certas áreas, só pioraram as coisas no Bonhomme Richard.

"A perda deste navio era completamente evitável", disse o vice-chefe de Operações Navais, Almirante Bill Lescher, na quarta-feira (20/10).

Ele explicou ainda que "a Marinha está executando um processo deliberativo que inclui a tomada de medidas de responsabilidade apropriadas com relação ao pessoal designado para o Bonhomme Richard e os comandos de costa designados para apoiar o navio enquanto atracado na Base Naval de San Diego."

Na investigação do comando sobre o incêndio do navio de guerra, Conn identificou 36 pessoas que, de uma forma ou de outra, contribuíram para a perda do Bonhomme Richard, incluindo o oficial comandante, que supostamente "criou um ambiente de mau treinamento, manutenção e padrões de operação que levaram diretamente à perda."

Ainda não está claro no momento quais ações de responsabilização a Marinha planeja tomar para os responsáveis.