Mostrando postagens com marcador Marinha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Marinha. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

GALERIA: Exercício de cães e renas no Ártico

Soldados da unidade de reconhecimento de uma das brigadas de infantaria mecanizada do Ártico utilizando cães e trenós na área de Murmansky, 1º de fevereiro de 2016.
(Lev Fedosseyev)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de dezembro de 2021.

Batedores da unidade de reconhecimento da 80ª Brigada de Infantaria Mecanizada do Ártico, em Alakurtti no Oblast de Murmansk e pertencente à Frota do Norte (FN), conduzem exercícios militares e demonstram a forma correta de andar de trenó puxado por cães - da raça Husky, de olhos azuis e pêlo acinzentado - e com renas, conforme os povos nativos da região. Os batedores de reconhecimento (Razvedchiki / Razvedika) são uma parte importante do sistema militar russo, tendo o mesmo padrão de treinamento das Spetsnaz. Os militares foram fotografados por Lev Fedosseyev em 1º de fevereiro de 2016.

“Os cães de trenó são selecionados quando ainda são muito jovens. Você pode dizer se um cachorrinho husky será um bom cão de trenó logo em um mês e meio”, disse o Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada.

Insígnia da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Os militares russos realizaram seu primeiro exercício de treinamento usando renas e trenós puxados por cães para realizar patrulhas nas duras condições do Ártico. O exercício foi realizado como resultado dum programa especial para preparar os huskies para servir nas forças armadas. O exercício foi gravado e intitulado "No Extremo Norte, os batedores da FN aprendem a usar renas e trenós puxados por cães".

Vídeo do exercício


As aulas foram ministradas em uma fazenda de pastoreio de renas perto da aldeia de Lovozero, na região de Murmansk. Os militares aprenderam a administrar equipes de cães e renas e desenvolveram os elementos táticos para conduzir operações de incursão no ambiente invernal da região. Criadores de renas e condutores contaram aos batedores sobre as peculiaridades para se manter e treinar os animais.

Durante o exercício, os soldados também aprenderam a erguer as moradias tradicionais dos povos nômades do norte chamados chumy, que são tendas de couro cru, para se manterem aquecidos. De acordo com Vadim Serga, chefe do serviço de imprensa da Frota do Norte, pastores de renas experientes podem montar um acampamento de abrigos chumy em apenas 10 ou 15 minutos. Os batedores enfrentaram tempo inclemente, com temperaturas atingindo -30ºC, mas mesmo assim os soldados e cães de trenó da brigada cumpriram sua missão, sendo auxiliados por indígenas locais.







Durante a Segunda Guerra Mundial - chamada de "Grande Guerra Patriótica" na Rússia - renas foram empregadas na região de Kola, no Ártico. Esta renas foram usadas para transportar carga militar, evacuar os feridos, enviar batedores para as linhas inimigas e até mesmo para destruir aeronaves e eliminar suas tripulações.

Através do transporte por renas, mais de 10 mil feridos foram retirados da linha de frente, cerca de 17 mil toneladas de munições e outras cargas militares foram movimentadas para a linha de frente, 160 aeronaves foram evacuadas da tundra, após terem feito pousos de emergência devido a avarias, e cerca de 8 mil militares e guerrilheiros foram transportados para cumprirem missões especiais atrás das linhas inimigas. Entre as operações bem-sucedidas de sabotagem usando o transporte de renas está o ataque ao campo de aviação de Petsamo em 1942.

Durante a guerra, várias brigadas de transporte e batalhões de esqui de renas foram formados, nos quais pastores de renas dentre os habitantes indígenas do Extremo Norte - Sami, Nenets, Komi - serviram com suas renas. Mais de 10 mil renas foram mobilizadas no total. Em Naryan-Mar, na rua Pobeda, foi inaugurado um monumento ao feito dos participantes dos batalhões de transporte de renas durante a Grande Guerra Patriótica.









“Se o filhote quiser ficar ao ar livre a maior parte do tempo, se tiver energia e não puder ficar parado em casa, deve ser enviado para um centro de treinamento de cães.”
- Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada:

domingo, 26 de dezembro de 2021

Morreu Richard Marcinko, o primeiro oficial comandante da SEAL Team Six


Por Jessica Edwards e Howard Altman, Navy Times, 26 de dezembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de dezembro de 2021.

SEAL da Marinha reformado, e o primeiro comandante da SEAL Team Six, Richard “Dick” Marcinko, morreu, de acordo com um post na página do Facebook do Navy Seal Museum (Museu dos SEALs da Marinha).

Ele tinha 81 anos.


Marcinko liderou a equipe SEAL no que se tornou conhecida como a operação SEAL de maior sucesso da Marinha durante a Guerra do Vietnã: o ataque de maio de 1967 a Ilo Ilo Han. Marcinko e seus homens mataram muitos vietcongues e destruíram seis de suas sampanas, de acordo com o Navy SEAL Museum. Marcinko serviu uma segunda vez com a Equipe SEAL Dois durante a Guerra do Vietnã. Seu pelotão auxiliou as Forças Especiais do Exército durante a Ofensiva do Tet.

Ele foi um dos dois representantes da Marinha em uma força-tarefa para ajudar a libertar reféns americanos durante a crise de reféns no Irã em 1979. Após a tragédia, a Marinha incumbiu Marcinko de projetar e desenvolver uma equipe contraterrorista dedicada.


O Chefe de Operações Navais, Almirante Thomas B. Hayward, selecionou Marcinko como o primeiro oficial comandante da unidade. Na época, a Marinha contava com duas equipes SEAL. De acordo com o Navy SEAL Museum, Marcinko chamou a unidade de “SEAL Team Six” (Equipe SEAL Seis) para fazer outras nações acreditarem que havia equipes SEAL adicionais. Ele também escolheu membros das equipes SEAL existentes e das equipes de demolição subaquática. Marcinko liderou o SEAL Team Six por três anos.

Depois de se aposentar da Marinha, Marcinko se tornou CEO da SOS Temps Inc., sua empresa de segurança privada, de acordo com seu perfil de autor na Amazon.

Marcinko foi o autor de The Real Team; The Rogue Warrior’s Strategy for Success: A Commando’s Principles of Winning; e o best-seller de quatro meses do New York Times, Leadership Secrets of the Rogue Warrior: A Commando’s Guide to Success, de acordo com a Amazon.

Ele também criou a Richard Marcinko Inc., uma empresa de treinamento motivacional e construção de equipes; e a Red Cell International, Inc., que realiza avaliações de vulnerabilidade de propriedades de alto valor e alvos de alto risco, de acordo com a Amazon.

“Rogue Warrior, sua autobiografia mais vendida do New York Times, preparou o terreno para seus romances best-sellers Rogue Warrior, oito dos quais foram coautorias com John Weisman,” de acordo com a Amazon.

Richard Marcinko, à esquerda, com Roman Mashovets, um ex-membro das Forças Especiais da Marinha da Ucrânia e atual vice-chefe do Gabinete do Presidente para Segurança Nacional e Defesa, em 23 de novembro de 2019.
(Roman Mashovets)

Entrevista com Dick Marcinko para o SOFREP (9 partes)


Leitura recomendada:

sexta-feira, 24 de dezembro de 2021

APS: O Fuzil de Assalto Especial Subaquático soviético

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de dezembro de 2021.

O APS (Avtomat Podvodny Spetsialnyy, Fuzil de Assalto Especial Subaquático) é uma arma subaquática projetada pela União Soviética no início dos anos 1970 e adotada em 1975; produzido pela fábrica de Tula.

Embaixo d'água, balas comuns são imprecisas e têm um alcance muito curto. O APS dispara um dardo de aço calibre 5,66mm de 120mm de comprimento, especialmente projetado para esta arma. Seu carregador comporta 26 tiros. O cano do APS não é estriado; o projétil disparado é mantido em linha por efeitos hidrodinâmicos. Por conta disso, o APS é um tanto impreciso quando disparado fora d'água. No entanto, em seu habitat sob as ondas, o APS pode disparar impressionantes 500 tiros por minuto.

Fora da água, o APS pode atirar, mas seu alcance efetivo não ultrapassa 50 metros, e a vida útil do fuzil cai para 180 tiros no ar em oposição aos 2.000 tiros debaixo d'água. Portanto, as Spetsnaz navais carregavam principalmente uma pistola SPP-1 (de quatro canos) para autodefesa debaixo d'água e um AK-74 para lutar em terra.

Mergulhador de combate disparando o fuzil APS em um campo de tiro de tiro subaquático.

Demonstração em Kaliningrado


Fuzil APS e dardo de 5,56mm.

O APS tem um alcance maior e mais poder de penetração do que arpões. Isso é útil em situações como atirar em um mergulhador adversário através de uma roupa seca reforçada, um capacete de proteção (com proteção de ar ou não), partes grossas e resistentes de conjuntos de respiração e seus arneses, e os invólucros de plástico e coberturas transparentes de alguns pequenos veículos subaquáticos.

O APS é mais poderoso do que uma pistola, mas é mais volumoso e leva mais tempo para mirar, principalmente manejando seu cano longo e carregador plano e volumoso lateralmente na água. O fuzil logo se tornou a principal arma dos homens-rãs soviéticos e dos homens-rãs da flotilha sérvia. Fabricado pela Fábrica de Armas de Tula, na Rússia, o APS é exportado pela Rosoboronexport, sendo utilizado por países amigos ou ex-integrantes do Pacto de Varsóvia como a Polônia, Vietnã e Cuba.

Desenho do APS.

Visão explodida das peças.

Após a anexação da Criméia em 2014 e a subsequente guerra por procuração na região ucraniana do Donbass, as relações entre a Rússia e o Ocidente deterioraram-se. O aumento da mobilização militar da OTAN nas fronteiras da Rússia levou a uma situação tensa na região estrategicamente vital dos países Bálticos, que abraçam o Mar Báltico. A Rússia tem duas enormes bases navais no Báltico: uma no enclave isolado de Kaliningrado e outra na região de São Petesburgo (ex-Leningrado). Um dos efeitos colaterais foi um renovado interesse pelo fuzil APS, em preparação para a defesa de sua Frota do Báltico contra quaisquer adversários possíveis.

No final da década de 1980, os soviéticos desenvolveram o fuzil anfíbio ASM-DT Morskoi Lev ("Leão do Mar"), que pode disparar munição convencional 5,45mm e dardos; tendo um desempenho comparável ao APS debaixo d'água e à carabina AKS-74U em terra firme. Esse fuzil foi adotado no ano 2000, mas por questões orçamentários ou problemas de projeto, esse fuzil foi emitido muito raramente.





Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada:

FOTO: Mergulhadores de combate gregos18 de janeiro de 2020.

terça-feira, 30 de novembro de 2021

FOTO: Princesa Diana visita oficial fuzileiro naval brasileiro

A Princesa Diana visitando o Capitão-de-Corveta (FN) Rui Xavier da Silva em um hospital nos Estados Unidos.

O oficial da Marinha do Brasil Rui Xavier da Silva foi ferido durante as operações de desminagem da MARMINCA, na fronteira Costa Rica/Nicarágua.

A Missão de Assistência para a Remoção de Minas na América Central (MARMINCA) foi completada em 18 de junho de 2010, tornando a América Central livre de minas terrestres.

Leitura relacionada:

FOTO: Desminagem da ONU no Camboja, 5 de outubro de 2021.

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Um navio de guerra de US$ 2 bilhões da Marinha dos EUA pegou fogo em parte porque os marinheiros não apertaram um botão, segundo a investigação


Por Ryan Pickrell, Business Insider, 21 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de outubro de 2021.

Pontos-chave:
  • Acredita-se que o USS Bonhomme Richard tenha sido incendiado por um incendiário, mas foi perdido por incompetência, diz a Marinha.
  • O equipamento de combate a incêndios foi mantido de forma inadequada e os marinheiros não estavam preparados e não foram treinados para combater um incêndio.
  • Não pressionar um botão que poderia ter ativado a espuma de supressão de fogo contribuiu para a perda do navio.
Um navio de assalto anfíbio da Marinha dos Estados Unidos foi destruído por um incêndio no verão passado em parte porque os marinheiros não conseguiram apertar um botão que poderia ter ativado um sistema crítico de supressão de fogo, constatou a investigação do comando sobre o incidente.

A Marinha encomendou o anfibio de grande doca USS Bonhomme Richard em 1998 a um custo de US$ 750 milhões, ou cerca de US$ 1,2 bilhão hoje. O valor total do navio no momento do incêndio é estimado em cerca de US$ 2 bilhões, de acordo com vários relatórios.

Em julho de 2020, o navio foi incendiado enquanto estava no cais de San Diego para manutenção. O fogo durou intensamente por quatro dias, danificando o navio a ponto da Marinha decidir sucateá-lo em vez de consertá-lo.

Tripulações lutam contra um incêndio a bordo do navio de assalto anfíbio da Marinha dos EUA USS Bonhomme Richard.
(Sean M. Haffey / Getty Images)

O ex-comandante da 3ª Frota, Vice-Almirante Scott Conn, disse em um relatório de investigação sobre o incêndio que "embora o incêndio tenha sido iniciado por um incêndio criminoso, o navio foi perdido devido à incapacidade de apagar o fogo." Ele especificamente chamou a atenção para como a "tripulação preparada inadequadamente" montou uma "resposta ineficaz ao fogo".

A resposta ineficaz a bordo do Bonhomme Richard incluiu várias falhas, incluindo uma falha em seguir os princípios básicos de combate a incêndios, como a utilização do sistema de espuma formadora de filme aquoso, ou AFFF (aqueous film forming foam).

Como o USNI News noticiou pela primeira vez, o sistema de supressão de incêndio não foi usado porque tinha sido mantido de forma inadequada e os marinheiros não estavam familiarizados em como usá-lo.

"A Força do Navio não considerou o emprego do sistema AFFF em tempo hábil", disse a investigação do comando, explicando que isso "contribuiu para a propagação e a incapacidade de controlar o fogo".

O sistema AFFF não estava totalmente operacional, mas "mesmo em seu estado degradado", afirma a investigação, "se o AFFF tivesse sido ativado no Convés Baixo V, teria fornecido agente nas proximidades da sede do incêndio, limitando a intensidade e taxa de propagação. Se o AFFF tivesse sido ativado no V Superior, ele poderia ter retardado o progresso do fogo para a parte traseira do Convés Superior V."

"A Força do Navio deveria ter tentado ativar o AFFF", disse a investigação. "Quase não houve discussão sobre o uso do sistema até mais de duas horas após o início do incêndio."

Os bombeiros lutam contra um incêndio a bordo do USS Bonhomme Richard. Marinha dos Estados Unidos.
(Foto de Especialista em Comunicação de Massa de 1ª Classe Jason Kofonow)

O sistema AFFF poderia ter sido ativado de forma fácil e eficaz com o apertar de um botão, mas, como o relatório explicou, "o botão nunca foi apertado e nenhum membro da tripulação entrevistado considerou esta ação ou teve conhecimento específico quanto à localização do botão ou sua função."

O Washington Examiner relatou pela primeira vez a falha dos marinheiros do Bonhomme Richard em empregar o sistema de botão de pressão AFFF.

"É surpreendente que ninguém na cena soubesse como ativar o sistema ou estivesse familiarizado o suficiente com ele para ativá-lo", disse Bryan Clark, ex-oficial da Marinha e especialista em defesa do Instituto Hudson. "Ele já existe há muito tempo."

Clark disse que, da perspectiva do comando, a incapacidade da tripulação de usar este sistema é "um grande descuido", explicando que o AFFF é "seu sistema de combate a incêndios de reserva".

“Você combate um incêndio com extintores de incêndio e depois mangueiras e, se ficar fora de controle, você vai para o sistema AFFF e começa a inundar os espaços com AFFF para apagá-lo”, disse ele. Ele acrescentou que isso "deveria ser bem conhecido de toda a tripulação".

O USS Bonhomme Richard em chamas na Base Naval de San Diego, 12 de julho de 2020.(US Navy / MCS2 Austin Haist via Getty Images)

Clark disse que é possível que parte da tripulação tenha mudado durante a revisão de 19 meses, durante a qual o treinamento para coisas como incêndios é menos rigoroso do que seria para um navio em andamento, e que o Bonhomme Richard acabou com uma tripulação que não foi bem treinado para lidar com incêndios, inundações e outras catástrofes potenciais.

Clark disse que se o sistema AFFF e os sistemas de ativação por botão, cujo status é desconhecido devido a verificações de manutenção incompletas, estivessem funcionando no dia em que o incêndio começou, "isso poderia ter feito uma grande diferença".

Uma série de outros erros e falhas, como atrasos no relato do incêndio, uma resposta desorganizada do comando e a incapacidade de limpar e selar certas áreas, só pioraram as coisas no Bonhomme Richard.

"A perda deste navio era completamente evitável", disse o vice-chefe de Operações Navais, Almirante Bill Lescher, na quarta-feira (20/10).

Ele explicou ainda que "a Marinha está executando um processo deliberativo que inclui a tomada de medidas de responsabilidade apropriadas com relação ao pessoal designado para o Bonhomme Richard e os comandos de costa designados para apoiar o navio enquanto atracado na Base Naval de San Diego."

Na investigação do comando sobre o incêndio do navio de guerra, Conn identificou 36 pessoas que, de uma forma ou de outra, contribuíram para a perda do Bonhomme Richard, incluindo o oficial comandante, que supostamente "criou um ambiente de mau treinamento, manutenção e padrões de operação que levaram diretamente à perda."

Ainda não está claro no momento quais ações de responsabilização a Marinha planeja tomar para os responsáveis.

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Lançamento do novo submarino japonês Hakugei


A Kawasaki Heavy Industries bateu a quilha do submarino Hakugei S514, no Estaleiro de Kobe, em 14 de outubro de 2021. O S514 trata-se da segunda unidade da classe Taigei de submarinos diesel-elétricos (SSK) de ponta destinados à Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF).

O submarino Hakugei tem um comprimento de 84,0 m, uma quilha de 9,1m e um calado de 10,4m; com um deslocamento de 3.000 toneladas. Este novo submarino é movido por propulsão diesel-elétrica usando baterias de íon-lítio, como é o caso com o décimo primeiro e o décimo segundo submarinos da classe Sōryū (Ōryū e Tōryū). O armamento consiste em seis tubos de torpedo HU-606 de 21 pol. (533mm) capazes de lançar torpedos Tipo 89 e mísseis anti-navio Harpoon.

A classe Taigei (29SS) é a sucessora dos submarinos da classe Sōryū. O projeto do submarino da classe Taigei é muito semelhante ao do submarino da classe Sōryū, mas será 100 toneladas mais pesado do que seu antecessor.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

FOTO: Marinheira no convés de vôo do HMAS Canberra

Marinheira Indiana Van Arkel do convés de vôo do HMAS Canberra, 2021.

Marinheira Habilitada (Able Seaman) de aviônica Indiana Van Arkel, da Marinha Real Australiana (RAN), posando no convés de vôo do HMAS Canberra, durante o exercício Talisman Sabre 21, em 2021.

Conduzido em julho, o exercício Talisman Sabre (Sabre Talismã) é a maior atividade de treinamento combinado bilateral entre as Forças de Defesa Australianas (ADF) e os militares dos Estados Unidos (EUA). O exercício deste ano envolveu mais de 17.000 militares da Austrália e dos Estados Unidos, e durou três semanas.

Além dos Estados Unidos, forças do Canadá, Japão, Nova Zelândia, República da Coréia e Reino Unido participaram do Talisman Sabre 2021, e funcionários da Índia, Indonésia, França e Alemanha baseados na Austrália observarão o exercício. Esta foi a nona versão do exercício.

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

FOTO: SEALs da Coréia do Sul treinando CQB

UDT/SEAL coreanos treinando CQB em uma plataforma offshore, 17 de janeiro de 2013.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de setembro de 2021.

Os homens-rã sul-coreanos dos UDT/SEAL são parte integrante da Flotilha de Guerra Especial da Marinha da República da Coréia (Republic of Korea Navy Special Warfare Flotilla, NAVSPECWARFLOT ou WARFLOT; Coreano: 대한민국 해군 특수전 전단, Hanja: 大韓民國 海軍 特殊 戰 戰 團) é uma força de operações especiais da Marinha da Coréia do Sul. O WARFLOT também é conhecido como ROKN UDT/SEAL, porque o UDT/SEAL é o ramo da flotilha mais conhecido publicamente. Seu atual comandante é o General-de-Brigada Yoo Jae-man.

Os UDT/SEALs sob a WARFLOT são fortemente influenciados pelos SEALs da Marinha dos Estados Unidos, que inicialmente forneceram financiamento e experiência na criação da unidade, e ainda mantêm um relacionamento forte realizando regularmente treinamento conjunto de intercâmbio combinado (joint combined exchange trainingJCET) várias vezes por ano, utilizando helicópteros e submarinos americanos, e matriculando alunos todos os anos nos programas de guerra especial naval dos EUA, como o BUD/S e a escola EOD. Esse relacionamento também se manifesta nos nomes em inglês e coreano.

Insígnia personalizada com uma rã em alusão à vocação da tropa UDT/SEAL.

Ordem de batalha da Flotilha de Guerra Especial, com sede em Jinhae:
  • 1º Batalhão (força de ataque principal dividida em três unidades especializadas)
    • Esquadrão de Guerra Especial (Special Warfare Squadron, SEAL)
    • Equipe de Demolição Subaquática (Underwater Demolition Team, UDT)
    • Unidade de Resgate Marítimo/Contraterrorismo (CT/VBSS)
  • Unidade de Salvatagem de Navios (SSU) - com sede em Jinhae
    • 1ª Equipe de Operações de Resgate
    • 2ª Equipe de Operações de Resgate
    • 3ª Equipe de Operações de Resgate
    • Equipe de mergulho em alto mar
    • Grupo de apoio
  • 3º Batalhão (Apoio) - em Donghae anexado ao 1º Comando de Frota
  • 5º Batalhão (Apoio) - em Pyeongtaek anexado ao 2º Comando de Frota
  • Batalhão de Eliminação de Material Bélico Explosivo (EOD) - independente desde 2017
  • Batalhão de Inteligência Militar
A Unidade de Demolição Submarina (Underwater Demolition Unit, UDU) foi oficialmente estabelecida em 1954. Sua organização principal foi formada em setembro de 1948, quando o Corpo de Contra-Inteligência do Exército Americana criou uma unidade secreta de espionagem na Coréia. Em 1955, a unidade foi renomeada UDU, abreviação de Unidade de Demolições Subaquáticas. Suas missões principais foram se infiltrar na Coréia do Norte, sequestrar ou assassinar funcionários importantes, destruir estruturas importantes, reabastecer agentes, demolir infraestruturas de transporte, reconhecimento, escutas telefônicas nas comunicações do exército norte-coreano e atacar alvos militares no Norte.

A SWF esteve envolvido em missões de reconhecimento na Coréia do Norte até 1980, quando vários operadores foram separados para formar a unidade de inteligência UDU.

Em 1968, foi criada a Unidade de Disposição de Explosivos (Explosives Disposal Unit, EOD) e, em 1993, a SWF foi encarregada de erguer uma unidade de contraterrorismo marítimo, que até então era responsabilidade do 707º Grupo de Missão Especial do Exército. No final da década de 1990, o foco principal era a defesa da costa das frequentes tentativas do Norte de infiltrar agentes no Sul usando submarinos pequenos. A partir de 1º de janeiro de 2009, as Forças Especiais foram reorganizadas novamente e a Unidade de Salvamento de Navios (Ship Salvage Unit, SSU) foi subordinada ao 5º Batalhão.

Mais de 300 funcionários da UDU foram mortos em mais de 200 missões na Coréia do Norte de 1948 a 1971, incluindo missões com aliados que incluíam a Agência Central de Inteligência americana (CIA). No entanto, apenas uma lista de cerca de 150 nomes foi obtida pela UDU, por causa de um incêndio na unidade em 1961 que queimou todos os dados.

ROK Navy UDT e Seal em um treinamento de infiltração na costa durante a operação em clima frio, 5 de fevereiro de 2010.

Os comandos navais sul-coreanos, além de operações contra a Coréia do Norte, foram empregados na Guerra do Vietnã, nas guerras no Afeganistão e Iraque, e são atualmente empregados em missões anti-pirataria.

Desde 2009, a SWF formou o núcleo do grupo-tarefa anti-pirataria Cheonghae desdobrado na costa da Somália. Na madrugada de 22 de janeiro de 2011, como parte da Operação Amanhecer do Golfo de Áden, 15 operadores SWF embarcaram no cargueiro químico Samho Jewelry de 11.000 toneladas que foi levado por 13 piratas 6 dias antes; 21 marinheiros foram mantidos reféns. O ROKS Choi-Young, um contratorpedeiro de 4600 toneladas, despachou sua equipe SWF às 4:58 da manhã junto com um helicóptero Lynx que então circulou o navio e disparou metralhadoras para distrair os piratas. O grupo de abordagem de 15 operadores SWF matou 8 piratas e capturou 5 sem sofrer nenhuma baixa após 3 horas de intenso tiroteio. Todos os 21 reféns foram libertados, com um deles sofrendo um ferimento não-fatal de arma de fogo no abdômen.

Bibliografia recomendada:

A História Secreta das Forças Especiais.
Éric Denécé.

Leitura recomendada:










sexta-feira, 4 de junho de 2021

LIVRO: Estrela Resplandecente, Sol Poente: A Campanha Guadalcanal-Salomão, novembro de 1942 a março de 1943

Pelo Dr. James Bosbotinis, The Naval Review, 4 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de junho de 2021.

O assunto deste livro atraiu imediatamente este revisor, e dadas suas 512 páginas, eu esperava um relato detalhado da campanha Guadalcanal-Salomão. Ao ler Blazing Star, Setting Sun, minhas expectativas certamente foram atendidas. O autor, Jeffrey Cox, advogado de litígio e historiador militar independente, com particular interesse na Guerra do Pacífico, escreveu um relato altamente detalhado dos meses cruciais entre o outono de 1942 e a primavera de 1943, que determinou o resultado campanha das Ilhas Salomão em si, e contribuiu significativamente para a derrota final do Japão.

Fuzileiros navais dos Estados Unidos desembarcando em Guadalcanal, 7 de agosto de 1942.

Cox escreveu anteriormente sobre a Batalha do Mar de Java (fevereiro de 1942) e a fase de abertura da campanha Guadalcanal-Solomão no verão de 1942, Blazing Star, Setting Sun continua a narrativa através da conclusão da Batalha de Guadalcanal e da Batalha do Mar de Bismarck em março de 1943.

Seguindo uma abordagem amplamente cronológica, o livro é dividido em oito capítulos com um prólogo e epílogo de apoio e apresenta notas de fim abrangentes e uma bibliografia valiosa. Uma seleção de mapas e uma seção fotográfica em preto e branco também estão incluídos. A profundidade da pesquisa que o autor empreendeu é muito clara em seu tratamento da campanha Guadalcanal-Salomão: Blazing Star, Setting Sun fornece um relato convincente e altamente legível da campanha, com a discussão abrangendo a grande estratégia até o nível tático.

O porta-aviões da Marinha dos Estados Unidos USS Enterprise (CV-6), visto de outro navio dos Estados Unidos, enquanto estava sob ataque de bombardeiros de mergulho japoneses durante a Batalha das Ilhas Salomão Orientais em 24 de agosto de 1942.

O detalhe fornecido pelo autor é louvável. Cox fornece uma análise ricamente detalhada da campanha Guadalcanal-Salomão e considera fatores como liderança, inovação doutrinária e tática, perspectivas contrastantes sobre a natureza da guerra naval (como a obsessão japonesa com a 'batalha decisiva'), o impacto da inteligência de comunicações (signals intelligenceSIGINT) e o impacto psicológico e os efeitos da guerra, por exemplo, no que diz respeito às consequências da Batalha do Mar de Bismarck e como as atrocidades japonesas definiram o contexto para os militares americanos se vingarem.

O capítulo final do livro enfoca a Batalha do Mar de Bismarck e fornece um valioso estudo de caso sobre a vantagem conferida pelo SIGINT, uma abertura à inovação e os efeitos operacionais e estratégicos da inovação tática.

Pilotos de caça zero do porta-aviões da Marinha Imperial Japonesa Zuikaku preparam-se para uma missão de Buin, Bougainville, Ilhas Salomão em 7 de abril de 1943. A missão era atacar aeronaves e navios aliados em Savo Sound entre Guadalcanal e Tulagi / Ilhas da Flórida.

Blazing Star, Setting Sun é um livro excelente; é muito bem escrito, profundamente envolvente e acessível. Existem alguns erros de digitação muito pequenos, mas eles não prejudicam a qualidade deste livro. Ele vai apelar para o leitor leigo e aqueles com um interesse acadêmico ou profissional na campanha Guadalcanal-Salomão, ou história naval mais ampla, estratégia marítima ou para usar o léxico contemporâneo, integração multi-domínio. A campanha das Ilhas Salomão foi travada no ar, na terra e no mar, e como Cox habilmente explica, o sucesso em cada domínio estava inextricavelmente ligado.

Este livro seria de especial valor para aqueles que estão na faculdade ou se preparando para ingressar na faculdade. Blazing Star, Setting Sun foi um prazer e uma leitura fascinante e terá um grande apelo para os membros da The Naval Review. É altamente recomendado.

Bibliografia recomendada:

US Marine versus Japanese Infantryman.

A Guerra Aeronaval no Pacífico 1941-1945.

Leitura recomendada:


LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.



sexta-feira, 7 de maio de 2021

Novo Barco de Combate X18 da Indonésia inicia testes na água

O Barco de Combate X18 na água na Indonésia. (JCD).

Por Nathan Gain, Naval News, 7 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de maio de 2021.

O programa do Barco de Combate X18 da Indonésia está se encaminhando para a primeira entrega, disse ao Naval News a John Cockerill Defense (JCD), que está fornecendo o armamento. Um protótipo foi colocado nas águas em 28 de abril nas águas de Banyuwangi.

"O barco passará por testes de construtor para verificar todas as suas funções na água. O barco deverá apoiar as operações das TNI em pântanos, fluviais, costeiros e marítimos, bem como nas funções de guarda costeira", disse a PT Pindad na sua página no Facebook.

O Barco de Combate X18 é um programa lançado pelo Ministério da Defesa da Indonésia. Anteriormente conhecido como "Barco-Tanque" (Tank Boat), e é executado por um consórcio em que a PT Pindad é a integração líder em colaboração com a PT Lundin (Barcos do Mar do Norte), a PT Len Industri (Persero) e a PT Hariff. Estes barcos destinam-se ao Exército Indonésio (TNI-AD) e serão conhecidos localmente como “Antanesa”.

Esta variante "APC" (transporte de tropas) do Barco de Combate foi projetada principalmente para tarefas de transporte de tropas. Será capaz de transportar até 60 soldados, 5 toneladas de carga, drones e será operada por uma tripulação de 5 homens. "Equipado com RCWS [estação de controle remoto] de 30mm e duas metralhadoras de 12,7mm, o barco está preparado para proteger a soberania e as águas territoriais da Indonésia", acrescenta PT Pindad.

O Barco de Combate X18 foi lançado em 28 de abril em Banyuwangi Waters. (PT Pindad)

O Barco de Combate empregará drones quadricópteros para tarefas de ISR.

A embarcação integra a torre não tripulada Cockerill 3030 da John Cockerill Defense (JCD). A empresa belga também fez melhorias de engenharia e construção no que diz respeito ao ambiente marinho e à especificidade do material compósito do catamarã (embarcação de dois cascos).

A variante APC terá melhorias adicionais, como capacidades de disparo de mísseis, acrescentou a JCD. A integração dos drones, por exemplo, está sendo testada. Fornecido pela NORTHSEADRONES, uma cooperação entre a Noruega e a Indonésia, o drone será conectado ao barco e à torre e será usado para tarefas de vigilância e reconhecimento.

Os testes de mar vão durar até o final de maio. A etapa de teste de aceitação de fábrica (factory acceptance test, FAT), bem como o teste de aceitação do local (site acceptance testSAT) e o teste de aceitação do porto (harbor acceptance testHAT), acontecerão em maio de 2021. No mar, os testes de disparo real começarão no próximo mês. A entrega ao TNI-AD ainda não foi decidida, mas pode ocorrer provavelmente por volta de setembro de 2021.

"Este primeiro Barco de Combate X18 estará pronto para receber delegações estrangeiras na segunda metade de [20]21", disse um representante da JCD à Naval News, acrescentando que a embarcação «realmente aparecerá como uma estreia mundial com toda a última geração de naviônicos e sistema de comunicação".

O Barco de Combate X18 foi lançado em 28 de abril nas águas de Banyuwangi. (PT Pindad)

Nathan Gain está baseado em Namur, Bélgica. Ele possui um MA em história moderna com especialização em relações internacionais pela Universidade Católica de Louvain (UCL - Bélgica). Fascinado pela história militar, ele naturalmente se voltou para o setor de defesa após se formar e está particularmente interessado em questões de defesa do norte da Europa e da Bélgica, bem como em qualquer coisa relacionada à aviação naval.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: