Mostrando postagens com marcador SEALs. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SEALs. Mostrar todas as postagens

domingo, 26 de dezembro de 2021

Morreu Richard Marcinko, o primeiro oficial comandante da SEAL Team Six


Por Jessica Edwards e Howard Altman, Navy Times, 26 de dezembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de dezembro de 2021.

SEAL da Marinha reformado, e o primeiro comandante da SEAL Team Six, Richard “Dick” Marcinko, morreu, de acordo com um post na página do Facebook do Navy Seal Museum (Museu dos SEALs da Marinha).

Ele tinha 81 anos.


Marcinko liderou a equipe SEAL no que se tornou conhecida como a operação SEAL de maior sucesso da Marinha durante a Guerra do Vietnã: o ataque de maio de 1967 a Ilo Ilo Han. Marcinko e seus homens mataram muitos vietcongues e destruíram seis de suas sampanas, de acordo com o Navy SEAL Museum. Marcinko serviu uma segunda vez com a Equipe SEAL Dois durante a Guerra do Vietnã. Seu pelotão auxiliou as Forças Especiais do Exército durante a Ofensiva do Tet.

Ele foi um dos dois representantes da Marinha em uma força-tarefa para ajudar a libertar reféns americanos durante a crise de reféns no Irã em 1979. Após a tragédia, a Marinha incumbiu Marcinko de projetar e desenvolver uma equipe contraterrorista dedicada.


O Chefe de Operações Navais, Almirante Thomas B. Hayward, selecionou Marcinko como o primeiro oficial comandante da unidade. Na época, a Marinha contava com duas equipes SEAL. De acordo com o Navy SEAL Museum, Marcinko chamou a unidade de “SEAL Team Six” (Equipe SEAL Seis) para fazer outras nações acreditarem que havia equipes SEAL adicionais. Ele também escolheu membros das equipes SEAL existentes e das equipes de demolição subaquática. Marcinko liderou o SEAL Team Six por três anos.

Depois de se aposentar da Marinha, Marcinko se tornou CEO da SOS Temps Inc., sua empresa de segurança privada, de acordo com seu perfil de autor na Amazon.

Marcinko foi o autor de The Real Team; The Rogue Warrior’s Strategy for Success: A Commando’s Principles of Winning; e o best-seller de quatro meses do New York Times, Leadership Secrets of the Rogue Warrior: A Commando’s Guide to Success, de acordo com a Amazon.

Ele também criou a Richard Marcinko Inc., uma empresa de treinamento motivacional e construção de equipes; e a Red Cell International, Inc., que realiza avaliações de vulnerabilidade de propriedades de alto valor e alvos de alto risco, de acordo com a Amazon.

“Rogue Warrior, sua autobiografia mais vendida do New York Times, preparou o terreno para seus romances best-sellers Rogue Warrior, oito dos quais foram coautorias com John Weisman,” de acordo com a Amazon.

Richard Marcinko, à esquerda, com Roman Mashovets, um ex-membro das Forças Especiais da Marinha da Ucrânia e atual vice-chefe do Gabinete do Presidente para Segurança Nacional e Defesa, em 23 de novembro de 2019.
(Roman Mashovets)

Entrevista com Dick Marcinko para o SOFREP (9 partes)


Leitura recomendada:

sábado, 1 de maio de 2021

A Turma 31 de Treinamento UDT e os quatro brasileiros

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de maio de 2021.

Extrato do livro Combat Swimmer: Memoires of a Navy SEAL ("Nadador de Combate: Memórias de um SEAL da Marinha"), do Capitão Robert A. Gormly, que foi SEAL nos anos 60 e lutou no Vietnã. Ele menciona que em sua turma formaram-se muitos oficiais, além de quatro brasileiros.

"A Turma 31 de Treinamento UDT causa de nossa razão extremamente alta entre oficiais e praças; tínhamos mais de trinta oficiais no início, de uma classe total de cerca de cem pessoas. Dessa centena inicial, dez oficiais (incluindo dois brasileiros) e quinze praças (incluindo dois brasileiros) se formaram. Setenta e cinco homens não conseguiram, mas essa é a média do treinamento básico da UDT. Alguns diriam que a alta proporção de oficiais e praças não era boa, mas isso não importava no treinamento básico da UDT, porque todos fizemos as mesmas coisas e dividimos as cargas igualmente. Essa é uma das razões pelas quais os oficiais e praças SEAL têm relacionamentos próximos."

- Captain Robert A. Gormly, USN, Combat Swimmer: Memoirs of a Navy SEAL, pg. 37.

O posto de Capitão na marinha americana equivale ao Capitão-de-Mar-e-Guerra (CMG) no Brasil, equivalente a Coronel. Com 29 anos de serviço ativo, Robert serviu do delta do Mekong à invasão de Granada em 1983, sendo muito crítico da atuação dos SEALs. De comandante de pelotão em 1968 até sua missão como comandante da SEAL Team 6 em 1983, a trajetória Robert se confunde com a história dos SEALs.

Sistema atual das operações especiais da Marinha, COMANF e GRUMEC.

Bibliografia recomendada:

Guardiões de Netuno:
Origem e Evolução do Grupamento de Mergulhadores de Combate da Marinha do Brasil.
Rodney Lisboa.

Leitura recomendada:

6 fatos selvagens sobre o criador mortal da SEAL Team Six, 25 de fevereiro de 2020.

Christopher Mark Heben ex-operador SEAL da Marinha fala sobre sua vida27 de fevereiro de 2019.

GALERIA: Operadores do GROM no porto de Umm Qasr, 17 de novembro de 2020.

FOTO: SEALs com um designador de alvo laser8 de agosto de 2020.

FOTO: Hiena caçada por um SEAL na Somália, 6 de agosto de 2020.

terça-feira, 17 de novembro de 2020

GALERIA: Operadores do GROM no porto de Umm Qasr


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de novembro de 2002.

Na invasão do Iraque em 2003, o GROM formou parte do núcleo do Grupo-Tarefa de Operações Especiais Navais (Naval Special Operations Task Group), junto com SEALs da Marinha dos EUA, Fuzileiros Navais Reais britânicos e equipes de assuntos civis e Operações Psicológicas do exército americano. GROM significa "trovão" em polonês e é acrônimo para Grupa Reagowania Operacyjno-Manewrowego (Grupo de Resposta de Manobra Operacional); era comandado na época pelo Coronel Roman Polko, hoje um general-de-divisão.

Em 20 de março de 2003, os fuzileiros navais americanos da 1ª Companhia F.A.S.T. (Fleet Anti-terrorism Security Team, Equipe de Segurança Anti-Terrorismo da Esquadra; uma unidade CQB) e operadores do GROM assaltaram os terminais de petróleo KAAOT, enquanto os fuzileiros navais da 1ª Companhia F.A.S.T. e os SEALs dos SEAL Team 8 e 10 tomaram o terminal de petróleo MABOT. Ambos os terminais foram tomados sem baixas e os explosivos encontrados nos terminais foram colocados em segurança pelos operadores GROM e SEAL. 

Comandos americanos e poloneses em 20 de março de 2003.

Uma equipe mista de 35 operadores GROM e 20 SEALs do SEAL Team 5 tomaram a barragem hidrelétrica de Mukatayin, 92km a nordeste de Bagdá. As tropas iraquianas que guardavam a barragem se renderam sem lutar e não houve baixas na equipe; com exceção de um soldado GROM, que quebrou um tornozelo durante a inserção de um helicóptero MH-53J Pave Low da Força Aérea dos EUA.

Os caça-minas da coalizão, incluindo o HMS Bangor e HMS Sandown (auxiliados por mergulhadores), helicópteros MH-53E da Marinha dos EUA e golfinhos treinados, localizaram a abordagem do porto e o limparam de minas, permitindo que o RFA Sir Galahad atracasse após alguns dias. O primeiro caça-minas, HMS Brocklesby, encontrou 80 minas Manta dispostas perto da rota de transporte, que foram destruídas em uma detonação controlada

Unidades SEAL e GROM continuaram a cooperar durante o resto da fase de invasão, com raides e missões anti-sniper em Bagdá.

Operadores do GROM no porto de Umm Qasr, 28 de março de 2003.

Homens do GROM e SEAL posando diante de um blindado iraquiano destruído, 2003.

Operadores GROM e SEAL posando diante de um retrato do ex-ditador Saddam Hussein, 2003.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

quinta-feira, 5 de novembro de 2020

VÍDEO: Atirando com o óculos de visão noturna panorâmica GPNVG-18


O GPNVG-18 é um óculos de visão noturna (OVN) com quatro tubos agrupados em dois binóculos que fornece visão panorâmica ao operador, aliviando a visão de túnel típica dos OVN. Segundo o vídeo, um GPNVG-18 custa 40 mil dólares.

Este OVN ficou famoso no mundo todo com a publicação do livro "No Easy Day" ("Não existe dia fácil", 2012), após a incursão dos SEALs que matou Osama bin Laden. Isto seguiu uma quase onipresença do quadrinóculo em filmes, séries, livros e vídeo games.



Livro "No Easy Day"


Leitura recomendada:

Friday Night Lights: Como usar a visão noturna - para iniciantes8 de fevereiro de 2020.

A Viabilidade das Operações na Selva à Noite5 de outubro de 2020.


FOTO: Dragão moderno, 27 de abril de 2020.

sábado, 8 de agosto de 2020

FOTO: SEALs com um designador de alvo laser

Dois Navy SEALs com um designador de alvo laser AN-PAQ-1 durante um demonstração, 17 de maio de 1988.

Dois membros da equipe Sea-Air-Land (SEAL), um equipado com um designador de alvo laser AN-PAQ-1, e outro armado com um fuzil M-14, assumem uma posição defensiva após atacar a praia durante uma demonstração anfíbia para a 14ª Conferência Naval Interamericana Anual; ocorrida na Base Naval Anfíbia de Little Creek, Virginia (VA), nos Estados Unidos da América (EUA).

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

FOTO: Hiena caçada por um SEAL na Somália6 de agosto de 2020.

O plano da Marinha de criar mais pelotões SEAL parou em meio a problemas disciplinares29 de maio de 2020.

Certos “aspectos culturais” das forças especiais dos EUA explicariam problemas de disciplina7 de abril de 2020.

Christopher Mark Heben ex-operador SEAL da Marinha fala sobre sua vida27 de fevereiro de 2019.

6 fatos selvagens sobre o criador mortal da SEAL Team Six25 de fevereiro de 2020.

Navy SEAL aposentado Eddie Gallagher ataca novamente os SEALs que testemunharam contra ele24 de fevereiro de 2020.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

6 fatos selvagens sobre o criador mortal da SEAL Team Six


Por Blake Stilwell, We Are The Mighty, 30 de agosto de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

Atualmente, Richard Marcinko é instrutor de negócios, autor e palestrante motivacional. Nos seus primeiros anos, "Demo Dick" era o principal operador de contraterrorismo dos Estados Unidos. Marcinko se alistou na Marinha dos EUA em 1958 e, finalmente, subiu ao posto de comandante, formou-se em relações internacionais e ciência política e ganhou 34 medalhas e citações, incluindo uma Estrela de Prata, a Legião do Mérito e quatro Estrelas de Bronze. Mas esse é apenas o currículo militar dele.

Mesmo entre as fileiras de operadores especiais americanos, Marcinko, seu registro e sua reputação são todos excepcionais - e é fácil entender por que. Aos 77 anos, ele ainda está treinando executivos de negócios e equipes de resgate de reféns nos EUA e no exterior. Ele até trabalhou como consultor no programa de televisão 24 Horas da FOX. Seu livro de memórias, Rogue Warrior, é um best-seller do New York Times.

Rogue Warrior.

"Sou bom em guerra", disse Marcinko uma vez à revista People. "Mesmo no Vietnã, o sistema me impediu de caçar e matar tantos inimigos quanto eu gostaria."

1. O Vietnã do Norte tinha uma recompensa sobre a sua cabeça

Como comandante de pelotão no Vietnã, Marcinko e seus SEALs tiveram tanto sucesso, que o Exército do Vietnã do Norte (NVA) tomou conhecimento. Seu ataque à ilha Ilo Ilo foi considerado a operação SEAL de maior sucesso no Delta do Mekong. Durante sua segunda turnê, Marcinko e a SEAL Team Two (Equipe SEAL 2) se uniram às Forças Especiais do Exército durante a Ofensiva do Tet em Chau Doc. Os SEALs resgataram o pessoal do hospital apanhado no fogo cruzado enquanto uma verdadeira pancadaria urbana total acontecia com furor ao redor deles.

Por causa da ousadia e sucesso de Marcinko, o NVA colocou uma recompensa de 50.000 piastres sobre sua cabeça, pagável a qualquer pessoa que pudesse provar que matou o líder SEAL. Obviamente, eles nunca pagaram essa recompensa.

2. Ele foi rejeitado pelo Corpo de Fuzileiros Navais


Marcinko se juntou às forças armadas aos 18 anos, mas, surpreendentemente (para alguns), ele não optou primeiro por se juntar à Marinha. Sua primeira parada foi no Corpo de Fuzileiros Navais, que o rejeitou completamente porque não tinha se formado no colegial. Então Marcinko, que partiria como comandante, se alistou na Marinha. Mais tarde, ele se tornou um oficial depois de se formar na escola de pós-graduação da Marinha, recebendo sua comissão em 1965.

3. Ele projetou a operação de contraterrorismo da Marinha


Você sabe que teve sucesso quando eles criam um videogame sobre sua história de vida.


Após o trágico fracasso da Operação Garra de Águia (Operation Eagle Claw, 1980), a tentativa dos EUA de libertar reféns mantidos por estudantes no Irã, a Marinha dos EUA e sua estrutura de operações especiais decidiram que precisavam de uma revisão. Marcinko foi um dos que ajudaram a projetar o novo sistema. Sua resposta foi a criação da SEAL Team Six.

4. Ele numerou sua Equipe SEAL "Seis" para enganar os russos

Quando ele estava criando a mais nova Equipe SEAL, os Estados Unidos e a União Soviética estavam presos na Guerra Fria - e havia espiões por toda parte. Não confiando que alguém manteria em segredo a criação de sua nova unidade, ele a classificou como SEAL Team Six (Equipe SEAL Seis), a fim de enganar a KGB levando-a a acreditar que havia mais três equipes SEAL que eles desconheciam.

5. Seu trabalho era se infiltrar em bases - bases americanas


A Marinha precisava saber onde estavam suas sensibilidades operacionais - onde estavam mais fracas. Mesmo nas áreas em que a segurança era mais rigorosa, a Marinha estava desesperada para saber se poderiam se infiltrar. Então, o Vice-Almirante James Lyons encarregou Marcinko de criar outra unidade.

Marcinko criou a Equipe de Coordenação de Segurança Naval OP-06D (Naval Security Coordination Team OP-06D), também conhecida como Red Cell (Célula Vermelha), uma unidade de 13 homens. Doze vieram da SEAL Team Six e o outro da Marine Force Recon (Força de Reconhecimento dos Fuzileiros Navais, hoje Raiders). Eles deveriam invadir áreas seguras, submarinos nucleares, navios da Marinha e até o Air Force One (Força Aérea Um, o avião presidencial). A Red Cell era capaz de se infiltrar e sair sem ser notada. O motivo? O pessoal militar de serviço foi substituído por guardas civis de segurança.

6. Ele passou 15 meses na prisão

No final de sua carreira, ele se envolveu no que a Marinha chamou de "escândalo da comissão", alegando que Marcinko conspirou com um traficante de armas do Arizona para receber US$ 100.000 por garantir um contrato do governo para granadas de mão. Marcinko sustentava que essa acusação era o resultado de uma caça às bruxas, uma reação negativa por expor tantas vulnerabilidades e embaraçar os oficiais mais graduados da Marinha. Ele cumpriu 15 meses de uma sentença de 21 meses.

Bibliografia recomendada:

SEALs:
The US Navy's elite fighting force.
Mir Bahmanyar com Chris Osman.

Leitura recomendada:

Por que Hollywood se enrola nos seus retratos das forças armadas

Bradley Coopers interpreta o atirador Navy SEAL Chris Kyle no filme "American Sniper".

Por Matthew W. Morganjan, Task&Purpose, 14 de janeiro de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

Com o lançamento de "American Sniper" (Sniper Americano, 2014) de Clint Eastwood em todo o país, em 16 de janeiro [de 2015, 19 de fevereiro no Brasil], muitos veteranos do Iraque estarão indo aos cinemas para dar uma olhada no primeiro longa-metragem para dar à guerra um tratamento prolongado de "botas no chão". A adaptação de grande sucesso de Hollywood da autobiografia de Chris Kyle recebeu críticas positivas, mas os veteranos vão julgar a versão de Eastwood da história por um padrão completamente diferente.

Quando se trata de filmes militares - particularmente aqueles que se passam no meio de uma guerra em que serviram - os veteranos querem que os cineastas acertem. Mas os erros e imprecisões que tanto odiamos não são, como muitos parecem supor, tão facilmente evitados. Certamente, algumas produções se saem melhor do que outras, mas depois de ter participado da filmagem de uma grande variedade de filmes militares nos últimos 15 anos, concluí que é impossível escapar às “gafes” dos filmes militares.

A lista a seguir não pretende ser uma ladainha de desculpas. Pelo contrário, é uma destilação do que aprendi depois de vários anos batendo minha cabeça contra a parede, em um esforço honesto para acertar. Isso não satisfará o tipo de purista que quer argumentar coisas como a pura implausibilidade dos pontos de conspiração militar em Godzilla de 2014, mas pode ajudar a aliviar o inevitável desconforto "rastejando no seu assento" que você sentirá na próxima vez que estiver no multiplex.

Antes de prosseguir, devo observar que, se você já travou e carregou um comentário sobre como existe uma lei que realmente exige que os filmes cometam erros, você pode guardá-lo. A equipe do Ranger Up já levou esse mito para o quintal, então eu não preciso.

1. Todos os filmes - até filmes grandes - têm um orçamento.

Todo filme tem um gerente de produção cujo trabalho é orçar todos os aspectos da programação de produção de um filme. Desde as horas de trabalho do consultor, até o aluguel de armas, até os dias de treinamento para os atores, tudo entra nesse orçamento e tudo afeta a precisão. Alguns filmes simplesmente não têm dinheiro para contratar um consultor profissional; portanto, eles se viram, esperando que os chefes de departamento façam sua própria pesquisa e esperando que a equipe do set garanta que as coisas pareçam certas. Obviamente, essa abordagem raramente passa despercebida, mas mesmo quando os filmes têm dinheiro para contratar um ou vários consultores técnicos (em "American Sniper", havia quatro), os gerentes de produção limitam o tempo disponível para economizar, não importa quão grande seja o orçamento. Em "Batman v. Superman: Amanhecer da Justiça" - um filme com um orçamento de produção massivo na faixa de US$ 250 milhões - os consultores técnicos não estavam envolvidos em todos os aspectos da representação militar, em vez de isso, indo e vindo ao longo do curso de produção com base nas necessidades do diretor e nas restrições fiscais do gerente de produção. Embora existissem os meios para manter os consultores militares à disposição, os produtores optaram por confiar ao departamento de figurino os uniformes militares e só chamaram os consultores quando o treinamento era necessário para extras e dublês.

2. Existem centenas de pessoas contribuindo para um filme, e todas elas têm opiniões.

Ter um consultor técnico - ou mesmo uma equipe inteira deles - ainda não significa que tudo na imagem está lá como resultado da sua opinião. A equipe de produção de um filme em estúdio é maior que um estado-maior de um general de quatro estrelas e caracterizada pela mesma diversidade de ego. Basta analisar os créditos posteriores do próximo filme de estúdio que você vir para ter uma idéia de quantas pessoas estão contribuindo para a versão final de um grande filme. Nada requer que essas pessoas sigam o conselho do consultor militar, e todas elas têm uma visão do que acham que deve aparecer na tela quando as luzes do cinema se apagarem. Em American Sniper, por exemplo, a figurinista considerava um dos vilões do filme mais ameaçador se o vestisse inteiramente de preto - incluindo um keffiyeh preto e uma jaqueta de couro preta na altura dos joelhos (em Al Anbar, no verão.) Os consultores militares acharam isso absurdo, mas não conseguiram convencê-la de que a autenticidade prática de seu figurino deveria superar o pensamento criativo que ela trouxe para desenvolver o visual do personagem. Foi um dos momentos em que considerações criativas simplesmente passaram por cima da realidade.

O atirador Mustafá, interpretado por Sammy Sheik.

3. Às vezes, o script é fundamentalmente defeituoso e embaraçosamente derivativo.

Se há algo em que os roteiristas são bons, é reciclar tudo, desde clichês de filmes de guerra até diálogos ruins. Quando eu pego pela primeira vez um roteiro para um filme militar, posso estar razoavelmente confiante de que pelo menos metade do diálogo precisará ser revisado de modo a parecer remotamente autêntico. O problema é que o consultor técnico não pode simplesmente entrar e fazer alterações no script. Em vez disso, suas anotações precisam ser negociadas entre o diretor e um punhado de produtores, e, assim como aconteceu com o figurinista, os campeões da precisão nem sempre vencem. Então você, a platéia, fica presa com uma fala tal como: “Aponte o lado pontudo para os monstros. Certo, sargento?" com muita frequência.

4. Os atores nem sempre fazem o que lhes foi dito.

O ex-SEAL Brandon Webb é um dos poucos veteranos a avaliar publicamente a relativa precisão de filmes, escrevendo que, entre seus problemas com American Sniper, são os fuzileiros navais às vezes exibindo pouca consciência de boca do cano. Agora vou renunciar a qualquer argumento sobre se isso realmente acontece em combate e aceitar o elogio de Webb de que "o USMC tem alguns dos fuzileiros mais disciplinados" que ele conhece. Mas, como você deve ter suspeitado, esses não eram de fato fuzileiros navais no filme. Os extras que retratavam os grunts do 3º Batalhão, do 1º Regimento de Fuzileiros Navais eram na verdade um grupo de cerca de 100 marroquinos e expatriados europeus, nenhum dos quais possuía experiência militar legítima. Poucos falavam inglês, e menos ainda já haviam segurado um fuzil antes de virem a nós para quatro dias de treinamento. Quanto aos atores que representavam os fuzileiros navais, com poucas exceções notáveis, nenhum tinha qualquer experiência militar. Eles chegaram ao set no dia em que filmaram e tivemos 30 minutos para ensiná-los a segurar um fuzil. Então, sim, eles miraram as armas uns nos outros durante a entradas nos prédios na versão do filme de Fallujah II, mas, dado o ponto de partida, os outros consultores fuzileiros navais e eu estamos orgulhosos do que obtivemos deles.

5. Às vezes, erros são realmente decisões conscientes.

Webb também notou em sua crítica sobre os brevês Ranger (e pergaminhos e nomes de batalhões Ranger) usados pelos snipers Ranger em combate. Ele está certo de que isso provavelmente nunca iria acontecer, mas às vezes é necessário remendar as coisas para o bem do público. Como observou o próprio Webb, no contexto do filme, pode ser "difícil seguir o ramo de serviço, a unidade e a estrutura de comando". Por isso, tomamos a decisão de manter seus patches para ajudar o público não-veterano a entender quem eram esses caras. Curiosamente, uma imprecisão no filme que nem Webb e nem qualquer outro comentarista abordou em público são os pêlos faciais de Bradley Cooper. Na verdade, Chris Kyle não tinha barba quando estava no Iraque, mas os produtores sentiram que o público associava Kyle àquele que ficou famoso depois de deixar a ativa, então seria melhor se Cooper a mantivesse durante a maior parte do filme. Mais uma vez, a recomendação dos consultores foi anulada, mas a decisão levantou outra questão em relação ao vestuário. Quando as considerações de continuidade não permitiram que Cooper se barbeasse para a cena retratando o funeral de seu amigo Marc Lee, os produtores concordaram com os conselheiros de que, se Cooper mantivesse a barba, ele não usaria seu uniforme para a cena.

Chris Kyle e os "Punishers" em Ramadi, no Iraque.

6. O processo de pós-produção é separado.

O tráfego de rádio sempre está no topo da lista quando os veteranos reclamam de um filme, e pode ser realmente horrível. Como observei acima, onde o diálogo militar é roteirizado ele é muitas vezes falho. Mas o que é invariavelmente pior são as falas gravadas quando o filme está em pós-produção. Gravações adicionais de diálogo preenchem as conversas e discussões em segundo plano que não fazem parte do processo de filmagem no set, onde apenas os personagens principais falam. Essa parte da mágica do filme geralmente ocorre meses após a finalização da produção e é tratada por um supervisor de sessão que não esteve envolvido nas filmagens. Os atores nessas sessões geralmente improvisam várias falas e, se o consultor técnico não estiver disponível (ou não for pago para estar lá), eles poderão produzir um diálogo impreciso que termina na cena final. Essas sessões de gravação também são onde o tráfego de rádio com e sem script é gravado, e a razão pela qual as frases de destaque geralmente soam derivativas, enlatadas, e completamente idiotas ao ouvido do veterano.

7. Os consultores atendem às necessidades do filme, e não o contrário.

Um dos maiores problemas de Webb com American Sniper é a série de cenas que tentam retratar o curso de sniper SEAL. Nas palavras dele, as cenas "não chegam nem perto de dar ao público qualquer ideia de como é o treinamento de atiradores de elite SEAL". E ele está absolutamente certo. O curso de três meses não foi escrito com precisão no roteiro, que incluiu apenas duas cenas curtas intercaladas com o namoro de Kyle e sua futura esposa. Então, quando o diretor assistente interrompeu o roteiro, essa parte do filme estava programada para ser filmada em um dia em um local limitado na área de Los Angeles. Nunca foi considerado importante retratar com precisão o curso de atirador de elite SEAL, o que alguns podem achar decepcionante. Mas o objetivo da sequência era mostrar os dois lados de Kyle e estabelecê-lo como um atirador talentoso, não para descrever a intensidade da semana de trabalho de seis dias de um aluno atiradorE mesmo que os conselheiros - um dos quais era um sniper Navy SEAL - soubessem que estavam prestando um desserviço ao curso administrado por Webb, os produtores não o consideraram importante o suficiente para justificar o aumento do custo do filme. A história era simplesmente mais importante.


8. Errar é humano

Não importa quantos consultores estejam trabalhando em um filme, eles sempre errarão alguma coisa. Não é porque eles não estão tentando acertar. Outros fatores estão sempre em jogo e, às vezes, é apenas um erro. Como um veterano intrépido apontou, os Rangers em American Sniper usavam brevês Airborne. Eles não deveriam estar usando, mas nos escapou. Foi um erro honesto no dia 65 de filmagem. Mas o que é ainda mais comum do que o estranho erro não-forçado é um fato que a maioria dos veteranos reconhecerá como uma verdade fundamental das operações conjuntas: nunca há dois militares sempre concordando com tudo. E nas ocasiões em que as recomendações de dois consultores estão em desacordo, o diretor toma uma decisão sobre quem seguir.

Um desacordo notável no set de American Sniper teve a ver com a maneira como os restos mortais de um militar falecido são movidos. Enquanto um consultor sabia que os casos de transferência cobertos por bandeiras viajam primeiro, outro consultor estava convencido de ser ao contrário. Ninguém notaria isso, é claro, mas pelo fato de determinar em qual direção a bandeira estava posicionada em cada caso de transferência para uma cena em que Kyle está acompanhando o corpo de Marc Lee de volta aos Estados Unidos. No filme final, está errado. Mas eu nunca apontaria isso em tom acusatório contra o consultor que tomou a decisão. Afinal, ele acertou várias centenas de coisas. Embora eu duvide que alguém jamais catalogará aqueles em um fórum de comentários.