Mostrando postagens com marcador Fuzileiro Naval. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fuzileiro Naval. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 30 de novembro de 2021

FOTO: Princesa Diana visita oficial fuzileiro naval brasileiro

A Princesa Diana visitando o Capitão-de-Corveta (FN) Rui Xavier da Silva em um hospital nos Estados Unidos.

O oficial da Marinha do Brasil Rui Xavier da Silva foi ferido durante as operações de desminagem da MARMINCA, na fronteira Costa Rica/Nicarágua.

A Missão de Assistência para a Remoção de Minas na América Central (MARMINCA) foi completada em 18 de junho de 2010, tornando a América Central livre de minas terrestres.

Leitura relacionada:

FOTO: Desminagem da ONU no Camboja, 5 de outubro de 2021.

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

GALERIA: Fuzileiras navais chinesas com camuflagem improvisada

Close-up de uma fuzileira mirando seu QBZ-95.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de outubro de 2021.

Em um exercício de fotografia para propaganda, essas fuzileiras são capturadas em diferentes posições de combate com camuflagens improvisadas sobre o conspícuo camuflado azul da marinha chinesa comunista.

Um uniforme chamativo como esse permaneceria destacado, mesmo com as plantas no uniforme. A montagem é específica para fins de propaganda e recrutamento, com vários close-ups das belas fuzileiras. As fotos foram postadas no site governamental O Diário do Povo Online (People's Daily Online.cn) em 14 de outubro de 2015.

O fuzil utilizado pelas militares é o QBZ-95, de formato bullpup. Seu nome é tanto Fuzil Automático Tipo 95 (95 Shì Zìdòng Bùqiāng95式自动步枪) quanto QBZ-95, sua designação. A designação do fuzil "QBZ" significa "arma leve (Qīng Wŭqì) - fuzil (Bùqiāng) - automático (Zìdòng)", de acordo com os padrões de codificação da indústria de defesa chinesa.

As fuzileiras navais do PLA usam materiais disponíveis, como grama e folhas, para camuflagem no treinamento de campo.








Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

Leitura recomendada:



sexta-feira, 20 de agosto de 2021

FOTO: Fuzileiro naval no Ártico

Fuzileiro naval americano com um M16A2, lança-granadas M203, camuflado de nove e óculos escuros.

Legenda original:

"Um fuzileiro naval fixa seus olhos em um alvo durante seu treinamento em clima frio, 1989."

Bibliografia recomendada:

Homens ou fogo?
S.L.A. Marshall.

Leitura recomendada:



FOTO: Comandos camuflados no inverno, 21 de setembro de 2020.




sexta-feira, 7 de maio de 2021

Os Royal Marines exploram a possibilidade de assaltar um navio no mar com jet packs

Um Royal Marine em uma mochila a jato parte de um barco rápido para embarcar em um navio da Marinha Real.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de maio de 2020.

A Marinha Real britânica tem explorado a possibilidade de abordar navios em alto mar com jet packs, mochilas a jato futuristas, que permitem que os usuários voem sobre a água.

O "Jet Suit" (traje a jato) foi feito pela Gravity Industries. A empresa divulgou um vídeo no domingo (02/05) que mostrava seus operadores usando mochilas a jato e trabalhando com os fuzileiros navais reais (Royal Marines, RM) lançando-se de embarcações pneumáticos e pousando a bordo do navio patrulha HMS Tamar da Marinha Real britânica.


A Marinha Real Britânica disse em um comunicado que, embora o teste envolvesse a Marinha Real, os comandos não usaram o equipamento, que permaneceu nas mãos do pessoal da Gravity.

A abordagem é um dos problemas mais antigos da guerra naval, e um dos mais perigosos, exigindo tropas com audácia e coragem. No vídeo, um usuário pode ser visto imediatamente desconectando os jatos montados no braço e puxando uma escada. Depois que a escada é protegida, o indivíduo puxa o que parece ser uma pistola ou arma similar.

Abordagem na era da vela.
(Sasha Beliaev/ ArtStation)

As operações de abordagem marítima, também conhecidas na Royal Navy como operações de "visita, abordagem, busca e apreensão" (visit, board, search, and seizure), são desafiadoras e tradicionalmente envolvem tropas que se aproximam furtivamente de um navio em uma lancha rápida e engancham uma escada ou descem por fast rope de um helicóptero para o navio. Freqüentemente, são apoiados por snipers e drones.

Abordagem moderna realizada pelos Royals.

"Isso é cada vez mais visto como uma revolução na capacidade tática de muitas forças especiais e tem uma aplicação muito mais ampla além do embarque marítimo", acrescentou a empresa. As operações retratadas no vídeo faziam parte de um teste, e as forças armadas britânicas ainda não decidiram se vão ou não comprar essa tecnologia.

A Marinha Real afirmou que a tecnologia do traje a jato é "sem dúvida impressionante", mas os especialistas determinaram que ela não está pronta para ser adotada pelas forças armadas. O patrocinador do teste, o Tenente-Coronel (RM) Will Clarke, disse que "ele mostra uma promessa significativa e vamos observar seu desenvolvimento com interesse contínuo".


O novo vídeo da Gravity Industries não é a primeira vez que pessoas em trajes a jato são vistas voando ao redor de navios britânicos. Em maio passado, por exemplo, a Gravity divulgou um vídeo de um operador voando de uma lancha rápida para uma lancha P2000 da Marinha Real durante o que a empresa chamou de "testes de assalto".

E cerca de uma semana antes desse vídeo ser lançado, a Gravity lançou outro vídeo mostrando alguém vestindo um traje a jato voando ao redor do porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth e praticando a interceptação de embarcações civis que navegam nas proximidades.


O novo vídeo da Gravity vem apenas algumas semanas depois que a empresa divulgou imagens de um exercício de treinamento de abordagem marítima com as Forças de Operações Especiais Marítimas da Holanda.


Fora das forças armadas, os paramédicos do Serviço de Ambulâncias Aéreas do Reino Unido da Grã-Bretanha estudaram o uso de macacões a jato para operações de resgate remoto, pois os macacões permitem que a equipe médica alcance alguém em perigo em uma área de difícil acesso muito mais rápido do que poderiam ser capaz de fazê-lo por outros meios.


O traje a jato da Gravity estabeleceu o recorde de velocidade mais rápida em um traje a jato controlado pelo corpo, segundo o Guinness World Records. O recorde foi estabelecido por Richard Browning, o inventor britânico e fundador da Gravity, que voou a 85 mph durante um vôo de teste em 2019.

Bibliografia recomendada:

Starship Troopers.
Robert A. Heinlein.

Leitura recomendada:







A Arte da Guerra em Duna17 de setembro de 2020.

sexta-feira, 23 de abril de 2021

Um cão do Comando Kieffer foi condecorado postumamente com a maior homenagem da Grã-Bretanha para animais


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 23 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2021.

Criada em 1943 por iniciativa de Maria Dickin, fundadora do Dispensário do Povo para Animais Doentes (People’s Dispensary for Sick AnimalsPDSA) durante a Primeira Guerra Mundial, a Medalha Dickin é a mais alta condecoração militar britânica concedida aos animais por suas ações em combate. Até o momento, já foi concedida 72 vezes, o último a recebê-la sendo Kuno, um pastor Malinois que se destacou durante um ataque noturno no Afeganistão contra combatentes da Al-Qaeda pelo Special Boat Service (SBS), a unidade de forças especiais da Marinha Real britânica.

Em 23 de abril, Leuk, outro pastor Malinois que serviu na divisão K9 do comando naval Kieffer (forças especiais da marinha francesa), receberá, postumamente, esta distinção britânica por seus "atos" que "sem dúvida salvaram as vidas de membros de sua unidade em várias ocasiões” no Sahel, disse Jan McLoughlin, diretor-geral do PDSA.

Nascido em 2013, Leuk, apelidado de "Lucky Leuk", foi treinado por dois anos antes de ser confiado ao Mestre "Forest", um suboficial do Comando Kieffer.

Em abril de 2019, ele expulsou jihadistas escondidos na vegetação densa. “Naquela altura, estávamos tão perto do inimigo que não havia mais apoio possível. O inimigo claramente nos avistou. Assim, apesar de todos os meios tecnológicos de que dispomos, o único que realmente nos pôde fornecer informações foi Leuk", testemunha o mestre "Forest" num vídeo carregado online pelo PDSA. E fez melhor do que isso porque, apesar do fogo, permitiu que sua unidade se aproximasse dos terroristas e "neutralizasse a ameaça".


Em outra missão, Leuk "atacou ferozmente o inimigo que estava armado e graças a isso posso falar com vocês hoje", testemunhou o Mestre "Forest". Infelizmente, um mês depois, a sorte o abandonaria: ele foi morto por um jihadista. No vídeo, durante seu repatriamento para a França, seus restos mortais são vistos, cobertos com a bandeira tricolor e saudados por uma guarda de honra.

Antes de Leuk, o cão Diesel, morto no ataque do RAID contra terroristas envolvidos nos ataques de 13 de novembro de 2015, foi premiado com a Medalha Dickin.

Observe que, na França, a Société Centrale Canine entregará seus “Troféus de cães heróis" ("Trophées des chiens héros") no dia 21 de setembro. “O objetivo deste evento nacional é destacar a ajuda e o apoio que os cães prestam ao ser humano em muitas áreas, e homenageá-los publicamente pelo trabalho que realizam diariamente ao nosso lado”, especifica.

Em 2019, o cão Ice, do Comando Paraquedista Aéreo nº 10 (Commando Parachutiste de l’Air n°10, CPA 10) foi agraciado com a medalha "cão de intervenção" pela sua atitude "excepcional" no Mali.

Ice, do CPA 10, com a medalha "cão de intervenção" ("chien d’intervention").

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


sábado, 27 de fevereiro de 2021

ENTREVISTA: Contra-Almirante François Rebour, comandante da FORFUSCO


"Temos que ser robustos em nossa visão, nossa identidade, nosso 'sistema humano'".

Entrevista com o Contra-Almirante François Rebour, comandante da Força Marítima de Fuzileiros Navais e Comandos (Force Maritime des Fusilers Marins et Commandos, FORFUSCO), concedida ao Cols Bleus em 19 de dezembro de 2017.

A FORFUSCO pertence à Marinha Nacional francesa.

Cols Bleus: Almirante, que tal a visão da FORFUSCO 3.0, de transformar a Força diante das demandas da próxima década?

CA François Rebour: Após a defesa estratégica e revisão de segurança nacional de 2017, os principais determinantes apresentados pela FORFUSCO 3.0 permanecem totalmente relevantes: uma ameaça terrorista que está se transformando e se expandindo; pressão migratória; política de potência no Leste, Ásia e em outros lugares; negação de acesso e zona; acelerações tecnológicas. As principais âncoras e áreas de esforço definidas por este documento são mais do que nunca essenciais: a unidade da Força, a consolidação da identidade profissional dos comandos e fuzileiros navais, a resiliência do “sistema humano” da FORFUSCO , a expansão e rapidez da atualização de capacidades-chave, particularmente nos campos naval e subaquático. Para a FORFUSCO como em qualquer outro lugar, diante de um mundo ambíguo, incerto e em rápida mudança, devemos ser robustos em nossa visão, nossa identidade, nosso "sistema humano". Precisamos ser rápidos e ágeis na decisão e operacionalização de novas tecnologias, de forma integrada e sincronizada com a Marine Horizon 2025 (Marinha Horizonte 2025).

CB: Você está muito apegado ao conceito de integrar as capacidades da FORFUSCO com os outros meios da Marinha. Por quê? Para quais expectativas específicas?

CA F. R.: É o contexto estratégico que exige ser ambicioso e não desistir de nada nesta área. Os fatos já estão aí. Quase não existem navios da Marinha desdobrados sem um destacamento de fuzileiros navais. O seu know-how especializado é necessário para as operações de controle e interdição no mar que já não são as simples operações de visita de alguns anos atrás. Tal como pela defesa dos nossos navios, fora da base do porto, perante ataques que também se endureceram. Da mesma forma, as ações especiais no mar ou a partir do mar devem se adaptar às técnicas dos nossos adversários, que avançaram no mercado em termos de ISR (Intelligence Surveillance and Reconnaissance / Inteligência, Vigilância e Reconhecimento) e armas. No mar, mais do que em qualquer outro lugar, as operações especiais exigem mais do que forças especiais. Teremos que agir cada vez mais longe, de nossas fragatas, porta-helicópteros anfíbios BPC, submarinos. A interoperabilidade é um grande problema porque há um risco latente de degradação de recursos. E como já vivemos de forma permanente nos últimos anos, são em cinco zonas marítimas de forma permanente que estes reforços são necessários.

O Contra-Almirante François Rebour.
Ele tem no peito o brevê de "nageur de combat".

CB: A retenção de fuzileiros navais continua sendo um grande problema. Qual a sua opinião neste assunto?

CA F. R.: Nossos jovens fuzileiros navais, e alguns de seus oficiais, estão lutando hoje para estabelecer uma visão e um projeto dinâmico de realização profissional e pessoal em unidades de fuzileiros navais por razões bem identificadas: o ritmo de engajamento muito alto; alocação inadequada de equipamentos em determinados segmentos; aspectos marítimos de bordo e ultramarinos muito pouco distintos; frustrações - comuns ao restante da Marinha - relacionadas a certas dificuldades de suporte, pagamento e acomodação.

Estamos no posto de combate em todas essas áreas; e, ponto a ponto, dentro de cada domínio. Mas a constante de tempo para cada questão varia de 2 a 5 anos. A nossa principal desvantagem até hoje é a impaciência dos mais novos! A força de trabalho está crescendo lentamente, os equipamentos vão chegando aos poucos; os quadros e os ritmos de emprego estão melhorando em certos segmentos... Tudo isso está indo na direção certa, mas não tão rápido e não está tão sincronizado quanto desejado. Mas a “floresta” está crescendo e continuo confiante no resultado geral no médio prazo.

CB: Por quase dois anos, os fuzileiros navais têm sido empregados no exterior cada vez com mais regularidade em navios, em particular nos BPC, que experiência se obtém disso?

CA F. R.: Mesmo que ainda não seja como eu gostaria, é verdade que o sol já não se põe sobre os compromissos operacionais das unidades de fuzileiros navais (unités de fusiliers marinsUFM): Paris, Golfo da Guiné, Djibouti, Nouméa… Por exemplo , cerca de vinte deles participaram de um exercício anfíbio em Guam, no Pacífico! Não só os nossos fuzileiros navais estão muito contentes com isso, mas também estes são tempos orgânicos privilegiados para subir rapidamente no mercado dos negócios navais, como o combate às atividades ilícitas no mar ou o apoio a manobras anfíbias.


CB: O comando Ponchardier, criado em 11 de setembro de 2015, completou seus dois anos de existência em setembro passado. Qual é o registro deste último comando naval?

CA F. R.: O comando Ponchardier, assim como o comando Kieffer, são verdadeiras histórias de sucesso estratégico para a Marinha e a FORFUSCO. Não há mais uma missão de comando que não combine as habilidades do Ponchardier, Kieffer e dos outros cinco comandos históricos. Aos dois anos, em marcha, nos expressamos e progredimos muito rapidamente. É o caso do Ponchardier! O comando está bem encaminhado, seus quatro esquadrões - marítimo, terrestre, aéreo e meios especiais - estão funcionando bem e a unidade está progredindo rapidamente para ganhar capacidade de inovação e melhoria de capacidade. Um dos nossos principais projetos é a plena operacionalização do ECUME NG (Embarcation commando à usage multiple embarcable de nouvelle génération/ Embarcação comando de uso múltiplo embarcável de nova geração) como um "sistema" completo, operando com e para o benefício de uma força naval no mar.

CB: Uma palavra sobre o comando Kieffer que vai comemorar seu décimo aniversário no próximo ano?

CA F. R.: Em dez anos, seu efetivo triplicou. A sua organização consolidou-se em torno de duas tarefas operacionais: apoio ao comando tático de operações e apoio a ações especiais nos domínios da guerra eletrônica, ciberespaços, drones e sensores, tecnologia canina ofensiva, defesa NRBC. (Nuclear, radiológica, biológica e química) e EOD-MUNEX (Explosive Ordnance DisposalDescarte de Artilharia Explosiva para neutralização, remoção e destruição de munições ou dispositivos explosivos). Como o Ponchardier, sua singularidade é que é amplamente construído por voluntários de todas as esferas da vida da Marinha, que trazem seus conhecimentos específicos para a comunidade de comandos da marinha nativos da Escola de Fuzileiros Navais. Em vez de improvisar comandos em especialistas em campos cada vez mais complexos, é uma questão de buscar os melhores especialistas na profissão que os gerou. Hoje, o comando Kieffer reúne mais de uma dúzia de especialidades ou ofícios diferentes, que se sobrepõem aos fuzileiros navais por meio de uma alquimia humana baseada no endurecimento.


Uma força dual

Forfusco reúne 3.191 marinheiros (excluindo civis e reservistas), com uma taxa de renovação anual de 11%. Seu estado-maior conta com 92 oficiais e suboficiais. Ele está localizado na Basefusco, em Lorient, assim como 6 das 7 unidades comando e a Escola de Fuzileiros Navais. Uma força dual, ela reúne e opera em sinergia dois componentes: fuzileiros navais e comandos navais.
  • Os fuzileiros navais (fusiliers marins)
A especialidade conta 2.879 fuzileiros navais (incluindo 1.947 na FORFUSCO e 932 fora da FORFUSCO), incluindo 250 adestradores de cães, divididos em 2 grupos (Toulon e Brest) e 7 companhias (Cifusil). Os fuzileiros navais também armam 6 equipes de Assistência à Busca e Detecção de Narcóticos (Aide à la recherche et à la détection des stupéfiantsARDS), compostas por um adestrador de cães e seu animal, e 12 equipes de Apoio à Busca e Detecção de Explosivos (Appui à la recherche et à la détection des explosifsARDE), de mesma composição.
  • Os comandos navais (commandos marine)
As 7 unidades de comandos da marinha têm um total de 524 marinheiros certificados comandos. Incluem grupos especializados: 3 em contra-terrorismo e libertação de reféns (contre-terrorisme et libération d’otages, CTLO), 3 em equipes especiais de neutralização e observação (équipes spéciales de neutralisation et d’observationESNO), mergulhadores de combate (nageurs de combat). Eles têm à sua disposição 70 veículos táticos e cerca de 20 embarcações rápidas para comandos (embarcations rapides pour commandosERC).


Bibliografia recomendada:

A História Secreta das Forças Especiais.
Éric Denécé.

Leitura recomendada:










terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

ENTREVISTA: Contra-Almirante Li Xiaoyan sobre o treinamento dos fuzileiros navais chineses no Deserto de Gobi

Do site Chinanews.com, 18 de janeiro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de fevereiro de 2021.

Contra-Almirante: O treinamento de inverno do Corpo de Fuzileiros Navais no Deserto de Gobi é uma prática normal.

PEQUIM, 18 de janeiro (ChinaMil) - Milhares de soldados do Corpo de Fuzileiros Navais e um regimento de operações especiais da Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) manobraram quase 6.000km em sete províncias com vários tipos de equipamento de combate no primeiro dia de 2016 para conduzir o treinamento de inverno na Base de Treinamento de Korla, localizada no Deserto de Gobi, na Região Autônoma de Xinjiang Uygur, noroeste da China.

O Contra-Almirante Li Xiaoyan, comandante do treinamento de inverno e vice-chefe do Estado-Maior da Frota do Mar da China Meridional da Marinha do PLA, concedeu uma entrevista exclusiva.

Jornalista: Por favor, apresente o treinamento de inverno brevemente.

Li Xiaoyan: Selecionamos mais de 2.000 soldados do Corpo de Fuzileiros Navais e de um regimento de operações especiais da Marinha do PLA, bem como vários tipos de veículos para participar do treinamento de inverno.

Durante o treinamento, as tropas realizaram um treinamento realista em uma série de assuntos, incluindo operações ofensivas e confronto de tropas reais no Deserto de Gobi sob condições de clima frio extremo, que testou totalmente a capacidade de combate dos fuzileiros navais.

Jornalista: Como você transportou uma tropa tão grande?

Li Xiaoyan: Conforme planejado, os milhares de fuzileiros navais e membros de operações especiais da Marinha do PLA e vários tipos de equipamentos foram transportados para uma base de treinamento em Xinjiang por meio de projeção de tropas multidimensional e 3D, cobrindo rodovias, hidrovias, ferrovias e transporte aéreo. Até agora, esta é a projeção de força de maior distância da Marinha do PLA envolvendo a maioria das abordagens.

Jornalista: O senhor acabou de mencionar que um regimento de operações especiais da Marinha do PLA também participou desse treinamento de inverno. Qual é o significado disso?

Li Xiaoyan: O regimento de operações especiais da Marinha do PLA vem realizando operações especiais, como antiterrorismo marítimo, reconhecimento e operações de sabotagem há muitos anos.

Sua participação em tal treinamento realista no deserto, o qual é muito diferente das condições marítimas com as quais eles estão familiarizados, ajudará a aumentar a capacidade das tropas de operações especiais da Marinha do PLA de realizar várias tarefas, independentemente das restrições regionais, espaciais e climáticas.

Jornalista: O Corpo de Fuzileiros Navais concluiu o treinamento na região fria, no planalto, na floresta e em outras áreas complicadas, e agora chegou ao Deserto de Gobi. Podemos dizer que o Corpo de Fuzileiros Navais é capaz de combate em todo o terreno agora?

Li Xiaoyan: O Corpo de Fuzileiros Navais tem participado sucessivamente do treinamento trans-MAC na Base de Treinamento de Zhurihe, no frio nordeste da China, no planalto e no Deserto de Gobi, e progrediu e acumulou experiências, mas não atingiu a meta de combate em todo o terreno ainda.

Estamos fazendo o possível para progredir e melhorar por meio de treinamentos, de forma a permitir que os fuzileiros navais se adaptem melhor aos diferentes ambientes. Estamos constantemente melhorando sua capacidade de combate em todo o terreno.

Jornalista: Quais são os destaques desse treinamento?

Li Xiaoyan: É um treinamento realista durante todo o tempo. Começando com a projeção de poder, projetamos cenários inimigos, colocamos as tropas em confrontos realistas, cancelamos o treinamento adaptativo anterior e iniciamos diretamente o treinamento de confronto. Este treinamento está mais próximo de um combate real em termos da forma de organização.

Jornalista: Cada vez que o Corpo de Fuzileiros Navais organizava operações trans-MAC, isso chamava muita atenção em casa e no exterior. Alguns meios de comunicação até o descreveram como “tendo segundas intenções”. Qual a sua opinião?

Li Xiaoyan: Isso é um mal-entendido. O padrão de treinamento usual e o tema atual enfrentado por todos os fuzileiros navais ao redor do mundo é o combate todo-o-terreno, incluindo operações de combate em diferentes estações e regiões.

O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA é um exemplo clássico de operações globais em todos os terrenos e climas. Por meio do "Devil Training" que desafia o limite fisiológico, o treinamento de sobrevivência em campo e o treinamento de combate em florestas, cidades, campos e regiões frias, tempera o corpo forte, a vontade firme e a capacidade de combate em todo o terreno dos fuzileiros navais.

O objetivo de ter o treinamento de inverno no Deserto de Gobi de Xinjiang é melhorar as capacidades e habilidades dos membros de operações especiais da Marinha do PLA, em vez de visar a qualquer problema ou região específica de hotspot. É um treinamento normal do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do PLA.

Jornalista: Que treinamento você acha que o Corpo de Fuzileiros Navais deve realizar a seguir?

Li Xiaoyan: O Corpo de Fuzileiros Navais é uma força todo-o-terreno. No momento, nosso treinamento de inverno ainda está em estágio de aperfeiçoamento, perfeição e exploração, e iremos organizar um resumo auto-reflexivo de cima para baixo após este treinamento.

Dado o vasto território da China, regiões frias, deserto, planalto e floresta são todos "destinos" de nossos exercícios normalizados.

Consideraremos o estabelecimento do mecanismo de coordenação de projeção de poder 3D civil-militar para realizar uma projeção de poder mais eficiente. E exploraremos o caminho do uso de recursos civis e da integração civil-militar para tornar o treinamento mais eficiente.

Além disso, o treinamento realista do Corpo de Fuzileiros Navais deve se desenvolver na direção de um confronto integrado envolvendo mais armas e serviços.

Os autores são Shang Wenbin, Liang Jingfeng e Li Youtao, repórteres do Chinanews.com. Editor: Yao Jianing.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

Fuzileiros navais da China: menos é mais30 de junho de 2020.

GALERIA: Competição de fuzileiros navais estrangeiros na Rússia15 de dezembro de 2020.

VÍDEO: A China tem disputas de fronteira com 17 países26 de setembro de 2020.

China - Japão: tensões renovadas no mar ao largo das Ilhas Senkaku8 de fevereiro de 2021.

A era da lei marcial lança uma longa sombra sobre as forças armadas de Taiwan6 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Manobra blindada nas Montanhas Celestiais11 de abril de 2020.

GALERIA: O T-72 polonês em direção à Lituânia8 de novembro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas29 de março de 2020.

FOTO: Assalto chinês na Batalha das Ilhas Yijiangshan4 de abril de 2020.

FOTO: Chineses do Kuomintang na Birmânia23 de novembro de 2020.

A evolução dos exercícios Vermelho-Azul do PLA10 de novembro de 2020.

terça-feira, 22 de dezembro de 2020

FOTO: Fuzileiro naval no Reservatório de Chosin

Um fuzileiro naval americano carrega sua metralhadora Browning 1919 durante o inverno congelante coreano durante a Batalha do Reservatório de Chosin, em dezembro de 1950.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Mitos e equívocos: o "ping" do M1 Garand18 de dezembro de 2020.

FOTO: Prisioneiros americanos no rio Yalu, 9 de novembro de 2020.




FOTO: Filipinos na Coréia14 de março de 2020.

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

GALERIA: Competição de fuzileiros navais estrangeiros na Rússia

Fuzileiros navais venezuelanos saltando obstáculos.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de dezembro de 2020.

É um longo caminho do Caribe, do Mar da China Meridional e do Golfo, mas ainda assim Venezuela, China e Irã desembarcaram fuzileiros navais na costa do Báltico em agosto de 2019 para uma rodada de jogos de guerra hospedados pela Rússia, que fomentou laços de defesa com os três países.

Eles exibiram sua competência na areia e na água de um campo de testes no enclave de Kaliningrado. Fotos de Vitaly Nevar para a Reuters.

Fuzileiro naval venezuelano negociando a pista de Khmelevka.

O corpo de fuzileiros navais venezuelano tem cerca de 5 mil fuzileiros.

Fuzileiros venezuelanos formando uma escada humana em um poste.

Fuzileiros navais chineses correndo na praia com uma baixa simulada.

As "baixas" são entregues a uma unidade médica russa.

Naval chinês rastejando por debaixo de arame farpado.

O corpo de fuzileiros navais chinês conta com cerca de 20 mil fuzileiros, mas é previsto que se expanda consideravelmente.

Fuzileiros navais iranianos ultrapassando um paredão.

O corpo de fuzileiros navais iraniano conta cerca de 2.600 fuzileiros.

Navais iranianos saltando um obstáculo com arame farpado.

Bibliografia recomendada:

World Special Forces Insignia.
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:

PINTURA: Assalto anfíbio soviético nas Ilhas Curilas24 de novembro de 2020.

Equipe nº 1 vietnamita no segundo lugar do Grupo 2 no Biatlo de Tanques na Rússia28 de novembro de 2020.

GALERIA: Manobra dos Fuzileiros Navais russos em Kaliningrado, 11 de novembro de 2020.

GALERIA: Exercício conjunto de fuzileiros navais russos e sírios em Tartus18 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Comandos Anfíbios brasileiros e argentinos na Operação Fraterno XXXI, 28 de setembro de 2020.

GALERIA: Comandos Anfíbios Argentinos com o FAMAS17 de julho de 2020.

GALERIA: Ativação do Comando de Operações Especiais venezuelano30 de agosto de 2020.

GALERIA: A Guarda Presidencial Emirática no MCAGCC5 de julho de 2020.

GALERIA: Guerra na Selva em Okinawa31 de outubro de 2020.

FOTO: Fuzileiro naval com lança-chamas28 de setembro de 2020.