sábado, 4 de janeiro de 2020

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?

O Ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu (segundo da direita) e seu colega venezuelano, Vladimir Padrino Lopez (segundo da esquerda), realizam uma reunião em Moscou. (Vadim Savitsky\TASS via Getty Images)
Por Scott Stewart, Stratfor, 26 de novembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de novembro de 2019.

Destaques

- A Rússia está trabalhando com ex-aliados soviéticos na América Latina para minar a influência dos EUA e distrair Washington das atividades de Moscou em outros lugares..

- Ao fazer isso, Moscou está usando propaganda online para alimentar a retórica antigovernamental que agora alimenta protestos no Equador, Chile, Bolívia e Colômbia.
- A Rússia provavelmente adotará táticas semelhantes para enfraquecer outros governos aliados dos EUA na América Latina, colocando empresas e organizações ocidentais que operam na região cada vez mais em risco.


A América do Sul está novamente em chamas. Uma onda de protestos anti-governamentais devastou as ruas do Equador, Chile, Bolívia e Colômbia nos últimos meses. Esse caos, é claro, não é novo na região. Entre as décadas de 1960 e 1990, grupos terroristas e insurgentes instigaram uma série de cruéis batalhas por procuração da Guerra Fria. Mas nesta iteração, que estou chamando de "Guerra Fria 2.0" na América Latina, não são grupos armados de aliados em jogo, mas tensões sociais já existentes que Moscou está habilmente armando para sabotar estruturas de poder ocidentais na região.

De fato, com ameaças à periferia da Rússia mais assustadoras do que nunca, pode-se argumentar que a Guerra Fria nunca terminou realmente para Moscou. Mas, independentemente das ações atuais da Rússia na América Latina constituírem uma segunda Guerra Fria, ou se elas são apenas um revigoramento da luta original, é aparente que muitos dos mesmos atores estão ativamente envolvidos no desassossego no quintal de Washington - e em grande parte, pelas mesmas razões.

O quadro geral

Os esforços dos EUA para conter a influência da Rússia em suas fronteiras obrigaram Moscou a reafirmar seu peso geopolítico em todo o mundo. Na América Latina, isso pode ser evidenciado pelas tentativas da Rússia de proteger o governo venezuelano do movimento de oposição apoiado pelos EUA, enquanto trabalha para desmantelar mais governos aliados do Ocidente em outros lugares da região.

O legado soviético na América Latina

Na tentativa de estabelecer uma utopia comunista global, a União Soviética incentivou a exportação de sua revolução para o exterior para "libertar" trabalhadores em todo o mundo. Mas como os Estados Unidos e seus aliados se uniram para conter a expansão comunista, a União Soviética começou a se sentir ameaçada pelas estruturas da aliança que a cercavam, bem como pela presença de tropas e armas dos EUA em sua periferia. Em resposta, os soviéticos abraçaram a Revolução Cubana e tentaram colocar mísseis nucleares em Cuba - uma aposta que acabou levando à Crise dos Mísseis de Cuba. Mas mesmo depois que os soviéticos removeram seus mísseis de Cuba, eles continuaram a usar a ilha como cabeça de praia no Hemisfério Ocidental, para expandir sua influência do Canadá até o Chile - apoiando partidos comunistas nas Américas, ao mesmo tempo em que treinavam, financiavam e armaram uma série de grupos terroristas e insurgentes marxistas em toda a região.

Os esforços de Moscou na América do Sul e Central, em particular, foram em grande parte conduzidos através de seus aliados cubanos endurecidos em batalha, como evidenciado pelo infeliz ataque do revolucionário Ernesto "Che" Guevara à Bolívia no final da década de 1960. Os soviéticos viam essas atividades como uma maneira de não apenas expandir o comunismo mundial, mas também combater os esforços anticomunistas dos EUA em outros lugares. Ao criar problemas no próprio quintal de Washington, as ações soviéticas também ajudaram a distrair os Estados Unidos e seus recursos desses outros esforços. A crescente influência comunista na região envolveu o governo dos EUA em uma série de esforços que envolveram eventos de alto nível, como o golpe de 1954 na Guatemala; a fracassada invasão da Baía dos Porcos, em 1961, em Cuba; o golpe de 1973 no Chile; e apoio aos Contras nicaraguenses nos anos 80.

Atividades atuais da Rússia

Pulando para o presente, no entanto, e a ameaça dos EUA à influência russa apenas se tornou mais aguda. O tampão de segurança periférica que outrora protegeu a Rússia da Europa diminuiu significativamente após o colapso da União Soviética em 1991. Ex-membros do Pacto de Varsóvia, como Bulgária, Polônia, Hungria, República Tcheca, Eslováquia e Romênia, tornaram-se membros da OTAN, tal qual os antigos estados bálticos ocupados pelos soviéticos da Letônia, Estônia e Lituânia.

Medos crescentes de aprisionamento na Rússia finalmente pavimentaram o caminho para a ascensão do presidente Vladimir Putin em 2000. Mas, apesar das promessas de Putin de restaurar o poder passado do país, o tampão estratégico da Rússia continuou machucando. A queda dos líderes pró-russos na Ucrânia após os protestos de Maidan em 2014 e a Revolução Laranja de 2005, em particular, apenas aumentaram o mal-estar russo. Para ajudar a compensar a perda de uma fronteira tão crucial, Putin anexou a Crimeia e invadiu o sudeste da Ucrânia. Mas a Rússia ainda sente, sem dúvida, a dor de ter perdido a profundidade estratégica do Pacto de Varsóvia e do Bloco Soviético que há muito protegia o ventre macio do país.

Em vez de armar grupos marxistas com armas, desta vez Moscou está armando manifestantes anti-governamentais com retórica para combater os interesses dos EUA na América Latina.

O domínio das terras fronteiriças está agora obrigando a Rússia a recorrer aos seus velhos truques na América Latina. Isso incluiu, nomeadamente, a sustentação do regime fracassado de Nicolás Maduro na Venezuela no ano passado, com a ajuda dos parceiros cubanos de Moscou. Cuba é um importante parceiro de segurança dos regimes venezuelanos desde que o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez chegou ao poder em 1999. A vasta rede de operadores e ativos de inteligência cubanos que se infiltrou na sociedade venezuelana desde então informou o regime de Maduro sobre ameaças em potencial, mantendo a oposição dividida e brigando por trivialidades. Enquanto isso, o apoio financeiro, militar e de inteligência técnica da Rússia - para não mencionar a proteção rigorosa dos prestadores de serviços militares russos ("contractors") - também foi crítico para o regime de Maduro nos últimos anos. Na verdade, eu chegaria ao ponto de dizer que Maduro teria sido deposto há muito tempo, se não fosse pela ajuda da Rússia e de Cuba.

Mas as atividades da Rússia e de seus parceiros cubanos na América Latina não se limitam à Venezuela. Em 13 de novembro, autoridades prenderam quatro cubanos na Bolívia por supostamente financiarem protestos contra o governo em apoio ao ex-presidente socialista do país, Evo Morales. Aliado do regime de Maduro, apoiado pela Rússia, Morales foi forçado a procurar refúgio no México após sua vitória em uma eleição aparentemente fraudada, que provocou protestos generalizados. Nas últimas semanas, a Organização dos Estados Americanos (OEA) também acusou Cuba e Venezuela de ajudarem a instigar os protestos anti-governamentais no Equador, Chile e Colômbia. Assim como os soviéticos financiaram os esforços paramilitares cubanos na América Latina durante a primeira Guerra Fria, fica claro que a Rússia ainda está financiando esses esforços, já que Cuba e Venezuela estão com falta aguda de dinheiro e não podem realizar essas operações sozinhos.

Usando a angústia social para obter ganhos políticos

Os soviéticos e russos tiveram ampla experiência no uso de protestos para minar o lugar de seus oponentes ocidentais no poder. Nos Estados Unidos, há evidências da mão de Moscou nos protestos anti-guerra da década de 1960 e nos protestos anti-nucleares da década de 1980, bem como no movimento de fraturamento anti-hidráulico e no Occupy Movement (Movimento de Ocupação) nos anos mais recentes. E, claro, há a intervenção da Rússia no referendo do Brexit de 2016, seguido pelas eleições presidenciais dos EUA no mesmo ano.

De fato, ao longo das décadas, a Rússia tornou-se cada vez mais hábil em explorar sentimentos e questões sociais muito reais para alcançar seus próprios objetivos políticos. Em concerto com seus aliados cubanos e venezuelanos, a Rússia se mostrou hábil em ampliar a tensão ao longo de linhas de falha social muito reais nesses países. A Rússia não está simplesmente fabricando questões que sustentam a agitação do nada; ao contrário, está simplesmente fornecendo a "faísca" para acender as queixas econômicas e sociais subjacentes que silenciosamente vêm se formando logo abaixo da superfície nesses países há anos.

A Rússia também agora tem uma vasta experiência usando as mídias sociais para dispersar a desinformação na internet, assim como fez antes da votação do Brexit no Reino Unido e da eleição presidencial dos EUA em 2016. Nos últimos anos, Moscou também desdobrou campanhas de propaganda online semelhantes na Alemanha, Ucrânia e Estados Bálticos. E há sinais de que ela está tentando fazer o mesmo antes das próximas eleições nos EUA em 2020. Assim, podemos esperar que essas ferramentas de desinformação sejam usadas em outros lugares da região para apoiar aliados socialistas e se oporem a governos democráticos e mais orientados para o livre mercado, ou de outra forma aliada com os Estados Unidos.

Partes interessadas estrangeiras na mira

Dada a tendência socialista, anarquista e anticapitalista de muitos dos movimentos anti-governamentais, os manifestantes, como era de esperar, já começaram a visar interesses comerciais na região. Mais de 100 lojas pertencentes à subsidiária do Walmart no Chile, por exemplo, foram saqueadas e queimadas em meio a crescentes manifestações anti-capitalistas no país. À medida que os protestos continuam em todo o continente, as empresas dos EUA e da Europa que operam nesses países provavelmente continuarão a ser alvo, incluindo empresas potencialmente de mineração e energia, hotéis, bancos e escritórios de companhias aéreas. As instalações diplomáticas dos EUA e as organizações não-governamentais (ONGs) que operam na região também poderiam ser visadas. Várias empresas e ONGs já retiraram seu pessoal da Bolívia após o recente aviso de viagem do Departamento de Estado dos EUA, que também instou os cidadãos americanos que moram no país a saírem.

Dado o imperativo da Rússia de minar a crescente influência dos EUA mais perto de casa, bem como globalmente, Moscou fará tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que os protestos continuem em frente à porta de Washington. Portanto, empresas e organizações na América do Sul precisarão acompanhar de perto a dinâmica da agitação na América Latina, à medida que ela evolui e potencialmente aumenta nas próximas semanas. Caso contrário, eles poderão se encontrar em breve no fogo cruzado de outra batalha por procuração de uma Guerra Fria.


Nenhum comentário:

Postar um comentário