Mostrando postagens com marcador Americanos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Americanos. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Supervisor da DEA tornado "pária' vendeu fuzis de assalto para associados do Cartel de Sinaloa


Por Beth WarrenThe Courier Journal24 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de fevereiro de 2021.

Agentes espionando os associados do Cartel de Sinaloa rastrearam dois de seus fuzis de assalto semiautomáticos de alta potência até uma fonte surpreendente – um supervisor da Administração Antidrogas dos EUA.

Joseph Michael Gill, encarregado de erradicar os traficantes em meio à crise de drogas mais mortal dos Estados Unidos, provavelmente ajudou a armá-los durante algumas de suas 645 transações de vendas no site Gunbroker.com, de acordo com registros do tribunal.

Joseph Michael Gill.

O veterano homem da lei - anteriormente confiável para liderar uma equipe de cerca de uma dúzia de agentes - até anunciou nos sites Gunbroker e Backpage usando seu número de telefone emitido pelo governo.

Em uma rara entrevista em fevereiro, Gill conversou com o The Courier Journal sobre o escândalo e sua demissão da DEA em 2018, interrompendo sua carreira de 15 anos.

Gill insiste que não fez nada de errado e disse que seu caso destaca uma colisão de reguladores excessivamente zelosos e leis ambíguas sobre armas. O promotor diz que Gill conscientemente evoluiu para um prolífico traficante de armas e seus crimes são mais indicativos de como os americanos, movidos pela ganância, ajudam a armar criminosos perigosos nos EUA e cartéis do outro lado da fronteira.

"Os cartéis precisam de armas de fogo para sustentar seus negócios", disse Scott Brown, agente especial encarregado das Investigações de Segurança Interna em Phoenix. “Quando eles encontram pessoas dispostas a violar flagrantemente a lei ou burlar a lei ou não praticar a devida diligência, isso está permitindo que os cartéis estejam armados e tenham um impacto destrutivo tanto no México quanto nos EUA.”

Pelo menos 70% das armas apreendidas no México – incluindo muitas armas usadas por cartéis em massacres – foram fabricadas ou vieram da América, de acordo com o Escritório de Responsabilidade do Governo dos EUA. Algumas autoridades no México e agentes nos EUA suspeitam que a porcentagem real seja muito maior.

Mas Gill afirma que seu caso foi "muito político e injusto. Se eu não fosse um agente da DEA, nunca teria sido alvo do jeito que fui".

"Os 645 itens que comprei ou vendi eram principalmente peças e acessórios de armas de fogo, nem todos armas de fogo", disse ele sobre suas vendas no Gunbroker.com que ocorreram de 2000 a 2016. "Eu estava sempre trocando coldres, miras, óticas, engrenagem."


Gill se declarou culpado em um tribunal federal em 2018 por uma acusação de tráfico de armas de fogo sem licença envolvendo a venda dos dois fuzis de assalto – armas originárias do Kentucky – para os associados do cartel e um terceiro fuzil com destino ao México. Ele agora insiste que vendeu as três armas legalmente e só se declarou culpado porque se defender no julgamento poderia custar mais de US$ 200.000.

Phillip N. Smith Jr., que processou Gill, caracterizou a quantidade de evidências como forte.

"Não foi político", disse Smith, que agora trabalha em consultório particular. "Ele infringiu a lei. É um crime grave. Essa é uma das maneiras pelas quais os bandidos que não deveriam ter armas conseguem pegá-las, pegando-as de pessoas que não seguem as regras - como o Sr. Gill."

Gill admitiu ter vendido um fuzil de assalto para um jovem em 27 de julho de 2016 e, no dia seguinte, vender o mesmo tipo de arma para Mauricio Balvastro, que se identificou para Gill como "associado" do jovem. Ambos são supostos traficantes de drogas e associados do Cartel de Sinaloa, disse Brown ao The Courier Journal.

Os homens compraram fuzis Colt M4LE, que disparam tiros de alta velocidade que podem rasgar os coletes de proteção dos policiais.

Joseph Michael Gill vendeu a supostos traficantes de drogas dois desses rifles de assalto, capazes de disparar projéteis de alta velocidade que podem rasgar armaduras policiais.
(Foto dos autos do tribunal.)

É um tipo de arma usada por muitas equipes da SWAT e soldados americanos.

Gill disse que não sabia que os homens eram suspeitos de tráfico de drogas e fez tudo o que é legalmente exigido, verificando as carteiras de motorista dos compradores e verificando se eles eram maiores de idade e moravam em seu estado natal, o Arizona.

Ambos os compradores pagaram US$ 1.000 pelas armas que Gill comprou online no mês anterior por US$ 632. Isso é uma marcação de 60% e uma bandeira vermelha. É comumente conhecido pela polícia – e o Bureau of Alcohol, Tobacco, Firearms and Explosives (ATF) alerta sobre isso em seu site – que os compradores que estão dispostos a pagar a mais podem não ter permissão para comprar armas ou não querem criar uma trilha de papel.

Brown chamou os crimes de Gill de "perturbadores". Balvastro "estava envolvido na importação de uma quantidade significativa de narcóticos e distribuição deles através da fronteira e depois para a Costa Leste, particularmente na região de Filadélfia-Baltimore".

Agentes de fronteira confiscaram um dos fuzis de assalto que Gill vendeu para os supostos traficantes de drogas na pequena cidade fronteiriça de Nogales, no Arizona, de acordo com registros do tribunal. [A arma] estava a caminho da florescente cidade de Nogales, no México, território há muito controlado pelo Cartel de Sinaloa.

Smith, então advogado assistente dos EUA, pediu a um juiz federal que mande Gill para a prisão por 18 meses por vender "um grande número de armas de fogo para quem as comprar - sem realizar nenhuma verificação de antecedentes e ignorando as bandeiras vermelhas", de acordo com uma moção de 14 páginas apresentada no Tribunal Distrital dos EUA em Tucson.

Em moções judiciais, o promotor apontou várias mensagens de texto de Gill para potenciais compradores, que ele às vezes encontrava em estacionamentos de shoppings, oferecendo vender fuzis de assalto e muito mais: "Se você quiser outro dos colt m4 (sic) me avise. Ainda tenho um sobrando. Também tenho algumas pistolas e uma espingarda policial Remington 870."

O advogado de Gill, Jason Lamm, pressionou com sucesso por clemência, argumentando em sua moção que Gill cometeu uma ofensa regulatória, "não um ato de torpeza moral". Ele apontou para as realizações de seu cliente, incluindo um Prêmio de Desempenho Excepcional da DEA por derrubar redes de drogas e fábricas de pílulas uma década atrás em Miami e arredores.

Lamm argumentou que Gill, agora um criminoso condenado, está "sendo rotulado como um pária virtual e um pária de seus irmãos" policiais, então uma sentença de liberdade condicional "ainda deixa o réu com uma ostensiva letra escarlate para o resto de sua vida."

Em 2019, o juiz optou pela leniência, ordenando que Gill permanecesse em prisão domiciliar por seis meses, cumprisse 500 horas de serviço comunitário e permanecesse em liberdade condicional por cinco anos.

"Ainda sou amigo de muitos agentes e converso com eles regularmente", disse ele no início deste mês. "Aqueles que me julgam e me evitam, para o inferno com eles." Gill atingiu o radar dos agentes da Homeland Security Investigations em 2016, quando eles monitoravam os telefonemas dos traficantes de drogas por meio de uma escuta.

Os investigadores estavam focados em prender Balvastro, um fugitivo acusado de tráfico de drogas no Arizona. Ele é acusado de desempenhar um papel fundamental em uma quadrilha de drogas acusada de trazer milhões de dólares em heroína, cocaína e maconha, disse Brown.

Em 2016, os investigadores ouviram Balvastro e seu associado discutindo a compra de armas de um vendedor na Internet. Um agente da HSI ligou para o número do vendedor e ficou surpreso ao saber que era um supervisor da DEA.

Gill havia comprado três fuzis Colt Modelo M4LE idênticos online em 12 de junho de 2016 na Buds Gun Shop, uma loja de armas licenciada em Lexington. Ele enviou as armas através do país para a Brown Family Firearms em Sahaurita, Arizona, 18 milhas ao sul de Tucson. Ele vendeu duas delas para Balvastro e um associado um mês depois em Tucson.

Uma das armas foi parada por agentes de fronteira, mas uma chegou ao México, onde foi apreendida posteriormente. A terceira arma foi encontrada na casa de Gill no Arizona quando a polícia confiscou 28 armas e vários silenciadores.

Joaquín Guzmán, "El Chapo", escoltado por fuzileiros navais mexicanos.
El Chapo foi um dos líderes mais poderosos do cartel Sinaloa.

A HSI continuou sua investigação sobre a rede de drogas, uma investigação ainda em andamento, mas entregou a investigação sobre Gill ao ATF e ao Escritório do Inspetor-Geral do Departamento de Justiça. O Escritório do Inspetor-Geral da DEA também se juntou.

Eles descobriram que, em dezembro de 2012, Gill solicitou uma Licença Federal de Armas de Fogo - necessária para vender armas com fins lucrativos - mas retirou seu pedido de FFL com o ATF.

"Eu disse ao ATF na época que a DEA não aprovaria isso como emprego secundário", disse Gill. "Eu nunca pedi formalmente a aprovação da DEA; eu li no manual de políticas que isso não era permitido, e foi aí que retirei minha inscrição." Gill decidiu que não precisava da licença e continuou a vender armas e peças de armas como um "hobby" sem ela. Ele vendeu 50 armas de 2012 a 2016, de acordo com registros do tribunal.

Derek Maltz, que se aposentou da DEA depois de supervisionar as Operações Especiais e não estava associado ao caso de Gill, disse que a DEA não quer que os agentes vendam armas, o que cria um conflito de interesses.

"Um supervisor da DEA deveria saber melhor sobre a venda de armas na fronteira", disse ele. "Os cartéis são muito notórios por comprarem armas nos Estados Unidos e enviarem as armas para os cartéis para serem usadas em atos muito violentos".

Federales mexicanos escoltando um sicário do cartel Sinaloa.

Os investigadores também descobriram que, de 2011 a 2018, Gill comprou 13 armas de fogo sujeitas à Lei Nacional de Armas de Fogo – especialmente regulamentadas porque são mais perigosas. Durante esse tempo, ele vendeu cerca de 100 armas de fogo no Gunbroker.com.

“A HSI estava em uma escuta telefônica/T-III (não no meu telefone) e sabia dos dois fuzis que vendi”, disse Gill. "Eles permitiram que um dos AR-15 cruzasse para o México e não o impediram quando poderiam tê-lo feito". "Não permitimos que armas atravessem a fronteira", disse o supervisor. "Fazemos tudo o que podemos para impedir isso."

Gill também mirou o ATF, dizendo que eles simplesmente poderiam ter emitido uma ordem de cessar e desistir para parar de vender armas de fogo.

O porta-voz do ATF, Andre Miller, se recusou a comentar sobre o caso de Gill, mas apontou para o guia online de 15 páginas da agência: "Preciso de uma licença para comprar ou vender armas de fogo?" Ele adverte os vendedores de armas: "Como regra geral, você precisará de uma licença se comprar e vender repetidamente armas de fogo com o objetivo principal de obter lucro".

Terry Clark, que se aposentou como chefe de inteligência de crimes violentos do ATF, disse que os promotores federais nem sempre priorizam a acusação de vendedores de armas ilegais devido a recursos limitados e Gill provavelmente foi processado porque trabalhava para a DEA.

"Ele foi 'alvo' por causa de seu status? Claro que foi", disse Clark, um homem da lei por 27 anos que não esteve envolvido no caso de Gill, mas falou de sua experiência. "E eu diria que é uma coisa boa. Os servidores públicos devem ser mantidos em um padrão mais alto."

Gill apontou para leis vagas sobre armas, dizendo que elas não especificam o número de armas vendidas durante um período de tempo definido que exigiria uma licença.

"As leis poderiam ser melhor escritas", admite Clark. "Não há um número específico que diga: você precisa de uma licença para vender três armas, mas não duas". Independentemente disso, ele disse que as vendas de Gill superaram em muito qualquer área cinzenta. "É obviamente uma fonte de renda."

Gill disse ao The Courier Journal que vendeu mais de 200 armas, mas essas vendas se espalharam por 23 anos.

"Ele está se fazendo de idiota e ele não é", disse Clark. "Ele viu que a maioria dos traficantes que ele prendeu em Nogales tinha armas. E ele também sabia, trabalhando com o ATF e a polícia local, que muitas delas são usadas em bairros de onde as pessoas não têm condições de se mudar de lá."

Os promotores disseram que é impossível determinar a extensão dos danos dos crimes de Gill e quantas armas foram contrabandeadas através da fronteira e usadas em crimes. Gill continua em liberdade condicional, mas seu advogado está lutando pela rescisão antecipada.

Como um criminoso condenado, Gill é proibido de possuir sua própria arma. Mas ele disse estar otimista de que isso mudará em breve. "Vou recuperar meus direitos em um futuro próximo e possuir armas de fogo novamente - talvez até solicitar um FFL" para vender mais armas de fogo.

Visão Aprimorada: O óculos IVAS amplifica os recursos embarcados

O soldado veste o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto embarcado em um Stryker na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Courtney Bacon)

Por Courtney Bacon, Army Mil, 19 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de fevereiro de 2022.

BASE CONJUNTA LEWIS-MCCORD, Wa. – O Sistema de Aumento Visual Integrado (Integrated Visual Augmentation SystemIVAS) está sendo desenvolvido para abordar as lacunas de capacidade na força de combate aproximado desembarcada identificada pela liderança do Exército por meio da Estratégia Nacional de Defesa de 2018. A intenção é integrar os principais sistemas de tecnologia em um dispositivo para fornecer uma plataforma única para os soldados lutarem, ensaiarem e treinarem.

O IVAS vê o Soldado como um sistema de armas, equilibrando cuidadosamente o peso e a carga do soldado com suas capacidades aprimoradas. Portanto, o Exército está procurando amplificar o impacto de um soldado desembarcado equipado com IVAS e aplicar seu conjunto de capacidades também a plataformas embarcadas.

O soldado veste o conjunto 3 de recursos do sistema de aumento visual integrado enquanto embarcado em um Bradley na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

“Até este ponto, o IVAS estava realmente focado nos soldados desembarcados e em acertar os óculos de combate”, disse o MAJ Kevin Smith, Coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento da Direção de Visão Noturna e Sensores Eletrônicos da C5ISR (Night Vision and Electronic Sensors DirectionNVESD) e Indivíduo Diretamente Responsável (DRI) da Integração da Plataforma PM IVAS. “Então, em paralelo, nós da Diretoria de Sensores Eletrônicos de Visão Noturna temos trabalhado para incorporar aplicativos para alavancar sensores novos e existentes nos veículos para dar ao soldado não apenas uma percepção visual situacional aprimorada, mas também C2 [Comando e Controle] consciência situacional enquanto estão dentro de uma plataforma ou veículo.”

A equipe integrada composta pelo Gerente de Projeto IVAS, Equipe Multifuncional de Letalidade do Soldado (Soldier Lethality Cross Functional TeamSL CFT), NVESD e Instalação de Integração de Protótipo do C5ISR (Prototype Integration Facility, PIF), PM Stryker Brigade Combat Team (SBCT), PM Bradley, Army Capability Manager Stryker (ACM-S) e Bradley (ACM-B), e parceiros do setor se reuniram na Base Conjunta Lewis-McCord para abordar a melhor forma de ampliar os recursos do IVAS nas plataformas de veículos.

“No passado, como o soldado na parte de trás [do veículo] que vai realmente desembarcar no objetivo, você pode ter uma única tela para olhar que pode alternar entre a visão do motorista ou a visão do comandante, ou a visão dos artilheiros, ou talvez você está olhando através de blocos de periscópio ou perguntando à própria tripulação o que realmente está acontecendo ao seu redor”, disse SFC Joshua Braly, SL CFT. “Mas, no geral, quando você está abotoado na parte de trás de uma plataforma, tem uma consciência situacional muito limitada em relação aonde está entrando.”

Além do conjunto de problemas original, o IVAS está procurando ser aplicado a uma lacuna de capacidade adicional para permitir que o soldado embarcado e desembarcado mantenha o C2 e a consciência situacional visual perfeitamente nas plataformas de veículos do Exército.

Soldados da 1-2 SBCT e da 3ª Divisão de Infantaria se juntaram à equipe multidimensional para aprender o IVAS e fornecer feedback sobre o que seria mais eficaz operacionalmente à medida que a tecnologia se integrasse a plataformas maiores.

A experiência do soldado

Os soldados usam o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto embarcados em um Stryker na Base Integrada Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

“Eu lutei quando era um comandante de grupo de combate saindo da baía sem saber onde estava porque fomos largados em pontos diferentes na ordem de operação”, disse o SGT John Martin, artilheiro mestre de Bradley da 3ª Divisão de Infantaria. “Não ter informações no terreno foi definitivamente um desafio que nos fez tropeçar.”

Os grupos de combate se revezaram nos veículos Stryker e Bradley testando cada visão e função da câmera, gerenciamento de energia, comunicações e a facilidade de embarque e desembarque com o IVAS. Os soldados rapidamente perceberam que os recursos que estão sendo desenvolvidos para soldados desembarcados via IVAS são amplificados pela integração do sistema em plataformas usando recursos de visão de mundo, 360 graus e visão que aproveitam a visão de sensores externos a serem transmitidos para o Heads-Up Display (HUD) de cada soldado individualmente.

“Há sempre uma linha entre os grupos de combate e as pistas, e ter esse equipamento ajudará a amarrá-los para que os desembarcados na parte de trás possam ver a ótica real do próprio veículo e possam trabalhar perfeitamente com a tripulação, porque todos podem ver ao redor do veículo sem realmente ter que sair dele”, disse Martin. “Tem inúmeros usos como navegação terrestre, sendo capaz de rastrear coisas no campo de batalha, movendo-se por complexos urbanos, movendo-se em terreno aberto, é insano.”

Cada soldado com IVAS pode “ver através” do veículo o que seus sensores externos estão alimentando nos HUDs individuais, como se o veículo tivesse blindagem invisível. Soldados da Equipe de Combate de Brigada Stryker entenderam as implicações não apenas para o gerenciamento e segurança da consciência situacional do C2, mas também para a letalidade geral da força.

“Isso muda a forma como operamos, honestamente”, disse o SGT Philip Bartel com 1-2 SBCT. “Agora os caras não estão saindo de veículos em situações perigosas tentando obter opiniões sobre o que está acontecendo. A liderança poderá manobrar seus elementos e obter visão no alvo sem ter que deixar a segurança de seus veículos blindados. Manobrar elementos com esse tipo de informação minimizará as baixas e, em geral, mudará drasticamente a forma como operamos e aumentará nossa eficácia no campo de batalha.”

“O fato de sermos mais letais no terreno, o fato de não perdermos tantos caras porque todos podem ver e rastrear as mesmas informações, as capacidades, possibilidades e implicações dessa tecnologia são infinitas”, acrescentou Martin.

Projeto centrado no soldado

Os soldados usam o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto embarcados em um Stryker na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

O Projeto Centrado no Soldado é um princípio orientador do desenvolvimento da tecnologia IVAS. Ele exige que o soldado e o grupo de combate sejam entendidos e desenvolvidos como um sistema de armas abrangente e priorize o feedback do soldado. Ao abordar as lacunas de capacidade operacional com uma visão holística, permite que a interface física e os requisitos de carga dos soldados sejam melhor gerenciados e equilibrados, ao mesmo tempo em que integra tecnologia avançada para aumentar a letalidade no campo de batalha.

“No momento, a tecnologia está em fase de protótipo, então estamos recebendo um feedback muito bom de soldados de fato aqui no terreno hoje, que podemos recuperar e fazer algumas melhorias críticas, o que é incrível”, disse Smith. “A razão pela qual fazemos isso é porque esses requisitos precisam ser gerados de baixo para cima, não de cima para baixo. Portanto, obter o feedback dos soldados é muito importante para nós, para que possamos entender o que eles precisam e quais são seus requisitos.”

O programa está revolucionando a forma como os requisitos de aquisição são gerados. Embora engenheiros e especialistas do setor sempre tenham se dedicado a desenvolver produtos eficazes para atender às necessidades dos soldados por meio de requisitos, as melhores práticas agora mostraram que os requisitos devem ser desenvolvidos em conjunto com e pelo usuário final.

“Enquanto antes os requisitos eram gerados, na minha opinião, dentro dos silos, nós realmente precisamos do feedback do soldado para gerar um requisito adequado que seja melhor para o soldado, ponto final”, disse Braly. “É muito importante porque não podemos construir algo que os soldados não vão usar. Temos que obter esse feedback dos soldados, ouvir os soldados e implementar esse feedback. Então se torna um produto melhor para o soldado, e eles vão querer usá-lo. Se eles não querem usá-lo, eles não vão, e é tudo por nada.”

O futuro do IVAS

Soldados vestem o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto desembarcam de um Bradley na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

O evento foi mais um passo para o desenvolvimento do IVAS, que foi recentemente aprovado para passar de prototipagem rápida para produção e colocação em campo rápida, em um esforço para fornecer recursos de próxima geração à força de combate aproximado na velocidade da relevância.

“Um dos objetivos do IVAS era que fosse um óculos de combate, bem como um óculos de treinamento e estamos 100% tentando trazer ambos à realidade”, disse Braly. “Este é um daqueles momentos-chave na história de nossas forças armadas em que podemos olhar para trás e reconhecer que não estamos onde queremos estar e estamos dispostos a dar passos ousados para chegar lá. O IVAS é, sem dúvida, um esforço para fazer isso, e estamos trabalhando diligentemente todos os dias para tornar isso uma realidade.”

A equipe IVAS continua a iterar o protótipo de hardware e software para o Teste Operacional planejado para julho de 2021 e FUE no 4QFY21.

“Isso é algo que nenhum de nós imaginou que veríamos em nossas carreiras”, disse Martin. “É uma tecnologia futurista que todos nós já falamos e vimos em filmes e vídeo games, mas é algo que nunca imaginamos que teríamos a chance de lutar usando. Definitivamente, é uma tecnologia que estamos muito animados para usar assim que eles puderem nos enviar.”

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

A Evolução do Sniper Policial Americano


Por Mark V. Lonsdale, STTU, 25 de junho de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de janeiro de 2022.

Os snipers policiais modernos podem não perceber o quão se avançou com o catálogo atual de fuzis, lunetas e acessórios de alta qualidade. No início da década de 1980, o típico fuzil sniper da polícia era muitas vezes uma espingarda de caça ferrolhada que fora recuperado da sala de propriedade. Durante os programas de sniper da Unidade de Treinamento Tático Especializada (Specialized Tactical Training Unit, STTU) e as partidas de luz verde, os policiais apareceriam não apenas com .308 Winchester, mas também .223 Remington, .243 Win., 30-06, e até mesmo os estranhos 22-250. As lunetas eram geralmente Redfields, Weavers e Leupolds de nível de caça na faixa de magnificação de 3-9x. Os únicos snipers policiais a terem modelos M40A1 personalizados foram os snipers do FBI, enquanto as equipes de atiradores contra-sniper do Serviço Secreto americano tinham fuzis personalizados Remington Magnum 7mm.

Acima: Uma das primeiras classe de snipers STTU no final dos anos 1980. A essa altura, muitos snipers policiais haviam atualizado para fuzis Varmint de cano mais pesado e estabilizado as ações.
Abaixo: SWAT do Condado de Washoe – década de 1990.

Com o tempo e um pouco de treinamento, as agências começaram a investir em fuzis Remington 700 Varmint de cano mais pesado, ao mesmo tempo em que entendiam a importância de dar ajustar a estabilização das ações e flutuar os canos. Os snipers também se afastaram da munição excedente militar barata e das munições de caça para a munição Federal Match. Antes da atual Gold Medal Match, a munição federal vinha em uma caixa vermelha, mas ambas ainda usavam a bala SMK Sierra 168 grãos. Esta não era a bala ideal para perfurar o vidro, mas era a munição .308 Win mais precisa naquele época.

McMillan M40A1 com luneta Unertl 10x.

Robar SR60D .308 Win construído em uma coronha McMillan Baker Special com uma luneta Leupold Ultra (Mark 4) 10X. (1987)

No final da década de 1980, o sniper teve acesso a fuzis personalizados construídos por McMillan e Robar. Gale McMillan foi o projetista e construtor da coronha sniper do USMC M40A1, o qual iniciou uma tendência de afastamento das coronhas de madeira e das coronhas de fibra de vidro.

De meados ao final da década de 1980 também viu a introdução das lunetas sniper Leupold Ultra com torres de alvo externas. Neste momento, eles foram fixados em magnificação 10x ou 16x, mas mais tarde seriam renomeados como Mark 4 - um retículo Mil-dot. Os atiradores de elite da SWAT também viram as limitações de uma luneta fixa de magnificação de 10x para operações urbanas onde as distâncias eram de 50 a 75 jardas (45-68m), então pediram uma ampliação menor. O resultado foi o robusto e confiável 3,5-10x40mm Mark 4, completo com garantia vitalícia.

Fuzil tático moderno construído sobre uma ação Remington 700 com um cano Bartlein Palma pesado em uma coronha McMillan A3-5. A luneta é uma Leupold Mark 8 3.5-25x56mm.

Sniper Counter Sniper foi escrito em 1986 para preencher a necessidade de um texto básico sobre treinamento e emprego de atiradores de elite. Também foi utilizado por unidades de treinamento de operações especiais como um manual de sniper urbano.

FOTO: Operadores de apoio aéreo aproximado dos EUA

Operadores TacAir (TACP) com um rádio AN/PRC-117F e GPS, 2019.
(US Air Force)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de janeiro de 2022.

Os especialistas do Grupo de Controle Aéreo Tático (Tactical Air Control Party, TACP) fornecem vigilância de forças amigas usando um sistema de posicionamento global PSN-13 e um rádio portátil multi-banda AN/PRC-117F.

Parte da força de Guerra Especial da Força Aérea (Air Force Special Warfare), o TACP é uma pequena equipe de militares que fornecem coordenação entre aeronaves e forças terrestres ao fornecer apoio aéreo aproximado. A Força Aérea americana abriu uma escola de treinamento dedicada apenas em outubro de 2019, localizada em Medina Annex na Base Conjunta San Antonio-Lackland, no Texas. Essa escola visa “sincronizar, padronizar e agilizar o treinamento” dos TACP.

domingo, 16 de janeiro de 2022

Terminada a crise de reféns na sinagoga do Texas, o sequestrador foi morto durante o assalto policial

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 16 de janeiro de 2022.

Com informações do Le Figaro e Agence France Presse (AFP).

No dia de ontem, sábado 15 de janeiro, um terrorista não-identificado tomou reféns quatro judeus na sinagoga de Colleyville, no estado americano do Texas. O sequestrador exigia a libertação de uma mulher paquistanesa condenada por terrorismo. A polícia texana iniciou o cerco à igreja judaica e durante a noite de sábado para domingo foi encerrado o impasse que durara 10 horas com um assalto da equipe de resgate do FBI, a Hostage Rescue Team (HRT).

“A equipe de resgate de reféns invadiu a sinagoga” e “o suspeito está morto”, disse o chefe de polícia local, Michael Miller, durante uma entrevista coletiva após a operação. Todos os reféns foram libertados ilesos, anunciou anteriormente o governador do Texas, Greg Abbott.

A polícia de Colleyville evacuou os moradores próximos e pediu ao público que evitasse a área. O FBI, a polícia federal americana, abriu uma investigação sobre o sequestrador, que foi identificado, disse o agente especial do FBI Matt DeSarno, sem revelar o nome do terrorista abatido.

O terrorista foi mais tarde identificado como Malik Faisal Akram, filho de imigrantes paquistaneses nascido no Reino Unido.

Entrevista com o governador Greg Abbott

A tomada de reféns ocorreu na sinagoga da Congregação Beth Israel em Colleyville, uma cidade de cerca de 23.000 pessoas nos arredores de Dallas; uma metrópole do Texas. Poucas horas antes do assalto, enquanto duravam as negociações entre a polícia e o sequestrador, um primeiro refém havia sido libertado ileso. Antes da libertação do primeiro refém a informação disponível dizia que o terrorista estava armado, detinha quatro pessoas, incluindo um rabino, e que ele alegou ter colocado bombas em locais desconhecidos.

O terrorista afirmou ser o "irmão" de Aafia Siddiqui, uma cientista paquistanesa condenada em 2010 por um tribunal federal de Nova York a 86 anos de prisão por tentar atirar em militares americanos, razão pela qual foi detida no Afeganistão. O termo "irmã" não indica parentesco nesse caso, mas a fé islâmica. Aafia Siddiqui está atualmente detida em um hospital prisional em Fort Worth, perto de Dallas.

Operadores do HRT do FBI.

Este incidente afetou profundamente a comunidade judaica nos Estados Unidos. Ellen Smith, uma adoradora da sinagoga, descreveu à CNN uma situação "chocante e horripilante". No entanto, ela disse que não ficou surpresa que o ataque tenha como alvo a comunidade judaica. "Os casos de anti-semitismo aumentaram ultimamente", disse ela. "Você quase se sente sem esperança." “Ninguém deve ter medo de se reunir em seu local de oração”, disse o Conselho para Relações com a Comunidade Judaica, uma organização com sede em São Francisco.

A voz de um homem às vezes agitado pôde ser ouvida na transmissão do serviço religioso ao vivo no Facebook antes de sua interrupção. “Há algo de errado com a América”, tinha lançado notavelmente este homem. "Eu vou morrer", ele também disse, repetidamente pedindo a um interlocutor não identificado que "sua irmã" estivesse ao telefone com ele.

“Aquele que me odeia hoje vai te odiar amanhã. Portanto, pode começar com os judeus, mas não vai parar com os judeus”, alertou Joseph Potasnik, vice-presidente do Conselho de Rabinos de Nova York. O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett também disse estar monitorando a situação.

domingo, 26 de dezembro de 2021

Morreu Richard Marcinko, o primeiro oficial comandante da SEAL Team Six


Por Jessica Edwards e Howard Altman, Navy Times, 26 de dezembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de dezembro de 2021.

SEAL da Marinha reformado, e o primeiro comandante da SEAL Team Six, Richard “Dick” Marcinko, morreu, de acordo com um post na página do Facebook do Navy Seal Museum (Museu dos SEALs da Marinha).

Ele tinha 81 anos.


Marcinko liderou a equipe SEAL no que se tornou conhecida como a operação SEAL de maior sucesso da Marinha durante a Guerra do Vietnã: o ataque de maio de 1967 a Ilo Ilo Han. Marcinko e seus homens mataram muitos vietcongues e destruíram seis de suas sampanas, de acordo com o Navy SEAL Museum. Marcinko serviu uma segunda vez com a Equipe SEAL Dois durante a Guerra do Vietnã. Seu pelotão auxiliou as Forças Especiais do Exército durante a Ofensiva do Tet.

Ele foi um dos dois representantes da Marinha em uma força-tarefa para ajudar a libertar reféns americanos durante a crise de reféns no Irã em 1979. Após a tragédia, a Marinha incumbiu Marcinko de projetar e desenvolver uma equipe contraterrorista dedicada.


O Chefe de Operações Navais, Almirante Thomas B. Hayward, selecionou Marcinko como o primeiro oficial comandante da unidade. Na época, a Marinha contava com duas equipes SEAL. De acordo com o Navy SEAL Museum, Marcinko chamou a unidade de “SEAL Team Six” (Equipe SEAL Seis) para fazer outras nações acreditarem que havia equipes SEAL adicionais. Ele também escolheu membros das equipes SEAL existentes e das equipes de demolição subaquática. Marcinko liderou o SEAL Team Six por três anos.

Depois de se aposentar da Marinha, Marcinko se tornou CEO da SOS Temps Inc., sua empresa de segurança privada, de acordo com seu perfil de autor na Amazon.

Marcinko foi o autor de The Real Team; The Rogue Warrior’s Strategy for Success: A Commando’s Principles of Winning; e o best-seller de quatro meses do New York Times, Leadership Secrets of the Rogue Warrior: A Commando’s Guide to Success, de acordo com a Amazon.

Ele também criou a Richard Marcinko Inc., uma empresa de treinamento motivacional e construção de equipes; e a Red Cell International, Inc., que realiza avaliações de vulnerabilidade de propriedades de alto valor e alvos de alto risco, de acordo com a Amazon.

“Rogue Warrior, sua autobiografia mais vendida do New York Times, preparou o terreno para seus romances best-sellers Rogue Warrior, oito dos quais foram coautorias com John Weisman,” de acordo com a Amazon.

Richard Marcinko, à esquerda, com Roman Mashovets, um ex-membro das Forças Especiais da Marinha da Ucrânia e atual vice-chefe do Gabinete do Presidente para Segurança Nacional e Defesa, em 23 de novembro de 2019.
(Roman Mashovets)

Entrevista com Dick Marcinko para o SOFREP (9 partes)


Leitura recomendada:

terça-feira, 7 de dezembro de 2021

FOTO: Boinas Verdes com uniforme preto no Iraque

Boinas Verdes vestindo uniformes pretos ISOF enquanto destacados como uma CRF no Iraque, 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de dezembro de 2021.

Boinas Verdes vestindo uniformes pretos das forças especiais iraquianas - ISOF - enquanto destacados como uma Força de Resposta à Crise (Crisis Response ForceCRF) no Iraque, 2021.

Foto postada no perfil Gunslinger Central (@gunslinger_central) do Instagram, uma página especializadas em fotos táticas, geralmente de forças especiais. A palavra Gunslinger é o equivalente em inglês de "pistoleiro".

Também apelidado como Força In-extremis do Comandante (Commander’s In-extremis ForceCIF), esses elementos boinas verdes foram projetados para "fornecer opções para resgatar pessoas sob ameaça, para recuperar materiais sensíveis, como armas de componentes de destruição em massa, para fornecer ajuda humanitária ou para lidar com outros requisitos sem aviso prévio". Apesar do portfolio glamoroso, as companhias CRF foram dissolvidas por serem caras e subutilizadas, não justificando o investimento em dinheiro e pessoal (que era necessário em outras funções).

As CRF eram um quadro de elite de boinas verdes que se especializavam em missões de Ação Direta (DA), Contraterrorismo (CT) e Resgate de Reféns (HR). Cada Grupo de Forças Especiais (1º, 3º, 5º, 7º e 10º) possuía uma companhia CRF, sendo estas consideradas reservas estratégicas de cada comando combatente em caso de emergência em todo o mundo. Após a redução, as forças especiais americanas mantiveram apenas uma pequena capacidade CRF.

Os boinas verdes do fiasco na Venezuela vinham de uma CRF, e o Warfare Blog tratou deste assunto aqui.

As operações especiais no Iraque são atualmente conduzidas por tropas montadas em Humvees blindados, possuindo cúpolas improvisadas, atuando como colunas móveis ao invés do sistema de incursões helitransportadas de antigamente; mais caras e não mais eficientes. Entre os operadores está um TERP, um intérprete iraquiano, facilmente identificável por ser barrigudo e não carregar um fuzil.

O terceiro homem à esquerda, visivelmente fora de forma, é um intérprete e carrega apenas uma pistola para sua proteção em caso de emergência.

Os vários fuzis AR-15 possuem variações personalizadas com guarda-mão e sistemas ópticos de gosto pessoal dos operadores.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

FOTO: Soldado americano com a Grease Gun na Alemanha Ocidental

Soldado americano com uma submetralhadora M3 Grease Gun durante o Exercício REFORGER '85, na Alemanha Ocidental, 1985.

Soldado de Primeira Classe Jose Ledoux-Garcia da Companhia C, 5º Batalhão, 77º Regimento Blindado, guarda seu tanque de batalha principal M60A3 durante a Central Guardian (Guardião Central), uma fase do Exercício REFORGER '85, na cidade alemã de Giessen, na Alemanha Ocidental.

Ele está armado com uma submetralhadora M3A1 calibre 45, apelidada Grease Gun (Engraxadeira).

Forgotten Weapon: Disparando a M3A1 Grease Gun

domingo, 3 de outubro de 2021

Principal porta-voz do Exército suspensa após pesquisa de comando péssima


Por Danis Winkie, Army Times, 23 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de outubro de 2021.

A oficial de relações públicas de mais alta patente e porta-voz do Exército foi suspensa de suas funções depois que 97% dos entrevistados em uma pesquisa de ambiente de comando para seu escritório relataram "hostilidade no local de trabalho".

A General-de-Brigada Amy E. Johnston assumiu como chefe de relações públicas do serviço em abril de 2019, de acordo com sua biografia oficial. Nessa função, ela é “responsável por todas as atividades de comunicação que envolvem o Exército dos Estados Unidos” e atua como a principal assessora de relações públicas do secretário e chefe do Estado-Maior do Exército. O Army Times obteve slides detalhando uma recente pesquisa de ambiente de comando que revelou enorme insatisfação dentro do Gabinete da Chefe de Relações Públicas. Uma fonte familiarizada com a suspensão disse que ela estava relacionada à pesquisa, a qual deu início a uma investigação do Exército.

Um porta-voz do Exército confirmou que Johnston não estava mais em seu cargo, mas disse que não poderia fornecer detalhes sobre a investigação pendente ou comentários sobre a pesquisa. “Podemos confirmar que a Brig. Gen. Amy Johnston foi suspensa e colocada em serviço especial enquanto se aguarda o resultado de uma investigação do Exército”, disse a porta-voz do Exército, Cynthia Smith. “Considerando que a investigação está em andamento, não podemos fornecer mais comentários no momento.”

Johnston não respondeu imediatamente a um pedido de comentário enviado por seu escritório. A suspensão de Johnston veio na sequência de uma pesquisa climática de comando que revelou condições alarmantes no OCPA. Dos soldados e civis do Exército que responderam à pesquisa, 97% relataram “hostilidade no local de trabalho”, que é um indicador-chave de possíveis problemas de liderança tóxica, de acordo com os slides.

Os dados também revelaram uma crise de moral. Aproximadamente dois terços dos soldados e civis da OCPA relataram baixo moral na pesquisa, com apenas 8% dizendo que tinham moral alto.

Esta apresentação de slides obtida pelo Army Times mostra os resultados de uma pesquisa do ambiente de comando que resultou na suspensão da Brig. Gen. Amy Johnston, mais alta oficial de relações públicas do Exército.

De acordo com os slides do briefing, o ânimo estava baixo devido ao excesso de trabalho, ao equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e às expectativas pouco claras em relação aos produtos de trabalho. A pesquisa também revelou possíveis problemas com assédio sexual e racial. Vinte e um por cento dos entrevistados disseram que havia assédio sexual presente no OCPA, e 26% relataram ter visto assédio racial. Também houve outros sinais de insatisfação com a liderança de Johnston na OCPA.

Johnston foi citada na investigação do Regulamento do Exército 15-6 que examinou como a Força lidou com o desaparecimento e assassinato da Soldado Vanessa Guillén.

Soldado Especialista Vanessa Guillén.

O relatório, que usa seu sobrenome anterior, Hannah, diz que ela aconselhou as comunicações ao Major-General Scott Efflandt, que era o oficial de mais alta patente dispensado em conjunto com a investigação.

O relatório de Fort Hood criticou a assessoria de imprensa do post por estar "mal equipada, mal treinada e mal preparada" para lidar com o ambiente da mídia social durante o caso Guillén. O departamento de relações públicas de Fort Hood acabou caindo sob a alçada de Johnston como o oficial de relações públicas do serviço.

A investigação disse que o Exército “cedeu o espaço da mídia social, perdeu a oportunidade de informar e educar o público em tempo hábil e permitiu o crescimento desimpedido de narrativas prejudiciais sobre Fort Hood e o Exército”. Os regulamentos de relações públicas do Exército, pelos quais Johnston é responsável, careciam de orientação suficiente sobre o assunto na época. Uma nova versão do regulamento que entrou em vigor em 8 de novembro de 2020 incluía um capítulo sobre mídia social, mas era tarde demais. Seu escritório também foi criticado em um relatório de Tarefa e Propósito de junho sobre a "falha de comunicação" do Exército. O artigo citou oficiais de relações públicas do Exército que disseram que faltava transparência ao serviço ao lidar com as notícias.

Tabelas sobre assédio sexual e racial.

Vários oficiais de relações públicas do Exército também violaram os rígidos regulamentos de relações públicas do serviço no artigo, apesar de uma revisão significativa no ano passado que foi projetada para melhorar a transparência.

“Na maioria das vezes acertamos”, disse Johnston à Task & Purpose em resposta às críticas. “Mas às vezes falhamos; independentemente, vamos nos esforçar para fazer o nosso melhor e continuar a fazê-lo, não importa qual seja o desafio.”

Não estava imediatamente claro quem atuaria como chefe de relações públicas durante a ausência de Johnston.