Mostrando postagens com marcador Suécia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Suécia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

FOTO: Patrulha blindada de rua na Suécia

Blindados Strf 9040 suecos patrulhando o porto de Visby em Gotland, 14 de janeiro de 2022.

Blindados Strf 9040 suecos patrulhando o porto de Visby em Gotland, na Suécia, em resposta às crescentes tensões na Europa e aos três navios de desembarque russos que entraram no Mar Báltico há alguns dias.

O Veículo de Combate 90 (Sw. Stridsfordon 90, Strf90) é uma família de veículos de combate suecos projetados pela Administração de Material de Defesa da Suécia (Försvarets Materielverk, FMV), Hägglunds e Bofors durante meados da década de 1980 até o início da década de 1990, entrando em serviço na Suécia em meados da década de 1990.

O projeto da plataforma CV90 evoluiu continuamente em etapas, do Mk0 ao MkIV atual, com avanços na tecnologia e em resposta às mudanças nos requisitos do campo de batalha. A versão sueca do principal veículo de combate de infantaria está equipada com uma torre da Bofors equipada com um canhão automático Bofors de 40 mm. As versões de exportação são equipadas com torres Hägglunds da série E, armadas com um canhão automático Mk44 de 30mm ou Bushmaster de 35mm.

quarta-feira, 27 de outubro de 2021

FOTO: Guarda Real sueca com Pickelhaube em Estocolmo

Guarda Real sueca com o capacete Pickelhaube em Estocolmo.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de outubro de 2021.

Os Guardas Reais (sueco: Högvakten) são os guardas de honra da cavalaria e da infantaria do Rei, encarregados de proteger a Família Real Sueca. A Guarda Real é normalmente dividida em duas partes, a guarda principal estacionada no Palácio de Estocolmo e um destacamento menor no Palácio Drottningholm. As unidades da Guarda Real protegem continuamente a família real sueca em Estocolmo desde 1523. Atualmente relegados exclusivamente a serviços de guarda e cerimonial, entre 50 e 60 soldados servem na Guarda Real sueca, aproximadamente 35 no Palácio Real de Estocolmo e 25 no Palácio Drottningholm.

O dever de formar uma "Guarda Real" é alternado por todas as forças armadas regulares e de reserva, incluindo a Guarda Nacional. No entanto, esses destacamentos servem apenas por cerca de 5 a 7 dias em cada rotação, portanto, na maior parte do ano, a função é realizada pelo regimento de Guarda-Costas de Estocolmo, que consiste em quatro batalhões, um infantaria leve, dois de segurança e um batalhão de guardas. Traçando sua história através da Brigada da Casa Real e dos Guarda-Costas Svea e dos Dragões Guarda-Costas de volta aos Guardas Reais originais, isso é o que constitui as reivindicações do regimento de ser uma das mais antigas unidades militares e formações em operação contínua.

Glória Prussiana tocada pela banda da Guarda Real sueca


Entre abril e agosto, os esquadrões montados em uniformes de gala azul claro e capacetes pickelhaube prateados e as companhias em uniformes de gala azul escuro com capacetes pickelhaube pretos, ambos dos Guarda-Costas, podem ser vistos nos desfiles de Estocolmo e nos arredores do Palácio Real. Acompanhados da banda montada, eles saem do quartel da Cavalaria K1 em Gärdet e chegam ao Palácio por volta do meio-dia (13h aos domingos e feriados) para a cerimônia de troca da guarda. Esses eventos atraem um grande número de turistas a cada verão. Nas montarias regulares da guarda, o contingente da guarda real regular é composto pelo pessoal do Batalhão de Guardas do Rei, dos Guarda-Costas.

O estilo de marcha prussiano ainda é mantido, colocando os suecos ao lado dos chilenos na manutenção das tradições dos grandes desfiles de Berlim e Nuremberg de 1870 a 1945; acompanhando o capacete Pickelhaube vem o famoso passo Stechschritt, literalmente "passo perfurante" mas traduzido como "passo de ganso".

Tradição prussiana no Chile e na Suécia


O passo de ganso é um passo de marcha especial realizado em paradas militares formais e outras cerimônias. Enquanto marcham em formação de desfile, as tropas balançam as pernas em uníssono, mantendo cada perna rigidamente esticada.

O passo originou-se na ordem unida do exército prussiano em meados do século XVIII e era chamado de Stechschritt ou Stechmarsch. Os conselheiros militares alemães espalharam a tradição por meio de missões militares ao redor do mundo. Essa influência se estendeu especialmente para a Rússia no século XIX, o que levou os soviéticos a espalharem o passo do ganso pelo mundo no século XX - notavelmente na China comunista e em Cuba.

Leitura recomendada:

FOTO: A Bela de Estocolmo
18 de julho de 2021.

FOTO: Tocando a baioneta28 de fevereiro de 2020.

sábado, 16 de outubro de 2021

Discurso do Chefe da Defesa francês sobre a parceria da França com a Suécia


Este é um artigo de opinião escrito pelo Chefe do Estado-Maior da Defesa, General Thierry Burkhard, para o Folk och Försvar. Nele, o General descreve a política de segurança da França e suas opiniões sobre o ambiente de ameaças atual e futuro. Ele também se concentra na defesa estratégica e na relação de segurança entre a França e a Suécia e como ela está se aprofundando em áreas que vão desde a gestão de conflitos na região do Sahel até a cooperação no domínio espacial.

15 de outubro de 2021.

“A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral“

Soldados francês e maliano no Sahel.

O contexto de segurança internacional deteriorou-se consideravelmente em apenas alguns anos. Vivemos agora em um mundo mais difícil e incerto, marcado pelo questionamento do multilateralismo e do direito internacional. Nossos principais concorrentes, Rússia e China, bem como potências regionais emergentes, pretendem desempenhar um papel crescente e não hesitam em usar suas capacidades militares para fazer valer suas reivindicações de forma agressiva e livre de complexos. Esse endurecimento induz atritos óbvios e, em alguns casos, cria um risco real de incidentes e escalada. A liberdade de ação de nossos países é questionada.

Considero o continuum “paz-crise-guerra” que havíamos utilizado como marco estratégico para interpretar a conflitualidade desde o fim da Guerra Fria, já não é suficiente para levar em conta toda a complexidade desta nova gramática estratégica. O tríptico “competição-disputa-confronto” agora me parece mais adequado.

A competição é o modo padrão em nosso mundo hoje. Diz respeito à economia, às forças armadas, à cultura, à diplomacia e à sociedade. Quando envolvidas na competição, as forças armadas devem ser capazes de responder de forma proporcional às ações que permanecem sob o limiar do conflito armado. Elas também devem produzir efeitos nos ambientes não-físicos cada vez mais significativos. É o caso, por exemplo, do combate à desinformação e aos ciberataques. A competição é “a guerra antes da guerra”: não é a guerra, mas já é uma forma de guerra, na qual precisamos ser capazes de prevenir riscos de escalada e desestimular nossos competidores. A disputa surge quando um concorrente pensa que pode agarrar uma oportunidade e impor um fato consumado, em violação do direito internacional e com impunidade. A Crimeia é o exemplo perfeito disso. A ausência de uma reação forte e imediata permitiu à Rússia alcançar seu objetivo. Devemos, portanto, ser capazes de detectar sinais fracos para sermos confiáveis ​​e reativos para combater o fato consumado.

E, finalmente, o confronto, corresponde à guerra.

Como Chefe da Defesa francês, os dois primeiros eixos de minha ação visam fortalecer e apoiar a comunidade humana das forças armadas - militares e civis - e desenvolver as capacidades das forças armadas para capacitá-las a conquistar um multi-domínio e superioridade em vários ambientes. Para isso, as Forças Armadas precisarão de métodos de organização e funcionamento mais ágeis, para pensar diferente e reagir rapidamente em caso de crise.

O terceiro eixo, “fazer do treino uma nova dimensão de combate a dominar com os nossos parceiros”, traduz a dimensão coletiva da nossa ação. A razão de ser das forças armadas francesas é se engajar em uma coalizão, ao lado de seus aliados e parceiros, sendo os Estados Unidos o primeiro deles. Nossa prioridade é enfrentar a ameaça mais provável, ou seja, aquela representada pelas reivindicações, ações e política de fato consumado de nossos principais concorrentes, nas fronteiras da Europa e em outras partes do mundo.

No que diz respeito aos interesses estratégicos dos Estados europeus, induz um compromisso que vai da África Subsaariana ao Círculo Polar Ártico, incluindo a região Indo-Pacífica.

Soldado sueca da MINUSMA ao lado de uma pilha de marfim em Timbuctu, no Mali, outubro de 2018.

Em resposta ao seu pedido, a França atua para ajudar a estabilizar os Estados da Faixa Sahel-Saariana que sofrem com a ameaça terrorista. Este é o objetivo da força Barkhane, na qual a Takuba está integrada, ao lado da MINUSMA e EUTM Mali. A França conta com seus aliados e parceiros. A Suécia está fortemente empenhada, desde que se envolveu nessas três missões. Todos concordam em dizer que o Tenente-General Gyllensporre, que acaba de entregar o comando do componente militar da MINUSMA, teve um desempenho notável. Durante seu tempo no comando, ele se esforçou, sem nenhuma unidade adicional, para aumentar as capacidades operacionais da Força da ONU. O destacamento sueco fornece à Takuba capacidades operacionais notáveis e competências raras, que se provaram extremamente preciosas. Além disso, a Suécia assumirá o comando da operação no próximo mês e quero saudar esse compromisso.

Para focar em nossas missões de treinamento e orientação para o benefício das forças locais, e porque nosso envolvimento é duradouro, estamos atualmente adaptando a Barkhane. A nova configuração militar contará com fortes capacidades e vários milhares de soldados. A França continuará sendo a espinha dorsal dessa nova estrutura - especialmente dentro da Força-Tarefa Takuba - que integrará totalmente nossos aliados e parceiros europeus.

Na África, a crescente ação híbrida da Rússia torna a situação mais complexa. Faz parte da competição acirrada contra a qual nós, europeus, teremos de nos mobilizar em conjunto para defender os nossos interesses e os nossos valores. A suposição de que a junta do Mali está planejando usar mercenários Wagner é um testemunho do jogo entre concorrentes estratégicos, no qual temos que impor nossa posição. O Grupo Wagner infelizmente mostrou do que era capaz na República Centro-Africana. A França está presente no flanco sul da Europa, mas também no Oriente Médio onde, com seus aliados americanos e europeus, apóia o Estado iraquiano em sua luta contra o terrorismo e a estabilidade do Golfo Pérsico. A França também atua na região do Indo-Pacífico, por onde transitam 40% dos fluxos comerciais europeus e onde detém participações significativas.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

A França também está envolvida na defesa dos interesses estratégicos da Europa em seus flancos norte e leste. Assim, participa em muitas missões da OTAN: posicionamos os tanques de batalha principais alternadamente na Estônia com os britânicos e na Letônia com os alemães. Também realizamos missões de policiamento aéreo nos Estados Bálticos. No domínio naval, a Marinha francesa ajuda a proteger o Atlântico norte com uma presença regular em portos suecos, como o caçador de minas “Pégase” que fez escala em Karlskrona em setembro. Também operamos juntos nos Balcãs, na Bósnia e no Mar Negro.

Esses compromissos forjam nossa capacidade operacional comum, por meio da troca de procedimentos e know-how, bem como nossa coesão. Esses elementos progridem mais rápido quando estamos lado a lado nas operações. Além disso, reforçamos a nossa cultura estratégica comum devido ao trabalho de antecipação realizado no âmbito da European Intervention Initiative (Iniciativa de Intervenção Européia).

A Suécia e a França têm muitas áreas de cooperação no domínio militar. Atuamos regularmente juntos em exercícios multinacionais, sendo os últimos a Costa Norte (exercício de guerra contra-minas e luta contra ameaças assimétricas) e a Golden Crown (exercício de resgate de submarino). A Força Aérea e Espacial Francesa participou em 2019 do Exercício Arctic Challenge (Desafio Ártico), co-organizado pela Suécia, Finlândia e Noruega. As forças armadas suecas também nos fornecem sua experiência no ambiente operacional de frio profundo. As unidades francesas participam todos os anos no Exercício Arvidsjaur (treino de combate ao frio profundo e sobrevivência), em cursos de treinamento em frio profundo organizados, entre outros, pelo Subarctic Warfare Centre (Centro de Guerra Subártica) e em cursos de mergulho sob o gelo.

Helicópteros da 4e Brigade d’Aérocombat (4e BA) do exército atuando com a marinha na Operação Cormoran 21, no Mediterrâneo, em outubro de 2021.

Finalmente, desenvolvemos nossos links no domínio da capacidade. A Suécia, portanto, pediu o status de observador no projeto MGCS, e estamos discutindo sobre as capacidades do míssil antitanque de médio alcance. Nossos dois países estão associados no domínio espacial com o programa CSO (capacidade de observação espacial). De facto, foi construída uma estação de recepção na Suécia e o país terá acesso aos bancos de imagens a partir do próximo ano. Também foi convidado a observar o Exercício Espacial AsterX 2022. A França e a Suécia estão, finalmente, cada vez mais envolvidas nos projetos europeus (PESCO e EDF). A cooperação militar bilateral acaba de ganhar impulso com a assinatura da Carta de Intenções pelos dois Ministros da Defesa em 24 de setembro.

A França se considera um parceiro de defesa confiável e digno de confiança da Suécia e dos Estados europeus em geral. Quer prová-lo através de um envolvimento permanente nas operações de resseguro no flanco oriental da Europa e através de um investimento constante no desenvolvimento de uma consciência militar coletiva. Este último item exige que criemos vínculos operacionais, que tenhamos conhecimento mútuo e aprofundemos a interoperabilidade, para enfrentarmos, juntos, as ameaças que se aproximam.

General Thierry Burkhard
Chefe do Estado-Maior de Defesa das Forças Armadas Francesas

domingo, 18 de julho de 2021

FOTO: A Bela de Estocolmo


Militar sueca da guarda real do palácio, em uniforme com botas de cavalaria na área do Palácio Real de Estocolmo, 2011.



Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

Leitura recomendada:

GALERIA: Realeza Camuflada, 28 de setembro de 2020.






FOTO: Tocando a baioneta, 28 de fevereiro de 2020.

FOTO: Armada & Perigosa, 11 de fevereiro de 2021.

FOTO: Medindo a saia, 13 de junho de 2021.


HUMOR: As 4 Fases da Mulher Policial, 21 de janeiro de 2020.

quarta-feira, 31 de março de 2021

GALERIA: O tanque Renault NC27 fm/28 sueco

O tanque sueco fm/28 Renault NC27 NC1 no Museu de Tanques de Arsenalen, perto de Estocolmo.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de março de 2021.

Este tanque Renault NC 27 francês foi comprado pelo Exército Sueco para testes. O exército sueco o indexou como Stridsvagn m/28 (Strv m/28). Os testes em Järvafältet correram mal: a caixa de câmbio e a embreagem não eram particularmente confiáveis e a suspensão não era adequada para a Suécia. Os resultados dos testes significaram que nenhuma compra adicional seria feita. O Strv m/28 seria usado para estudo e treinamento, com os ensinamentos táticos e técnicos sendo empregados no desenvolvimento de tanques suecos; como o Stridsvagn m/31, o primeiro tanque fabricado na Suécia.

O Stridsvagn m/28 foi usado como tanque de comando por um tempo antes de passar o resto de sua vida militar como veículo de treinamento de motoristas no batalhão de tanques da Guarda Real Göta. Ele está preservado no Museu de Tanques de Arsenalen, próximo a Strängnäs, na região de Estocolmo, e é o único tanque da família NC preservado no mundo.

O peso do NC27 fez ceder a ponte de madeira durante os testes na Suécia. Os militares suecos decidiram que seus tanques não poderiam ultrapassar 12 toneladas por conta das pontes.

A suspensão do Renault NC era relativamente complexa, cara de construir e difícil de manter. A combinação de uma suspensão de coluna de mola tripla e seis amortecedores hidropneumáticos verticais servindo a três truques de quatro rolos era realmente complicada. Foi acoplado a um sistema diferencial controlado de Cleveland moderno, mas frágil. Tanto a embreagem quanto a caixa de câmbio foram afetadas por problemas mecânicos. O motor Renault 60cv de 4 cilindros em linha, à gasolina e refrigerado à água, era capaz de dar ao NC uma velocidade máxima de 20 km/h, o que, por sua vez, era a sua melhor vantagem.

A Suécia permanecera neutra durante a Grande Guerra, mas observou o desenrolar do conflito. O governo sueco primeiro comprou um Renault FT (apelidado "Putte" por causa do canhão Puteaux) em 19 de junho de 1921. No mesmo ano, a Suécia comprou dez tanques-protótipos alemães LK II desmontados. As peças dos 10 exemplares foram compradas em segredo por apenas 200.000 coroas suecas, sendo transportadas sob o pretexto de serem placas de caldeira e equipamentos agrícolas e, em seguida, montadas na Suécia como o Stridsvagn m/21 (Strv m/21, stridsvagn significando tanque/carro de combate). Tanto a Alemanha não era autorizada a produzir e vender tanques por conta do Tratado de Versalhes, quanto a Suécia não tinha interesse em que soubessem da nova aquisição.

O Stridsvagn m/21 na Suécia em 1921.

Após os testes iniciais, os suecos descobriram que esses tanques tinham suas limitações, então os militares suecos começaram sua busca por veículos de reposição. Os militares também desejaram um modelo que fosse equipado com um canhão e não apenas uma metralhadora, como era o caso do modelo alemão. Inicialmente Engenheiros alemães e austríacos tentaram criar um modelo armado de canhão e com um motor mais potente, no entanto, o desenvolvimento estava se arrastando, forçando o exército sueco a buscar uma alternativa - daí a compra para avaliação do Renault NC27.

O fm/28 visto de frente com o seu canhão Puteaux 37mm.

O fm/28 com o fm/21 visível à esquerda.

As lagartas do fm/28 não tinham aderência suficiente no terreno sueco.




Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



domingo, 28 de fevereiro de 2021

GALERIA: Pacificadores suecos no Congo

Médicos suecos tratando um gendarme katanguês ferido, cercanias de Kamina, 30 de dezembro de 1962.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de fevereiro de 2021.

Os suecos contribuíram 9 batalhões para a ONUC durante a sua existência, de 1960 a 1964. Os batalhões suecos da ONUC foram:
  • VIII G
  • X K
  • XI G
  • XII K
  • XIV K
  • XVI K
  • XVIII K
  • XX K
  • XXII K
O primeiro batalhão sueco da ONU no Sinai em 1956 foi denominado Batalhão 1. Essa numeração continuou do Batalhão 1 ao Batalhão 9, que foi inicialmente implantado no Sinai e depois em Gaza. Após o Batalhão 9, a numeração foi alterada para incluir apenas números ímpares começando com 11 e com a letra G adicional para Gaza. O Batalhão 8 foi transferido de Gaza para o Congo e depois recebeu o nome de Batalhão VIII K (Kongo (Congo)). Assim, sete dos batalhões do Congo, 10 a 22, foram recrutados para servir na ONUC, enquanto os outros dois eram batalhões de Gaza transferidos para o Congo como reforços.

A ONUC teve um pico de 20 mil soldados durante a sua curta existência, passando de uma missão de "manutenção da paz" para uma missão de "imposição da paz". Por meio da Operação Grandslam, envolvendo 13 mil soldados da ONU, a ONUC lançou uma ofensiva de 28 de dezembro de 1962 a 15 de janeiro de 1963 contra a gendarmaria do Estado de Katanga, um estado separatista que se rebelou contra a República do Congo na África Central. As forças katangesas foram derrotadas de forma decisiva e Katanga foi reintegrada à força ao Congo.

O Major Sture Fagerström, informa seus líderes de pelotão antes do ataque a Kaminaville em Katanga, no Congo.

Posição de metralhadora sueca Ksp m/42.

Posição de metralhadora sueca Ksp m/42 coberta por um soldado com a submetralhadora Kulsprutepistol m/45 (Kpist m/45), também conhecida como Carl Gustaf M/45.

Soldados suecos interrogando um mercenário belga. O sueco à esquerda tem uma submetralhadora Kpist m/45. A legenda original da foto diz: "Tropas suecas detêm um franco-atirador katanguês branco que estava escondido em uma árvore".

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

UN Forces 1948-94.
Robert Pitta e Simon McCouaig.

Leitura recomendada:


FOTO: Soldado norueguesa em Bamako26 de fevereiro de 2021.



terça-feira, 7 de abril de 2020

GALERIA: Blindados soviéticos na Suécia

MTLB.

Por Efim Sandler, Tanks in Action, 9 de janeiro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de abril de 2020.

Esta postagem é baseada no ótimo site de Rickard Lindström, com algumas adições.


No final de 1990, a Embaixada da Suécia em Bonn informou o Departamento de Compras de Defesa (Försvarets materielverk, FMV) que a Alemanha adoraria se livrar de dezenas de equipamentos soviéticos herdados da RDA. Do ponto de vista dos blindados, o mais interessante era o T-72, já que a União Soviética ainda era uma ameaça em potencial, e o Exército sueco queria examinar mais de perto o MTLB. O governo sueco não planejava fazer um gasto enorme; portanto, o esquema consistia em comprar menos do que o valor mínimo, mas compartilhar os resultados dos testes com os alemães e a OTAN. Todo o processo levou algum tempo, mas no outono de 1991, cinco T-72M1 e cinco MTLBs foram comprados e testados na Norlândia Superior.



O ponto mais surpreendente foi que todo o conceito de defesa das áreas nórdicas do norte por terreno inultrapassável provou ser falso. A passabilidade do T-72 e do MTLB foi excelente, mesmo em áreas nevadas e pantanosas. Uma característica interessante observada foi a auto-recuperação, que deu ao tanque a capacidade de superar algumas situações nas quais os tanques ocidentais precisariam de assistência. Por outro lado, a proteção blindada do T-72 foi considerada moderada, mesmo a blindagem adicional do modelo M1 não proporcionou uma vantagem muito melhor do que a básica. O desempenho do APFSDS mostrou-se melhor do que o esperado, pois a velocidade inicial parecia ser maior. Muito impressionante foi a proteção QBN. A última foi a ergonomia que recebeu a menor pontuação. O espaço interno era limitado em comparação aos tanques ocidentais com alto nível de ruído e vibração e muito menos visibilidade da estação TC. Ainda no teste geral, o T-72M1 parecia ser melhor do que o considerado anteriormente.



Em 1992, o governo sueco decidiu comprar cerca de 800 MTLBs fabricados na Bulgária a partir de estoques alemães para equipar brigadas de infantaria e as brigadas Norrland*. Deste montante, 550 MTLBs e 60 MTLB-U foram planejados para reforma e, na primavera de 1997, as Forças Armadas Suecas receberam 609 veículos MTLB sob o nome Pansarbandvagn 401 (Pbv 401). Todos os outros MTLBs foram descartados juntamente com 228 obusieiros auto-propulsados 2S1 Gvozdika descomissionados adquiridos para peças de reposição. Durante sua carreira de serviço, o Pbv 401 foi personalizado de acordo com as necessidades das Forças Armadas Suecas (SAF), incluindo o Pbrbbv 452 - variação anti-tanque equipada com o ATGM RBS 56 BILL e o veículo sobre lagartas médico Sjvtppbv 4024 baseado no MTLB-U. Em 2008, as SAF decidiram eliminar gradualmente todo o inventário MTLB.

*Nota do Tradutor: As Brigadas Norrland eram brigadas de infantaria especializadas em guerra subártica.

MT-LBu


Após o acordo do MTLB, ficou óbvio que o número planejado de veículos não atenderia às necessidades do exército. Em 1993, a Administração de Aquisições de Defesa foi encarregada de comprar cinco BMP-1 da antiga Alemanha Oriental para testes. Os ensaios não foram tranqüilos, mas foram considerados satisfatórios. Em 1994, a Alemanha ofereceu à Suécia tanques excedentes Leopard 2A4 para locação por um 'preço ridiculamente baixo' que estava bem abaixo do valor orçado do FB 92, deixando fundos para a 'mecanização' adicional do exército com 433 BMP-1, dos quais cerca de 350 foram planejados para serem colocados em serviço e com os demais - para peças de reposição. Devido à condição altamente variável do hardware, foi decidido estabelecer um padrão - Panzarbandvagn 501. O contrato de modernização foi concedido à empresa tcheca VOP 026 e em 1996 o Exército Sueco começou a receber o Pbv 501. Em 2000, foi tomada a decisão de cortar todos os Pbv 501 do inventário que realmente permaneceu em serviço até 2005. No momento da decisão, apenas 120 veículos reformados haviam sido entregues.



Além disso, os BMPs da Suécia receberam 32 AVLBs BLG-60M2 (baseados no T-55 desenvolvido na Alemanha Oriental). Os veículos entraram em serviço sob o nome Brobv 941. É preciso dizer que a decisão foi principalmente política, pois os testes com o BLG-60 foram considerados fracassos e a FMV recomendou contrariamente. A capacidade máxima de ponte foi de cerca de 85 toneladas, pouco diferente do recém-introduzido Strv 122, com peso acima de 62 toneladas. Em um caso, a ponte desabou durante o exercício. Finalmente, o limite de uso de ponte foi definido para 50 toneladas no máximo. Como compromisso, a Suécia pagou apenas pela modernização e não pelos AVLBs.



O último da lista é o tanque "La Manche", o T-80. Em 1992, as autoridades suecas foram contatadas pelos russos em concurso para novos tanques paras as brigadas mecanizadas e blindadas suecas. O concurso já incluía o Leopard 2 melhorado, Abrams M1A2 e o Leclerc. Até então, o T-80 era literalmente desconhecido para o mundo exterior, pois nunca foi exportado e nunca foi visto em nenhum conflito. Devido à alta aceleração e rapidez, o mito da propaganda soviética declarou que as unidades equipadas com T-80 chegariam ao Canal da Mancha em 48 horas. É claro que isso não tinha nada em comum com a realidade, mas em muitas fontes o T-80 foi chamado de tanque "La Manche". No entanto, a fábrica de tanques de Omsk, através da Oboronexport russa, ofereceu o T-80U. A equipe sueca de licitação visitou Moscou e Omsk e decidiu considerá-lo para o lote de brigada mecanizada, e prosseguiu com a fase de testes na Suécia (Skövde e Boden).



Dois tanques foram entregues e testados entre outubro de 1993 e janeiro de 1994. O resultado dos testes mostrou que o T-80U era superior aos tipos ocidentais em termos de passabilidade, proteção (ERA integrado e Arena APS) e manutenção - sem problemas durante os testes. No lado negativo, o desempenho noturno (IR e TTS) era ruim, o desempenho médio do canhão principal/munição compatível com o Strv 103 atualizado. A característica mais fascinante foi o míssil 9M119 Svir, que operou com sucesso a mais de 4000m. Apesar do desempenho promissor, os ensaios foram interrompidos pelas ordens de Estocolmo. O T-80 não estava destinado ao exército sueco - o concurso foi encerrado com a oferta alemã de fornecer tanques Leopard para ambos os lotes mecanizados e blindados.

O resto é história.



Engenhosidade sueca: A vassoura fixa para limpar as botas antes de entrar no tanque. Os russos ficaram impressionados!


MTLB em partida de paintball.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

FOTO: Tocando a baioneta

Estudante toca a baioneta de um soldado da Guarda Real Sueca, Palácio Real de Estocolmo, 1970.

Bibliografia recomendada:

The Bayonet.
Bill Harriman.