domingo, 8 de março de 2020

PERFIL: Tenente Charline Redin, autora do livro "Afghanistan: regards d'aviateurs"


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de março de 2020.

A autora do livro Afghanistan: regards d'aviateurs, Tenente Charline Redin é jornalista da revista "Air Actualités" sob contrato com a força aérea francesa, efetuou dois desdobramentos no Afeganistão, em maio e dezembro de 2009, e um terceiro em 2010, passando por Cabul, Bagram e Kandahar, para entrevistar pessoal militar da aeronáutica francesa.


Afeganistão: olhares de aviadores.

Ela escreveu um "um diário de missão, que visa ser educacional". O livro é bem servido de mapas, frisos e glossário que acompanham o texto.


A Tenente Charline Redin durante uma conferência em frente à reserva de cidadãos do ar. (Foto de D.Delion/ Armée de l'Air).

O livro, que contém extratos de diários militares, é dividido em quatro seções. Um é dedicado aos que vêem o Afeganistão do céu, outro aos que o vêem no chão, "comandos aéreos e fuzileiros"; uma terceira parte é dedicada ao pessoal de mecânica, suporte e inteligência.


Entrevistando um comandante afegão.

A Tenente Redin concedeu uma entrevista à força aérea francesa em 9 de dezembro de 2011, quando o livro foi publicado, aqui reproduzida em português.

Tenente Redin, quem é você?

Sou jornalista militar. Entrei para a Força Aérea em 2008 e gradualmente descobri como funcionava e o que fazia. Sou apaixonada pelo meu trabalho e gosto de enfrentar a realidade no terreno, principalmente em locais onde a operação é intensa tanto quanto humana. É importante para mim colocar palavras em emoções, conhecer personagens e contar suas vidas que marcam a história, mesmo que pelo espaço de apenas algumas semanas.

"Afeganistão: olhares de aviadores" está tão cheio dessa emoção que você está procurando?

De fato. Queria humildemente homenagear todos esses homens e mulheres que estão lutando do outro lado do mundo, separados dos entes queridos, e sobre os quais não falamos o suficiente ou falamos mal. Eu queria lhes dar uma voz do meu jeito. Durante minhas três viagens ao Afeganistão, gradualmente descobri a extensão do envolvimento francês e os riscos que os aviadores assumiam em suas missões diárias. Era óbvio para mim que eles foram ouvidos e entendidos.



Como você trabalhou para criar este livro de 240 páginas?

Este é um projeto que amadureceu desde a primavera de 2010. No início, eram apenas pensamentos na minha cabeça, depois idéias rabiscadas em pedaços de papel para não esquecer. Então, quando realmente começou a tomar forma, a se tornar uma meta oficialmente apoiada pela instituição, ela me habitou completamente. Não podemos levar esse tipo de projeto de ânimo leve. É sobre desejo e criatividade, é claro, mas é um trabalho que também requer organização, estrutura e consistência. Pensei nisso no escritório, no metrô, à noite, durante meus outros relatórios. As idéias me vieram de tudo o que vi, li, vivi. E então, um dia, sentei-me e coloquei tudo no papel para construir os capítulos, sua sequência, recortar as sequências para abranger todos os ofícios e os atores desse complexo teatro do qual não podemos sair ilesos.

Uma mensagem adicional para transmitir?

Se é uma homenagem aos aviadores franceses, este livro também é uma maneira de mostrar a beleza torturada de um país marcado por guerras sucessivas e, acima de tudo, destacar o valor, muitas vezes esquecido, de muitos afegãos de gerações diferentes. A disposição deles de acabar com a adversidade de onde quer que ela venha e avançar é impressionante e merece ser conhecida e reconhecida.



Entrevista coletada pela Capitã Virginie Gradella, Armée de l'Air.

Nenhum comentário:

Postar um comentário